Mostrando postagens com marcador Tonquim. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Tonquim. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 17 de março de 2022

GALERIA: Escola de paraquedismo indochinesa


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 17 de março de 2022.

Alunos indochineses em treinamento paraquedista com instrutores franceses na primeira década de 1950. Os instruendos são notadamente bem equipados, o que coloca esse álbum em 1950 em diante. Esses indochineses seriam colocados em companhias indochinesas de paraquedistas (Compagnies indochinoises parachutistes, CIP) e depois formariam cinco batalhões paraquedistas no Exército Nacional Vietnamita, os BPVN apelidados "baouwans", além de um batalhão laociano e outro cambojano (khmer).

A escola de paraquedismo na Indochina foi criada pela Meia-Brigada SAS, formada por comandos SAS franceses na Segunda Guerra Mundial, que começaram como companhias e se elevaram a dois regimentos (3º e 4º) na Brigada SAS (os 1º e 2º eram britânicos, e o 5º era belga), lutando nas areias da África até a vitória final na Alemanha. Com a vitória sobre a Alemanha e o Japão em 1945, o SAS francês foi imediatamente comprometido na Indochina, onde, além das operações de salto contínuas e as infiltrações por jipe, a meia-brigada montou uma escola de paraquedismo e imediatamente começou a formar indochineses (e legionários) em 1946.

Essa escola depois foi movida para Tan Son Nhut, na Cochinchina, que serviu aos paraquedistas franceses (até 1954) e vietnamitas (até 1975).












Bibliografia recomendada:

Street Without Joy:
The French Debacle in Indochina.
Bernard B. Fall.

Leitura recomendada:

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2022

FOTO: Tigre Negro Sargento-Chefe Tran Dinh Vy

Sargento-chefe Tran Dinh Vy com a boina preta dos Tigres Negros e medalhas, incluindo a Cruz de Guerra com palma, 1950.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 3 de fevereiro de 2022.

O sargento-chefe Tran Dinh Vy foi o assistente do famoso Ajudante-chefe Roger Vandenberghe, comandante do lendário Comando 24 que operou no Tonquim, conhecidos como Tigres Noirs.

Os Tigres Negros pertenciam aos Comandos do Vietnã do Norte. Inicialmente 8 comandos, o número se expandiu para 45 comandos organizados no Vietnã do Norte para travarem a guerra usando os métodos dos guerrilheiros. Assim como os demais comandos, o Comando 24 era uma formação especializada em táticas de pequenas unidades e pseudo-operações, se vestindo com o típico pijama negro usado pelo Viet Minh (VM) e os seus capacetes tropicais, com o objetivo de operarem profundamente atrás das áreas dominadas pelo VM.

A insígnia da boina tem um tigre, o animal apex da selva vietnamita, e o lema:

“Tha Chet Hon La Chiu Nhuc”

(Plutôt la mort que la honte)

(Antes a morte que a desonra)

Insígnia da boina dos tigres negros.

Em uma ocasião, Vandenbergh posou como um prisioneiro francês capturado por seus comandos posando de Viet Minh e a unidade atacou e destruiu um posto de comando (PC) do VM após um deslocamento de quilômetros por território controlado pelos comunistas. Outra das ações célebres foi a infiltração em Ninh-Binh para resgatar o corpo do Tenente Bernard de Lattre, filho do General Jean de Lattre de Tassigny, o comandante-em-chefe de todas as forças francesas na Indochina.

Vandenberghe foi morto em 1952, assassinado pelo Subtenente Nguien Tinh Khoï; o ex-comandante da unidade de assalto do Regimento 36 da Brigada 308 do VM, capturado na Batalha do Rio Day em 1951 e transformado em auxiliar do Comando 24.

O Sargento-chefe Tran Dinh Vy fez o curso de comando paraquedista em Pau, na França, em 1954. Mais tarde, foi oficial do Exército Sul-Vietnamita (ARVN) e depois da queda de Saigon em 1975, ele conseguiu escapar para a França, se alistando na Legião Estrangeira e terminando o seu serviço com a patente de coronel. Ele continuou sendo o guardião da memória do Comando 24.

Suas condecorações incluíram:
  • a Légion d'honneur (Legião de Honra),
  • a Médaille militaire
  • 20 citações francesas, americanas e vietnamitas.

O Sargento-chefe Tran Dinh Vy ao lado do Ajudante-chefe Vandenbergh com seus comandos Tigres Negros, vestidos com pijama negro e capacete tropical do Viet Minh, 1950.

Bibliografia recomendada:

Commandos Nord-Vietnam 1951-1954.
Jean-Pierre Pissardy.


Leitura recomendada:

domingo, 17 de outubro de 2021

FOTO: Desfile do 5e REI em Hanói

Desfile do 5e REI no Dia da Bastilha em Hanói, 14 de julho de 1954.

Ao longo do Pétit lac (Lago Pequeno), os soldados do 5e Régiment Étrangèr d'Infanterie (5e REI), vestindo o quepe branco dos legionários, desfilaram no Dia da Bastilha, em Hanói, Vietnã, em 14 de julho de 1954.

quinta-feira, 14 de outubro de 2021

Visita do Cel. Michel Goya aos jogos de guerra na École de Guerre em Paris

O Coronel Michel Goya com oficiais franceses na École de Guerre.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 14 de outubro de 2021.

O estrategista e autor Michel Goya, coronel reformado do Exército Francês, visitou hoje (14/10) a Escola Superior de Guerra (École de Guerre) em Paris, na França. A École de Guerre postou a notícia no seu Twitter oficial dizendo:

"O Coronel Michel Goya visitou os oficiais estagiários [da École de Guerre] durante um Wargame [jogo de guerra] desenvolvido pela [Antoine] Brgll. Esta manobra no mapa permite que os estagiários revejam todos os modos de ação ofensivos ou defensivos da brigada e da divisão."



O Coronel Goya é um ávido "wargamer" e um campeão da importância dos jogos de guerra na educação dos militares, e ele mesmo já criou um jogo de guerra em 1991: La Guerre d'Indochine, Tonkin 1950-1954.

Capa original de 1991.

Este jogo simula combates no Tonquim (norte do Vietnã) de 1950 a 1954. Um jogador controla o Corpo Expedicionário Francês no Extremo Oriente (Corps Expéditionnaire Français en Extrême-Orient, CEFEO), o outro jogador controla as forças Viet-Minh (VM). Cada turno representa 4 meses, com o jogo possuindo 182 contadores.

O período 1950-54 foi a fase mais violenta da Guerra da Indochina, após a vitória comunista na Guerra Civil Chinesa em 1949. A China continental tornou-se então um santuário ativo para o Viet-Minh ser alimentado, suprido e treinado longe do alcance francês. O ataque do General Giap com artilharia em Cao Bang, em 30 de setembro de 1950, iniciou a nova e mais violenta fase da guerra; com a União Francesa e o Viet-Minh disputando o rico Viet Bac e o delta levando à capital Hanói.

O tabuleiro com o mapa do Tonquim, 

As peças representando unidades.

Peças de unidades e veículos.

Ho Chi Minh, o líder do movimento comunista Viet-Minh.

O jogo é bem simples, com um livro de regras de 3 páginas e uma análise de história de uma página; ambos em francês (o único "problema" com o jogo). As peças representam unidades unidades reais, desde batalhões paraquedistas a divisões de elite Viet-Minh. Tonkin 1950-1954 depois recebeu uma nova versão em 2006 pela revista Vae Victis, com o jogo renomeado Tonkin: La Guerre d'Indochine 1950-1954.

Revista de jogos Vae Victis nº 70 com o jogo.

domingo, 12 de setembro de 2021

FOTO: O Comando Lassere na Indochina

Demonstração do Comando Lasserre em Ha Dong, em Hanói, fevereiro de 1954.
Em primeiro plano, o Adjudant Laserre, o comandante da unidade.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 12 de setembro de 2021.

O Comando Lasserre, com cerca de uma centena de homens, era especialista na procura de informação (a qual explorava diretamente), na detecção e procura de caches e túneis. Recrutados entre os soldados ou apoiadores do Viet-Minh capturados, os membros do comando eram agrupados em células especializadas de 4 ou 5 homens: choque, sapador-desminador, propagandista, equipe canina etc.

A demonstração ocorreu no distrito de Ha Dong, na capital Hanói, em fevereiro de 1954. A reportagem foi fotografada por Camus Daniel, com o exercício de demonstração ocorrendo na presença de autoridades civis e militares - o Presidente Pleven, Monsieur de Chevigne, General Cogny e Coronel de Clerk - durante uma viagem de inspeção.

Como parte da demonstração, um membro da unidade desce para inspecionar um cache (esconderijos de armamento e víveres) que acaba de ser detectado. Soldados Viet-Minh (comandos atuando como FINGIM) são extraídos do subsolo e se rendem. A reportagem termina com um retrato do Adjudant Lasserre, o comandante do comando que leva seu nome.

O soldado de costas na primeira foto está armado com uma submetralhadora MAT 49, e muniu-se do cinto com uma baioneta Karabiner 98K alemã (Kurtz), granadas ofensivas OF 37 e granadas defensivas DF 37 (presas em porta-granadas de couro, de fabricação local) e dois porta-carregadores britânicas.

Armas do cache "Viet-Minh" (um morteiro japonês e um fuzil-metralhador 24/29) que um soldado desce até o fundo para inspecionar. Armado com uma submetralhadora M3 "Grease Gun" (de uso raro na Indochina), um comando tomou posição para cobrir seus companheiros.

Modo de Operação:

Quando o comando obtém inteligência sobre uma aldeia, explora-a em uma operação, entrando no assentamento seguindo as unidades do setor que a apreenderam. Metodicamente, a aldeia é revistada por equipes de cães e o solo cuidadosamente sondado com agulhas de aço. Uma vez localizados, os esconderijos são cuidadosamente inspecionados e esvaziados de armas, munições, drogas ou material de propaganda que contêm. Da mesma forma, os túneis são explorados e toda a resistência inimiga neutralizada pelo uso de fumaça, gás lacrimogêneo ou cargas explosivas.

Os comandos vasculham cuidadosamente o terreno e então, tendo detectado a entrada camuflada de um cache, um dispositivo é montado: uma equipe se posiciona em cobertura, outra inspeciona cuidadosamente a abertura que leva ao cache para detectar toda peça de armadilha, depois um comando entra furtivamente e entrega aos seus camaradas na superfície as armas apreendidas no subsolo.

Ajudante Lasserre, comandante do comando que leva seu nome, durante demonstração realizada por sua unidade. Ele usa o boné específico para seu comando e usa no cinto uma adaga britânica "Fairbairn Sykes", colocada em uma bainha americana M8 (originalmente destinada para a adaga M3), bem como uma pistola alemã Luger P08 (Pistole 08) calibre 9mm, no quadril esquerdo.

Bibliografia recomendada:

Street Without Joy:
The French Debacle in Indochina.
Bernard B. Fall.

Leitura recomendada:

O que um romance de 1963 nos diz sobre o Exército Francês, Comando da Missão, e o romance da Guerra da Indochina12 de janeiro de 2020.

PERFIL: O filho do general, 27 de julho de 2021.

VÍDEO: Lugers da ocupação francesa em 1945, 7 de abril de 2021.

GALERIA: Operação Brochet no Tonquim3 de outubro de 2020.

GALERIA: Atividades cotidianas do 6e BPC nos postos de Pak-Hou e de Muong-Sai, 4 de fevereiro de 2021.

GALERIA: Construção de um posto no Camboja16 de outubro de 2020.

GALERIA: Atividades militares dos Cuirassiers na Planície dos Jarros, 20 de agosto de 2021.

GALERIA: Com os Tirailleurs Marroquinos na Operação Aspic na região de Phu My14 de outubro de 2020.

quarta-feira, 8 de setembro de 2021

FOTO: Guardando o Campo de Batalha

Nguyen Thi Hien, 19 anos, chefe do grupo de combate da milícia em Yen Vucno Vietnã do Norte, 1966.
(Colorizada)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de setembro de 2021.

Nguyen Thi Hien era chefe do grupo de combate da milícia em Yen Vuc, na província de Thanh Hoa, no Vietnã do Norte. Ela sobreviveu a mais de 800 ataques aéreos e foi enterrada viva quatro vezes em ataques de bombardeiros B-52 americanos.

Esta foto, chamada Di Truc Chien (Guardando o Campo de Batalha), foi uma das fotos mais famosas da Guerra do Vietnã, tirada pelo fotógrafo Mai Nam.

Foto original em preto e branco.

O fotógrafo Mai Nam, nascido como Nguyen Huu Thong, em 1931 na província de Bac Ninh, no Tonquim. Ele se juntou à revolução contra os franceses aos 14 anos de idade. Em 1949, trabalhou como membro do sindicato de jovens na Base Revolucionária do Viet Bac, onde escolheu pela primeira vez uma câmera. Em seguida, trabalhou como jornalista no jornal Tien Phong (Vanguarda). Durante a fase americana da guerra, Mai Nam trabalhou como jornalista de guerra para o jornal e capturou muitos confrontos ferozes no campo de batalha, incluindo na província central de Quang Tri. Suas fotos famosas, incluindo Di Truc Chien (Guardando o Campo de Batalha) e Du Kich (Guerrilhas) foram tiradas nessa época.

Durante a década de 1960, ele foi designado para tirar fotos do presidente Ho Chi Minh; criando uma coleção de quase 200 fotos do presidente.


Mai Nam recebeu o prêmio de Membro Honorário da Associação de Artista Fotográfico do Vietnã e Artista Especial da Associação de Artista Fotográfico do Vietnã. Sua coleção de três fotos com soldados vietnamitas durante a "Guerra Americana" (como é conhecida no Vietnã), a saber Canh Giac (Alerta Máximo), Chay Dau Cho Thoat (Sem Escapatória) e Di Truc Chien (Guardando o Campo de Batalha), recebeu o Prêmio Estadual de Literatura e Artes em 2007 .

O veterano fotógrafo e jornalista Mai Nam morreu aos 85 anos em janeiro de 2016.

Bibliografia recomendada:

Rolling Thunder in a Gentle Land.
The Vietnam War Revisited.
Andrew Wiest.

Leitura recomendada:


terça-feira, 7 de setembro de 2021

FOTO: Armadilha Punji na Indochina

Um soldado francês mostra o as estacas Punji, armadilha vietnamita feita de bambu partido, sobre as quais um de seus colegas soldados foi vítima durante uma patrulha em dezembro de 1953.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de setembro de 2021.

Durante a Guerra da Indochina, o Viet-Minh lançou mão desde armadilhas arcaicas - como as estacas punji - até armadilhas mais sofisticadas, envolvendo explosivos. Os Viet-Minh até mesmo improvisaram armas de fogo em oficinas subterrâneas. Era comum que as estacas punji fossem revestidas com fezes humanas para infeccionarem os pés da vítima, que teria de ser evacuada por meio de marchas longas e árduas pela selva até atingir qualquer tipo de transporte (caminhão, navio ou avião) que o levasse para um hospital.

