quarta-feira, 7 de outubro de 2020

Conheça os cossacos "lobos" fazendo o trabalho sujo da Rússia na Ucrânia

 

O grupo paramilitar russo conhecido como a Centena de Lobos, com seu comandante Evgeny Ponomaryov em primeiro plano, bloqueou a estrada perto do posto de controle não muito longe de Slavyansk, no leste da Ucrânia, em 20 de abril de 2014. (Maxim Dondyuk)

Por Simon Shuster e Kramatorsk, TIME Magazine, 12 de maio de 2014.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 7 de outubro de 2020.

Há cerca de um mês, logo depois de chegar ao leste da Ucrânia, um grupo de paramilitares russos conhecido como a Centena de Lobos apreendeu um caminhão velho de uma delegacia de polícia local e usou um spray de tinta para reformá-lo. Eles não removeram a sirene azul do teto, pois parecia dar-lhes um ar de autoridade enquanto dirigiam pelas cidades que controlavam. Mas no capô do SUV Hunter preto de fabricação russa, eles desenhavam sua insígnia - a cabeça rosnante de um lobo de perfil.

Durante semanas, o governo central de Kiev, junto com seus aliados nos EUA e na Europa, tem tentado encontrar evidências sólidas de botas russas no solo no leste da Ucrânia. Eles não precisam procurar além dos homens da Centena de Lobos. Em entrevistas separadas com a TIME nas últimas três semanas, quatro de seus combatentes fortemente armados admitiram que vieram da região de Kuban, no sul da Rússia. Eles fazem parte das milícias cossacas que estiveram a serviço do presidente russo, Vladimir Putin, por quase uma década, e dizem que não voltarão para casa antes de conquistar a Ucrânia ou morrer tentando.

Suas ligações com o Estado russo são, no entanto, tênues o suficiente para que Putin negue tê-los enviado, e esses combatentes, por sua vez, negam terem sido pagos, equipados ou destacados pelo Kremlin. Eles dizem que são voluntários movidos pelos ideais de sua irmandade cossaca - imperialismo russo, serviço ao soberano e o mandato celestial da Igreja Ortodoxa Russa. No mês passado, sua campanha revelou um novo tipo de guerra russa, travada por meio de grupos militantes nacionalistas agindo como terceirizados. Durante a invasão russa da Geórgia em 2008 e a conquista da Crimeia em março, milícias cossacas armadas serviram ao lado dos militares russos. Mas esta parece ser a primeira vez que eles vão lutar como algo mais do que uma força auxiliar.

No leste da Ucrânia, os homens da Centena de Lobos formaram o núcleo original dos combatentes militantes que tomaram várias cidades em abril e afirmam ter matado vários soldados ucranianos nas últimas semanas. Eles dizem que conseguiram a maioria das armas em abril, atacando a polícia ucraniana e os prédios de segurança e confiscando seus arsenais. Para obter reforços, eles contaram com a vasta rede de milícias cossacas que operam na Rússia e conseguiram cruzar a fronteira para a Ucrânia com relativa facilidade.

“Para cada cossaco que eles matam, mataremos uma centena dos seus homens”, diz um dos militantes da Centena de Lobos, que atende pelo apelido de Vodolaz, ou Mergulhador. “Não vamos apenas matá-los. Vamos devolver os corpos às mães em sacolas”, disse ele à TIME em 4 de maio, fora de sua base de operações na cidade de Kramatorsk. Logo atrás dele, o caminhão da polícia confiscado estava estacionado, sua insígnia rosnando banhada pelo sol da tarde.

O comandante da Centena de Lobos no leste da Ucrânia é um cidadão russo chamado Evgeny Evgenievich Ponomaryov, que atende pelo apelido de Batya, que significa papai. Por pelo menos dois anos antes de ir lutar na Ucrânia, Ponomaryov, 38, serviu como oficial uniformizado nas milícias cossacas patrocinadas pelo estado em sua cidade natal de Belorechensk, um bastião da cultura cossaca no sul da Rússia.

Mas a Centena de Lobos foi formada, diz Ponomaryov, muito antes de Putin incorporar as milícias cossacas às forças armadas russas. “Estamos por aí desde a década de 1990... Nós nos reunimos, nos organizamos e começamos a ir como voluntários onde quer que houvesse uma ameaça à Ortodoxia Russa, aos crentes ortodoxos ou aos interesses do Império Russo”, Ponomaryov disse à TIME em Kramatorsk. “Estamos nisso há quase 20 anos, com homens diferentes, como parte de forças militares diferentes, mas sempre como a Centena de Lobos".

A história deste regimento remonta a quase um século. Foi fundada como uma força de cavalaria em 1915 pelo coronel russo Andrei Shkuro, um cossaco étnico e nativo da região de Kuban. Seus combatentes rapidamente se distinguiram durante a Primeira Guerra Mundial como alguns dos mais ferozes do exército imperial russo. “Tudo começou com Shkuro”, diz Ponomaryov sobre a Centena de Lobos original. "Naquela época, nossos homens atacavam os austríacos com tanta força que eles abandonavam seus canhões e fugiam".

Durante o serviço ao Czar Nicolau II, a Centena de Lobos foi facilmente identificável por sua bandeira militar, que representava a cabeça de um lobo contra um fundo preto. Seus chapéus cossacos tradicionais, ou papakhas, eram feitos de pele de lobo em vez da costumeira pele de carneiro, e seus lutadores costumavam enfeitar seus uniformes cossacos com a cauda decepada de um lobo. Acima de tudo, eles eram conhecidos por seu grito de guerra característico, que imitava o uivo dos lobos para intimidar seus inimigos.

Segundo alguns relatos, eles eram notavelmente carentes de disciplina. O lendário general russo Pyotr Vrangel, que era conhecido como Barão Negro por sua posição dentro da nobreza e a cor do uniforme cossaco que ele usava, descreveu a Centena de Lobos originais como um bando de saqueadores. “Salvo algumas exceções, os piores elementos do corpo de oficiais se juntaram a eles”, escreveu Vrangel em suas memórias. “O destacamento do Coronel Shkuro... vagava principalmente atrás das linhas de frente, embebedando-se e saqueando”. Durante a Primeira Guerra Mundial, seus locais de atuação foram principalmente no sul da Rússia, na atual Ucrânia, Bielo-Rússia e Moldávia.

Mas eles duraram apenas cerca de cinco anos em sua encarnação original. Em 1917, a Revolução Bolchevique levou à eclosão da Guerra Civil Russa, colocando as forças czaristas do Exército Branco contra o Exército Vermelho comunista. Shkuro, que já havia alcançado o posto de tenente-general, ajudou a tornar a região de Kuban um dos redutos mais obstinados contra os comunistas. Mas em 1920, a Centena de Lobos foram derrotados e dispersados, e Shkuro fugiu para a Europa junto com muitos oficiais czaristas.


Os cossacos se tornaram alvos de perseguição em massa pelas autoridades soviéticas nas décadas que se seguiram. Suas unidades militares foram dissolvidas como relíquias do czarismo, e seus oficiais foram mortos e presos aos muitos milhares. Foi somente após o colapso da União Soviética que eles viram um renascimento patrocinado pelo Estado. Em 2005, Putin assinou uma lei restabelecendo a tradição cossaca de serviço nas forças armadas russas. Eles receberam o direito de guardar as fronteiras nacionais e servir ao lado da polícia e das forças armadas russas como milícia oficial com salários do governo.

Assim como nos dias dos czares, a estrutura de comando dos cossacos modernos na Rússia agora leva diretamente ao Comandante-em-chefe da Rússia, que detém o direito exclusivo de conceder o posto de general cossaco. Em março, durante a invasão russa da Crimeia, milhares de combatentes cossacos foram com a aprovação do Kremlin para ajudar as forças armadas russas na ocupação da península. Alguns deles voltaram para casa depois que a Crimeia foi anexada à Rússia, enquanto outros foram para o leste da Ucrânia para continuar sua campanha. “Decidimos conquistar algumas terras mais historicamente russas”, diz Alexander Mozhaev, um membro da Centena de Lobos que agora servem no leste da Ucrânia.

No total, a TIME viu pelo menos uma dúzia de combatentes em seu grupo, embora o número parecesse flutuar à medida que novos voluntários chegavam às cidades controladas pelos rebeldes no leste da Ucrânia. Um deles, um jovem combatente com cara de bebê que só deu seu primeiro nome, Vlad, diz que foi capturado em abril pelos serviços de segurança ucranianos e deportado de volta para a Rússia. "Eu apenas arregalei os olhos e disse que não sei nada sobre nada", disse Vlad sobre seu interrogatório. Uma vez na Rússia, ele disse que conseguiu facilmente voltar sorrateiramente pela fronteira e se juntar ao seu pelotão. Mozhaev, cujo perfil foi elaborado pela TIME no mês passado, diz que teve permissão para passar pelo controle da fronteira russa em março, apesar de ser um fugitivo procurado em seu país por fazer ameaças de morte. “Há um corredor aberto para os cossacos, para os lobos”, diz Mozhaev. “Eles nem carimbaram meu passaporte”.

Tudo isso aponta para a cumplicidade, senão também para as ordens diretas, de vários ramos do governo russo na campanha da Centena de Lobos - desde os guardas de fronteira russos até o Conselho do Kremlin para Assuntos Cossacos. Mas seria difícil provar que o governo russo enviou explicitamente esses combatentes para travar uma guerra no leste da Ucrânia. Como uma unidade paramilitar irregular, eles não precisariam de ordens diretas das forças armadas russas, muito menos da sanção do parlamento russo, para participar desse conflito.

Ainda assim, se o Kremlin desaprovasse suas ações na Ucrânia, poderia facilmente puni-los sob a lei russa. Ponomaryov, por exemplo, poderia ser expulso do registro oficial de milicianos cossacos do Kremlin, impedindo-o de receber salários do governo pelos deveres policiais que desempenhava em sua cidade natal há anos. Em novembro, o parlamento russo também aprovou uma emenda legal contra "a participação em formações armadas no território de um estado estrangeiro... com objetivos que vão contra os interesses da Federação Russa". Essa emenda tinha o objetivo de desencorajar os cidadãos russos de lutarem na guerra civil na Síria e permite uma pena de prisão de 5 a 10 anos por violação desta lei. Mas as ações da Centena de Lobos, uma formação armada que luta no território de um estado estrangeiro, não parecem ir contra os interesses da Federação Russa.

Seu objetivo, como professado pelos próprios combatentes, é destruir o Estado da Ucrânia e absorver a maior parte, senão tudo, para a Rússia. “Anote isto: a Ucrânia não existe”, diz Mozhaev, que atende pelo apelido de Babay, ou bicho-papão. “Existem apenas as fronteiras da Rússia, e o fato de terem se tornado conhecidas como Ucrânia após a Revolução [Bolchevique], bem, pretendemos corrigir esse erro”.

Repetindo a propaganda do Kremlin, os homens da Centena de Lobos insistem que vieram para lutar contra os "fascistas" que tomaram o poder na Ucrânia. Mas essa afirmação marca uma ironia espetacular vinda deles, já que o pai fundador da Centena de Lobos, Shkuro, foi ele mesmo um colaborador nazista durante a Segunda Guerra Mundial.

Cossacos da Brigada Kaminski da SS durante o Levante de Varsóvia, em agosto de 1944.

Em 1944, o comandante da SS nazista, Heinrich Himmler, convocou Shkuro - que havia se tornado um artista de circo e ator em tempo parcial durante seus anos em Berlim - para se tornar o chefe do Corpo de Cavaleiros Cossacos dentro da Wehrmacht nazista. Shkuro recebeu então o posto de tenente-general da SS nazista e comandou uma força de cerca de 2.000 homens que lutaram ao lado dos alemães na Iugoslávia. Após a guerra, os britânicos capturaram Shkuro e o enviaram a Moscou para ser julgado por "atos de terrorismo contra a URSS" e outros crimes. Sua sentença de morte por enforcamento foi executada na capital soviética em janeiro de 1947.

Cinquenta anos depois, uma organização monarquista russa chamada Pela Fé e pela Pátria fez uma petição ao governo russo para derrubar a condenação de Shkuro e limpar seu nome. O Supremo Tribunal recusou a petição em 1997, portanto, aos olhos do Estado russo, o fundador do grupo Centena de Lobos ainda é um criminoso de guerra nazista. Mas no leste da Ucrânia, seu legado e a bandeira que ele carregava agora servem à causa do imperialismo russo mais uma vez.

Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:




COMENTÁRIO: Era uma vez a BERKUT, 10 de julho de 2020.

Um comentário:

  1. Quero que todos saibam o quanto sou grato pela restauração do meu casamento com a ajuda de um feiticeiro chamado Dr.Akhere. Ele é ótimo e único, consegui o contato dele aqui online a partir de depoimentos que li sobre ele ... eu disse a ele meus problemas e ele lançou um feitiço de amor que trouxe meu marido de volta para mim depois que ele me traiu e quis o divórcio, para minha maior surpresa meu marido veio com um carro novo marrom que ele acabou de comprar para mim, esta é a melhor coisa que já aconteceu comigo e agora estamos vivendo muito felizes juntos. Dr.Akhere está lá para responder ao seu problema de relacionamento e qualquer problema espiritual. entrar em contato com ele no e-mail: Akheretemple@yahoo.com, você também pode adicioná-lo no WhatsApp +1(315)316-1521

    ResponderExcluir