quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Higienizando o Grupo Wagner: novo filme pinta o grupo mercenário russo como salvadores

Mercenário Wagner ajuda uma soldado da RCA em cena do filme Turista (2021).

Por Steve Balestrieri, SOFREP, 2 de junho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 15 de setembro de 2021.

“Os americanos dizem que lutam pela democracia... os russos lutam por justiça.” Esse é o tema de Turista (Турист, 19 de maio de 2021), um filme de propaganda financiado, filmado e estrelado por membros do Grupo Wagner de Yevgeny Prigozhin.

Turista conta a história de um grupo de jovens conselheiros militares russos (mercenários Wagner) enviados à República Centro-Africana (RCA) na véspera das eleições presidenciais. Após uma violenta rebelião, eles defendem os moradores contra grupos de rebeldes assassinos.

O filme não menciona nenhuma das violações dos direitos humanos pelo Grupo Wagner

Tropas russas Wagner na República Centro-Africana atuando como destacamento de segurança presidencial.

Conspicuamente ausente no filme, estava a menção de uma infinidade de acusações de crimes de guerra e abusos dos direitos humanos que foram apontados contra mercenários Wagner desde que chegaram à RCA.

De acordo com um relatório de março de um grupo de especialistas independentes da ONU, os mercenários russos Wagner cometeram abusos aos direitos humanos na RCA enquanto lutavam ao lado de forças governamentais.

As supostas violações incluem execuções sumárias em massa, detenções arbitrárias, tortura durante interrogatórios e o deslocamento forçado da população civil, cerca de 240.000 dos quais fugiram de suas casas por causa dos combates nas últimas semanas. A Radio France Internationale (RFI) publicou uma importante investigação baseada nos documentos da ONU sobre as atividades dos mercenários Wagner na RCA. Os jornalistas relataram que “instrutores militares russos” estavam cometendo execuções extrajudiciais, estupros coletivos e saques.

No entanto, ao longo do filme, os mercenários russos são retratados como gentis e generosos. Simultaneamente, o filme frequentemente critica franceses e outros assessores ocidentais, retratando-os como espalhando instabilidade e caos na região.

“Os americanos dizem que lutam pela democracia... Os russos lutam por justiça”, diz um dos protagonistas do filme, enquanto os inspetores russos se preparam para proteger uma vila local.

Trailer


O diretor do filme, Andrey Shcherbinin - que usa o pseudônimo de Andrey Batov - tentou retratar a benevolência dos mercenários Wagner. Embora Shcherbinin tenha passado apenas alguns dias na RCA, ele retratou o ponto de vista russo.

Em uma entrevista à mídia, Shcherbinin disse que está preocupado com o futuro que aguarda as crianças da África Central. “A natureza não suporta o vácuo. Se não estivermos na RCA, outros estarão. Eu os vi lá. São pessoas absolutamente materialistas, que buscam seus próprios interesses. Eles não se preocupam profundamente com a África ou com essas crianças”, disse Shcherbinin. “Quando a população local vê um homem branco e ouve [ele] falando francês, dá para ver a repulsa em seus rostos. Mas assim que ouvem russo, começam a sorrir, vêm e cumprimentam [você]”, acrescentou.

Filme de propaganda de Prigozhin

De acordo com fontes citadas pelo The Moscow Times, Prigozhin é provavelmente o dinheiro por trás do filme Turista.

“Ninguém mais gostaria de financiar um filme desses”, disse uma fonte da indústria cinematográfica ao The Moscow Times.

O filme foi produzido por um estúdio relativamente desconhecido com sede em São Petersburgo, registrado sob a marca “Paritet Film”. Registros públicos russos mostram que a esposa de Prigozhin, Lyubov Prigozhina, é proprietária de outra empresa que foi anteriormente registrada com o nome de "Paritet" em São Petersburgo.

Uma captura de tela de um vídeo de mídia social parece mostrar membros do Grupo Wagner matando um homem na Síria. Eles são acusados de mais violações na RCA.

O filme foi exibido na televisão russa e para quase 10.000 locais na RCA no Estádio Barthélemy Boganda, localizado na capital da RCA, Bangui. Uma reportagem da mídia de Prigozhin afirmou que 70.000 pessoas se aglomeraram para ver o filme no estádio com capacidade para 50.000.

Muitos membros do elenco do filme estiveram recentemente envolvidos em outros filmes financiados por Prigozhin. Os extras são todos mercenários Wagner. O ator que interpreta o chefe dos assessores russos tem uma forte semelhança com Prigozhin. Outros membros do elenco e da equipe, incluindo dois produtores e o roteirista-chefe, trabalharam para um filme financiado por Prigozhin sobre um de seus principais assessores. E o elenco do filme conduziu extensas entrevistas com a Agência Federal de Notícias (FAN) - um meio de comunicação dirigido por Prigozhin.

Vladimir Petrov, um dos principais atores do filme, disse em uma entrevista à FAN que os atores receberam treinamento e ajuda de “profissionais russos em campo”.

A crescente influência da Rússia na nação africana

Cena do filme Turista.

Os créditos de abertura do filme, que foi filmado em março e abril de 2021 na RCA, dizem que foi inspirado pelos 300 instrutores militares russos servindo no país rico em recursos em apoio ao regime do presidente Faustin-Archange Touadéra, que a Rússia apoiou abertamente desde 2018.

Embora o filme diga que apenas 300 mercenários Wagner estão estacionados na RCA, a maioria dos analistas militares acredita que o Grupo Wagner tem mais de 1.000 homens no país. Além disso, a Sewa Security Services, outra companhia militar privada russa, supostamente hospeda mais 1.000 mercenários. E esses números estão aumentando. A RCA notificou o Conselho de Segurança da ONU que o país deve trazer 600 novos instrutores russos.

A influência russa na RCA cresceu a tal ponto que os mercenários russos fazem parte do destacamento de segurança do presidente e um ex-oficial de inteligência russo, Valery Zakharov, é o conselheiro de segurança nacional do presidente.

Prigozhin teria dito ao meio de comunicação russo Meduza que os mercenários russos na RCA “merecem fama e respeito. Eles são russos e temos orgulho deles”. Alegadamente, este filme de ação foi uma tentativa de Prigozhin de aumentar os esforços de recrutamento do Grupo Wagner, que está tendo problemas em conseguir os melhores recrutas.

Prigozhin, o magnata da restauração conhecido como "Chef de Putin", negou sistematicamente ter qualquer vínculo com o Grupo Wagner. Ele está enfrentando sanções por interferir nas eleições presidenciais dos EUA.

Steve Balestrieri atuou como graduado, sargento e Warrant Officer (sem equivalente no Brasil) das forças especiais antes que ferimentos forçassem sua reforma precoce.

Bibliografia recomendada:

The "Wagner Group":
Africa's Chaos in an Economic Boom.
Intel Africa.

Leitura recomendada:







Nenhum comentário:

Postar um comentário