O General Giap descreveu o Exército Francês como um poderoso tigre que seria sangrado lentamente por incontáveis mosquitos sugando seu sangue, até que o grande tigre caísse de exaustão.

Pistola improvisada e capacete Viet-Minh no Museu da Legião Estrangeira em Aubagne, França.
(Foto do Autor)

Estacas punji preservadas no Museu da Legião Estrangeira em Aubagne, França.
(Foto do Autor)

Bibliografia recomendada:

Street Without Joy:
The French Debacle in Indochina.
Bernard B. Fall.

Leitura recomendada:

sexta-feira, 30 de julho de 2021

GALERIA: Renovação do posto de Ninh-Binh pela 5ª Companhia do 2e BM/1er RTA

tirailleur de 1ª classe Lakdar, da 5ª Companhia do 2e BM/1er RTA, que participou na retomada dos postos de Ninh-Binh. Ele enfeitou seu chapéu de selva com o emblema de sua unidade, com o lema árabe "sempre o primeiro", pregado em um quadrado de pano vermelho (a cor que designa o 2º Batalhão de Marcha).

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 30 de julho de 2021.

Coleção de fotos da ECPAD, tiradas por Defives Guy, sobre a reforma do posto de Ninh-Binh, recapturado pelos tirailleurs argelinos na Batalha do Rio Day, na Indochina Francesa em junho de 1951.

5ª companhia do 2e BM/1er RTA (2e Bataillon de Marche du 1er Régiment de Tirailleurs Algériens2º Batalhão de Marcha do 1º Regimento de Tirailleurs Argelinos) participou da retomada do rochedo na fase final de contra-ataque francesa e recuperou o corpo do Tenente Bernard de Lattre, filho do General Jean de Lattre de Tassigny, o comandante-em-chefe na Indochina. O lema do 2e BM/1er RTA era "toujours le premier" ("sempre o primeiro").

Do alto de um dos postos Ninh-Binh, apesar de uma grande bandagem na cabeça, o tirailleur Mazeni, da 5ª companhia do 2e BM/1er RTA monta guarda com uma metralhadora Reibel modelo 1931 calibre 7,5mm.
De sua posição, é visível o trecho de uma das pontes sobre o rio Day, sabotada em 1947 pelo Viet-Minh em plena retirada.

Um tirailleur da 5ª companhia do 2e BM/1er RTA observa o delta do rio Day de um dos rochedos de Ninh-Binh, rebatizado de rochedo "Bernard de Lattre" durante uma missa em memória do filho do general de Lattre, o tenente do BM/1º RCC (Batalhão de Marcha do 1º Regimento de Chasseurs à Cheval), que ali tombou à frente de seu esquadrão.

A matéria original descreveu a situação nas seguintes palavras:

"Após a reconquista do posto de Ninh-Binh, a 5ª companhia do 2e BM/1er RTA atua no sentido de restaurar o sistema defensivo deste reduto assediado pelo inimigo. O posto está de fato completamente destruído pela luta. O bivaque da unidade é incompleto e as condições de vida visivelmente rústicas, a infraestrutura tendo sido fortemente danificada pelo fogo de morteiro do Viet-Minh, seguido pelos tiros de uma bateria do 64e RAA (Régiment d'Artillerie d'Afrique / Regimento de Artilharia da África), de três embarcações da 3e Dinassaut (Divisão Naval de Assalto) e os passes de “Straffing” dos caças.

Enquanto permanecem vigilantes, os escaramuçadores estão trabalhando para limpar o posto de entulho que se acumulou lá e para restaurar as trincheiras parcialmente entulhadas. Da postagem, você pode ver a fumaça liberada pelo bombardeio de Phong Du (4,5km de Ninh-Binh), com os combates continuando na área."

Tirailleurs da 5ª companhia do 2e BM/1er RTA inspecionam a igreja de Ninh-Binh, destruída por morteiros e canhões sem recuo dos sitiantes Viet-Minh que assediaram 73 homens do comando naval "François" entrincheirados no edifício. Submergidos por 3.000 Bô Doï (soldados regulares) da 308ª Divisão que varreram a posição e engajaram os comandos fuzileiros navais em uma furiosa luta corpo-a-corpo, os sobreviventes tentando uma saída forçada.

Bivaque improvisado da 5ª companhia do 2e BM/1er RTA erguido nos escombros do posto de Ninh-Binh, devastado pelo ataque Viet-Minh e depois pelo contra-ataque vitorioso das tropas francesas. O rochedo "Bernard de Lattre" foi arrasado e substituído por um monumento à glória do APV (Exército Popular Vietnamita).

Um tirailleur da 5ª compahia instalou-se provisoriamente nas ruínas do posto de Ninh-Binh após a sua reconquista por esta unidade, pertencente ao GMNA (Groupement Mobile Nord-Africain / Grupamento Móvel Norte-Africano).

Tirailleurs limpando o entulho do posto, resultado do pesado bombardeiro de morteiros e canhões sem recuo do Viet-Minh, e depois pela própria artilharia francesa na sua retomada.

