sábado, 4 de setembro de 2021

Militares da Venezuela: principais questões a saber


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 3 de setembro de 2021.

Com informações da Agence France Presse (AFP).

A poderosa força armada da Venezuela, devastada por tumultos, juraram "lealdade incondicional" ao governo socialista de esquerda do presidente Nicolas Maduro. Ela é uma jogador-chave na crise política em curso.

Maduro, por sua vez, concedeu-lhe vastos poderes, não apenas em assuntos militares, mas sobre ministérios importantes do governo - oficiais ativos ou aposentados chefiando 12 de 32 cargos ministeriais - e em setores econômicos vitais, incluindo o petróleo.

As capacidades militares - e sua lealdade sob coação - são preocupações centrais em um momento em que seus líderes afirmam que uma força "paramilitar" liderada por um desertor e apoiada por "governos estrangeiros" atacou uma base militar no que pode ser visto como uma tentativa de golpe incipiente.

Apesar de sua promessa de apoio "absoluto" a Maduro, os militares estão sob forte pressão, acusados pela oposição de reprimirem violentamente os protestos e instados por ela a mudarem de lado. A perda de seu apoio significaria o fim de Maduro.

Aqui estão alguns fatos importantes sobre a força militar venezuelana, formalmente as Forças Armadas Bolivarianas Nacionais, ou FANB.

Poder armado


A FANB tem cerca de 365.000 soldados (exército, marinha, força aérea, guarda nacional e reserva), apenas 1.000 a menos que o Brasil, de acordo com a Latin American Security and Defense Network (Rede Latino-Americana de Segurança e Defesa), um centro de políticas e análises.

Mas a Venezuela tem 30 milhões de habitantes; o Brasil tem 210 milhões.

Em 2006, os Estados Unidos proibiram a venda ou transferência de armas ou tecnologia militar para a Venezuela, cujo então presidente, Hugo Chávez, tinha uma aliança estreita com a Rússia e a China.

A Rússia forneceu à Venezuela fuzis, lança-foguetes antitanque, tanques e outros veículos de combate, artilharia, sistemas de defesa antiaérea e aviões de combate, helicópteros e mísseis, segundo a ONG Control Ciudadano (Controle Cidadão), que monitora a atividade militar.

A China forneceu equipamentos de comunicação, uniformes, radares, veículos blindados, aviões e helicópteros.

Poder político

Dos 32 cargos ministeriais no governo de Maduro, 12 são ocupados por militares, 10 deles na ativa e dois aposentados.

As forças armadas são comandadas pelo general Vladimir Padrino, ministro da Defesa, e pelo general Remigio Ceballos, comandante da estratégia operacional. Padrino é uma espécie de "superministro" a quem os outros membros do gabinete devem se reportar, disse Maduro no ano passado.

Entre os principais cargos de gabinete em mãos militares estão os ministérios do Interior e da Justiça; o ministério da alimentação; agricultura e terras; e energia. A oposição culpa o ministro da Alimentação, Rodolfo Marco Torres, um coronel aposentado, pela severa escassez que assola o país.

Os líderes da oposição criticaram duramente o que chamam de "politização" dos militares sob Maduro e seu antecessor. "O pior erro cometido por Chávez foi tirar os militares dos quartéis" e colocá-los nas ruas, disse Henry Ramos Allup, ex-presidente da Assembleia Nacional.

"Quem vai colocá-los de volta?"

Poder econômico

Um canal de televisão, um banco, uma montadora de automóveis e um grupo de construção - esses são alguns dos negócios controlados pelos militares venezuelanos, integrando-se à Companhia Militar de Mineração, Gás e Petróleo Camimpeg.

Este último desempenha funções semelhantes à Petroleos de Venezuela, ou PDVSA, a empresa petrolífera estatal. Repara e mantém poços de petróleo, e vende e distribui os produtos das indústrias de petróleo, gás, mineração e petroquímica.

Camimpeg está no coração do "motor militar-industrial", uma ideia de Maduro para enfrentar o que ele vê como a "guerra econômica" travada pela oposição e empresas simpáticas para desestabilizar seu governo.

Bibliografia recomendada:

Latin America's Wars:
The Age of the Caudillo, 1791-1899.
Robert L. Scheina.

Latin America's Wars:
The Age of the Professional Soldier, 1900-2001.
Robert L. Scheina.

Leitura recomendada:


Nenhum comentário:

Postar um comentário