Mostrando postagens com marcador Austrália. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Austrália. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

ARTE MILITAR: O FAL na Batalha de Long Tan no Vietnã


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 3 de janeiro de 2022.

Cena da famosa Batalha de Long Tan em 1966, de status legendário na História Militar da Austrália, e da sua participação na Guerra do Vietnã. A ilustração de Steve Noon faz parte do livro The FAL Battle Rifle, de Bob Cashner para a série Weapon da Osprey Publishing. O capítulo foi traduzido no blog aqui.

A batalha evidenciou a confiabilidade do FAL em situações adversas, funcionando com água e lama sob pesada chuva de monção. A versão australiana do FAL, fabricada em Lithgow, seguia o padrão britânico de medidas no sistema imperial e era designado Self-Loading Rifle 1A1 - literalmente Fuzil Auto-Carregável L1A1 - com o acrônimo SLR. A versão fuzil-metralhador (FM) do L1A1, de cano pesado para tiro contínuo, foi designada L2A2 e é semelhante ao FAP, mas com um sistema de bipé dobrando como guarda-mão. O fuzil automático L1A1 foi chamado pelo relatório oficial australiano de "arma excepcional da ação".

Descrição da ilustração:

O FAL no Vietnã

Em 18 de agosto de 1966, em Long Tan, no Vietnã do Sul, elementos da Companhia D, 6º Batalhão, O Regimento Real Australiano, fizeram contato com o que viria a ser um regimento vietcongue apoiado por pelo menos um batalhão das forças do exército norte-vietnamita. Os australianos foram logo detidos aferrados ao terreno em uma plantação de borracha, assim que as chuvas de monção começaram a cair. Apesar do mar de lama e água, os fuzis de carregamento automático L1A1 dos australianos deram um desempenho extremamente confiável, o relatório oficial pós-ação chamando o SLR de "arma excepcional da ação".

O soldado mostrado aqui trocando o carregador não poderia fazê-lo tão frequentemente; a carga básica oficial na época era de um carregador de 20 tiros na arma e quatro suplementares, para um total de 100 tiros de munição. Carregadores vazios deveriam ser recarregadas de bandoleiras.

Este sistema, é claro, provou-se inadequado para o combate. Apenas um ousado lançamento de pára-quedas de reabastecimento de um helicóptero em baixa altitude impediu a Companhia D de ficar totalmente sem munição durante o combate. O comandante da companhia recomendou oito carregadores por homem após a batalha.

Embora o Exército Australiano tenha adotado a versão FM L2A2 de cano pesado do FAL e tenha começado a fazer melhorias muito promissoras na arma, a adoção da metralhadora americana M60 em 7,62 mm OTAN, vista aqui, levou ao fim do L2A2.

- Bob Cashner, The FN FAL Battle Rifle, pg. 54.

Recentemente, a batalha foi imortalizada no filme australiano Danger Close: The Battle of Long Tan (2019).

Trailer do filme Danger Close


Bibliografia recomendada:

The FN FAL Battle Rifle.
Bob Cashner.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2022

MODELISMO: SAS australiano no Vietnã

SAS australiano no Vietnã, 1970.
(Tony Dawe)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 5 de janeiro de 2022.

Busto de um soldado australiano do Special Air Service Regiment (SASR), o SAS australiano, pintado pelo modelista Tony Dawe. O trooper - designação dos operadores do SAS - está usando a configuração típica das tropas no Vietnã, com uma faixa na cabeça, camuflagem facial, mosquiteiro como echarpe e o confiável fuzil FAL (chamado SLR L1A1), neste caso usando o carregador de 30 tiros.

O mosquiteiro e a bandana servem para absorver o constante suor produzido no ambiente tropical da selva. O FAL tem armação de madeira e uma banda na coronha com kit de primeiros socorros. O carregador mais longo permite o "despejo" de alto volume de fogo para suprimir o adversário e forçá-lo a abaixar a cabeça e ficar na defensiva. Dessa forma, o SAS poderia manobrar e destruir o inimigo, ou simplesmente romper contato e ir embora conforme a necessidade.

Durante seu tempo no Vietnã, o SAS australiano e neo-zelandês (NZ SAS) realizou diversas modificações no fuzil FAL, usualmente apelidando-o de "The Bitch" ("A Megera") ou "The Beast" ("A Besta"). O blog tratou desse assunto aqui.

Comando SASR com um FAL encurtado conhecido como "The Bitch".
(Kevin Lyles/ Vietnam ANZACs Elite 103 da Osprey Publishing).

SASR com fuzis FAL modificados.
(Vietnam ANZACs)

Durante o período de pouco mais de cinco anos, cerca de 580 soldados do SAS serviram no Vietnã. Eles conduziram 1175 patrulhas (não incluindo 130 do NZ SAS), a maioria sendo patrulhas de reconhecimento, emboscada de reconhecimento e emboscada. Seu serviço no Vietnã reforçou sua reputação como uma unidade de elite do Exército australiano.

O SAS australiano infligiu pesadas baixas ao vietcongue, incluindo 492 mortos, 106 possivelmente mortos, 47 feridos, 10 possivelmente feridos e 11 prisioneiros capturados. Suas próprias perdas totalizaram um morto em combate, um morreu de ferimentos, três mortos acidentalmente, um desaparecido e uma morte por doença. Vinte e oito homens ficaram feridos. Os restos mortais do último soldado australiano que desapareceu em combate em 1969, após cair na selva durante uma extração de corda suspensa, foram encontrados em agosto de 2008.

Trooper do 1º Squadrão (1SAS) com um SLR L1A1 e o carregador de 30 tiros em Bien Hoa, fevereiro de 1968.