Os tirailleurs da 5ª Companhia comprometeram-se a limpar o posto de Ninh-Binh dos destroços que aí se acumulavam, atestando a dureza do combate mas sobretudo a densidade do fogo dos morteiros Viet-Minh, além dos tiros diretos dos canhões sem recuo "SKZ" (Sung Khong Zat: canhão sem recuo chinês); e depois dos tiros de saturação realizados para apoiar o assalto dos "Turcos" (apelido herdado pelos tirailleurs argelinos após a campanha da Crimeia de 1854) que o tomaram.

A unidade manteve, assim, o posto por um mês e meio, repelindo vários encontros ofensivos noturnos das tropas Viet-Minh regulares (Bô Doï), e realizando várias incursões nos territórios controlados pelo inimigo.

Bibliografia recomendada:

Street Without Joy:
The French Debacle in Indochina.
Bernard B. Fall.

Leitura recomendada:

PERFIL: O filho do general,  27 de julho de 2021.

GALERIA: Retomada do rochedo de Ninh-Binh pelos Tirailleurs Argelinos16 de outubro de 2020.

GALERIA: Ratissage dos Tirailleurs Argelinos na Indochina2 de outubro de 2020.

GALERIA: Com os Tirailleurs Marroquinos na Operação Aspic na região de Phu My14 de outubro de 2020.

GALERIA: Chegada de reforços ao posto de Yen Cu Ha, 5 de fevereiro de 2021.

GALERIA: Uma missão da Marinha Francesa na Indochina9 de outubro de 2020.

GALERIA: Manobra dos comandos navais no Tonquim9 de outubro de 2020.

GALERIA: Largagem paraquedista em Quang-Tri durante a Operação Camargue2 de outubro de 2020.

terça-feira, 27 de julho de 2021

PERFIL: O filho do general

General de Lattre condecorando o Tenente de Lattre, seu filho, com a Croix de Guerre no dia 11 de maio de 1951, por suas ações na Batalha de Dien Mai, na Indochina. O Tenente de Lattre morreria na Batalha do Rio Day apenas 19 dias depois dessa foto.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 27 de julho de 2021.

Bernard de Lattre de Tassigny (11 de fevereiro de 1928 - 30 de maio de 1951) foi um oficial do exército francês que lutou na Segunda Guerra Mundial e na Guerra da Indochina, recebendo várias medalhas durante sua carreira militar, incluindo a Médaille Militaire e a Croix de Guerre 1939-45 e dos Teatros Exteriores. Ele foi morto em ação aos 23 anos, lutando perto de Ninh Binh. Na época de sua morte, seu pai, o General Jean de Lattre de Tassigny, era o comandante geral das forças da União Francesa na Indochina.

Ainda com apenas 16 anos, Bernard recebeu permissão especial do General Charles de Gaulle para se juntar ao exército que estava sendo montado para invadir a França e, posteriormente, lutou na libertação do sul da França após a Operação Dragoon e também na Alemanha. Ele foi gravemente ferido em 8 de setembro de 1944, em Autun, retornando mais tarde para lutar novamente na Alemanha. Foi por suas ações nessas campanhas que ele recebeu a sua primeira Croix de Guerra e a Médaille Militaire - o mais jovem a receber essa medalha.

O jovem Cabo Bernard com seu pai, o General d'Armée Jean de Lattre de Tassigny, em 1945.
Bernard usa o distintivo do 2º Regimento de Dragões no peito.

O Pós-Guerra e a Indochina

Bernard entrou na Escola Militar Interarmas em 1º de agosto de 1945 (promoção "Victoire" - Vitória), escolhendo a arma blindada e de cavalaria (arme blindée et cavalerie, ABC). Em 26 de novembro de 1945, ele era um aspirante. Estagiário na Escola de Cavalaria de Saumur, foi nomeado segundo tenente em 26 de novembro de 1946. Depois foi designado para o 4º Regimento de Couraçados, em Mourmelon-le-Grand. Foi promovido a tenente em 26 de novembro de 1947.

Ele deixou a metrópole para a Indochina em 1º de julho de 1949. Chefe de um pelotão blindado do 1º regimento de caçadores, era comandante do posto de Yen My, que controlava quinze vilarejos e uma população de cerca de 20.000 habitantes. Ele foi citado pela ordem da brigada em 21 de abril de 1950.

Em 6 de dezembro de 1950 o seu pai, o General de Lattre, tornou-se Alto Comissário, Comandante-em-Chefe na Indochina e Comandante-em-Chefe da Força Expedicionária Francesa no Extremo Oriente. Bernard de Lattre assumiu o comando de um esquadrão formado em grande parte por voluntários vietnamitas em 1º de março de 1951.

Após os combates em Maï Dien, ele foi citado na ordem do corpo de exército em 11 de maio e recebeu sua segunda Croix de Guerre das mãos do pai em 11 de maio de 1951.


Ele foi morto em ação 19 dias depois, perto de Ninh Binh, durante a Batalha do Rio Day. Ele morrera obedecendo às ordens de seu pai de manter a cidade a todo custo, enfrentando três divisões regulares do Viet Minh; essa batalha travada teimosamente é creditada com a interrupção do avanço do Viet Minh na ofensiva do General Giap no Delta do Rio Vermelho. A ofensiva, que visava tomar Hanói, duraria ainda três semanas até perder força e ser repelida completamente. A citação das ações de Bernard na batalha concluiu:

"Ele caiu heroicamente, dando um exemplo das melhores virtudes militares".

Após a morte de seu filho, o General de Lattre organizou uma missa católica na catedral Saint-Joseph de Hanói, a catedral dos Mártires de Hanói. Dois dias após a batalha, o corpo de Bernard de Lattre foi transladado de volta para a França, acompanhado por seu pai, e o jovem soldado foi enterrado com honras militares. Os túmulos de todos os três de Lattre estão agora localizados lado a lado no cemitério de Mouilleron-en-Pareds, o local de nascimento de Jean de Lattre. A morte de Bernard de Lattre recebeu ampla cobertura da imprensa na época, incluindo artigos nos jornais Le Figaro, Le Monde, The New York Times e na revista Time. Seu funeral foi apresentado na revista Life como "Picture of the Week" (Imagem da Semana).

"Beijo para um filho soldado".
Imagem da Semana da LIFE Magazine.

Bernard Fall, em seu clássico Street Without Joy, faz um ode aos vários soldados - do general ao soldado raso - combatendo na Indochina, lutando e morrendo ao lado de seus camaradas nas selvas sufocantes do Sudeste Asiático.

"Em uma tal guerra sem frentes, ninguém estava seguro e ninguém era poupado. Tenentes morriam pelas centenas, e era calculado que para manter linhas de comunicação principais ao longo do Viet-Nã do Norte custa em média três ou quatro homens por dia para cada centena de quilômetro de estrada. Oficiais superiores morriam também. O General Chanson foi assassinado por um terrorista no Viet-Nã do Sul. O General da Força Aérea Hartman foi derrubado sobre Langson; os Coronéis Blankaert, Edon e Érulin foram mortos por minas enquanto lideravam seus grupos móveis através dos pântanos e arrozais. E a guerra não poupou os filhos dos generais, também. O Tenente Bernard de Lattre de Tassigny foi morto na defesa do ponto rochoso que era a chave para o forte de Ninh-Binh. Ele era o único filho do Marechal de Lattre e a sua morte partiu o coração do homem. O Tenente Leclerc, filho do Marechal Leclerc, morreu em um campo de PG comunista; e o Tenente Gambiez, filho do chefe de estado-maior do General Navarre, foi morto em Dien Bien Phu.

Estes homens, e milhares de outros, da Martinica ao Taiti e de Dunquerque ao Congo, de todas as partes da península indochinesa, e legionários estrangeiros de Kiev na Ucrânia a Rochester, Nova Iorque, compuseram as Forces de l'Union Française - sem dúvida o maior, e último, exército francês a lutar na Ásia."

- Bernard Fall, Street Without Joy, pg. 252.

A Batalha de Ninh Binh

Durante a noite de 28 a 29 de maio de 1951, o General Von Ngyuen Giap lançou sua terceira ofensiva contra o Delta do Rio Vermelho desde o início do ano, iniciando a Batalha do Rio Day, pela posse do delta do rio de mesmo nome que flui a sudoeste de Hanói.

A batalha foi a primeira campanha convencional de Giap, e viu suas forças do Exército Popular do Vietnã (Armée Populaire Vietnamienne, APVN) de Viet Minh atacarem a região dominada pelos católicos do Delta para quebrar sua resistência à infiltração de Viet Minh. Depois de duas derrotas em empreendimentos semelhantes durante março e abril daquele ano, Giap liderou três divisões em um padrão de ataques de guerrilha e dissimulação em Ninh Bình, Nam Dịnh, Phu Ly e Phat Diem começando em 28 de maio, que viu a destruição do Comando François, um comando naval, enquanto atrasavam os regulares Viet Minh.

Comandos navais do Comando François, aniquilado na igreja de Ninh Binh.

As rochas de Ninh-Binh (hoje Cuc Phûong), que se projetam sobre o rio, constituem um bloqueio estratégico. Para o General Giap, é uma questão de destruir a linha de defesa protegendo o delta criada pelo General de Lattre de Tassigny (comandante em chefe da Indochina) e, assim, alcançar o celeiro de arroz que representa a planície fértil do baixo rio Vermelho.

A área é mantida pelo Comando François sob as ordens do Tenente Labbens. As tropas francesas não têm outro refúgio que uma igreja e a formação rochosa com vista para o rio. O ataque de milhares de Bô Doï da Daï Doan (divisão) é particularmente violento e os pitons de Ninh Binh são tomados pelos combatentes Viet Minh. Os soldados resistiram a noite toda até o fim de munição. A unidade foi aniquilada, com relatos de prisioneiros franceses sendo mortos a tiros pelos captores Viet Minh. Entre os reforços está um esquadrão do 1er Chasseur, composto por tropas indochinesas comandadas pelo Tenente Bernard de Lattre de Tassigny.

A situação foi assim descrita por Bernard Fall:

"O ataque inicial Viet-Minh, que começou em 29 de maio, se beneficiou, como quase sempre acontecia, de uma surpresa completa. Ao amanhecer, a maior parte da 308ª Divisão de Infantaria tomou de assalto as posições francesas em e ao redor de Ninh-Binh, penetrando na cidade e prendendo os sobreviventes franceses restantes na igreja. Durante aquela primeira noite caótica da batalha, um batalhão de reforços vietnamitas reunidos às pressas da vizinha Nam-Dinh foi lançado na batalha. Uma de suas companhias, chefiada pelo único filho do comandante-em-chefe francês, o Tenente Bernard de Lattre, foi obrigado a manter a todo custo um forte francês situado em um penhasco com vista para Ninh-Binh. Apesar do intenso bombardeio de morteiros, a companhia de de Lattre resistiu, mas quando amanheceu , o jovem de Lattre e dois de seus mais graduados suboficiais jaziam mortos na falésia. (Antes do fim da guerra da Indochina, mais vinte filhos de marechais e generais franceses morreriam como oficiais; outros vinte e dois morreram na Argélia mais tarde.)"

 - Bernard Fall, Street Without Joy, pg. 45.

Tomado de surpresa, o Comando francês rapidamente reagiu e em 48 horas mobilizou três grupos móveis (grupamentos mecanizados de armas combinadas semelhantes a equipes de combate regimentais), quatro grupos de artilharia, um grupamento blindado e o 7º Batalhão de Paraquedistas Coloniais (7e Bataillon de Parachutistes Coloniaux, 7e BPC), bem como uma dinassaut. O fluxo e refluxo de posições capturadas e retomadas continuaria até que as linhas de suprimento de Giap foram cortadas por volta de 6 de junho. O ponto culminante da batalha ocorreu na noite de 4 para 5 de junho com o posto-chave de Yen Cu Ha mudando de mãos várias vezes. Giap com suas forças, movendo-se em grandes números e durante o dia, eram vulneráveis ao poder de fogo francês e às forças terrestres francesas apoiadas por uma milícia católica local amigável. Com a artilharia, embarcações ribeirinhas e aviões que massacravam as centenas de pequenos juncos e sampanas que constituíam a linha de suprimentos Viet Minh cruzando o rio Day, as unidades do exército Viet Minh foram forçadas a se retirar entre 10 e 18 de junho, deixando 1.000 prisioneiros nas mãos dos franceses e 9.000 baixas para trás.

Os últimos defensores Viêt-Minh no rochedo de Ninh-Binh são capturados pelos tirailleurs do 2e BM/1er RTA.

O corpo do Tenente de Lattre foi recuperado por um golpe-de-mão do Comando 24 "Tigres Negros".

La Noblesse Oblige

O Major Médico Grauwin em seu livro J’étais médecin à Dien Bien Phu (Eu fui médico em Dien Bien Phu) faz um ode aos filhos de oficiais-generais que, ao invés de aceitarem postos confortáveis em unidades administrativas, decidiram que la noblesse oblige (a nobreza tem obrigações) e voluntariam-se para lutar e morrer na defesa do império francês na Ásia.

No sistema francês, o comandante da unidade é chamado pela tropa como "Le Patron", o patrão ou patrono. O culto aos patronos tão enraizado no Exército Brasileiro deriva desse costume por influência direta da Missão Militar Francesa vinda em 1920. Grauwin menciona os comentários de "Ó, o filho do patrão...", quando estes jovens oficiais de "dinastias" militares eram avistados nos quartéis.
 
"O que todos esses tenentes tinham?

Conheço dezenas e dezenas de todas as armas e todas as unidades. Em uma primeira estadia na Indochina é chefe de pelotão, em uma segunda estadia, comandante de companhia, mas a terceira estadia geralmente terminava com um membro a menos ou em um cemitério militar perdido no mato.

Da antiga equipe de tenentes do terceiro estrangeiro, quantos ainda restam até hoje? Onde estão enterrados Benoistel, Hamacek, Guillemin, Palissère, Fontaine?...

Na primavera de 1947, ainda em Nam Dinh; havia três oficiais de cavalaria que mantinham a comida, eu os via todas as noites, eles se chamavam: de Lassus, Mercier e Monroe. Eles foram enterrados todos os três em intervalos de um ano não muito distantes um do outro.

Os filhos dos generais pagam a grande honra de ostentarem um nome glorioso: o Tenente Leclerc, o Tenente de Lattre ou o Tenente Preau...

Por que eles recusam um cargo tranqüilo depois de terem cumprido grandemente seu tempo como chefe de pelotão ou comandante de companhia? O medo que se diz: "Ó, o filho do patrão..." Não! O amor simplesmente, como os camaradas de nomes desconhecidos; o amor de sua profissão de soldado e pelo país."

- Major Médico Grauwin, J’étais médecin à Dien Bien Phu.

J’étais médecin à Dien Bien Phu.
Major Médico Grauwin.

A morte de Bernard de Lattre teve um grande impacto em seu pai e sua mãe. Seu pai, em particular, fora profundamente afetado e ele morreu de câncer menos de oito meses depois. Sua mãe, agora com o direito de se chamar Madame la Maréchale após a promoção póstuma de seu marido, foi descrita em um obituário publicado em 2003 como tendo "se dedicado à memória de seu filho e à história de seu marido e dos exércitos que ele havia comandado".

Em 1952, foi publicado um livro de 308 páginas intitulado Un destin héroïque: Bernard de Lattre (Um destino heróico: Bernard de Lattre). O livro é uma coleção de histórias da vida de Bernard, junto com cartas que ele escreveu. O livro foi escrito e editado pelo professor francês de filosofia Robert Garric. Outra resposta escrita à morte de Bernard de Lattre foi fornecida por sua mãe em sua obra em dois volumes sobre o marido: Jean de Lattre: mon mari (Jean de Lattre: meu marido, Paris, 1972). Nesta obra, Madame de Lattre escreve sobre a reação de seu marido à morte de seu filho, mas também escreve sobre seus próprios sentimentos e o idealismo de uma geração de soldados franceses morrendo tal como seu filho.

Um dos memoriais duradouros a Bernard de Lattre é uma pequena capela ao ar livre na comuna de Wildenstein, no departamento do Haut-Rhin, na Alsácia, no nordeste da França. Hoje conhecida como Capela de São Bernardo, essa estrutura foi inaugurada em 1955. É constituída por um altar e um pequeno abrigo ao lado de uma trilha de caminhada. A construção do local começou em 1954, usando plantas aprovadas por Madame de Lattre. O material de construção usado foi arenito rosa da vizinha Rouffach. O site é dedicado à memória de Bernard de Lattre, de seu pai Jean de Lattre e das forças francesas que lutaram na área em 1944 para libertar a Alsácia dos alemães na Segunda Guerra Mundial. Posteriormente, a capela ficou em mau estado, mas foi renovada e reinaugurada durante uma missa de 20 de agosto de 2004, dia dedicado a São Bernardo de Claraval. Há um serviço anual realizado lá em homenagem a Bernard de Lattre de Tassigny, com a presença de associações de veteranos, dignitários locais e parentes dos de Lattre.

Também localizado em Wildenstein está o Centre Bernard de Lattre, que inclui um memorial a Jean de Lattre. Este memorial estava originalmente localizado na Argélia, mas foi transferido para Wildenstein em 1962 após a Argélia se tornar independente da França. Uma comemoração adicional do nome de Bernard de Lattre veio quando a turma de 1984-1985 da École Militaire Interarmes, a escola militar em que ele estudou, foi nomeada "Promoção Tenente Bernard de Lattre de Tassigny" em sua homenagem. Um serviço anual também ocorre nos túmulos dos de Lattre em Mouilleron-en-Pareds.

Historiadores e outros autores que escreveram sobre a Primeira Guerra da Indochina comentaram sobre o simbolismo da morte de Bernard de Lattre. Em Soldats perdus: de l'Indochine à l'Algérie, dans la tourmente des guerres (Soldados perdidos: da Indochina à Argélia, 2007), a jornalista e autora francesa Hélène Erlingsen diz que a morte de Bernard de Lattre foi um símbolo "do mundo moderno devastado pela guerra" e que sua vida foi “representativa do nosso tempo”. A morte de Bernard de Lattre foi contextualizada em relação a outras mortes nesta guerra, com Brian Moynahan, na sua obra The French century: an illustrated history of modern France (O século francês: uma história ilustrada da França moderna, 2007), observando que "ao todo 21 filhos de marechais e generais franceses morreram na Indochina", conforme registrado por Bernard Fall em 1961.

Post-script: Suspense militar

O título deste artigo é uma paráfrase do filme A Filha do General (The General's Daughter, 1999), um filme de investigação militar onde o investigador Paul Brenner (John Travolta) ao lado de sua parceira Sara Sunhill (Madeleine Stowe) investigam a misteriosa morte da oficial de guerra psicológica Capitã Elisabeth Campbell (Leslie Stefanson), filha do comandante da base: o General Joe Campbell (James Cromwell).

Outros personagens marcantes sendo o Coronel Bob Moore (James Woods), o oficial comandante e mentor da Capitã Elisabeth Campbell, e o Coronel George Fowler (Clarence Williams III), o leal segundo em comando do General Campbell. Além da investigação e da discussão sobre mulheres no exército em uma época onde este era um conceito novo, o filme ainda apresenta a estética esverdeada dos antigos uniformes BDU americanos.

Recomendação do Warfare.


A Filha do General ainda gerou um filme de suspense e investigações militares, Violação de Conduta (Basic, 2003), dessa vez com John Travolta contracenando com a futura rainha Hipólita, Connie Nielsen, como a investigadora Capitão Júlia Osborne e com o titã Samuel L. Jackson interpretando o implacável Sargento Nathan West.

Bibliografia recomendada:

Street Without Joy:
The French Debacle in Indochina.
Bernard Fall.

Leitura recomendada:












Armas vietnamitas para a Argélia, 14 de dezembro de 2020.