terça-feira, 11 de maio de 2021

Conheça os mercenários via correio da revista "Soldier of Fortune"

O Tenente-Coronel Robert K. Brown com a boina verde das Forças Especiais no Vietnã acompanhado de um amigo, por volta de 1969.

Por Lukas I. Alpert, Maxim, 24 de fevereiro de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de maio de 2021.

O Tenente-Coronel Robert K. Brown e sua infame revista "Soldado da Fortuna" há muito tempo têm a Segunda Emenda à vista.

Depois de perder seu 23º tiro consecutivo, o tenente-coronel Robert K. Brown está pronto para encerrar o dia.

"Ô merda, já basta", rosna o fundador da revista Soldier of Fortune enquanto coloca seu novo fuzil de precisão Ruger sobre a mesa. “Definitivamente não ganhei nenhum prêmio hoje”. Brown almeja uma silhueta de metal pintada de 1,8x3 metros de um búfalo branco a 1.123 metros de distância - uma distância maior do que o comprimento de 11 campos de futebol - mas continua circulando em torno do alvo conforme o vento muda.


Enquanto ajusta a aba do seu boné de beisebol vermelho e preto da Soldier of Fortune (Soldado da Fortuna) para frente em sua cabeça careca e se levanta, ele se vira para o grupo heterogêneo de cerca de uma dúzia de velhos amigos do Exército, ex-fantasmas (espiões) da CIA, colaboradores de revistas, e alguns fãs que se juntaram a ele para um fim de semana de tiro no Whittington Center, um campo de tiro de propriedade da Associação Nacional de Fuzis (National Rifle Association, NRA) no norte do Novo México, onde Brown serve como curador.

"Alguém mais quer tentar isso?"

Um a um, os membros do grupo se revezam mirando no búfalo branco, quase todos acertando o alvo nos primeiros tiros.

“Ei, Bob, você é o único administrador que ainda não acertou”, brinca um de seus amigos.

"Algum outro comentário, senhores?", Brown diz.

"Você quer comentários educados?"

"Então guarde para você."

Aos 83 anos de idade, o coronel parece um avô mal-humorado no início, usando óculos Ambervision, suspensórios temporários em ambos os joelhos, meias brancas puxadas até a metade das panturrilhas e aparelhos auditivos por ter vivido anos em torno de armamentos de alta potência. Mas ele não é um homem que se provoque. Pelas suas contas, ele já viu ação em mais de uma dúzia de conflitos ao redor do mundo e levou mais tiros do que consegue se lembrar. Com uma pistola presa ao cinto, cuja empunhadura personalizada é estampada com uma bandeira dos EUA e uma águia-careca (águia-de-cabeça-branca, símbolo nacional dos EUA), Brown continua a trabalhar em tempo integral.

O Tenente-Coronel Brown com o Batalhão Aerotransportado do Exército Salvadorenho, carregando um fuzil de precisão personalizado, em 1984.

Apelidado de “O Jornal dos Aventureiros Profissionais”, a Soldier of Fortune tem, desde 1975, narrado um mundo inconstante e sem barreiras de operações negras e mercenários que lutam contra o comunismo e o terrorismo. Seus repórteres operaram ao contrário da maioria, carregando armas junto com suas canetas e câmeras, escrevendo relatos em primeira pessoa em campos de batalha ao redor do mundo no que Brown gosta de chamar de “jornalismo participativo hardcore”.

“Nós criaríamos a história, encontraríamos muita ação e, em seguida, escreveríamos sobre ela para as páginas brilhantes de nossa revista bad-boy”, é como ele descreveu em suas memórias de 2013, I Am Soldier of Fortune: Dancing with Devils (Eu sou Soldado da Fortuna: Dançando com Demônios).


Em muitos casos, seus escritores eram realmente mercenários, e seis correspondentes da Soldier of Fortune foram mortos em ação ao longo dos anos, em lugares como Angola, Nicarágua, Birmânia (agora Mianmar) e Serra Leoa (onde diz a lenda que o corpo do repórter Robert C. MacKenzie foi comido por combatentes rebeldes).

A pequena reunião de fim de semana em Whittington substituiu efetivamente as convenções anuais da Soldier of Fortune que Brown manteve por duas décadas, que costumavam atrair ao deserto centenas de entusiastas de guerra vestidos de camuflagem para exibições de poder de fogo militar, armas, treinamento tático e, aparentemente, muita bebedeira. Brown diz que o mostruário exigia mais mão-de-obra do que sua reduzida equipe da revista poderia oferecer, então ele retirou o plugue alguns anos atrás, preferindo apenas passar o tempo com seus amigos íntimos.

Encarte com o convite para a primeira convenção da Soldier of Fortune, de 26 a 28 de setembro de 1980.

Vários membros de sua comitiva viajaram centenas, até milhares de quilômetros para se juntarem ao coronel no fim de semana. Alguns ele conheceu desde seus dias nas Forças Especiais no Vietnã, e outros ele conheceu em uma variedade de campos de batalha ao longo do caminho.

“A grande maioria das pessoas que conheço teve algum envolvimento, de uma forma ou de outra, com a revista. Alguns deles estiveram comigo na merda, outros eu conheço porque eles escreveram para nós, e há caras que conheci na luta pelos direitos sobre armas”, diz ele. “Eles são um grupo eclético.”

A edição de dezembro de 1982.

Embora muitos deles também se conheçam há anos, o elemento central da reunião é inegavelmente o coronel - frequentemente referido como RKB ou Maximus pelos amigos. Sua personalidade colorida chama a atenção e traz à tona uma mistura de admiração, respeito e afeto genuíno entre a "gangue de caras bonitos e rudes" ("gang of pretty gruff guys").

Talvez o amigo mais velho do grupo seja Robert Bernard, o médico do Exército que salvou a vida de Brown em 1969, quando ele foi gravemente ferido em um ataque de morteiro nas montanhas centrais do Vietnã. Conhecido como "Bac si" por seus amigos (que significa "médico" em vietnamita), o manso Bernard ainda mantém um olhar atento sobre a saúde do coronel.

“Ele nem sempre cuidou bem de si mesmo, então alguém tem que cuidar dele”, disse-me o homem de 77 anos. “Ele era o tipo de cara que você queria como comandante no Vietnã - ele realmente arriscava o pescoço pelas pessoas pelas quais estava encarregado - e é o tipo de cara que você deseja ter como amigo na vida. As coisas nunca são paradas com ele.”

Por 40 anos, Brown tem servido como uma figura inspiradora para um tipo específico de indivíduo diferenciado, seja lutando por uma causa ou por um preço, ou apenas procurando um pouco de aventuras em vários pontos quentes no mundo.

Distintivo de tecido da Soldier of Fortune.

Foi para caras como Bernard e sua geração que Brown inicialmente criou a Soldier of Fortune. Quando lançou a revista, esperava dar algo aos veteranos do Vietnã que voltavam para casa e se viam cuspidos e sendo chamados de "assassinos de bebês" pelos pacifistas anti-guerra.

“Muitos veteranos do Vietnã achavam que não recebiam o que mereciam, então eu queria promover o conceito de dar-lhes reconhecimento. Dissemos que nosso sangue era tão vermelho quanto qualquer pessoa que lutou na Primeira Guerra Mundial ou na Segunda Guerra Mundial ou na Coréia, mas esse não era o caso na sociedade da época”, diz Brown.

Mais tarde, o número de leitores se expandiu para incluir uma faixa mais ampla de aficionados por militaria, guerreiros frios e durões e uma boa parte dos jovens que mais tarde se juntariam às forças armadas inspirados pelos contos de coragem patriótica que leram em suas páginas.

“Foi a leitura da Soldier of Fortune, quando adolescente, que me inspirou a ingressar no Exército. Há muitos caras que vão te dizer isso”, diz Jerry Kraus, um agente de seguros de 50 anos do Colorado e editor de campo da Soldier of Fortune que se tornou uma espécie de braço direito do coronel e dirigiu de Boulder com ele para o fim de semana.

