Mostrando postagens com marcador Japão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Japão. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 4 de maio de 2022

FOTO: Soldados japoneses em Saigon

Soldados japoneses em Saigon, 1941.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 4 de maio de 2022.

Legenda original:

"1/10/1941 - Saigon, Indochina Francesa: Soldados japoneses, parte do primeiro contingente de forças adicionais do Exército e da Marinha Japonesas despachadas para a Indochina Francesa sob o Protocolo Franco-Japonês para Defesa Conjunta da Colônia Francesa esperam em um lugar não revelado na parte sul do país antes de seguir em frente. O Protocolo entrou em vigor em julho."

O império japonês se aproveitou da fraqueza da França após a invasão e ocupação alemã e ocupou a Indochina Francesa para abrir uma nova frente contra os chineses nacionalistas de Chiang Kai-shek e os britânicos em Burma.

domingo, 20 de março de 2022

FOTO: Vickers destruído na China

Um Vickers Mark E Tipo B chinês destruído em Suzhou, perto de Xangai, em maio de 1938.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 20 de março de 2022.

Esse Vickers destruído e abandonado é mais um dos muitos tanques usados pelos nacionalistas chineses durante a invasão japonesa iniciada em 1937. Outros veículos incluíram os Panzer I alemães, T-26 soviéticos, o velho Renault FT-17 francês, os tankettes CV-35 italianos e até mesmo carros anfíbios Vickers Carden Loyd.

Em 1935, o governo chinês comprou 20 tanques de torre única Vickers Mark E Tipo B, de um modelo padrão. No ano seguinte foram comprados mais 4, equipados com rádios Marconi G2A em nicho de torre (ao contrário do que se costuma repetir em publicações, não eram tanques Mark F, nem sequer tinham cascos Mark F, o que fica evidente nas fotos).

Vickers Mark E capturado pelos japoneses em Xangai, 22 de agosto de 1937.
A torre apresenta furos e antena de rádio.

Os tanques chineses Mark E foram distribuídos entre o 1º Batalhão Blindado em Xangai (3 tanques, com 29 tanques anfíbios VCL Modelo 1931) e o 2º Batalhão Blindado em Xangai (17 tanques Mk.E junto com 16 de outros modelos).  No total, essas unidades tinham 30 tanques cada – os outros 40 veículos eram quase certamente os outros tipos vendidos pela Vickers. Ambos os batalhões foram intensamente utilizados na luta contra os japonesas em Xangai, entre 13 de setembro e 9 de novembro de 1937. No entanto, os tanques foram empregados em combates urbanos e as tripulações chinesas eram mal-treinados, o que os levou a sofrer grandes perdas - cerca de metade dos tanques foram perdidos no total. Mesmo com as ruas às vezes estreitas de Xangai, todos os tanques Vickers vendidos para a China eram bastante pequenos e não teriam problemas em trafegar por Xangai. No entanto, ao empregar seus tanques, os chineses deixaram de isolar as ruas adjacentes, o que significava que os japoneses poderiam flanqueá-los e destruí-los.

Evidências fotográficas indicam que os veículos foram destruídos por canhões anti-carro ou tanques japoneses, que poderiam perfurar diretamente a torre do Mark E Tipo B. Com apenas 25,4mm de blindagem rebitada, não é surpresa que eles tenham sido colocados fora de ação com tanta frequência. Peter Harmsen, no livro Shanghai 1937: Stalingrad on the Yangtze, relata um incidente em 20 de agosto de 1937, na frente de Yangshupu. O General Zhang Zhizhong estava inspecionando um número desconhecido de tanques e conversou com um jovem oficial tanquista. O oficial reclamou que o fogo inimigo era muito feroz e que a infantaria não conseguia acompanhar os tanques. Logo após essa discussão, os tanques iniciaram um ataque, mas todos foram destruídos por projéteis disparados principalmente pelos navios japoneses ancorados no rio Huangpu.

Soldados japoneses posando com um Vickers Mark E capturado em Xangai, 1937.

Depois que a força blindada chinesa foi na maior parte destruída nas batalhas de Xangai e Nanquim, novos tanques, carros blindados e caminhões da União Soviética e da Itália tornaram possível criar a única divisão mecanizada do exército, a 200ª Divisão "Divisão de Ferro", aconselhada e organizada pelos soviéticos.

Os tanques Vickers Mark E restantes foram reunidos em um batalhão e incluídos na 200ª Divisão mecanizada, formada em 1938, a qual consistia em um regimento de tanques e um regimento de infantaria motorizado, e equipado com o tanque leve soviético T-26. Esta Divisão sofreu pesadas perdas em uma contra-ofensiva em Nanquim e na passagem de Kunlun em 1940, perdendo a maior parte do seu equipamento. O destino detalhado dos tanques Vickers Mk.E não é conhecido.

Cartão postal japonês mostrando um Vickers Mark E Tipo B capturado em Xangai.

Bibliografia recomendada:

China's Wars: Rousing the Dragon 1894-1949,
Philip Jowett.

Leitura recomendada:

quinta-feira, 10 de março de 2022

ARTE MILITAR: Santa Javelin-chan

Santa Javelin da Ucrânia,
por Grzegorz1996.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 10 de março de 2022.

Versão mangá da Santa Javelin, protetora da Ucrânia, pelo artista Grzegorz1996 (link para o site da Artstation). A auréola contém a inscrição Slava Ukraini (Glória à Ucrânia).

