Mostrando postagens com marcador Caveira. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Caveira. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 11 de janeiro de 2022

FOTO: Caveira no Iraque

Operador do CTS iraquiano na fronteira do Iraque com a Síria, 2017.

Comando do Serviço de Contra-Terrorismo do Iraque (Counter-Terrorism Service, CTS) com uma pintura de caveira como máscara em cima de um Humvee blindado, com a cúpula improvisada e usando duas metralhadoras, e pintado de preto que é a cor das forças especiais iraquianas.

Além da caveira, o operador também usa o famoso shemag e o uniforme preto. O distintivo do CTS é claramente visível no seu braço.

Leitura recomendada:


FOTO: Caveira emergindo da fumaça, 8 de janeiro de 2022.

sábado, 8 de janeiro de 2022

FOTO: Caveira emergindo da fumaça

Um caveira do BOPE engolfado em fumígena laranja, 2019.
(Guto Ambar)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de janeiro de 2022.

Foto de um Caveira, um operador do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), durante um exercício. A foto, tirada por Guto Ambar, foi parte de uma coleção para um livro fotográfico sobre o famoso batalho especial carioca em comemoração aos seus 42 anos. O livro foi lançado em janeiro de 2020.

 O livro foi apresentado no Centro Cultural Banco do Brasil no Rio de Janeiro. O livro tem a capa preta com o símbolo do BOPE - a famosa CAVEIRA - e a capa dura tem as letras e logotipo em alto relevo, ambos em boa qualidade.



Parabéns ao BOPE por seus 42 anos de serviço.

Si vis pacem, para bellum!

quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Paris ameaça Bamako com retirada militar por causa do acordo com a companhia militar privada russa Wagner


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 15 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 15 de setembro de 2021.

Fundada por Dmitri Outkine, um veterano do GRU (inteligência militar russa), com o apoio do empresário Evguéni Prigojine, um amigo próximo do Kremlin, a companhia militar privada (CMP) russa Wagner se estabeleceu na República Centro-Africana em 2018, depois que Moscou obteve autorização do Conselho de Segurança das Nações Unidas para entregar armas às Forças Armadas da África Central (FACa).

Em seguida, a proteção do presidente centro-africano, Faustin-Archange Touadéra, foi confiada a mercenários russos enquanto uma campanha de desinformação contra a França era montada. Além disso, Bangui assinou acordos de cooperação com Moscou.

No entanto, a CMP Wagner, que claramente tem interesse nos recursos minerais do país, faz mais do que treinar soldados das FACa... já que está envolvido na luta contra grupos rebeldes da África Central. Em junho, um relatório das Nações Unidas denunciou os abusos cometidos por estes últimos e seus "instrutores" russos, enquanto, ao mesmo tempo, Jean-Yves Le Drian, o ministro francês das Relações Exteriores denunciava uma "tomada de poder" em Bangui por mercenários russos.

Insígnia não-oficial de caveira do Grupo Wagner.

Este cenário se repetirá no Mali? Em todo caso, é o que sugere a informação da Reuters, confirmada por várias fontes. Assim, Bamako pretende assinar um acordo com a CMP Wagner para formar as Forças Armadas do Mali (FAMa) e para garantir "a proteção de personalidades importantes". Mas tais "serviços" não seriam gratuitos: trata-se de uma remuneração de pouco mais de 9 milhões de euros por mês e de um acesso privilegiado a três jazidas minerais (duas de ouro e uma de magnésio).

“O Mali pretende agora diversificar as suas relações a médio prazo para garantir a segurança do país. Não assinamos nada com [o Grupo] Wagner, mas estamos discutindo com todos”, disse o Ministério da Defesa do Mali, à frente do qual está o Coronel Sadio Camara, que havia completado um estágio na Rússia pouco antes do golpe de Estado de agosto de 2020 , do qual ele foi um dos atores. Mas "até agora nada foi assinado", acrescentou ele, respondendo a um pedido da AFP.

Que a Rússia esteja interessada no Mali, onde, a pedido das autoridades malinenses, a França destacou tropas para combater os grupos jihadistas que aí abundam, no âmbito da Operação Barkhane, alargada a todo o Sahel, não é surpresa. Desde a independência em 1961, Bamako estabeleceu laços estreitos com Moscou... Mas essa relação não sobreviveu à implosão da União Soviética trinta anos depois.

De qualquer forma, a perspectiva de ver mercenários russos desembarcando no Mali não agrada a Paris, que em junho anunciou uma reforma em seu aparato militar no Sahel. De fato, foi isso que Le Drian disse durante uma audiência perante o Comitê de Relações Exteriores da Assembleia Nacional em 14 de setembro.

“É absolutamente irreconciliável com a nossa presença. [...] Uma intervenção de um grupo deste tipo no Mali seria incompatível com a ação dos parceiros sahelianos e internacionais do Mali”, lançou Le Drian. “Eles se distinguiram no passado, particularmente na Síria, na República Centro-Africana, muitos com extorsões, predações, violações de todos os tipos [e] não podem corresponder a nenhuma solução”, lembrou então. Ele insistiu: “Na República Centro-Africana, isso causou uma deterioração da situação de segurança”.

Mercenários Wagner na República Centro-Africana, janeiro de 2021.

No mesmo dia, perante os deputados da Comissão de Defesa, a Ministra das Forças Armadas, Florence Parly, avaliou que "se as autoridades do Mali celebrassem um contrato com a companhia Wagner, seria extremamente preocupante e contraditório, incoerente com tudo o que empreendemos há anos e tudo o que pretendemos realizar em prol dos países do Sahel”.

Em seu discurso de abertura, a ministra lembrou que não havia dúvida de que a França se retiraria militarmente do Sahel.

“Não vamos sair do Sahel. Continuamos a luta contra o terrorismo. Estamos mantendo um sistema militar para continuar a apoiar nossos parceiros do Sahel, enquanto nos adaptamos à evolução da ameaça. A transformação ordenada pelo Presidente da República não é de forma alguma uma saída do Mali, mas uma reconfiguração das nossas forças para torná-las ainda mais operativas e eficazes. Recordo-vos que a instalação final das tropas francesas no Sahel continuará a contar com o compromisso permanente e consistente dos soldados franceses em conjunto com os nossos parceiros. Posso dizer que isso representará um esforço real, consistente e constante para nossos exércitos”, explicou Parly.

De qualquer forma, segundo uma fonte da AFP, a chegada da CMP Wagner ao Mali (fala-se de pelo menos mil mercenários) colocaria em causa o apoio americano às operações francesas, ou mesmo da União Europeia, com o Grupo de Forças Especiais Takuba. “Os Estados Unidos parariam tudo” e “alguns países europeus também poderiam decidir se desligar”, enfatizou.

Bibliografia recomendada:

The "Wagner Group":
Africa's Chaos in an Economic Boom.
Intel Africa.

Leitura recomendada:









segunda-feira, 23 de agosto de 2021

GALERIA: Crânio de um sniper japonês decorado pela 1ª Divisão de Fuzileiros Navais

Crânio de um sniper japonês tomado na Batalha de Guadalcanal, 1942.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 23 de agosto de 2021.

Durante a Segunda Guerra Mundial, foi comum que militares dos Estados Unidos mutilassem militares japoneses mortos na campanha do Pacífico. A mutilação de soldados japoneses incluiu a retirada de partes do corpo como troféus e lembranças de guerra. Dentes e crânios eram os "troféus" mais comuns, embora outras partes do corpo também fossem coletadas.

O fenômeno da "obtenção de troféus" foi bastante difundido para que a discussão a seu respeito aparecesse com destaque em revistas e jornais. O próprio Franklin Roosevelt teria recebido um abridor de cartas feito do braço de um soldado japonês pelo representante dos EUA Francis E. Walter em 1944, o qual Roosevelt mais tarde ordenou que fosse devolvido, pedindo seu enterro adequado. A notícia também foi amplamente divulgada ao público japonês, onde os americanos foram retratados como "desajustados, primitivos, racistas e desumanos". Isso, agravado por uma foto anterior da revista LIFE de uma jovem com um crânio presenteado como troféu, que foi reimpresso na mídia japonesa e apresentado como um símbolo da barbárie americana, causando choque e indignação nacionais. 

"Lembra da caveira?"
Caveira com a foto do sargento fuzileiro naval John Shough.

O recorte da história e alguns dentes coletados com coroas metálicas.

Snipers sempre foram alvo de retaliações quando capturados, geralmente mortos a tiros na hora, ou torturados e mortos. Isso aconteceu em todas as frentes. Os snipers japoneses eram particularmente odiados por questões raciais e pela selvageria da guerra no Pacífico - por vezes descrita como "barbarismo medieval" - o que explica todo o trabalho em fazer desse sniper japonês em particular um troféu tão requintado. A coleta de pedaços humanos de forma generalizada, especialmente crânios e dentes, foi específica do Pacífico visando japoneses.

O recorte acompanhando o crânio japonês descreve a história:

O sargento de recrutamento fuzileiro naval John Shough, de Springfield, segura o crânio de um sniper japonês que foi morto em Guadalcanal 20 anos atrás durante a Segunda Guerra Mundial.

Antes que o sniper japonês fosse plotado amarrado no alto de uma árvore, ele matou um jovem fuzileiro naval que ganhara um nome e tanto durante a luta. Para vingar sua morte, outros fuzileiros navais de seu grupo decapitaram o sniper e em seu crânio pintaram o emblema da Primeira Divisão de Fuzileiros Navais e a bandeira americana.

Hoje, o Corpo de Fuzileiros Navais está tentando encontrar alguém que se lembre do fuzileiro naval não-identificado. Ele deseja conferir postumamente várias medalhas ao jovem fuzileiro naval.

O crânio japonês, devolvido a este país por um oficial fuzileiro naval após a batalha de Guadalcanal, passou por estações de recrutamento dos Fuzileiros Navais da Costa Oeste, para o Sudoeste, Montanhas Rochosas e agora para o Centro-Oeste. Até hoje, ninguém se lembra do nome do fuzileiro naval.

Foto da semana na revista LIFE em 22 de maio de 1944. A legenda original diz:
"A operária do Arizona escreve ao namorado da Marinha um bilhete de agradecimento pela caveira japa que ele lhe enviou".

Em 22 de maio de 1944, a revista LIFE publicou a foto de uma garota americana com uma caveira japonesa enviada a ela por seu namorado oficial da marinha. A legenda da imagem dizia: "Quando ele se despediu de Natalie Nickerson, 20, uma operária de guerra de Phoenix, Arizona, dois anos atrás, um grande e bonito tenente da Marinha prometeu a ela um japa. Na semana passada, Natalie recebeu um crânio humano autografado por seu tenente e 13 amigos, e escreveu: "Este é um bom japa - um morto apanhado na praia da Nova Guiné." Natalie, surpresa com o presente, chamou-o de Tojo; o apelido depreciativo do soldado japonês pelos americanos, por conta do general japonês Hideki Tojo. As cartas que a LIFE recebeu de seus leitores em resposta a esta foto foram "esmagadoramente condenatórias" e o Exército instruiu seu Bureau de Relações Públicas a informar aos editores americanos que "a publicação de tais histórias provavelmente encorajaria o inimigo a fazer represálias contra americanos mortos e prisioneiros-de-guerra". O oficial subalterno que enviou o crânio também foi encontrado e oficialmente repreendido, mas isso foi feito com relutância e a punição não foi severa. A imagem foi amplamente reproduzida no Japão como propaganda anti-americana.

A foto da LIFE também levou as forças armadas americanas a tomarem novas medidas contra a mutilação de cadáveres japoneses. Em um memorando datado de 13 de junho de 1944, o JAG do Exército afirmou que "tais políticas atrozes e brutais" além de serem repugnantes também eram violações das leis da guerra, e recomendou a distribuição a todos os comandantes de uma diretriz indicando que "os maus-tratos a inimigos mortos de guerra eram uma violação flagrante da Convenção de Genebra de 1929 sobre Doentes e Feridos, que estabelecia que: Após cada confronto, o ocupante do campo de batalha deve tomar medidas para procurar os feridos e mortos e protegê-los contra a pilhagem e os maus-tratos." Além disso, tais práticas violavam as regras não escritas dos costumes da guerra terrestre e podiam levar à pena de morte. O JAG da Marinha refletiu essa opinião uma semana depois, e também acrescentou que "a conduta atroz da qual alguns militares americanos eram culpados poderia levar a retaliação por parte dos japoneses, o que seria justificado pelo direito internacional".

Para a religião xintoísta, que atribui um valor emocional muito maior ao tratamento de restos mortais humanos, o choque e indignação contribuiu para uma preferência pela morte em vez da rendição e da ocupação.

"A ideia do crânio de um soldado japonês se transformar em um cinzeiro americano era tão horrível em Tóquio quanto a ideia de um prisioneiro americano usado para a prática de baioneta em Nova York."

Edwin P. Hoyt, Japan's War: The Great Pacific Conflict, 1987, pg. 358.

Cozimento de crânio:

Crânios valiam em torno de 35 dólares em dinheiro, uma soma considerável na época, ou eram trocados por outros itens com marinheiros e outros não-combatentes. Eles também eram enviados para civis nos Estados Unidos.

Em 1944, o poeta americano Winfield Townley Scott estava trabalhando como repórter em Rhode Island quando um marinheiro exibiu seu troféu de caveira na redação do jornal. Isso levou ao poema The U.S. sailor with the Japanese skull (O marinheiro americano com a caveira japonesa), que descreveu um método de preparação de crânios para a retirada de troféus, no qual a cabeça é esfolada, rebocada por uma rede atrás de um navio para limpá-la e poli-la, e no final esfregado com soda cáustica.

Vários relatos em primeira mão, incluindo os de soldados americanos, atestam a tomada de partes de corpos como "troféus" dos cadáveres de tropas imperiais japonesas no Teatro do Pacífico durante a Segunda Guerra Mundial. Os historiadores atribuíram o fenômeno a uma campanha de desumanização dos japoneses na mídia dos Estados Unidos, a vários clichés racistas latentes na sociedade americana, à depravação da guerra em circunstâncias desesperadoras, à crueldade desumana das forças imperiais japonesas, desejo de vingança ou qualquer combinação desses fatores.

A prática era tão difundida que "ação disciplinar severa" contra a retirada de lembranças de restos humanos foi ordenada pelo Comandante-em-Chefe da Frota do Pacífico já em setembro de 1942. Em outubro de 1943, o Alto Comando americano expressou preocupação com os recentes artigos de jornal cobrindo a mutilação de mortos por americanos. Os exemplos citados incluem um em que um soldado fez um colar de contas usando dentes japoneses e outro sobre um soldado com fotos mostrando os passos na preparação de um crânio, envolvendo cozinhar e raspar as cabeças japonesas. 

De acordo com o fuzileiro naval Donald Fall, o primeiro relato de soldados americanos usando orelhas de cadáveres japoneses ocorreu no segundo dia da Campanha de Guadalcanal em agosto de 1942 e ocorreu depois que fotos dos corpos mutilados de fuzileiros navais na Ilha Wake foram encontrados em pertences pessoais de engenheiros japoneses:

"No segundo dia de Guadalcanal, capturamos um grande bivaque japonês com todos os tipos de cerveja e suprimentos... Mas eles também encontraram muitas fotos de fuzileiros navais que foram cortados e mutilados na Ilha Wake. E logo em seguida estão fuzileiros navais andando por aí com orelhas japonesas presas em seus cintos com pinos de segurança. Eles emitiram uma ordem lembrando os fuzileiros navais de que a mutilação era uma ofensa de corte marcial... Você entra em um estado de espírito sórdido em combate. Você vê o que foi feito com você. Você encontraria um fuzileiro naval morto que os japoneses prenderam em uma booby-trap [armadilha explosiva]. Encontramos japoneses mortos com armadilhas explosivas. E eles mutilaram os mortos. Começamos a descer ao nível deles."

Ódio e desejo de vingança costumavam ser citados; no entanto, alguns dos fuzileiros navais americanos que estavam prestes a participar da Campanha de Guadalcanal já estavam, enquanto ainda a caminho, ansiosos para coletar dentes de ouro japoneses para colares e preservar as orelhas japonesas como souvenires.

Crânio decorado com a inscrição:
"Sniper japa morto, que peninha!"

O bilhete do museu diz:

Troféu de crânio japonês da Segunda Guerra Mundial decorado por um fuzileiro naval americano.
Não julgamos soldados de combate americanos. Eles tinham suas próprias razões para fazerem isto. Nós estamos exibindo estes artefatos únicos de modo que a História não se perca.
Este museu não censura a História!

Nos Estados Unidos, havia uma visão amplamente propagada de que os japoneses eram subumanos. Também houve raiva popular nos EUA com o ataque surpresa japonês a Pearl Harbor, ampliando os preconceitos raciais pré-guerra. A mídia americana ajudou a propagar essa visão dos japoneses, por exemplo, descrevendo-os como "pragas amarelas". Em um filme oficial da Marinha dos EUA, as tropas japonesas foram descritas como "ratos vivos que rosnam". A mistura de racismo americano subjacente, que foi adicionado à propaganda de guerra, ódio causado pela guerra de agressão japonesa e atrocidades japonesas (tantos as reais quanto as imaginárias), levou a um ódio geral pelos japoneses.

Segundo Niall Ferguson:

"Para o historiador que se especializou em história alemã, este é um dos aspectos mais preocupantes da Segunda Guerra Mundial: o fato de que as tropas aliadas frequentemente consideravam os japoneses da mesma forma que os alemães consideravam os russos - como Untermenschen."

Uma vez que os japoneses eram considerados animais, não é surpreendente que os restos mortais japoneses fossem tratados da mesma forma que os restos mortais de animais. Em 1984, os restos mortais de soldados japoneses foram repatriados das Ilhas Marianas. Aproximadamente 60% não tinham o crânio. Da mesma forma, foi relatado que muitos dos restos japoneses em Iwo Jima não têm seus crânios. É possível que a coleção de lembranças de restos mortais japoneses tenha continuado até o período do pós-guerra imediato.

Eugene Sledge, em seu livro With the Old Breed: At Peleliu and Okinawa (Com a Velha Raça: em Peleliu e Okinawa, 1981) relata alguns exemplos de companheiros fuzileiros navais extraindo dentes de ouro dos japoneses, incluindo um de um soldado inimigo que ainda estava vivo:

"Mas o japonês não estava morto. Ele estava gravemente ferido nas costas e não conseguia mover os braços; do contrário, ele teria resistido até o último suspiro. A boca do japonês brilhava com enormes dentes em forma de coroa de ouro, e seu captor os queria. Ele colocou a ponta de sua [faca] Ka-Bar na base de um dente e bateu no cabo com a palma da mão. Como o japonês estava chutando e se debatendo, a ponta da faca raspou no dente e afundou profundamente na boca da vítima. O fuzileiro naval o xingou e com um talho cortou suas bochechas de orelha a orelha. Ele colocou o pé no maxilar inferior do sofredor e tentou novamente. O sangue jorrou da boca do soldado. Ele fez um barulho gorgolejante e se debateu violentamente. Gritei: "Acabe com o sofrimento dele". Tudo que recebi como resposta foi um xingamento. Outro fuzileiro naval correu, colocou uma bala no cérebro do soldado inimigo e acabou com sua agonia. O caçador de tesouro resmungou e continuou retirando seus prêmios sem ser perturbado." (pg. 120)

Esta cena foi reproduzida, com mudanças de tom, na minissérie The Pacific:


Bibliografia recomendada:

Tower of Skulls:
A History of the Asia-Pacific War.
July 1937 - May 1942.
Richard B. Frank.

Leitura recomendada:



LIVRO: O Japão Rearmado, 6 de outubro de 2020.





sexta-feira, 1 de janeiro de 2021

FOTO: Soldado francês em Scapoli

Em vila na linha de frente, um soldado francês guarda uma via de transporte em Scapoli, na Itália, em 14 de dezembro de 1943.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 1º de janeiro de 2021.

Ao lado do soldado há uma placa com a inscrição "Attention - Observatoires Boches" (Atenção - Observatórios Chucrutes) com uma caveira com ossos cruzados. Boche era o apelido pejorativo francês para os alemães, de alboche, uma contração de allemand (alemão) e caboche (cabeça de repolho), em alusão à comida chucrute e para "cabeça dura", teimoso como um alemão. Popularizou-se na Primeira Guerra Mundial e continuou na Segunda.

O soldado tem um misto de equipamentos franceses e americanos. O capacete M26 Adrian francês foi camuflado com tinta, e ele porta o fuzil Springfield M1903, o mesmo usado pela Força Expedicionária Brasileira. O outro fuzil comumente usado pelos franceses nessa época era o Enfield M1917, uma versão americana do fuzil britânico P14 (Pattern 1914 Enfield). Esse fuzil era designado no serviço francês como "Fusil à répétition 7 mm 62 (C. 30) M. 17".

Bibliografia recomendada:

The French Army 1939-45 (1).
Ian Sumner e François Vauvillier.

The French Army 1939-45 (2).
Ian Sumner e François Vauvillier.

Leitura recomendada:

FOTO: Prisioneiros alemães na Itália26 de março de 2020.

FOTO: Partisans italianas em Castelluccio31 de março de 2020.

FOTO: Partisans italianos na Emilia-Romanha16 de dezembro de 2020.

FOTO: Cemitério alemão na Itália8 de abril de 2020.

terça-feira, 8 de setembro de 2020

Síria: Os "ISIS Hunters", esses soldados do regime de Damasco treinados pela Rússia

Formados e armados por Moscou, os "ISIS Hunters".

Por Stéphane MantouxFranceSoir, 30 de maio de 2017.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 8 de setembro de 2020.

Os "ISIS Hunters" (Caçadores do ISIS) formam uma unidade de elite do exército sírio, formada, treinada e equipada pela Rússia, como contrapeso à crescente influência iraniana no aparato militar do regime de Damasco. Stéphane Mantoux, associada de História, especialista em questões de defesa e observadora de referência do conflito Iraque-Síria, analisa, em parceria com o FranceSoir, esta força de elite do exército de Bashar al-Assad.

Os ISIS Hunters fazem parte do 5º Corpo do Exército Árabe Sírio, formado com o apoio da Rússia, a partir de novembro de 2016. A Rússia está de fato procurando contar com forças sírias sólidas para fortalecer as capacidades militares do regime, deliquescente antes da sua intervenção: daí a formação do 5º Corpo de Exército (com vocação “comando”, “anti-terrorista”), seguindo o do 4º Corpo de Exército. Mas enquanto este último pretendia colocar as milícias já existentes sob a tutela do regime, o 5º Corpo será composto unicamente de voluntários. A Rússia também está procurando formar forças que possam agir como contrapeso ao Irã, cujos objetivos na Síria diferem daqueles de Moscou.

Milicianos da "Legião Baath" do 5º Corpo do Exército Árabe Sírio em Alepo.

Na verdade, o 5º Corpo está enfrentando, apesar dos salários atraentes que são oferecidos, problemas de recrutamento: as lacunas são parcialmente preenchidas pelas brigadas do Partido Baath*. O 5º Corpo recebeu tanques T-62M e veículos blindados BMP-1 da Rússia, além de outros veículos logísticos. Esta unidade foi obviamente supervisionada por forças especiais russas (o que foi confirmado por uma fonte pró-Rússia); teria sido treinada em Latakia antes de ser desdobrada na frente de Palmira. Os ISIS Hunters teriam sido projetados para proteger instalações estratégicas dentro e ao redor de Palmira: o aeroporto militar, os acantonamentos, os campos de gás e petróleo.

Um helicóptero Hind russo sobrevoando as ruínas de Palmira.

Tropas da milícia baathista as-Saiqa ("tropa de assalto") totalmente equipados pelos sírios preparando-se para evacuar Beirute em setembro de 1982. Eles carregam retratos dos irmãos Assad, Yasser Arafat e Che Guevara. 

*Nota do Tradutor: O Partido Socialista Árabe Baʽath (em árabe: حزب البعث العربي الاشتراكي Ḥizb Al-Ba'ath Al-'Arabī Al-Ishtirākī) é um partido político fundado na Síria por Michel Aflaq, Salah al-Din al-Bitar e associados de Zaki al-Arsuzi em 1947. O partido defendeu o Baathismo (do árabe البعث Al-Baʽath ou Baʽath que significa "renascimento" ou "ressurreição"), que é uma ideologia que mistura interesses  do nacionalismo árabe, pan-arabismo, socialismo árabe e anti-imperialismo. O Baathismo clama pela unificação do mundo árabe em um único estado. Seu lema, "Unidade, Liberdade, Socialismo", refere-se à unidade árabe e à liberdade de controle e interferência não-árabe.

Após numerosos eventos, incluindo a divisão do partido em dois e o exílio dos seus fundadores, o Partido Baath chegou ao poder na Síria com um golpe em 1963-1966 - e depois com outro golpe de 1970 até os dias atuais - e no Iraque em 1963, derrubado do mesmo ano, e depois de 1968 a 2003.

ISIS Hunter com camuflado SEVER e capacete russos.

A Rússia está claramente procurando treinar tropas sólidas para o regime sírio, capazes de manter o terreno conquistado. Embora os ISIS Hunters sejam treinados com pessoal sírio, o treinamento russo é evidente. Ivan Slyshkin, 23, que serviu dois anos na Chechênia, integrou a companhia russa de segurança privada "Wagner", que opera a partir da base de Molkino em Krasnodar, onde se encontra a 10ª Brigada Independente do GRU (forças especiais), e enviou homens para a Síria desde a intervenção russa em 2015. Slyshkin foi morto em 12 de fevereiro de 2017 por um sniper durante uma operação perto do campo de gás de al-Shaer. Ele participou do treinamento dos ISIS Hunters. É provável que outros russos da companhia "Wagner" participem do treinamento da unidade.

O túmulo de Ivan Slyshkin, ex-soldado russo, integrante da companhia privada Wagner, morto na Síria em 12 de fevereiro de 2017.
Ele participou do treinamento dos ISIS Hunters.

A página do grupo no Facebook foi criada em 27 de fevereiro de 2017. A conta do grupo no Twitter apareceu no dia seguinte, 28 de fevereiro de 2017, poucos dias antes da retomada de Palmira pelo regime sírio. Um primeiro e curto vídeo, na forma de um trailer, mostra uma dúzia de combatentes, com fuzis de assalto Tipo 56-2, capacetes e coletes à prova de balas, movendo-se pelo deserto em torno de Palmira. Uma foto de 28 de fevereiro mostra nove soldados de infantaria, com capacetes, o mesmo uniforme e Tipo 56-2, em colunas no deserto. Em outro vídeo do mesmo dia, uma GoPro montada em um soldado de infantaria filma uma progressão em uma colina ao redor de Palmira; o usuário do GoPro mostra uma posição com uma metralhadora PK abandonada.

Em um vídeo de 1º de março, os ISIS Hunters filmam uma dúzia de corpos de combatentes do ISIS e posições subterrâneas nas quais se abrigavam. Outro vídeo mostrando a suposta destruição de um tanque do ISIS de perto se parece muito com uma encenação. O grupo anuncia lutar em direção ao aeroporto militar de Palmira, então na cidadela. Fontes russas indicam que os ISIS Hunters teriam desempenhado um papel importante no ataque ao aeroporto, sem dúvida auxiliados pelas forças especiais russas. Em um vídeo de 2 de março, um dos homens do grupo fala em árabe.

Uma foto de 4 de março mostra a bandeira do grupo atrás da qual pode ser visto um canhão D-30. Um vídeo do mesmo dia, acompanhado por um comentário provocativo sobre o Daesh, filmado com um smartphone, mostra as instalações subterrâneas do ISIS e vários corpos. No dia seguinte, uma foto é acompanhada por uma legenda indicando que os ISIS Hunters irão se guarnecer em Palmira e que a cidade nunca será retomada pelos jihadistas.

Uma foto de 6 de março mostra os ISIS Hunters nas catacumbas da Cidadela de Palmira. Em 12 de março, o grupo anunciou que estava pronto para a batalha de Raqqa. Um retrato do grupo de 15 de março mostra 13 combatentes do grupo. Uma publicação de 16 de março promete aos lutadores do EI que serão "esfolados vivos"(!). Em 19 de março, um vídeo exibido no anfiteatro de Palmira mostra um combatente sírio, falando em árabe, mas com legendas em inglês, convidando a se juntarem-se às fileiras dos ISIS Hunters.

Captura de tela do primeiro vídeo postado pelos ISIS Hunters, ainda armados com fuzis Tipo 56-2. A padronização de equipamentos já mostra a mão da Rússia por trás da unidade.

Em 23 de março, o Estado Islâmico lançou 120 homens em um ataque ao norte de Palmira: soldados sírios alegaram ter ajudado a repelir o ataque, matando 24 oponentes e ferindo 12. Um drone destruiu uma técnica do ISIS (um Land Cruiser com um bi-tubo ZU-23) conforme mostrado no vídeo. Em 28 de março, um vídeo filmado por drone mostra a destruição de uma posição de morteiro jihadista na estrada Damasco-Palmira; três homens são vistos fugindo de uma trincheira.

Reportagem do RUPTLY

Um membro do ISIS Hunters com um AKS-74U.
Captura de tela de uma reportagem do RUPTLY.

Um combatente dos ISIS Hunters com um AK-74M.
(RUPTLY)

No início de abril [de 2017], os ISIS Hunters ainda estavam operando para libertar os campos de gás ao redor de Palmira. Eles foram filmados pelo canal Russia Today: um deles está armado com um AKS-74U, outro com um AK-74M. Eles protegem uma instalação de gás ou óleo, perto da qual progridem um tanque e dois helicópteros russos Mi-28. Um site pró-russo do regime sírio, South Front, confirmou no final de abril de 2017 que o grupo é totalmente apoiado pela Rússia e especialmente composto por sírios da região de Homs, voluntários e tendo perdido membros de suas famílias nas mãos dos EI.

Em 23 de abril, os ISIS Hunters lutaram ao redor do campo de gás de al-Shaer, a noroeste de Palmira. O grupo teria usado principalmente seus RPG-7s e contava com o apoio de tanques T-72. No dia seguinte, o grupo filmou quatro corpos de combatentes do EI e dois fuzis de assalto na mesma área. Em 14 de maio, Ameer Ahmad Ahmad, um idoso membro do ISIS Hunters, foi filmado fazendo um discurso com legendas em inglês. Ele acusa notavelmente os Estados Unidos de estarem na origem do Estado Islâmico e denuncia o disparo de mísseis Tomahawks na base aérea de Shayrat. Em 24 de maio, um vídeo filmado por drone mostra um tanque T-55 do Daesh atingido por um morteiro a leste de Palmira (difícil dizer se o tanque foi completamente destruído).

Ameer Ahmad Ahmad, o combatente que fala em 14 de maio de 2017 em um vídeo no qual acusam os americanos de estarem por trás do ISIS e denunciam o ataque com mísseis na base de Shayrat.

O emblema do grupo é simples e evocativo: no centro, uma caveira sob uma mira (lembremos que a caveira é o emblema da Guarda Republicana Síria...), dois buracos de bala em ambos os lados, e o nome ISIS Hunters em inglês e árabe. Vermelho e preto referem-se às duas cores usadas na bandeira do regime sírio.

O emblema dos ISIS Hunters.

Bandeira da 104ª Brigada Mecanizada "Forças Tigre" da Guarda Republicana Síria.

Além de sua qualificação como unidade de "forças especiais", os ISIS Hunters não fazem muita propaganda do regime sírio, mesmo que a associação seja evidente, principalmente nos vídeos. Deve-se mencionar que a conta do Twitter e a página do Facebook, criadas quase simultaneamente, disponibilizam vídeos onde as falas em árabe são sistematicamente legendadas em inglês (o que não é necessariamente o caso das propagandas em árabe). Devemos, sem dúvida, ver a mão da Rússia, ansiosa por garantir uma certa visibilidade a esta pequena unidade de forças especiais, servindo como uma "vitrine".

Os ISIS Hunters, como unidade de forças especiais, não devem ter uma equipe grande: no máximo, os vídeos mostram cerca de dez homens juntos. Um vídeo do Ruptly em 3 de março mostra cerca de 20 combatentes. O recrutamento é sírio, mas não há dúvidas sobre a supervisão russa. Alguns sírios na unidade são particularmente idosos.

ISIS Hunters posando com um prisioneiro do ISIS  na Ilha de Hawijah Kate.
A fonte alegava terem feito 250 prisioneiros.

A mão da Rússia também é vista no equipamento: uniforme padronizado (com camuflagem russa "MultiCam" no capacete), capacetes, coletes à prova de balas. Quanto ao armamento, é composto de acordo com as imagens de fuzis de assalto Tipo 56-2 para todos os soldados de infantaria, sem serem visíveis as armas coletivas, exceto no vídeo de 3 de março, onde vemos um atirador de RPG-7 com 2 municiadores e uma metralhadora RP-46, velha e bastante rara. Um drone armado foi usado em 23 de março contra uma técnica do ISIS. Um canhão D-30 é visível atrás da bandeira da unidade em uma fotografia. As armas visíveis em abril (AK-74M, AKS-74U) mostram uma melhora crescente nos meios disponibilizados pela Rússia à unidade.

Bibliografia recomendada:

Estado Islâmico:
Desvendando o exército do terror.
Michael Weiss e Hassan Hassan.

Technicals:
Non-Standard Tactical Vehicles from the Great Toyota War to modern Special Forces.
Leigh Neville.

Leitura recomendada:

Os condutores da estratégia russa16 de julho de 2020.

Dividendos da Diplomacia: Quem realmente controla o Grupo Wagner?22 de março de 2020.

General russo foi morto em ataque com IED na Síria3 de setembro de 2020.

FOTO: Infantaria contra carros de combate6 de setembro de 2020.

FOTO: Entre dois leões na Síria4 de setembro de 2020.

GALERIA: Os fuzis AK-74M da Síria29 de agosto de 2020.

FOTO: Posto defensivo das Spetsnaz do GRU na Síria27 de julho de 2020.

GALERIA: Uso operacional do VSK-94 pelas Forças Armadas Árabes Sírias14 de julho de 2020.

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

Operadores do SAS britânico "Proibidos" de usarem o emblema do "Punisher" nos uniformes

Famoso emblema do Punisher (Justiceiro, no Brasil) utilizado por forças militares e policiais no mundo todo.

Por Eric SOF, Spec Ops Magazine, 5 de fevereiro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 5 de fevereiro de 2020.

Os operadores do Serviço Aéreo Especial (Special Air Service, SAS) britânico foram supostamente proibidos de usar um "distintivo de caveira" não-oficial depois de serem comparados aos nazistas, foi declarado.

O distintivo é feito especificamente para o regimento SAS e é usado no capacete ou no colete balístico - mas agora os chefes do Exército alegadamente o proibiram. De acordo com o relatório, os operadores do SAS recebem as insígnias arrepiantes do "Punisher" depois de fazerem o seu primeiro combate.

O personagem Justiceiro da Marvel Comics é um ex-fuzileiro naval que se torna vigilante depois que sua esposa e filhos são assassinados. O SAS britânico teria adotado o distintivo do "Justiceiro" depois de servirem ao lado dos Navy SEALs no Iraque durante a última década.

Mas agora, de acordo com o Daily Star, os altos escalões afirmam que o símbolo é muito semelhante à Caveira usada pelas divisões da SS de Hitler e eles querem que ele seja banido. Um distintivo universal da SS, a caveira também foi usada como insígnia da notória divisão Totenkopf (literalmente caveira), que estava envolvida na administração dos campos de concentração da Alemanha nazista.

“Eles são matadores profissionais… e daí que eles usam uma caveira no uniforme.” - Disse uma fonte do SAS.

Alega-se que o pedido foi feito depois que uma queixa foi feita após uma visita de chefes do exército britânico à base de Herefordshire do regimento SAS.

Uma fonte disse à Star: “[Os SAS] são matadores profissionais - esse é o trabalho. E daí que eles usam uma caveira em seu uniforme. Fomos informados de que isso poderia ser perturbador para outras unidades, desrespeitoso com as forças inimigas e incentivar crimes de guerra por algumas das tropas estrangeiras com as quais o SAS trabalha, tais como afegãos e iraquianos. ”

A fonte acrescentou que "a ordem para removê-lo caiu muito mal", como embora nem todos usassem o distintivo, é "muito popular entre os membros do G Squadron". Ele também acrescentou que o regimento SAS esteve envolvido em inúmeras operações no Iraque e no Afeganistão e matou dúzias de soldados inimigos.

"Toda vez que um novo operador entra e mata um, ele recebe o distintivo... É um reconhecimento pelo trabalho que ele fez", revelou a fonte.

Eles acrescentaram que o distintivo de "Justiceiro" não é "uma celebração de tirar uma vida", mas por se colocar "em uma posição em que sua própria vida foi colocada em risco".

Trevor Coult, um ex-sargento que recebeu a Cruz Militar no Iraque e é o chefe do For Our Veterans, disse ao Star que a ordem era "politicamente correta, absurda e ridícula". O Ministério da Defesa britânico recusou-se a comentar os relatórios quando contatado pelo The Sun Online.