Brown diz que uma de suas lembranças mais queridas é uma cópia assinada do livro Sniper Americano de Chris Kyle, na qual o atirador (que foi morto em 2013) agradece a Brown pela dedicação por inspirá-lo a ingressar nas forças armadas.

Mas os problemas enfrentados pelas editoras impressas à medida que os leitores cada vez mais se mudam para a Internet, além da questão de como manter uma revista relevante que nasceu na época da Guerra Fria e é voltada principalmente para homens que há muito recebem pensão, começaram a pesar sobre Brown.

Anúncios da Soldier of Fortune por volta dos anos 1980 abrangiam uma gama de (no sentido horário a partir do topo) um pôster de uma pinup armada e zarabatanas via correio, para classificados de mercenários e chamadas para lutar no Afeganistão.

“Obviamente, não estamos nem perto de onde estávamos durante nosso apogeu na década de 1980, mas trazemos um pouco de dinheiro e cobrimos os custos”, diz ele. Ainda assim, Brown agora se vê tendo que fazer muito mais do trabalho, já que ele é reduzido a apenas um associado, dois editores em meio período e um diretor de arte contratado de um pico de cerca de 50 funcionários no início dos anos 1980.

Isso tornou difícil para ele sair pelo mundo e fazer o que ele mais gosta de fazer - lutar. "Sabe, eu simplesmente não tenho tempo. Costumávamos ter muitas pessoas dirigindo o lugar. É difícil fazer tudo isso com apenas algumas pessoas e ainda ter tempo para sair por aí. Posso tentar ir para a Ucrânia ou o Curdistão em breve. Ainda tenho bons contatos nos dois lugares”, afirma.

Apesar do papel fundamental que a Soldier of Fortune desempenhou em sua vida ("é uma extensão de mim tanto quanto a Playboy é para o cara que anda de pijama o tempo todo"), Brown diz que tem negociado para trazer mais jovens parceiros ou até mesmo vender a revista.

Por 40 anos, Brown tem servido como uma figura inspiradora para um tipo específico de indivíduo diferenciado, seja lutando por uma causa ou por um preço, ou apenas procurando um pouco de aventuras em vários pontos quentes no mundo. Mas, com o passar do tempo e o mundo mudou, o coronel é o primeiro a admitir que o ethos agressivo da revista pode não ter o mesmo impacto hoje.

“Os veteranos do Vietnã envelheceram e penduraram a espada. Alguns morreram. A era Rambo - o que quer que tenha sido essa fase amorfa - não existe mais. Quem sabe o que era, mas havia algo lá. Claro, a Guerra Fria acabou e garantimos que temos a Guerra ao Terrorismo, mas não é a mesma coisa”, afirma. “Nunca seríamos capazes de fazer agora o que éramos capazes de fazer naquela época.”

Edição com matéria dedicada à Legião Estrangeira Francesa.

Em seus primeiros anos, a Soldier of Fortune publicou regularmente anúncios de recrutamento de página inteira para mercenários dispostos a lutar com o governo de supremacia branca da Rodésia contra guerrilheiros negros apoiados pelos comunistas. Isso levou alguns membros do Congresso a pedirem que a revista fosse investigada por possivelmente violar a Lei de Neutralidade (a revista acabou sendo inocentada de qualquer delito).

Editorialmente, a revista se concentrava fortemente em histórias de guerra e despachos em primeira pessoa, com correspondentes saindo para lutar e escrever sobre guerras nos cantos mais distantes do globo. As edições da década de 1970 apresentavam relatórios regulares sobre a situação em lugares como a Rodésia e Angola. No decorrer da década de 1980, o foco mudou para as guerras sangrentas da América Central e a luta entre os mujahideen e o exército soviético no Afeganistão. Na década de 1990, o foco tornou-se cada vez mais doméstico, com um ataque de artigos pró-Segunda Emenda que criticavam o governo Clinton e seus esforços de controle de armas. Na década seguinte, a revista voltou-se para contos da Guerra ao Terror e sobre os esforços para controlar as fronteiras dos Estados Unidos da América.

Embora seja inflexivelmente pró-militar e pró-polícia, a revista também suspeita profundamente dos exageros do governo, o que também a tornou popular entre os tipos antigovernamentais (o responsável pelo ataque à bomba de Oklahoma City Timothy McVeigh era assinante).

A revista continua a se concentrar em temas semelhantes, mas os artigos do campo de batalha agora são escritos com menos frequência pelo grupo improvisado de combatentes-jornalistas que separou a revista das demais anos atrás. A edição de junho trazia uma longa história sobre mercenários sul-africanos ("mercs" no jargão da Soldier of Fortune) que estavam indo para a Nigéria para lutar contra os combatentes islâmicos radicais do Boko Haram, mas o artigo foi reproduzido de um site que publica artigos acadêmicos. Um relato em primeira pessoa sobre a incorporação de combatentes curdos Peshmerga lutando contra o ISIS no Iraque foi reproduzido de um site político conservador.

Edição celebrando o filme "Rambo 2: A Missão" e a "revanche" dos veteranos do Vietnã.

No seu auge, a revista vendia cerca de 150.000 exemplares nas bancas a cada mês (a edição mais vendida, com 182.000 exemplares, foi a edição de junho de 1985, cuja capa apresentava uma foto de Sylvester Stallone sem camisa disparando uma metralhadora M60 do filme Rambo 2: A Missão). As vendas têm variado muito ao longo dos anos, geralmente apresentando picos quando os EUA entram em guerra. Brown diz que sempre foi difícil ter uma noção exata de quantas pessoas liam a revista, porque um único exemplar pode ser distribuído dentro de um pelotão inteiro. Ele se recusa a discutir a circulação atual e a revista não é auditada de forma independente. Ele reconhece ser "analfabeto tecnologicamente", mas diz que tem conseguido ajuda para melhorar o site antiquado da Soldier of Fortune e sua presença nas redes sociais.

“Minha amiga é quem melhor conhece o que se passa no Facebook e no site. Tivemos muitas experiências ruins com pessoas nos ajudando a tentar construir o site, e todas elas acabaram sendo inferiores ou incompetentes”, diz ele. "Temos crescido online. No Facebook, agora temos mais de 850.000 curtidas."

"A revista é Bob, e Bob é a revista. Nunca seria a mesma coisa sem ele."

Soldier of Fortune, chamado de "obra-pima" em resenha.
(Arte de Dakota Lee)

O licenciamento também se mostrou lucrativo ao longo dos anos, com o nome da revista sendo usado para uma série de vídeo games de sucesso, um programa de televisão de curta duração e uma série de romances com temas militares.

Trailer do jogo Soldier of Fortune (2000)


O jogo foi aclamado pela qualidade da violência, com desmembramentos e muito sangue, além da história e personagens - que incluía até mesmo o Saddam Hussein (abaixo, à esquerda).

Talvez a mudança mais clara tenha sido a publicidade. No início, a Soldier of Fortune apresentava dezenas de listas classificadas de mercenários de aluguel itinerantes. Eram comuns anúncios como “Ex-fuzileiro naval busca emprego como mercenário, em tempo integral ou com contrato de trabalho. Preferência pela América do Sul ou Central, mas todas as ofertas são consideradas”. Na década de 1980 e no início dos anos 90, a revista passou anos lutando contra vários processos judiciais multimilionários movidos por famílias de pessoas alvejadas ou mortas por pistoleiros contratados por meio de suas páginas. Todos foram resolvidos ou tiveram seus enormes prêmios do júri anulados na apelação.

“Eles realmente processaram a revista, não os casos. Dois caras se conhecem por meio da revista, mantêm uma relação amigável há seis meses, não conversam sobre nada ilegal. Mas então, seis meses depois, eles concordam em cometer esse crime horrendo. Bem, se eles se encontrarem em um bar e seis meses depois disserem: 'Vamos roubar um banco', o barman deve ser responsabilizado? Foi uma porcaria total”, diz ele.

Apesar de tudo, a revista parou de receber esse tipo de anúncio em 1985. Mas seus classificados continuaram a oferecer de tudo, desde estrelas shuriken e bastões nunchakus a pôsteres de G. Gordon Liddy segurando uma Uzi. Os anúncios agora tendem a ser mais parecidos com o que se espera de qualquer revista de armas, marketing de revólveres, fuzis, roupas de caça e acessórios para armas. No início da década de 1980, a revista regularmente chegava a 110 páginas. Em meados da década de 2000, havia caído para 82. Nos últimos anos, o número diminuiu para 64.

“Isso nunca foi apenas um empreendimento lucrativo para mim”, diz Brown. “Se tivesse sido, eu teria feito muito mais.”

Classificado oferecendo 100 mil dólares para o primeiro piloto comunista que desertasse com um avião de capacidade química ou biológica.

Com o passar dos anos, o coronel rotineiramente investiu sua generosidade no financiamento de qualquer missão que a revista tivesse embarcado. Ele diz que pessoalmente gastou mais de US $ 300.000 em esforços de apoio para caçar prisioneiros de guerra que ele e muitos de seus leitores acreditavam terem sido deixados para trás após a Guerra do Vietnã. “E isso foi há 30 anos”, observa ele. A revista regularmente anunciava recompensas valiosas para qualquer um que quisesse entregar a prova de que os vietnamitas haviam usado armas químicas ou para pilotos nicaraguenses prontos para entregar um helicóptero intacto de construção soviética.

A revista também ajudou a arrecadar dinheiro para os combatentes mujahideen que anos depois se transformaram no Talibã e ajudou a dar origem a Osama bin Laden e à al-Qaeda. Brown disse que, com base nas informações que tinha na época, ele sentiu que tomou a decisão certa.

Propaganda para um fundo aos mujahideen afegãos lutando contra os soviéticos.

Mesmo que a revista não tenha mais o alcance cultural de antes, os amigos de Brown se preocupam com o fato do coronel não estar mais envolvido.

“A revista é Bob e Bob é a revista. Nunca seria a mesma coisa sem ele”, diz Gordon Hutchinson, um instrutor de armas de fogo e autor proveniente de Baton Rouge, na Louisiana, que conhece o coronel há uma década. “Nós nunca seríamos os mesmos sem ele. Isso é inaceitável.”

Depois de um longo dia atirando em fuzis de longo alcance, escopeta, armas semiautomáticas e um fuzil de precisão da época da Guerra Civil, chamado de "the heavy" ("o pesado"), o coronel sugere que o grupo dirija 30 milhas até Cimarron, Novo México, para jantar no St. James Hotel, de 144 anos. Repleto de história do Velho Oeste, o hotel já foi um ponto de parada regular para bandidos como Jesse James e o homem da lei Wyatt Earp.

Para aqueles que não o conhecem bem, é fácil presumir que Brown é um octogenário de postura que nunca superou a obsessão adolescente por grandes brinquedos que explodem. Mas enquanto ele mantém a corte na mesa de jantar, ele revela um lado mais sutilmente carismático, flertando inocentemente com a garçonete e a anfitriã e chamando a atenção de todos os que estão ao redor.

“Bob é um daqueles caras que, quando entra em uma sala, todo mundo meio que se vira. Ele tirará o boné para uma senhora. Ele é quase europeu em sua cortesia e maneiras, como um verdadeiro oficial e um cavalheiro”, diz Hutchinson. “Você não encontra muitas pessoas assim.”

Brown (à direita, a cavalo) na Soldier of Fortune com a equipe de veteranos que treinou a unidade de operações especiais dos Contras.

Brown é profundamente conservador, mas diz que geralmente não gosta de falar sobre política, embora quando o assunto sobre o candidato republicano Donald Trump seja mencionado, ele expresse rapidamente sua opinião.

