Mostrando postagens com marcador Tropas Aerotransportadas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Tropas Aerotransportadas. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 20 de agosto de 2021

Salto de grande altitude no Ártico


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 20 de agosto de 2021.

Em 27 de abril de 2020, ocorreu o salto de uma unidade de reconhecimento da VDV em algum lugar do Ártico de uma altura de 33.000 pés, o que é aproximadamente a marca prática superior de uma inserção HALO/HAHO. Segundo os russos, esta foi a primeira vez em sua história que eles saltaram daquela altura. Uma vez no solo, eles realizaram um assalto simulado contra um "alvo de inteligência".

O vice-ministro da Defesa da Federação Russa, Tenente-General Yunus-bek Yevkurov, um ossétio que se formou na escola do Comando Aerotransportado de Ryazan em 1989, na era soviética, estava na Zona de Lançamento (ZL).




Bibliografia recomendada:

Wings of War:
Airborne Warfare 1918-1945.

Leitura recomendada:











sábado, 7 de agosto de 2021

GALERIA: Novos recrutas para as forças especiais aéreas francesas


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de agosto de 2021.

Noticiado pela Força Aérea e Especial através do site do Ministério da Defesa francês em 6 de agosto de 2021.

De 3 de maio a 29 de julho de 2021, cerca de vinte estagiários foram confrontados com as duras seleções do curso "Attila"tila) do Comando Paraquedista Aéreo (Commando parachutiste de l’airCPA) nº 30.

Em 29 de julho, na base aérea 123 em Orleans, os laureados receberam seu brevê militar de comando paraquedista aéreo. Para a ocasião, o Sargento Aubin, ex-comando do CPA nº 20 engajado durante a Guerra da Argélia e padrinho da nova turma, fez a viagem para entregar os distintivos aos estagiários, um gesto simbólico para ambas as gerações.

O Sargento Aubin, ex-comando do CPA nº 20 na Argélia, coloca o brevê no braço de um estagiário.

Um estágio baseado na polivalência


Em três meses de treinamento, os recrutas puderam aperfeiçoar sua maestria do tiro, primeiros socorros em combate, salto de paraquedas, aérocordage (descida rápida com corda), mas também combate diurno e noturno, fundamentos do comando aéreo. Do Camp de la Courtine à base aérea de Orléans-Bricy 123 via Córsega, seu treinamento foi realizado em ambientes de combate variados, em clima quente e frio, terreno montanhoso e ambiente náutico.

Uma vez validado o estágio, alguns dos comandos brevetados são integrados ao CPA nº 30. Seu treinamento continuará a se especializar em busca e resgate de combate (combat search and rescueCSAR) e missões de apoio a operações especiais: drone, apoio aéreo aproximado, busca e neutralização de explosivos, inteligência, QBN, entre outros. Para os demais que optaram por ingressar no CPA nº 10, serão encaminhados para o estágio “Belouga”.


A cerimônia também sinalizou o culminar da carreira militar do Major "Steph", supervisionando o estágio Attila por cinco anos e servindo na Força Aéreo e Espacial por 35 anos. Para finalizar, o Major deseja sublinhar e saudar o excelente espírito e o voluntarismo dos recrutas que tem acolhido nos últimos anos.

O distintivo de Átila, o huno

Estamos em 1957, o CPA nº 40 acaba de ser criado. O Capitão Führer, um praça ex-piloto de caça de 1939 a 1940, está no comando. Resistente, preso e torturado antes de escapar do trem que o levava para um campo de internamento, o capitão ingressou no CPA em 1956. Para se diferenciar dos demais comandos, criou um distintivo representando o soberano dos hunos, que seria um verdadeiro símbolo durante a guerra da Argélia.


Bibliografia recomendada:

French Airborne Troops Wings and Insignia: From the origins to the present day.
Histoire & Collections.


A história secreta das Forças Especiais.
Éric Denécé.

Leitura recomendada:




FOTO: Salto de Quarentena, 25 de maio de 2020.

FOTO: Salto noturno na chuva26 de setembro de 2020.

FOTO: Salto com máscaras de gás, 1º de abril de 2021.

FOTO: Fuzis SKS capturados, 1º de janeiro de 2021.

sábado, 17 de julho de 2021

Forças Especiais: Inovação de suboficial do 13e RDP melhora a segurança dos saltadores operacionais

Por Laurent Lagneau, Zone Militaire OPEX 360, 17 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de julho de 2021.

Durante a sua última viagem a Biscarrosse, no centro de “Teste de Mísseis” da Direção-Geral dos Armamentos (Direction générale de l’armementDGA), a Ministra das Forças Armadas, Florence Parly, citou a palavra “inovação” 19 vezes… e em particular para insistir na “inovação participativa”, ou seja, sobre a capacidade dos militares de imaginar soluções para os problemas operacionais com os quais são regularmente confrontados.


Assim, e no sentido de fomentar ainda mais esta inovação participativa, que já é tema do "prix de l’Audace" ("Prêmio da Audácia”), atribuído a cada dois anos pela Fundação Maréchal Leclerc de Hauteclocque, a Sra. Parly anunciou a criação, no próximo mês de Novembro, do “Troféu dos Inovadores da Defesa”, sob a égide da Agência da Inovação da Defesa (Agence de l’innovation de défenseAID). Este troféu "terá como objetivo premiar inovadores de todos os estatutos, civis ou militares, pertencentes ao ministério" e a sua primeira edição "terá como tema" operações em campos intangíveis", seja ciber, inteligência, luta por influência, ou capacidades cognitivas e psicológicas”, disse a Ministro.

De qualquer forma, 2020 terá sido um ano "dinâmico" para a inovação participativa. Excluindo aqueles relacionados com a Covid-19, a AID investigou 75 projetos, 32 dos quais foram financiados. E o DAPCO, para "Dispositivo de auxílio à aterragem para saltadores operacionais", foi distinguido na última edição do DROID (Document de référence de l’orientation de l’innovation de DéfenseDocumento de referência para a orientação da inovação em defesa).

Saltadores operacionais do 13e RDP.
Saltadores livres qualificados em saltos HALO e HAHO.

Concretamente, o DAPCO visa melhorar a segurança dos saltadores operacionais. Portanto, trata-se principalmente das forças especiais. Assim, em uma zona desértica e em condições de visibilidade zero, um paraquedista não percebe o solo quando está no final de suas linhas. Daí a ideia de avisá-lo que está prestes a pousar por meio de um sinal sonoro, para evitar o risco de perder velocidade ou chegar numa velocidade muito alta.

Este é, portanto, o princípio do DAPCO, desenvolvido por um chefe de gabinete do 13º Regimento de Dragões Paraquedistas (13e Régiment de Dragons Parachutiste, 13e RDP), com a ajuda da empresa de Bordéus BE Électronique. Em detalhes, este dispositivo tem a forma de uma "caixa que emite ondas de rádio na direção do solo e um receptor conectado à caixa V60 INVISIO, que emite sons no fone de ouvido PELTOR [anti-ruído]" do operador.

INVISIO V60.

Este projeto inovador recebeu um financiamento de 45.000 euros no âmbito da inovação participativa do Ministério das Forças Armadas.

Salto livre/operacional das forças especiais francesas


Bibliografia recomendada:

Commandos Parachutistes:
Au coeur de l'action.
Louis-Frédéric Dunal.

French Airborne Troops Wings and Insignia:
From the origins to the present day.
Jacques Baltzer e Éric Michéletti.

Leitura recomendada:



O primeiro salto da América do Sul, 13 de janeiro de 2020.



GALERIA: Reencenação do salto no Passo de Mitla, 31 de março de 2020.

sábado, 20 de março de 2021

FOTO: Paraquedistas do SAS francês na Tunísia

Membros do "French Squadron SAS" (1er Compagnie de Chasseurs Parachutistes) durante a junção com as unidades avançadas dos 1º e 8º Exércitos na área de Gabes-Torzeur, na Tunísia, em 1º de fevereiro de 1943.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 20 de março de 2021.

