Mostrando postagens com marcador Polícia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Polícia. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 2 de março de 2022

Aniversário de 48 anos do GIGN


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 2 de março de 2022.

Este mês de março, no dia primeiro, o Grupo de Intervenção da Gendarmaria Nacional francesa (Groupe d'intervention de la Gendarmerie nationale, GIGN) completou 48 anos. Criada após a crise de Munique em 1972, a unidade de intervenção juntou-se com o grupo paraquedista da Gendarmaria para formar o GIGN, uma das forças especiais policiais mais famosas no mundo. O perfil oficial da Gendarmaria Nacional francesa postou uma homenagem com a foto do grupo inicial comandado por Christian Prouteau e o grupo atual.

Março de 1974 - março de 2022: o #GIGN completa 48 anos este ano!

Força de intervenção, força de segurança e proteção, força de observação e pesquisa, grupo de segurança da Presidência da República: obrigado a todos os nossos #gendarmes de elite pelo seu empenho ao serviço dos franceses.

Leitura recomendada:

ENTREVISTA: Christian Prouteau, fundador do GIGN4 de maio de 2021.


segunda-feira, 14 de fevereiro de 2022

Supervisor da DEA tornado "pária' vendeu fuzis de assalto para associados do Cartel de Sinaloa


Por Beth WarrenThe Courier Journal24 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de fevereiro de 2021.

Agentes espionando os associados do Cartel de Sinaloa rastrearam dois de seus fuzis de assalto semiautomáticos de alta potência até uma fonte surpreendente – um supervisor da Administração Antidrogas dos EUA.

Joseph Michael Gill, encarregado de erradicar os traficantes em meio à crise de drogas mais mortal dos Estados Unidos, provavelmente ajudou a armá-los durante algumas de suas 645 transações de vendas no site Gunbroker.com, de acordo com registros do tribunal.

Joseph Michael Gill.

O veterano homem da lei - anteriormente confiável para liderar uma equipe de cerca de uma dúzia de agentes - até anunciou nos sites Gunbroker e Backpage usando seu número de telefone emitido pelo governo.

Em uma rara entrevista em fevereiro, Gill conversou com o The Courier Journal sobre o escândalo e sua demissão da DEA em 2018, interrompendo sua carreira de 15 anos.

Gill insiste que não fez nada de errado e disse que seu caso destaca uma colisão de reguladores excessivamente zelosos e leis ambíguas sobre armas. O promotor diz que Gill conscientemente evoluiu para um prolífico traficante de armas e seus crimes são mais indicativos de como os americanos, movidos pela ganância, ajudam a armar criminosos perigosos nos EUA e cartéis do outro lado da fronteira.

"Os cartéis precisam de armas de fogo para sustentar seus negócios", disse Scott Brown, agente especial encarregado das Investigações de Segurança Interna em Phoenix. “Quando eles encontram pessoas dispostas a violar flagrantemente a lei ou burlar a lei ou não praticar a devida diligência, isso está permitindo que os cartéis estejam armados e tenham um impacto destrutivo tanto no México quanto nos EUA.”

Pelo menos 70% das armas apreendidas no México – incluindo muitas armas usadas por cartéis em massacres – foram fabricadas ou vieram da América, de acordo com o Escritório de Responsabilidade do Governo dos EUA. Algumas autoridades no México e agentes nos EUA suspeitam que a porcentagem real seja muito maior.

Mas Gill afirma que seu caso foi "muito político e injusto. Se eu não fosse um agente da DEA, nunca teria sido alvo do jeito que fui".

"Os 645 itens que comprei ou vendi eram principalmente peças e acessórios de armas de fogo, nem todos armas de fogo", disse ele sobre suas vendas no Gunbroker.com que ocorreram de 2000 a 2016. "Eu estava sempre trocando coldres, miras, óticas, engrenagem."


Gill se declarou culpado em um tribunal federal em 2018 por uma acusação de tráfico de armas de fogo sem licença envolvendo a venda dos dois fuzis de assalto – armas originárias do Kentucky – para os associados do cartel e um terceiro fuzil com destino ao México. Ele agora insiste que vendeu as três armas legalmente e só se declarou culpado porque se defender no julgamento poderia custar mais de US$ 200.000.

Phillip N. Smith Jr., que processou Gill, caracterizou a quantidade de evidências como forte.

"Não foi político", disse Smith, que agora trabalha em consultório particular. "Ele infringiu a lei. É um crime grave. Essa é uma das maneiras pelas quais os bandidos que não deveriam ter armas conseguem pegá-las, pegando-as de pessoas que não seguem as regras - como o Sr. Gill."

Gill admitiu ter vendido um fuzil de assalto para um jovem em 27 de julho de 2016 e, no dia seguinte, vender o mesmo tipo de arma para Mauricio Balvastro, que se identificou para Gill como "associado" do jovem. Ambos são supostos traficantes de drogas e associados do Cartel de Sinaloa, disse Brown ao The Courier Journal.

Os homens compraram fuzis Colt M4LE, que disparam tiros de alta velocidade que podem rasgar os coletes de proteção dos policiais.

Joseph Michael Gill vendeu a supostos traficantes de drogas dois desses rifles de assalto, capazes de disparar projéteis de alta velocidade que podem rasgar armaduras policiais.
(Foto dos autos do tribunal.)

É um tipo de arma usada por muitas equipes da SWAT e soldados americanos.

Gill disse que não sabia que os homens eram suspeitos de tráfico de drogas e fez tudo o que é legalmente exigido, verificando as carteiras de motorista dos compradores e verificando se eles eram maiores de idade e moravam em seu estado natal, o Arizona.

Ambos os compradores pagaram US$ 1.000 pelas armas que Gill comprou online no mês anterior por US$ 632. Isso é uma marcação de 60% e uma bandeira vermelha. É comumente conhecido pela polícia – e o Bureau of Alcohol, Tobacco, Firearms and Explosives (ATF) alerta sobre isso em seu site – que os compradores que estão dispostos a pagar a mais podem não ter permissão para comprar armas ou não querem criar uma trilha de papel.

Brown chamou os crimes de Gill de "perturbadores". Balvastro "estava envolvido na importação de uma quantidade significativa de narcóticos e distribuição deles através da fronteira e depois para a Costa Leste, particularmente na região de Filadélfia-Baltimore".

Agentes de fronteira confiscaram um dos fuzis de assalto que Gill vendeu para os supostos traficantes de drogas na pequena cidade fronteiriça de Nogales, no Arizona, de acordo com registros do tribunal. [A arma] estava a caminho da florescente cidade de Nogales, no México, território há muito controlado pelo Cartel de Sinaloa.

Smith, então advogado assistente dos EUA, pediu a um juiz federal que mande Gill para a prisão por 18 meses por vender "um grande número de armas de fogo para quem as comprar - sem realizar nenhuma verificação de antecedentes e ignorando as bandeiras vermelhas", de acordo com uma moção de 14 páginas apresentada no Tribunal Distrital dos EUA em Tucson.

Em moções judiciais, o promotor apontou várias mensagens de texto de Gill para potenciais compradores, que ele às vezes encontrava em estacionamentos de shoppings, oferecendo vender fuzis de assalto e muito mais: "Se você quiser outro dos colt m4 (sic) me avise. Ainda tenho um sobrando. Também tenho algumas pistolas e uma espingarda policial Remington 870."

O advogado de Gill, Jason Lamm, pressionou com sucesso por clemência, argumentando em sua moção que Gill cometeu uma ofensa regulatória, "não um ato de torpeza moral". Ele apontou para as realizações de seu cliente, incluindo um Prêmio de Desempenho Excepcional da DEA por derrubar redes de drogas e fábricas de pílulas uma década atrás em Miami e arredores.

Lamm argumentou que Gill, agora um criminoso condenado, está "sendo rotulado como um pária virtual e um pária de seus irmãos" policiais, então uma sentença de liberdade condicional "ainda deixa o réu com uma ostensiva letra escarlate para o resto de sua vida."

Em 2019, o juiz optou pela leniência, ordenando que Gill permanecesse em prisão domiciliar por seis meses, cumprisse 500 horas de serviço comunitário e permanecesse em liberdade condicional por cinco anos.

"Ainda sou amigo de muitos agentes e converso com eles regularmente", disse ele no início deste mês. "Aqueles que me julgam e me evitam, para o inferno com eles." Gill atingiu o radar dos agentes da Homeland Security Investigations em 2016, quando eles monitoravam os telefonemas dos traficantes de drogas por meio de uma escuta.

Os investigadores estavam focados em prender Balvastro, um fugitivo acusado de tráfico de drogas no Arizona. Ele é acusado de desempenhar um papel fundamental em uma quadrilha de drogas acusada de trazer milhões de dólares em heroína, cocaína e maconha, disse Brown.

Em 2016, os investigadores ouviram Balvastro e seu associado discutindo a compra de armas de um vendedor na Internet. Um agente da HSI ligou para o número do vendedor e ficou surpreso ao saber que era um supervisor da DEA.

Gill havia comprado três fuzis Colt Modelo M4LE idênticos online em 12 de junho de 2016 na Buds Gun Shop, uma loja de armas licenciada em Lexington. Ele enviou as armas através do país para a Brown Family Firearms em Sahaurita, Arizona, 18 milhas ao sul de Tucson. Ele vendeu duas delas para Balvastro e um associado um mês depois em Tucson.

Uma das armas foi parada por agentes de fronteira, mas uma chegou ao México, onde foi apreendida posteriormente. A terceira arma foi encontrada na casa de Gill no Arizona quando a polícia confiscou 28 armas e vários silenciadores.

Joaquín Guzmán, "El Chapo", escoltado por fuzileiros navais mexicanos.
El Chapo foi um dos líderes mais poderosos do cartel Sinaloa.

A HSI continuou sua investigação sobre a rede de drogas, uma investigação ainda em andamento, mas entregou a investigação sobre Gill ao ATF e ao Escritório do Inspetor-Geral do Departamento de Justiça. O Escritório do Inspetor-Geral da DEA também se juntou.

Eles descobriram que, em dezembro de 2012, Gill solicitou uma Licença Federal de Armas de Fogo - necessária para vender armas com fins lucrativos - mas retirou seu pedido de FFL com o ATF.

"Eu disse ao ATF na época que a DEA não aprovaria isso como emprego secundário", disse Gill. "Eu nunca pedi formalmente a aprovação da DEA; eu li no manual de políticas que isso não era permitido, e foi aí que retirei minha inscrição." Gill decidiu que não precisava da licença e continuou a vender armas e peças de armas como um "hobby" sem ela. Ele vendeu 50 armas de 2012 a 2016, de acordo com registros do tribunal.

Derek Maltz, que se aposentou da DEA depois de supervisionar as Operações Especiais e não estava associado ao caso de Gill, disse que a DEA não quer que os agentes vendam armas, o que cria um conflito de interesses.

"Um supervisor da DEA deveria saber melhor sobre a venda de armas na fronteira", disse ele. "Os cartéis são muito notórios por comprarem armas nos Estados Unidos e enviarem as armas para os cartéis para serem usadas em atos muito violentos".

Federales mexicanos escoltando um sicário do cartel Sinaloa.

Os investigadores também descobriram que, de 2011 a 2018, Gill comprou 13 armas de fogo sujeitas à Lei Nacional de Armas de Fogo – especialmente regulamentadas porque são mais perigosas. Durante esse tempo, ele vendeu cerca de 100 armas de fogo no Gunbroker.com.

“A HSI estava em uma escuta telefônica/T-III (não no meu telefone) e sabia dos dois fuzis que vendi”, disse Gill. "Eles permitiram que um dos AR-15 cruzasse para o México e não o impediram quando poderiam tê-lo feito". "Não permitimos que armas atravessem a fronteira", disse o supervisor. "Fazemos tudo o que podemos para impedir isso."

Gill também mirou o ATF, dizendo que eles simplesmente poderiam ter emitido uma ordem de cessar e desistir para parar de vender armas de fogo.

O porta-voz do ATF, Andre Miller, se recusou a comentar sobre o caso de Gill, mas apontou para o guia online de 15 páginas da agência: "Preciso de uma licença para comprar ou vender armas de fogo?" Ele adverte os vendedores de armas: "Como regra geral, você precisará de uma licença se comprar e vender repetidamente armas de fogo com o objetivo principal de obter lucro".

Terry Clark, que se aposentou como chefe de inteligência de crimes violentos do ATF, disse que os promotores federais nem sempre priorizam a acusação de vendedores de armas ilegais devido a recursos limitados e Gill provavelmente foi processado porque trabalhava para a DEA.

"Ele foi 'alvo' por causa de seu status? Claro que foi", disse Clark, um homem da lei por 27 anos que não esteve envolvido no caso de Gill, mas falou de sua experiência. "E eu diria que é uma coisa boa. Os servidores públicos devem ser mantidos em um padrão mais alto."

Gill apontou para leis vagas sobre armas, dizendo que elas não especificam o número de armas vendidas durante um período de tempo definido que exigiria uma licença.

"As leis poderiam ser melhor escritas", admite Clark. "Não há um número específico que diga: você precisa de uma licença para vender três armas, mas não duas". Independentemente disso, ele disse que as vendas de Gill superaram em muito qualquer área cinzenta. "É obviamente uma fonte de renda."

Gill disse ao The Courier Journal que vendeu mais de 200 armas, mas essas vendas se espalharam por 23 anos.

"Ele está se fazendo de idiota e ele não é", disse Clark. "Ele viu que a maioria dos traficantes que ele prendeu em Nogales tinha armas. E ele também sabia, trabalhando com o ATF e a polícia local, que muitas delas são usadas em bairros de onde as pessoas não têm condições de se mudar de lá."

Os promotores disseram que é impossível determinar a extensão dos danos dos crimes de Gill e quantas armas foram contrabandeadas através da fronteira e usadas em crimes. Gill continua em liberdade condicional, mas seu advogado está lutando pela rescisão antecipada.

Como um criminoso condenado, Gill é proibido de possuir sua própria arma. Mas ele disse estar otimista de que isso mudará em breve. "Vou recuperar meus direitos em um futuro próximo e possuir armas de fogo novamente - talvez até solicitar um FFL" para vender mais armas de fogo.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2022

França no Sahel: 70 gendarmes reitores destacados no exterior

Por Pascal Simon, Ouest-France, 28 de março de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de fevereiro de 2022.

Todos são voluntários, provenientes das brigadas departamentais da gendarmaria no Hexágono (França metropolitana). Policiais judiciários, os reitores são enviados aos quatro cantos do mundo, ao lado das forças militares francesas. Uma missão desconhecida.

A missão da Polícia Judiciária Militar é a atividade principal da Gendarmerie prévôtale.
(COMMANDEMENT DE LA GENDARMERIE PRÉVÔTALE)

Registar um acidente rodoviário, estabelecer contatos com as autoridades locais, procurar informações no terreno ou recolher os elementos de um dossiê em caso de infração, crime ou acidente... Tantas missões que um gendarme realiza no dia-a-dia dia. Mas eles o fazem fora da França continental, o mais próximo possível de unidades militares e, às vezes, em zonas de guerra. Eles são os oficiais da Gendarmerie prévôtale (Gendarmaria reitora).

Suas raízes remontam ao édito de 1373 do rei Carlos V, fundador da polícia, a prévôté é hoje prevista pelo código de justiça militar.

Força de polícia judiciária militar, seu uso foi renovado em 2013 com a criação do Comando da Reitoria (Commandement de la gendarmerie prévôtale, CGP) e da Brigada de Pesquisa da Reitoria, unidade especializada de polícia judiciária com jurisdição nacional.

O CGP seleciona e prepara policiais judiciários das unidades departamentais da gendarmaria e voluntários para partir em missão de reitoria. Uma missão que pode durar quatro meses como parte de uma operação externa (opération extérieure, Opex) como aquela da Barkhane, no Mali.

Entrevista

General Frédéric Bonneval, Comandante da Gendarmerie prévôtale.

General Frédéric Bonneval, Comandante da Gendarmerie prévôtale.

Colisão entre dois helicópteros, discussão violenta entre dois soldados... No Mali, esses eventos destacaram o trabalho da Gendarmaria. Qual é a sua missão?

A missão da Polícia Judiciária Militar é a atividade principal da Gendarmerie prévôtale. Seu uso está sob a autoridade do Ministério Público de Paris e exercido sob a responsabilidade do Chefe do Estado Maior das Forças Armadas (CEMA).

A Gendarmerie prévôtale também realiza missões de polícia geral, apoio (escolta, proteção, contencioso, estado civil, participação em operações, etc.) e missões de inteligência em benefício da força militar que ela acompanha no exterior. A Prévôté não é de fato competente em tempos de paz no território nacional.

O seu papel é, portanto, também contribuir, através da sua ação, para a proteção da Força e dos militares e suas famílias.

Quais são os números da Gendarmerie prévôtale hoje e em quais países eles estão engajados?

Sob a orientação e controle do Comando da Gendarmerie prévôtale (CGP), seis destacamentos de reitores "permanentes" são apoiados pelas forças de presença francesa no exterior na Alemanha, Djibuti, Emirados Árabes Unidos, Gabão, Senegal e Costa do Marfim.

Destacamentos de reitores de "circunstâncias" vêm em apoio às operações externas dos exércitos. Atualmente, existem oito destacamentos no Mali, Níger, Chade, República Centro-Africana, Estônia, Jordânia, Líbano e Estados Unidos da América como parte de um exercício franco-americano.

A Gendarmerie prévôtale está desdobrada em todo o mundo, com forças francesas estacionadas no exterior ou projetadas em operações externas.

Assim, para além dos 18 militares do CGP e da Brigada de Investigação de Reitoria (Brigade de recherche prévôtale, BRP) estacionados em Maisons-Alfort, cerca de 70 oficiais e suboficiais da Gendarmaria estão atualmente destacados como reitores no estrangeiro.

A prévôté é suficientemente conhecido para recrutar o número de gendarmes necessários para as missões?

É muito conhecido do ponto de vista histórico, mas o detalhamento de suas missões e sua ação em 2021 é necessariamente menor porque é uma missão muito específica, mesmo que não esteja tão distante.

O boca a boca, no entanto, funciona muito bem nas fileiras. Isso atrai a atenção de potenciais candidatos que têm os meios para indagar com mais precisão.

Um gendarme da prévôté que controla o desembarque de veículos blindados do Exército francês desdobrados nesta primavera de 2021 na Estônia como parte da Operação Lynx.
(COMMANDEMENT DE LA GENDARMERIE PRÉVÔTALE)

Como resultado, o número de voluntários é muito importante. A seleção é, portanto, forte, sabendo que apenas recrutamos OPJs confirmados. Apenas alguns dos soldados da Gendarmaria, principalmente oficiais da Gendarmaria departamental, podem se inscrever.

Temos, portanto, muitos bons candidatos e a dificuldade é sobretudo poder eliminá-los sem que saiam em missão penalizando em demasia a unidade a que pertencem, ainda que no final todos saiam vencedores. Porque esta missão contribui para fortalecer a capacidade “militar” e de resiliência dos nossos quadros.

A intensidade ou mesmo a rusticidade das missões de reitoria pode desacelerar as aplicações?

Não para nossos voluntários que se candidatam a uma missão de reitoria sem saber seu destino. É o CGP que constitui destacamentos compostos por soldados com perfis heterogêneos para serem complementares.

Um gendarme da prévôté, inserido num comboio da força militar francesa Barkhane, no Mali.
(COMMANDEMENT DE LA GENDARMERIE PRÉVÔTALE
)

O oficial de polícia judiciária (officier de police judiciaire, OPJ), portanto, não sabe se irá para o Mali ou para a Estônia quando se candidatar. A rusticidade e as condições de vida e empenho não são, portanto, um obstáculo e todos estão preparados para o contexto atual mais abrasivo, nomeadamente o Mali.

Além disso, você pode estar engajado em um país e ter que ir em missão em um ambiente mais difícil. Portanto, preparamos todos eles para que, se necessário, estejam perfeitamente em seu lugar com os camaradas das forças armadas em situações difíceis.

As mulheres estão se juntando às fileiras da Gendarmerie prévôtale?

Todos os anos, os graduados são voluntários. Para o próximo ciclo de partidas, temos oito mulheres entre pouco menos de 80 OPJs selecionados. Atualmente, o major que comanda a brigada em Gao é uma mulher, o chefe do destacamento em Bangui é uma capitã e uma chefe acaba de chegar com o socorro do Líbano.

Ajudante Nathalie, fotografada há dois anos, durante seu desdobramento na Gendarmerie prévôtale para a Operação Barkhane.

Uma subtenente está designada para Djibuti por três anos em uma brigada "permanente", e a brigada de pesquisa de reitoria também tem duas investigadoras.

As forças armadas e a gendarmaria são feminizadas, de modo que as prévôts naturalmente têm seu lugar nas fileiras dos destacamentos.

Como você vê a evolução da reitoria nos próximos anos?

Há algumas semanas, tive a oportunidade de twittar fotos de nossos "antigões", engajados como reitores durante a Operação Daguet, há 30 anos. Foi uma homenagem, mas também uma oportunidade de relembrar uma operação diferente das que conhecemos hoje. Mas os reitores estavam lá e tomaram seu lugar.

A Gendarmerie prévôtale foi desdobrada no Líbano ao lado de soldados franceses que vieram em socorro após a explosão no porto de Beirute.

As operações evoluem, os contextos evoluem, o quadro legal também evoluiu, mas a reitoria deve ser capaz de acompanhar os exércitos nos seus locais de engajamento, desdobramento ou exercício, por mais diferentes que sejam.

Isso é o que temos feito há séculos e a criação bastante recente do CGP visa melhor atender às necessidades atuais das forças armadas; adaptabilidade sendo uma qualidade cardinal do reitor.

domingo, 6 de fevereiro de 2022

GALERIA: Treinamento sniper na China


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 6 de fevereiro de 2022.

Os snipers do Contingente Jiangsu da Força de Polícia Armada do Povo Chinês (PAP) realizaram treinamento militar em 28 de abril de 2013.

Os atiradores de elite completaram 10 horas de treinamento de atiradores, incluindo tiro de precisão e emboscada para melhorar sua capacidade de combate. Eles foram fotografados realizando exercícios físicos com equipamento militar, mantendo os fuzis em posição com pesos colocados nos canos e, finalmente, atirando. Uma constante nos treinamentos de tiro chineses é colocar estojos de munição no cano do fuzil para demonstrar o equilíbrio do atirador. Os fuzis usados são o QBU-88, a versão sniper do modelo bullpup QBZ-95 chinês. 

A Força Policial Popular Armada chinesa (Polícia Armada Popular, PAP) é uma força paramilitar criada em 19 de junho de 1982, contando hoje 32 contingentes no Corpo de Guarda Interna PAP, 2 contingentes no Corpo Móvel PAP e 1 contingente no Corpo de Guarda Costeira PAP. Com 1,5 milhão de homens, a PAP é parte das forças armadas e mobilizável como reforço em caso de guerra.










Bibliografia recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

Leitura recomendada:

quinta-feira, 20 de janeiro de 2022

A Evolução do Sniper Policial Americano


Por Mark V. Lonsdale, STTU, 25 de junho de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de janeiro de 2022.

Os snipers policiais modernos podem não perceber o quão se avançou com o catálogo atual de fuzis, lunetas e acessórios de alta qualidade. No início da década de 1980, o típico fuzil sniper da polícia era muitas vezes uma espingarda de caça ferrolhada que fora recuperado da sala de propriedade. Durante os programas de sniper da Unidade de Treinamento Tático Especializada (Specialized Tactical Training Unit, STTU) e as partidas de luz verde, os policiais apareceriam não apenas com .308 Winchester, mas também .223 Remington, .243 Win., 30-06, e até mesmo os estranhos 22-250. As lunetas eram geralmente Redfields, Weavers e Leupolds de nível de caça na faixa de magnificação de 3-9x. Os únicos snipers policiais a terem modelos M40A1 personalizados foram os snipers do FBI, enquanto as equipes de atiradores contra-sniper do Serviço Secreto americano tinham fuzis personalizados Remington Magnum 7mm.

Acima: Uma das primeiras classe de snipers STTU no final dos anos 1980. A essa altura, muitos snipers policiais haviam atualizado para fuzis Varmint de cano mais pesado e estabilizado as ações.
Abaixo: SWAT do Condado de Washoe – década de 1990.

Com o tempo e um pouco de treinamento, as agências começaram a investir em fuzis Remington 700 Varmint de cano mais pesado, ao mesmo tempo em que entendiam a importância de dar ajustar a estabilização das ações e flutuar os canos. Os snipers também se afastaram da munição excedente militar barata e das munições de caça para a munição Federal Match. Antes da atual Gold Medal Match, a munição federal vinha em uma caixa vermelha, mas ambas ainda usavam a bala SMK Sierra 168 grãos. Esta não era a bala ideal para perfurar o vidro, mas era a munição .308 Win mais precisa naquele época.

McMillan M40A1 com luneta Unertl 10x.

Robar SR60D .308 Win construído em uma coronha McMillan Baker Special com uma luneta Leupold Ultra (Mark 4) 10X. (1987)

No final da década de 1980, o sniper teve acesso a fuzis personalizados construídos por McMillan e Robar. Gale McMillan foi o projetista e construtor da coronha sniper do USMC M40A1, o qual iniciou uma tendência de afastamento das coronhas de madeira e das coronhas de fibra de vidro.

De meados ao final da década de 1980 também viu a introdução das lunetas sniper Leupold Ultra com torres de alvo externas. Neste momento, eles foram fixados em magnificação 10x ou 16x, mas mais tarde seriam renomeados como Mark 4 - um retículo Mil-dot. Os atiradores de elite da SWAT também viram as limitações de uma luneta fixa de magnificação de 10x para operações urbanas onde as distâncias eram de 50 a 75 jardas (45-68m), então pediram uma ampliação menor. O resultado foi o robusto e confiável 3,5-10x40mm Mark 4, completo com garantia vitalícia.

Fuzil tático moderno construído sobre uma ação Remington 700 com um cano Bartlein Palma pesado em uma coronha McMillan A3-5. A luneta é uma Leupold Mark 8 3.5-25x56mm.

Sniper Counter Sniper foi escrito em 1986 para preencher a necessidade de um texto básico sobre treinamento e emprego de atiradores de elite. Também foi utilizado por unidades de treinamento de operações especiais como um manual de sniper urbano.

sábado, 8 de janeiro de 2022

FOTO: Caveira emergindo da fumaça

Um caveira do BOPE engolfado em fumígena laranja, 2019.
(Guto Ambar)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de janeiro de 2022.

Foto de um Caveira, um operador do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), durante um exercício. A foto, tirada por Guto Ambar, foi parte de uma coleção para um livro fotográfico sobre o famoso batalho especial carioca em comemoração aos seus 42 anos. O livro foi lançado em janeiro de 2020.

 O livro foi apresentado no Centro Cultural Banco do Brasil no Rio de Janeiro. O livro tem a capa preta com o símbolo do BOPE - a famosa CAVEIRA - e a capa dura tem as letras e logotipo em alto relevo, ambos em boa qualidade.



Parabéns ao BOPE por seus 42 anos de serviço.

Si vis pacem, para bellum!

sexta-feira, 31 de dezembro de 2021

GALERIA: Treinamento militar das forças palestinas na Cisjordânia


Por Filipe do A. MonteiroWarfare Blog, 31 de dezembro de 2021.

Em uma base militar em Jericó, na Cisjordânia, as Forças de Segurança Nacional palestinas (NSF) do Ministério do Interior palestino participam de uma demonstração de treinamento militar em 26 de janeiro de 2017. As fotos foram tiradas por Issam Rimawi.

Os soldados palestinos estão armados com fuzis Kalashnikov e M16 (com guarda-mão do modelo A1 e A2), e vestidos com uniformes de camuflado digital, capacetes e joelheiras, fazendo demonstrações de CQB, motocicleta e tiro ao alvo em obstáculos em chamas. Um grupo feminino faz uma demonstração de assalto embarcado enquanto uma dupla sem gandola faz uma infiltração por rapel. Os fuzis M16A2 estão equipados com dispositivos de festim nas cores amarela e vermelha. Uma equipe em uniforme camuflado e sem capacete fez uma demonstração de pista de exercícios físicos.

Uma equipe executa exercícios de artes marciais com calças cor de oliva sem camuflagem e camisas pretas com o retrato de Yasser Arafat, o herói fundador do Estado Palestino, e faixas quadriculadas em preto e branco - como o famoso shemag de Arafat. Uma formatura também desfilou com os uniformes cor de oliva e bandeiras do Estado Nacional Palestino.



















Leitura recomendada: