sábado, 25 de abril de 2020

GALERIA: Pinturas em aquarela sobre o GIGN do artista Alexis Le Borgne


Do site GIGN Historique, 27 de fevereiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 25 de abril de 2020.

Com apenas 23 anos, Alexis Le Borgne já reconhecido por sua arte, foi recompensado em 11 de outubro de 2019 pelo GIGN (Groupe d'intervention de la Gendarmerie nationale) por suas 12 pinturas em homenagem a essa unidade com a qual ele sonhava quando mais jovem.

Alexis Le Borgne recebeu o troféu GIGN pelas doze pinturas apresentadas à unidade de elite. (Foto D. R.-B.)

Alexis Le Borgne é um artista extraordinário. Com apenas 23 anos, ele vive de sua arte há três anos e já ganhou inúmeros prêmios. Como autêntico criador, o pintor aprendeu a seguir a dinâmica de seus arranjos interiores. O que às vezes o leva a universos onde não projetamos espontaneamente a arte como evidência. Por exemplo, na área das forças de segurança. Nenhum hiato estético assusta o jovem, baseado em Plérin (22), que acaba de realizar em três meses uma proeza tanto física quanto técnica: entregar doze acrílicos em papel aquarela ao prestigioso GIGN. Um presente que ele sem dúvida amadureceu desde a infância. E que ele próprio trouxe para o quartel de Pasquier, lar da elite da Gendarmeria, em 11 de outubro.

Tir de confiance (Tiro de confiança).

Visto pelo comandante do GIGN

"Sempre fui fascinado pelo GIGN, acho que tenho visto todos as reportagens sobre eles desde pequeno. Então, eu sempre quis desenhá-los, mas não tinha o nível ou o equipamento quando estava no colégio."

Effraction à chaud (Arrombamento).

Doze pinturas, seis horas por tela: "No começo, eu vi fotos de operações. Fui inspirado por elas, mas recriei minhas próprias cenas. Eu queria contar aspectos da profissão, mas acima de tudo, trazer à tona as emoções específicas daquilo que os operacionais experimentam em momentos específicos. A vertigem dos paraquedistas, por exemplo”. A estética das telas devia estar a serviço estrito das atmosferas que o pintor não podia conhecer, mas também de uma verdade do operacional. “Uma pintura pode ser bonita, mas acima de tudo, tem que contar uma história. E lá, eu também queria expressar a força, a coesão e a irmandade do grupo, era o que eu queria destacar".

A exigência compartilhado

Dernier appel (Última chamada).

Trabalhador exigente, Alexis Le Borgne encontra as chaves para uma concentração talvez um pouco nova. "Eu não tinha espaço para erro! Isso me levou a me esforçar, a ter um requisito de estar a serviço da excelência". Ele ganhou um "grande passo técnico". "Eu progredi em fineza, e no desbotamento..." Porque o exercício não é simples. Não há cores brilhantes para realçar. Um universo de nuances e tensões a serem reveladas. "Uma pintura sussurrando", traduz Alexis Le Borgne.

Mover o pincel sobre a paleta militar também era novo. Mas a qualidade de seu trabalho tocou indubitavelmente algo do inexprimível que forma a base das unidades de elite. "O general convidou toda a unidade para o quartel em torno do bar comum", lembra os plérinais. Enquanto os soldados descobrem as pinturas, ele conhece esses homens a quem tanto admira e que são "sensíveis à arte". "Eles têm muitas fotos, quadrinhos também."

Chut’Ops (Salto livre).

Desde então, ele tem sido muito procurado. "Os bombeiros de Paris escreveram para mim. Mas digo a mim mesmo que existem outros assuntos que não são muito tratados na pintura, como os médicos, por exemplo". A arte tem essa capacidade de "ligar tudo". “Na pintura, é preciso muito trabalho. E então, criamos uma linguagem visual e nos abrimos para o mundo". Mas funciona, desde que você tenha "uma verdadeira cultura de humildade". Eu me questiono o tempo todo e não esqueço de onde venho... O garotinho que rabiscou na casa dos pais. Pintar não é uma história de dom, é disciplina, determinação e suor." Sem dúvida, isso vai falar aos homens do GIGN.

Assaut (Assalto).

Poignée fraternelle (Aperto de mão fraternal).

Portrait d’un ops (Retrato de um operacional).

Présentation au drapeau (Apresentação da bandeira).

Plongeurs en infiltration (Mergulhadores em infiltração).

Maître et chien (Tratador e cachorro).

Les yeux et les oreilles (Os olhos e os ouvidos).

Colonne d’assaut (Coluna de assalto).

En chouffe (No mato).

Bibliografia recomendada:

Nenhum comentário:

Postar um comentário