Previamente uma companhia de paraquedistas franceses livres, o SAS francês foi uma das primeiras unidades "adquiridas" pelo Major Stirling durante a expansão inicial do SAS; dado que o Exército Britânico dava baixa prioridade para as operações especiais em um primeiro momento.

Esses grupos SAS operam em pequenas unidades de 5 homens sob um chefe de equipe, atuando por meio da surpresa e violência de choque, sumindo no deserto após caírem sobre vigias surpresos.

Ilustração do chefe de equipe, com binóculos, no livro The French Army 1939-45 (2) pelo saudoso mestre Mike Chappell. (Osprey Publishing) 

Durante os grandes raides de 12-13 de junho de 1942, lançados contra os aeródromos ítalo-germânicos no norte da África com o objetivo de aliviar a pressão sobre os comboios tentando abastecer a ilha de Malta, o SAS francês atacou 6 dos 8 alvos. O famoso paraquedista Aspirant André Zirnheld participou dessa operação no ataque ao aeródromo Berka III, destruindo 6 aeronaves inimigas no solo, e no ataque à via férrea de Benghazi-Derna (este na companhia do próprio Stirling).

Zirnheld morreria em ação no raide ao aeródromo de Sidi-Haneish em 27 de junho de 1942. No bolso do seu uniforme seria encontrado um poema escrito em 1938: A Oração do Paraquedista; hoje uma oração oficial dos paraquedistas franceses, portugueses e brasileiros.

Zirnheld e sua oração também foram citados parcialmente ou tiveram seu conteúdo editado para se adequar ao público-alvo. O próprio Zirnheld, praticamente desconhecido fora da França, foi adotado por nações aliadas que o confundem com um dos seus. Ele foi citado por paraquedistas britânicos e holandeses, e soldados do exército e fuzileiros navais americanos, fazendo dele uma espécie de "soldado desconhecido" móvel.

Uniformes e brevês paraquedistas franceses de 1939-1944.

Oração Paraquedista

Bibliografia recomendada:

Histoire des Parachutistes Français:
La guerre para de 1939 à 1979.
Henri Le Mire.

The French Army 1939-45 (2).
Ian Sumner e Français Vauvillier.

Leitura recomendada:

LIVRO: Task Force 32 - SAS francês no Afeganistão23 de fevereiro de 2020.

Lições da campanha do Marechal Leclerc no Saara 1940-4314 de fevereiro de 2021.

FOTO: Somua S 35 na Tunísia26 de março de 2020.

FOTO: O Tigre na Tunísia5 de julho de 2020.

FOTO: Comando francês com uma MG34 capturada22 de dezembro de 2020.

FOTO: Prisioneiros alemães na Itália26 de março de 2020.

FOTO: Fuzis SKS capturados1º de janeiro de 2021.

GALERIA: Fortes da Legião Estrangeira Francesa1º de março de 2021.

terça-feira, 15 de dezembro de 2020

FOTO: Assalto aeromóvel a um trem

Imagem rara mostrando operadores do JW GROM e SAS durante um assalto helitransportado em um trem, durante um exercício de treinamento conjunto, início da década de 1990.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

sábado, 21 de novembro de 2020

PINTURA: A Cavalaria Aérea americana em Ia Drang

"A Batalha do Vale de Ia Drang, 1965. Forças americanas na zona de lançamento X-Ray", por Balázs Petheő (2019).

Bibliografia recomendada:

Vietnam Airmobile Warfare Tactics.
Gordon L. Rottman e Adam Hook.

Leitura recomendada:

domingo, 30 de agosto de 2020

FOTO: Salto de amizade na Polônia

Sargento americano ajustando o arnês de um paraquedista polonês.

O Sargento de 1ª classe Robert Baker, 10º Grupo de Forças Especiais, completa a checagem de mestre de salto do paraquedista polonês Rafal Nenlcin em preparação para o salto conjunto durante o exercício Double Eagle '95, na base de Wedryzn, na Polônia, em 10 de setembro de 1995.

10th Special Forces Group (Airborne) foi criado em 19 de junho de 1952 e tem como sua área de atuação a Europa. Inicialmente foi planejado que metade do 10th SFG(A) fosse composto de voluntários estrangeiros europeus através do Lodge Act, mas esse número jamais foi atingido. Um dos mais célebres boinas verdes do 10th SFG(A) foi o Major Larry Thorne, o veterano de 3 exércitos.

O 10th SFG(A) também chegou a atuar no Oriente Médio durante a Guerra Fria, incluindo o Líbano, a Jordânia, o Iêmen, o Irã e auxiliando forças tribais curdas. Elementos do 10th SFG(A) também participaram de missões humanitárias no Congo, Somália e Ruanda.

Áreas de atuação dos Grupos de Forças Especiais.
(Special Forces / Tom Clancy)

Bibliografia recomendada:

Special Forces: A Guided Tour of U.S. Army Special Forces.

A histórica secreta das Forças Especiais.

SPEC OPS - Case Studies in Special Operations Warfare: Theory and Practice.

World Special Forces Insignia.

Leitura recomendada:

Os Boinas Verdes do Lodge Act18 de agosto de 2020.

É por isso que as Forças Especiais do Irã ainda usam boinas verdes4 de janeiro de 2020.

Barry Sadler e a história por trás da Balada dos Boinas Verdes7 de fevereiro de 2020.

PERFIL: Ivica Jerak, o croata que morreu como um herói americano4 de junho de 2020.

sexta-feira, 27 de março de 2020

FOTO: Malizia, o mascote do 17e RGP

Malizia, o mascote do 17e RGP, fotografado com o seu binômio, o Caporal Fabien.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 17 de março de 2020.

Malizia é um Pygargue à tête blanche (Haliaeetus leucocephalus, águia-de-cabeça-branca) nascido em cativeiro no Rocher des Aigles, um santuário de falcoaria em Rocamadour, na França, e foi oferecido ao 17e RGP (Régiment du génie parachutiste, regimento de engenharia paraquedista) pela princesa Caroline de Mônaco, a madrinha do regimento. 

Malizia foi batizado em homenagem a François Grimaldi, apelidado "il Malizia" ("o Malicioso"). Em 1297, François Malice tomou a fortaleza monegasca conhecida como Rochedo de Mônaco por ardil ao se vestir de monge franciscano.

"Malizia incorpora a naturalidade e o domínio do ar, coragem e combatividade, especificidades da arma de engenharia".

quinta-feira, 12 de março de 2020

GALERIA: Exercício "Shamrakh 1"

Operadores sauditas no exercício de guerra de montanha "Shamrakh 1", nos Alpes franceses, em outubro de 2014.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog14 de outubro de 2014.

A Arábia Saudita enviou unidades especiais para treinamento conjunto com tropas alpinas francesas, incluindo unidades de comandos, unidades de vigilância paraquedistas e forças especiais do Exército Real Saudita. O exercício teve seu foco no treinamento físico e a adaptação para condições naturais e o clima frio.

O comandante saudita, Major Fahed bin Zahem al-Atibi, disse que o exercício foi uma continuação de exercícios anteriores com os comandos franceses.

"Nossas unidades passaram por muitos exercícios, e esse treinamento será usado para melhorar o que já ganhamos em experiência e expertise em termos de terreno montanhoso, operações de comandos e vigilância", disse o major.

"O tempo e as condições do clima não serão um obstáculo para os nossos soldados, dado que eles treinaram previamente em ambientes montanhosos e são profissionais", ele adicionou.

Noticiado pela Al Arabiya, 13 de outubro de 2014.
















Bibliografia recomendada:

Arabs at War:
Military Effectiveness, 1948-1991.
Kenneth M. Pollack.

World Special Forces Insignia.
Gordon L. Rottman.

Le FAMAS et son histoire.
Jean Huon.

Leitura recomendada: