terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

Tanques, navios e fuzis de assalto: a Índia ainda compra a maior parte de suas armas da Rússia


Por Sébastien Roblin, The National Interest, 25 de janeiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de fevereiro de 2020.

E por que isso pode não mudar tão cedo.

Desde a década de 1960, a Índia adquiriu a maior parte de seus armamentos de Moscou, e sistemas de armas como o helicóptero Mi-4, o tanque T-55 e o míssil anti-navio SS-2 Styx desempenharam um papel decisivo nos conflitos militares da Índia.

À medida que as alianças mudavam na era pós-Guerra Fria, Washington cortejou Nova Delhi como parte de um esforço para contrabalançar a ascensão da China como superpotência. Isso levou a Índia a comprar sistemas militares dos EUA, como aviões de patrulha marítima P-8 Poseidon e helicópteros de ataque Apache.

Além disso, a Índia retirou-se de um programa ambicioso para desenvolver em conjunto uma variante específica da Índia do caça furtivo Su-57 da Rússia em 2018. Moscou também indicou uma nova disposição de exportar armas para o rival da Índia, o Paquistão. E depois da apreensão de Moscou da Criméia pela Ucrânia em 2014, Washington aprovou o ato CAATSA (Countering America's Adversaries Through Sanctions Act, Ato de Combate aos Adversários da América por Meio de Sanções) que ameaça sanções contra países que fazem grandes compras militares da Rússia.

Mas, apesar desses fatores negativos e da insistência do governo Modi de que as importações estrangeiras venham com um componente de fabricação doméstica em solo indiano, na realidade a Rússia continua sendo de longe o fornecedor de armas dominante da Índia até a década de 2020, representando 62% das importações indianas de armas nos cinco anos anteriores de acordo com o SIPRI.

Somente nos primeiros nove meses de 2019, a Índia gastou um recorde de US$ 14,5 bilhões em armas russas, com muitas entregas e despesas financeiras continuando até 2020. Além disso, a Índia também firmou um acordo com a Rússia, permitindo a licença de fabricação de peças de reposição para sistemas russos.

Portanto, para tomar emprestada a expressão desgastada, os relatórios sobre o desaparecimento do comércio indo-russo de armas foram extremamente exagerados. Embora uma peça associada pareça com as últimas compras da Força Aérea Indiana de jatos MiG-29 e Su-30 e mísseis de defesa aérea S-400, aqui examinaremos as principais novas compras do Exército e da Marinha da Índia.

Fuzil de assalto AK-203


Em 2019, a Índia também estabeleceu uma joint venture com a Kalashnikov (50,5% indiana / 49,5% russa) para fabricar 750 mil fuzis AK-203. 100.000 serão construídos na Rússia, enquanto o saldo virá de uma nova fábrica em Uttar Pradesh. Estes são basicamente os AK-74 modernizados com ergonomia aprimorada e suporte para acessórios. Eles substituirão os fuzis INSAS desenvolvidos na Índia, que tiveram um desempenho excepcionalmente ruim em combate.

*Nota do Tradutor: Uma joint venture é uma entidade comercial criada por duas ou mais partes, geralmente caracterizada por propriedade compartilhada, retornos e riscos compartilhados, e governança compartilhada.

Curiosamente, o Exército indiano havia anunciado anteriormente que estava procurando fuzis usando munição 7.62x51 milímetros OTAN com maior precisão de longa distância e força de impacto em comparação com as munições de 7.62x39 milímetros usadas pelo AK-203.

De fato, o Exército indiano também está adquirindo 72.000 fuzis SIG-716 a um custo maior, que supostamente será emitido para as 'unidades da linha de frente'. Mas a produção do AK-203 menor desempenho pode ajudar Modi a construir apoio eleitoral em Uttar Pradesh, enquanto dá a Kalashnikov uma base de longo prazo para futuras encomendas na Índia.

Projeto 11356 Fragata da classe Talwar

A Índia também finalizou um acordo para quatro fragatas com base nas fragatas furtivas da classe Almirante Grigorovich da Rússia. A Índia já opera seis fragatas da classe Talwar, com base na fragata anterior da classe Krivak russa.

A subclasse Grigorovich de 4.000 toneladas do Krivak mede 127 metros de comprimento e possui um armamento formidável: mais de duas dúzias de mísseis superfície-ar de curto e médio alcance, uma torre com canhão de 100 milímetros, dois canhões de defesa pontual de tiro rápido, torpedos e foguetes anti-submarinos, um helicóptero anti-submarino e células de lançamento verticais que podem acomodar mísseis de cruzeiro anti-navio ou ataque terrestre.

A Rússia originalmente planejava operar seis fragatas do Almirante Grigorovich, construídas usando um motor ucraniano. Mas a Ucrânia isolou a Rússia depois que Moscou tomou a península da Criméia em 2014, deixando a Rússia com duas fragatas quase completas sem motor.

Sob o acordo atual, essas duas fragatas serão concluídas nos estaleiros de Yantar na Rússia a um preço de US$ 950 milhões (pago em Rúpias* para evitar sanções do CAATSA) e entregues em 2022. A Índia fornecerá um motor doméstico de turbina a gás.

*NT: A Rúpia é a moeda indiana. O Rublo é a moeda russa.

Além disso, a Índia pagará outros US$ 1,2 bilhão para licenciar a construção de mais duas fragatas em seus estaleiros de Goa, com entrega prevista para 2026 e 2027.

A variante indiana "Advanced Talwar" será armada com mísseis supersônicos Brahmos e um radar e sistemas de navegação domésticos.

Tanques Principais de Batalha T-90MS



Em novembro de 2019, a Índia assinou um acordo de US$ 1,2 (pago em rublos para contornar o CAATSA) para transferir componentes de tecnologia para licenciar a construção de 464 tanques T-90 adicionais na fábrica em Avadia - o suficiente para equipar 10 regimentos blindados adicionais à medida que são entregues até 2025.

A fábrica indiana está recebendo US$ 1,9 bilhão adicional pela produção e construirá componentes, incluindo visões noturnas e termovisores, enquanto a Rússia ainda fornecerá o motor e a transmissão.

