segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Navy SEAL aposentado Eddie Gallagher ataca novamente os SEALs que testemunharam contra ele

O chefe de operações especiais da Marinha, Edward Gallagher, deixou um tribunal militar na Base Naval de San Diego em julho de 2019. (Associated Press)

Por Andrew Dyer, The San Diego Union-Tribune, 27 de janeiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de fevereiro de 2020.

Em um vídeo publicado nas mídias sociais, Gallagher destaca os rostos e as unidades atuais de SEALs do serviço ativo, os chama de "covardes".

SAN DIEGO —  Um Navy SEAL aposentado, cujo julgamento por crimes de guerra foi notícia internacional, lançou um ataque em vídeo contra ex-colegas de equipe SEAL que o acusaram de assassinato, atiraram em civis e que testemunharam contra ele em sua corte marcial em San Diego, em junho.

Em um vídeo de três minutos publicado em sua página no Facebook e na conta do Instagram na segunda-feira, o operador especial aposentado Edward Gallagher, 40 anos, referiu-se a alguns membros de seu ex-pelotão como "covardes" e destacou nomes, fotos e - para aqueles que ainda estão em serviço - seu status de serviço e unidades atuais, algo que os antigos SEALs dizem que coloca esses homens - e a missão da Marinha - em risco.

Gallagher foi acusado de vários crimes de guerra por alguns de seus subordinados de pelotão, incluindo que ele matou civis e esfaqueou um combatente ferido do ISIS no pescoço, matando-o, enquanto estava no Iraque em 2017. Ele se declarou inocente e foi absolvido da maioria das acusações, mas foi condenado por posar para uma foto com o cadáver de um combatente do ISIS, um crime pelo qual o júri rebaixou seu posto.



O caso e sua repercussão receberam ampla cobertura da mídia, especialmente entre veículos conservadores como a Fox News, onde personalidades da rede pressionaram o presidente Donald Trump no ar por meses para intervir em nome de Gallagher.

Trump interveio no caso várias vezes, incluindo ordenando a libertação de Gallagher do confinamento antes do julgamento e restaurando o posto do SEAL após a condenação.

Dois ex-SEALs que serviram no pelotão de Gallagher no Iraque durante sua missão em 2017 conversaram com o Union-Tribune na segunda-feira sobre o vídeo. Nenhum dos dois testemunhou na corte marcial de Gallagher.

David Shaw, ex-sargento de primeira classe, disse que questionou a decisão de Gallagher de divulgar informações que normalmente são mantidas em sigilo para segurança operacional.

"Tentar chamar a atenção para o status (dos SEALs) da maneira como foi feito não serve à missão ou aos interesses da Marinha", disse Shaw quando foi contatado por telefone. "Tentar obter o status deles levanta questões sobre a decisão de fazê-lo."

Shaw também defendeu seus ex-colegas de equipe e suas decisões de testemunharem contra seu chefe.

"Todos os caras que se apresentaram foram artistas do mais alto calibre e pessoas de maior reputação no pelotão", disse Shaw. "[Um] foi selecionado para servir na instituição mais importante do Comando de Guerra Especial Naval (Naval Special Warfare) e isso diz tudo o que você precisa saber sobre o desempenho dele e fala muito sobre sua personalidade".

Outro ex-SEAL do pelotão disse que divulgar os rostos dos SEALs de serviço ativo - incluindo um designado para o elitizado Development Group, ou SEAL Team 6 - poderia colocar em risco a vida dos homens e de suas famílias.

O ex-SEAL pediu ao Union-Tribune que não usasse seu nome, mas disse que, como os SEALs foram alvo de ameaças de organizações terroristas, expor seus nomes, rostos e unidades atuais foi uma flagrante violação de normas dentro da comunidade.

O vídeo parece ser um trailer de um projeto futuro não-especificado. Tim Parlatore, um dos advogados de Gallagher, se recusou a dizer na segunda-feira o que é esse projeto ou quando será publicado.

A Capitã-de-Mar-e-Guerra da Marinha Tamara Lawrence, porta-voz do Comando de Guerra Especial Naval em San Diego, disse em comunicado na segunda-feira que a Marinha, como prática, não identifica SEALs em serviço ativo.

"Por uma questão de política, não identificamos nossos operadores especiais", disse Lawrence em um e-mail. "Não os identificamos pelo nome ou por qualquer outra maneira, devido à natureza de seu trabalho, à proteção de seus colegas de equipe e de suas famílias, e à proteção de missões em andamento e futuras".

O vídeo inclui clipes de entrevistas do Serviço de Investigação Criminal Naval dos colegas SEAL de Gallagher, onde os homens contam aos investigadores sobre as supostas ações de seu chefe.

Partes dessas entrevistas foram publicadas pelo New York Times em seu programa da FX "The Weekly" em dezembro.

Gallagher diz no vídeo que está lutando para limpar seu nome, apesar de não ser considerado culpado pelas acusações mais graves contra ele.

"Durante toda a minha vida adulta, tive a honra e o privilégio de lutar por esse país e por sua liberdade", diz Gallagher no início do vídeo. "Embora eu tenha ido a julgamento e expondo todas as mentiras que foram ditas sobre mim por certos covardes em meu pelotão e que não foram consideradas culpáveis, existem pessoas até hoje que se recusam a aceitar esse fato."


Gallagher parece estar fazendo referência ao The New York Times e ao seu repórter David Philipps, que apareceu no episódio de dezembro do The Weekly.

"A luta para limpar meu nome ainda não acabou", diz Gallagher.

O porta-voz disse ao Union-Tribune segunda-feira que o projeto de vídeo incluirá mais imagens das entrevistas do NCIS e do desdobramento de Gallagher em 2017.

"O que está por vir é a verdade", disse o porta-voz, acrescentando que o projeto de vídeo foi uma resposta direta ao The Weekly.

O porta-voz rejeitou preocupações sobre destacar os nomes e os rostos dos SEALs de serviço ativo.

"Não há nada nesse vídeo que ainda não seja público", disse ele.

O Union-Tribune já havia informado os nomes dos SEALs que testemunharam, bem como de uma de suas unidades. No entanto, não publicou fotos dos homens.



Embora o julgamento de Gallagher tenha terminado em julho, seu caso e a publicidade em torno dele se estenderam até o outono.

Quando o comandante do Comando de Guerra Especial Naval, o Contra-Almirante Collin Green, moveu-se para tirar de Gallagher o seu cobiçado tridente e status na na comunidade de elite SEAL, Trump interveio novamente e protegeu o SEAL - um movimento que iniciou uma cadeia de eventos que terminaram com a demissão do secretário da Marinha Richard Spencer em novembro.

Existem 54.000 seguidores na conta de Gallagher no Instagram e 45.000 na sua conta do Facebook.

Original: https://www.sandiegouniontribune.com/news/military/story/2020-01-27/video-retired-navy-seal-eddie-gallagher-strikes-back-at-seals-who-testified-against-him?fbclid=IwAR0POdQ75ylOG6CDvcHBZGKWAIWF3H_3vtjFoESAhuwoB04uGuCP4Vd5-ow

Nenhum comentário:

Postar um comentário