terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

Tanques, navios e fuzis de assalto: a Índia ainda compra a maior parte de suas armas da Rússia


Por Sébastien Roblin, The National Interest, 25 de janeiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de fevereiro de 2020.

E por que isso pode não mudar tão cedo.

Desde a década de 1960, a Índia adquiriu a maior parte de seus armamentos de Moscou, e sistemas de armas como o helicóptero Mi-4, o tanque T-55 e o míssil anti-navio SS-2 Styx desempenharam um papel decisivo nos conflitos militares da Índia.

À medida que as alianças mudavam na era pós-Guerra Fria, Washington cortejou Nova Delhi como parte de um esforço para contrabalançar a ascensão da China como superpotência. Isso levou a Índia a comprar sistemas militares dos EUA, como aviões de patrulha marítima P-8 Poseidon e helicópteros de ataque Apache.

Além disso, a Índia retirou-se de um programa ambicioso para desenvolver em conjunto uma variante específica da Índia do caça furtivo Su-57 da Rússia em 2018. Moscou também indicou uma nova disposição de exportar armas para o rival da Índia, o Paquistão. E depois da apreensão de Moscou da Criméia pela Ucrânia em 2014, Washington aprovou o ato CAATSA (Countering America's Adversaries Through Sanctions Act, Ato de Combate aos Adversários da América por Meio de Sanções) que ameaça sanções contra países que fazem grandes compras militares da Rússia.

Mas, apesar desses fatores negativos e da insistência do governo Modi de que as importações estrangeiras venham com um componente de fabricação doméstica em solo indiano, na realidade a Rússia continua sendo de longe o fornecedor de armas dominante da Índia até a década de 2020, representando 62% das importações indianas de armas nos cinco anos anteriores de acordo com o SIPRI.

Somente nos primeiros nove meses de 2019, a Índia gastou um recorde de US$ 14,5 bilhões em armas russas, com muitas entregas e despesas financeiras continuando até 2020. Além disso, a Índia também firmou um acordo com a Rússia, permitindo a licença de fabricação de peças de reposição para sistemas russos.

Portanto, para tomar emprestada a expressão desgastada, os relatórios sobre o desaparecimento do comércio indo-russo de armas foram extremamente exagerados. Embora uma peça associada pareça com as últimas compras da Força Aérea Indiana de jatos MiG-29 e Su-30 e mísseis de defesa aérea S-400, aqui examinaremos as principais novas compras do Exército e da Marinha da Índia.

Fuzil de assalto AK-203


Em 2019, a Índia também estabeleceu uma joint venture com a Kalashnikov (50,5% indiana / 49,5% russa) para fabricar 750 mil fuzis AK-203. 100.000 serão construídos na Rússia, enquanto o saldo virá de uma nova fábrica em Uttar Pradesh. Estes são basicamente os AK-74 modernizados com ergonomia aprimorada e suporte para acessórios. Eles substituirão os fuzis INSAS desenvolvidos na Índia, que tiveram um desempenho excepcionalmente ruim em combate.

*Nota do Tradutor: Uma joint venture é uma entidade comercial criada por duas ou mais partes, geralmente caracterizada por propriedade compartilhada, retornos e riscos compartilhados, e governança compartilhada.

Curiosamente, o Exército indiano havia anunciado anteriormente que estava procurando fuzis usando munição 7.62x51 milímetros OTAN com maior precisão de longa distância e força de impacto em comparação com as munições de 7.62x39 milímetros usadas pelo AK-203.

De fato, o Exército indiano também está adquirindo 72.000 fuzis SIG-716 a um custo maior, que supostamente será emitido para as 'unidades da linha de frente'. Mas a produção do AK-203 menor desempenho pode ajudar Modi a construir apoio eleitoral em Uttar Pradesh, enquanto dá a Kalashnikov uma base de longo prazo para futuras encomendas na Índia.

Projeto 11356 Fragata da classe Talwar

A Índia também finalizou um acordo para quatro fragatas com base nas fragatas furtivas da classe Almirante Grigorovich da Rússia. A Índia já opera seis fragatas da classe Talwar, com base na fragata anterior da classe Krivak russa.

A subclasse Grigorovich de 4.000 toneladas do Krivak mede 127 metros de comprimento e possui um armamento formidável: mais de duas dúzias de mísseis superfície-ar de curto e médio alcance, uma torre com canhão de 100 milímetros, dois canhões de defesa pontual de tiro rápido, torpedos e foguetes anti-submarinos, um helicóptero anti-submarino e células de lançamento verticais que podem acomodar mísseis de cruzeiro anti-navio ou ataque terrestre.

A Rússia originalmente planejava operar seis fragatas do Almirante Grigorovich, construídas usando um motor ucraniano. Mas a Ucrânia isolou a Rússia depois que Moscou tomou a península da Criméia em 2014, deixando a Rússia com duas fragatas quase completas sem motor.

Sob o acordo atual, essas duas fragatas serão concluídas nos estaleiros de Yantar na Rússia a um preço de US$ 950 milhões (pago em Rúpias* para evitar sanções do CAATSA) e entregues em 2022. A Índia fornecerá um motor doméstico de turbina a gás.

*NT: A Rúpia é a moeda indiana. O Rublo é a moeda russa.

Além disso, a Índia pagará outros US$ 1,2 bilhão para licenciar a construção de mais duas fragatas em seus estaleiros de Goa, com entrega prevista para 2026 e 2027.

A variante indiana "Advanced Talwar" será armada com mísseis supersônicos Brahmos e um radar e sistemas de navegação domésticos.

Tanques Principais de Batalha T-90MS



Em novembro de 2019, a Índia assinou um acordo de US$ 1,2 (pago em rublos para contornar o CAATSA) para transferir componentes de tecnologia para licenciar a construção de 464 tanques T-90 adicionais na fábrica em Avadia - o suficiente para equipar 10 regimentos blindados adicionais à medida que são entregues até 2025.

A fábrica indiana está recebendo US$ 1,9 bilhão adicional pela produção e construirá componentes, incluindo visões noturnas e termovisores, enquanto a Rússia ainda fornecerá o motor e a transmissão.

Mais de mil tanques principais de batalha T-90S e T-90MS formam o núcleo das forças blindadas da Índia, apoiados por um número maior de tanques T-72 mais antigos e atualizados, e algumas centenas de tanques domésticos Arjun. O T-90MS de 52 toneladas não é tão blindado quanto os tanques principais de batalha ocidentais, mas se beneficia de blindagem reativa avançada e sistemas de proteção ativos que o tornam mais resiliente contra os mísseis guiados antitanque.

O T-90MS mais moderno da Índia de fato ostenta motores, sensores e sistemas de proteção superiores ao modelo T-90As do Exército Russo. No entanto, os T-90 da Índia enfrentaram problemas técnicos embaraçosos ao longo dos anos que exigiram taxas exorbitantes pagas à Rússia para serem corrigidos.

Devido a esses problemas, um oficial de defesa indiano lamentou ao Defense News que a Índia acabaria "pagando três vezes mais que o custo original do tanque" durante o ciclo de vida de cada veículo.

Mísseis de Defesa Aérea Portáteis Igla-S

Em novembro de 2019, a Índia também concedeu 1,47 bilhão de dólares em seu concurso de Defesa Aérea de Curtíssimo Alcance para adquirir 5.175 mísseis (os últimos 600 construídos na Índia) e 800 lançadores portáteis.

Essas armas descartáveis guiadas por calor fornecerão uma defesa de última hora para as unidades de infantaria indianas e podem ser particularmente úteis para neutralizar helicópteros inimigos, drones e até mísseis de cruzeiro, principalmente em áreas montanhosas. O Igla-S substituirá os mísseis Igla-M mais antigos da Índia, aumentando o alcance, a altitude de engajamento e a resistência a contra-medidas.

No entanto, como a maioria das aquisições de defesa indianas, o VSHORADS está envolvido em atrasos espetaculares - 20 anos desde que a primeira encarnação da competição foi iniciada em 1999! - e acusações de negociações sujas.

O Igla-S competiu contra o Saab RBS-70 e o míssil Mistral da MBDA. Ambas as empresas estrangeiras reclamaram que os avaliadores indianos renunciaram aos requisitos de desempenho que o Igla-S não cumpriu. Por exemplo, durante um teste, o Igla-S falhou em interceptar alvos em um clima quente durante o verão (tarefa mais desafiadora para um míssil guiado por calor), mas foi autorizado a tentar o mesmo teste pela segunda vez em condições climáticas mais frias.

Parece possível, no entanto, que o contrato tenha sido simplesmente concedido ao menor lance, e não baseado no desempenho, pois o Mistral foi oferecido por US$ 2,7 bilhões e o RBS-70 por US$ 2,1 bilhões. No entanto, há dúvidas de que o Exército indiano possa reunir os fundos necessários para financiar a compra do Igla-S.

Helicópteros utilitários Ka-226T



As forças armadas da Índia devem se preparar para uma potencial guerra nas montanhas com o Paquistão na fronteira noroeste e a China no flanco leste. Nessas regiões, os helicópteros são muito úteis para contornar terrenos tortuosos das montanhas - mas também lutam para operar devido a limitações de desempenho em grandes altitudes.

Em janeiro de 2020, as empresas indianas negociaram recentemente um preço de US$ 4 bilhões para um acordo de 2015 com a corporação russa Kamov para a entrega de 200 helicópteros utilitários leves Ka-226T: 60 construídos na Rússia e outros 140 construídos como uma joint venture na Índia numa fábrica em Tumkuru.

Os antigos helicópteros HAL Cheetah e Chetak da Índia - baseados nos franceses SA 315B e Alouette III, respectivamente - estavam mostrando sua idade. O Ka-226, por comparação, pode voar duas vezes mais alto que o Cheetah, 25% mais rápido a no máximo 155 milhas por hora e transportar seis ou sete pessoas ou uma tonelada de carga, em vez de apenas quatro ou cinco soldados.

Ele apresenta o famoso arranjo de rotores coaxiais da empresa Kamov russa, que, ao custo da complexidade, resulta em maior estabilidade e desempenho em grandes altitudes do que um helicóptero tradicional.

O acordo atual inclui a transferência de 50% da tecnologia (particularmente as pás do rotor, a estrutura e o trem de pouso). A Índia também poderá exportar os Ka-226Ts para o exterior, mas as encomendas domésticas também poderão aumentar, já que o Exército atualmente exige 259 helicópteros utilitários leves, a Força Aérea 125 e a Marinha 111 desses helicópteros equipados com equipamentos anti-submarinos.

Original: https://nationalinterest.org/blog/buzz/tanks-ships-and-assault-rifles-india-still-buys-most-its-weapons-russia-117216

Sébastien Roblin escreve sobre os aspectos técnicos, históricos e políticos da segurança e conflitos internacionais para publicações como The National Interest, NBC News, Forbes.com e War is Boring. Ele é mestre pela Universidade de Georgetown e serviu no Corpo da Paz na China. Você pode acompanhar os artigos dele no Twitter.

Nenhum comentário:

Postar um comentário