quarta-feira, 25 de novembro de 2020

A Missão Militar Francesa no Japão 1867-69

A missão militar francesa antes de sua partida para o Japão, em 1866. Charles Chanoine está de pé no centro, Jules Brunet, sentado e de cobertura, é o segundo da direita pra esquerda.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 24 de novembro de 2020.

A Missão Militar Francesa no Japão de 1867-69 foi a primeira missão ocidental de treinamento militar no Japão. A missão foi formada por Napoleão III após um pedido do Xogunato japonês na pessoa de seu emissário para a Europa, Shibata Takenaka (1823-1877). O ministro francês das Relações Exteriores, Drouyn de Lhuys (1865-1881), transmitiu o acordo do governo francês para fornecer treinamento às forças armadas terrestres do Xogun.

"O caráter dos japoneses essencialmente os distingue de outros povos orientais... Devemos agir em relação a eles com boa vontade e dignidade, criticamente, mas com justiça; muitas vezes podemos apelar ao seu sentimento de honra e ao orgulho encontrado entre todos eles, mesmo entre as classes mais baixas... Eles são gays [alegres], animados e comunicativos; eles estão dispostos para nós, assim como para outros estrangeiros; seja qual for o desenvolvimento material do poder inglês neste país, eles [os japoneses] correm apenas para nós para reformas."

- General Léon Roches em carta de 1866 ao ministro francês Drouyn de Lhuys.

O General Léon Roches (1809-1901) foi o Cônsul-Geral da França em Edo, no Japão, de 1864 a 1868.

Filme japonês retratando a missão militar francesa


A missão consistia em 17 membros, sob a autoridade do Ministro da Guerra, General Jacques Louis Randon, cobrindo uma ampla gama de conhecimentos: quatro oficiais (representando infantaria, artilharia e cavalaria), dez graduados e dois cabos. A missão seria chefiada pelo capitão de estado-maior, Charles Sulpice Jules Chanoine, na época um adido do estado-maior militar de Paris.

Comandante da Missão

- Capitão Charles Sulpice Jules Chanoine, veterano das guerras na Argélia e na China, oficial da Legião de Honra.

Oficiais

- Charles Albert Dubousquet, tenente do 31º Regimento de Linha, instrutor de infantaria.

- Édouard Messelot, tenente do 20º batalhão de Chasseurs à Pied, instrutor de infantaria.

- Léon Descharmes, tenente do Regimento de Dragões da Guarda da Imperatriz, instrutor de cavalaria.

- Jules Brunet, tenente do Regimento de Artilharia Montada da Guarda, instrutor de artilharia.

Graduados

- Jean Marlin, sargento do 8 º Batalhão de Caçadores a pé, instrutor de infantaria.

- François Bouffier, sargento do 8 º Batalhão de Caçadores a pé, instrutor de infantaria.

- Henry Ygrec, sargento do 31º Regimento de Linha, instrutor de infantaria.

- Émile Peyrussel, sargento, Sub-Mestre da Escola de Equitação do estado-maior, instrutor de cavalaria.

- Arthur Fortant, sargento do Regimento de Artilharia Montada da Guarda, instrutor de artilharia.

- L. Gutthig, cabo, Corneteiro do Batalhão de Caçadores da Guarda.

- Charles Bonnet, sargento, Chefe Armeiro de Segunda Classe.

- Barthélémy Izard, sargento, Chefe Artífice do Regimento de Artilharia Montada da Guarda.

- Frédéric Valette, sargento, especialista em madeira.

- Michel, sargento, Engenheiro do 1 º Regimento de Engenharia.

- Jean-Félix Mermet, brigadeiro (cabo de cavalaria), especialista em aço.

O Xogun Tokugawa Yoshinobu em uniforme militar francês, cerca de 1867.

Oficiais franceses instruindo tropas do Xogun em Osaka, em 1867.

Treinamento de tropas japonesas do Bakufu pela Missão Militar Francesa, em 1867.

Treinamento de tropas japonesas pelos franceses, cerca de 1867.

A missão partiu de Marselha em 19 de novembro de 1866 e chegou a Yokohama em 14 de janeiro de 1867. Os militares foram recebidos no porto pelo General Léon Roches, Cônsul-Geral no Japão, e pelo comandante do Esquadrão do Extremo Oriente, o Almirante Pierre-Gustave Roze.

Retratos do Almirante Pierre-Gustave Roze, comandante do Esquadrão do Extremo Oriente, líder da expedição punitiva na Coréia de 12 de setembro a 12 de novembro de 1866.

O Almirante Roze (centro) e um quarto dos seus marinheiros, na fragata Guerrière, durante uma visita ao porto de Nagasaki, cerca de 1865.

A missão militar foi capaz de treinar um corpo de elite do Xogun Tokugawa Yoshinobu, o Denshūtai (伝習隊). O Denshutai era um corpo de tropas de elite do Bakufu Tokugawa durante o período Bakumatsu no Japão. O corpo foi fundado por Otori Keisuke com a ajuda da Missão Militar Francesa.

O corpo foi composto por 800 homens. Eles eram equipados com o avançado fuzil Enfield Pattern 1853 do tipo Minié, muito superior às armas de percussão Gewehr de alma lisa e aos mosquetes de mecha Tanegashima em dotação das outras tropas xogunais.

A cavalaria de estilo francês do Denshutai.

Samurai com o então moderno fuzil Enfield Pattern 1853 do tipo Minié.

Ōtori Keisuke (1833-1911), fundador do Denshutai.

Depois de entrar no exército de Tokugawa, Otori mostrou-se promissor como estudante, tornando-se rapidamente um instrutor chefe de táticas de infantaria. Depois de um período como aluno de Jules Brunet em Yokohama, aprendendo detalhes da tática de infantaria francesa, ele foi promovido a Magistrado de Infantaria (Hohei bugyō, 歩兵奉行), um posto equivalente a um general de quatro estrelas em um exército ocidental moderno. Otori usou seu status como um acadêmico respeitado de estudos ocidentais para tomar o passo bastante inesperado de fazer sugestões sobre a reforma do governo para o xogun.

Otori Keisuke (centro) em uniforme tradicional durante a Guerra Boshin.

A missão militar francesa atuou por pouco mais de um ano, antes que o Xogunato Tokugawa entrasse em guerra com as forças imperiais em 1868, na Guerra Boshin. A missão militar francesa foi então ordenada a deixar o Japão por decreto do recém-instalado Imperador Meiji em outubro de 1868.

Em contravenção ao acordo para que todas as potências estrangeiras permanecessem neutras no conflito, Jules Brunet e quatro de seus graduados (Fortant, Marlin, Cazeneuve, Bouffier) escolheram permanecer no Japão e continuar apoiando o Bakufu. Eles partiram para o norte do Japão com os restos dos exércitos do Xogunato, na esperança de realizar um contra-ataque.

O conflito continuou até a derrota final dos rebeldes na Batalha de Hakodate, em maio de 1869.

Soldados do Bakufu em uniforme ocidental em Ezo, 1869.

Conselheiros militares franceses e seus aliados japoneses em Hokkaido, República de Ezo, em 1869. 
Fila de trás: Cazeneuve, Marlin, Fukushima Tokinosuke, Fortant. Primeira fila: Hosoya Yasutaro, Jules Brunet, Matsudaira Taro (vice-presidente da República de Ezo), Tajima Kintaro.

Jules Brunet toma o lado dos revoltosos

"Uma revolução está forçando a Missão Militar a retornar à França. Sozinho eu fico, só quero continuar, sob novas condições: os resultados obtidos pela Missão, juntamente com o Partido do Norte, que é o partido favorável à França no Japão. Em breve uma reação acontecerá, e os Daimyos do Norte me ofereceram para ser sua alma. Eu aceitei, porque com a ajuda de mil oficiais japoneses e graduados, nossos alunos, posso dirigir os 50.000 homens da Confederação."

- Carta de Jules Brunet para o Imperador Napoleão III.

Jules Brunet (1838-1911) em Ezo, no final da Guerra Boshin em 1869.

Filho de um veterinário militar, Jules Brunet entrou na Escola Politécnica (École Polytechnique) em 1857, estudou ma escola de especialização (École d’application) de artilharia e engenharia. Aluno destacado, foi classificado brilhantemente  em 4º da sua turma, em 1861. Brunet ingressou no 3º Regimento de Artilharia e teve seu batismo de fogo na Expedição Mexicana (8 de dezembro de 1861 – 21 de junho de 1867), destacando-se ao ponto de receber a Legião de Honra (Légion d'Honneur) e ser admitido no Regimento de Artilharia à Cavalo da Guarda Imperial em 1864. Ele foi destacado para a Missão Militar Francesa no Japão em dezembro de 1866.

Soldado de Infantaria Japonesa do Bakufu em Osaka, 29 de abril de 1867, pintura de Jules Brunet. O soldado se chamava "Ootsuka Tsukataroo".

O então capitão Brunet, uma personalidade afável, comunicativa e animada, compreendeu rapidamente as sutilezas da cultura japonesa e cativou seus alunos de artilharia. Ele foi descrito como um homem de boa aparência e estatura elegante (1,85m). Ele se expressava bem, tendo um talento reconhecido como escritor, e desenvolveu gostos artísticos se destacando em desenhos que representavam cenas rotineiras no Japão da época reproduzidas por Okuda em "O Bakumatsu e a restauração em Hakodate".

Tropas do Bakufu perto do Monte Fuji em 1867, pintura de Jules Brunet.

Marinheiros japoneses no Chogei, 13 de maio de 1867, desenho de Jules Brunet.

Por sua parte, Brunet, imbuído de uma ética completamente militar, se recusa a voltar para continuar a "servir a causa francesa neste país", porque ele acreditava que era em sua honra não abandonar o xogun e seus fiéis samurais, irmãos de armas que ele havia instruído, escrevendo "eu decidi que, diante da generosa hospitalidade do governo xogunal, era necessário responder com o mesmo espírito". Demitiu-se do exército em 4 outubro de 1868 - embora Chanoine tenha recusado sua demissão - e se uniu aos revoltosos na República de Ezo.

A Guerra Boshin (1868-1869)

Após a derrota na Batalha de Toba-Fushimi (27 a 31 de janeiro de 1868), perto de Osaka, as tropas do shogunato fugiram para Edo (hoje Tóquio) no navio de guerra Fujisan. Quando Edo caiu, os rebeldes se exilaram em Hokkaido onde fundaram a República de Ezo.

Ilustração da Batalha de Toba-Fushimi, 1868. Encontro de Takasegawa, à direita está o Exército do Tokugawa com um membro da equipe de treinamento francesa instruindo os fuzileiros.

Brunet ajudou a organizar o exército de Ezo sob liderança híbrida franco-japonesa. Otori Keisuke era comandante-em-chefe e Brunet era o segundo em comando. Cada uma das quatro brigadas foi comandada por um oficial francês (Fortant, Marlin, Cazeneuve e Bouffier), com oficiais japoneses comandando cada meia brigada. Dois ex-oficiais da Marinha francesa, Eugène Collache e Henri Nicol se juntaram aos rebeldes, e Collache foi encarregado de construir defesas fortificadas ao longo das montanhas vulcânicas ao redor de Hakodate, enquanto Nicol foi encarregado de reorganizar a Marinha.

A Batalha Naval de Miyako

A República de Ezo também formou uma pequena força naval e franceses da marinha que também haviam se juntado aos rebeldes auxiliaram na sua constituição. A Batalha da Baía de Miyako, ocorrida em 6 de maio de 1869, foi o primeiro combate naval a vapor no Japão e foi a fase preliminar da Batalha de Hokadate.

A Marinha Imperial deslocou-se para o norte para uma possível invasão de Hokkaido, deixando Tóquio em 9 de março de 1869 e chegou ao porto de Miyako, norte de Sendai, em 20 de março. A frota possuía o Kōtetsu, um navio de guerra fabricado na França que pertenceu aos confederados e havia sido comprado nos Estados Unidos, o Kasuga, o Hiryū, o Teibo, o Yoshun e o Moshun. Apenas o Kōtetsu pertencia diretamente ao governo imperial, os outros eram fornecidos pelos domínios de Saga, Chōshū e Satsuma. Havia um total de oito navios: o Kōtetsu, o Kasuga, três pequenas corvetas e três navios de transporte.

O encouraçado imperial Kōtetsu, ex-CSS Stonewall.

Preparando-se para a chegada da frota imperial, os rebeldes organizaram um plano para abordar o tecnicamente revolucionário Kōtetsu e despacharam três navios de guerra para um ataque surpresa:

- o Banryu, que continha um corpo de elite dos Yugekitai (撃 撃), bem como um ex-oficial da marinha francesa chamado Clateau, responsável pelo canhoneio;

- o Takao (anteriormente chamado Aschwelotte), liderado por Eugène Collache, um ex-oficial da Marinha francês, que continha a bordo um corpo de elite dos Shinkitai (伸 木 隊)];

- o Kaiten, capitânea da Marinha da República de Ezo. Era liderado por Ikunosuke Arai e continha um corpo de elite do Shinsen Gumi comandado por Hijikata Toshizō, além do conselheiro militar francês Henri Nicol. Este último foi escolhido para o ataque porque ele era de Bordeaux, a cidade onde o Kōtetsu havia sido construído. Como resultado, Nicol conhecia as características técnicas deste navio revolucionário.

Para gerar surpresa, o Kaiten planejava entrar no porto de Miyako com uma bandeira americana, mas os navios foram confrontados com mau tempo. Incapaz de se mover a mais de 3 nós (5,6 km/h) devido a problemas de motor, a Takao ficou para trás, deixando Kaiten para lutar sozinho.

O Kaiten se aproximou dos navios inimigos e hastearam a bandeira da República de Ezo pouco antes de abordarem o Kōtetsu. Abalroando a sua proa no casco do Kōtetsu e abrindo fogo. Sua ponte, no entanto, acabou sendo três metros mais alta do que a do Kōtetsu. Os samurais foram, portanto, forçados a se revezarem pulando em uma rede. Recuperando o juízo após o choque da surpresa, a tripulação do Kōtetsu conseguiu repelir a abordagem com uma metralhadora Gatling, causando enormes perdas aos atacantes. A maioria dos samurais que se lançaram ao ataque morreram; Nicol foi atingido por duas balas e o comandante Gengo Koga, responsável pela abordagem, foi morto. Sua posição foi assumida pelo Almirante Ikunosuke Arai. Em ação, o Kaiten danificou três navios inimigos, mas finalmente teve que recuar sem capturar o Kōtetsu.

Ilustração japonesa da abordagem do Kōtetsu, do livro "A biografia do capitão Koga Gengo", 10 de março de 1933.

Perseguido por navios da Marinha Imperial (que começaram a aquecer seus motores antes mesmo do início da batalha), o Kaiten saiu da Baía de Miyako quando o Takao chegou. Mais tarde, ele conseguiu chegar a Hokkaido, mas o Takao foi, entretanto, muito lento para escapar de seus perseguidores e encalhou ao lado da Baía de Miyako. A tripulação desembarcou e afundou os destroços explodindo-os. Os 40 tripulantes (incluindo 30 samurais e também o ex-oficial francês Eugène Collache) conseguiram escapar por alguns dias, mas acabaram se rendendo às forças imperiais. Eles foram levados para Tóquio, julgados e presos. Embora o destino dos rebeldes japoneses seja desconhecido, sabe-se que Collache foi posteriormente perdoado e deportado para a França.

A Batalha da Baía de Miyako foi uma tentativa ousada, mas desesperada, das forças da República de Ezo de neutralizar o poderoso Kōtetsu. Este foi o primeiro caso de manobra de abalroamento no Japão. A Marinha Imperial continuou seu curso para o norte sem encontrar resistência e desembarcaram tropas em Hokkaido, iniciando a fase terrestre da Batalha de Hakodate.

A Batalha de Hakodate

A resistência final das forças xogunais da República de Ezo foi esmagada na Batalha de Hakodate. As forças Ezo, num total de 3.000, foram derrotadas por cerca 7.000 tropas imperiais; encerrando a Guerra Boshin. O Exército Imperial finalmente desembarcou na Ilha de Hokkaido em 9 de abril de 1869, e eliminou gradualmente as posições defensivas até chegar à fortaleza de Goryokaku e Benten Daiba perto do cidade de Hakodate.

Matsumaeguchi (em direção a Matsumae ao longo da costa), Kikouchiguchi. Das quatro rotas (em direção a Kikouchi pelas montanhas), Futamiguchi (de Otobe a Ono através da passagem 鶉/ Nakayama) e Yasuno Roguchi (de Otobe a Ochibe enfrentando a Baía Uchiura) começando a marcha em direção a Hakodate.

A nova frota do governo que venceu a Batalha do Mar de Miyakowan chegou a Aomori em 26 de março. Ela fretou o navio britânico Osaka e o navio americano Yancey para o transporte de tropas e estava pronta para viajar em alto mar no início de abril. 1.500 novos soldados do governo liderados pelo Almirante Akiyoshi Yamada deixaram Aomori em 6 de abril e desembarcaram em Otobe no início da manhã de 9 de abril. O exército rebelde despachou 150 membros de Esashi para evitar o desembarque, mas foram repelidos pelos soldados Matsumae do novo exército imperial que terminaram o desembarque. Enquanto os soldados do exército continuavam a escaramuça, cinco novos navios de guerra imperiais, centrados em Kasuga, começaram a atirar sobre Esashi. A torre de Esashi tentou contra-atacar, mas as balas não alcançaram o navio inimigo, e as forças do ex-Shogunato como Esashi e Shirojiro Matsuoka recuaram para a frente de Matsu.

Quando o exército imperial recuperou Esashi, 2.800 homens liderados pelo General Kiyotaka Kuroda desembarcaram ali em 16 de abril, com mais reforços desembarcando logo em seguida. Em 14 de abril, 400 membros do Kokutai, liderados por Genji Niseki, que partiram do clã Sendai, chegaram ao campo arenoso perto de Washinoki em um navio britânico e foram colocados na defesa de Muroran e Hakodate. Batalhas e incursões ao redor das fortificações se iniciam e continuarão até a rendição da fortaleza de Goryokaku.

O exército imperial perdeu 770 mortos e feridos, os rebeldes perderam 1.300 mortos, 400 feridos e 1.300 prisioneiros. No mar, os imperiais perderam um navio a vapor destruído e outro afundado, enquanto os rebeldes perderam 2 navios a vapor afundados, 3 navios a vapor destruídos e 3 navios a vapor capturados.

A fortaleza de Goryokaku, quartel-general do exército rebelde, era um forte estrela ao estilo de Vauban.

Visão panorâmica de Goryokaku hoje.

A batalha marcou o fim do antigo regime feudal no Japão e da resistência armada à Restauração Meiji. Depois de alguns anos na prisão, vários dos líderes da rebelião foram reabilitados e continuaram com carreiras políticas brilhantes no novo Japão unificado: Enomoto Takeaki em particular assumiu várias funções ministeriais durante o período Meiji.

O novo governo imperial, finalmente consolidado, estabeleceu numerosas novas instituições logo após o fim do conflito. A Marinha Imperial Japonesa, em particular, foi formalmente estabelecida em julho de 1869 e incorporou muitos dos combatentes e navios que haviam participado da Batalha de Hakodate. O futuro almirante Tōgō Heihachirō, herói da Batalha de Tsushima em 1905, participou da batalha como artilheiro a bordo do navio de guerra a vapor e remo Kasuga.

Hijikata Toshizo (31 de maio de 1835 - 20 de junho de 1869), o vice-comandante do Shinsen Gumi contra as forças imperiais e morto em combate na Batalha de Hakodate. Jules Brunet elogia a habilidade de Hijikata como líder, dizendo que se ele estivesse na Europa, certamente teria sido um general.

A romantização de Hakodate

Embora a Batalha de Hakodate tenha envolvido alguns dos armamentos mais modernos da época (navios de guerra a vapor e até mesmo um navio de guerra blindado, inventado apenas 10 anos antes com o primeiro blindado marítimo do mundo, o francês La Gloire), metralhadoras Gatling, canhões Armstrong, modernos uniformes e métodos de luta, a maioria das representações japonesas posteriores da batalha durante os poucos anos após a Restauração Meiji oferecem uma representação anacrônica de samurais tradicionais lutando com suas espadas, possivelmente em uma tentativa de romantizar o conflito ou minimizar a quantidade de modernização já alcançado durante o período Bakumatsu (1853-1868).

Embora a modernização do Japão seja geralmente explicada como começando com o período Meiji (1868), na verdade ela começou significativamente mais cedo por volta de 1853 durante os anos finais do xogunato Tokugawa (o período Bakumatsu). A Batalha de Hakodate de 1869 mostra dois adversários sofisticados em um conflito essencialmente moderno, onde a força a vapor e as armas desempenham o papel principal, embora alguns elementos do combate tradicional tenham permanecido claramente.

Grande parte do conhecimento científico e tecnológico ocidental já havia entrado no Japão desde cerca de 1720 por meio do rangaku, o estudo das ciências ocidentais, e desde 1853, o xogunato Tokugawa tinha sido extremamente ativo na modernização do país e na sua abertura à influência estrangeira. Em certo sentido, o movimento de Restauração, baseado na ideologia sonnō jōi foi uma reação a essa modernização e internacionalização, embora, no final, o Imperador Meiji tenha optado por seguir uma política semelhante sob o princípio Fukoku kyōhei ("país rico, exército forte"). Alguns de seus ex-apoiadores do clã Satsuma, como Saigō Takamori, se revoltariam contra essa situação, levando à Rebelião Satsuma em 1877.

Uma versão japonesa romantizada da Batalha de Hakodate, pintada por volta de 1880, autor desconhecido. (Sabre et Pinceau: Par d'autres Français au Japon, 1872-1960)

A carga de cavalaria retratado no quadro, com um navio a vela afundando em segundo plano, é liderada pelos líderes da rebelião xogunal, indicados da esquerda para a direita como Enomoto (Kinjiro) Takeaki, Ōtori Keisuke e Matsudaira Tarō. O samurai em vestes amarelas é Hijikata Toshizō, elogiado por Jules Brunet e que morreria na batalha. Soldados franceses são representados atrás da carga de cavalaria em calças brancas. As tropas imperiais com uniformes modernos estão à direita; as perucas de "urso vermelho" (赤 熊, Shaguma) indicam soldados de Tosa, perucas de "urso branco" (白熊, Haguma) para Chōshū, e perucas de "urso negro" (黒 熊, Koguma) para Satsuma, com um moderno navio de guerra a vapor ao fundo.

A Batalha de Hakodate também revela um período da história japonesa em que a França estava fortemente envolvida nos assuntos japoneses. Da mesma forma, os interesses e ações de outras potências ocidentais no Japão foram bastante significativos, mas em menor grau do que com os franceses.

Os Conselheiros Franceses

O grupo de conselheiros militares franceses, membros da 1ª Missão Militar Francesa no Japão e liderados por Jules Brunet, lutou lado-a-lado com as tropas do bakufu, que eles treinaram durante 1867-1868. Temendo maus-tratos nas mãos dos vencedores, especialmente em relação aos feridos (Cazeneuve sofreu um ferimento profundo na perna durante a batalha), Brunet e os oficiais franceses foram resgatados a tempo pelo navio francês Coëtlogon.

Os membros da missão francesa que seguiram seus aliados japoneses até Hokkaido já haviam se demitido ou desertado do exército francês antes de acompanhá-los. Embora tenham sido rapidamente perdoados ao retornar à França, para alguns, como Jules Brunet, que retomou uma carreira brilhante com apenas uma pequena perda de antiguidade, sua participação não foi premeditada ou politicamente guiada, mas sim uma questão de escolha e convicção pessoais.

Desembarcando em Yokohama após a Batalha de Hakodate, Jules Brunet foi preso pelas autoridades francesas por ordem do ministro Maximilian Utley e repatriado.

Oficialmente, a França parabeniza o Imperador por restaurar a ordem ao país, mas não concorda em entregar o oficial que ajudou os rebeldes, sob o pretexto de que está nas mãos de uma autoridade militar independente. De volta a Paris, Jules Brunet recebeu censura regulatória por interferir nos assuntos políticos de um país estrangeiro e seu ministério o afastou do corpo de oficiais ativos por "suspensão do emprego". Napoleão III aprovou esta sanção em 15 de outubro. A França está espalhando o boato de que Brunet, aprovado em conselho de guerra, foi demitido. Na verdade, Brunet foi formalmente repreendido, mas não na prática. Assim, a partir de 26 de fevereiro de 1870, cinco meses antes do Japão ficar oficialmente satisfeito com a punição, Brunet foi vice-diretor da fábrica de armas Châtellerault, nomeação que não constou do Diário Oficial. Ao mesmo tempo, ele contrai um belo casamento que lhe traz um dote de cem mil francos e seu ex-superior, o Capitão Chanoine, é sua testemunha. Em nenhum momento sua aventura japonesa o atrapalha. Seus esboços desenhados no México e no Japão também foram publicados no "Le Monde Illustré" naquela época.

Coronel Charles Sulpice Jules Chanoine da Sociedade de Geografia de Paris, em 1883. (Bibliothèque Nationale de France)

O Capitão Jules Chanoine, ex-comandante da missão e que não participou da revolta, foi adido militar em São Petersburgo e depois em Pequim, comandando a 1ª divisão de infantaria, permaneceu por muito tempo como general de brigada (quase oito anos), penalizado pela classificação da arma de cavalaria enquanto exercia um comando na infantaria. Tendo se tornado um general de divisão, ele será um dos efêmeros ministros da guerra (de setembro a outubro de 1898) no gabinete de Henri Brisson durante o caso Dreyfus. Após sua renúncia, sem aviso prévio, da galeria da Câmara em 25 de outubro, o que causou a queda do governo em 26. O General Chanoine ocupou vários postos e missões até sua aposentadoria em 1900. Ele foi membro da Société académique de l'Aube.

O Capitão du Bousquet não se juntou aos rebelados e tornou-se intérprete da legação francesa no Japão. Em 1870, du Bousquet tornou-se conselheiro estrangeiro. Ele é contratado como tradutor na Câmara dos Anciãos (Genrōin, 元老院). Ele então traduziu para o japonês os artigos da constituição francesa, mais de uma centena de regulamentos militares e ajudou a traduzir as negociações dos tratados desiguais impostos à China. Em 1876, ele se casou com uma japonesa chamada Hana Tanaka, que se tornou Maria du Bousquet e lhe deu seis filhos. De Bousquet então se tornou cônsul da França no Japão antes de morrer em Tóquio em 18 de junho de 1882. Ele foi enterrado no cemitério de Aoyama, com sua lápide marcada "Jibesuke". Apenas quatro pessoas compareceram ao seu funeral, entre elas estava o diplomata britânico Ernest Mason Satow. Casado com uma japonesa, seus descendentes foram naturalizados no Japão, e a genealogia continua até hoje.

Sargento François Bouffier (1844-1881), instrutor de infantaria na missão e comandante de um dos quatro regimentos xogunais em Hakodate. Ele foi enterrado no cemitério de estrangeiros de Yokohama. Seus dois filho Léon Célestin (1876–1877) e Auguste Louis (1873–1923) também foram enterrados no mesmo cemitério.

Marlan, Fortan e Buffier, veteranos de Hakodate, também foram contratados pelo Ministério de Assuntos Militares, e Marlan e Buffier morreram no Japão. Buffier se casou com uma japonesa, mas como seu filho era francês, ele foi recrutado pelo exército francês durante a Primeira Guerra Mundial.

Evacuado para a França em 1869, Cazeneuve também retornou ao Japão, onde o novo governo Meiji o contratou para supervisionar o uso de cavalos militares. Ele morreu no Japão durante sua missão em 1874. Gutthig, o corneteiro, se tornou o pioneiro no ensino da notação de cinco linhas para os japoneses, e sua composição foi assumida principalmente pela Banda Militar do Exército do Imperial, mesmo após a restauração, e se tornou uma grande força para a aceitação da música ocidental no Japão.

Da esquerda para a direita: Cazeneuve, Marlin, Fukushima Tokinosuke e Fortant em Hokkaido, República de Ezo. O Sargento Jean Marlin (1833-1872) permaneceu morando no Japão e também foi enterrado no cemitério de estrangeiros de Yokohama

Sargento Arthur Fortant (14 de junho de 1829 - 10 de abril de 1901), instrutor de artilharia da missão e comandante de um dos quatro regimentos japoneses em Hakodate.

Sargento André Cazeneuve, fotografado em Hakodate em 1868. Ele introduziu os cavalos árabes no Japão. (La Garde Impériale de Napoléon III)

Cabo Gutthig, corneteiro, com o uniforme dos chasseurs à pied de la Garde. (La Garde Impériale de Napoléon III)

Relações com o Japão

Após um período inicial de reprovação por parte do governo imperial em Tóquio, e com punições fictícias sendo aplicadas aos conselheiros franceses que se uniram à revolta, o Japão continuou tendo boas relações com a França. Em pouco tempo, o governo japonês até mesmo premiou os antigos instrutores

Jules Brunet tomou parte na Guerra Franco-Prussiana (1870-71) como capitão do 8º Regimento de Artilharia de Metz, onde será feito prisioneiro. Após a queda do Império, ele fez parte do Exército de Versalhes na repressão da Comuna de Paris em 1871. Como coronel, comandou o 11º Regimento de Artilharia entre 1887 e 1891. Promovido a general de brigada em dezembro de 1891, comandou a 48ª Brigada de Infantaria entre 1891 e 1897, então a 19ª Brigada de Artilharia.

Seguiu-se uma carreira militar mais tranquila: adido militar na Áustria e na Itália, Grande Oficial da Legião de Honra (Grand Officer of the Légion d'honneur), chefe do Estado-Maior de Chanoine em 1898, que se tornara general e ministro da Guerra. Brunet terminou a carreira como general de divisão.

"O Estado-Maior do novo ministro da Guerra", o General de Divisão Jules Brunet ao centro e segurando o quepe, quando era do estado-maior do seu amigo General Chanoine. (L'Illustration, 1º de outubro de 1898)

Em 11 de março de 1895, o Japão, que acaba de emergir de uma extenuante guerra "moderna" com a China, se lembrará desse antigo "samurai", elevando-o ao posto de grande oficial da Ordem do Tesouro Sagrado do Mikado. O ex-aliado de Brunet, o Almirante Enomoto, juntou-se ao governo imperial e tornou-se ministro da Marinha Imperial Japonesa. Por meio da influência de Enomoto, o governo imperial não apenas perdoou as ações de Brunet, mas concedeu-lhe medalhas em maio de 1881 e novamente em março de 1885, entre aquelas a Medalha da Ordem do Sol Nascente de 2ª classe com estrela de ouro e prata. Seu amigo Jules Chanoine recebeu a Medalha da Ordem do Sol Nascente de 1ª classe com estrela de ouro e prata. As medalhas foram entregues na Embaixada do Japão em Paris.

Acredita-se que um príncipe general japonês também presenteou Jules Brunet com uma espada que permanece em posse da sua família até hoje. Brunet e Chanoine também zelavam por oficiais estudantes japoneses em Paris.

Em 2008, no 150º aniversário do início das relações diplomáticas, a partir do Tratado de Amizade entre Japão e França em 1858 (5º ano de Ansei), foram lançados selos comemorativos de figuras representativas do Japão e da França. Brunet foi selecionado entre os 10 membros da série "Fim do Período Edo".

"Japão. - O Mikado recebe, em Edo, o Sr. Marquerie e a missão militar francesa no Japão. (De acordo com o esboço do Sr. Deschamps, capitão, que fazia parte da missão.)"

Em 1872, o imperador Meiji decidiu pela contratação de uma nova missão militar francesa. A decisão veio como uma surpresa para os franceses porque a primeira missão lutou ao lado do Xogun Tokugawa Yoshinobu contra o imperador e porque a França perdeu um pouco do seu prestígio militar após a derrota na Guerra Franco-Alemã de 1870-71.

No entanto, a França ainda mantém uma certa atração para o Japão. Esta opinião foi expressa pelo Ministro das Relações Exteriores do Japão, Iwakura Tomomi, durante sua visita (missão Iwakura) à França em 1873:

O Ministro dos Negócios Estrangeiros do Mikado (Iwakura) disse ao nosso representante após o nosso combate fatal contra a Alemanha: "Sabemos do sofrimento que a França teve de passar nesta guerra, mas não mudou nada em nossa opinião sobre os méritos de o exército francês, que mostrou grande coragem diante de tropas numericamente superiores."

- Revue des Deux Mondes (Março–Abril de 1873). Le Japon depuis l'Abolition du Taïcounat.

A missão chegou ao Japão em maio de 1872, liderada pelo Tenente-Coronel Charles Antoine Marquerie (1824–1894). Ele foi mais tarde substituído pelo Coronel Charles Claude Munier.

Segunda missão militar francesa no Japão (1872-1880).

A missão é composta por nove oficiais, 14 graduados, um maestro (Gustave Désiré Dragon), um veterinário e dois artesãos. A missão inclui um membro famoso, Louis Kreitmann (1851-1914), engenheiro do exército e capitão ("Capitaine du Génie"Capitão da Engenharia). Louis Kreitmann, que se tornaria diretor da prestigiosa École Polytechnique, tirou cerca de 500 fotografias que agora são mantidas no Institut des Hautes Études Japonaises (Instituto de Altos Estudos Japoneses) no Collège de France em Paris.

Os membros da missão foram engajados em contratos de três anos e salários mensais de 150-400 ienes (para comparação, na época o salário do primeiro-ministro do Japão era de 500 ienes, e um professor recém-formado recebia 5 ienes por mês).

A marinha francesa e o governo francês enviaram o capitão Henri Rieunier em uma missão diplomática de trinta e dois meses, de 1875 a 1878, no Extremo Oriente, a bordo do cruzador Laclocheterie, principalmente no Japão. O almirante Henri Rieunier terá conversas com o Mikado e fará parte da escolta do navio de Sua Majestade o Imperador, o Takawo-Maru, de Yokohama a Kobe. Ele terá conversas com os principais dignitários do regime e com o antigo e último xogun - Tokugawa Yoshinobu. Ele trará de volta de sua missão um grande número de fotografias de personagens e ministros que conheceu, incluindo várias do Mikado, uma das quais traz a dedicatória de próprio punho do Imperador do Japão, todas inéditas, de alto significado histórico e únicas no mundo.

A tarefa da missão é ajudar a reorganizar o Exército Imperial Japonês e estabelecer o primeiro recrutamento obrigatório promulgado em janeiro de 1873. A lei estabelece o serviço militar para todos os homens, por um período de três anos, com mais quatro anos na reserva. A missão francesa esteve principalmente na escola militar de Ueno para praças. 

Entre 1872 e 1880, várias escolas e estabelecimentos militares foram estabelecidos sob a direção da missão, incluindo a criação da Gakko Toyama, a primeira escola para treinar e educar oficiais e praças; de uma escola de tiro, usando usando franceses; Um arsenal de fabricação de armas e munições equipado com máquinas francesas, que empregava 2.500 trabalhadores; baterias de artilharia nos subúrbios de Tóquio; uma fábrica de pólvora negra; uma academia militar para oficiais do exército em Ichigaya, inaugurada em 1875, no terreno do atual Ministério da Defesa japonês.

Entre 1874 e o final do seu mandato, a missão foi encarregada de construir as defesas costeiras japonesas. Alguns membros da missão também passam a aprender as artes marciais japonesas: Villaret e Kiehl são membros do dojo de Sakakibara Kenkichi, um mestre de Kage Ryu Jikishin, uma forma de esgrima (kenjutsu), tornando-os os primeiros alunos ocidentais das artes marciais japonesas.

Academia Militar de Ichigaya (市 ヶ 谷 陸軍士 官校) construída pela segunda missão militar francesa nas dependências do atual Ministério da Defesa japonês (fotografia de 1874).

A missão tem como pano de fundo uma situação interna tensa no Japão, com a revolta de Saigo Takamori durante a Rebelião Satsuma (29 de janeiro de 1877 - 24 de setembro de 1877), e contribui significativamente para a modernização das forças imperiais antes do conflito.

Uma terceira missão militar francesa ao Japão (1884-1889) acontecerá com cinco homens, mas o Japão também convida a Alemanha de 1886 a 1889 para aconselhamento militar. Por volta dessa época, no entanto, a França adquiriu considerável influência sobre a Marinha Imperial Japonesa, com o despacho do engenheiro Louis-Émile Bertin, que dirigiu o projeto e a construção da primeira grande marinha moderna do Japão em 1886.

O Almirante Henri Rieunier foi enviado em missão diplomática pelo governo da França ao Japão de 1885 a 1887 a bordo do encouraçado "Turenne"; o único oficial-general em solo japonês, ele manteve inúmeras conversas, em particular, com o Ministro da Guerra, Marechal Ivao Oyama, e o ministro das relações exteriores Conde Kaoru Inouyé, e o ministro da marinha, Vice-Almirante Conde Kawamura. Rieunier ainda terá audiências privadas com o Imperador do Japão.

Carros de assalto Renault FT-17 franceses no Japão nas décadas de 1920-30, onde receberam a designação Ko-Gata Sensha (Tanque Modelo A); enquanto os Renault NC-27, também franceses, receberam a designação Otsu-Gata (Modelo B). Ambos foram a base para os tanques japoneses dos anos 1930-40.

Ainda haveria uma quarta missão militar francesa no Japão, de 1918 a 1919, focada na aviação. Essa influência permaneceria notadamente na infantaria, carros de combate e aviação até o final da Segunda Guerra Mundial. Até os dias de hoje a França e o Japão possuem relações estreitas de amizade: a França ajudou o Japão a desenvolver seus meios de construção naval, suas forças militares e participou do desenvolvimento das leis japonesas. Na França, a influência japonesa foi sentida no campo artístico, com o Japão inspirando os impressionistas e dando na origem ao Japonisme. Anualmente, legiões de turistas japoneses viajam para a França, especialmente em Paris.

Na cultura popular

Coronel Jules Brunet em 1890.
Imortalizado como o herói romântico, bom professor e artista.

A Missão Militar Francesa de 1867-69 é lembrada principalmente na pessoa de Jules Brunet, visto como o herói rebelde e romântico. O homem que largou tudo para se juntar a um punhado de obstinados lutando contra forças muito superiores em uma causa perdida. Brunet teve um renascimento em popularidade internacional com o filme "O Último Samurai" (The Last Samurai, 2003), onde o personagem principal foi inspirado nele. Claro, sendo um filme de Hollywood, o protagonista foi mudado para um cowboy americano, equipado com os típicos clichês de arrogância, estresse pós-traumático e alcoolismo que serão domados pelo herói no típico arco moralista americano pós-Vietnã. Apesar das muitas liberdades tomadas pelo filme, as atuações absolutamente sólidas de Tom Cruise e Ken Watanabe são um deleite. A ambientação do Japão em modernização também é ótima, embora apenas ingleses e americanos apareçam negociando com os japoneses.

Outras liberdades são mais grosseiras. O Capitão Nathan Algren (Tom Cruise) usando armadura samurai ao lado do comandante rebelde Katsumoto (Ken Watanabe), e carregando à cavalo contra metralhadoras para fazer a oposição romantizada da vitória do novo sobre o velho, representando a narrativa criada pelo Império Meiji e referem-se mesmo à posterior Rebelião Satsuma. O filme é muito bom em demonstrar a cultura japonesa, apesar da idealização de Katsumoto como um "bom selvagem" com idealismos do marxismo utópico; em uma cena ele afirma distribuir dinheiro para o povo, simplesmente absurdo para o Japão dessa época onde os camponeses-servos não tinham sequer sobrenomes.


Uma visão americanizada de Jules Brunet.

A recepção crítica no Japão foi geralmente positiva. Tomomi Katsuta do jornal Mainichi Shinbun, um dos maiores do Japão, achou que o filme era "uma grande melhoria em relação às tentativas americanas anteriores de retratar o Japão", observando que o diretor Edward Zwick "havia pesquisado a história japonesa, escalado atores japoneses conhecidos e consultado treinadores de diálogo para garantir que não confundisse as categorias formais e casuais da fala japonesa". Katsuta ainda encontrou falhas no retrato idealista do filme com samurais de "livros de contos", afirmando: "Nossa imagem do samurai é que eles eram mais corruptos". Como tal, disse ele, o nobre líder samurai Katsumoto "me cerrou os dentes".

Jules Brunet como personagem no anime "Intriga no Bakumatsu" e no mangá "A Missão".

O filme com Tom Cruise reacendeu o interesse por Jules Brunet, levando à criação de novas produções, incluindo a republicação dos desenhos dos seus desenhos. Após o fim da época de filmes de guerra históricos do cinema japonês, a memória da missão recaiu sobre os artistas da nova geração - que se expressam pelo mangá e anime.

Brunet (Juuru Buryune) é um personagem no desenho japonês "Intriga no Bakumatsu" (Bakumatsu kikansetsu irohanihoheto, 2006-07), e o protagonista do mangá "A Missão" (Ra misshon,「ラ・ミッション」, 2015), de Satō Kenichi. Jules Brunet também é representado no filme Moeyo Ken (2020), sendo interpretado pelo ator belga Jonas Bloquet.

Jules Brunet representado em estilo mangá pelo artista japonês Koware Uski, em 2018. (@kow_a_ord)

Outras representações são mais genéricas. No anime "Alma de Prata" (Gin Tama, 2006), ambientado em um futuro alternativo onde o xogunato tornou-se um Estado-fantoche de forças alienígenas, as forças de repressão do Bakufu são armados com material francês em referência ao Denshutai. A expansão "Fall of the Samurai" do jogo Total War: Shogun 2 introduz uma campanha da Guerra Boshin, com batalhas históricas como a de Toba-Fushimi, onde o jogador controla as forças imperiais.

Policiais xogunais armados com fuzis FAMAS F1 franceses enquanto escoltam prisioneiros. (Gin Tama)

FAMAS F1 com uma luneta. (Gin Tama)

Bibliografia recomendada:

Japanese Armies1868-77:
The Boshin War and the Satsuma Rebellion.

Leitura recomendada:

LIVRO: O Japão Rearmado, 6 de outubro de 2020.



Nenhum comentário:

Postar um comentário