Mostrando postagens com marcador Dien Bien Phu. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Dien Bien Phu. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

PERFIL: General Caillaud, o Soldado do Incomum

Por Laurent Lagneau, Zone Militaire OPEX360, 26 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 7 de outubro de 2021.

“Soldado do Incomum”, o General Robert Caillaud deu seu nome à 207ª turma da ESM Saint-Cyr.

Quer seja para cadetes oficiais como para cadetes suboficiais, o baptismo de promoção é sempre um momento especial, pois constitui um forte sinal de identidade e pertencimento.

Além disso, a escolha do “patrocinador” é decisiva. E aconteceu que foi passível de cautela, pois em novembro de 2018, quando o Chefe do Estado-Maior do Exército, que era o General Jean-Pierre Bosser, decidiu “rebatizar” a promoção “General Loustanau-Lacau” da Escola Militar Especial (École spéciale militaireESM), por causa das simpatias políticas que manifestou na década de 1930.

Durante o Triunfo 2021 da Academia Militar de Saint-Cyr Coëtquidan, organizado no dia 24 de julho, a 60ª promoção da Escola Militar de Armas Combinadas (École militaire interarmesEMIA) deu-se como padrinho o General Jean-Baptiste Eblé, que se destacou durante as guerras da Revolução e do 1º Império.

Já a 207ª turma da ESM fez uma escolha mais contemporânea, com o General Robert Caillaud. E tendo em vista o registro de serviço deste último, questiona-se por que seu nome não foi escolhido anteriormente...

Saint-cyrien da promoção Charles de Foucauld (1941-42), e quando ele tinha acabado de obter sua "ficelle" como segundo-tenente, Robert Caillaud retornou à sua Auvergne natal e se juntou à Resistência. Assim, dentro de seus maquis, participou das lutas pela Libertação, inclusive da ponte Decize, que culminou com a rendição da coluna do General Botho Elster.

A “Divisão Auvergne” estando integrada no 1º Exército do General de Lattre de Tassigny, o jovem oficial participou nas campanhas da Alsácia e da Alemanha, durante as quais, segundo a Federação das Sociedades de Veteranos da Legião Estrangeira (Fédération des sociétés d’anciens de la Légion étrangèreFSALE) , ele mostrou um "gosto definitivo por soluções originais" que marcariam o resto de sua carreira. Um deles terá sido formar uma seção de reconhecimento em profundidade com Jipes.

A Legião Estrangeira precisamente... Promovido a tenente no final da guerra e contando três citações em sua Croix de Guerre, Robert Caillaud decidiu ingressar em suas fileiras. Depois de um curto período em Sidi Bel Abbès, na Argélia, foi designado para o 2º Regimento Estrangeiro de Infantaria (2e Régiment Étranger d’Infanterie, 2e REI), com o qual desembarcou em Saigon. Durante dois anos, distinguir-se-á pelas qualidades militares mas também pela capacidade de pensar fora da caixa, criando, por exemplo, um pelotão a cavalo. Isso fará com que ele ganhe mais quatro citações e a Legião de Honra, aos 27 anos.

Retornando à Argélia em 1948, o oficial recebeu a missão de formar a 1ª companhia do 2 ° Batalhão Estrangeiro de Paraquedistas (2e Bataillon Étranger de Parachutistes, 2e BEP). Em seguida, ele voltou para a Indochina com sua nova unidade em fevereiro do ano seguinte. Em dezembro de 1949, à frente da 1ª companhia, saltou, à noite e em condições difíceis, sobre a guarnição de Tra Vinh, então cercada por três regimentos Viet-Minh. Ao custo de três mortos entre os legionários, o ataque inimigo será repelido.

Durante esta segunda estadia na Indochina, o Capitão Caillaud foi ferido duas vezes. Em 1954, e depois de ter comandado o 3e BEP, regressou ao Extremo Oriente. Lá, ele se ofereceu para fazer parte da equipe do grupo aerotransportado do Coronel Langlais em Dien Bien Phu. Ao lado do Comandante Marcel Bigeard, ele organizou os contra-ataques. O resto é conhecido: o campo entrincheirado francês acaba caindo. Então começou um longo período de cativeiro nos campos do Viet-Minh. “Sua conduta no cativeiro no Campo nº 1 será exemplar, marcada por seu apoio aos mais fracos e sua recusa em se comprometer com o adversário”, disse Jean-Pierre Simon, seu biógrafo.

Le Général Caillaud: Soldat de l'insolite.
Jean-Pierre Simon.

Depois de libertado, o oficial foi designado para o 2e REP, tendo participado em inúmeras operações na Argélia. Ele ganha três novas citações. Retirado dos eventos de Argel (golpe dos generais em abril de 1961) devido ao seu destacamento para o estado-maior das Tropas Aerotransportadas (Troupes Aéroportées, TAP), foi nomeado oficial de ligação e instrutor paraquedista na Alemanha.

Depois, em maio de 1963, promovido a tenente-coronel, passou a comandante do 2e REP, então instalado em Bou-Sfer, a fim de garantir a segurança da base de Mers-el-Kébir. Começou então a “Revolução Caillaud”, que vai dar a cara que esta unidade tem hoje. “Ele é o principal ator na corrida pela inovação do regimento e pela especialização das seções que permite às companhias cumprirem de imediato as mais diversas missões”, escreve a FSALE.