Mais de mil tanques principais de batalha T-90S e T-90MS formam o núcleo das forças blindadas da Índia, apoiados por um número maior de tanques T-72 mais antigos e atualizados, e algumas centenas de tanques domésticos Arjun. O T-90MS de 52 toneladas não é tão blindado quanto os tanques principais de batalha ocidentais, mas se beneficia de blindagem reativa avançada e sistemas de proteção ativos que o tornam mais resiliente contra os mísseis guiados antitanque.

O T-90MS mais moderno da Índia de fato ostenta motores, sensores e sistemas de proteção superiores ao modelo T-90As do Exército Russo. No entanto, os T-90 da Índia enfrentaram problemas técnicos embaraçosos ao longo dos anos que exigiram taxas exorbitantes pagas à Rússia para serem corrigidos.

Devido a esses problemas, um oficial de defesa indiano lamentou ao Defense News que a Índia acabaria "pagando três vezes mais que o custo original do tanque" durante o ciclo de vida de cada veículo.

Mísseis de Defesa Aérea Portáteis Igla-S

Em novembro de 2019, a Índia também concedeu 1,47 bilhão de dólares em seu concurso de Defesa Aérea de Curtíssimo Alcance para adquirir 5.175 mísseis (os últimos 600 construídos na Índia) e 800 lançadores portáteis.

Essas armas descartáveis guiadas por calor fornecerão uma defesa de última hora para as unidades de infantaria indianas e podem ser particularmente úteis para neutralizar helicópteros inimigos, drones e até mísseis de cruzeiro, principalmente em áreas montanhosas. O Igla-S substituirá os mísseis Igla-M mais antigos da Índia, aumentando o alcance, a altitude de engajamento e a resistência a contra-medidas.

No entanto, como a maioria das aquisições de defesa indianas, o VSHORADS está envolvido em atrasos espetaculares - 20 anos desde que a primeira encarnação da competição foi iniciada em 1999! - e acusações de negociações sujas.

O Igla-S competiu contra o Saab RBS-70 e o míssil Mistral da MBDA. Ambas as empresas estrangeiras reclamaram que os avaliadores indianos renunciaram aos requisitos de desempenho que o Igla-S não cumpriu. Por exemplo, durante um teste, o Igla-S falhou em interceptar alvos em um clima quente durante o verão (tarefa mais desafiadora para um míssil guiado por calor), mas foi autorizado a tentar o mesmo teste pela segunda vez em condições climáticas mais frias.

Parece possível, no entanto, que o contrato tenha sido simplesmente concedido ao menor lance, e não baseado no desempenho, pois o Mistral foi oferecido por US$ 2,7 bilhões e o RBS-70 por US$ 2,1 bilhões. No entanto, há dúvidas de que o Exército indiano possa reunir os fundos necessários para financiar a compra do Igla-S.

Helicópteros utilitários Ka-226T



As forças armadas da Índia devem se preparar para uma potencial guerra nas montanhas com o Paquistão na fronteira noroeste e a China no flanco leste. Nessas regiões, os helicópteros são muito úteis para contornar terrenos tortuosos das montanhas - mas também lutam para operar devido a limitações de desempenho em grandes altitudes.

Em janeiro de 2020, as empresas indianas negociaram recentemente um preço de US$ 4 bilhões para um acordo de 2015 com a corporação russa Kamov para a entrega de 200 helicópteros utilitários leves Ka-226T: 60 construídos na Rússia e outros 140 construídos como uma joint venture na Índia numa fábrica em Tumkuru.

Os antigos helicópteros HAL Cheetah e Chetak da Índia - baseados nos franceses SA 315B e Alouette III, respectivamente - estavam mostrando sua idade. O Ka-226, por comparação, pode voar duas vezes mais alto que o Cheetah, 25% mais rápido a no máximo 155 milhas por hora e transportar seis ou sete pessoas ou uma tonelada de carga, em vez de apenas quatro ou cinco soldados.

Ele apresenta o famoso arranjo de rotores coaxiais da empresa Kamov russa, que, ao custo da complexidade, resulta em maior estabilidade e desempenho em grandes altitudes do que um helicóptero tradicional.

O acordo atual inclui a transferência de 50% da tecnologia (particularmente as pás do rotor, a estrutura e o trem de pouso). A Índia também poderá exportar os Ka-226Ts para o exterior, mas as encomendas domésticas também poderão aumentar, já que o Exército atualmente exige 259 helicópteros utilitários leves, a Força Aérea 125 e a Marinha 111 desses helicópteros equipados com equipamentos anti-submarinos.

Original: https://nationalinterest.org/blog/buzz/tanks-ships-and-assault-rifles-india-still-buys-most-its-weapons-russia-117216

Sébastien Roblin escreve sobre os aspectos técnicos, históricos e políticos da segurança e conflitos internacionais para publicações como The National Interest, NBC News, Forbes.com e War is Boring. Ele é mestre pela Universidade de Georgetown e serviu no Corpo da Paz na China. Você pode acompanhar os artigos dele no Twitter.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

A Austrália quer vender à Índia seu próximo fuzil CQB - eis o que eles estão oferecendo

Um soldado australiano dispara seu fuzil EF88 Austeyr no Iraque. O F90 é padronizado na plataforma F88. (Foto do Exército dos EUA por Spc. Audrey Ward)

Por Ian D'Costa, Military Times, 26 de abril de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de fevereiro de 2020.

Desde 1989, o Exército Australiano usa uma versão produzida internamente do Armee-Universal-Gewehr da Steyr Arms (Fuzil Universal do Exército, ou AUG), oficialmente conhecido como F88 Austeyr, como sua arma de serviço padrão.

Uma parceria conjunta entre a Thales Australia e o Kalyani Group agora planeja oferecer às forças armadas indianas uma versão de exportação do F88 para a nova exigência de carabina do país.

Atualmente, a Índia está no meio de um grande programa de rearmamento que fará com que seu exército elimine as armas mais antigas em favor de uma combinação de hardware ocidental mais recente, popular entre os estados membros da OTAN, além de armas e kits projetados e produzidos pela Índia.

A Gear Scout informou anteriormente que a Índia compraria 72.400 fuzil de batalha SIG716 e um número desconhecido de carabinas Caracal CAR816 como parte de um contrato de US$ 503 milhões. Mais tarde, o The Firearms Blog informou que a contagem esperada de CAR816s era de cerca de 95.000.

A variante de exportação do F88, apelidada de F90, foi originalmente oferecida como concorrente do CAR816, mas agora entrará em uma competição separada, voltada para o fornecimento ao Exército Indiano de uma nova carabina de combate aproximado em compartimento (closer quarters battleCQB).


O F90 com um lançador de granadas SL40 de 40 mm opcional (Foto Lithgow Arms)

De acordo com a solicitação enviada pelo Ministério da Defesa da Índia, a carabina CQB precisa ser calibrada no 5,56x45mm OTAN, deve possuir um alcance efetivo mínimo de 200 metros (218 jardas) e ter uma precisão de 5 minutos de ângulo ou melhor, e novo em folha.

A Thales Australia e o Grupo Kalyani esperam que o F90 seja exatamente o que as forças armas indianas estão procurando. Construído sob licença da Steyr pela Lithgow Arms, o F90 foi projetado para ser altamente modular e pode colocar um lança-granadas SL40 de 40mm sob o cano, bem como uma série de outros acessórios e ópticas em seus trilhos Picatinny.

O F90 vem com três comprimentos de cano - 360mm, 407mm e 508mm. Graças ao seu traçado bullpup, o comprimento máximo da arma com seu cano mais longo é de 802mm. Para comparação, a carabina M4 chega a 840mm com seu cano padrão de 370mm. Um gatilho de dois estágios dá ao operador a capacidade de disparar no modo semiautomático com o primeiro estágio do puxão, ou em uma rajada de três tiros no segundo estágio.


O F90 pode acomodar várias ópticas em seu trilho superior, incluindo miras holográficas e ampliadas (Foto Lithgow Arms)

Uma parte considerável da decisão australiana de comprar e colocar em campo o Steyr AUG original como o F88 foi o fato de ser um fuzil bullpup, o que significa que o receptor (caixa da culatra), o mecanismo de disparo e o carregador estavam localizados atrás da empunhadura de pistola e do gatilho. Isso permite que um cano mais longo seja usado em uma armação mais compacta, tornando a arma muito mais manobrável e precisa.

Por mais revolucionário que o F88 possa ter sido no momento de sua adoção pelo exército australiano, ele não passou exatamente sem críticas, especialmente das unidades de operações especiais australianas.

De fato, o fuzil foi tão mal recebido pelo Regimento de Serviço Aéreo Especial (Special Air Service Regiment, SASR) de elite do país, modelado com base no SAS de primeira linha do Reino Unido, que a unidade optou por comprar mais carabinas M4 e limitar o uso do F88.

Operadores especiais se viram emaranhados com um fuzil que não era ergonomicamente adequada para ser confortavelmente manejada por um usuário final equipado com uma armadura corporal, graças ao tamanho exagerado da soleira da coronha do F88.

Além disso, as trocas de carregador frequentemente afastavam os olhos do usuário da luta devido ao posicionamento desajeitado do depósito do carregador.

Essas questões podem representar uma ameaça à candidatura do F90. No entanto, se o F90 for bem-sucedido, o governo indiano planeja comprar mais de 360.000 fuzis, os quais seriam hipoteticamente produzidos em fábricas indianas.

Original: https://www.militarytimes.com/off-duty/gearscout/irons/2019/04/26/australia-wants-to-sell-india-its-next-cqb-rifle-heres-what-theyre-offering/

Ian D’Costa é um correspondente da Gear Scout, cujo trabalho foi apresentado nos sites We Are The Mighty, The Aviationist e Business Insider. Um homem ávido ao ar livre, Ian também é um entusiasta de armas e equipamentos.

Post-Scriptum das críticas do SASR sobre o F88.

Suboficial (WO) do SASR critica o Austeyr F88


Foto: DoD australiano

Em uma edição recente da revista australiana Contact: Air, Land & Sea, um suboficial (Warrant Officer, sem equivalente no Brasil) do Regimento de Serviço Aéreo Especial australiano criticou a adoção do fuzil de assalto F88. Baseado no Steyr AUG de projeto austríaco, o F88 é produzido domesticamente na Austrália. Especificamente, o autor anônimo, escreve que a arma deve ser retirada de uso.

Especificamente, ele menciona:

"O Steyr exige uma mudança de carregador mais difícil sob estresse, além de desviar os olhos do operador por um longo período enquanto recarrega, tirando uma valiosa consciência do que está acontecendo ao seu redor.

O tamanho da coronha no Steyr não é propício para uma boa colocação da arma no ombro, especialmente com o colete. Isso afeta o alinhamento da visão, o alívio dos olhos, o apoio da bochecha e uma posição de tiro estável com a arma no ombro.

Há uma série de outras razões, no entanto, não entrarei nesse mérito. Mas nossos soldados, particularmente nossa infantaria, poderiam ser muito mais bem servidos com um novo e melhorado sistema de armas pessoais primárias."


(Foto: DoD australiano)

Isso não é realmente uma grande novidade. O SASR adotou o M4 pela primeira vez em 1998, depois que seus F88s não atingiram as expectativas no desdobramento do 1º esquadrão no Kuwait em apoio à Operação Desert Thunder (novembro-dezembro de 1998). No entanto, antes disso, a unidade estava modificando os M16 restantes do serviço no Vietnã para servirem como carabinas. Infelizmente, as armas eram antigas e não se destinavam realmente às modificações autônomas da unidade e não eram tão confiáveis quanto às armas propriamente fabricadas. As queixas do Esquadrão chegaram ao Departamento de Defesa (DoD) australiano, que enviou uma equipe de oficiais de requerimento de infantaria. Na época, eles pensaram que talvez pudessem modificar o F88 para ter um desempenho tão bom quanto o M4A1 SOPMOD sendo usado pelos colegas americanos do contingente australiano. Não muito tempo depois, surgiram os extras da seção de trilhos Picatinny para o Austeyr. Mas, finalmente, os operadores especiais australianos conseguiram seus M4 e o restante das ADF manteve o F88. Desde então, a questão se deteriorou.

Independentemente disso, é sempre interessante quando um membro de serviço do SASR fala sobre recursos operacionais ou a falta deles.

Original: http://soldiersystems.net/2011/07/22/sasr-wo-criticizes-the-austeyr-f88/

A Rússia está involuntariamente fortalecendo a OTAN?

Comandos SOG suecos.

Por Stavros Atlamazoglou, SOFREP, 31 de dezembro de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de fevereiro de 2020.

Um país neutro há décadas, a Suécia está cada vez mais próxima da OTAN.

Em 2018, o governo sueco enviou um livreto para quase cinco milhões de famílias. Intitulada "Em Caso de Crise ou Guerra" (If Crisis or War Come), a brochura incluía informações e instruções sobre sobrevivência básica em tempo de guerra e "defesa total". Também informou os suecos de outras ameaças, como mudanças climáticas, ataques cibernéticos e ataques terroristas. Além disso, os bunkers da Guerra Fria estão sendo aprimorados.


"Em Caso de Crise ou Guerra", 2018.

A última vez que os suecos receberam um livreto semelhante foi em 1961, durante a Guerra Fria.


Duas páginas da versão original de 1961.

"Uma versão moderna da defesa total deve ser capaz de se proteger de tentativas externas de influenciar a sociedade democrática", disse o primeiro-ministro sueco Stefan Löfven. Ele também anunciou a criação de uma agência focada no combate à guerra psicológica e à propaganda de desinformação - ambas as quais a Rússia foi acusada de praticar, nomeadamente nas eleições dos EUA e nos referendos do Brexit, da Escócia e da Catalunha.

“Toda a sociedade precisa estar preparada para o conflito, não apenas as forças armadas. Não usamos palavras como defesa total ou alerta máximo há 25-30 anos ou mais. Portanto, o conhecimento entre os cidadãos é muito baixo ”, acrescentou Christina Andersson, da agência sueca de contingências civis, sobre o livreto.

Embora não seja membro da OTAN, a Suécia mantém laços estreitos com a aliança. A Suécia já assinou um acordo de cooperação que permite às tropas da OTAN acessarem o território sueco em caso de guerra. Soldados suecos foram enviados para o Afeganistão e, supostamente, para a África. As forças suecas de operações especiais (SOF) têm sido bastante ativas no Afeganistão. Além disso, as forças suecas convencionais estão participando cada vez mais dos exercícios da OTAN. Por exemplo, as forças suecas participaram do exercício Trident Juncture, o maior exercício da OTAN desde o final da Guerra Fria, que ocorreu em outubro e novembro de 2018.



A Suécia está em uma encruzilhada. Diante de uma Rússia ressurgente, a nação nórdica está repensando sua defesa e abordagem estratégica. A Suécia está contemplando a adesão à OTAN, com todos os partidos de centro-direita da Suécia concordando sobre buscar adesão. (Os social-democratas discordam - eles defendem laços mais estreitos com a OTAN, mas não são a adesão).

A sociedade sueca está dividida. Se você defende a adesão à OTAN, é visto como um defensor nacionalista. Se você é contra a OTAN, é visto como uma pomba. Uma pesquisa realizada pelo jornal Dagens Nyheter mostra esta divisão: 44% contra a OTAN, 31% à favor da OTAN. Note-se que a sociedade sueca valoriza muito o debate e o consenso. Assim, a decisão de ingressar na OTAN provavelmente assumirá a forma de um referendo.

"O que era impensável há cinco anos não é mais impensável, mesmo que ainda seja improvável. Isso tem implicações políticas muito diferentes ”, disse Martin Kragh, chefe do programa da Rússia no Instituto Sueco de Assuntos Internacionais.



Mas alguns políticos, principalmente da centro-esquerda, pensam o contrário. Eles não parecem acreditar que um ataque da Rússia, mesmo que seja um ataque cibernético e não convencional, é provável.

Após o fim da Guerra Fria, a Suécia cortou gastos militares e concentrou seus recursos econômicos na atualização de seus programas públicos e sociais.


Tropas russas na Criméia.

A invasão e anexação russa da Criméia em 2014 mudou tudo. Desde então, as forças de defesa suecas receberam um aumento generoso em seu orçamento. O recrutamento foi restabelecido, as tropas foram enviadas para Gotland, uma ilha estrategicamente localizada no Mar Báltico e, como mencionado acima, a Suécia juntou-se às forças da OTAN no maior exercício militar desde 1995. O governo sueco também está considerando a compra de baterias de mísseis Patriot para aumentar seus recursos anti-aéreos.

Mas uma invasão russa na Ucrânia não é a única fonte de preocupação para os suecos: recentemente, aeronaves e submarinos russos têm sido bastante enérgicos no espaço aéreo sueco e no mar Báltico. Em setembro de 2017, Moscou realizou os jogos de guerra de Zapad perto de Minsk, capital da Bielorrússia. Durante os exercícios, milhares de tropas russas ensaiaram ataques à Polônia e aos países bálticos e escandinavos. Claro, esses jogos de guerra são comuns. Mas se a Rússia está tão disposta a intervir no exterior, podemos entender por que os suecos - e, de fato, a região - podem estar preocupados.



Um relatório recente da Comissão de Defesa, um órgão apartidário que influencia as políticas do governo, destacou que, diante da agressão russa, "um ataque armado à Suécia não pode ser excluído".

“Temos uma obrigação estatutária sob o direito internacional de ajudar um país membro. Essa mesma obrigação não se estende à Suécia [mas] estamos preparados para cooperar se ocorrer um conflito ”, afirmou o secretário-geral da OTAN Jens Stoltenberg.

Diplomatas russos sugeriram que, se a Suécia ingressasse a OTAN, isso prejudicaria seu relacionamento bilateral.

Original: https://sofrep.com/news/is-russia-unintentionally-strengthening-nato/

Stavros Atlamazoglou
Editor chefe. Veterano do exército grego (serviço nacional com o 575º Batalhão de Fuzileiros Navais e Quartel-General do exército). Universidade Johns Hopkins. Você normalmente o encontrará no topo de uma montanha admirando a vista e se perguntando como ele chegou lá. Você pode entrar em contato com ele em Stavros@sofrep.com.

FOTO: GROM e SEALs no Iraque

Operadores do GROM e SEALs posando diante de um retrato do ditador Sadda Hussein no Iraque.

FOTO: AK47 na Indonésia

Um menino soldado achinês brandindo um fuzil AK47 durante treinamento militar na selva do distrito de Pidie, em Achem, na Indonésia.

FOTO: A astronauta Anna Fisher

A astronauta Anna Fisher no simulador do Marshall Space Flight Center, Alabama, EUA, em 1980.

GALERIA: Exercício Yellow Assault


O Exercício Yellow Assault, realizado em fevereiro de 2019, tem por missão aprimorar as habilidades centrais de infantaria de fogo e movimento. Os paraquedistas da C Company, 3rd Battalion, The Parachute Regiment participaram da manobra na Área de Treinamento de Stanford (Stanford Training Area, STANTA), em Norfolk na Inglaterra.

"O treinamento atualiza e reforça sua capacidade de trabalhar em conjunto para atacar objetivos, começando do movimento individual em um campo de tiro até os ataques como uma seção de oito homens, depois reunindo seções para atacar como um pelotão."













FOTO: Embarque para salto de treinamento na Argélia, 1961

Embarque para salto de treinamento paraquedista em Tizi-Ouzou, na Argélia, em 1961. (Foto de Jean Yves Grillon)

Cinco coisas a saber sobre o emergente acordo de paz entre EUA e Talibã


Por Rebecca Kheel, The Hill, 23 de fevereiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de fevereiro de 2020.

Os Estados Unidos e o Talibã estão prestes a assinar o que seria um acordo histórico que visa encerrar a guerra mais longa da América, cumprindo potencialmente uma das principais promessas do presidente Trump.

Mas primeiro vem um teste de uma semana. O período de sete dias de "redução da violência" começou na sexta-feira à tarde, horário de Washington, à meia-noite no sábado, horário do Afeganistão.

O acordo inicial para reduzir a violência visa criar confiança antes da assinatura de um acordo de paz mais amplo.

Se a redução da violência persistir, os negociadores dos EUA e do Talibã assinarão o acordo mais amplo em 29 de fevereiro, iniciando uma retirada gradual das tropas dos EUA em troca do Talibã, garantir que o Afeganistão não será usado como base para ataques terroristas contra o Ocidente.

Mas esse não é o fim do processo de paz. As negociações intra-afegãs começarão após a assinatura do acordo entre EUA e Talibã - um estágio crítico em que todo o processo pode entrar em colapso.

Muitos detalhes do acordo e como ele funcionará permanecem obscuros. Mas aqui estão cinco coisas a saber agora sobre o acordo EUA-Talibã.

Esta semana não é um cessar-fogo

A redução no acordo de violência não está especificamente sendo anunciada como um cessar-fogo, o qual o Talibã rejeitou.

Mas espera-se que os Estados Unidos, as forças do Talibã e do governo afegão encerrem em grande parte todas as operações ofensivas em todo o país.

Os Estados Unidos não definiram todas as métricas usadas para medir o sucesso da redução do período de violência, embora um alto funcionário do governo tenha dito a repórteres na Alemanha este mês que os termos eram "muito específicos".

Para o Talibã, isso inclui acabar com a instalação de bombas nas estradas, ataques suicidas e ataques com foguetes.

Enquanto isso, as forças dos EUA e do Afeganistão devem continuar realizando operações de contraterrorismo contra o ISIS e a Al-Qaeda.

Em uma reunião do Pentágono na semana passada, o Contra-Almirante William Byrne Jr., do Estado-Maior Conjunto, disse que o General Scott Miller, que lidera as forças dos EUA e da OTAN no Afeganistão, supervisionará um "processo avaliativo contínuo" sobre se a redução da violência está ocorrendo.

Existem muitos spoilers em potencial

Uma questão-chave durante as negociações de paz tem sido se os líderes talibãs negociando em Doha podem manter todos os elementos do seu grupo na linha assim que o acordo for firmado.

Além de perguntas sobre se todos os combatentes talibãs vão aderir ao acordo, também há preocupações de que um grupo extremista como o ISIS possa tentar se fazer de spoiler, encenando um ataque e culpando o Talibã.

Alternativamente, há preocupações de que os combatentes talibãs possam tentar fixar um de seus ataques em outro grupo.

Questionados sobre a possibilidade de tal desinformação, as autoridades do Pentágono insistiram que seriam capazes de verificar a parte responsável.

"Portanto, não usaremos a conta do Talibã no Twitter como padrão-ouro para o que aconteceu e o que não aconteceu no Afeganistão", disse o porta-voz do Pentágono, Jonathan Hoffman, durante o briefing. "Continuaremos, como sempre fizemos, a fazer nossas próprias investigações, a chegar a nossas próprias conclusões e a garantir que haja um caminho a seguir".

Enquanto isso, o Paquistão, que há muito é visto como um spoiler no Afeganistão, apoia as negociações de paz do governo Trump.

"O Paquistão acolhe com prazer o anúncio referente ao acordo EUA-Talibã, disse o Ministério das Relações Exteriores do Paquistão em comunicado nesta sexta-feira. "Esperamos que os partidos afegãos aproveitem essa oportunidade histórica e estabeleçam um acordo político abrangente e inclusivo para paz e estabilidade duradouras no Afeganistão e na região".

Os EUA ainda não estão prontos para uma retirada total

O Pentágono não disse se os Estados Unidos concordaram em retirar todas as tropas, mas as autoridades conversaram sobre manter uma força antiterrorista lá por enquanto.

Atualmente, as cerca de 12 mil tropas americanas no Afeganistão têm duas missões: ajudar as forças afegãs a combater o Talibã e conduzir operações de contraterrorismo contra a Al-Qaeda e o ISIS.

Autoridades da defesa, incluindo o secretário de Defesa Mark Esper, disseram acreditar que 8.600 soldados são suficientes para continuar a missão antiterrorista. Até mesmo chegar a esse número, disse Esper, acontecerá "com o tempo".

Ainda assim, o Talibã continua insistindo que o resultado final do processo de paz seja uma retirada total, com sua declaração na sexta-feira dizendo que a redução no acordo de violência "finalmente estabelecerá as bases para a paz em todo o país com a retirada de todas as forças estrangeiras".

A parte mais difícil ainda está por vir

Os céticos dos esforços de paz do governo Trump há muito dizem que a parte mais difícil serão as negociações intra-afegãs.

É também a parte mais crítica, dizem eles, porque a paz não acontecerá sem a reconciliação política no Afeganistão.

O Talibã já havia resistido às negociações com o governo afegão, o qual vêem como uma marionete dos Estados Unidos.

A turbulência política dentro do governo afegão também pode complicar as negociações, dando ao presidente afegão Ashraf Ghani uma mão enfraquecida.

Ghani acabou de ser declarado vencedor das eleições presidenciais de setembro de 2019 na semana passada. Mas ele obteve apenas 50,64% dos votos, apenas um pouco acima dos 50% necessários para vencer.

E seu principal rival, Abdullah Abdullah, ainda está disputando os resultados das eleições, reivindicando a vitória e se comprometendo a formar um governo próprio.

Os legisladores continuam céticos

Dadas as dificuldades das negociações intra-afegãs e as perguntas sobre a confiabilidade do Talibã, os legisladores estão alertando contra declarar o fim da guerra no Afeganistão ainda.

Quando o governo Trump apareceu à beira do acordo anunciado na sexta-feira, os legisladores de ambos os partidos disseram ao The Hill que a paz ainda estava longe.

O senador Lindsey Graham (R-S.C.), um aliado próximo de Trump e principal voz de defesa do Partido Republicano, disse que estava "disposto a tentar" o plano do governo Trump. Mas ele também definiu uma lista de condições que consideraria uma "resolução honrosa", incluindo um acordo que protege os direitos humanos e os direitos das mulheres e permite que os Estados Unidos continuem a "proteger a pátria americana dos terroristas internacionais".

O deputado Mac Thornberry (Texas), o principal republicano do Comitê de Serviços Armados da Câmara, questionou como os Estados Unidos verificariam se as negociações intra-afegãs são "reais" ou "uma folha de figueira".

Os legisladores também observaram que o governo Trump estava anteriormente perto de assinar um acordo com o Talibã antes de se desfazer no último minuto. Em setembro, Trump convidou líderes do Talibã para Camp David para finalizar um acordo, mas cancelou a reunião depois que um ataque do Talibã matou um militar americano.

Original: https://thehill.com/policy/defense/484149-five-things-to-know-about-emerging-us-taliban-peace-deal?fbclid=IwAR0jswcaHiSOXz8Gr__ZBl4V_VZremlZ6mQr4ZV3sw93IqCvhtRJjfWrO7A

Navy SEAL aposentado Eddie Gallagher ataca novamente os SEALs que testemunharam contra ele

O chefe de operações especiais da Marinha, Edward Gallagher, deixou um tribunal militar na Base Naval de San Diego em julho de 2019. (Associated Press)

Por Andrew Dyer, The San Diego Union-Tribune, 27 de janeiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de fevereiro de 2020.

Em um vídeo publicado nas mídias sociais, Gallagher destaca os rostos e as unidades atuais de SEALs do serviço ativo, os chama de "covardes".

SAN DIEGO —  Um Navy SEAL aposentado, cujo julgamento por crimes de guerra foi notícia internacional, lançou um ataque em vídeo contra ex-colegas de equipe SEAL que o acusaram de assassinato, atiraram em civis e que testemunharam contra ele em sua corte marcial em San Diego, em junho.

Em um vídeo de três minutos publicado em sua página no Facebook e na conta do Instagram na segunda-feira, o operador especial aposentado Edward Gallagher, 40 anos, referiu-se a alguns membros de seu ex-pelotão como "covardes" e destacou nomes, fotos e - para aqueles que ainda estão em serviço - seu status de serviço e unidades atuais, algo que os antigos SEALs dizem que coloca esses homens - e a missão da Marinha - em risco.

Gallagher foi acusado de vários crimes de guerra por alguns de seus subordinados de pelotão, incluindo que ele matou civis e esfaqueou um combatente ferido do ISIS no pescoço, matando-o, enquanto estava no Iraque em 2017. Ele se declarou inocente e foi absolvido da maioria das acusações, mas foi condenado por posar para uma foto com o cadáver de um combatente do ISIS, um crime pelo qual o júri rebaixou seu posto.



O caso e sua repercussão receberam ampla cobertura da mídia, especialmente entre veículos conservadores como a Fox News, onde personalidades da rede pressionaram o presidente Donald Trump no ar por meses para intervir em nome de Gallagher.

Trump interveio no caso várias vezes, incluindo ordenando a libertação de Gallagher do confinamento antes do julgamento e restaurando o posto do SEAL após a condenação.

Dois ex-SEALs que serviram no pelotão de Gallagher no Iraque durante sua missão em 2017 conversaram com o Union-Tribune na segunda-feira sobre o vídeo. Nenhum dos dois testemunhou na corte marcial de Gallagher.

David Shaw, ex-sargento de primeira classe, disse que questionou a decisão de Gallagher de divulgar informações que normalmente são mantidas em sigilo para segurança operacional.

"Tentar chamar a atenção para o status (dos SEALs) da maneira como foi feito não serve à missão ou aos interesses da Marinha", disse Shaw quando foi contatado por telefone. "Tentar obter o status deles levanta questões sobre a decisão de fazê-lo."

Shaw também defendeu seus ex-colegas de equipe e suas decisões de testemunharem contra seu chefe.

"Todos os caras que se apresentaram foram artistas do mais alto calibre e pessoas de maior reputação no pelotão", disse Shaw. "[Um] foi selecionado para servir na instituição mais importante do Comando de Guerra Especial Naval (Naval Special Warfare) e isso diz tudo o que você precisa saber sobre o desempenho dele e fala muito sobre sua personalidade".

Outro ex-SEAL do pelotão disse que divulgar os rostos dos SEALs de serviço ativo - incluindo um designado para o elitizado Development Group, ou SEAL Team 6 - poderia colocar em risco a vida dos homens e de suas famílias.

O ex-SEAL pediu ao Union-Tribune que não usasse seu nome, mas disse que, como os SEALs foram alvo de ameaças de organizações terroristas, expor seus nomes, rostos e unidades atuais foi uma flagrante violação de normas dentro da comunidade.

O vídeo parece ser um trailer de um projeto futuro não-especificado. Tim Parlatore, um dos advogados de Gallagher, se recusou a dizer na segunda-feira o que é esse projeto ou quando será publicado.

A Capitã-de-Mar-e-Guerra da Marinha Tamara Lawrence, porta-voz do Comando de Guerra Especial Naval em San Diego, disse em comunicado na segunda-feira que a Marinha, como prática, não identifica SEALs em serviço ativo.

"Por uma questão de política, não identificamos nossos operadores especiais", disse Lawrence em um e-mail. "Não os identificamos pelo nome ou por qualquer outra maneira, devido à natureza de seu trabalho, à proteção de seus colegas de equipe e de suas famílias, e à proteção de missões em andamento e futuras".

O vídeo inclui clipes de entrevistas do Serviço de Investigação Criminal Naval dos colegas SEAL de Gallagher, onde os homens contam aos investigadores sobre as supostas ações de seu chefe.

Partes dessas entrevistas foram publicadas pelo New York Times em seu programa da FX "The Weekly" em dezembro.

Gallagher diz no vídeo que está lutando para limpar seu nome, apesar de não ser considerado culpado pelas acusações mais graves contra ele.

"Durante toda a minha vida adulta, tive a honra e o privilégio de lutar por esse país e por sua liberdade", diz Gallagher no início do vídeo. "Embora eu tenha ido a julgamento e expondo todas as mentiras que foram ditas sobre mim por certos covardes em meu pelotão e que não foram consideradas culpáveis, existem pessoas até hoje que se recusam a aceitar esse fato."


Gallagher parece estar fazendo referência ao The New York Times e ao seu repórter David Philipps, que apareceu no episódio de dezembro do The Weekly.

"A luta para limpar meu nome ainda não acabou", diz Gallagher.

O porta-voz disse ao Union-Tribune segunda-feira que o projeto de vídeo incluirá mais imagens das entrevistas do NCIS e do desdobramento de Gallagher em 2017.

"O que está por vir é a verdade", disse o porta-voz, acrescentando que o projeto de vídeo foi uma resposta direta ao The Weekly.

O porta-voz rejeitou preocupações sobre destacar os nomes e os rostos dos SEALs de serviço ativo.

"Não há nada nesse vídeo que ainda não seja público", disse ele.

O Union-Tribune já havia informado os nomes dos SEALs que testemunharam, bem como de uma de suas unidades. No entanto, não publicou fotos dos homens.



Embora o julgamento de Gallagher tenha terminado em julho, seu caso e a publicidade em torno dele se estenderam até o outono.

Quando o comandante do Comando de Guerra Especial Naval, o Contra-Almirante Collin Green, moveu-se para tirar de Gallagher o seu cobiçado tridente e status na na comunidade de elite SEAL, Trump interveio novamente e protegeu o SEAL - um movimento que iniciou uma cadeia de eventos que terminaram com a demissão do secretário da Marinha Richard Spencer em novembro.

Existem 54.000 seguidores na conta de Gallagher no Instagram e 45.000 na sua conta do Facebook.

Original: https://www.sandiegouniontribune.com/news/military/story/2020-01-27/video-retired-navy-seal-eddie-gallagher-strikes-back-at-seals-who-testified-against-him?fbclid=IwAR0POdQ75ylOG6CDvcHBZGKWAIWF3H_3vtjFoESAhuwoB04uGuCP4Vd5-ow

Um fuzil militar de 6,8mm - ótima idéia ou sonho de verão caro?

(Josh Wayner/TTAG)

Por Josh Wayner, The Truth About Guns, 17 de março de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 15 de fevereiro de 2020.

As opiniões expressas neste artigo pertencem ao seu autor, e não refletem necessariamente a opinião do tradutor ou do blog Warfare.

Apertem os cintos, ninjas de shopping. É hora de falar sobre a escolha militar de balas de 6,8 mm para seus fuzis. Eu diria que quero que este seja um artigo detalhado e bem-educado, mas sei que alguns de vocês não conseguem lidar com uma discussão civilizada, por isso vou divulgar isso em termos de leigos.

Para vocês leitores preguiçosos que apenas querem apenas se dirigir aos comentários e me dizerem o quão errado eu estou, aqui está: eu acho que seria uma idéia monumentalmente estúpida calibrar qualquer fuzil militar em 6,8mm e eu não acho que isso jamais acontecerá em qualquer capacidade ampla. Pode ser real por um breve período, mas todos os itens das Armas Futuras do Discovery Channel também foram assim.

Toda vez que falamos de fuzis e cartuchos militares, fico surpreso ao ver tantas das mentes mais brilhantes do setor à espreita na seção de comentários dos meus humildes artigos escondidos atrás de nomes genéricos online. Como lobisomens sob a lua cheia, esses especialistas de prestígio esperam que meus pensamentos críticos se transformem em mentores de balística de mais de 200 de QI, logísticos militares ultra-secretos e atiradores de elite com 500 mortes cada (que eles podem mencionar).

Infelizmente, esses salvadores da civilização ocidental desocupam-se depois de deixarem seus pensamentos educados e irrefutáveis, para nunca mais voltar ao cenário de sua bem-escrita vitória sobre um jornalista da geração milenar, desinformado e tagarela.

Se você chegou até aqui sem comentar abaixo, vou lhe dizer novamente: o fuzil militar em 6,8mm é uma idéia estúpida e provavelmente nunca sairá dos testes iniciais. O principal motivo pelo qual sou crítico de qualquer fuzil de 6,8mm em serviço é que é uma idéia que fica bem apenas no papel e não tem aplicação prática real sobre o que está em serviço no momento. Milhões serão gastos e desperdiçados apenas para perceber que será mais barato e fácil atualizar os sistemas de armas existentes.

O primeiro ângulo que veremos é aquele das desvantagens financeiras e logísticas da família de armas de 6,8mm quando se trata de aplicação geral. Vamos assumir que o desenvolvimento completo de um fuzil 6,8mm dedicado não será importante, o que significa que uma opção comercial do setor privado será adotada para serviço, provavelmente na forma de uma atualização de uma caixa da culatra para o M4. 

Eu posso ver um sistema alimentado por fita de munição sendo construído do zero, mas há muito menos deles em comparação com as carabinas, o que tornaria a substituição desses algo mais ou menos viável.

Esse misterioso cartucho 6,8mm desejado pelas forças armadas pode ser um tipo de munição sem estojo, mas esses projetos raramente são bem-sucedidos por várias razões. O debate sem estojo é para outro artigo, então vou salvá-lo para a hora certa. Se o fuzil for uma 'atualização' do M4, ele será limitado às restrições do carregador AR padrão. O principal problema disso é que há apenas uma quantidade limitada de energia que pode ser aproveitada nesse conjunto de dimensões.

