segunda-feira, 13 de setembro de 2021

Os Três Mosqueteiros: Prouteau, Barril e Lepouzé


Por Gilbert DeflezGIGN - Vocation: anti-terroristes, 1983.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de setembro de 2021.

Em 1982, quando o GIGN passou a ser reconhecido como a elite antiterrorista mundial, três figuras se destacaram no comando da unidade: Cpt. Christian Prouteau, Ten. Paul Barril e Ten. Lepouzé.

E não, não são quatro como no famoso romance de Alexandre Dumas, mas são três fenômenos. Cada um o mais diferente possível dos outros dois. Em primeiro lugar, está o mais curioso, o chefe. O homem-chave do G.I.G.N. Seu criador e animador até meados de 82.

Retrato do Capitão Christian Prouteau, líder do grupo de intervenção número 1 da Gendarmaria Nacional, durante uma sessão de tiro com seus homens em Fort Charenton, fevereiro de 1978. (ECPAD)

Christian Prouteau é o homem-chave da unidade: o chefe. Aos 38 anos, ele criou e animou a unidade. É o Michael Caine do filme "A Águia Pousou" (The Eagle Has Landed, 1976). A mesma elegância, a mesma irreverência ligeiramente entediada, a mesma confiança do famoso ator inglês do filme. Aos trinta e oito anos, ele representa o autêntico senhor da guerra. Um capitão ciente de suas responsabilidades e, acima de tudo, respeitoso com os extremos da vida de seus homens. Ele dificilmente entende o tipo de frase "um sacrifício humano é necessário para remover o montículo" proferida por muitos estrategistas da moda durante a guerra de 14-18 [Primeira Guerra Mundial]. Para ele, uma operação é realmente perfeita quando não há quebra e todos os seus homens voltam para casa sãos e salvos.

- “Todos os subordinados devem ter absoluta confiança em seu chefe”, ele repete com freqüência.

Esportista, sabe dar o exemplo tanto da sua bravura como das suas qualidades físicas. Faixa-preta de judô, fanático por asa-delta, pratica todas essas atividades muito variadas para manter sua esguia carcaça de um metro e noventa. Seu forte gosto pelo risco e pela aventura sempre o levaram à ação.

Coronel Kurt Steiner (Michael Caine) no filme A Águia Pousou.

Ex-oficial do Exército, ele já estava envolvido, antes de criar o G.I.G.N., com o treinamento de unidades de comandos paraquedistas da Gendarmaria. Como parte da defesa operacional do território. Ele era então o comandante de um pelotão de um esquadrão de trinta homens.

Corajoso, ele é. Ele provou isso e até pagou caro por isso. Não que ele não conheça o medo... mas ele sabe como dominá-lo perfeitamente no momento certo.

- Quando eu inicio uma operação, ele me disse um dia, fico nervoso. Com medo, se preferir. Porque sou um homem como qualquer outro. Eu apenas tento lidar com isso da melhor maneira que posso.

Psicologicamente, o personagem é tão complexo quanto o trabalho que faz. À primeira vista cortês e um tanto indiferente, muitas vezes dá a impressão de não ouvir o que lhe é dito. Na verdade, ele registra tudo. Ter essa faculdade formidável de se interessar por uma conversa enquanto pensa em outra coisa. Ele tem o ar falsamente sonhador de quem está acostumado a sondar a alma humana.

Treinamento de tiro rápido de precisão com o .357 Magnum pelos homens do GIGN no forte de Charenton, Maisons-Alfort (Val-de-Marne), fevereiro de 1978. Em primeiro plano, o Comandante Prouteau.

Eis como Eric Yung, do Quotidien de Paris, descreve o caso da embaixada do Iraque e o assassinato, por barbouzes ["barbudos", agentes secretos] da embaixada, do inspetor Capella: "Vimos o chefe do G.I.G.N. designar um por um os barbouzes iraquianos que abriram fogo contra os policiais franceses. Seu olho aguçado havia fotografado todos eles. 'Chame aquele, eu o vi atirar da janela do terceiro consulado. E este aqui, o bigodudo com os óculos pequenos. Ele estava atrás da porta da embaixada. Foi ele quem deu a ordem de atirar. Ele, o cara de terno azul, não deixe ele sair...'" Christian Prouteau não conseguiu mais resistir. Ele tinha visto tudo, notado tudo!

Um dos traços dominantes do seu caráter continua sendo seu gosto por problemas "distorcidos" ou "insolúveis". Para ele, qualquer problema, seja ele qual for, deve ter pelo menos uma solução. E ele não pararia até que a encontrasse.

Ele odeia estar errado. Em todas as coisas, ele tem vontade de convencer, usando então, para sustentar suas especulações ou suas opiniões, todos os recursos de uma dialética tão implacável quanto aguda. Quando ele se sente em apuros, às vezes pode, como tantas pessoas "muito boas", ir tão longe quanto a má-fé. Muitas vezes me perdi nas voltas e reviravoltas de seu raciocínio, sem saber muito bem de onde ele vinha.

Sem dúvida sutil e politicamente experiente, ele me deu um apelido: "Le Florentin"! Sensível e refinado como os governantes deste surpreendente principado italiano [Florença], ele mostra uma grande curiosidade pelas coisas da mente e um verdadeiro gosto pela arte e pelas coisas belas. Sua inteligência viva e lúcida está sempre alerta. Seu conhecimento é bastante eclético: ele sabe ser tão apaixonado por um livro de história contemporânea quanto por um tratado de matemática ou astronomia. Todos os grandes mistérios científicos e filosóficos de nosso tempo o interessam. A vida e a morte são parte de suas preocupações, assim como o enigma representado pelo aparecimento de OVNIs. Tendo a possibilidade de ler sobre este assunto, os inúmeros relatórios da Gendarmaria, ele professa teorias tão audaciosas quanto atraentes sobre essas aparições no céu.

Jacques Chirac, então primeiro-ministro, observa a apresentação de Christian Prouteau e da equipe do GIGN depois de Loyada, no Djibouti, 1976. Na mesa, os fuzis sniper FR-F1 com diferentes lunetas.

Técnico em eletrônica talentoso e guitarrista ocasional, ele gosta de relógios, armas e automóveis, desde que sejam velhos e luxuosos. Sem ser mundano, é um companheiro de passeio ou jantar muito agradável. Ele não desdenha o humor de vez em quando, desde que ele não seja o alvo (nem o meu humor, que ele considera muito insolente).

Posso vê-lo daqui lendo estas linhas ficando indignado, familiarmente empurrando os óculos para a ponta do nariz e murmurando: Ele não está exagerando!!

Muitas vezes me perguntei o que fez Prouteau correr. Por que esse demônio de homem continuou ao longo dos anos seu duelo infernal com a morte, sua provocação perpétua à sorte e ao perigo. Certamente não é uma questão de dinheiro, os salários da Gendarmaria, sem serem irrisórios, não são consideráveis. Claro, ele explica as motivações para essa busca contínua por uma certa ética de vida, uma concepção muito precisa de honra e serviço público.

Estas são razões lógicas, sólidas e certamente sinceras. Ainda assim, enquanto eu estudava exaustivamente "Aqueles opostos", eu me perguntei se não havia outra coisa, se o chefe do G.I.G.N. após oito anos de lutas amargas e perigosas contra o crime e a delinquência, não se sentia insatisfeito com a mediocridade dos citados adversários que havia encontrado à sua frente. Se ele não tivesse se tornado uma espécie de jogador de xadrez invicto, encontrando apenas oponentes trapaceiros e ridículos.

Porque quando você enumera seus adversários, você só descobre perdidos como em Brionne, Faverges, iluminados como em Touquet, fanáticos como em Meca, personagens repugnantes como em Clairvaux ou em Lisieux, uma guerra sem soldados como no Djibouti.

O astro Jean Gabin como o Tenente Maréchal no filme A Grande Ilusão, 1937.

Prouteau, como já disse, é um verdadeiro senhor da guerra. E, como tal, ele sem dúvida teria desejado, no fundo de si mesmo, encontrar um adversário à sua medida. Alguém que, por motivos diferentes dos seus, o confronta com sutileza, inteligência, savoir faire e dignidade. Mas, obviamente, tal homem não poderia ter sido antagônico durante nenhuma de suas intervenções.

O chefe do G.I.G.N. combateu indivíduos sem honra, muito distantes dos homens descritos por Jean Renoir em "A Grande Ilusão" (La Grande Illusion, 1937). E uma cena deste filme extraordinário vem à mente. Quando Erich Von Stroheim disse a Pierre Fresnay:

- Este é o fim dos Rauffensteins e do Boeldieu. Você não acha que é uma pena?

Paul Barril, o braço direito de Christian Prouteau.

Paul Barril não é apenas o segundo em comando do Comandante Prouteau, mas também e acima de tudo seu amigo, o companheiro que compartilha tudo. Satisfações como tristezas. Tanto as alegrias quanto os sofrimentos. Ele estava ao lado da cama de seu chefe quando este foi gravemente ferido em Pauillac. Dois anos antes, Christian o ajudara quando ele se viu no hospital. O seu pára-quedas tinha incendiado a mais de quinze metros e a terrível queda que teria matado qualquer outro o deixou acamado com múltiplas fraturas e uma coluna vertebral, para usar a sua expressão "como uma sanfona".

Sua esposa Angélica diz que quando ele teve alta do hospital, ele queria ir com ela em suas corridas diárias. (Ela também é uma atleta talentosa). Quando ela o distanciou, ele não disse nada, mas seus olhos azuis traíram seu terrível desapontamento. E ele nunca parou de progredir e superá-la. Ao recuperar sua forma, chegou facilmente, deu meia-volta e tinha seu sorriso inimitável, carnívoro e brincalhão. Ele ficou satisfeito.

Duro consigo mesmo, é também duro com seus homens, que não hesita em acordar no meio da noite para "um pequeno treino". Como somos cautelosos no G.I.G.N. quando Paul Barril fala sobre “fazer um pequeno treino”! O último pode variar de um cross-country de 50 quilômetros na chuva ou neve a uma sessão de natação de vinte e quatro horas de cada vez.

- Para ser muito bem treinado, acrescenta ele hilariante.

À direita, o Major Christian Prouteau, comandante do GIGN, e seu adjunto, o Capitão Paul Barril, em Fort Charenton, Maisons-Alfort (Val-de-Marne), março de 1982.

Eficiente, ele quer estar ciente das últimas inovações técnicas que testa com paixão. Para ele, quanto mais sofisticado for o equipamento em uma intervenção ou em um treinamento, mais chances ele terá de salvar vidas humanas. Ele disse em uma entrevista recente.

- É infantil atirar na pilha. O motivo pelo qual refinamos tanto sobre equipamentos é que queremos obter o máximo de informações possível, sem ter que derramar sangue. Para nós, esta é uma regra absoluta!

Ele também adora aparelhos eletrônicos e coisas do gênero. Explosivos e armas não guardam segredos para ele. Ele os conserta ou os transforma de vez em quando. Ao contrário do mais teórico Prouteau, ele é capaz de desmontar qualquer arma ou consertá-la.

Na presença do Ministro da Defesa, Charles Hernu, e do Comandante do GIGN, Christian Prouteau, o Capitão Barril coordena uma apresentação dinâmica, março de 1982. Barril tem os brevês paraquedista e comando.

Ele é considerado por todos os homens do grupo como um "faz-tudo genial". Se quisesse, certamente já teria vencido o Concurso Lépine [de invenções] há muito tempo. Entre outras coisas, ele não transformou os endoscópios do médico para fazer a varredura através de um orifício microscópico, dentro de uma sala? Não teve a ideia de usar estetoscópios para detectar a presença humana atrás das paredes... E todo tipo de coisa!!

Ele nunca intervém sem a sua mala Samsonite, famosa em todo o quartel de Maisons-Alfort. Seu conteúdo me deixou sonhando. Eles variam desde o minúsculo Derringer calibre 38 (todos iguais!), às barras explosivas, granadas de gás ou não e aos instrumentos bizarros que são indefiníveis para um leigo.

- Se o helicóptero do G.I.G.N. explode um dia em pleno vôo, não se surpreenda! disse-me um dia um coronel da Gendarmaria zombeteiro, Paul terá cometido um erro!!

Na intervenção, Paul e Christian formam um par surpreendente. O primeiro, intuitivo e instintivo como um animal, auxiliando o outro, mais secundário e calculista.

O Comandante Prouteau apresenta o grupo de intervenção número 1, portando cordas de rapel, após uma demonstração dinâmica em ambiente urbano em Cergy-Pontoise, em outubro de 1974. O veterano Lepouzé, bigodudo, está na extrema direita.

E então há o Tenente Lepouzé. Um fenômeno também, esse aqui. Foi ele quem, quando o G.I.G.N. foi criado, auxiliou Christian Prouteau em sua tarefa difícil e tão diferente do que havia sido tentado até então. Ele era um Adjudant na época. Ele é o veterano do grupo. Ele participou de praticamente todas as intervenções com sua discrição e eficiência usuais.

Segredo, ele não fala muito. Ele age. À primeira vista, ele tem um ar "covarde" desmentido por olhos que brilham com malícia e força silenciosa. Ele tem a cara de um velho aventureiro. Coração de ouro e "cabeça de porco" [cabeça dura, teimoso]. Foi ele quem formou os primeiros "bleusailles" [azulões] que entraram no G.I.G.N.


Extrato do livro GIGN - Vocation: anti-terroristes, 1983, edições Publi-teamde Gilbert Deflez. 

Gilbert Deflez também é o autor dos livros La Brigade des Missions Impossibles (A Brigada de Missões Impossíveis) e Le Gang Des Tractions Avant (A Gangue de Trações Dianteiras).

Bibliografia recomendada:

A História Secreta das Forças Especiais.
Éric Denécé.

Leitura recomendada:




Nenhum comentário:

Postar um comentário