Com base em Nui Dat, que ficou conhecida como "SAS Hill" ("Colina SAS"), o SASR foi responsável por fornecer inteligência para a 1ª Força Tarefa Australiana (1 ATF) e as forças americanas, operando em toda a província de Phuoc Tuy, bem como nas províncias de Bien Hoa, Long Khanh e Binh Tuy. A partir de 1966, os esquadrões SASR rotacionaram pelo Vietnã em desdobramentos de um ano, com cada um dos três esquadrões Sabre completando duas turnês antes que o último esquadrão fosse retirado em 1971. As missões incluíram patrulhas de reconhecimento de médio alcance, observação de movimentos de tropas inimigas e operações ofensivas de longo alcance e emboscada em território dominado pelo inimigo.

Operando em pequenos grupos de quatro a seis homens, eles se moviam mais lentamente do que a infantaria convencional pela selva ou mato e estavam fortemente armados, empregando uma alta taxa de fogo para simular uma força maior em contato e para apoiar sua retirada. O principal método de inserção foi por helicóptero, com o SASR trabalhando em estreita colaboração com o Esquadrão No. 9 RAAF, que regularmente fornecia inserção e extração rápidas e precisas de patrulhas em zonas de pouso na selva na altura do topo das árvores. Ocasionalmente, patrulhas SASR também foram inseridas por transportes blindados M-113 com um método desenvolvido para enganar os vietcongues quanto à sua inserção e localização de seu ponto de desembarque, apesar do barulho que os veículos faziam ao se moverem pela selva. Um salto operacional de paraquedas também foi realizado: O 3º Esquadrão (3 Squadron) realizou um salto operacional de paraquedas 5 quilômetros a noroeste de Xuyen Moc na noite de 15 para 16 de dezembro de 1969, com o codinome Operação Stirling.

Troopers do SASR no Vietnã.

Um quarto esquadrão foi criado em meados de 1966, mas foi posteriormente dissolvido em abril de 1967. Concluindo sua turnê final em outubro de 1971, o 2º Esquadrão foi dissolvido no retorno à Austrália, com o Esquadrão de Treinamento criado em seu lugar. O SASR operou em estreita colaboração com o SAS da Nova Zelândia, com um pelotão (troop) sendo anexado a cada esquadrão australiano a partir do final de 1968. Quando em modo tático, os dois SAS eram idênticos, com a única diferença visível sendo a boina vermelha bordô usada pelos neo-zelandeses em uniforme de passeio, seguindo o padrão da Segunda Guerra Mundial, em oposição à boina cor de areia dos australianos.

Durante seu tempo no Vietnã, o SASR provou ser muito bem-sucedido, com os militares do regimento sendo conhecidos pelos vietcongues como Ma Rung ou "fantasmas da selva" devido à sua discrição e furtividade.

Bibliografia recomendada:

On Patrol with the SAS: Sleeping with your ears open,
Gary McKay.

The FN FAL Battle Rifle.
Bob Cashner.

domingo, 3 de outubro de 2021

FOTO: Centurion australiano no Vietnã

Centurion australiano em Phuoc Tuy, c. 1969.

Província de Phuoc Tuy: Crianças locais dão uma mão limpando o cano de um tanque Centurion Mk V/1 do 1º Regimento Blindado (1st Armoured Regiment, 1AR), Real Corpo Blindado Australiano (Royal Australian Armoured Corps, RAAC).

Os australianos fizeram bom uso de blindados na Guerra do Vietnã. Transportadores M113 providenciavam mobilidade tática sobe fogo e transporte de longa distância na área de operações. Já os Centurions eram ótimos destruidores de bunkers.

França no Pacífico: o que ela tem feito e por que isso é bom para a América


Por Michael Shurkin, 9 Dash Line, 20 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de outubro de 2021.

Na controvérsia em torno do recente acordo de três vias Austrália-Reino Unido-Estados Unidos (Australia-United Kingdom-United StatesAUKUS) para fornecer à Austrália tecnologia de submarino nuclear - ao preço de enfurecer a França ao romper um acordo de mais de US$ 60 bilhões para vender submarinos franceses à Austrália, tem havido uma tendência de ignorar o valor do papel francês no Indo-Pacífico, tanto para a Austrália quanto para os EUA. Só o tempo dirá com que gravidade a atual crise diplomática afetará a política francesa, mas deve ficar claro que alienar a França não faz sentido. Era do interesse da América, da Austrália e até do Reino Unido manter a França ao seu lado e trabalhar para fortalecer seu relacionamento com ela. Talvez a Austrália consiga submarinos melhores no final, mas devemos nos perguntar se, pelo menos, todo o caso poderia ter sido administrado de forma diferente.

Sim, a França é uma potência indo-pacífica


A primeira questão que deve ser abordada é a relevância da França no Indo-Pacífico. Pensamos na França como uma potência exclusivamente europeia, mas graças aos resquícios de seu passado colonial - o que os próprios franceses às vezes chamam cinicamente de “confete do império”, a França pode legitimamente se ver como uma potência do Pacífico e do Oceano Índico. Possui vários territórios no Indo-Pacífico, que abrigam 1,6 milhão de cidadãos franceses e dão à França vastas Zonas Econômicas Exclusivas (ZEE) marítimas que somam 9 milhões de quilômetros quadrados. A França também mantém uma força militar permanente de 7.000 homens e mulheres, o que é único para uma nação europeia. Estes incluem, de acordo com o Ministério das Forças Armadas da França, 2.000 soldados e cinco navios dedicados à “Zona Sul do Oceano Índico”, 1.660 soldados e quatro navios designados para a “Zona de Responsabilidade” da Nova Caledônia, e 1.180 soldados e três navios designados para a zona da Polinésia Francesa. A França também envia rotineiramente navios e aeronaves para águas francesas e internacionais nos dois oceanos para mostrar a bandeira, muitas vezes na forma de seu porta-aviões nuclear e suas escoltas ou um dos grandes navios de assalto anfíbio da classe Mistral da França.

Rejeitando a França como fizeram com o acordo AUKUS, Austrália, EUA e Reino Unido excluíram um aliado ansioso para aumentar seu papel na segurança do Indo-Pacífico e o fizeram de uma maneira que quase inteiramente coincidiu com os interesses americanos e australianos.

No entanto, na última década, e especialmente sob o presidente francês Emmanuel Macron, Paris tem enfatizado ruidosamente sua identidade como uma nação “indo-pacífica” ao estender a mão para outras potências indo-pacíficas para construir relações bilaterais e multilaterais. Diplomatas franceses têm se ocupado em fechar acordos com vários países, como Índia e Indonésia, com o objetivo de fomentar as relações comerciais, bem como a cooperação em defesa e segurança, ou ambos combinados na forma de venda de armas. Em 2018, Macron invocou o surgimento de um “eixo Paris-Délhi-Canberra”, e a França atualizou seu relacionamento com a Austrália e o Japão, bem como com a Índia, Indonésia, Cingapura e Vietnã. O acordo do submarino de 2016 com a Austrália foi um triunfo para o predecessor de Macron, e os dois países recentemente haviam chegado a acordos relacionados ao acesso às bases australianas. A França também tem atuado em instituições e fóruns multilaterais regionais. A participação francesa na Enforcement Coordination Cell (ECC) - uma coalizão naval organizada para fazer cumprir as sanções da ONU contra a Coreia do Norte, que foi descrita como a “joia escondida” da cooperação de segurança Indo-Pacífico - é particularmente digna de nota. No geral, tem havido um claro aumento na atividade militar francesa. Como assinalou o Le Monde, se em dois anos o número de tropas desdobradas para a região não aumentou, o “ritmo de exercícios, missões e intercâmbios diplomáticos” [...] "intensificou-se claramente”.

Presença francesa no Indo-Pacífico.

O governo francês expôs seus motivos em publicações oficiais, como a Estratégia de Defesa Francesa de 2019 no Indo-Pacífico. Isso inclui a defesa de uma “ordem internacional baseada em regras” (que a Casa Branca citou recentemente como o motivo do acordo AUKUS), a preservação e promoção das relações comerciais com as nações do Indo-Pacífico e a proteção das rotas marítimas essenciais para o comércio global. A França vê essas coisas ameaçadas pela proliferação nuclear, pirataria, terrorismo e qualquer coisa que ameace a ordem internacional em larga escala. Finalmente, Paris tem um forte interesse em proteger e aumentar seu já massivo comércio com os países do Indo-Pacífico, onde encontra mercados crescentes para bens e serviços franceses, sem mencionar armamentos franceses de ponta, como caças Rafale e submarinos. As vendas de armas dessa natureza contribuem muito para sustentar as indústrias de defesa da França, que Paris considera necessárias para manter sua autonomia estratégica.

Na verdade, os observadores australianos e americanos podem não reconhecer que o acordo submarino entre a França e a Austrália sempre foi, para a França, mais do que apenas empregos: tratava-se de manter vivas as indústrias de defesa francesas particularmente estratégicas, estratégico aqui se referindo a coisas vitais para a nação e sua habilidade de agir de forma independente no cenário mundial. Mais especificamente, isso se refere a armas nucleares e mísseis, aviões e navios necessários para desdobrá-los, o que também implica em propulsão nuclear. Essa é uma prioridade estratégica para a França e algo que a diferencia da Grã-Bretanha, que se sente confortável em contar com fornecedores americanos para componentes-chave de suas capacidades nucleares, por exemplo. Na verdade, em 1958, o Reino Unido e os EUA assinaram um acordo de compartilhamento de tecnologia nuclear, o fruto do qual inclui grande parte da tecnologia no coração das atuais ogivas nucleares do Reino Unido, bem como os mísseis e submarinos que as lançam. Mais ou menos na mesma época, a França notoriamente tomou outra direção, insistindo em ser capaz de fazer coisas vitais por si mesma, pelo menos porque a Paris do pós-guerra considerou imprudente confiar nos Estados Unidos para garantir sua segurança na era nuclear. O fato de fazer suas próprias coisas também significar empregos é a cereja do bolo.

As visões francesas sobre a China


No topo da lista de ameaças da França à ordem internacional no Indo-Pacífico está a aparente ambição da China de desafiar o domínio americano no Pacífico e sua ameaça à liberdade de navegação no Mar do Sul da China. As opiniões francesas sobre a China não são, portanto, fundamentalmente diferentes daquelas dos Estados Unidos. Deve-se notar também que, enquanto durante a Guerra Fria a França se apresentava como uma terceira via entre os Estados Unidos e a União Soviética, Macron deixou claro que desta vez a França está ao lado da América. Seria “inaceitável”, afirmou Macron, “alegar estar à mesma distância dos EUA que da China”, em grande parte porque a França e a América partilham valores, enquanto a França e a China não. Tecnicamente, Macron estava falando da posição da União Europeia, não da França, mas suas observações contrastam fortemente com os comentários da chanceler alemã, Angela Merkel, enfatizando a distância entre a UE e os EUA sobre a China. Em outras palavras, a visão de Macron era um ponto de vista francês e não europeu genérico. Ele estava falando pela França.

No entanto, há uma diferença significativa na maneira como a França se aproxima da China, ou pelo menos como a França fala sobre a China. A diplomacia francesa se concentra menos em desafiar a China do que em fortalecer os laços bilaterais e multilaterais entre todos aqueles que estão preocupados com a China, tudo em nome de causas genéricas como a defesa da liberdade dos mares e da “ordem baseada em regras” ou o combate à pirataria e proliferação. A França pode ver a China como a maior ameaça na região à liberdade dos mares e à ordem internacional baseada em regras, mas os franceses preferem evitar dizer isso em voz alta. Como explicou Macron em fevereiro, ele quer evitar um cenário em que a União Europeia e a comunidade internacional se unam “todas juntas contra a China”. Isso, ele explicou, tinha o maior potencial possível para conflito e seria “contraproducente” porque “forçará a China a aumentar sua estratégia regional” enquanto a pressiona a “diminuir sua cooperação” em outras questões de interesse global.