Para o nosso exemplo, consideraremos o único cartucho intermediário de 6,8mm bem-sucedido (se você o  chamar assim): o SPC de 6,8mm. Apesar de oferecer maior energia inicial do que os 5,56mm, ele sofre tremendamente na categoria de peso, chegando perto do 7,62x39mm em peso de cartuchos individuais.

Tendo usado muito os 6,8 SPC e 5,56mm em distâncias além de 600 jardas, posso dizer que as cargas militares de 5,56mm 77gr OTM são superiores a qualquer coisa em 6,8 SPC em praticamente todas as distâncias. A razão para isso é que as balas longas e aerodinâmicas de 5,56mm podem facilmente superar os projéteis curtos e agudos de 6,8mm em vôo, da mesma forma que a bala M43 de 7,62x39mm padrão. A economia de peso é novamente crítica aqui e os 5,56mm sempre superam os 6,8mm a esse respeito pela matemática simples.

Não existe um cartucho conhecido de 6,8mm que ofereça uma vantagem significativa sobre o 5,56mm ou 7,62mm OTAN no tamanho especificado de suas respectivas plataformas de armas. Se estiver substituindo os 7,62mm nas metralhadoras, acho que as forças armadas usariam algo como 300 Norma Magnum para aumentar o alcance/ultrapassagem enquanto permanecer no mesmo envelope de peso que o M240. (Mais informações sobre "ultrapassagem" em breve, aguarde.)

Quando se trata de substituir o 5,56mm, não acho que isso aconteça enquanto existirem munições superiores como a M855A1. A munição com revestimento de polímero provavelmente será colocada em campo antes que qualquer item sem revestimento seja adotado.

Se isso parecer decepcionante, entenda que as forças armadas têm uma longa história de fracasso em cumprir os projetos mais básicos. Veja os motivos de risadas de um trilhão de dólares como o Future Combat System, o F-35, o B-1 Lancer e os destróieres da classe Zumwalt.

Em um nível mais básico, o sistema de camuflagem ACU, projetado para funcionar em qualquer ambiente, foi um fracasso total. Mas adicionar um cartucho novinho em folha e sistemas de armas a uma máquina de compras militares já entupida e ineficiente funcionará perfeitamente, de acordo com muitos "acadêmicos" que eu conheço.

Para as pessoas que acreditam que mudar os instrumentos básicos de combate das forças armadas é tão fácil quanto trocar armas no Call of Duty, basta olhar para o programa de vários anos do Sistema Modular de Arma de Porte (Modular Handgun SystemMHS) e que confusão foi essa. Eu acredito muito que a melhor arma ganhou. O M17 da SIG SAUER é uma arma melhor do que a arma que a GLOCK apresentou e era de fato modular, o que era o tipo de espírito por trás de tudo.

"Especialistas" dizem que o SIG venceu porque ofereceram por menos. A realidade diz que eles venceram porque entregaram uma arma superior que atendeu aos critérios desejados estabelecidos na competição MHS, mas, ainda assim, esse assunto simples e baseado em fatos é muito debatido até hoje. É quase como se os fatos não importassem quando cinco milhões de fanboys disfarçados de especialistas no assunto começaram a chorar como criancinhas.

"Por que o Exército não me ama, papai?"

"Shhhhhh, pequeno Gaston, eles simplesmente não conseguem ver que você se identifica como modular."

O concurso M17 é um mistério, pois é a primeira vez que as forças armadas como um todo decidem equipar suas forças com uma arma que pode ser prontamente adaptada ao soldado em termos de características ergonômicas. Sempre foi uma ação de tamanho único ou de seis posições, na melhor das hipóteses. Se demoramos tanto tempo para reconhecer que os soldados têm mãos que variam em tamanho, é desejável que eles consigam uma substituição completa dos sistemas de fuzil primário.

Embora as armas tenham sido forçadas sobre as forças armadas no passado, isso nunca foi acompanhado de bons resultados. O que aconteceu com o M16 no Vietnã provavelmente é um prenúncio do que acontecerá com este fuzil e munição de última geração. Embora os fuzis da plataforma AR sejam boas armas agora, demorou décadas para chegar lá.

O problema balístico que essa misteriosa munição 6,8mm deve solucionar é o arranhador de cabeça chamado "ultrapassagem". É o conceito vagamente definido da necessidade do guerreiro de superar o inimigo em poder de fogo (entre outras coisas).

As forças armadas se tornaram literalmente obcecados com esse conceito de ultrapassagem (overmatch) a ponto de se tornar uma piada literal. E o que, ouso perguntar, estamos tentando vencer? Que tipo de arma contra a qual somos confrontados nos levou a questionar nossos cartuchos de combate?


Ultrapassagem, munição 6,8mm avançada, 7,62x54R.

A resposta é o 7.62x54R, uma munição de fuzil com aro que remonta a 1891, normalmente usada na metralhadora de uso geral PK. Embora tendamos a rir da tecnologia antiga da era soviética nas mãos de camponeses sem educação, as forças armadas americanas certamente parecem ter dificuldade em abordá-las com alguma confiança. Um novo conjunto de armas está sendo projetado essencialmente para combater a tecnologia que existe há mais de um século.

Mas um novo cartucho não resolverá esses problemas. Provavelmente, apenas criará mais de maneiras imprevisíveis ainda a serem vistas.

Se este artigo parece muito pessimista, entenda que vem do ponto de vista da praticidade. Parece-me ridículo que a maior potência militar do mundo continue enfrentando problemas como esse e tente resolvê-los jogando milhões de bilhões em soluções hipotéticas.

A ciência dos projéteis está cada vez melhor a cada dia. Mas não é moda ou sexy simplesmente atualizar os sistemas existentes quando dinheiro e tempo podem ser facilmente desperdiçados em novos sonhos mirabolantes de sistemas de armas.

O melhor cenário é que isso funcione até que o inimigo obtenha a mesma tecnologia. Mas o pior caso é que isso custa vidas do nosso lado, enquanto o inimigo continua carregando esses cartuchos do século XIX. O último é tipicamente o que acontece e essa é a triste realidade da adoção de um sistema de armas avançado definitivo.

Original: https://www.thetruthaboutguns.com/a-6-8mm-military-rifle-great-idea-or-expensive-pipe-dream/