Mostrando postagens com marcador Guerra na Selva. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Guerra na Selva. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 1 de outubro de 2021

FOTO: Sniper australiano na selva

Sniper australiano se deslocando em ambiente selvático, 2021.

Um atirador de elite do Exército Australiano do 6º Batalhão, Regimento Real da Austrália (6th Battalion, Royal Australian Regiment (6 RAR)), muda de posição durante uma atividade de fogo real como parte do Exercício Diamond Walk, em Shoalwater Bay, na região de Queensland, na Austrália, 2021.

O Exercício Diamond Walk 2021 visa melhorar a cooperação entre os elementos da 7ª Brigada de Combate, cada um com a sua especialização. Quase 1.100 soldados e 500 veículos estiveram presentes na cerimônia de abertura.

Bibliografia recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Soldado da Guarda Nacional de NY é aprovado no CIGS

O 3º Sargento Thomas Carpenter, da Guarda Nacional do Exército de Nova York, segundo da direita, e outros soldados formados no Curso Internacional de Operações na Selva, realizado pelo Centro de Treinamento em Guerra na Selva do Exército Brasileiro, brandem seus facões.

Por Eric Durr, Guarda Nacional de Nova York, 10 de dezembro de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de setembro de 2021.

Soldado da Guarda Nacional de NY é aprovado em difícil curso de guerra na selva brasileira.

LATHAM, N.Y. - O 3º Sargento Thomas Carpenter, da Guarda Nacional do Exército de Nova York, sabia que iria afundar ou nadar quando apareceu no Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS) do Exército Brasileiro em outubro de 2019.

Ele foi inscrito no Curso Internacional de Operações na Selva de seis semanas que o Exército Brasileiro oferece para soldados estrangeiros. Mas o NCO em treinamento, de 38 anos, do 2º Batalhão, 108º Regimento de Infantaria, sabia que precisava passar no teste inicial de natação ou voltaria para casa.

"Foi uma grande luta conseguir nadar", lembrou o graduado da Escola de Rangers do Exército dos EUA. "Foi um pesadelo."

Por uma semana depois de chegar no quartel-general da escola em Manaus, no Brasil, ele ficou na piscina trabalhando com instrutores até que pudesse nadar de uniforme completo, com sua arma e rebocando uma mochila.

Seis semanas depois, o aspirante, residente de N.Y., não apenas conquistou o cobiçado Brevê de Onça do guerreiro de selva emitido pela escola, como também foi o terceiro graduado com honra no curso internacional.

"Eu era burro demais para desistir", disse Carpenter.

Insígnia do 2º Batalhão, 108º Regimento de Infantaria, Guarda Nacional de Nova York.

Passar pela escola é grande coisa, de acordo com o tenente-coronel do Exército Rob Santamaria, um militar de ligação na Embaixada dos Estados Unidos no Brasil. "A maioria dos especialistas militares na selva considera a Escola de Guerra na Selva do Exército Brasileiro a principal escola de selva do mundo", disse Santamaria.

“A graduação do 3º Sargento Carpenter no Curso Internacional da da Escola de Guerra na Selva do Exército Brasileiro deu credibilidade instantânea à Guarda Nacional do Exército de Nova York e conquistou muito respeito junto ao Exército Brasileiro”, acrescentou.

O desempenho de Carpenter não surpreendeu ninguém que o conheça, disse o Sargento-Mor David Piwowarski, principal suboficial da Guarda Nacional do Exército de Nova York.

"O 3º Sargento Carpenter incorpora o espírito do homem-minuto [minuteman, miliciano colonial]", disse Piwowarski. "Num prazo muito curto, sem nenhum treinamento específico, ele respondeu com dureza a este percurso exigente apenas com o treinamento que já tinha sob o cinto e com muita coragem."

A Guarda Nacional de Nova York foi convidada a enviar soldados para a escola de guerra na selva do Brasil como parte da nova parceria de treinamento e intercâmbio entre a Guarda Nacional de Nova York e as forças armadas do Brasil, rubricada em março de 2019.

Ser capaz de nadar bem é uma parte vital do curso de guerra na selva porque os rios substituem as estradas na floresta tropical, explicou Carpenter.

“Onde eles operam na selva amazônica existem apenas duas estradas”, disse Carpenter. "Quase tudo é feito através do sistema fluvial. Eles usam as redes fluviais para transportar suprimentos e pessoas."

A onça é o símbolo do CIGS.

Ao chegar à escola, todos os participantes devem passar por testes de habilidades básicas, incluindo os requisitos de natação, para indicar que eles podem enfrentar o curso. Em seguida, eles se vão para a selva.

A primeira fase do curso de seis semanas concentra-se em viver e sobreviver na selva, disse Carpenter. Os soldados aprenderam o que podiam ou não comer. "Nós não comemos cobras, mas eu tive que pegar uma", disse ele.

Eles também aprenderam a evitar insetos mortais, animais e cobras. Lidar com a umidade constante foi outra habilidade que aprenderam, disse Carpenter. "A chuva não é como a chuva daqui", disse ele. "É como a chuva da monção. É uma batalha constante para manter a ferrugem longe e manter tudo em boas condições operacionais." Navegar na selva densa também é uma habilidade especial, disse Carpenter.

Dependendo da estação, os níveis de água nos riachos e rios podem ser drasticamente diferentes. Os brasileiros emitem mapas diferentes para diferentes épocas do ano refletindo essas mudanças, disse ele. E o dossel da selva torna difícil criar mapas com características de contorno precisas, disse ele.

Os soldados aprenderam a seguir a "linha seca" durante a navegação, explicou. Eles ficariam em terreno elevado e evitariam as ravinas, o que significava que demorariam mais para ir a qualquer lugar.

Essas habilidades de sobrevivência e navegação foram testadas em um exercício de quatro dias em que cada grupo de combate foi lançado na selva e recebeu uma distância, uma direção e tarefas para realizar ao longo do caminho. "Eles nos lançaram em um lugar onde sabiam que não havia frutas e vegetais para comer", disse ele. "Nós praticamente morremos de fome."

Brevê de Onça do guerreiro de selva.

As duas semanas seguintes foram passadas na água. Eles voaram de helicóptero - saltando de um helicóptero para a Amazônia - e aprenderam a fazer jangadas e a impermeabilizar equipamento. Por fim, Carpenter e sua equipe - que incluía soldados da China, Canadá, França e Paraguai - realizaram uma inserção de dois quilômetros no rio. “Ficamos na água por três horas naquela noite”, lembrou. "Estávamos molhados 24 horas por dia, 7 dias por semana", disse Carpenter. "Se não estivéssemos na água, chovia todos os dias. Se não estivesse chovendo, você estava suando através do uniforme."

A fase final do treinamento focou em táticas militares na floresta tropical. Esse treinamento foi semelhante ao da Escola de Rangers do Exército, disse Carpenter. Os homens planejaram e conduziram patrulhas e missões táticas. Eles desceram de rapel na selva de helicópteros pairando no ar. Esta fase foi culminada com uma patrulha de longo alcance.

A principal diferença entre a Escola de Rangers e o treinamento na selva brasileira é que a selva é várias vezes mais densa do que a floresta e os pântanos da Flórida onde os Rangers treinam, disse Carpenter. "Uma força inimiga pode estar no topo de uma patrulha antes deles perceberem", disse ele.

Cerimônia do facão de selva.

Ao final das seis semanas, Carpenter e os demais estudantes internacionais, inclusive um outro americano, foram presenteados com seu Brevê de Onça - o símbolo oficial de um guerreiro de selva brasileiro - e um facão.

"É um facão muito legal", disse Carpenter. "No final do curso, você tem uma cerimônia do facão."

“Alguém já qualificado te presenteia e então você o batiza agitando-o através da fumaça de uma fogueira”, acrescentou.

Desde que o Brasil fundou sua escola de guerra na selva em 1964, mais de 6.300 soldados conseguiram passar pelo curso, disse Santamaria. São 530 formandos do curso internacional do Exército brasileiro uma vez por ano.

A fogueira.

Carpenter é o 30º membro do Exército dos EUA a passar pelo curso, disse ele. Seu objetivo agora, disse Carpenter, é trazer as habilidades que aprendeu de volta para sua unidade e outras formações da Guarda Nacional do Exército de Nova York. "Não sou um bom sargento a menos que treine soldados e os torne melhores do que eu", disse ele.

O principal conselho que ele daria a outros soldados da guarda em direção ao curso de selva é se concentrarem na natação e, em seguida, nadar um pouco mais. "Todos que foram lá estavam preparados", disse Carpenter. "Eu era o único idiota que não fazia ideia das coisas."

O 3º Sargento Thomas Carpenter, da Guarda Nacional do Exército de Nova York, à direita, está ao lado de outros dois soldados homenageados pelo Curso Internacional de Operações na Selva realizado pelo CIGS, brandindo a estatueta do guerreiro da selva.

Bibliografia recomendada:

A History of Jungle Warfare:
From the earliest days to the battlefields of Vietnam.
Bryan Perrett.

Jungle Warriors:
Defenders of the Amazon.
Carlos Lorch.

Leitura recomendada:

Um soldado americano se forma na selva brasileira, 30 de setembro de 2018.

FOTO: Conferência de selva com o Exército Americano no Panamá, 23 de agosto de 2020.

Chineses buscam assistência brasileira com treinamento na selva9 de julho de 2020.

Alguns soldados estão agora autorizados a usar o novo brevê de selva do Exército Americano23 de maio de 2020.

Retorno à Selva: Um renascimento da guerra em terreno fechado17 de julho de 2019.

Bem vindo à selva11 de julho de 2020.

Membros do 3º Batalhão, Royal 22e Régiment se preparam para a guerra na selva30 de setembro de 2019.

Relatório Pós-Ação de participação na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército Brasileiro, 5 de janeiro de 2020.

segunda-feira, 26 de julho de 2021

A experiência australiana de contra-insurgência no Vietnã 1966-1971

Soldados do 7 RAR, armados de SLR/FAL, aguardam transporte para Phuoc Hai, em 26 de agosto de 1967.

Por Frédéric Jordan, L'Écho du Champ de Bataille, 17 de outubro de 2011.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de julho de 2021.

Alguns historiadores e soldados referem-se cada vez mais à experiência pouco conhecida das tropas australianas durante a Guerra do Vietnã e, em particular, sua capacidade de adaptação a esse tipo de combate, bem como seus modos específicos de ação. Os últimos são, portanto, descritos como tendo sido eficazes, pelo menos mais eficazes do que a maioria das operações realizadas pelo Exército Americano. Da mesma forma, é interessante notar que o formato da força expedicionária australiana, bem como as missões e a zona de engajamento confiadas, têm fortes semelhanças com aqueles, por exemplo, da TF La Fayette atualmente destacada no Afeganistão.

Será, portanto, uma questão de determinar, em poucas linhas, se essa experiência histórica pode fornecer lições táticas em termos de engajamentos franceses contra um adversário do tipo insurgente.

Distintivo da Força-Tarefa Lafayette durante uma parada militar no Palácio do Governador Militar de Estrasburgo em 31 de janeiro de 2013, por ocasião do retorno da Força-Tarefa Lafayette à França.
A missão francesa no Afeganistão terminou em 25 de novembro de 2012.

A Zona de Operações

Engajado desde 1961 no Vietnã com conselheiros militares, o exército australiano desdobrou, em junho de 1966, dois e depois três batalhões de infantaria e seus apoios, bem como meios aéreos no Vietnã do Sul. A área confiada é então a província de Phuoc Tuy com uma área de 390.000km². Ela é constituída por uma planície central limitada a oeste pela zona especial impenetrável de Rung Sat, a norte e a leste por colinas dominadas pelo Viet Cong e a sul pelo mar. Eles devem manter abertos e em segurança um eixo logístico principal, a Rodovia 15. As unidades de infantaria são apoiadas por uma bateria australiana, uma companhia de engenharia e um esquadrão blindado (Centurion) e por um batalhão de artilharia americano. Algumas forças especiais e uma unidade de reconhecimento completam a Força-Tarefa.

Os Engajamentos

Assim que chegou, o corpo expedicionária procurou tomar o controle da planície central e teve que travar uma batalha campal em 18 de agosto de 1966, em Long Tran, contra o 275º regimento vietcongue. Nesta ocasião, os soldados australianos infligiram pesadas baixas entre o inimigo e demonstraram uma verdadeira teimosia no combate, bem como um sentido aguçado de manobra. O adversário deve abandonar a cena e recuar de volta para as colinas ou dentro da selva.

Uma nova fase então começa para os australianos que devem executar uma luta anti-guerrilha. Para isso, buscam colocar em prática as habilidades adquiridas na Malásia entre 1948 e 1960, principalmente sob a influência de um experiente oficial australiano, o coronel Ted Serong. Eles, portanto, lideram missões de transferência de aldeões, ações cívico-militares e treinam tropas locais, apesar da relutância do exército sul-vietnamita. Durante a ofensiva do Tet, eles serão enviados a vários setores para restaurar a situação, mas nunca estão engajados em áreas altamente urbanizadas.

A partir de 1971, apenas conselheiros permaneceriam no local para treinar o exército do regime de Saigon.

M113 australiano com civis vietnamitas.

O Retorno da Experiência

Apesar dos bons resultados, os australianos descobrem que a fraqueza de suas tropas (7.672 homens no pico) não lhes dá a possibilidade de controlar toda a sua zona de ação. Eles também cometem erros, como as bandas minadas colocadas ao sul de Dat Do para evitar infiltrações e cujos artefatos explosivos serão recuperados pelo Viet Cong para reutilização. Apesar de tudo, os insurgentes desconfiam dos modos de ação australianos, resumidos claramente por um jornalista, Gerald Stone:

"As patrulhas australianas evitaram cuidadosamente pistas e clareiras (...) abrindo caminho cuidadosamente em silêncio por entre bambuzais e folhagens emaranhadas, (...) conseguiram perseguir os guerrilheiros sem se expor a emboscadas mortais que custaram tantas mortes aos americanos."

Operadores SAS australianos desembarcando de um Huey da Real Força Aérea Australiana.

Esses modos de operação flexíveis, como "Cordon and Search" (Cordão e Busca) despertar críticas veementes do estado-maior americano e do general Westmoreland, comandante das forças americanas no Vietnã, que vêem isso como uma falta de agressividade e combatividade de seus aliados. Da mesma forma, os australianos se oporão ao programa estratégico das aldeias (strategic hamlets), aldeias rurais fortificadas para isolar os camponeses da insurreição comunista, liderado pelos Estados Unidos e pelo Vietnã do Sul.

No entanto, este recorde australiano permanece misto porque os vietconques, ciente do potencial de seu adversário, evitará o contato e recuperará o controle da província de Phuoc Tuy após a partida da força expedicionária em novembro de 1971. Se 46.852 soldados australianos permanecerem neste teatro em rotações de 6 meses, quase 496 deles serão mortos e 2.398 outros feridos.

Centurion do 1st Battalion, Royal Australian Regiment no Vietnã.

É certo que o método australiano oferece algumas soluções táticas (flexibilidade de emprego, utilização do terreno, emboscadas, varreduras, etc.), porém, o controle do ambiente manteve-se precário e as ações junto à população não possibilitaram cortar a população permanentemente da influência do Viet Cong. Consequentemente, as lições permanecem limitadas para os engajamentos atuais, como aqueles conduzidos no Afeganistão, por exemplo.

Bibliografia recomendada:

Vietnam ANZACs:
Australian & New Zealand Troops in Vietnam 1962-72.
Kevin Lyles.

Leitura recomendado:


sábado, 31 de outubro de 2020

GALERIA: Guerra na Selva em Okinawa

Fuzileiros navais americanos passando pela pista de maneabilidade do curso de endurecimento em Okinawa, sul do Japão, em março de 2020.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 31 de outubro de 2020.

O Centro de Treinamento de Guerra na Selva (Jungle Warfare Training Center, JWTC) está localizado em Camp Gonsalves, uma área de treinamento do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos (United States Marine Corps, USMC), e foi estabelecido em 1958. Está localizado no norte de Okinawa, no Japão; precisamente entre as aldeias de Kunigami e Higashi. É o maior centro de treinamento americano em Okinawa.

Também conhecido como Área de Treinamento Norte (Northern Training Area, NTA), e desde 1998 como Jungle Warfare Training Center (JWTC), ocupa 17.500 acres (71 kmº) da selva no norte de Okinawa. Os fuzileiros navais treinavam para operações anti-guerrilha na Área de Treinamento do Norte de Okinawa desde pelo menos 1958, mas em maio de 1961 uma nova escola de contra-insurgência foi inaugurada em Okinawa.

Com o apoio da 3ª Divisão de Fuzileiros Navais, o JWTC está em uma transição para se tornar uma escola de Comando de Treinamento e Educação (Training and Education CommandTECOM). A partir de 2017, novos cursos e currículo estão sendo desenvolvidos para incluir: Curso de Rastreamento na Selva, Curso de Trauma na Selva e Curso de Medicina na Selva. Com a ampliação dos cursos vem também o planejamento de salas fechadas, melhores equipamentos didáticos, além de diversos outros prédios e auxílios didáticos. Seus cursos principais são o Curso de Habilidades de Selva (Jungle Skills Course), Curso de Líderes de Selva (Jungle Leaders Course) e o Curso de Endurecimento de Selva (Jungle Endurance Course).








Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

O Japão pode salvar o dia em um conflito EUA-China, 10 de outubro de 2020.

segunda-feira, 5 de outubro de 2020

A Viabilidade das Operações na Selva à Noite

Por Andy Blackmore, Wavell Room, 16 de abril de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 1º de outubro de 2020.

Hoje existem muitos pontos de inflamação fora da área da OTAN onde, se um conflito eclodir, a guerra na selva pode estar na ordem do dia. Os militares ocidentais tentam operar principalmente à noite e a selva apresenta desafios únicos para isso. Este artigo argumenta que as operações noturnas na selva são possíveis, mas devido a deficiências na doutrina do Reino Unido continuam difíceis e não recomendadas. Se o Exército deseja realizar operações noturnas, então a doutrina requer uma reescrita significativa para permitir um melhor enfoque na coordenação de atividades de equipes pequenas e subunidades nos planos do grupo de batalha.

A selva é um ambiente difícil de se mover e operar e é um desafio para soldados e comandantes. De trepadeiras baixas e vegetação densa a quedas repentinas no terreno, a liberdade de movimento está gravemente degradada. Isso é intensificado durante a escuridão. No entanto, a história dita que um comandante deve planejar e treinar para operações noturnas se quiser continuar a ser a força superior. Como o Marechal-de-Campo Slim observou:

“Para nossos homens, a selva era um lugar estranho e temível: mover-se e lutar nela era um pesadelo. Estávamos muito prontos para classificar a selva como "impenetrável". Para nós, parecia apenas um obstáculo ao movimento; para os japoneses, era um meio bem-vindo de manobra oculta e surpresa. Os japoneses colheram a recompensa merecida... pagamos a pena”.

- Marechal-de-Campo Slim, Defeat into Victory.

"Transformando a Derrota em Vitória", o Marechal-de-Campo Sir William Slim comandou as forças britânicas na Birmânia.

O pensamento tradicional sobre a guerra na selva é que ela é a exclusivamente reservada à infantaria apoiada por algumas armas de artilharia de dorso. Desde a Segunda Guerra Mundial, no entanto, todos os ramos do serviço aprenderam a operar efetivamente na selva. A ideia de que os tanques podem exercer uma influência decisiva, antes tida como idiota, está provada. As comunicações de rádio aprimoradas permitiram que aeronaves de ataque ao solo e artilharia desenvolvessem novas táticas. Os lançamentos aéreos de suprimento permitiram que os exércitos mantivessem o ímpeto de um avanço ou operassem isolados por mais tempo. Equipamento de movimentação de terra converteram a floresta em trilhas transitáveis por transporte motorizado. A medicina preventiva reduziu o risco de doenças e as rações pré-embaladas prolongaram a capacidade do soldado de permanecer operacional por mais tempo em um alcance estendido. O advento do helicóptero proporcionou nova mobilidade aérea e simplificou a evacuação das baixas.

Por causa desses avanços, alguns argumentam que a selva se tornou neutra. [1] No entanto, as lições aprendidas e aplicadas na Birmânia durante a Segunda Guerra Mundial pelo Marechal-de-Campo Slim, devem ser reaplicadas e a doutrina atual deve ser atualizada para que as operações noturnas na selva se tornem viáveis.

Spencer Chapman, autor, comando e condecorado com a Ordem de Serviços Distintivos.

[1] The Jungle is Neutral, F. Spencer Chapman DSO, 2014.

O que é a selva?

O terreno da selva varia muito, desde montanhas com florestas até áreas de pântano. As áreas tropicais são categorizadas como selva primária, selva secundária ou floresta decídua. Eles podem conter super-crescimento de dossel simples, duplo ou triplo e geralmente contêm vegetação densa. Pode-se dizer que não existe “país típico da selva”. As características comuns a todas essas áreas são a falta de estradas e ferrovias, movimento limitado de veículos em todo o país e visibilidade limitada para forças aéreas e terrestres. [2]

[2] US War department, 1943.

As operações diurnas na selva, por sua natureza, já têm muito em comum com as noturnas: a ênfase na importância do comando e controle (C2), a necessidade de objetivos limitados, a dificuldade em manter a direção, a dificuldade em usar o fogo de cobertura, o confiar no ouvido em vez dos olhos e a necessidade de permitir bastante tempo para uma operação são considerações críticas de planejamento.

Morteiro em ação durante o Exercício Pacific Kukri 19 envolvendo o 2º Batalhão, Os Reais Fuzileiros Gurcas, 2019.

O Manual de Campanha 90-5 (Field Manual 90-5, FM 90-5) americano e o Panfleto Ambiente de Terreno Fechado Tropical (Close Country Tropical Environment, CCTE) do Reino Unido contêm referências limitadas a operações noturnas. O FM 90-5 afirma que “como as operações noturnas, especialmente as emboscadas, são comuns em combates na selva, as unidades devem enfatizar o treinamento noturno”. Ainda assim, os manuais não oferecem considerações de planejamento ou treinamento para auxiliar os comandantes em sua preparação, nem abordam os tipos de operações noturnas que conduzem à luta na selva ou a escala em que devem ser realizadas. O panfleto CCTE contém apenas um capítulo sobre o movimento noturno na selva.

Mais importante ainda, ambos falham em fornecer quaisquer técnicas especiais que possam ajudar na execução de operações noturnas na selva. A suposição predominante é que os riscos associados a ataques deliberados à noite contra qualquer inimigo são altos demais para justificar a operação. Esta é uma tensão entre como as forças ocidentais desejam operar e a doutrina disponível para elas na selva.

Metralhador gurca disparando com o auxílio de NVD.

O C2 é importante

O C2 é o fator mais importante em combates noturnos. Sua função é sincronizar os disparos e o movimento no ponto decisivo para alcançar a surpresa enquanto mantém a segurança, o ritmo e o propósito. O estado final é destruir o inimigo sem cometer fratricídio ou, caso não se ataque o inimigo, usar a noite dentro da selva para explorar uma vantagem de tempo e espaço. Para atingir esse estado final, todos os soldados devem operar de forma tão eficiente à noite como durante o dia.

Soldado gurca com um dispositivo de visão noturna.

Dentro da mesma linha doutrinária, os comandantes devem considerar a capacidade de combate noturno do inimigo antes de executar uma operação noturna na selva. A tecnologia disponível deve ser aplicada de maneira consistente com a situação encontrada. Por exemplo, em um cenário em que o inimigo tem capacidade de visão noturna, um comandante deve escolher os procedimentos e equipamentos de C2 corretos para combater as capacidades de visão noturna do inimigo. Somente em uma situação em que o inimigo não tenha capacidade de visão noturna é possível o uso irrestrito do espectro da visão noturna.

Infelizmente, alguns dos mais fervorosos defensores das operações noturnas na selva não têm experiência em guerra na selva e não possuem nenhuma concepção das complexidades envolvidas. Isso se reflete na atual doutrina da selva do Reino Unido. Olhar para evidências históricas permite uma perspectiva diferente sobre as operações noturnas na selva.

A experiência japonesa: dominando a noite

Soldados imperiais japoneses no Pacífico.

Durante a 2ª Guerra Mundial, os japoneses operaram à noite sempre que possível. Eles eram hábeis no uso de disfarces, movimento silencioso à noite e movimento ao longo de caminhos na selva quando desejavam ficar entre e atrás das defesas inimigas. [3]

[3] U.S. War department, Military Intelligence Division. “Notes on Japanese Warfare”. Boletim de informação nº 8, 1942. 

Os fundamentos japoneses para o sucesso das operações noturnas eram simplicidade, manutenção da direção, controle e surpresa. Estas foram mantidas atribuindo objetivos limitados e desenvolvendo um plano simples. A direção era mantida por bússola, guias, escolhendo características naturais e artificiais inconfundíveis para marchar, e às vezes por 5ª colunistas que acenderiam fogueiras para servir de pontos de marcha. O controle foi mantido selecionando objetivos em características de terreno bem definidas, como topos de colinas. Furtividade, movimento silencioso e engano foram usados para facilitar a surpresa.

Os japoneses também dedicaram um tempo significativo às manobras noturnas durante o treinamento. Eles fizeram um esforço concentrado para fazer com que cada soldado de combate saísse pelo menos uma vez por semana em algum tipo de problema noturno com os comandantes enfatizando exercícios individuais, de grupo de combate e de pelotão. Mesmo durante o treinamento básico, os soldados foram encarregados de realizar movimentos noturnos individuais através da selva densa, a fim de se familiarizar com as condições de escuridão. Por exemplo, as tropas japonesas designadas para o ataque a Hong Kong dedicaram mais da metade das seis semanas de treinamento preparatório intensivo às operações noturnas.

Em contraste, os exércitos ocidentais parecem ter adotado uma mentalidade diferente. Durante a Segunda Guerra Mundial, as táticas de selva americanas eram geralmente estáticas: atacando com força durante o dia e depois se abrigando à noite. Para um observador "eles atiravam em qualquer coisa que se movesse após o anoitecer, incluindo não apenas o inimigo, mas búfalos e soldados fora do perímetro".[4] Embora esta não seja uma descrição totalmente precisa, ela descreve apropriadamente a natureza defensiva das táticas de selva noturnas americanas durante a Segunda Guerra Mundial . Esses parâmetros mudaram com a invenção dos dispositivos de visão noturna.

[4] Bushmasters, Anthony Arthur, 1987.

Bushmasters: America's Jungle Warriors of World War II.

O papel da visão noturna

Já se passou um quarto de século desde que os dispositivos de visão noturna, ou NVDs, foram declarados a "maior incompatibilidade individual" da Guerra do Golfo. Desde então, a tecnologia subjacente permaneceu praticamente inalterada. Isso deixou os soldados com óculos de proteção analógicos volumosos que, em grande parte, perderam a revolução digital. NVDs poderosos estão agora disponíveis para adversários estatais e não-estatais, anulando vantagens potenciais nas operações de selva. Os seguintes pontos devem ser considerados na preparação e seleção de dispositivos de visão noturna para uso na selva:

Intensificação de imagem (II): é eficaz, mas requer luz ambiente para funcionar de forma eficaz. Com o dossel da selva espessa ou uma lua sobreposta, eles terão um desempenho muito ruim. Tochas IR e cialumes IR também precisam ser equilibrados em relação à imagem tática.

Imagem térmica (TI): este sistema usa uma escala em preto e branco para diferenciar entre assinaturas quentes e frias. No entanto, esses dispositivos não podem ver através de vegetação densa.

Óculos montados na cabeça: Os dispositivos de fixação podem ser extremamente degradantes para a consciência situacional e aumentar o risco de fadiga e lesões por calor. Além disso, as montagens da cabeça estão propensas a ficarem presas na folhagem da selva e nas vinhas, especialmente durante o contato e o fogo e movimento.

Soldados neo-zelandeses em patrulha noturna nas selvas do Timor Leste, década de 90.

O investimento é necessário... mas?

A vantagem tecnológica do Ocidente à noite acabou. Os combatentes do ISIS, especialmente aqueles que foram recrutados no exterior, entendem completamente o poder da visão noturna e, em alguns casos, eles obtiveram seus próprios dispositivos. O Departamento de Estado dos Estados Unidos tentou reprimir a disseminação de NVDs no mercado negro controlando as exportações, mas quando a internet tem dezenas de diferentes lunetas e monóculos de visão noturna em estoque, há um limite para o que o governo pode fazer. Os próprios contratados do Pentágono são conhecidos por se desviar; a ITT Corp, com sede em Nova York, por exemplo, foi multada em US$ 50 milhões depois que foi descoberta a venda de tecnologia sensível para a China, Cingapura e Reino Unido.

Mas a melhor maneira de reafirmar as vantagens monumentais na visão noturna não é controlar as exportações, é desenvolver novos sistemas e táticas. Entre as novidades mais significativas está o desenvolvimento de óculos que combinam intensificação de imagem e imagens térmicas. Outra melhoria potencial é a tecnologia que conecta um conjunto de óculos de visão noturna com a mira de uma arma, permitindo que um soldado aponte uma arma em uma esquina e acerte um alvo sem se expor ao fogo inimigo à noite. Mas as questões permanecem se essa tecnologia sobreviverá às demandas da selva.

No entanto, considerando que a maioria dos adversários provavelmente possuirá algum tipo de óptica noturna, seria uma decisão ousada tentar conduzir um ataque à noite na selva. Especialmente contra uma posição fortificada; as posições estáticas defendidas sempre terão a vantagem e a capacidade de identificar e se defender contra o movimento identificado. Isso significa que um defensor provavelmente sempre terá uma vantagem em operações noturnas na selva, a menos que sua ótica possa ser cegada.

Um menino soldado achinês brandindo um fuzil AK47 durante treinamento militar na selva do distrito de Pidie, em Achem, na Indonésia.

A experimentação britânica moderna

O Exército Britânico, por meio dos Royal Gurkha Rifles (Reais Fuzileiros Gurcas), conduziu extensas experiências na selva. A principal conclusão é que as operações na selva à noite até o nível do grupo de batalha são possíveis; mas não recomendadas. Para tornar essas operações mais bem-sucedidas, opções de investimento mais ousadas devem ser consideradas.

Conclusão

Operar à noite é possível e oferece oportunidades para surpreender o inimigo e manobrar as forças para uma posição de vantagem no momento de nossa escolha. Mas a selva é um ambiente único e há restrições ao que é possível e alguma atividade, ao equilibrar ameaças e oportunidades, não daria a uma força uma vantagem marcante.

É provável que as operações noturnas na selva continuem sendo o conjunto de habilidades de pequenas equipes especializadas que conduzem operações em nome de uma força maior em busca de uma vantagem durante o dia. Isso não quer dizer que as operações noturnas em grande escala sejam impossíveis; a história mostra que elas são. Em vez disso, em quase todos os exemplos, as vantagens do defensor provavelmente não justificam o risco. A doutrina e o equipamento atuais não fornecem a um comandante os princípios para superar essas restrições percebidas.

Se o Reino Unido quiser se destacar novamente à noite na selva, deve haver investimento nas capacidades e equipamentos mais adequados. A doutrina deve ser mudada para permitir melhor a coordenação de ações táticas de pequenas e subunidades em atividades coerentes de grupos de batalha. Também é necessário um foco maior na execução de patrulhamento noturno em curtas distâncias como rotina; emboscada em defesa, reconhecimento e movimento protegido e em operações ofensivas. O Exército tem experiência para fazer isso. A questão é: o Exército tem vontade de fazer isso?

O Major Andrew Blackmore é o Chefe do Estado-Maior da Brigada de Gurcas. Anteriormente, ele foi oficial de comando da Companhia C (Tamandu) do 2º Batalhão, O Regimento dos Reais Fuzileiros Gurcas (The Royal Gurkha Rifles) com base em Brunei. Durante sua missão no comando, o Major Blackmore passou longos períodos de tempo desdobrado nas selvas de Bornéu conduzindo atividades de subunidades e quadros de liderança subalterna. Durante esse tempo, ele conduziu extensas operações de experimentação noturna para entender e testar a validade das operações noturnas na selva.

Bibliografia recomendada:

World War II Jungle Warfare Tactics.
Dr. Stephen Bull e Steve Noon.

Leitura recomendada:

Um soldado americano se forma na selva brasileira, 30 de setembro de 2018.

FOTO: Conferência de selva com o Exército Americano no Panamá23 de agosto de 2020.

Alguns soldados estão agora autorizados a usar o novo brevê de selva do Exército Americano23 de maio de 2020.

VÍDEO: Estágio Jaguar na Guiana Francesa, 19 de setembro de 2020.

Friday Night Lights: Como usar a visão noturna - para iniciantes8 de fevereiro de 2020.

VÍDEO: Emboscada noturna das Spetsnaz na Síria27 de fevereiro de 2020.

Membros do 3º Batalhão, Royal 22e Régiment se preparam para a guerra na selva30 de setembro de 2019.

Retorno à Selva: Um renascimento da guerra em terreno fechado17 de julho de 2019.

Bem vindo à selva11 de julho de 2020.

DOCUMENTÁRIO: Guerreiros Da Selva, CIGS (13 episódios)5 de agosto de 2020.

Chineses buscam assistência brasileira com treinamento na selva9 de julho de 2020.

domingo, 23 de agosto de 2020

FOTO: Conferência de selva com o Exército Americano no Panamá

O Tenente Carlos César Leal de Albuquerque, um representante brasileiro, inspeciona um lançador anti-carro M72A2 durante um exercício de fogo real na Conferência de Operações de Selva no Fort Sherman, no Panamá, em 10 de dezembro de 1982.

O soldado brasileiro tem o cobiçado emblema da onça. Na época, este brevê era emitido para os alunos do Curso de Operações na Selva e de Ações de Comandos (COSAC), atual CIGS.

O Fort Sherman operava o Centro de Treinamento de Operações na Selva (Jungle Operations Training Center, JOTC), que foi fundado em 1951 para treinar as forças norte-americanas e aliadas da América Latina em guerra na selva, com um recrutamento de cerca de 9.000 por ano. O JOTC também ministrou um Curso de Sobrevivência de Tripulação Aérea (Air Crew Survival Course) de 10 dias, aberto a todos os ramos de serviço, e um Curso de Engenharia de Guerra na Selva (Engineer Jungle Warfare Coursede quatro semanas. Após a conclusão do curso, o aluno recebia o brevê de Especialista de Selva (Jungle Expert Patch).

Antigo brevê de selva americano.
O atual contém apenas a palavra "Jungle".

Em 1999, o exército americano fechou a escola, acreditando que a expertise não era mais necessária; não foi até 2014 que o JOTC foi reaberto no Havaí e o brevê de selva foi revitalizado como um brevê autorizada para uso por soldados que concluem o curso e são atribuídos à área de responsabilidade do Exército dos EUA no Pacífico (U.S. Army Pacific Command, USARPAC). Este novo brevê contém apenas a palavra "Jungle" e foi aprovado apenas em maio de 2020.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

Alguns soldados estão agora autorizados a usar o novo brevê de selva do Exército Americano23 de maio de 2020.


Bem vindo à selva11 de julho de 2020.

Membros do 3º Batalhão, Royal 22e Régiment se preparam para a guerra na selva30 de setembro de 2019.

Chineses buscam assistência brasileira com treinamento na selva9 de julho de 2020.

Relatório Pós-Ação de participação na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército Brasileiro, 5 de janeiro de 2020.