Convergência

A abordagem francesa se adapta a um amplo espectro de países, o que lhe confere uma vantagem em relação aos Estados Unidos. A ênfase da França em “valores compartilhados” ressoa com alguns, enquanto outros estão simplesmente com medo da China e desejam proteger o comércio internacional. Para a Austrália e o Japão, o relacionamento próximo da França com os EUA era um pré-requisito para relações mais estreitas com a França. Eles apostaram sua segurança nos Estados Unidos e apreciaram o fato de Paris e Washington DC terem se tornado muito mais próximos em questões de defesa e segurança, o que significa que nunca houve uma escolha entre a França e os Estados Unidos. Para muitos outros, o que importava mais era a distância da França dos EUA, por menor que fosse na prática. A parceria com a França era uma forma de se aproximar dos EUA sem se aliar a eles; isso até fornece uma medida de negação plausível.

Soldados franceses e indianos durante um exercício conjunto na Índia.

A Índia é um exemplo disso. Um relatório publicado pelo Senado francês em 2020 observou que o longo compromisso da Índia com o "não-alinhamento" durante a Guerra Fria significou que ela manteve distância dos EUA ao ser atraída pela França por causa da política francesa de se posicionar como uma terceira via entre os dois superpoderes. No entanto, os interesses indianos e americanos convergiram nos últimos anos. Isso pode ser visto na compra de armamento americano pela Índia, na assinatura de acordos bilaterais de defesa e na participação da Índia em exercícios militares. No entanto, a Índia “não desejava entrar em uma aliança restritiva com os Estados Unidos” e “os indianos não desejam abraçar a política americana em relação à China”. Essa preferência por afirmar a independência, sugere o relatório, é a razão por trás da decisão da Índia de comprar um sistema de defesa aérea russo. Nesse contexto, a França, com suas armas de alta tecnologia e uma política da China próxima da América, mas não idêntica, é um parceiro perfeito para a Índia. Também ajuda que a Austrália - outro parceiro de escolha para a França - esteja se tornando cada vez mais valiosa na estimativa da Índia. O resultado final para a França, de acordo com o relatório, é que o "amadurecimento" da Índia para a parceria com a França representa uma grande oportunidade para a França, não apenas por causa das enormes oportunidades econômicas que a Índia oferece. Além disso, a disposição da França de permitir que a Índia produza itens de defesa franceses na Índia está de acordo com o desejo da Índia de aumentar sua própria base industrial de defesa.

O interesse em uma fonte alternativa de armas ocidentais de ponta está, sem dúvida, ajudando a alimentar o boom das vendas de armas francesas aos países do Indo-Pacífico nos últimos anos: comprar armas de alta tecnologia da França é uma boa maneira de diversificar as fontes de tais itens enquanto evitando a bagagem política associada às armas americanas, chinesas ou russas. O fato das armas francesas não estarem sujeitas aos Regulamentos do Tráfico Internacional de Armas dos Estados Unidos (American International Traffic in Arms RegulationsITAR) também é uma vantagem.

O submarino francês Émeraude (S604) daMarine Nationale em patrulha na costa de Guam em 11 de dezembro de 2020.

A França também presume que sua força militar a torna atraente para os países do Indo-Pacífico, e Paris gosta de telegrafar que tem vontade e capacidade para usar a força na região. A participação francesa em maio deste ano no exercício anfíbio ARC21 envolvendo meios militares dos EUA, Austrália e Japão é um bom exemplo. Isso também ajuda a explicar por que a França tomou a atitude incomum de anunciar que seu submarino de ataque nuclear Émeraude havia visitado o Mar da China Meridional neste inverno, enquanto normalmente tal informação é mantida em segredo. Hugo Decis, um especialista naval do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos que observa as atividades navais francesas no Indo-Pacífico, também observou em e-mails ao autor como era incomum para a França enviar um submarino de ataque nuclear “a leste de Málaca”, em estreita cooperação com os EUA, Japão e Austrália e no Mar da China Meridional. Ele especulou que isso poderia ser uma “amostra do que está por vir para a Marinha francesa no Indo-Pacífico”, ou seja, operações “a leste de Malaca e em estreita cooperação com aliados e parceiros”, o que contrastava com desdobramentos mais típicas na área. No verão, em parte para demonstrar capacidades adicionais, a França desdobrou caças Rafale e aeronaves de apoio em territórios franceses no Pacífico. No final de junho, a mesma aeronave vôou para o Havaí e participou de exercícios de treinamento com aeronaves dos EUA antes de retornar pelo continente americano. Os franceses fizeram questão de parar em Langley, Virgínia, para comemorar o 240º aniversário da vitória franco-americana sobre os britânicos em Yorktown, nas proximidades.

Excluindo um aliado


A França está claramente determinada a ser um jogador importante no Indo-Pacífico, onde se beneficia da força militar e da convergência de interesses com uma ampla gama de parceiros. A França também pode ganhar muito dinheiro com as relações comerciais e vendas de armas que acompanham a melhoria das relações, ao mesmo tempo em que melhora seu perfil global. A França também tem tentado habilmente explorar seu próprio posicionamento cuidadoso em relação aos Estados Unidos, enquanto trabalha para garantir que tenha voz em tudo o que acontece na região e liberdade de manobra suficiente para agir da maneira que achar adequada.

Rejeitando a França como fizeram com o acordo AUKUS, Austrália, EUA e Reino Unido excluíram um aliado ansioso para aumentar seu papel na segurança do Indo-Pacífico e o fizeram de uma maneira que quase inteiramente coincidiu com os interesses americanos e australianos. Na verdade, ambos os países deveriam considerar uma maior integração francesa nos acordos de segurança do Indo-Pacífico como uma prioridade. Afinal, a França, além de seu hard power, pode complementar os EUA diplomaticamente apresentando-se como o não exatamente aliado americano da América, e também pode envolver a União Europeia, que é muito importante para as relações comerciais com a China pelo tamanho da economia europeia. Quanto ao Reino Unido, não está claro como ele ganha com o negócio AUKUS além de impulsionar seu próprio senso de relevância. O fato é que, depois do Brexit, o Reino Unido precisa se preocupar com suas relações com a França mais do que nunca, especialmente se Londres tem alguma preocupação com a segurança dentro e ao redor do continente europeu.

Michael Shurkin é um ex-oficial da CIA e cientista político sênior da RAND. Ele é diretor de programas globais da 14 North Strategies e fundador da Shurbros Global Strategies.

Bibliografia recomendada:

L'emergence d'une Europe de la défense:
Difficultés et perspectives.
Dejana Vukcevic.

sexta-feira, 1 de outubro de 2021

FOTO: Sniper australiano na selva

Sniper australiano se deslocando em ambiente selvático, 2021.

Um atirador de elite do Exército Australiano do 6º Batalhão, Regimento Real da Austrália (6th Battalion, Royal Australian Regiment (6 RAR)), muda de posição durante uma atividade de fogo real como parte do Exercício Diamond Walk, em Shoalwater Bay, na região de Queensland, na Austrália, 2021.

O Exercício Diamond Walk 2021 visa melhorar a cooperação entre os elementos da 7ª Brigada de Combate, cada um com a sua especialização. Quase 1.100 soldados e 500 veículos estiveram presentes na cerimônia de abertura.

Bibliografia recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

segunda-feira, 27 de setembro de 2021

FOTO: Marinheira no convés de vôo do HMAS Canberra

Marinheira Indiana Van Arkel do convés de vôo do HMAS Canberra, 2021.

Marinheira Habilitada (Able Seaman) de aviônica Indiana Van Arkel, da Marinha Real Australiana (RAN), posando no convés de vôo do HMAS Canberra, durante o exercício Talisman Sabre 21, em 2021.

Conduzido em julho, o exercício Talisman Sabre (Sabre Talismã) é a maior atividade de treinamento combinado bilateral entre as Forças de Defesa Australianas (ADF) e os militares dos Estados Unidos (EUA). O exercício deste ano envolveu mais de 17.000 militares da Austrália e dos Estados Unidos, e durou três semanas.

Além dos Estados Unidos, forças do Canadá, Japão, Nova Zelândia, República da Coréia e Reino Unido participaram do Talisman Sabre 2021, e funcionários da Índia, Indonésia, França e Alemanha baseados na Austrália observarão o exercício. Esta foi a nona versão do exercício.

quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Disputa dos submarinos: a França tem "todo o direito de ficar com raiva", diz o ex-primeiro-ministro australiano


Por Marc Perelman, The Interview/France 24, 22 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 22 de setembro de 2021.

O ex-primeiro-ministro australiano Kevin Rudd classificou a atual disputa de submarinos com a França como um "desastre de política externa e segurança nacional" para seu país. Rudd disse ao FRANCE 24 que a França tinha "todo o direito de ficar com raiva" com a perda repentina de um contrato de submarino multibilionário com a Austrália, depois que Canberra optou por comprar submarinos nucleares dos Estados Unidos. Ele também pediu uma investigação parlamentar sobre a decisão do primeiro-ministro Scott Morrison.

O ex-premier australiano Kevin Rudd rejeitou o argumento do primeiro-ministro Scott Morrison de que uma mudança para a aliança AUKUS (Australia-UK-US/Austrália-Reino Unido-EUA) atenderia aos interesses de segurança nacional da Austrália, principalmente a crescente ameaça da China. Rudd disse que quando estava no poder há uma década, a ameaça da China já era uma grande prioridade e a principal razão por trás do acordo inicial de submarinos com a França. Rudd disse que a França tem "todo o direito de ficar com raiva" com o acordo cancelado, expressando preocupação de que a crise diplomática tenha efeitos duradouros e prejudiciais sobre o relacionamento bilateral.

Rudd disse ao FRANCE 24 que o governo australiano deveria ter notificado o governo francês e a empresa francesa que construiu os submarinos sobre suas intenções de trocar os submarinos movidos a diesel por submarinos nucleares. Ele acrescentou que, em vez de simplesmente escolher a oferta americana, Canberra deveria ter deixado a França concorrer em uma nova licitação. Além disso, afirmou que a decisão atrasaria a entrega dos submarinos e deixaria seu país “nu” durante a década de 2030.

Finalmente, Rudd pediu uma investigação parlamentar sobre a decisão, enfatizando que os contribuintes australianos precisam saber exatamente como a decisão se desenrolou e quanto ela vai custar-lhes.

O caso dos submarinos: "Macron fez bem em agir com firmeza", defende Sarkozy


Por Wally Bordas, Le Figaro, 22 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 22 de setembro de 2021.

O ex-Presidente da República considera que o incumprimento deste contrato internacional de mais de 56 bilhões de euros "não é admissível".

A quebra do "contrato do século" não foi digerida. Após as inúmeras reações de toda a classe política, após o torpedeamento da venda de submarinos franceses para a Austrália, é a vez de Nicolas Sarkozy se manifestar. “Acho que o presidente Macron teve razão em reagir com firmeza”, determinou o ex-presidente da República, poucos minutos antes da sessão de autógrafos de seu novo livro Promenades (Ed. Herscher), em Neuilly-sur-Seine.

“Entre aliados, isso não se faz. (...) Quando se é amigo, dá-se direitos e cria-se deveres, e agir assim não é inadmissível. Teremos que tirar as consequências”, acrescentou Nicolas Sarkozy.

“Macron estava certo em agir com firmeza”, disse Nicolas Sarkozy.

"Era uma mentira"

Durante vários dias, o cancelamento deste megacontrato esteve no centro das notícias. A França acusa os Estados Unidos de ter concluído uma nova aliança pelas suas costas, que fará com que a Austrália se equipe com submarinos americanos, o que afunda uma encomenda gigantesca de mais de 56 bilhões de euros feita pelos australianos aos franceses há alguns anos.

Jean-Yves Le Drian, ministro das Relações Exteriores, falou de uma "grave crise" entre os Estados Unidos, Austrália e França. O chefe da diplomacia anunciou a retirada dos embaixadores franceses em Canberra e Washington. Um primeiro “ato simbólico” na história das relações entre Paris e Washington.

“Chamamos de volta os nossos embaixadores para tentar compreender e mostrar aos nossos antigos países parceiros que temos uma insatisfação muito forte, que existe realmente uma grave crise entre nós”, explicou. E para acrescentar: "Houve uma mentira, houve duplicidade, houve uma grande quebra de confiança, houve desacato, então as coisas não vão bem entre nós".

O governo australiano defendeu-se, afirmando que a França tinha sido avisada "na primeira oportunidade possível, antes que o assunto se tornasse público". Por sua vez, os Estados Unidos indicaram que desejam continuar a trabalhar "em estreita colaboração com a França na zona do Indo-Pacífico". O presidente Joe Biden e Emmanuel Macron também concordaram em uma entrevista por telefone, incluindo "impaciente" para se encontrar com o presidente da República Francesa.

segunda-feira, 30 de agosto de 2021

Um destacamento da Legião Estrangeira integrado em um batalhão australiano para o Exercício Adaga de Diamante


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 30 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de agosto de 2021.

As oportunidades de treinar juntas para as forças terrestres francesas e australianas, que estabeleceram seus vínculos durante a Primeira Guerra Mundial, são bastante raras... Além disso, a chegada de um destacamento da Legião Estrangeira no “Quartel Gallipoli”, perto de Brisbane, é um evento pequeno em si.

De fato, de acordo com o Ministério da Defesa australiano, 28 legionários - a priori do 2º Regimento de Paraquedistas Estrangeiro (2e Régimento Étranger de Parachutiste, 2e REP), a julgar pelo distintivo da boina - participarão das manobras "Diamond Dagger" (Adaga de Diamante), após ingressarem na companhia "Alpha" do 6º Batalhão do Regimento Real Australiano (6th Battalion, Royal Australian Regiment, 6 RAR), subordinado à 7ª Brigada do Exército Australiano.




Os legionários franceses vieram da Nova Caledônia, onde foram enviados em uma missão de curto prazo (mission de courte durée, MCD) dentro do RIMaP-NC [Régiment d’infanterie de marine du Pacifique – Nouvelle-Calédonie/Regimento de Infantaria da Marinha do Pacífico - Nova Caledônia].

Depois de serem colocados em quarentena ao chegarem na Austrália (a pandemia da covid-19 exige), os legionários começaram a se familiarizar com o equipamento e os procedimentos da Alpha Company. Então, eles chegarão ao cerne da questão com o início das manobras Diamond Dagger, que devem durar várias semanas.

 “O objetivo é ver como operam os soldados da Alpha Company do 6 RAR, mostrar-lhes nossas habilidades e trabalhar juntos para melhorar”, disse o Capitão Paul, que comanda o destacamento francês. Para os legionários, a Diamon Dagger também será uma oportunidade de vivenciar o mato australiano, um ambiente ao qual eles não estão acostumados.

“Eles são jovens, são enérgicos, estão motivados, querem estar aqui, têm o mesmo entusiasmo por estar na Austrália que teríamos se tivéssemos a oportunidade de ir para a França ou Nova Caledônia”, comentou o Tenente-Coronel Richard Niessel, comandante do 6 RAR.

“O mais importante é fortalecermos nossas relações com as forças armadas francesas, construirmos laços mais fortes, desenvolvermos nossa interoperabilidade e aprendermos uns com os outros”, continuou o oficial australiano. "Fortalecer o vínculo entre nossas duas nações é vital porque quando precisarmos trabalhar juntos no futuro, as bases já estarão estabelecidas", acrescentou.

Bibliografia recomendada:

French Foreign Legion Paratroops.
Martin Windrow & Wayne Braby, e Kevin Lyles.

Leitura recomendada:

Exercícios militares conjuntos do Japão, EUA e França estão marcados para Kyushu em maio, 30 de abril de 2021.

A experiência australiana de contra-insurgência no Vietnã 1966-1971, 26 de julho de 2021.

Os voluntários latino-americanos no Exército Francês durante a Primeira Guerra Mundial, 27 de agosto de 2021.

O Exército Francês empregou o Sistema de Informação de Combate Scorpion em operação pela primeira vez, 31 de julho de 2021.





segunda-feira, 26 de julho de 2021

A experiência australiana de contra-insurgência no Vietnã 1966-1971

Soldados do 7 RAR, armados de SLR/FAL, aguardam transporte para Phuoc Hai, em 26 de agosto de 1967.

Por Frédéric Jordan, L'Écho du Champ de Bataille, 17 de outubro de 2011.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de julho de 2021.

Alguns historiadores e soldados referem-se cada vez mais à experiência pouco conhecida das tropas australianas durante a Guerra do Vietnã e, em particular, sua capacidade de adaptação a esse tipo de combate, bem como seus modos específicos de ação. Os últimos são, portanto, descritos como tendo sido eficazes, pelo menos mais eficazes do que a maioria das operações realizadas pelo Exército Americano. Da mesma forma, é interessante notar que o formato da força expedicionária australiana, bem como as missões e a zona de engajamento confiadas, têm fortes semelhanças com aqueles, por exemplo, da TF La Fayette atualmente destacada no Afeganistão.

Será, portanto, uma questão de determinar, em poucas linhas, se essa experiência histórica pode fornecer lições táticas em termos de engajamentos franceses contra um adversário do tipo insurgente.

Distintivo da Força-Tarefa Lafayette durante uma parada militar no Palácio do Governador Militar de Estrasburgo em 31 de janeiro de 2013, por ocasião do retorno da Força-Tarefa Lafayette à França.
A missão francesa no Afeganistão terminou em 25 de novembro de 2012.

A Zona de Operações

Engajado desde 1961 no Vietnã com conselheiros militares, o exército australiano desdobrou, em junho de 1966, dois e depois três batalhões de infantaria e seus apoios, bem como meios aéreos no Vietnã do Sul. A área confiada é então a província de Phuoc Tuy com uma área de 390.000km². Ela é constituída por uma planície central limitada a oeste pela zona especial impenetrável de Rung Sat, a norte e a leste por colinas dominadas pelo Viet Cong e a sul pelo mar. Eles devem manter abertos e em segurança um eixo logístico principal, a Rodovia 15. As unidades de infantaria são apoiadas por uma bateria australiana, uma companhia de engenharia e um esquadrão blindado (Centurion) e por um batalhão de artilharia americano. Algumas forças especiais e uma unidade de reconhecimento completam a Força-Tarefa.

Os Engajamentos

Assim que chegou, o corpo expedicionária procurou tomar o controle da planície central e teve que travar uma batalha campal em 18 de agosto de 1966, em Long Tran, contra o 275º regimento vietcongue. Nesta ocasião, os soldados australianos infligiram pesadas baixas entre o inimigo e demonstraram uma verdadeira teimosia no combate, bem como um sentido aguçado de manobra. O adversário deve abandonar a cena e recuar de volta para as colinas ou dentro da selva.

Uma nova fase então começa para os australianos que devem executar uma luta anti-guerrilha. Para isso, buscam colocar em prática as habilidades adquiridas na Malásia entre 1948 e 1960, principalmente sob a influência de um experiente oficial australiano, o coronel Ted Serong. Eles, portanto, lideram missões de transferência de aldeões, ações cívico-militares e treinam tropas locais, apesar da relutância do exército sul-vietnamita. Durante a ofensiva do Tet, eles serão enviados a vários setores para restaurar a situação, mas nunca estão engajados em áreas altamente urbanizadas.

A partir de 1971, apenas conselheiros permaneceriam no local para treinar o exército do regime de Saigon.

M113 australiano com civis vietnamitas.

O Retorno da Experiência

Apesar dos bons resultados, os australianos descobrem que a fraqueza de suas tropas (7.672 homens no pico) não lhes dá a possibilidade de controlar toda a sua zona de ação. Eles também cometem erros, como as bandas minadas colocadas ao sul de Dat Do para evitar infiltrações e cujos artefatos explosivos serão recuperados pelo Viet Cong para reutilização. Apesar de tudo, os insurgentes desconfiam dos modos de ação australianos, resumidos claramente por um jornalista, Gerald Stone:

"As patrulhas australianas evitaram cuidadosamente pistas e clareiras (...) abrindo caminho cuidadosamente em silêncio por entre bambuzais e folhagens emaranhadas, (...) conseguiram perseguir os guerrilheiros sem se expor a emboscadas mortais que custaram tantas mortes aos americanos."

Operadores SAS australianos desembarcando de um Huey da Real Força Aérea Australiana.

Esses modos de operação flexíveis, como "Cordon and Search" (Cordão e Busca) despertar críticas veementes do estado-maior americano e do general Westmoreland, comandante das forças americanas no Vietnã, que vêem isso como uma falta de agressividade e combatividade de seus aliados. Da mesma forma, os australianos se oporão ao programa estratégico das aldeias (strategic hamlets), aldeias rurais fortificadas para isolar os camponeses da insurreição comunista, liderado pelos Estados Unidos e pelo Vietnã do Sul.

No entanto, este recorde australiano permanece misto porque os vietconques, ciente do potencial de seu adversário, evitará o contato e recuperará o controle da província de Phuoc Tuy após a partida da força expedicionária em novembro de 1971. Se 46.852 soldados australianos permanecerem neste teatro em rotações de 6 meses, quase 496 deles serão mortos e 2.398 outros feridos.

Centurion do 1st Battalion, Royal Australian Regiment no Vietnã.

É certo que o método australiano oferece algumas soluções táticas (flexibilidade de emprego, utilização do terreno, emboscadas, varreduras, etc.), porém, o controle do ambiente manteve-se precário e as ações junto à população não possibilitaram cortar a população permanentemente da influência do Viet Cong. Consequentemente, as lições permanecem limitadas para os engajamentos atuais, como aqueles conduzidos no Afeganistão, por exemplo.

Bibliografia recomendada:

Vietnam ANZACs:
Australian & New Zealand Troops in Vietnam 1962-72.
Kevin Lyles.

Leitura recomendado:


sexta-feira, 4 de junho de 2021

Os novos veículos blindados da Austrália são muito pesados?

Rheinmetall Boxer.

Por John Coyne e Matthew Page, The Strategist, 4 de junho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 4 de junho de 2021.

As decisões do Departamento de Defesa australiano sobre a aquisição de tanques e a próxima geração de veículos blindados são controversas e parecem sempre gerar respostas apaixonadas.

Em 2018, o ex-general e agora senador Jim Molan boxeou com Marcus Hellyer da ASPI no The Strategist sobre veículos blindados de combate (armoured fighting vehiclesAFV). Ambos apresentaram alguns argumentos excelentes, e o assunto ficou ali por um tempo.

Em 2019, James Rickard e eu entramos na briga, abordando os rumores de que a Defesa estava planejando que os veículos de combate de infantaria (infantry fighting vehiclesIFV) da 1ª Brigada com base em Darwin fossem localizados em Adelaide para permitir o treinamento durante todo o ano. Argumentamos que, para o valor estratégico e tático dos IFV ser realizado, eles precisariam operar em toda a extensão da Austrália, independentemente da estação ou do clima. O artigo gerou uma tempestade de comentários nas mídias sociais argumentando que as limitações de mobilidade eram resultado de fatores ambientais em tempos de paz, e não do desenho do veículo.

Carros de combate M1A1 Abrams do Exército Australiano.

No início deste mês, falcões de defesa semelhantes e amigos Molan e Greg Sheridan, do The Australian, discutiram sobre a decisão da Defesa de comprar 75 tanques a um custo de mais de US$ 2 bilhões.

Até o momento, todo esse debate se centrou em dois temas: uma alegada obsolescência dos blindados na guerra moderna e a necessidade do exército ter mobilidade, proteção e poder de fogo. Vamos deixar o primeiro argumento de lado por enquanto e discutir as implicações de mobilidade das escolhas de IFV pela Defesa. Argumentamos que se os IFV, AFV e tanques da Austrália operarem na Austrália ou na região próxima, eles precisarão cuidar de seu peso. Caso contrário, as condições da estrada irão restringir severamente a mobilidade blindada da Força de Defesa Australiana.

O veículo blindado de transporte de pessoal M113, em serviço desde os anos 1970, pesa 18 toneladas. Seus substitutos na lista, o Hanwha Redback e o Rheinmetall KF41 Lynx, pesam mais que o dobro, com 42 e 44 toneladas, respectivamente.

O ASLAV do Exército australiano, em serviço desde o início de 1990, pesa 13,5 toneladas. O substituto planejado do ASLAV, o veículo de reconhecimento de combate Rheinmetall Boxer, é quase três vezes mais pesado, pesando cerca de 38 toneladas, dependendo de sua configuração.

Hanwha Redback.

Ben Coleman destacou como o peso extra do Boxer prejudicou a capacidade de desdobramento estratégico e a mobilidade tática em um relatório da ASPI. Coleman focou fora das fronteiras da Austrália e observou o desafio de transportar esses veículos de avião para países em nossa vizinhança. Ele também levantou preocupações sobre o impacto nas estradas e pontes de má qualidade da região.

No entanto, há um problema muito perto de casa. O estado atual da infraestrutura de estradas e pontes no norte da Austrália representa um desafio de mobilidade mais imediato para esses veículos pesados. Usando dados do Escritório de Economia de Transporte e Comunicações, Shojaeddin Jamali aponta que pouco mais da metade das pontes na Austrália são construídas com um padrão de desenho T44, o que significa que podem conter uma carga de semirreboque de 44 toneladas. O restante é amplamente construído de acordo com o padrão MS18 ou inferior, projetado para transportar 33 toneladas ou menos. Isso está muito abaixo dos padrões do SM1600, que estão em vigor desde 2004 e são projetados para um peso de carga de até 144 toneladas.

Rheinmetall KF41 Lynx.

No norte da Austrália, o problema é agravado pelo envelhecimento da infraestrutura de estradas e pontes em muitos lugares e o número limitado de estradas principais vedadas.

No Território do Norte (Northern Territory, NT), 70% da rede rodoviária não está vedada e é vulnerável a inundações durante a estação chuvosa, restringindo o acesso a comunidades regionais e remotas. Embora as rodovias nacionais do território sejam seladas, mais de 40% da superfície rodoviária da rede rodoviária nacional tem mais de 40 anos. A vida útil do pavimento é geralmente de 40 a 50 anos, portanto, muitas rodovias logo precisarão de manutenção ou reconstrução. A idade média das pontes na rede rodoviária do NT é de 35 e mais de um quarto delas estão na Stuart Highway, a única estrada principal que conecta o território e o sul da Austrália.

ASLAV-25 no Afeganistão, 2011.

Com o estado da infraestrutura regional do norte da Austrália em mente, a perspectiva de empregar novos veículos blindados duas a três vezes mais pesados do que seus antecessores em uma rede de estradas e pontes envelhecidas, a maioria não projetada para cargas superiores a 44 toneladas, deve soar o alarme para os pensadores do setor estratégico da Austrália. Não é difícil imaginar o quão pior seria a situação das estradas em grande parte do Indo-Pacífico, incluindo Papua Nova Guiné, as ilhas do Pacífico e partes do Sudeste Asiático.

Existem duas opções amplas se quisermos realizar os benefícios de mobilidade estratégica e tática de AFV, IFV e tanques. Uma é fazer um investimento substancial na atualização de estradas e pontes em todo o norte da Austrália, embora isso não ajude para desdobramentos  offshore. Alternativamente, o exército poderia obter veículos blindados mais leves, trocando alguma proteção por maior mobilidade. (Para evitar reclamações, notamos que a proteção blindada pode salvar a vida dos soldados apenas se os veículos tiverem mobilidade para serem usados em primeiro lugar.) Ambas as opções vêm com etiquetas de preço pesadas.

Australianos desembarcando na Papua Nova Guiné.

A reforma e a melhoria das estradas e pontes do norte proporcionariam à Austrália benefícios econômicos e sociais além da mobilidade tática e capacidade de desdobramento. Essas atualizações gerariam novas oportunidades econômicas em curto e longo prazo. Uma infraestrutura melhorada reduziria os custos operacionais para a indústria. Redes de estradas e pontes bem mantidas ajudariam a apoiar a crescente demanda por frete de novos projetos de mineração e garantir o acesso durante todo o ano aos portos para a indústria pecuária. Eles também conectariam os residentes do NT a serviços essenciais de educação, saúde e emergência.

No orçamento, o governo federal anunciou um adicional de US $ 15,2 bilhões para infraestrutura, dos quais apenas US$ 3,2 bilhões foram alocados para os estados e territórios do norte da Austrália, com apenas US$ 150 milhões comprometidos com a atualização da malha rodoviária do NT nos próximos 10 anos. Parece que não há nenhum plano real para aumentar a mobilidade por meio de investimentos em infraestrutura no norte da Austrália. A defesa pode precisar ser repensada em seus gigantes blindados.

John Coyne é chefe do programa de Segurança do Norte e da Austrália e do programa de Policiamento Estratégico e Aplicação da Lei, e Matthew Page é estagiário de pesquisa na ASPI.

Bibliografia recomendada:

TANKS: 100 years of evolution.

Leitura recomendada: