segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

A Rússia está involuntariamente fortalecendo a OTAN?

Comandos SOG suecos.

Por Stavros Atlamazoglou, SOFREP, 31 de dezembro de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de fevereiro de 2020.

Um país neutro há décadas, a Suécia está cada vez mais próxima da OTAN.

Em 2018, o governo sueco enviou um livreto para quase cinco milhões de famílias. Intitulada "Em Caso de Crise ou Guerra" (If Crisis or War Come), a brochura incluía informações e instruções sobre sobrevivência básica em tempo de guerra e "defesa total". Também informou os suecos de outras ameaças, como mudanças climáticas, ataques cibernéticos e ataques terroristas. Além disso, os bunkers da Guerra Fria estão sendo aprimorados.


"Em Caso de Crise ou Guerra", 2018.

A última vez que os suecos receberam um livreto semelhante foi em 1961, durante a Guerra Fria.


Duas páginas da versão original de 1961.

"Uma versão moderna da defesa total deve ser capaz de se proteger de tentativas externas de influenciar a sociedade democrática", disse o primeiro-ministro sueco Stefan Löfven. Ele também anunciou a criação de uma agência focada no combate à guerra psicológica e à propaganda de desinformação - ambas as quais a Rússia foi acusada de praticar, nomeadamente nas eleições dos EUA e nos referendos do Brexit, da Escócia e da Catalunha.

“Toda a sociedade precisa estar preparada para o conflito, não apenas as forças armadas. Não usamos palavras como defesa total ou alerta máximo há 25-30 anos ou mais. Portanto, o conhecimento entre os cidadãos é muito baixo ”, acrescentou Christina Andersson, da agência sueca de contingências civis, sobre o livreto.

Embora não seja membro da OTAN, a Suécia mantém laços estreitos com a aliança. A Suécia já assinou um acordo de cooperação que permite às tropas da OTAN acessarem o território sueco em caso de guerra. Soldados suecos foram enviados para o Afeganistão e, supostamente, para a África. As forças suecas de operações especiais (SOF) têm sido bastante ativas no Afeganistão. Além disso, as forças suecas convencionais estão participando cada vez mais dos exercícios da OTAN. Por exemplo, as forças suecas participaram do exercício Trident Juncture, o maior exercício da OTAN desde o final da Guerra Fria, que ocorreu em outubro e novembro de 2018.



A Suécia está em uma encruzilhada. Diante de uma Rússia ressurgente, a nação nórdica está repensando sua defesa e abordagem estratégica. A Suécia está contemplando a adesão à OTAN, com todos os partidos de centro-direita da Suécia concordando sobre buscar adesão. (Os social-democratas discordam - eles defendem laços mais estreitos com a OTAN, mas não são a adesão).

A sociedade sueca está dividida. Se você defende a adesão à OTAN, é visto como um defensor nacionalista. Se você é contra a OTAN, é visto como uma pomba. Uma pesquisa realizada pelo jornal Dagens Nyheter mostra esta divisão: 44% contra a OTAN, 31% à favor da OTAN. Note-se que a sociedade sueca valoriza muito o debate e o consenso. Assim, a decisão de ingressar na OTAN provavelmente assumirá a forma de um referendo.

"O que era impensável há cinco anos não é mais impensável, mesmo que ainda seja improvável. Isso tem implicações políticas muito diferentes ”, disse Martin Kragh, chefe do programa da Rússia no Instituto Sueco de Assuntos Internacionais.



Mas alguns políticos, principalmente da centro-esquerda, pensam o contrário. Eles não parecem acreditar que um ataque da Rússia, mesmo que seja um ataque cibernético e não convencional, é provável.

Após o fim da Guerra Fria, a Suécia cortou gastos militares e concentrou seus recursos econômicos na atualização de seus programas públicos e sociais.


Tropas russas na Criméia.

A invasão e anexação russa da Criméia em 2014 mudou tudo. Desde então, as forças de defesa suecas receberam um aumento generoso em seu orçamento. O recrutamento foi restabelecido, as tropas foram enviadas para Gotland, uma ilha estrategicamente localizada no Mar Báltico e, como mencionado acima, a Suécia juntou-se às forças da OTAN no maior exercício militar desde 1995. O governo sueco também está considerando a compra de baterias de mísseis Patriot para aumentar seus recursos anti-aéreos.

Mas uma invasão russa na Ucrânia não é a única fonte de preocupação para os suecos: recentemente, aeronaves e submarinos russos têm sido bastante enérgicos no espaço aéreo sueco e no mar Báltico. Em setembro de 2017, Moscou realizou os jogos de guerra de Zapad perto de Minsk, capital da Bielorrússia. Durante os exercícios, milhares de tropas russas ensaiaram ataques à Polônia e aos países bálticos e escandinavos. Claro, esses jogos de guerra são comuns. Mas se a Rússia está tão disposta a intervir no exterior, podemos entender por que os suecos - e, de fato, a região - podem estar preocupados.



Um relatório recente da Comissão de Defesa, um órgão apartidário que influencia as políticas do governo, destacou que, diante da agressão russa, "um ataque armado à Suécia não pode ser excluído".

“Temos uma obrigação estatutária sob o direito internacional de ajudar um país membro. Essa mesma obrigação não se estende à Suécia [mas] estamos preparados para cooperar se ocorrer um conflito ”, afirmou o secretário-geral da OTAN Jens Stoltenberg.

Diplomatas russos sugeriram que, se a Suécia ingressasse a OTAN, isso prejudicaria seu relacionamento bilateral.

Original: https://sofrep.com/news/is-russia-unintentionally-strengthening-nato/

Stavros Atlamazoglou
Editor chefe. Veterano do exército grego (serviço nacional com o 575º Batalhão de Fuzileiros Navais e Quartel-General do exército). Universidade Johns Hopkins. Você normalmente o encontrará no topo de uma montanha admirando a vista e se perguntando como ele chegou lá. Você pode entrar em contato com ele em Stavros@sofrep.com.

Nenhum comentário:

Postar um comentário