“Trump é uma porra de pesadelo, e acho que seria terrível se ele escorregasse pra dentro. Só temo que ele vá puxar um Ross Perot para nós e concorrer como candidato de um terceiro partido, o que simplesmente entregará o páreo à [Hillary] Clinton. Isso me daria uma porra de um derrame."

Na década de 1990, a revista despejou muita tinta nas críticas a Bill Clinton, apresentando uma coluna regular chamada “Slick Willie Watch” ("Observatório do Willie Escorregadio").

A certa altura da noite, o coronel me puxa de lado para ter certeza de que vejo os buracos de bala que perfuram o teto de zinco do saloon do restaurante, as marcas indeléveis de mais do que alguns tiroteios bêbados do Velho Oeste.

“É difícil encontrar esse tipo de história viva”, diz ele. “Eu realmente não bebo mais. Acredite em mim, eu já bebi o suficiente para uma vida inteira." Mesmo assim, o coronel fez questão de deixar a arma no carro.

Brown me disse que é casado e tem filhos dos quais está afastado, mas que não quer falar sobre eles. "Eu simplesmente não vou lá."

100ª edição da Soldier of Fortune.
Tiragem especial de 148 páginas.

Quando o coronel vai pagar a conta, descobre que ela, junto com as contas do jantar de vários veteranos do grupo, já foi paga por Bruce Roberts, fã da revista proveniente da Dakota do Norte. Um guarda de segurança privada de uma instalação de gás com uma semelhança incrível com o músico country Charlie Daniels, Roberts nunca conheceu Brown antes deste fim de semana, mas se deu bem com ele quando eles se corresponderam sobre a compra de um livro de história militar de sua coleção.

“É simplesmente uma honra estar perto dele. Ele é realmente uma lenda. Eu li a revista quando era adolescente e sinto que conheço todos esses caras. É incrível conhecê-los”, diz ele.

Soldier of Fortune: Payback (2007).
O terceiro da série.

O cenário já é mais "atual", com miras avançadas e terroristas islâmicos.

Depois que a festa acaba, Brown volta ao meu carro para pegar sua arma, já que planeja voltar com outra pessoa. Ao sair, Brown passa o braço pelos ombros de Harry Claflin, um amigo de longa data que passou muitos anos na década de 1980 treinando tropas do governo em El Salvador em sua guerra contra os rebeldes comunistas.

"Obrigado, amigo, por ter vindo se divertir - não haverá muitos mais desses. Você sabe, a vida é uma merda e daí você morre."

Na manhã seguinte, Brown tenta reunir todos para uma foto de grupo antes de disparar uma rodada de trap shooting (modalidade de tiro).

“É como pastorear de gatos!” ele grita enquanto o grupo circula.

Depois que todos se alinham com suas escopetas, Brown sugere que eles segurem uma bala com a mão livre de uma forma que pareça que estão mostrando o dedo do meio para a câmera.

"Isso mesmo. The Wild Bunch cavalga de novo”, diz ele, referindo-se ao clássico faroeste de 1969 (Meu Ódio Será Sua Herança / The Wild Bunch), que é seu filme favorito.

Brown, que faz parte do conselho de diretores da NRA há três décadas, então sai para uma reunião de negócios.

“Vocês, rapazes, estão sozinhos. Divirtam-se atirando.”

Talvez a capa mais famosa da Soldier of Fortune, a edição de setembro de 1978 mostra reservistas rodesianos em patrulha com os seus distintos shorts e fuzis FAL.

Brown diz que teve a ideia para a revista enquanto viajava pela Rodésia (atual Zimbábue) quando ela estava sob o governo branco e recrutava mercenários para lutar contra as forças guerrilheiras negras.

Ele foi informado de que vários dos combatentes estavam indo para Omã depois de suas viagens para reprimir uma insurreição. Por curiosidade, Brown escreveu ao ministério da defesa de Omã, que lhe enviou um contrato. Em vez de se inscrever, Brown publicou anúncios em revistas de armas: “Quer ser mercenário no Oriente Médio? Envie $5. ” Em troca, ele enviaria o contrato.

“Recebi muitas respostas”, diz Brown. "A Newsweek descobriu isso e fez um artigo sobre meu anúncio, e ele simplesmente disparou. Eu estava recebendo respostas de pessoas em Bangladesh, Grécia - 'Estive no exército na Turquia por cinco anos; quero ser um mercenário. 'Eu percebi que estava no caminho certo.”

Com o dinheiro, nasceu a Soldier of Fortune.

Placa da Soldier of Fortune presenteada ao Tenente-Coronel Domingo Monterrosa, do Batalhão Atlacatl, no Museu Nacional de História no quartel de El Zapote, em El Salvador. O seu batalhão foi responsável pelo massacre de mais de 800 civis desarmados em El Mozote, em 1981.

Mas são caras como Claflin, que trabalhou com gente como Oliver North na luta contra o comunismo na América Central, que deram origem a teorias de que as origens da revista podem ter sido menos orgânicas.

Em um artigo de 1984 na Covert Action Information Bulletin, o escritor polêmico esquerdista Ward Churchill argumentou que a Soldier of Fortune era na verdade uma elaborada frente da CIA voltada para organizar soldados particulares para lutar nas batalhas dos EUA no período após a Guerra do Vietnã, pois enviar tropas americanas no exterior era politicamente problemático. Churchill observou que, durante anos antes do lançamento da revista, Brown regularmente se via em meio a situações em que a CIA desempenhava um papel. Churchill também apontou para o fato de que muitos dos redatores da revista há muito eram suspeitos de terem vínculos com a comunidade de inteligência. Brown tem duas palavras para a teoria de Churchill: "Besteira total".

O que não é besteira é que a necessidade de soldados altamente treinados, mas subempregados, fazerem propaganda de seus produtos ou de outra forma baterem arbustos para encontrarem bicos diminuiu nos últimos anos, à medida que o processo se tornou mais corporativo. Governos e empresas que trabalham em partes problemáticas do mundo agora podem simplesmente recorrer a grandes firmas de segurança privada, como a empresa outrora conhecida como Blackwater, que têm listas desses homens à mão. Além disso, após o colapso da União Soviética, o mercado foi inundado por dezenas de combatentes bem-treinados com pouco para fazer. Isso, junto com o envelhecimento dos leitores da revista, resultou em um público que talvez seja mais um jogador de poltrona do que um combatente ativo.

Edição de agosto de 1984.
Um dos artigos em destaque mencionando combates entre os tailandeses e os vietnamitas.

Brown tem concentrado cada vez mais sua energia nos últimos anos na luta pelos direitos sobre armas, e a revista às vezes se parece mais com um palanque da NRA do que com uma crítica militar pura. Mesmo assim, ele diz aos amigos que ainda tem muita luta pela frente.

“Quando vi o coronel pela última vez, ele me disse: 'Sabe, acho que ainda tenho mais uma guerra boa em mim'”, lembra Hutchinson. “Eu apenas olhei para ele e disse: 'Bob, você está louco? Você já esteve em todas as escaramuças, grandes e pequenas, incluindo algumas realmente estúpidas, até a época da Coreia. Por que você não dá um descanso?' Mas, honestamente, acho que o dia em que ele desistir é o dia em que ele morrerá."

Quando as festividades do fim de semana terminam e todos estão se preparando para a longa viagem de volta para casa, Brown me diz que não importa o que aconteça, ele não está preocupado.

“Você sempre permanecerá relevante, contanto que possa disparar uma arma.”

Lukas I. Alpert é repórter de mídia do Wall Street Journal, ex-correspondente em Moscou e autor do livro Kremlin Speak: Inside Putin's Propaganda Factory (O Kremlin fala: por dentro da fábrica de propaganda de Putin).

Entrevista com Tenente-Coronel Robert K. Brown da revista Soldier of Fortune:


Bibliografia recomendada:

Cães de Guerra.
Frederick Forsyth.

Leitura recomendada:






Os Boinas Verdes do Lodge Act, 18 de agosto de 2020.



Nenhum comentário:

Postar um comentário