“Nunca, talvez, Robert Caillaud tenha sentido a que ponto semeou tão abundantemente. Nunca, sem dúvida, ele foi capaz de testar, inventar, criar, exigir e receber tanto desta valiosa tropa, que soube fazer vibrar. Sempre carregou consigo esta pedra que queria cortar e esculpir à medida do que era, pedra angular de toda uma vida, obra magistral que deixamos em vestígios indeléveis”, abunda Jean-Pierre Simon.

Depois de uma (breve) passagem no estado-maior das Forças Aliadas na Europa Central e, em seguida, no Gabinete de Tropas Aerotransportadas e Anfíbias do Departamento Técnico de Armas, o Coronel Caillaud assumiu o comando da Escola de Tropas Aerotransportadas (ETAP) em 1972. Lá, ele passou seu brevê de salto operacional de alta altitude. Ele tinha então 52 anos (o que o tornará o mais velho dos saltadores operacionais). Promovido a general três anos depois, assumiu as rédeas da 1ª Brigada de Paraquedistas (1ere Brigade parachutiste, 1ere BP), antes de encerrar a carreira militar no estado-maior da 11ª Divisão Paraquedista (11e Division Parachutiste, 11e DP) em 1978.

O General Caillaud faleceu em 1995. Foi Grande Oficial da Legião de Honra, titular da Croix de Guerre 1939-1945 com três citações, da Croix de Guerre des T.O.E. com oito citações incluindo três na ordem do exército, a Cruz Militar do Valor com três citações incluindo duas para a ordem do exército.

sexta-feira, 23 de julho de 2021

GALERIA: Cerimônia de mobilização total na Indochina

Guarda-bandeira vietnamita durante a cerimônia na presença do Imperador Bao Dai, 16 de abril de 1954.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 23 de julho de 2021.

Em 8 de março de 1949, após os Acordos do Eliseu, o Estado do Vietnã foi reconhecido pela França como um país independente governado pelo imperador vietnamita Bảo Đại. O Exército Nacional Vietnamita ou Exército Nacional do Vietnã (vietnamita: Quân đội Quốc gia Việt Nam, "Exército Nacional do Vietnã", francês: Armée Nationale Vietnamienne, "Exército Nacional Vietnamita" - ANV) foi a força militar do Estado do Vietnã criada pouco depois disso. Era comandado pelo general vietnamita Nguyen Van Hinh e era leal a Bảo Đại, com uma força inicial de 25 mil homens apoiados por 10 mil irregulares.

O ANV lutou em operações conjuntas com o Corpo Expedicionário Francês do Extremo Oriente (Corps Expéditionnaire Français en Extrême-Orient, CEFEO) da União Francesa contra as forças comunistas do Việt Minh lideradas pelo general Võ Nguyên Giáp e por Ho Chi Minh. Diferentes unidades dentro do ANV lutaram em uma ampla gama de campanhas, as mais célebres:
  • Batalha de Na San (1952),
  • Operação Hautes Alpes (1953),
  • Operação Atlas (1953)
  • Batalha de Dien Bien Phu (1954).

O General-de-Exército Nguyen Van Hinh ao microfone durante a cerimônia, Hanói, 16 de abril de 1954.

Legenda original:

Indo China: Vietnã mobiliza todos os homens de 21 a 25. Durante uma recente revista de oficiais do Vietnã, Nguyen Van Hinh, Chefe do Estado-Maior do Vietnã e um dos homens responsáveis pela nova ordem drástica de mobilização, é mostrado, esquerda, primeiro plano, oficiais líderes no juramento de lealdade. A nova inscrição total é a primeira de uma série de medidas de longo alcance desenvolvidas para ajudar os franceses a esmagar os rebeldes do Viet Minh liderados pelos comunistas na Indochina. Até 15 de maio, todos os cidadãos do sexo masculino entre 21 e 25 anos serão admitidos. É a primeira vez na guerra de sete anos entre a Indochina que o Vietnã ordenou uma convocação total.

Oficiais em continência.

A missão do ANV era manter a ordem e a segurança interna no Estado do Vietnã, lutar contra as tropas comunistas ao lado do CEFEO e defender as fronteiras da União Francesa. Em 1952 foi criado o Estado-Maior Geral Conjunto vietnamita, assim como quatro Regiões Militares (RM) vietnamitas com funções administrativas, mantendo as operações militares nas mãos de autoridades francesas. O ANV operava no nível de batalhão e possuía então 57 batalhões de infantaria, 5 batalhões paraquedistas, 3 batalhões de artilharia, 6 esquadrões de reconhecimento blindados e várias unidades de apoio.

Efetivos em combate na Indochina no final de 1952:

- CEFEO: 174.736.
  • Metropolitanos: 54.790.
  • Legionários: 19. 079.
  • Norte-africanos: 29.532.
  • Africanos: 18.153.
  • Nativos: 53.182.
- Forças Auxiliares: 59.090.

Total da União Francesa menos o ANV: 233.826.

- Exército Nacional Vietnamita: 147.800.
  • Forças Regulares: 94.520.
  • Forças Auxiliares: 53.280.
Total da União Francesa: 381.626.

- Viet Minh: 425.000.
  • Forças Regulares: 270.000.
  • Forças Auxiliares: 155.000.

O Imperador Bao Dai passa as tropas em revista, 16 de agosto de 1954.