Mangá é um estilo de desenho japonês, com os olhos grandes e expressivos. Esse tipo de estilo prima pelo detalhe e boa aparência dos ambientes e personagens.

Da Wikipedia:

"Metáforas visuais são usadas ​​para simbolizar o estado emocional ou físico de um protagonista. Os personagens têm, frequentemente,olhos grandes , o que reforça a expressividade do rosto. A surpresa é muitas vezes traduzido pela queda do personagem. Os olhos grandes tem sua origem em capas de revistas shoujo de Junichi Nakahara e na influência da Walt Disney Pictures no estilo de Osamu Tezuka. No mangá, é comum o uso de numerosas linhas paralelas para representar o movimento."

A palavra "mangá" vem da palavra japonesa 漫画, (katakana: マンガ; hiragana: まんが) composto pelos dois kanji 漫 (homem) que significa "extravagante ou improvisado" e 画 (ga) que significa "imagens". O mesmo termo é a raiz da palavra coreana para quadrinhos, "manhwa", e a palavra chinesa "manhua".


Leitura recomendada:

terça-feira, 15 de fevereiro de 2022

O filho do General Percival refaz queda de Cingapura

O brigadeiro aposentado James Percival no Battlebox em Fort Canning na segunda-feira, onde seu pai, o Tenente-General Arthur Ernest Percival, comandante das Forças Aliadas que defendem a Malásia e Cingapura, decidiu se render aos japoneses em 15 de fevereiro de 1942.
O brigadeiro posa ao lado de figuras de cera, incluindo a de seu pai.
(
FOTO ST: KELVIN CHNG)

Por Vanessa Liu, The Straigths Times, 7 de fevereiro de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 15 de fevereiro de 2022.

O filho do tenente-general visita o bunker da Segunda Guerra Mundial, onde seu pai decidiu desistir da luta com o Japão.

Quase 77 anos desde que o comandante das Forças Aliadas que defendiam a Malásia e Cingapura - o Tenente-General Arthur Ernest Percival - entregou Cingapura aos japoneses, seu filho, o brigadeiro aposentado James Percival, retornou ao Battlebox na segunda-feira.

O antigo centro de comando subterrâneo britânico foi onde a importante decisão foi tomada em 15 de fevereiro de 1942.

Percival, 81 anos, foi acompanhado por sua esposa Ann, 75 anos, assim como sua filha e genro, em uma visita pessoal ao local histórico construído em 1936 e localizado 9m abaixo de Fort Canning Hill.

Ele recebeu uma visita guiada ao local por funcionários da Singapore History Consultants (SHC), uma consultoria privada de patrimônio que administra o Battlebox, bem como seu diretor Jeya Ayadurai.

A turnê de 75 minutos, intitulada The Battlebox Tour: A Story Of Strategy And Surrender, detalha as principais razões para a queda da Malásia e Cingapura para os japoneses, bem como os papéis e funções desempenhadas na guerra pelas várias salas principais do Battlebox.

Percival, que visitou o bunker pela última vez há mais de 20 anos, disse: "Minha memória (do bunker subterrâneo) é que você tinha a ideia de estar em campo na época, mas não era tão desenvolvido tanto quanto é agora."

"O retrato da campanha é infinitamente melhor agora do que quando eu estava aqui antes. É totalmente diferente. É mais abrangente e acho que é uma avaliação mais justa do que aconteceu antes."

O tenente-general Arthur Ernest Percival (à direita) e outros oficiais britânicos a caminho da Ford Factory em Bukit Timah em 15 de fevereiro de 1942, para se render, marcando o início da ocupação japonesa.
(FOTO: ARQUIVO NACIONAL DE CINGAPURA)

"O retrato da campanha é infinitamente melhor agora do que quando eu estive aqui antes. É totalmente diferente. É mais abrangente e acho que é uma avaliação mais justa do que aconteceu antes."

A SHC assumiu a gestão do Battlebox em 2013. Ele foi reaberto em fevereiro de 2016 após esforços para resolver problemas de manutenção e estruturais com o local.

Ayadurai disse: "Quando assumimos a tarefa de reorganizar o Battlebox, a intenção era ser o mais imparcial possível e deixar a história falar, e garantir que os cingapurianos tenham uma apreciação mais verdadeira em relação aos incidentes que levaram à queda de Cingapura.

“Como um país jovem, agora estamos começando a apreciar essa história e ter o filho do General Percival vindo aqui em turnê e dizendo que sentiu que esta era uma história imparcial – foi muito bom ouvir isso dele."

A visita dos Percivals ao bunker subterrâneo coincidiu com o Bicentenário de Cingapura, o 200º aniversário do desembarque de Sir Stamford Raffles em Cingapura. Percival disse que ao saber que ele e sua esposa estavam voltando para Cingapura, sua filha e seu marido decidiram que iriam se juntar a eles.

Ele disse sobre seu pai, que morreu em 1966: "Eu sempre fiquei triste, ao longo da minha vida, que meu pai teve que suportar todo o peso da rendição. Quando um evento como este acontece, é da natureza humana que alguém tenha tem que ser responsável por isso.

"É fácil dizer que o General Percival foi responsável pela rendição da Malásia e Cingapura. Ele não foi. Houve muitos fatores que levaram à rendição de Cingapura. E ele foi um bode expiatório."

A entrada no Battlebox é apenas através de visitas guiadas. Para mais informações, visite o site oficial do Battlebox em www.battlebox.com.sg.

Kings and Generals: A queda de Cingapura

quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Lançamento do novo submarino japonês Hakugei


A Kawasaki Heavy Industries bateu a quilha do submarino Hakugei S514, no Estaleiro de Kobe, em 14 de outubro de 2021. O S514 trata-se da segunda unidade da classe Taigei de submarinos diesel-elétricos (SSK) de ponta destinados à Força Marítima de Autodefesa do Japão (JMSDF).

O submarino Hakugei tem um comprimento de 84,0 m, uma quilha de 9,1m e um calado de 10,4m; com um deslocamento de 3.000 toneladas. Este novo submarino é movido por propulsão diesel-elétrica usando baterias de íon-lítio, como é o caso com o décimo primeiro e o décimo segundo submarinos da classe Sōryū (Ōryū e Tōryū). O armamento consiste em seis tubos de torpedo HU-606 de 21 pol. (533mm) capazes de lançar torpedos Tipo 89 e mísseis anti-navio Harpoon.

A classe Taigei (29SS) é a sucessora dos submarinos da classe Sōryū. O projeto do submarino da classe Taigei é muito semelhante ao do submarino da classe Sōryū, mas será 100 toneladas mais pesado do que seu antecessor.

segunda-feira, 23 de agosto de 2021

GALERIA: Crânio de um sniper japonês decorado pela 1ª Divisão de Fuzileiros Navais

Crânio de um sniper japonês tomado na Batalha de Guadalcanal, 1942.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 23 de agosto de 2021.

Durante a Segunda Guerra Mundial, foi comum que militares dos Estados Unidos mutilassem militares japoneses mortos na campanha do Pacífico. A mutilação de soldados japoneses incluiu a retirada de partes do corpo como troféus e lembranças de guerra. Dentes e crânios eram os "troféus" mais comuns, embora outras partes do corpo também fossem coletadas.

O fenômeno da "obtenção de troféus" foi bastante difundido para que a discussão a seu respeito aparecesse com destaque em revistas e jornais. O próprio Franklin Roosevelt teria recebido um abridor de cartas feito do braço de um soldado japonês pelo representante dos EUA Francis E. Walter em 1944, o qual Roosevelt mais tarde ordenou que fosse devolvido, pedindo seu enterro adequado. A notícia também foi amplamente divulgada ao público japonês, onde os americanos foram retratados como "desajustados, primitivos, racistas e desumanos". Isso, agravado por uma foto anterior da revista LIFE de uma jovem com um crânio presenteado como troféu, que foi reimpresso na mídia japonesa e apresentado como um símbolo da barbárie americana, causando choque e indignação nacionais. 

"Lembra da caveira?"
Caveira com a foto do sargento fuzileiro naval John Shough.

O recorte da história e alguns dentes coletados com coroas metálicas.

Snipers sempre foram alvo de retaliações quando capturados, geralmente mortos a tiros na hora, ou torturados e mortos. Isso aconteceu em todas as frentes. Os snipers japoneses eram particularmente odiados por questões raciais e pela selvageria da guerra no Pacífico - por vezes descrita como "barbarismo medieval" - o que explica todo o trabalho em fazer desse sniper japonês em particular um troféu tão requintado. A coleta de pedaços humanos de forma generalizada, especialmente crânios e dentes, foi específica do Pacífico visando japoneses.

O recorte acompanhando o crânio japonês descreve a história:

O sargento de recrutamento fuzileiro naval John Shough, de Springfield, segura o crânio de um sniper japonês que foi morto em Guadalcanal 20 anos atrás durante a Segunda Guerra Mundial.

Antes que o sniper japonês fosse plotado amarrado no alto de uma árvore, ele matou um jovem fuzileiro naval que ganhara um nome e tanto durante a luta. Para vingar sua morte, outros fuzileiros navais de seu grupo decapitaram o sniper e em seu crânio pintaram o emblema da Primeira Divisão de Fuzileiros Navais e a bandeira americana.

Hoje, o Corpo de Fuzileiros Navais está tentando encontrar alguém que se lembre do fuzileiro naval não-identificado. Ele deseja conferir postumamente várias medalhas ao jovem fuzileiro naval.

O crânio japonês, devolvido a este país por um oficial fuzileiro naval após a batalha de Guadalcanal, passou por estações de recrutamento dos Fuzileiros Navais da Costa Oeste, para o Sudoeste, Montanhas Rochosas e agora para o Centro-Oeste. Até hoje, ninguém se lembra do nome do fuzileiro naval.

Foto da semana na revista LIFE em 22 de maio de 1944. A legenda original diz:
"A operária do Arizona escreve ao namorado da Marinha um bilhete de agradecimento pela caveira japa que ele lhe enviou".

Em 22 de maio de 1944, a revista LIFE publicou a foto de uma garota americana com uma caveira japonesa enviada a ela por seu namorado oficial da marinha. A legenda da imagem dizia: "Quando ele se despediu de Natalie Nickerson, 20, uma operária de guerra de Phoenix, Arizona, dois anos atrás, um grande e bonito tenente da Marinha prometeu a ela um japa. Na semana passada, Natalie recebeu um crânio humano autografado por seu tenente e 13 amigos, e escreveu: "Este é um bom japa - um morto apanhado na praia da Nova Guiné." Natalie, surpresa com o presente, chamou-o de Tojo; o apelido depreciativo do soldado japonês pelos americanos, por conta do general japonês Hideki Tojo. As cartas que a LIFE recebeu de seus leitores em resposta a esta foto foram "esmagadoramente condenatórias" e o Exército instruiu seu Bureau de Relações Públicas a informar aos editores americanos que "a publicação de tais histórias provavelmente encorajaria o inimigo a fazer represálias contra americanos mortos e prisioneiros-de-guerra". O oficial subalterno que enviou o crânio também foi encontrado e oficialmente repreendido, mas isso foi feito com relutância e a punição não foi severa. A imagem foi amplamente reproduzida no Japão como propaganda anti-americana.

A foto da LIFE também levou as forças armadas americanas a tomarem novas medidas contra a mutilação de cadáveres japoneses. Em um memorando datado de 13 de junho de 1944, o JAG do Exército afirmou que "tais políticas atrozes e brutais" além de serem repugnantes também eram violações das leis da guerra, e recomendou a distribuição a todos os comandantes de uma diretriz indicando que "os maus-tratos a inimigos mortos de guerra eram uma violação flagrante da Convenção de Genebra de 1929 sobre Doentes e Feridos, que estabelecia que: Após cada confronto, o ocupante do campo de batalha deve tomar medidas para procurar os feridos e mortos e protegê-los contra a pilhagem e os maus-tratos." Além disso, tais práticas violavam as regras não escritas dos costumes da guerra terrestre e podiam levar à pena de morte. O JAG da Marinha refletiu essa opinião uma semana depois, e também acrescentou que "a conduta atroz da qual alguns militares americanos eram culpados poderia levar a retaliação por parte dos japoneses, o que seria justificado pelo direito internacional".

Para a religião xintoísta, que atribui um valor emocional muito maior ao tratamento de restos mortais humanos, o choque e indignação contribuiu para uma preferência pela morte em vez da rendição e da ocupação.

"A ideia do crânio de um soldado japonês se transformar em um cinzeiro americano era tão horrível em Tóquio quanto a ideia de um prisioneiro americano usado para a prática de baioneta em Nova York."

Edwin P. Hoyt, Japan's War: The Great Pacific Conflict, 1987, pg. 358.

Cozimento de crânio:

Crânios valiam em torno de 35 dólares em dinheiro, uma soma considerável na época, ou eram trocados por outros itens com marinheiros e outros não-combatentes. Eles também eram enviados para civis nos Estados Unidos.

Em 1944, o poeta americano Winfield Townley Scott estava trabalhando como repórter em Rhode Island quando um marinheiro exibiu seu troféu de caveira na redação do jornal. Isso levou ao poema The U.S. sailor with the Japanese skull (O marinheiro americano com a caveira japonesa), que descreveu um método de preparação de crânios para a retirada de troféus, no qual a cabeça é esfolada, rebocada por uma rede atrás de um navio para limpá-la e poli-la, e no final esfregado com soda cáustica.

Vários relatos em primeira mão, incluindo os de soldados americanos, atestam a tomada de partes de corpos como "troféus" dos cadáveres de tropas imperiais japonesas no Teatro do Pacífico durante a Segunda Guerra Mundial. Os historiadores atribuíram o fenômeno a uma campanha de desumanização dos japoneses na mídia dos Estados Unidos, a vários clichés racistas latentes na sociedade americana, à depravação da guerra em circunstâncias desesperadoras, à crueldade desumana das forças imperiais japonesas, desejo de vingança ou qualquer combinação desses fatores.

A prática era tão difundida que "ação disciplinar severa" contra a retirada de lembranças de restos humanos foi ordenada pelo Comandante-em-Chefe da Frota do Pacífico já em setembro de 1942. Em outubro de 1943, o Alto Comando americano expressou preocupação com os recentes artigos de jornal cobrindo a mutilação de mortos por americanos. Os exemplos citados incluem um em que um soldado fez um colar de contas usando dentes japoneses e outro sobre um soldado com fotos mostrando os passos na preparação de um crânio, envolvendo cozinhar e raspar as cabeças japonesas. 

De acordo com o fuzileiro naval Donald Fall, o primeiro relato de soldados americanos usando orelhas de cadáveres japoneses ocorreu no segundo dia da Campanha de Guadalcanal em agosto de 1942 e ocorreu depois que fotos dos corpos mutilados de fuzileiros navais na Ilha Wake foram encontrados em pertences pessoais de engenheiros japoneses:

"No segundo dia de Guadalcanal, capturamos um grande bivaque japonês com todos os tipos de cerveja e suprimentos... Mas eles também encontraram muitas fotos de fuzileiros navais que foram cortados e mutilados na Ilha Wake. E logo em seguida estão fuzileiros navais andando por aí com orelhas japonesas presas em seus cintos com pinos de segurança. Eles emitiram uma ordem lembrando os fuzileiros navais de que a mutilação era uma ofensa de corte marcial... Você entra em um estado de espírito sórdido em combate. Você vê o que foi feito com você. Você encontraria um fuzileiro naval morto que os japoneses prenderam em uma booby-trap [armadilha explosiva]. Encontramos japoneses mortos com armadilhas explosivas. E eles mutilaram os mortos. Começamos a descer ao nível deles."

Ódio e desejo de vingança costumavam ser citados; no entanto, alguns dos fuzileiros navais americanos que estavam prestes a participar da Campanha de Guadalcanal já estavam, enquanto ainda a caminho, ansiosos para coletar dentes de ouro japoneses para colares e preservar as orelhas japonesas como souvenires.

Crânio decorado com a inscrição:
"Sniper japa morto, que peninha!"

O bilhete do museu diz:

Troféu de crânio japonês da Segunda Guerra Mundial decorado por um fuzileiro naval americano.
Não julgamos soldados de combate americanos. Eles tinham suas próprias razões para fazerem isto. Nós estamos exibindo estes artefatos únicos de modo que a História não se perca.
Este museu não censura a História!

Nos Estados Unidos, havia uma visão amplamente propagada de que os japoneses eram subumanos. Também houve raiva popular nos EUA com o ataque surpresa japonês a Pearl Harbor, ampliando os preconceitos raciais pré-guerra. A mídia americana ajudou a propagar essa visão dos japoneses, por exemplo, descrevendo-os como "pragas amarelas". Em um filme oficial da Marinha dos EUA, as tropas japonesas foram descritas como "ratos vivos que rosnam". A mistura de racismo americano subjacente, que foi adicionado à propaganda de guerra, ódio causado pela guerra de agressão japonesa e atrocidades japonesas (tantos as reais quanto as imaginárias), levou a um ódio geral pelos japoneses.

Segundo Niall Ferguson:

"Para o historiador que se especializou em história alemã, este é um dos aspectos mais preocupantes da Segunda Guerra Mundial: o fato de que as tropas aliadas frequentemente consideravam os japoneses da mesma forma que os alemães consideravam os russos - como Untermenschen."

Uma vez que os japoneses eram considerados animais, não é surpreendente que os restos mortais japoneses fossem tratados da mesma forma que os restos mortais de animais. Em 1984, os restos mortais de soldados japoneses foram repatriados das Ilhas Marianas. Aproximadamente 60% não tinham o crânio. Da mesma forma, foi relatado que muitos dos restos japoneses em Iwo Jima não têm seus crânios. É possível que a coleção de lembranças de restos mortais japoneses tenha continuado até o período do pós-guerra imediato.

Eugene Sledge, em seu livro With the Old Breed: At Peleliu and Okinawa (Com a Velha Raça: em Peleliu e Okinawa, 1981) relata alguns exemplos de companheiros fuzileiros navais extraindo dentes de ouro dos japoneses, incluindo um de um soldado inimigo que ainda estava vivo:

"Mas o japonês não estava morto. Ele estava gravemente ferido nas costas e não conseguia mover os braços; do contrário, ele teria resistido até o último suspiro. A boca do japonês brilhava com enormes dentes em forma de coroa de ouro, e seu captor os queria. Ele colocou a ponta de sua [faca] Ka-Bar na base de um dente e bateu no cabo com a palma da mão. Como o japonês estava chutando e se debatendo, a ponta da faca raspou no dente e afundou profundamente na boca da vítima. O fuzileiro naval o xingou e com um talho cortou suas bochechas de orelha a orelha. Ele colocou o pé no maxilar inferior do sofredor e tentou novamente. O sangue jorrou da boca do soldado. Ele fez um barulho gorgolejante e se debateu violentamente. Gritei: "Acabe com o sofrimento dele". Tudo que recebi como resposta foi um xingamento. Outro fuzileiro naval correu, colocou uma bala no cérebro do soldado inimigo e acabou com sua agonia. O caçador de tesouro resmungou e continuou retirando seus prêmios sem ser perturbado." (pg. 120)

Esta cena foi reproduzida, com mudanças de tom, na minissérie The Pacific:


Bibliografia recomendada:

Tower of Skulls:
A History of the Asia-Pacific War.
July 1937 - May 1942.
Richard B. Frank.

Leitura recomendada:



LIVRO: O Japão Rearmado, 6 de outubro de 2020.





sexta-feira, 16 de julho de 2021

Jogos de guerra e vitória no Pacífico


Por Michel Goya, La Voie de l'Épée, 13 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de julho de 2021.

Estamos em janeiro de 1908, um artigo na revista McClure's Magazine assinado por vários oficiais da Marinha dos EUA critica fortemente o design do encouraçado da classe dreadnought Delaware, o segundo dos quais, o North Dakota, está em construção. Esse projeto, eles criticam, foi concebido pelos técnicos do Gabinete do Departamento da Marinha sem nunca ter levado em consideração as opiniões dos operacionais e contém muitos erros de projeto. A polêmica chega ao presidente Theodore Roosevelt, fascinado por essas questões, que, a conselho do Almirante Williams Sims, então se dirige ao Naval War College (NWC) em Newport.  O NWC, a escola superior de guerra da Marinha dos Estados Unidos, regularmente praticava jogos de guerra, ou wargames, para treinar seus oficiais. Roosevelt então pede para testar o engajamento de combate do North Dakota. O resultado do jogo é definitivo e confirma o julgamento muito negativo da equipe operacional. A classe Delaware vai parar por aí, mas constata-se teriam pelo menos economizado uma quantidade colossal de dinheiro se tivessem pelo menos testado os conceitos antes de produzi-los.

Devido à desconfiança do Congresso, as forças armadas dos Estados Unidos não tinham nem um grande estado-maior combinado, nem mesmo um estado-maior de guerra e marinha. O Secretário de Estado da Marinha é auxiliado pelo comandante das divisões, incluindo operações e material, e por um gabinete geral de ex-almirantes para assessorá-lo. Compreende-se que o departamento é rapidamente abalado entre as rivalidades dessas três organizações, tudo em uma atmosfera do Entre-Guerras de redução de gastos e fortes restrições impostas pelos tratados navais. Nessas condições, não é fácil mudar uma organização que sabemos, no entanto, que provavelmente terá de travar batalhas gigantescas nos próximos anos. No entanto, a Marinha dos Estados Unidos conseguirá isso de maneira notável e o jogo de guerra terá muito a ver com isso. O NCW é então anexado à divisão de operações, futuro Escritório do Chefe de Operações Navais (Office of the Chief Naval OperationsOPNAV), onde é usado pela primeira vez como um corpo de reflexão e experimentação.

É uma revolução organizacional, na medida em que, como na medicina quase ao mesmo tempo, complementa-se o único julgamento pessoal dos chefes com os testes mais racionais possíveis. A partir de agora todos os planos concebidos pelo OPNAV, então de fato todos os problemas da Marinha dos Estados Unidos, como por exemplo os efeitos dos tratados navais, são filtrados a partir da experimentação ao mesmo tempo por exercícios de "tamanho real" no mar, insubstituíveis, porém raros, caros e sujeitos a fortes restrições de segurança e jogos no chão do War College em Newport com navios em miniatura e dados. Os americanos não são os únicos a praticar os grandes exercícios no mar ou no solo, os marinheiros japoneses em particular jogam muito, mas são os únicos a fazê-lo de forma sistemática e principalmente a jogar campanhas completas. De 1919 a 1941, foram 136 jogos simulando campanhas completas, quase todas no Pacífico contra o Japão, incluindo um mês inteiro para cada promoção do NWC. Existem também 182 jogos simulando apenas batalhas. Cada jogo decorre de acordo com um ciclo imutável: redação pelos alunos de uma ordem de operação a partir de uma ordem recebida, análise e crítica das ordens concebidas pelos alunos, escolha de uma ordem de operação que é jogada em dupla ação, e finalmente, uma análise aprofundada dos combates então transmitidas ao diretor.

Os benefícios são enormes em termos de treinamento. Os oficiais que saem do NCW têm um perfeito comando do uso das forças, principalmente as novas. O Almirante Raymond Spruance, por exemplo, fará um uso perfeito dos porta-aviões no Pacífico, sem nunca ter passado pela aviação naval ou ter comandado um porta-aviões. Eles conhecem bem o inimigo, cujos navios são representados com a maior precisão, mas também toda a geografia das áreas em que irão operar. Muitas vezes é esquecido no que diz respeito à qualidade das operações navais americanas na Guerra do Pacífico, apesar do ataque a Pearl Harbor ou dos reveses da campanha das Ilhas Salomão, mas a Marinha dos Estados Unidos não lutara na superfície desde 1898. O corpo de oficiais americano é o menos experiente de qualquer força naval da época. O Almirante Nimitz, comandante da Marinha no Pacífico durante a guerra, explicará que isso foi compensado pela simulação e que no final tudo o que aconteceu já havia sido jogado em Newport, exceto os kamikazes. Na verdade, ele estava se esquecendo da campanha submarina americana contra a marinha mercante japonesa que nunca havia sido jogada, pelo menos nessa escala.

É também por meio do jogo que o plano de campanha contra o Japão, o plano Orange (Laranja), foi continuamente refinado. A própria ideia mahaniana era então unir forças nas águas das Filipinas, então administradas pelos americanos, para destruir a frota de linha japonesa na região e então sufocar o Japão com um bloqueio das ilhas próximas. Foi neste contexto que se testou a utilização de porta-aviões, embora a frota ainda fosse muito pequena. Os jogos mostraram que os porta-aviões foram capazes de atacar relativamente em terra e destruir tudo no mar, exceto os encouraçados. Os americanos concluíram que há necessidade de uma marinha equilibrada combinando encouraçados e porta-aviões para o combate em alto mar, onde os japoneses, divididos, usarão de fato duas forças separadas, primeiro porta-aviões e depois encouraçados a partir de 1944, e os britânicos subordinam seus pequenos porta-aviões ao serviço dos navios de linha.

Mas uma frota americana equilibrada, onde os japoneses investem pesadamente em porta-aviões, pressupõe aceitar uma inferioridade numérica nessa área e de fato os americanos vão começar a guerra com 7 navios desse tipo contra 10 japoneses. Portanto, o retorno da experiência dos primeiros combates no chão conclui buscar soluções paliativas, como a construção de destróieres antiaéreos, a rápida conversão de navios mercantes em pequenos porta-aviões (estes serão porta-aviões de escolta da Batalha do Atlântico) e aproveitar ao máximo o espaço dos futuros porta-aviões para que transportem mais aeronaves do que os japoneses. Os jogos de campanha também são determinados para garantir que os porta-aviões americanos possam ser consertados e engajados novamente no combate mais rápido do que aqueles do adversário. Durante a Batalha do Mar de Coral em maio de 1942, os porta-aviões japoneses Shokaku e Zuikaku e o americano Yorktown foram danificados. Um mês depois, em Midway, os dois primeiros ainda estão em reparos, enquanto o terceiro é empregado. As consequências táticas e estratégicas são enormes. Os jogos de campanha também assustam os americanos pelo índice de perdas dos pilotos, por isso a Navy olha muito cedo para a questão do resgate no mar, mas também da capacidade de treinar maciçamente os pilotos, onde os japoneses que apenas simulam batalhas não fazem nada. Os jogos também destacam a importância crítica de detectar primeiro as forças inimigas e defendem o investimento em uma capacidade de reconhecimento de longo alcance baseada em aeronaves de patrulha marítima e submarinos de alcance.


Um jogo particularmente importante foi o do verão de 1933. Ele leva em consideração a fortificação japonesa das ilhas alemãs no Pacífico central e a provável tomada da ilha americana de Guam. O jogo é um desastre. A frota americana, conforme previsto pelo plano japonês, se vê assediada por submarinos e aviões de bases insulares japonesas. Desgastada e sem poder ser efetivamente apoiada por bases muito distantes, a frota americana não conseguiu derrotar a frota japonesa no mar das Filipinas. Conclui-se que devem primeiro tomar essas ilhas e depois usá-las como bases avançadas. Tudo isso também se reflete na estratégia de recursos. Para superar o que ainda não é chamado de negação de acesso, o Corpo de Fuzileiros Navais e a Marinha estão desenvolvendo uma frota específica de navios ou veículos anfíbios e considerando seu uso. Eles são os únicos no mundo naquela época e se pensarmos apenas nas ilhas do Pacífico, este grande desenvolvimento também permitirá que a Muralha do Atlântico seja tomada de assalto.

Nem tudo é perfeito neste processo de evolução lúdica. Na década de 1930, as regras do jogo eram tão sofisticadas que representavam 150 páginas, o que excluía qualquer apropriação pelos alunos e exigia a criação de um gabinete específico inteiramente dedicado ao jogo de guerra. Embora baseadas nos dados mais precisos possíveis, as regras são necessariamente aproximadas sobre novos fenômenos como o uso da aviação naval em combate, ainda que se perceba que elas constituíram, no entanto, as melhores expectativas na matéria. Na verdade, são principalmente os eventos geopolíticos que colocam as simulações em falta. Não simularam a guerra submarina irrestrita principalmente por medo de ofender o Reino Unido, cujos navios mercantes seriam, sem dúvida, as primeiras vítimas no Pacífico. Não imaginaram por um único segundo a rápida queda da França em 1940, que forçará uma parte imprevista do esforço naval americano a se transferir no Atlântico.

A questão é que os pequenos barcos de madeira ou metal de Newport, as mesas de tiro e os dados foram a força motriz por trás da transformação mais bem-sucedida das marinhas da era moderna. Testar ideias e coisas, isto é, como na ciência para ver se elas resistem à refutação, é mais eficaz do que o julgamento do dedo molhado das autoridades ou a tendência de simplesmente fazer a mesma coisa novamente, porém mais caro.

Vídeos recomendados:



Bibliografia recomendada:

A Guerra Aeronaval no Pacífico 1941-1945.
Contra-Almirante R. de Belot.

Leitura recomendada:


LIVRO: O Japão Rearmado, 6 de outubro de 2020.


sexta-feira, 4 de junho de 2021

LIVRO: Estrela Resplandecente, Sol Poente: A Campanha Guadalcanal-Salomão, novembro de 1942 a março de 1943

Pelo Dr. James Bosbotinis, The Naval Review, 4 de junho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 4 de junho de 2021.

O assunto deste livro atraiu imediatamente este revisor, e dadas suas 512 páginas, eu esperava um relato detalhado da campanha Guadalcanal-Salomão. Ao ler Blazing Star, Setting Sun, minhas expectativas certamente foram atendidas. O autor, Jeffrey Cox, advogado de litígio e historiador militar independente, com particular interesse na Guerra do Pacífico, escreveu um relato altamente detalhado dos meses cruciais entre o outono de 1942 e a primavera de 1943, que determinou o resultado campanha das Ilhas Salomão em si, e contribuiu significativamente para a derrota final do Japão.

Fuzileiros navais dos Estados Unidos desembarcando em Guadalcanal, 7 de agosto de 1942.

Cox escreveu anteriormente sobre a Batalha do Mar de Java (fevereiro de 1942) e a fase de abertura da campanha Guadalcanal-Solomão no verão de 1942, Blazing Star, Setting Sun continua a narrativa através da conclusão da Batalha de Guadalcanal e da Batalha do Mar de Bismarck em março de 1943.

Seguindo uma abordagem amplamente cronológica, o livro é dividido em oito capítulos com um prólogo e epílogo de apoio e apresenta notas de fim abrangentes e uma bibliografia valiosa. Uma seleção de mapas e uma seção fotográfica em preto e branco também estão incluídos. A profundidade da pesquisa que o autor empreendeu é muito clara em seu tratamento da campanha Guadalcanal-Salomão: Blazing Star, Setting Sun fornece um relato convincente e altamente legível da campanha, com a discussão abrangendo a grande estratégia até o nível tático.

O porta-aviões da Marinha dos Estados Unidos USS Enterprise (CV-6), visto de outro navio dos Estados Unidos, enquanto estava sob ataque de bombardeiros de mergulho japoneses durante a Batalha das Ilhas Salomão Orientais em 24 de agosto de 1942.

O detalhe fornecido pelo autor é louvável. Cox fornece uma análise ricamente detalhada da campanha Guadalcanal-Salomão e considera fatores como liderança, inovação doutrinária e tática, perspectivas contrastantes sobre a natureza da guerra naval (como a obsessão japonesa com a 'batalha decisiva'), o impacto da inteligência de comunicações (signals intelligenceSIGINT) e o impacto psicológico e os efeitos da guerra, por exemplo, no que diz respeito às consequências da Batalha do Mar de Bismarck e como as atrocidades japonesas definiram o contexto para os militares americanos se vingarem.

O capítulo final do livro enfoca a Batalha do Mar de Bismarck e fornece um valioso estudo de caso sobre a vantagem conferida pelo SIGINT, uma abertura à inovação e os efeitos operacionais e estratégicos da inovação tática.

Pilotos de caça zero do porta-aviões da Marinha Imperial Japonesa Zuikaku preparam-se para uma missão de Buin, Bougainville, Ilhas Salomão em 7 de abril de 1943. A missão era atacar aeronaves e navios aliados em Savo Sound entre Guadalcanal e Tulagi / Ilhas da Flórida.

Blazing Star, Setting Sun é um livro excelente; é muito bem escrito, profundamente envolvente e acessível. Existem alguns erros de digitação muito pequenos, mas eles não prejudicam a qualidade deste livro. Ele vai apelar para o leitor leigo e aqueles com um interesse acadêmico ou profissional na campanha Guadalcanal-Salomão, ou história naval mais ampla, estratégia marítima ou para usar o léxico contemporâneo, integração multi-domínio. A campanha das Ilhas Salomão foi travada no ar, na terra e no mar, e como Cox habilmente explica, o sucesso em cada domínio estava inextricavelmente ligado.

Este livro seria de especial valor para aqueles que estão na faculdade ou se preparando para ingressar na faculdade. Blazing Star, Setting Sun foi um prazer e uma leitura fascinante e terá um grande apelo para os membros da The Naval Review. É altamente recomendado.

Bibliografia recomendada:

US Marine versus Japanese Infantryman.

A Guerra Aeronaval no Pacífico 1941-1945.

Leitura recomendada:


LIVRO: O Japão Rearmado, 6 de outubro de 2020.



sábado, 29 de maio de 2021

Notas japonesas sobre a guerra na selva

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 29 de maio de 2021.

O seguinte relatório da inteligência militar dos EUA sobre táticas japonesas na guerra na selva foi publicado originalmente na revista Tactical and Technical Trends, nº 29, 15 de julho de 1943.

Tactical and Technical Trends (Tendências Táticas e Técnicas) era um periódico do serviço de inteligência americano (U.S. Military Intelligence Service), inicialmente bi-semanal e depois mensal, que foi publicado de junho de 1942 a junho de 1945.

Notas japonesas sobre a guerra na selva


Ao planejar seu treinamento para a guerra na selva, os japoneses estiveram cientes das grandes variedades de regiões selvagens do Leste Asiático e da região sudoeste do Pacífico. Os seguintes pontos sobre a guerra na selva, retirados de fontes japonesas, enfatizam certos métodos de guerra na selva aparentemente testados pela experiência japonesa.

A) O Avanço

Deixe alguma distância entre a unidade líder e o corpo principal e distribua os homens de ligação entre as unidades; embora seja melhor substituir a unidade a cada dia, o oficial que comanda a unidade líder não deve ser mudado.

O diagrama acima, reproduzido de um diário japonês, tinha a legenda: "Sugestão de formação para uma companhia avançando através da selva".

É essencial que a unidade líder inclua nos relatórios regulares ao comandante da retaguarda, o estado da trilha e o tipo de terreno.

Como há clareiras na selva, o oficial comandante deve avançar suas unidades por limites e correr de uma área para outra. A camuflagem de cada homem e de cada arma deve ser completa. Ao cruzar uma planície gramada, cubra tudo com grama. Se aviões inimigos aparecerem enquanto você estiver em uma clareira, fique quieto. Geralmente, os fuzileiros devem apoiar as armas pesadas. O mínimo é um pelotão de fuzileiros para uma companhia de metralhadoras e um para o pelotão de petrechos pesados do batalhão.

Ao acampar na selva, o cozimento deve ser feito em vários locais, bem longe da área do acampamento. Todas as fogueiras devem ser extintas imediatamente após o cozimento. Durante o avanço, a comunicação será por telefone e corredor. O rádio não será usado. A taxa de avanço será regulada pelas armas pesadas. A distância percorrida em um dia normalmente é de 3 a 5 milhas (5-8km).


B) O Ataque

Ao selecionar áreas de montagem para o ataque, tente dispersar as unidades e escolha locais que sejam naturalmente camuflados. A concentração da força principal no ponto de reunião para o ataque, deve ser feita à noite. Se houver fogo de artilharia inimiga, é importante que seja neutralizado antes que as unidades tomem suas posições. As unidades de ataque se moverão para a borda da floresta durante a escuridão, rastejando se necessário. Ao sinalizar, eles irão atacar as posições inimigas. Como é melhor para cada unidade de flanco fazer uma investida ao mesmo tempo, o momento do ataque deve ser coordenado.


Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:




Bem vindo à selva11 de julho de 2020.