domingo, 15 de novembro de 2020

PERFIL: Jean Gabin, astro de cinema e fuzileiro naval da 2e Division Blindée

 

Jean Gabin, famoso ator da era clássica do cinema e fuzileiro naval da França Livre.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 15 de novembro de 2020.

Jean Gabin (Jean Alexis Moncorgé, nascido em 17 de maio de 1904 e falecido em 15 de novembro de 1976) prestou o serviço militar na Marinha Nacional francesa, primeiro como fuzileiro naval em Lorient, depois no Ministério da Marinha em Paris, de 1924 a 1925. Durante uma de suas primeiras licenças, em 26 de fevereiro de 1925, casou-se com uma admiradora, a futura atriz Marie-Louise Basset, conhecida como Gaby, com quem não teve filhos.

Deixou o serviço para se tornar uma estrela do cinema, tendo já atuado como ator desde os 15 anos, debutou no Moulin Rouge em 1929. Sua filmografia incluiu grandes produções como O Mártir do Gólgota (Golgotha, 1935), onde interpretou Pôncius Pilatos; A Grande Ilusão (La grande illusion1937), onde interpretou o Tenente Maréchal e contracenou com Dita Parlo; e Cais das Sombras (Le quai des brumes, 1938) onde interpreta o protagonista, o desertor Jean, e contracena com Michèle Morgan. 

Jean Gabin (Jean) e Michèle Morgan (Anna) no filme Cais das Sombras, 1938.

Com a invasão alemã da Polônia, Gabin foi mobilizado em 3 de setembro de 1939 e designado para Cherbourg. Após a queda da França, o país foi dividido entre Zona Ocupada, no norte e administrada pelos alemães, e Zona Livre, no sul, sediada em Vichy. Em outubro de 1940, acompanhou Michèle Morgan à estação Saint-Charles em Marselha, que partia para Barcelona, ​​depois Portugal, com destino aos Estados Unidos. Também desejando juntar-se a ela, ele foi a Vichy para obter uma autorização.

Em 2 de fevereiro de 1941, recusando-se a atuar para os alemães durante a ocupação, ele cruzou a fronteira espanhola em fevereiro de 1941, sem saber se o fez legalmente. Em Barcelona, obteve visto no consulado americano e pôde ir para Nova York a bordo do navio Exeter. Ele emigrou para Hollywood nos Estados Unidos onde conheceu outros expatriados franceses como Jean Renoir, Julien Duvivier, Charles Boyer, Jean-Pierre Aumont, etc. Continuou atuando, participando de filmes em Hollywood, destacadamente no filme Brumas (Moontide, 1942), onde foi o protagonista interpretando o aventureiro Bobo, contracenando com Ida Lupino.

Página do Ciné-Miroir de 24 de dezembro de 1939.

Durante este período nos EUA, ele se encontrou brevemente com Ginger Rogers e Patricia Morison. Tendo retornado de Los Angeles após um período de tédio, durante o verão de 1941, ele conheceu Marlene Dietrich em Nova York. Ele se mudou com ela para a Califórnia em uma villa que Greta Garbo alugou para eles, então em 1006 Cove Way, em uma villa em Beverly Hills.

Com saudades de casa, Marlene Dietrich tenta aliviá-lo com sua comida ou distrações que o fazem lembrar da França. Em 18 de janeiro de 1943, o tribunal de Aix pronunciou a sentença de divórcio com sua segunda esposa Jeanne Mauchain.

Já muito famoso, ele poderia tentar a carreira de ator nos Estados Unidos, mas recusa apesar do seu contrato com a Fox (ele havia assinado o primeiro contrato em 1937, mas não o honrou). Além disso, o ator estava menos interessado nos estúdios de Hollywood durante esse período de guerra: eles não tinham mais acesso aos cinemas europeus e, portanto, ao público habitual de Jean Gabin. Mesmo assim, a imprensa o recebeu com entusiasmo, e a revista Photoplay publicou uma reportagem de quatro páginas com o título "Escaped from the Nazis" ("Escapou dos nazistas").

Marlene Dietrich e Jean Gabin nos Estados Unidos, 1942.

Mais tarde, Jean Gabin confidenciou: “Eu estava cansado da idéia de ser obrigado a terminar minha vida nos Estados Unidos. Não podia ficar com as mãos nos bolsos, continuar a fazer caretas na frente de uma câmera - enquanto era bem pago - e esperar em silêncio que os outros fossem fuzilados para que eu retornasse à minha cidade natal”.

Depois de entrar em contato com a França combatente no final de 1942, juntou-se às Forças Navais Francesas Livres do General de Gaulle, em abril de 1943, para libertar seu país. Embarcado como artilheiro, chefe de peça do navio-tanque Elorn, ele cruzou o Atlântico em um comboio com destino a Casablanca, no Marrocos francês. O comboio foi atacado por submarinos e por aviões alemães nas aproximações do Mediterrâneo e ao largo do Cabo Ténès.

Nesse período, as Forças Francesas Livres começaram a receber material americano e a formar novas divisões para a libertação da Europa. Um Corpo Expedicionário Francês com mais de 100 mil homens foi enviado para a Itália, onde se destacou no rompimento do dispositivo alemão no Monte Cassino.

Durante esse período de trabalho febril, e apesar de poder servir em funções de apoio devido à idade, a seu pedido, Jean Gabin foi voluntário do Regimento Blindado de Fuzileiros Navais (Régiment blindé de fusiliers-marins, RBFM); uma unidade nova criada à partir do Batalhão Bizerta, que se destacou na campanha da Tunísia. O RBFM contava 5 esquadrões de combate e um esquadrão de estado-maior. Gabin passou pelo treinamento de blindados em tornou-se comandante do M10 Wolverine "Souffleur II", um caça-tanques (Tank Destroyer, TD) no 2º esquadrão sob as ordens do então enseigne de vaisseau (guarda-marinha), e futuro vice-almirante, André Gélinet. O RBFM foi colocado na famosa 2ª Divisão Blindada (2e Division Blindée, 2e DB) do General Leclerc, herói de Kufra e futuro libertador de Paris.

Ordem de Batalha:

Esquadrão de Estado-Maior: LV Brisset e Carsin;

- 1º Esquadrão (Recon): LV Pauly e Divorne;

- 2º Esquadrão (TD): LV Guillon e Gélinet;

- 3º Esquadrão (TD): LV Bonnet;

- 4º Esquadrão (TD): LV Richard;

- Esquadrão independente: LV Ollieu e Mounié.

O esquadrão independente comportava um pelotão de motoristas de ambulância femininas, chamadas "Marinettes" (por serem da Marinha, Marine), equivalentes às Rochambettes do exército. Comandadas pela Éngagé Volontaire (EV) Carsignol, eram "as filhas da 2e DB" pertencentes ao 13º Batalhão Médico da Divisão Leclerc.

Ações de combate do RBFM

A 2ª Divisão Blindada finalmente desembarcou em solo francês à 1:30h na noite de 2-3 de agosto de 1944, em Saint Martin de Varreville, praia de Utah, onde a 4ª Divisão de Infantaria americana desembarcou em 6 de junho. 

O RBFM deixa Lastelle no dia 6 de agosto à noite, em direção a Coutances, La Haye-Pesnel, Avranches, Ducey, Saint-Laurent-de-Terregate onde está localizado o bivaque. O ritmo das operações foi altíssimo e o material rolante da divisão teve de passar por manutenção de campanha constante, com as lagartas do material rolante do 2º Esquadrão sendo trocadas já em 20 de agosto.

Como os caça-tanques da divisão, o RBFM é um elemento de manobra importante devido ao seu poder de fogo contra os tanques alemães Panther e Panzer IV. Apesar do canhão 75 do tanque americano Sherman - carro de combate padrão da 2e DB - ser capaz de perfurar a blindagem do Panther em determinadas circunstâncias, o canhão de 76,2mm do M10 Wolverine era particularmente adaptado à missão e o próprio carro era dotado de mobilidade superior, além de ser apoiado por jipes que deveriam aferrar a infantaria alemã de acompanhamento.

Modelo do M10 "Richelieu" do RBFM com os fuzileiros usando a mescla de uniformes americanos e franceses, como a tradicional cobertura naval com o "pompon rouge". (King & Country)

Em 12 de agosto de 1944, o RBFM registrou sua primeira vitória. O 3º pelotão do 3º esquadrão (veterano do Batalhão Bizerta) foi ordenado a vigiar a estrada para Alençon, pois havia muito movimento por ali. O pelotão envia os TD "Estrasburgo" e "Jean-Bart" para ocupar a posição. O caça-tanques "Jean-Bart", do 3º Esquadrão e comandado pelo Quartier-Maître Passaquet, destrói um Panther em 3 tiros a 800 metros de distância - após colocar em chamas 3 caminhões cheios de infantaria alemã na passagem.

O RBFM participaria da libertação de Paris em 25 de agosto, apoteose da 2e Division Blindée. Os esquadrões do regimento se distinguiram na avenida Luxemburgo, na Ponte de Sèvres, e na Place de la Concorde. Os alemães contra-atacaram a Ponte de Sèvres à noite, tentando puxar três peças pesadas, 1 canhão anti-carro e dois canhões anti-aéreos. Os alemães perderam 40 homens na tentativa e os fuzileiros navais perderam 3 e mantiveram a ponte.

O RBFM então avança pela Avenida Victor Hugo, desborda o Arco do Triunfo, destruindo veículos leves alemães. Quatro TD e um jipe do RBFM cruzam o Champs Elysées. Os TD "Siroco" e "Cyclone" pela esquerda, os "Simoun" e "Mistral" pela direita. De repente, três projéteis foram disparados na direção do "Simoun", mas sem alcançá-lo. Depois de alguns segundos, a tripulação deste último identificou o inimigo: um Panzer V Panther (da Divisão Panzer-Lehr), localizado na Place de la Concorde. O comandante do Simoun, este posicionado no alto da Avenida George V, ordena o ajuste da mira para 1.500 metros, mas o atirador era parisiense, e sabia que a distância do Champs Élysées era de 1.800m e ajustou a mira de acordo. O Simoun abriu fogo, disparando duas vezes e rapidamente recuando. Os dois projéteis disparados atingiram o Panther, destruindo a lagarta e o imobilizando. O Panther foi então engajado pelo Sherman "Douaumont" do 501º Regimento de Carros de Combate (501e Régiment de Chars de Combat, que operaria Panthers no pós-guerra), vindo da Rue de Rivoli.

Tendo disparado contra a blindagem frontal do Panther sem resultados, disparou em seguida uma granada de fósforo branco, cegando o adversário. O "Douaumont" então atingirá violentamente o tanque alemão antes que ele consiga virar sua torre - este episódio foi retratado no filme "Paris está em chamas?" (Paris brûle-t-il?, 1966). A tripulação do tanque Panther evacuou o veículo e se refugiou no jardim das Tuilleries. O tanque alemão abandonado seria finalmente destruído com granadas pelo sargento Marcel Bizien, comandante do tanque do "Douaumont". Outros dois Panthers foram engajados e destruídos pelos franceses, não sem antes destruírem quatro Shermans.

Em seguida, os 1º e 2º esquadrões serão posicionadas no Hipódromo de Longchamp, o 3º esquadrão em Le Bourget enquanto o 4º esquadrão ficou no Fort de la Briche, em Saint Denis. A divisão deixou Paris em 8 de setembro.

O RBFM lutou em Dompaire, destruindo grande quantidade de Panthers por meio de armas-combinadas envolvendo os caça-tanques, os Shermans e caças-bombardeiros P47 Thunderbolt. A Panzer-Brigade 112 perdeu mais da metade de seus tanques, incluindo 59 Panthers. Ela teve que recuar e "desapareceu da ordem de batalha do exército alemão". O RBFM então lutou no Bolsão de Royan e participou da tomada e defesa de Strasbourgo no fim do ano.

O mais velho chefe de blindados

Gabin, comandante do Souffleur II, junto à tripulação em Royan, fevereiro de 1945. Da esquerda para direita: o motorista, Quartier-Maître Roger Legendre; atirador Matelot Gonidec "Gogo", Gabin; motorista auxiliar, Matelot Thiebault; municiador, Quartier-Maître Chevalier.

Jean Gabin foi convidado a participar do filme de propaganda gaullista L'Imposteur (O Impostor, 1944), cujo sucesso de crítica e público foi misto. Longa metragem de propaganda gaullista saudando também a entrada benéfica americana na guerra, este filme foi rodado em inglês e produzido pelo serviço de propaganda americano tendo, nos créditos, apenas dois franceses: Julien Duvivier e Jean Gabin. Além disso, Gabin declararia em entrevista à Cinévie: “O que valem os filmes que se fazem em Hollywood, eu não sei. E isso não importa. Estamos fazendo, nesse momento em Paris, O Impostor. Eu não vou vê-lo. Quando o fiz, foi útil fazê-lo. Fiz filmes no estilo americano, para americanos. Foram eles que tiveram de ser tocados e fico feliz se consegui. Se agora os franceses não gostam, podem estar certos porque as circunstâncias não são as mesmas”.

Em janeiro de 1945, Gabin estava presente no RBFM e seria promovido a chefe do 2º Esquadrão em fevereiro com o posto de "second maître" durante a Batalha do Bolsão de Royan (setembro de 1944 a abril de 1945). Ele então ficará acantonado com o regimento no Château de Bouges antes de partir para a campanha da Alemanha, que o levará ao Ninho da Águia de Adolf Hitler em Berchtesgaden.

Jean e Marlene se encontraram na Alemanha e voltaram juntos à Paris. Marlene Dietrich trabalhava no entretenimento das tropas americanas como parte do United Service Organizations (USO).

Em julho de 1945, aos 41 anos, o “comandante de tanque mais velho da França Livre” foi desmobilizado e voltou ao mundo do entretenimento com cabelos brancos. Jean Gabin encontrará com Marlene Dietrich na Alemanha, durante uma parada militar com a presença do General de Gaulle. Voltando com ela para a França, ele se abstém de participar do desfile da vitório no Champs-Élysées e assiste seu velho caça-tanques desfilar de uma varanda do hotel Claridge. Por seus serviços, Jean foi condecorado com a Médaille Militaire e a Croix de Guerre.

De volta à França, Jean quer retomar à carreira de ator, mas ele mudou física e moralmente e novos atores românticos apareceram, como Jean Marais, Gérard Philipe ou Daniel Gélin. Ele desiste de interpretar Portas da Noite (Les portes de la nuit, 1946), de Marcel Carné, com sua namorada Marlene Dietrich porque esta se recusa a interpretar a filha de um colaboracionista. Em 1946, após comprar os direitos do romance, interpreta o papel-título de Martin Roumagnac, ao lado de Marlene Dietrich. O filme, atacado à exaustão pela crítica, obteve na época um sucesso comercial com dois milhões de ingressos. No entanto, o filme é vítima de uma lenda que se costuma ler e ouvir, alegando que ele foi um amargo fracasso comercial. Sua carreira de artista se estendeu até 1976.


Marlene e Jean em Paris, 1946.

Após a guerra, A relação com Marlene Dietrich, então com 43 anos, vai se deteriorando de 1945 a 1946, com Jean Garbin se relacionando com a atriz Maria Mauban, e depois, em 1947, com Colette Mars. Essas relações permanecem sem resultado. Em 1949, ele se casou com a modelo Christiane Fournier, com quem teve três filhos.

Jean Garbin faleceu em 15 de novembro de 1976, aos 72 anos, em Neuilly-sur-Seine. Durante toda a vida manteve-se muito ligado à marinha nacional e próximo do seu líder, o Vice-Almirante Gélinet e sua família. Um dos seus últimos desejos foi autorizado pelo Presidente da República: no dia 19 de novembro, homenagens militares foram-lhe rendidas a bordo do Aviso Détroyat e suas cinzas foram espalhadas ao largo de Brest.

Quepes azul e branco usados na guerra.

Cinto com o coldre da pistola adornado com adereços alemães.

Mala civil americana com a inscrição "Jean Gabin Moncorgé 22550, F.N.F.L., 43".

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

Uma avaliação francesa do tanque Panther30 de janeiro de 2020.

FOTO: Fuga de Berlim Oriental2 de setembro de 2020.

FOTO: Prisioneiros alemães na Itália26 de março de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário