Mostrando postagens com marcador Veteranos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Veteranos. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 3 de janeiro de 2022

ENTREVISTA: Charlie Sheen sobre a filmagem de Platoon: "Nós gritamos pelo médico!"

"No vôo para casa, chorei porque estava feliz por estar vivo"… Charlie Sheen em Platoon.
(Fotografia: Cinetext / Mgm / Allstar)

Por Simon Bland, The Guardian, 3 de janeiro de 2022.

Tradução Filipe A. Monteiro, 3 de janeiro de 2022.

"Forest Whitaker cortou seu polegar com um facão, Tom Berenger esfaqueou seu pé, Willem Dafoe foi medivacked - e Oliver Stone pulou pra cima e pra baixo de alegria".

Charlie Sheen, interpretou Chris Taylor.

Meu irmão Emilio Estevez e eu éramos grandes fãs de Scarface e Midnight Express, ambos escritos por Oliver Stone. Emilio continuou falando comigo sobre o novo filme de Oliver no Vietnã, para o qual ele estava fazendo um teste. Ele conseguiu o papel principal, Chris Taylor, mas não conseguiu por causa de conflitos de programação. Quando fiz o teste, Oliver disse que eu era “muito educado” e precisava trabalhar mais. Então fiz The Boys Next Door e Lucas - e consegui o papel, mas apenas se Willem Dafoe aprovasse. Não conheci Willem até chegarmos às Filipinas. Ele passou correndo por mim em nosso hotel e me deu um abraço. Mais tarde, Oliver veio até mim e disse: “Willem gosta de você”.


Oliver nos jogou na selva e nos colocou em um cansativo curso de treinamento. Foi uma loucura. Você tinha que ser tratado de acordo com seu posto. Willem e Tom Berenger, interpretando dois sargentos, estavam no comando e eu era um FNG - um “fucking new guy” (“cara novo de merda”). Realmente parecia que eu deveria esfregar latrinas, o que na verdade acabei fazendo no filme.

Pensei em sairmos durante o dia e depois voltarmos para o hotel à noite, mas ao pôr-do-sol do primeiro dia não havia ônibus parando. Olhei para Johnny Depp e Forest Whitaker e disse: “Acho que vamos ficar por aqui mesmo”. Foi um choque - mas não sei se poderíamos ter capturado a autenticidade sem aquele acampamento intenso. Relacionamentos que foram forjados lá ainda existem até hoje. Nós sobrevivemos juntos.

Cuidado com as víboras de bambu ... Willem Dafoe, Charlie Sheen e Tom Berenger no set.
(Fotografia: Hemdale / Allstar)

Todo mundo estava cansado e com raiva. Em algum momento, encontramos um coqueiral e Forest de alguma forma conseguiu um côco. Ainda posso vê-lo agora, tentando alinhá-lo com seu facão. Antes que eu pudesse dizer: “Seu polegar está perto demais!” ele ergue o facão e atinge o centro do polegar. Ele o colocou na boca e dois jorros grossos de sangue jorraram de ambos os lados. Foi um momento de “grito pelo médico” - e isso foi ainda no campo de treinamento.

Oliver é facilmente uma das pessoas mais inteligentes que já conheci, mas ele gosta de se mostrar. Quando eu soube que poderia arrancar uma risada dele e ele viu que eu lhe dava uma trégua de sua escuridão auto-imposta, nos demos muito bem. Lembro-me da cena em que Kevin Dillon enlouquece na aldeia com um pobre coitado. Enquanto meu personagem estava atirando no chão e enlouquecendo, pude ver Oliver fora da câmera levantando o punho, pulando para cima e para baixo e querendo gritar "Porra, sim!" mas não queria estragar a tomada.

Quando eu terminei, estava acontecendo um golpe de estado em Manila e Oliver estava levando seu diretor de fotografia e uma câmera para as ruas para filmá-lo, o que era uma loucura. Peguei o vôo de volta para casa e, à medida que avançávamos pelo país, pude ver tudo o que havia deixado para trás, tudo o que todos havíamos vivenciado. Comecei a chorar porque estava feliz por estar vivo.

Os veteranos me agradecem por finalmente contar sua história e muitos deles têm lágrimas nos olhos. É a vida deles.

John C McGinley, interpretou o Sargento O'Neill

Eu não achei o treinamento muito importante fisicamente, mas o que foi difícil foi aprender a ler mapas, carregar armas e estar nesta selva de copa tripla no meio do nada. Estávamos comendo MREs - Meals Ready to Eat (Refeições Prontas para Comer) - e ninguém conseguia fazer cocô.

Willem bebeu água de um rio quando havia bois em decomposição rio abaixo e ele foi medivacked (evacuação médica por helicóptero). Tom deixou cair uma faca em seu pé - tudo estava ficando terrivelmente real. E havia cobras. Duas semanas antes, estávamos correndo pelo West Village de Nova York tomando café, comendo bagels e conversando sobre Hamlet. Agora estamos na selva com víboras de bambu. Oliver adorou, é claro.

Depois desse acampamento, bastou um pequeno salto imaginário para acreditar no que estávamos dizendo. Quando meu personagem disse, “Eu tenho que dar o fora daqui”, eu realmente fui sincero. Minha mãe estava passando por uma operação no cérebro em Pittsburgh. Não houve atuação.

Só me senti em perigo uma vez, quando quase caí de um helicóptero. Ele subiu cerca de 1.000 pés. Era para ele pousar e nós correríamos e passaríamos pela câmera. Algo estava dando errado no terreno, então eles queriam ir para uma área diferente. Por três semanas, fomos ensinados que a única coisa que você nunca larga é sua arma - então, quando o helicóptero virou, comecei a cair porque estava segurando-a. Francesco Quinn, que interpretou Rhah, agarrou minha mochila e me puxou para dentro. Se ele não tivesse feito isso, eu teria caído. Fiquei muito honrado com Oliver depois disso.

Durante a batalha final do filme, meu personagem se esconde cobrindo-se com um cadáver. Depois, em uma turnê de imprensa, eu estava vendo veteranos e fazendo chats de autoajuda - o que eu não tinha direito de fazer. Dezenas de veteranos me diriam que também se cobriram usando corpos. Eles estariam chorando. Eu era apenas um burro de 26 anos, muito fora do meu alcance, mas nada disso passou despercebido. O que Oliver tocou, todas essas coisas, foi esmagador.

quarta-feira, 19 de maio de 2021

VÍDEO: Cerimônia para comemorar o 70º aniversário da participação do Batalhão Francês da Coréia

Veteranos franceses do "Batalhão da Coréia" com a boina, suas medalhas e a insígnia da 2ª Divisão de Infantaria "Cabeça de Índio".

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 19 de maio de 2021.

O ECPAD, o serviço de imagem das forças armadas francesas, capturou a cerimônia em comemoração ao 70º aniversário da participação do batalhão francês da ONU na Batalha de Putchaetul, em 18 de maio de 1951. Cerimônia ocorreu na Praça do Batalhão da ONU, no 4e Arrondissement de Paris, em 18 de maio de 2021.


Geneviève Darrieussecq, Ministra Delegada ao Ministro das Forças Armadas, encarregada dos Assuntos da Memória e Veteranos, presidiu a cerimônia na presença de Sua Excelência o Embaixador da República da Coréia na França, Dae Jong Yoo, e veteranos do batalhão. Criado em 25 de agosto de 1950, o batalhão francês na Coréia lutou sob o mandato das Nações Unidas até o fim dos combates em 1953.

O ministro também inaugurou o Muro com os nomes dos 292 soldados do batalhão, incluindo 24 coreanos, mortos durante os combates, afixado ao Memorial em homenagem ao batalhão.

O Batalhão Francês recebeu 4 citações do Exército Francês, 3 citações presidenciais dos Estados Unidos e 2 citações presidenciais da Coréia do Sul, e com mais de 2 mil citações individuais.

Francês e chinês feridos aguardam evacuação em Arrowhead, outubro de 1952.
(François Borreill/ ECPAD)

O batalhão destacou-se nas batalhas de Wonjou (10-20 de janeiro de 1950), Chipyong-ni (3-13 de fevereiro de 1951) e Putchaetul (18 de maio de 1951), nesta última perdendo 40 mortos e 200 feridos mas capturando o objetivo - a Cota 1037.

A batalha foi apelidada de "O massacre de maio".