Legenda original:

Bao Dai recebe juramento de fidelidade na cerimônia de Hanói. Hanói, Vietnã do Norte: Em uma cerimônia militar imponente em Hanói, o rei vietnamita Bao Dai recebe um juramento de lealdade do Exército Nacional do Vietnã. Numerosas autoridades da França, Vietnã e outras nações estavam presentes. Aqui (à esquerda), Sua Majestade Bao Dai passa em revista uma unidade do exército conforme o General Hinh os indica.

Soldados do ANV de joelhos durante a cerimônia.

Auxiliares femininas administrativas do ANV assistindo à parada.

Tropa do ANV durante a cerimônia.
O oficial no centro da foto tem o brevê paraquedista e uma grossa passadeira de medalhas.

O Imperador Bao Dai, o General Nguyen Van Hinh e outros dignatários vietnamitas em evidência.

Efetivos do ANV em julho de 1954:
  • 167.700 regulares.
  • 37.800 auxiliares.
  • Total: 205.500 homens.
Os exército particulares que haviam sido declarados exércitos independentes dentro do ANV por Bao Dai foram ordenados a se incorporarem à estrutura regular por Diem; com a maioria obedecendo. Este ANV recém-independente então lutou e venceu o mais poderoso exército particular, o Binh Xuyen, na Batalha de Saigon (28 de abril a maio de 1955). Depois venceu o exército particular do secto Hoa Hao, unificando e consolidando as forças do Vietnã do Sul para o confronto com o Norte comunista. Após o referendo nacional de 26 de outubro de 1955, o então primeiro-ministro Ngo Dinh Diem derrubou Bai Dai e tornou-se o primeiro presidente da República do Vietnã, com capital em Saigon.

O Exército Nacional Vietnamita tornou-se o Exército da República do Vietnã (conhecido como ARVN) no ano seguinte, e começaria a trocar a influência francesa pela americana. O ARVN luta até a morte por mais duas décadas e seria destruído em um "Crepúsculo dos Deuses" em 1975, quando o Exército Popular do Vietnã tomou a capital Saigon e venceu a guerra unificando o Vietnã sob a liderança de Hanói.

Bibliografia recomendada:

The Twenty-Five Year Century:
A South Vietnamese General remembers the Indochina War to the Fall of Saigon.
General Lam Quang Thi.

Army of the Republic of Vietnam 1955-75.
Sargento Gordon L. Rottman.

Leitura recomendada:



quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

Morte do Coronel-Médico Jacques Gindrev: ex-combatente da resistência e de Dien Bien Phu


Por Laurent LagneauOpex360, 17 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de fevereiro de 2021.

Morte do médico-coronel Jacques Gindrey, ex-combatente da resistência e "cirurgião do impossível" em Dien Bien Phu.

Durante 57 dias e 57 noites, no fundo de um túnel escuro, na lama e sob o fogo da artilharia Viet-Minh, ele tratou e operou os soldados feridos de Dien Bien Phu: o coronel-médico Jacques Gindrey. no início de fevereiro. Seu funeral acaba de ser celebrado em particular, anunciou sua família.

Nascido em 23 de fevereiro de 1927 em Thorey-sous-Charny [Côte d'Or], Jacques Gindrey ingressou em uma das seis escolas militares preparatórias [isto é, os filhos de tropa] depois da escola primária. Então vem a guerra. Aluno do segundo ano da Escola Preparatória Militar de Autun, acompanhou as peregrinações desta, que acabou fixando-se em Valence [Drôme] então, em setembro de 1943, no campo Thol, em Ain, onde estava estacionado o 10º Batalhão de Caçadores à Pé (10ème Bataillon de Chasseurs à Pied).

Em maio de 1944, cerca de cinquenta alunos, incentivados por alguns de seus professores, foram para o maquis e formaram o "acampamento Autun", comandado pelo Aspirante Signori, conhecido como "Mazaud". E Jacques Gindrey, que estava mastigando a idéia por vários meses, é um deles. Em 6 de junho, os jovens maquisards sabotaram 52 locomotivas na estação Ambérieu.


No entanto, em 10 de julho, durante uma operação alemã no eixo Neuville-sur-Ain/Cerdon/Maillat, cinco estudantes foram mortos e cinco outros feridos, entre eles Jacques Gindrey, gravemente ferido nas pernas. Com um dos seus camaradas, foi hospitalizado em Nantua e depois em Bourg-en-Bresse, à espera de julgamento. Mas não haverá julgamento. Graças ao coronel-médico Manchet, que falsifica as curvas de temperatura, os dois jovens ficarão acamados até a alta.

Depois da guerra, Jacques Gindrey voltou para sua escola [os alunos maquisards que haviam sido excluídos dela foram reintegrados por ordem do General de Gaulle]. Então, depois de um período no Prytanée, ele decidiu ingressar na Escola de Serviço de Saúde Militar [École du Service de Santé Militaire, ESSM] em Lyon. Depois de um estágio na escola de medicina tropical Pharo em Marselha, embarcou para a Indochina no outono de 1953. Sem demora, e depois de ter trabalhado no hospital Grall em 17 de fevereiro de 1954, foi designado para a unidade cirúrgica móvel [antenne chirurgicale mobileACM] 44 do Major-Médico Paul-Henri Grauwin em Dien Bien Phu. Isso foi um mês antes do início de uma batalha que durará 57 dias.

"Eu fui médico em Dien Bien Phu", escrito por Paul-Henri Grauwin.

O afluxo maciço de feridos que já não podem ser evacuados [tudo o que ostentava uma cruz vermelha foi sistematicamente alvejado, dirá a Coronel-Médico Hantz, que nos deixou em Janeiro] e que tem de ser "classificado", da lama até aos tornozelos, a falta de medicamentos e equipamentos médicos, o rugido dos combates com o risco permanente de ser explodido por um obus... Os médicos e enfermeiras de Dien Bien Phu terão feito o impossível, realizando feitos operativos com os meios disponíveis.

Após a queda do campo entrincheirado, 858 feridos gravemente puderam ser evacuados... Dos 10.000 sobreviventes que foram para os campos de “reeducação” do Viet-Minh, apenas 2.500 sobreviveram às privações e maus-tratos impostos pelos “can bô” [comissários políticos] bem como as doenças [que muitas vezes eram as consequências de tal tratamento]. E Jacques Gindrey fará parte disso. “A guerra é uma ignomínia. A pior das coisas", ele dirá.

Depois da Indochina, ele seguirá sua carreira como médico militar na Argélia e em Madagascar. Depois, após ter deixado o uniforme, vai começar uma segunda vida na Clinique Notre-Dame de Vire, onde fará cirurgias reconstrutivas entre 1971 e 1989. Ao mesmo tempo, cuidará de bons trabalhos, fundando, em Vire, a associação “Entraide et Solidarités”, para ajudar os desempregados.


Cabo de Honra da Legião Estrangeira, o Coronel-Médico Jacques Gindrey foi Comendador da Ordem da Legião de Honra e Oficial da Ordem do Mérito Nacional. Ele também foi titular da:
  • Croix de Guerre 1939-1945 avec étoile de bronze (Cruz de Guerra 1939-1945 com estrela de bronze);
  • Croix de Guerre des TOE avec palmes (Cruz de Guerra dos Teatros de Operações Exteriores com palmas);
  • Croix du combattant volontaire de la Résistance (Cruz do Combatente Voluntário da Resistência).
Bibliografia recomendada:

Hell in a Very Small Place:
The Siege of Dien Bien Phu.
Bernard B. Fall.

Leitura recomendada:

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

A Arte da Guerra em Duna


Pelo Ten-Cel Michel Goya, La Vóie de l'Épée, 9 de janeiro de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de setembro de 2020.

O universo de Duna é um universo de grande riqueza, misturando em um estilo barroco, mas muito coerente, elementos inteiros de sociedades humanas passadas e elementos de pura imaginação. A guerra é praticada ali de uma maneira particular, mas permanece guerra com sua própria gramática.

Como destruir uma Casa Grande

O sistema político de Duna é o resultado de uma Grande Convenção (tipo Magna Carta) que rege as relações entre a Casa Imperial, os grandes senhores feudais reunidos na assembléia de Landsraad e a Guilda dos Navegantes que detém o monopólio dos vôos espaciais. A guerra é tolerada ali, desde que não perturbe esse equilíbrio de poder. É exercido principalmente entre Casas e às vezes, sob certas condições, entre o Trono e uma Casa. A Guilda é normalmente neutra.


Essas guerras são limitadas por três fatores. O primeiro é a fragmentação de poderes e a preocupação em evitar que um ator (a Casa Imperial de Corrino em primeiro lugar) se torne hegemônico. Qualquer casa que se torna muito poderosa vê os outros se unindo contra ela. A segunda restrição é a dos custos e, particularmente, dos custos de transporte. Normalmente as operações de mundo a mundo precisam passar pela Guilda e a projeção do espaço é muito cara. O último é a presença de armas atômicas. Seu uso é proibido pela Convenção, mas, ao contrário das máquinas pensantes, sua existência não é. Podemos, portanto, considerar (supondo que os princípios da dissuasão nuclear se apliquem da mesma forma às famílias e aos Estados-nação) que os "atômicos" mantêm um interesse em um segundo emprego improvável ou como ultima ratio.

As guerras, portanto, assumem uma forma ampla, uma vez que quase tudo pode ser usado contra o adversário - sabotagem econômica, corrupção, pressão diplomática, invasões, assassinatos, etc. - mas superficiais devido a esses limites de escalar aos extremos. Portanto, normalmente não terminam com a destruição do adversário. No entanto, dois fatores podem levar a que esses limites sejam empurrados ou mesmo ultrapassados: o ódio, como aquele que os Atreides e Harkonnens têm um pelo outro, e uma ameaça à circulação da especiaria, um elemento essencial para o funcionamento da Guilda e, portanto, também do Império.

A Terceira Guerra Mundial: Agosto de 1985.
General Sir John Hackett.

A busca pela destruição total de uma Grande Casa, como a dos Atreids, sem o uso primário das armas atômicas, é complexa. Uma estratégia convencional de primeiro ataque contra as armas atômicas inimigas é difícil, especialmente com o emprego de campos de força. A única solução é dominar o adversário com um ataque rápido e massivo o suficiente para atingir um resultado decisivo antes mesmo que a decisão de usar a arma final possa ser tomada. Esse foi o cenário de engajamento na "margem de erro" da dissuasão descrita pelo General Hackett em 1979 no livro A Terceira Guerra Mundial. Obviamente, esta é a escolha feita pelo barão Vladimir Harkonnen.

A dificuldade é que o custo da projeção de força e a eficácia dos campos de força de Holtzman (que podem ser comparados às muralhas de um castelo fortificado) favorecem a defesa em relação ao ataque. Para obter um equilíbrio de poder esmagador, é necessário, portanto, reunir uma massa considerável (e, portanto, ruinosa) e se possível beneficiar de uma "quinta coluna".

A massa é alcançada reunindo todas as forças Harkonnen e se beneficiando da ajuda de uma ou duas legiões de Sardaukar do Imperador, tanto qualitativas (um único Sardaukar vale vários combatentes "regulares") quanto quantitativas. Para Vladimir Harkonnen, é um risco duplo: militar primeiro porque se descobre em outro lugar, e financeiro, já que a expedição é ruinosamente custosa. O fracasso pode ser fatal para a Casa Harkonnen. Este é um risco político para o imperador Shaddam IV, a quem o Landsraad pode ver como tendo quebrado o equilíbrio e ajudado a destruir - o que é pior, por traição - uma Grande Casa. A divulgação desta intervenção pode desencadear uma guerra geral contra a Casa Corrino. Além disso, os Sardaukar, como os "voluntários" de certas épocas, lutam sob o uniforme de soldados Harkonnens. A quantidade é uma qualidade em si, e a massa utilizada para a operação, dez vezes maior que àquela estimada pelo mentato dos Atreides, Thufir Hawat, contribui para a surpresa estratégica. Ela também intervém antes que os Atreides sejam capazes de se fortalecer consideravelmente, graças à aliança com os Fremen.

Legionário Sardaukar.

O ataque maciço dos Harkonnens é consideravelmente facilitado pela "quinta coluna" presente no local, composta pelos agentes mantidos em Arrakis após a partida dos Harkonnens, e especialmente pelo traidor Yueh que não só abaixa os campos de força Holtzman de Arrakeen, mas também neutraliza o duque Leto. É um cavalo de Tróia, desta vez oposto aos Atreides, que permite tanto abrir as portas ao sitiante quanto matar o líder adversário, centro de gravidade clausewitziano desses atores políticos. Quando certos indivíduos são de importância desproporcional, eles devem ser colocados contra outros indivíduos, aqueles capazes de se aproximar deles para atingi-los.

Sob essas condições, o plano Harkonnen só poderia ter sucesso, mas como todos os planos complexos, não poderia ter sucesso total.

Aquiles e Holtzman


Em Duna, os combatentes aparentemente têm todo o armamento clássico da ópera espacial, feixes de laser e campos de força em particular, mas com aquela sutileza mutante que quando os dois se encontram causa uma explosão de intensidade variável, mas podendo ser até o de uma pequena arma atômica. Isso poderia dar origem a táticas suicidas interessantes (muito fáceis de conseguir com a concepção da vida humana que reina neste universo), especialmente contra os grandes escudos de proteção, mas Frank Herbert tacitamente as exclui. Na verdade, uma das duas tecnologias, o laser, é pouco utilizada, exceto quando não há risco de presença de escudos no campo adversário, o que é o caso em particular no deserto de Arrakis. Notemos de passagem que poderia ter sido o inverso - o escudo considerado muito perigoso - o que obviamente teria mudado as condições do combate, mas também todo o universo de Duna tanto quanto o combate faz o exército e o exército faz Estado.

O campo de força Holtzman se assemelha à armadura de cavaleiros pela quase-invulnerabilidade que fornece a seus portadores, no entanto, com duas diferenças notáveis: é infinitamente mais manobrável do que a armadura, o que nega a vantagem de mobilidade que poderia ter existido para benefício dos não-portadores leves, e acima de tudo é aparentemente barato, o que torna seu uso muito comum. Sua única fraqueza é que pode ser perfurado por objetos lentos, o que requer uma punhalada à arma branca. A alta tecnologia, portanto, requer paradoxalmente um retorno às formas ancestrais de confronto. Herbert exclui as táticas coletivas do tipo falange, que no entanto deveriam ser possíveis, em favor de um combate puramente homérico composto por um conjunto de confrontos individuais ou em pequenas equipes (pouco desenvolvidos pelo autor enquanto então pode-se ver imediatamente o benefício que pode haver em um ataque de dois homens a um portador de escudo). O combate em Duna exige excelência individual alcançada por meio de uma mistura de virtudes guerreiras - coragem e agressão em primeiro lugar - e domínio da esgrima. Adquirir essa excelência leva tempo e requer profissionalização de fato, bem como a constituição de uma aristocracia guerreira. Essa aristocracia desenvolve então uma cultura específica que lhe garante o monopólio da violência, o que por sua vez pode explicar a recusa de qualquer tática de massa, mas também a torna vulnerável ao aparecimento dessa mesma massa no campo de batalha. Civis amadores são excluídos de um campo de batalha onde não têm chance de sobrevivência, mas também são excluídos em grande parte das próprias guerras.

Ilíada e Odisséia.
Homero.

Na Ilíada, existem os heróis, que têm um nome, e os guerreiros anônimos que servem para defender os primeiros. Duna tem sua cota de heróis-esgrimistas como Duncan Idaho, Gurney Halleck ou Conde Fenring e seus soldados comuns que fazem o papel de bucha de espada. Duncan Idaho pode, portanto, se orgulhar de ter matado mais de 300 em nome do duque Leto. Mas os heróis são raros e, se forem extravagantes, dificilmente farão diferença em batalhas que são agregados de milhares de micro-batalhas. Frank Herbert, portanto, apresenta uma categoria intermediária que combina número e qualidade: combatentes de elite, como os Sardaukar, os Fremen e alguns Atreides. Os Fremen têm as qualidades guerreiras mais fortes, os Atreids são excelentes técnicos e os Sardaukar combinam as duas características em proporções menores. Cada um desses homens é capaz de derrotar vários soldados comuns, e sua presença decide o destino das batalhas. É de todo interesse a presença de Sardaukar (10 a 20% das tropas apenas) na força de ataque desdobrada por Vladimir Harkonnen contra os Atreides, com esse medo, no entanto, de que essas poucas brigadas pudessem ser usadas pelo Imperador para varrê-lo ele mesmo. O interesse desses combatentes de elite, evidente no nível tático, é ainda mais gritante no nível operacional quando se considera o custo da projeção interplanetária de um único homem.

Aliás, Frank Herbert insiste muito na importância de ambientes extremos, como o deserto de Arrakis ou a opressão do planeta-prisão Salusa Secundus, para desenvolver qualidades guerreiras. Ele certamente pensa nos beduínos árabes do século VII, que constituem seu modelo para os Fremen. Esta teoria é muito discutível, os ambientes extremos secretando especialmente sociedades adaptadas, mas congeladas ou mesmo aprisionadas. Os inuítes ou os índios amazônicos, por exemplo, nunca formaram um exército de conquistadores. Basicamente, essa teoria também assume que sociedades ricas e agradáveis ​​são frágeis e seus exércitos são fracos. A história, e especialmente a Segunda Guerra Mundial, mostra que as coisas são muito mais complexas.

Os Fremen são um caso especial no universo militar de Duna, pois ambos são perfeitamente adequados ao seu ambiente, muito resistentes em combate e numerosos. Assim, eles introduzem massa em uma escala desconhecida na equação. O ataque Harkonnen, considerado como considerável, mobilizou 10 legiões, sendo 100 brigadas ou algumas centenas de milhares de homens, onde o mentate Thufir Hawat esperava um ataque de no máximo algumas dezenas de milhares, o que parece constituir a norma das batalhas. Todos esses números também parecem muito baixos quando se trata de controlar um planeta inteiro, mas é verdade que as populações também não parecem grandes. Com uma população de cultura guerreira de dez milhões de Fremen, eleva-se para um potencial de dois a três milhões de combatentes adultos do sexo masculino e igual número de combatentes secundários. Isso obviamente muda a situação, como a chegada dos piqueiros suíços na segunda metade do século 15 ou o levée en masse revolucionário de 1792 mudaram a face da guerra travada até então na Europa com pequenos exércitos profissionais. Também podemos pensar nos contingentes profissionais ocidentais que enfrentam os 10 milhões de pashtuns em idade para portar armas no Afeganistão ou no Paquistão. A atitude e lealdade dos Fremen são, portanto, uma parte essencial da geopolítica do Império.

Operação de estabilização em Arrakis


À parte os casos, muito raros, de extermínio do inimigo, uma vitória militar torna-se vitória política apenas se houver aceitação da derrota por quem perdeu o duelo de armas. No esquema trinitário de Clausewitz, é o poder político que nota a derrota e aceita a paz, podendo o povo apenas seguir as decisões de seu governo. Se a ação militar não se contenta em apenas derrotar o exército adversário, mas também tem o efeito de destruir o poder político, nos privamos de um interlocutor e corremos o risco de ver aparecer um ou mais outros que vão continuar a guerra de outra maneira.

Os americanos não são os Harkonnens (talvez a Casa Imperial) e Paul Muad'dib não é Osama Bin Laden, Mullah Omar ou Saddam Hussein, mas a situação em Arrakis em 10191 após a captura de Arrakeen tem algumas semelhanças com aquela do Afeganistão em 2001 e especialmente do Iraque em 2003, mas um Iraque que seria o único produtor mundial de petróleo.

A guerra dos assassinos não termina com a morte do duque Leto, ela simplesmente se transforma. Os sobreviventes Atreides se juntam à endêmica guerra de guerrilha Fremen contra os Harkonnen, a quem eles odeiam, para constituir uma forma muito eficaz de "combate acoplado" entre um poder externo e combatentes locais. Os Fremen trazem o número, suas qualidades de luta e sua adaptação perfeita ao ambiente do deserto; os Atreides trazem os armamentos atômicos de família, uma "assistência técnica militar" e, acima de tudo, um líder carismático, uma mistura de Lawrence da Arábia, do Profeta Muhammad e do Mahdi sudanês. Não é mais uma reação de anticorpos a uma presença estrangeira hostil, mas uma verdadeira jihad.

Diante dessa oposição, que vai se desenvolvendo gradativamente, surge sistematicamente o problema do diagnóstico inicial, quase sempre com a tentação de minimizá-lo e modelá-lo de acordo com suas necessidades. Para o governo francês em 1954, os ataques do Toussaint Rouge* na Argélia foram perpetrados por bandidos e para o comando americano em 2003, os ataques da guerrilha que surgiram no triângulo sunita iraquiano em maio-junho foram os últimos tiros do regime deposto e do seu líder em fuga. Essa avaliação inicial condiciona uma resposta difícil de se livrar depois. Afastando-se da política tradicional de pura exploração econômica (em todos os sentidos da palavra) do planeta Arrakis, e pouco prejudicada por considerações humanitárias que só existem, na melhor das hipóteses, no âmbito dos signatários da Grande Convenção, os Harkonnnens e os Imperiais que recuperaram o controle de Arrakis viam os Fremen como um incômodo que devia ser eliminado pelo extermínio.

Taticamente, nos encontramos novamente no caso clássico de uma força tecnologicamente superior enfrentando uma guerra de guerrilha protegida por sua adaptação a um ambiente particular e protetor (selva, montanha, população local de campos de arroz ou cidades do Eufrates). Os Fremen, por outro lado, não se beneficiam da proteção dos escudos Holtzman, que têm a particularidade dos irritantes vermes da areia. A tentação é forte para os Harkonnens de limitar os riscos usando o domínio do ar para rastrear o inimigo com o laser.


A essa estratégia de desgaste, de outra forma ineficaz, os Fremen coordenados por Paul Atreides responderam com uma estratégia de pressão econômica, impedindo que o inimigo explorasse a especiaria. Os Sardaukar deixaram a frente e os Harkonnen recusaram-se a fazer o esforço de treinar combatentes aptos ao deserto, até porque, segundo um padrão clássico nas ditaduras, a realidade da situação no terreno estava mascarada no topo da organização. Depois de alguns anos, a estratégia de jogo Go* de Paul Atreides tornou possível controlar a maior parte do planeta e provocar uma aceleração de eventos. A ameaça finalmente óbvia à produção de especiarias provoca tanto a formação de uma coalizão de Casas liderada pelo Imperador e, portanto, a possibilidade de um confronto decisivo em nível intergaláctico, mas também, de forma mais sutil, o controle da Guilda dos Navegantes totalmente dependente da especiaria. Assim, chegamos ao estágio final e ao fim da guerra popular, conforme descrito por Mao Tsé-Tung. A batalha final contra o imperador é o equivalente a Dien Bien Phu em 10196.

O principal problema tático que surge novamente é o de remover o escudo de defesa do Imperador. O modo de ação usado é uma grande tempestade de areia cuja eletricidade estática é conhecida por saturar o campo de força. Isso requer primeiro destruir as montanhas que bloqueiam sua passagem e é aqui que intervêm os armamentos atômicos. O tabu atômico é, portanto, quebrado, em verdade de maneira indireta por um emprego em um obstáculo natural, para permitir a penetração no campo adversário. Com a superioridade numérica dos Fremen e o uso surpresa de vermes da areia, a continuação da luta não está mais em dúvida. Estranhamente, a luta termina com um duelo homérico, um risco considerável já que a pessoa do Muad'Dib é tão importante e que não se justifica estrategicamente.


Post script: notas do tradutor

Jornal com o Toussaint Rouge como capa.

O Toussaint Rouge, também conhecido como Toussaint Sanglante é o nome dado à série de ataques que ocorreram em 1 de novembro de 1954 - o festival católico do Dia de Todos os Santos - na Argélia Francesa. Normalmente é considerada a data de início da Guerra da Argélia, que durou até 1962 e levou à independência da Argélia da França. Os ataques ocorreram da meia-noite às duas da manhã, com 30 ataques a bomba e sabotagem em alvos policiais e militares; matando 4 militares franceses, 4 civis pied-noirs (franceses nascidos na Argélia) e 2 argelinos, com 1 pied-noir ferido.

Tabuleiro de Go.

O Go é um jogo de tabuleiro abstrato de estratégia para dois jogadores, em que o objetivo é cercar mais território do que o oponente. O jogo foi inventado na China há mais de 2.500 anos e acredita-se que seja o mais antigo jogo de tabuleiro continuamente jogado até os dias de hoje. Um documentário fez a comparação de que Giap e o comando norte-vietnamita em Hanói estavam jogando Go enquanto Westmoreland e o comando americano em Saigon estavam jogando Xadrez.

Bibliografia recomendada:




Leitura recomendada:


sábado, 28 de março de 2020

GALERIA: Bawouans em combate no Laos

Durante os pesados combates em Banh-Hine-Siu, pára-quedistas do 3º BPVN estão prontos para repelir os ataques dos "bô dôï" (soldados das formações regulares do Viet Minh) de dois regimentos da 325ª Divisão.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de março de 2020.

Paraquedistas vietnamitas do 3e BPVN (3ème Bataillon de Parachutistes Viêtnamiens, apelidados "bawouans"), sob o comando do Chef de bataillon Mollo, engajados em pesados combates no Laos, no posto de Banh-Hine-Siu e na vila de Na Pho de 5 a 9 de janeiro de 1954, contra elementos da 325ª Divisão Viet Minh (Daï Doan 325).

As fotos de Ferrari Pierre para o ECPAD mostram o armamento típico dos paraquedistas franceses da fase final da Guerra da Indochina: fuzis e carabinas de coronha dobrável MAS 36 CR 39 e M1A1, submetralhadoras MAT 49, fuzis-metralhadores Châtellerault 24/29.

Em 9 de janeiro, um batalhão de paraquedistas vietnamitas tomou o posto de Banh-Hine-Siu, que ele teimosamente defendeu contra os combatentes do Viet Minh emboscados nas proximidades. Um lançamento de munição, a intervenção da artilharia e bombardeios com napalm os ajudam a contra-atacar os adversários entrincheirados nos arredores.

Ao mesmo tempo, combates de rua aconteceram na vila de Na Pho, onde um batalhão do Viet Minh passou a noite. Além do aspecto militar, o relatório da ação também citou refugiados do Laos que fugiram do avanço do Viet Minh, uma evacuação médica dos feridos por helicóptero e feridos aguardando tratamento.

Distintivo do 3e BPVN, em vietnamita Tien Doan Nhay Du 3 (TDND 3).

Anverso e reverso.

O 3e BPVN foi criado como parte do "amarelamento" ("jaunissement") do General Jean de Lattre de Tassigny - a criação de exércitos nacionais vietnamita, laociano e cambojano. A criação de formações paraquedistas indochineses começou em nível companhia, em 1948. Os quadros do 3e BPVN vieram da 10e CIP (10ème Compagnie Indochinoise Parachutiste), de 195 homens, incorporado ao 10e BPCP (10e Bataillon Parachutiste de Chasseurs à Pied, de tradição alpina e elevado a "groupement" por pouco tempo) de 1950 a 1952; comandada pelo Tenente Louis d'Harcourt, um futuro general, a companhia foi recrutada na região de Hanói, no Tonquim (norte do Vietnã).

3e Bawouan foi criado em 1º de setembro de 1952 com uma companhia de comando (compagnie de commandement de bataillon, CCB), e três companhias de combate (com a posterior adição de uma quarta), ele tinha um efetivo de cerca de 1.000 homens. O 3e Bawouan foi um dos cinco batalhões paraquedistas vietnamitas - 1º, 5º (que lutou em Dien Bien Phu), 6º e 7º BPVN - criados entre 1951 e 1954, e pertencendo ao Exército Nacional Vietnamita (Armée Nationale Vietnamienne, ANV); além do 1er Bataillon de Parachutistes Laotiens (1er BPL), do Laos, e o 1er Bataillon de Parachutistes Khmers (1er BPK), do Camboja.

O 3e BPVN participou das operações Mimosa (maio de 1953), Camargue (julho de 1953), Concarneau, Lamballe e Mont St Michel (agosto de 1953), Flandre (setembro de 1953) a operação no posto de Ban-Hine-Siu (janeiro de 1954) e Églantine (junho de 1954).

Os paras do 3e Bawouan mantêm o posto de Banh-Hine-Siu contra elementos da 325ª Divisão Viet Minh.

Bawouans carregam o cadáver de um camarada com um poncho usado de mortalha.

O soldado está usando um capacete de origem americana coberto com uma bandeira de sinalização para a aviação.

Durante um contra-ataque do 3º BPVN nos ferozes combates de rua de Na Pho, um paraquedista armado com um fuzil de coronha dobrável MAS 36 CR 39 capturou um fuzil alemão Mauser Karabiner 98K, equipado com sua baioneta, equipando os "bô dôï" (soldado das tropas regulares vietnamitas, um deles morto no canto direito) da 325ª Divisão VM (Daï Doan 325). À esquerda, um paraquedista e seu FM 24/29.

Elementos da 325ª Divisão do Viêt-minh se infiltraram dentro do posto de Banh-Hine-Siu, e os paraquedistas do 3º BPVN lançarm um contra-ataque para desalojá-los.

Um "bô dôi" que operava uma metralhadora Browning .30 (recalibrada em 7.62×54mmR) foi morto, com um paraquedista vietnamita trazendo a arma de emprego coletivo de volta para o posto de Banh-Hine-Siu, enquanto seus companheiros continuam a repelir uma infiltração inimiga.

Protegidos em uma trincheira, os paraquedistas de uma equipe de morteiro lutam contra a 325ª Divisão Viet Minh, ao redor do posto de Banh-Hine-Siu.

Os paraquedistas do 3º BPVN defendem o posto de Banh-Hine-Siu. À esquerda, o soldado está armado com um fuzil-metralhador M 24/29 de 7,5mm.

Um paraquedista ferido é confortado por um camarada. No fundo, outro paraquedista vietnamita ferido, com um fuzil MAS 36 CR 39 em bandoleira.

Paraquedistas aproveitam uma pausa para relaxar e saciar a sede. O paraquedista no centro segura uma baioneta alemã do Mauser Karabiner 98K, capturada do inimigo.

Um paraquedista, o cinto contendo granadas defensivas MK 2 e DF 37, traz para cobertura um companheiro de combate ferido no rosto.

Um pára-quedista, armado com um fuzil MAS 36 CR 39, ferido no pescoço durante fortes combates no posto de Banh-Hine-Siu. 

Paraquedistas feridos durante a defesa do posto de Banh-Hine-Siu. O paraquedista à direita está usando um capacete francês modelo 51, enquanto seu camarada é protegido pelo capacete de paraquedista de origem americana, mais comum na época na Indochina.

Em Banh-Hine-Siu, um paraquedista do 3º BPVN depena galinhas compradas na aldeia para melhorar a ração individual da base, uma das quais é cozida em fogo de bambu.

Um oficial da 3ª BPVN conversa com uma laociana de Banh-Hine-Siu.

Retrato de um Viêt-Minh ferido durante os combates em Banh-Hine-Siu.

Bônus:


Foto do autor com um bawouan veterano da Indochina e da Argélia.

Pôster de alistamento nas forças paraquedistas vietnamitas.