Prisioneiro chinês capturado pelos franceses em Putchaetul, 18 de maio de 1951. (ECPAD)

Sua batalha mais famoso foi no monte Crèvecoeur (Heartbreak Ridge), de 13 de setembro a 20 de outubro de 1951. O escritor francês Jean Lartéguy (Jean Pierre Lucien Osty) lutou no Batalhão Francês e foi ferido por uma granada de mão inimiga durante a Batalha de Heartbreak Ridge. Seu romance "Sangue nas Colinas" ("Du sang sur les collines") é uma descrição altamente ficcionalizada da batalha. A primeira edição do romance, publicada em 1960, passou sem grande impacto, mas com o sucesso internacional de "Les Centurions" (Os Centuriões) no mesmo ano, Sangue nas Colinas foi reeditado como "Les mercenaires" (Os mercenários) em 1963.

Em seu livro "Guerra da Coréia: Nem vencedores, nem vencidos", o historiador americano Stanley Sandler qualifica o Batalhão Francês como a melhor unidade das forças da ONU na Coréia (pg. 217).

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:







FOTO: Filipinos na Coréia, 14 de março de 2020.


sábado, 20 de março de 2021

Este pastor alemão de uma veterana é o primeiro de cão a visitar Machu Picchu

Por Blake Stilwell, Military.com, 18 de março de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de março de 2021.

Para os veteranos que viajam para o exterior, o uso de animais de serviço pode ser difícil, dependendo do país que estão visitando. O turismo e as viagens de negócios podem ser afetados por limitações ao acesso de animais.

Onde há vontade, há pelo menos possibilidades, como mostrou a veterana da Força Aérea americana (USAF), Melanie Boling, em uma recente viagem ao Peru. Os regulamentos para visitar Machu Picchu proibiam cães, mas a lei peruana permitiu.

Bastou descobrir uma maneira de conectar os dois regulamentos díspares.

Boling serviu nos assuntos mortuários da Força Aérea, operando no Aeroporto Internacional de Bagdá em 2003. Depois de deixar o serviço ativo em 2004, ela trabalhou para uma empresa contratante de segurança. Hoje, ela frequenta a Universidade de Harvard, estudando conservação e política ambiental. Ao mesmo tempo, ela dirige uma organização sem fins lucrativos que ensina crianças no terceiro mundo sobre conservação e fotografia.

“Em alguns desses lugares, eles não têm eletricidade ou meios para processar filme, então usamos filme instantâneo”, disse Boling. “Dar a uma criança uma câmera que mostra uma foto é algo de que ela se lembrará. Então, enquanto fazemos pesquisas científicas, eles estão aprendendo sobre a importância de conservar seus próprios quintais.”

Machu Picchu.

Uma viagem de reconhecimento para sua organização sem fins lucrativos a trouxe ao Peru inicialmente, mas nenhuma viagem à Cordilheira dos Andes estaria completa sem uma visita a Machu Picchu.

Restava apenas um problema: em 2018, Boling sofreu um derrame aos 37 anos que a deixou com problemas nos olhos e na visão. Hoje, ela precisa da ajuda de seu pastor alemão, River Roux, um cão de serviço certificado.

River Roux tem guiado Melanie Boling desde 2018.
(Cortesia de Melanie Boling)

Machu Picchu é o local de uma propriedade real em ruínas do imperador inca, datada de 1450. As ruínas, agora um patrimônio mundial da UNESCO, ficam a uma altitude de quase 8.000 pés (2.438m). O governo peruano presta muita atenção nos visitantes das antigas ruínas.

“Há pessoas que abusam dos sistemas de cães de serviço”, disse Boling. “No Peru, eles permitem animais de apoio emocional, mas eles não têm permissão para subir a Machu Picchu. Combinamos com nossos guias - que farão de tudo para ajudá-lo a chegar aonde deseja - para resolver o problema com o Peru”.

A letra da lei no Peru afirmava que apenas “cães-guia” teriam acesso ao local com seu acompanhante. Boling conseguiu demonstrar sua dependência de River Roux, e o cachorro foi liberado pelo governo.

Boling e Roux em Machu Picchu.
(Cortesia de Melanie Boling)

Quando a dupla chegou ao topo da montanha, os guardas e a polícia continuaram a parar Boling e River Roux.

“Começou a ficar frustrante”, disse ela. “Eu disse ao meu guia que temos permissão para estar aqui e perguntei por que continuamos sendo parados. Ele me disse que é porque ela foi a primeira a estar aqui. O primeiro animal de serviço em Machu Picchu. Todos queriam fotos.”


Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:

PERFIL: Veterana da USAF estampa a capa da Playboy em três países28 de setembro de 2020.

PINTURA: Mulheres na Grande Marcha6 de março de 2020.

Novo Memorial aos Cães da Guerra do Vietnã Celebra “O Laço Inquebrável”15 de outubro de 2019.

Nova escultura homenageia cães militares7 de março de 2020.

GALERIA: Primeira turma de mulheres paraquedistas do Exército Mexicano em 22 anos1º de junho de 2020.

GALERIA: Pessoal feminino do exército no Tonquim3 de março de 2021.

As forças armadas canadenses querem atrair recrutas encurtando e apertando suas saias dos uniformes3 de maio de 2020.

ENTREVISTA: A biógrafa Jung Chang diz que a Imperatriz-Viúva "Não é um modelo a ser seguido"1º de julho de 2020.

FOTO: Cavalaria Aérea na Coréia16 de maio de 2020.

sábado, 26 de dezembro de 2020

VÍDEO: Veterano descreve matar um inimigo com uma baioneta

Visão dramatizada de um combate corpo-a-corpo entre franceses e alemães em uma trincheira.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 26 de dezembro de 2002.

Stefan Westmann, um cabo da 29ª Divisão de Infantaria Alemã na Primeira Guerra Mundial, descreve o ato de matar um soldado francês (também um cabo) com uma baioneta. Ele está se lembrando dos eventos de um ataque em 1915 por sua unidade, o Infanterie Regiment Nr. 113, contra as posições francesas ao sul do Canal d’Aire em La Bassée, França. Filmado em 1963.

Stephen Kurt Westmann, um berlinense nascido em 1893 e que morreu em 1964, escreveu suas memórias com o título "Surgeon with the Kaiser’s Army" (Cirurgião com o Exército do Kaiser), que foram reimpressas em 2015.

Transcrição:

"Um dia, recebemos ordens para assaltar uma posição francesa. Entramos, e meus camaradas caíram à direita e à esquerda de mim. Mas então fui confrontado por um cabo francês. Ele com a baioneta em punho e eu com a minha baioneta em punho. Por um momento, senti o medo da morte. E em uma fração de segundo percebi que ele estava atrás da minha vida exatamente como eu estava atrás da dele. Eu fui mais rápido do que ele. Aparei seu fuzil fora do caminho e trespassei minha baioneta em seu peito. Ele caiu, colocou a mão no lugar onde eu o havia atingido, e então estoquei novamente. O sangue saiu da sua boca e ele morreu.

Eu me senti fisicamente doente. Quase vomitei. Meus joelhos tremiam e eu estava, francamente, com vergonha de mim mesmo. Meus camaradas - eu era cabo naquela época - não se incomodaram absolutamente com o que acontecera. Um deles se gabou de ter matado um poilu [apelido do soldado francês] com a coronha do seu fuzil. Outro estrangulou um capitão, um capitão francês. Um terceiro havia atingido alguém na cabeça com sua pá. E eles eram homens comuns como eu. Um deles era condutor de bonde, outro um viajante comercial, dois eram estudantes, os demais eram trabalhadores agrícolas. Pessoas comuns que nunca pensariam em fazer mal a ninguém. Como é que eles eram tão cruéis?

Lembrei então que nos diziam que o bom soldado mata sem pensar no adversário como ser humano. No momento em que ele vê nele um semelhante, ele não é mais um bom soldado. Mas eu tinha, na minha frente, o... homem morto, o soldado francês morto... e como eu gostaria que ele tivesse levantado a mão. Eu teria apertado a mão dele e seríamos melhores amigos, porque ele não era nada, como eu, mais que um pobre menino que teve que lutar, que teve que avançar com as armas mais cruéis contra um homem que não tinha nada contra ele pessoalmente, que apenas vestia o uniforme de outra nação, que falava outra língua, mas um homem que tinha pai e mãe, e talvez uma família, e assim eu senti.

Acordei de noite às vezes, encharcado de suor, porque via os olhos do meu adversário caído, do inimigo, e eu tentava me convencer, o que teria acontecido comigo se eu não tivesse sido mais rápido que ele? O que teria acontecido comigo se eu não tivesse enfiado minha baioneta primeiro em sua barriga?

O que era isso que nós, soldados, nos apunhalávamos, estrangulávamos uns aos outros, nos atacávamos como cães loucos? O que era isso que nós, que não tínhamos nada contra eles pessoalmente, lutávamos com eles até o fim e a morte? Éramos pessoas civilizadas, afinal. Mas eu senti que a cultura da qual tanto nos gabávamos é apenas um verniz muito fino o qual soltou-se no momento em que entramos em contato com coisas cruéis como a guerra real.

Atirar um no outro à distância, lançar bombas, é algo impessoal. Mas ver o branco nos olhos um do outro e depois correr com uma baioneta contra um homem, era contra a minha concepção e contra o meu sentimento interior.

Mais alguma coisa?"

O entrevistador responde "Isso foi lindo" e diz "corta" para o câmera.

Bibliografia recomendada:

Surgeon with the Kaiser's Army.
Stephan Kurt Westmann.

Leitura recomendada:

PINTURA: Ataque à baioneta, 191523 de fevereiro de 2020.

terça-feira, 31 de março de 2020

FOTO: Reservista Israelense de 77 anos em Gaza

Nahum 'Nahche' Gilboa, 77 anos, é o mais antigo reservista de combate que já serviu nas IDF. (Imagem do Canal 2 israelense em 2014)

Muitos israelenses contribuem, de vez em quando, alguns dias de serviço de reserva junto às Forças de Defesa de Israel (FDI) até os 40 anos. Nahum “Nahche” Gilboa dedicou seu tempo durante a Operação Protective Edge (Operação Cunha de Proteção, em hebraico Miv'tza Tzuk Eitan, literalmente Operação Penhasco Forte), como o mais antigo soldado de combate na história de Israel - aos 77 anos de idade em 2014.

Tendo servido como reservista na Operação Kadesh de 1956 na Península do Sinai, Gilboa vestiu o uniforme verde da IDF na Brigada de Paraquedistas em 2014 durante o conflito de 7 semanas em Gaza (8 de julho – 26 de agosto de 2014). Ele já atuava então nas FDI de Israel há 59 anos.

Gilboa, um fazendeiro de Lachish, uma comunidade perto de Kiryat Gat, disse gostar de passar tempo com os soldados mais jovens, e que o serviço de reserva - e o trabalho duro na fazenda - o ajudavam a manter-se jovem. A sua família não questionava sua atitude e Gilboa disse que "é parte de quem eu sou".

Leitura recomendada:



FOTO: Desfile israelense, 6 de março de 2020.


sábado, 28 de março de 2020

GALERIA: Bawouans em combate no Laos

Durante os pesados combates em Banh-Hine-Siu, pára-quedistas do 3º BPVN estão prontos para repelir os ataques dos "bô dôï" (soldados das formações regulares do Viet Minh) de dois regimentos da 325ª Divisão.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de março de 2020.

Paraquedistas vietnamitas do 3e BPVN (3ème Bataillon de Parachutistes Viêtnamiens, apelidados "bawouans"), sob o comando do Chef de bataillon Mollo, engajados em pesados combates no Laos, no posto de Banh-Hine-Siu e na vila de Na Pho de 5 a 9 de janeiro de 1954, contra elementos da 325ª Divisão Viet Minh (Daï Doan 325).

As fotos de Ferrari Pierre para o ECPAD mostram o armamento típico dos paraquedistas franceses da fase final da Guerra da Indochina: fuzis e carabinas de coronha dobrável MAS 36 CR 39 e M1A1, submetralhadoras MAT 49, fuzis-metralhadores Châtellerault 24/29.

Em 9 de janeiro, um batalhão de paraquedistas vietnamitas tomou o posto de Banh-Hine-Siu, que ele teimosamente defendeu contra os combatentes do Viet Minh emboscados nas proximidades. Um lançamento de munição, a intervenção da artilharia e bombardeios com napalm os ajudam a contra-atacar os adversários entrincheirados nos arredores.

Ao mesmo tempo, combates de rua aconteceram na vila de Na Pho, onde um batalhão do Viet Minh passou a noite. Além do aspecto militar, o relatório da ação também citou refugiados do Laos que fugiram do avanço do Viet Minh, uma evacuação médica dos feridos por helicóptero e feridos aguardando tratamento.

Distintivo do 3e BPVN, em vietnamita Tien Doan Nhay Du 3 (TDND 3).

Anverso e reverso.

O 3e BPVN foi criado como parte do "amarelamento" ("jaunissement") do General Jean de Lattre de Tassigny - a criação de exércitos nacionais vietnamita, laociano e cambojano. A criação de formações paraquedistas indochineses começou em nível companhia, em 1948. Os quadros do 3e BPVN vieram da 10e CIP (10ème Compagnie Indochinoise Parachutiste), de 195 homens, incorporado ao 10e BPCP (10e Bataillon Parachutiste de Chasseurs à Pied, de tradição alpina e elevado a "groupement" por pouco tempo) de 1950 a 1952; comandada pelo Tenente Louis d'Harcourt, um futuro general, a companhia foi recrutada na região de Hanói, no Tonquim (norte do Vietnã).

3e Bawouan foi criado em 1º de setembro de 1952 com uma companhia de comando (compagnie de commandement de bataillon, CCB), e três companhias de combate (com a posterior adição de uma quarta), ele tinha um efetivo de cerca de 1.000 homens. O 3e Bawouan foi um dos cinco batalhões paraquedistas vietnamitas - 1º, 5º (que lutou em Dien Bien Phu), 6º e 7º BPVN - criados entre 1951 e 1954, e pertencendo ao Exército Nacional Vietnamita (Armée Nationale Vietnamienne, ANV); além do 1er Bataillon de Parachutistes Laotiens (1er BPL), do Laos, e o 1er Bataillon de Parachutistes Khmers (1er BPK), do Camboja.

O 3e BPVN participou das operações Mimosa (maio de 1953), Camargue (julho de 1953), Concarneau, Lamballe e Mont St Michel (agosto de 1953), Flandre (setembro de 1953) a operação no posto de Ban-Hine-Siu (janeiro de 1954) e Églantine (junho de 1954).

Os paras do 3e Bawouan mantêm o posto de Banh-Hine-Siu contra elementos da 325ª Divisão Viet Minh.

Bawouans carregam o cadáver de um camarada com um poncho usado de mortalha.

O soldado está usando um capacete de origem americana coberto com uma bandeira de sinalização para a aviação.

Durante um contra-ataque do 3º BPVN nos ferozes combates de rua de Na Pho, um paraquedista armado com um fuzil de coronha dobrável MAS 36 CR 39 capturou um fuzil alemão Mauser Karabiner 98K, equipado com sua baioneta, equipando os "bô dôï" (soldado das tropas regulares vietnamitas, um deles morto no canto direito) da 325ª Divisão VM (Daï Doan 325). À esquerda, um paraquedista e seu FM 24/29.

Elementos da 325ª Divisão do Viêt-minh se infiltraram dentro do posto de Banh-Hine-Siu, e os paraquedistas do 3º BPVN lançarm um contra-ataque para desalojá-los.

Um "bô dôi" que operava uma metralhadora Browning .30 (recalibrada em 7.62×54mmR) foi morto, com um paraquedista vietnamita trazendo a arma de emprego coletivo de volta para o posto de Banh-Hine-Siu, enquanto seus companheiros continuam a repelir uma infiltração inimiga.

Protegidos em uma trincheira, os paraquedistas de uma equipe de morteiro lutam contra a 325ª Divisão Viet Minh, ao redor do posto de Banh-Hine-Siu.

Os paraquedistas do 3º BPVN defendem o posto de Banh-Hine-Siu. À esquerda, o soldado está armado com um fuzil-metralhador M 24/29 de 7,5mm.

Um paraquedista ferido é confortado por um camarada. No fundo, outro paraquedista vietnamita ferido, com um fuzil MAS 36 CR 39 em bandoleira.

Paraquedistas aproveitam uma pausa para relaxar e saciar a sede. O paraquedista no centro segura uma baioneta alemã do Mauser Karabiner 98K, capturada do inimigo.

Um paraquedista, o cinto contendo granadas defensivas MK 2 e DF 37, traz para cobertura um companheiro de combate ferido no rosto.

Um pára-quedista, armado com um fuzil MAS 36 CR 39, ferido no pescoço durante fortes combates no posto de Banh-Hine-Siu. 

Paraquedistas feridos durante a defesa do posto de Banh-Hine-Siu. O paraquedista à direita está usando um capacete francês modelo 51, enquanto seu camarada é protegido pelo capacete de paraquedista de origem americana, mais comum na época na Indochina.

Em Banh-Hine-Siu, um paraquedista do 3º BPVN depena galinhas compradas na aldeia para melhorar a ração individual da base, uma das quais é cozida em fogo de bambu.

Um oficial da 3ª BPVN conversa com uma laociana de Banh-Hine-Siu.

Retrato de um Viêt-Minh ferido durante os combates em Banh-Hine-Siu.

Bônus:


Foto do autor com um bawouan veterano da Indochina e da Argélia.

Pôster de alistamento nas forças paraquedistas vietnamitas.