Mostrando postagens com marcador FAMAS. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador FAMAS. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 18 de agosto de 2021

FOTO: O FAMAS de volta a Cabul depois de 7 anos


O FAMAS novamente no Afeganistão depois da retirada de 2012.

Tropas francesas auxiliando a evacuação na Operação Apagan, durante a aterrissagem do primeiro A400M e evacuação dos franceses de Cabul.

Bibliografia recomendada:

Le FAMAS et son histoire.
Jean Huon.

Leitura recomendada:

GALERIA: Treinamento de reservistas do 3e RMAT com o FAMAS, 1º de agosto de 2021.

GALERIA: O FAMAS em Vanuatu, 22 de abril de 2020.

domingo, 1 de agosto de 2021

GALERIA: Treinamento de reservistas do 3e RMAT com o FAMAS


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 1º de agosto de 2021.

Cena de combate em localidade dos reservistas do 3º Regimento de Material Bélico (3e régiment du Matériel, 3e RMAT) de Muret, com fuzis FAMAS F1 e munição de festim, no dia 27 de julho de 2021. O exercício de combate urbano ocorrera depois de 10 dias de treinamento, certificando os militares na  companhia de intervenção e de reserva do regimento (compagnie d’intervention et de réserve).

O 3e RMAT é o único regimento orientado para o paraquedismo na arma de Material Bélico do Exército Francês, e é uma das 10 formações ainda ativas no Comando de Manutenção da Força (Commandement de la maintenance des forces, COMMF)O regimento foi criado em Compiègne em 1961, estabelecido em 1º de julho de 1985 em Beauvais, depois dissolvido em 31 de julho de 1993 e recriado em Muret em 1º de julho de 1999. Herdeiro do estabelecimento de material bélico de Muret do qual recuperou o infraestrutura, ele também é herdeiro do 14º Regimento de Paraquedistas de Comando e Apoio (14e Régiment parachutiste de commandement et de soutien), do qual absorve duas companhias paraquedistas de manutenção móvel.



Desde o verão de 2010, o regimento já acolheu dois destacamentos: um localizado em Vayres perto de Bordéus, com sua especialização em manutenção eletrônica, o outro localizado em Montauban especializado na manutenção de equipamentos de largagem e paraquedismo. Seu lema é "Savoir-faire" ("Saber fazer"). Sua missão é a aquisição, reparo e gestão de materiais, e seu efetivos é de 1.200 militares.

A parte central está estacionada desde a sua recriação em 1º de julho de 1999 no quartel Commandant-Montalègre em Muret. Desde 1º de agosto de 2012, após o repatriamento das várias seções destacadas (Tarbes, Brive e Pau) e a criação do (Serviço Interarmas de Munições Service interarmées des munitions, SIMu), o regimento tem apenas dois destacamentos dentro do quartel Commandant-Corvée em Vayres e do quartel Capitaine-Vergnes em Montauban.


Bibliografia recomendada:

Le FAMAS et son histoire.
Jean Huon.

Introdução à Logística:
Fundamentos, práticas e integração.
Marco Aurélio Dias.

Leitura recomendada:




domingo, 28 de março de 2021

FOTO: Fuzis FAMAS capturados no Senegal

Os fuzis capturados estavam em estado lastimável de manutenção. (Twitter)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de março de 2021.

Encerrando duas semanas de combates do Exército Senegalês contra os rebeldes do Movimento de Forças Democráticas de Casamance (Mouvement des forces démocratiques de Casamance, MFDC) em Casamance, na fronteira senegalesa com a Guiné-Bissau (ex-Guiné Portuguesa), as imagens de um sarilho de fuzis FAMAS capturados foi postado no Twitter pelas forças governamentais em 9 de fevereiro de 2021.

Segundo o Exército os objetivos da operação foram cumpridos. Os acampamentos foram tomados e deixados desertos, campos de maconha foram queimados e armamento e munições foram capturados em grandes quantidades. O Exército também mencionou a captura de 15 bicicletas.

O acampamento abandonado e completamente revirado, 9 de fevereiro de 2021. (Twitter)

O Movimento das Forças Democráticas de Casamance (MFDC) é o principal movimento separatista na região de Casamance do Senegal, fundado em 1982. Foi apoiado pelo Presidente da Guiné-Bissau João Bernardo Vieira até este ser deposto em 1999. Depende principalmente do povo jola. Seu braço armado foi formado em 1985 e é chamado de Atika (diola para "Combatente").

Seu líder era o padre Augustin Diamacoune Senghor, que morreu em 13 de janeiro de 2007. Senghor assinou um acordo de paz com o governo do presidente senegalês Abdoulaye Wade em 2004. No entanto, várias facções do MFDC se recusaram a participar do acordo de paz e continuaram na luta armada. Esta divisão dividiu profundamente o movimento de independência de Casamance e continuou as escaramuças esporádicas na região.

Tropas de choque senegalesas em ação de controle de distúrbios civis (CDC) na capital Dacar, 5 de março de 2021. (Twitter)

Isso ocorre em meio a distúrbios civis envolvendo a prisão do popular opositor político, Ousmane Sonko, em antecipação à eleição de 2024. A aparição do FAMAS e outros armamentos franceses em sua ex-colônia não são, por si só, uma surpresa, mas a aparição desse armamento na mão dos rebeldes de Casamance é. A procedência destes fuzis bullpup não foi discutida ou mencionada pelo anúncio governamental.

Tropa de choque senegalesa disparando granadas de efeito moral de um fuzil MAS 49/56 francês, Dacar, 4 de março de 2021. (Seyllou / AFP)

Bibliografia recomendada:

Chassepot to FAMAS:
French Military Rifles 1866-2016.
Ian McCollum.

Leitura recomendada:

domingo, 7 de fevereiro de 2021

GALERIA: Combate em localidade urbana no campo de Garrigues

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de fevereiro de 2021.

Introdução de  combate em zona urbana dos novos graduados do 54e RA (54e Régiment d'Artillerie/ 54º Regimento de Artilharia) sob o comando do Ten. Louis no campo de Garrigues em 5 de fevereiro de 2021.

O 54e RA é um regimento do Exército francês, estacionado em Hyères, especializado em artilharia anti-aérea com mísseis terra-ar Mistral. Ele é o herdeiro do 54e RAC (Régiment d’Artillerie de CampagneRegimento de Artilharia de Campanha) veterano da Primeira Guerra Mundial, destacando-se em Verdun em 1916 e 1917, em Malmaison em 1917 e no Flandres em 1918. Sua bandeira carrega em letras de ouro a inscrição:

VERDUN 1916

LA MALMAISON 1917

FLANDRES 1918 

Em 19 de maio de 1925, o regimento desembarcou em Casablanca para participar das operações de pacificação no Marrocos durante a Guerra do Rif, nas regiões de Oued Leben, Hassi Medlon e Hassi Guenza até 11 de novembro do mesmo ano - retornando a Lyon em 17 de novembro de 1925 - sob a designação de 1924 de 54e RAD (Régiment d’Artillerie Divisionnaire/ Regimento de Artilharia Divisionária). O regimento foi reorganizado em 1926, para um grupo de canhões de 65mm (grupo de artilharia de montanha), dois grupos de 75mm e dois grupos de 155mm. Em 5 de maio de 1929, após ter sido gradualmente abastecido com soldados de origem argelina e depois marroquina, o regimento passou a se chamar 54e RANA (Régiment d’Artillerie nord-africaineRegimento de Artilharia Norte-Africano).

Em 31 de agosto de 1939, com a mobilização francesa de 1939, o regimento se multiplicou no 54º RANA e no 254º RANA (regimento de artilharia pesada, canhões de 155mm hipomóveis) e deu origem ao XI Grupo de Artilharia de Costa. Junto com o 254e RANA, fez parte da artilharia da 1er DINA (1re Division d’Infanterie nord-africaine/ 1ª Divisão de Infantaria Norte-Africana). Essa divisão seria destruída em 1940, com elementos fugindo para a Inglaterra. O regimento recriado lutaria pela França Livre na Tunísia, Itália, França e Alemanha; terminando a guerra em Friburgo na Brisgóvia.

Por suas raízes norte-africanas, o regimento usa a Cruz Xarifiana marroquina e a Meia-Lua muçulmana.

Artilheiro com a meia-lua no braço. 

Desde 1º de janeiro de 2011, o 54e RA faz parte da Base de Defesa de Toulon e é apoiado pelo Grupo de Apoio à Base de Defesa de Toulon, criado na mesma data. O regimento faz parte da 3ª divisão, dentro da Force Scorpion (Força Escorpião, com 50 mil homens) desde 1º de julho de 2016.

O campo de Garrigues abriga um dos muitos CFIM (Centres de formation initiale des militaires du rang/ Centro de Treinamento de militares graduados). Os CFIM são responsáveis ​​por garantir o treinamento geral inicial (formation générale initiale, FGI) com duração de 12 semanas para todos os EVI do Exército (engagés volontaires initiaux/ engajados voluntários iniciais). Essas 12 semanas são precedidas por uma semana de incorporação ao treinamento profissional e são seguidas por um período de "aclimatação" de volta ao regimento, incluindo uma semana de licença.

O CFIM não é um treinamento autônomo. Na medida do possível, é apoiado por um regimento da brigada beneficiária.

Existem dois tipos de enquadramento (supervisão) no CFIM:

  • Enquadramento permanente (de cerca de vinte a 60 pessoas), atribuída ao CFIM, responsável pelo comando da organização, operação e treino especializado (ex: instrutor desportivo).
  • Enquadramento rotativo: supervisão das seções de treinamento sob as ordens do comandante da unidade do enquadramento permanente.

Além do CFIM SMITer no campo de Garrigues:

  • CFIM 2 BB em Valdahon;
  • CFIM 7 BB em Verdun;
  • CFIM 7 BB em Carpiagne;
  • CFIM 3 BM à Angoulême;
  • CFIM 11 BP em Caylus;
  • CFIM 27 BIM em Gap;
  • CFIM 9 BLBMA em Coëtquidan;
  • CFIM 6 BLB em Fréjus;
  • CFIM BR em Bitche;
  • CFIM BLOG;
  • CFIM no 1er BM/BTAC.
  • CFIM ocasional: CFIM em St Maixent.

Bibliografia recomendada:

Concrete Hell:
Urban warfare from Stalingrad to Iraq.
Louis A. DiMarco.

Leitura recomendada:


sexta-feira, 6 de novembro de 2020

FOTO: Gendarmaria na Costa do Marfim

Gendarmes franceses disparando o FAMAS em treinamento de tiro de resposta em Abidjan, na Costa do Marfim, em 25 de março de 2006.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

domingo, 30 de agosto de 2020

GALERIA: Ativação do Comando de Operações Especiais venezuelano

 

Comandos da 99ª Brigada de Operações Especiais do Exército da Venezuela.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 30 de agosto de 2020.

No dia 17 de agosto de 2017, o "General en Jefe" (G/J) Vladimir Padrino López ativou o Comando Geral de Operações Especiais "General em Chefe Félix Antonio Velásquez" como parte da Operación Soberanía Bolivariana 2017; uma operação de defesa contra "a agressão imperialista" dos Estados Unidos. A unidade militar está localizada no setor La Placera de Maracay, em Aragua.

O G/J Padrino López avisou que “desde o império falam de um Estado falido; primeiro falavam de democracia, já mostraram esse conceito, que faz parte de toda a cadeia de ações que vem se armando com a edição do decreto de 2015, onde declararam o país como uma ameaça incomum para os Estados Unidos”.

O General Padrino López também possui os pomposos títulos de Vice-Presidente Setorial de Soberania Política, Segurança e Paz, e de Ministro do Poder Popular para a Defesa (ministro da defesa).

Durante sua intervenção, o General Padrino López afirmou que “a Venezuela é um assunto de interesse nacional. Recusamo-nos terminantemente a entregar o país a qualquer império". Ele também explicou que a formação de forças de ação especial, tropas de ação rápida e forças especiais é um dos conceitos mais revolucionários no campo da defesa venezuelana.


O general-ministro ainda assegurou que a Revolução Bolivariana é formada pelo povo venezuelano e que “sem vocês não somos nada, daí a importância da união cívico-militar para a defesa de nossa Pátria”.

Comando de Operaciones Especiales "General en Jefe Félix Antonio Velásquez" está incorporado ao Comando Estratégico Operacional da Fuerza Armada Nacional Bolivariana (FANB), sob o comando do Almirante-em-Chefe Remigio Ceballos Ichaso, dos fuzileiros navais.

Boinas pretas com o distintivo das forças especiais do exército.

O Comando leva o nome do Major-General Félix Antonio Velásquez, que foi um comandante da Milícia Nacional Bolivariana durante o governo do ditador Hugo Chavez; sendo também comandante da Casa Militar, em 2003, e do Comando da Guarda de Honra Presidencial. Ele foi assassinado em 2016 e promovido postumamente a General-em-Chefe.

Durante a cerimônia foi também ativada a 99ª Brigada de Fuerzas Especiales, que agrupa os batalhões desta especialidade do componente terrestre da FANBO seu primeiro comandante foi o General-de-Brigada Pablo José Bravo Parra. A brigada está sob o controle direto do Exército, mas é operacionalmente desdobrada com as Divisões do Exército.

Boinas vermelhas-bordô da Guarda Nacional Bolivariana (GNB).

Ordem de batalha da 99ª Brigada:

- QG da Brigada

- 107º Batalhão de Operações Especiais "General en Jefe Jose Gregorio Monagas";

- 509º Batalhão de Operações Especiais (Selva) "Colonel Domingo Montes";

- 993º Batalhão de Operações Especiais;

- Companhia de Comando e Serviço.

A bandeira do novo Comando sendo entregue a um fuzileiro naval.

Bibliografia recomendada:

World Special Forces Insignia.
Gordon L. Rottman.

Leitura recomendada:

Poderia haver uma reinicialização da Guerra Fria na América Latina?, 4 de janeiro de 2020.

Um olhar mais profundo sobre a interferência militar dos EUA na Venezuela, 4 de abril de 2020.

Quando a China se instala na América Latina, 30 de agosto de 2020.

Os Mercenários e o Ditador: Ex-Boinas Verdes americanos são condenados por golpe fracassado quixotesco na Venezuela, 9 de agosto de 2020.

GALERIA: Graduação na ANASOC, 13 de abril de 2020.

GALERIA: Comandos Anfíbios Argentinos com o FAMAS17 de julho de 2020.

sexta-feira, 17 de julho de 2020

GALERIA: Comandos Anfíbios Argentinos com o FAMAS

O comando anfíbio ajoelhado no centro porta um FAMAS G2.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 17 de julho de 2020.

Baseados na cidade de Punta Alta e pertencendo à Fuerza de Infantería de Marina de la Flota de Mar (FIMFM), a Agrupación de Comandos Anfibios (APCA) é uma unidade de operações especiais da Infantería de Marina de la Armada de la República Argentina (IMARA) contando 600 operadores.

A APCA traça linhagem da Compañía de Exploración y Reconocimiento Anfibio, criada em 1966 e formada com base na Compañía de Infantería de Marina N.º 7. Sua primeira operação foi o assalto à Casa do Governador britânico em Stanley, nas ilhas Falklands, onde perderam o comandante da equipe de assalto: o Capitão-de-Corveta Pedro Giachino, a primeira baixa da Guerra das Falklands. Os comandos anfíbios argentinos foram fotografados após a rendição do governador usando camuflagem facial preta e toucas de lã. A foto do Primeiro-Cabo Jacinto Batista, armado com uma submetralhadora Sterling, balizando Royal Marines prisioneiros rodou o mundo tudo. Após a invasão inicial, os Comandos Anfíbios atuaram em funções de reconhecimento e vigilância.

O comando da direita tem uma luneta no seu FAMAS.

Comando anfíbio exibindo o raríssimo FAMAS G2 Comando, de cano curto.

Distintivo da APCA.

Comando anfíbio armado com o FAMAS G2 em companhia de comandos do exército (boinas verdes).

FAMAS G2 do observador apoiado no bipé.

Bibliografia recomendada:

Le FAMAS et son histoire.
Jean Huon.

Argentine Forces in the Falklands.
Nicholas van der Bijl.
A ilustração do centro é o Primeiro-Cabo Jacinto Batista. 

Leitura recomendada:

GALERIA: O FAMAS em Vanuatu, 22 de abril de 2020.

sábado, 11 de julho de 2020

Bem vindo à selva

Soldado canadense armado com o FAMAS F1 equipado de um adaptador de festim no centro de guerra na selva francês, o CEFE, na Guiana Francesa.

Por Ian Coutts, Canadian Army Today, 11 de novembro de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de julho de 2020.

Como um oficial de intercâmbio brasileiro está ajudando o Exército Canadense a desenvolver sua doutrina de guerra na selva e a treinar futuros especialistas.

Às vezes é realmente uma selva lá fora. E quando é, o Exército Canadense pode ter que responder.

Isso não é fácil. O ambiente da selva é hostil de maneiras particulares. O movimento por terra é difícil. É um mundo perigoso e insalubre, lar de grandes predadores, cobras e insetos venenosos e doenças de arrepiar os cabelos, como a leishmaniose, que pode deixar suas vítimas com lesões faciais desfigurantes. É um ambiente em que um corte aparentemente inconseqüente pode rapidamente se tornar purulento*. E isso tudo antes que as pessoas comecem a atirar em você.

*Nota do Tradutor: Infeccionado, contendo pus ou cheio de pus.

Soldado canadense do Royal 22e Régiment "Vandoos" (R22eR) em treinamento do CEFE, na Guiana Francesa.

Em outubro, um pelotão de soldados da Companhia B do 3º Batalhão, Royal 22e Regiment (3 R22eR), juntamente com alguns soldados de outras unidades da Base de Forças Canadenses (CFB) Valcartier, seguiram para o sul, para a Guiana Francesa. O destino deles era o Centre d´entraînement à la forêt équatoriale (CEFE), a escola de guerra na selva do Exército Francês lá dirigida sob a direção da Legião Estrangeira, onde participaram de um exercício chamado Ex Spartiate Equatoriale.

Acompanhando-os para o passeio de duas semanas, estavam o Sargento Jonathan Bujold, anteriormente membro do batalhão agora ligado ao pelotão de precursores localizado na CFB Trenton, e um oficial brasileiro, o Capitão Ronaldo de Souza Campos. Souza Campos, um instrutor do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), a escola de guerra na selva do Exército Brasileiro, localizada na cidade de Manaus, no extremo sul da Amazônia, está atualmente em uma postagem no Exército Canadense, trabalhando do Centro de Guerra Avançada do Exército Canadense (Canadian Army Advanced Warfare CentreCAAWC) em Trenton.

O objetivo imediato do programa era proporcionar aos soldados no curso experiência em primeira-mão operando em um ambiente de selva - o que não é algo disponível em Valcartier ou mesmo em qualquer lugar no Canadá.


O objetivo maior - e por que Bujold e Souza Campos foram junto - era desenvolver habilidades e conhecimentos para fornecer capacidade futura. Por meio de cursos como esse e com base na experiência de especialistas como Souza Campos e outros, o Exército Canadense quer criar um conjunto de especialistas e uma doutrina escrita para guiá-los, de modo que, se algum dia for comprometido a servir na selva, os soldados estarão prontos.

Treinamento Especializado

Por mais improvável que possa parecer a necessidade do Exército Canadense de habilidades na guerra na selva, ela tem suas origens na experiência em primeira-mão. Em 1999, um contingente de 250 soldados do 3 R22eR foi enviado ao Timor Leste por seis meses como parte de uma força internacional de manutenção da paz. O subtenente Philippe Paquin-Bénard, um membro atual do batalhão e um de seus especialistas residentes em guerra na selva, descreveu sua experiência: "Quase 45% encontraram grandes problemas relacionados ao conhecimento limitado e equipamentos inadequados para esse tipo de ambiente severo e complexo".

Soldado canadense do Royal Montreal Regiment no CEFE, Guiana Francesa.

O Exército Canadense já enviara instrutores para a escola francesa em 1994, mas, disse Paquin-Bénard, "a expertise praticamente desapareceu". No passado, o Exército Canadense também criou seus próprios manuais para a guerra na selva, mas eles não foram revisados desde pelo menos o início dos anos 80.

Consequentemente, o 3 R22eR foi utilizado para desenvolver conhecimentos em guerra na selva, um processo que vem avançando com passos de bebê há mais de uma década. Uma troca de 2008 do pelotão de reconhecimento do batalhão com os Royal Gurkha Rifles, em Brunei, demonstrou que, apesar de seu alto nível geral de condicionamento físico e conhecimento militar, era necessário trabalhar em habilidades específicas necessárias à guerra na selva antes que os voluntários a candidatos aparecessem.


Isso significou o envio de indivíduos para cursos especializados, como o curso internacional Jaguar de 10 semanas no CEFE (que Paquin-Bénard participou com um colega em 2014), o Curso de Instrutor de Guerra na Selva do Exército Britânico em Bornéu (do qual Bujold é um graduado), ou cursos similares na escola brasileira de Manaus. Os soldados do 3 R22eR também visitaram a Escola de Guerra na Selva do Exército Francês na Martinica em 2014 e 2016. A idéia era criar um grupo nuclear de instrutores que pudessem preparar o resto para o que enfrentariam na selva.

Em 2013, os exércitos brasileiro e canadense concluíram um acordo em que um oficial de intercâmbio brasileiro foi enviado ao norte para o CAAWC em um destacamento de dois anos para ajudar a desenvolver a doutrina de guerra na selva. Souza Campos, o atual oficial de intercâmbio, é um veterano de 16 anos do Exército Brasileiro que atuou anteriormente como instrutor no CIGS. (Bujold é seu segundo-em-comando especialista no assunto.)


Além de treinar militares e policiais brasileiros, o CIGS atrai regularmente estudantes de todo o mundo que fazem um curso especial de sete semanas, ministrado em inglês. Desde 2016, um grupo do tamanho de uma seção do 3 R22eR viaja para Manaus todos os anos para participar de uma competição de guerra na selva no centro. (Os exércitos canadense e brasileiro renovaram recentemente esse contrato por mais quatro anos.)

Definindo Novos Padrões

Homens do 3º Batalhão do Royal 22e Régiment "Vandoos" (3 R22eR) na Guiana Francesa.

Muita coisa mudou desde que o 3º batalhão iniciou seu intercâmbio com os gurcas em 2008. Antes de partir para a Guiana Francesa, todos os soldados que participavam do curso passavam por um processo de seleção de dois dias para garantir que possuíam as habilidades físicas necessárias, principalmente natação, para garantir que eles pudessem fazer o curso, disse Paquin-Bérnard. Seguiram-se algumas semanas de treinamento para prepará-los para o ambiente de selva, incluindo instruções sobre a flora e a fauna que provavelmente encontrariam.

Além disso, "uma ênfase significativa foi colocada em... higiene e atendimento médico individual", disse ele. O batalhão agora possui esse tipo de conhecimento internamente.

Para Souza Campos e Bujold, a viagem foi uma oportunidade para ver se os padrões que eles e os antecessores de Souza Campos estão desenvolvendo para a doutrina de guerra na selva do Exército Canadense estão sendo cumpridos no treinamento e se esses padrões podem, de fato, precisar serem modificados em face das condições de campanha.

Alunos do CEFE na pista de obstáculos.

A curto prazo, o objetivo será criar um manual conciso ou livreto que possa ser entregue aos soldados que estejam em um curso de guerra na selva. A longo prazo, o objetivo é criar um conjunto de padrões, conhecido como Quality Standard Training Plan (Plano de Treinamento de Padrão de Qualidade), ou QSTP, que descreverá quais padrões qualquer soldado deve atender para ter uma qualificação completa na selva.

Além disso, disse Bujold, existe um sonho ainda mais ambicioso: atualmente, o Exército Francês não permite que canadenses qualificados instruam em sua escola. "O que estamos tentando fazer a longo prazo é encontrar outro lugar no mundo, talvez com o Reino Unido ou o Brasil, onde nossos instrutores serão capazes de ensinar".

Nossa própria localização, nossa própria doutrina e nossos próprios instrutores treinados. Nas palavras do Guns 'n' Roses, "Bem-vindo à selva".

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:





quinta-feira, 23 de abril de 2020

FOTO: Os amotinados e o mistério do FAMAS na Papua Nova Guiné

Os soldados amotinados da PNG no quartel de Taurama entregam as armas para simbolizar o fim da tentativa de golpe.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 23 de abril de 2020.

O motim da Força de Defesa da Papua Nova Guiné (Papua New Guinea Defence Force, PNGDF) em 2012 ocorreu em 26 de janeiro de 2012, quando um grupo de militares chefiados pelo coronel aposentado Yaura Sasa ocupou o quartel de Murray (Murray Barracks), o quartel-general da PNGDF por conta da disputa pelo posto de primeiro ministro da Papua Nova Guiné entre o ex-ministro Sir Michael Somare, iniciada dezembro de 2011, quando o Supremo Tribunal da Papua-Nova Guiné ordenou que Somare fosse restabelecido como primeiro-ministro, enquanto o parlamento do país apoiava O'Neill.

Às 3:00 da manhã de 26 de janeiro, cerca de 20 soldados do 1º Batalhão do Real Regimento das Ilhas do Pacífico (Royal Pacific Islands Regiment,1 RPIR) prenderam Agwi e dois outros oficiais considerados leais ao ministro O'Neill, depois de surpreenderem guardas em Taurama Barracks, o quartel do 1º Batalhão do RPIR, nos subúrbios da capital da PNG, Port Moresby. Vários tiros foram disparados durante esta operação. O grupo então transportou Agwi para o quartel de Murray, perto do centro da cidade, onde ele foi colocado em prisão domiciliar. 

Então comandante da PNGDF, General-de-Brigada Francis Agwi, em junho de 2011.

O Coronel Sasa anunciou que a ação não era um motim ou um golpe, pois Samore era o primeiro-ministro legítimo do país. Através de sua filha, o ex-premier Samore confirmou ter ordenado o motim chamando o governo de ilegal. A rebelião não tinha o apoio da maior da PNGDF, com apenas 30 homens leais ao golpe no quartel de Murray. Em 27 de janeiro os amotinados continuavam armados, com o impasse institucional imobilizando a todos - o comandante da polícia se recusou a intervir, alegando que as atitudes do coronel eram uma questão interna das forças armadas.

Sasa foi preso por policiais na noite de 28 de janeiro e acusado de motim. Em 30 de janeiro, os soldados que participaram do motim entregaram suas armas em troca da anistia após um desfile no quartel de Taurama diante do Ministro da Defesa Belden Namah, que fez um discurso para cerca de 200 membros do 1 RPIR, incluindo os 30 amotinados, durante o qual afirmou que os soldados que haviam participado do motim receberiam uma anistia no final da tarde; mas no entanto ameaçando que novos rebeldes "enfrentariam o peso total da lei". Apesar das duras palavras, o Coronel Sasa foi solto pelo Supremo Tribunal em 1º de agosto de 2012.


Mas de onde vieram os FAMAS? Alguns grupos de entusiastas na internet começaram a debater como os amotinados conseguiram os fuzis FAMAS vistos nas filmagens e na foto da rendição no dia 30; apresentando as teorias conspiratórias mais mirabolantes de conexões clandestinas com países vizinhos operando o FAMAS.

Os misteriosos FAMAS dos amotinados.

O primeiro candidato mencionado foi Vanuatu, que adquiriu o FAMAS em 1994 e adotando como padrão em 2009. Outro candidato foi a Indonésia, que possui dotação de fuzis FAMAS no exército, marinha e polícia; levando à teoria do golpe ter sido orquestrado por Jacarta. Apesar da Indonésia ser conhecida por sua política violenta de interferência nos países vizinhos, entrando em conflito com os holandeses, com a Commonwealth na Emergência Malásia, e inclusive mantendo uma ocupação violenta no Timor Leste de 1975 a 1999.

A realidade, no entanto, é mais mundana. O PNGDF comprou os fuzis FAMAS legalmente na década de 90. A Força possui 7 quartéis pelo país: Murray, Taurama, Goldie, Lombrum, Igam, Vanimo e Moem. O FAMAS foi colocado no quartel-general de Murray, para funções de segurança e cerimonial; o mesmo quartel onde os amotinados mantiveram o General Agwi.

"Nunca atribua à malícia/maldade o que pode ser adequadamente explicado pela estupidez."

- Navalha de Hanlon.

Operador do KOPASSUS, forças especiais do Exército Nacional Indonésio (TNI-AD), com um FAMAS G2.

Os "entusiastas conspiratórios" alegavam que a PNGDF era armada apenas com fuzis M16 e FAL, mas a PNGDF é conhecida justamente por um número excessivo de armamentos, de várias procedências, e que não são propriamente guardados nos arsenais. Além do fuzil padrão M16A2 (o Constabulário usa o AR15 semi-automático) e do antigo SLR australiano (FAL imperial), há o SIG 540, o SR-88 (Singapore Rifle 88, Fuzil de Cingapura 88), SAR-80 (Singapore Assault Rifle 80, Fuzil de Assalto de Cingapura 80), Galil, HK 33, os modelos bullpup FAMAS, SA-80 Enfield e Steyr AUG.

Um diplomata de defesa comentou que a PNGDF tinha "armas demais para o tamanho de sua força". Os soldados e policiais da Papua Nova Guiné são majoritariamente primitivos e entregam armas dos arsenais governamentais aos parentes de forma a manterem a competitividade das suas famílias nas milhares de mini-guerras tribais que ocorrem simultaneamente na ilha. Os arsenais estão sempre desfalcados, geralmente em cerca 45% (menos da metade). A revisão da Commonwealth observou a "indisciplina, embriaguez e roubo de armas... [e] perdas não investigadas e inexplicáveis [de armas portáteis]" e lamentou a baixa penalidade pela perda de uma arma - PGK 40, meros 13 dólares. É mais fácil para os locais roubarem armas do governo do que contrabandearem do exterior.

Um delegado das Ilhas do Pacífico, falando em um seminário de armas portáteis em Tóquio disse "Eu sou o homem mais poderoso do país. Eu seguro a chave do arsenal". As suas palavras não são exageradas e demonstram as dificuldade institucionais nesses pequenos países.

Em um relatório especial da Small Arms Survey, de Genebra, publicado em 1º de janeiro de 2005, cita uma auditoria feita em agosto de 2004, on cerca de 1.500 armas haviam sumido. O relatório apontou 11 fuzis FAMAS desaparecidos, 3 do modelo F1 e 8 do modelo G2.

A PNGDF é uma instituição com excesso de pessoal, corrupta e ineficaz. Em março de 2001, uma revisão do Grupo de Pessoas Eminentes da Commonwealth (Commonwealth Eminent Persons GroupEPG) recomendou reduzir o número de tropas de mais de 4.000 homens para apenas 1.900 militares, o que foi apreciado pelo primeiro-ministro Sir Mekere MorautaEntre 30 e 50 soldados assumiram o controle do quartel de Moem na cidade de Wewak, forçando o primeiro-ministro a recuar. O porta-voz PNGDF  disse que soldados no quartel de Igam, na cidade de Lae, 155 quilômetros ao norte de Port Moresby, não se juntaram ao motim, mas expressaram simpatia pela questão da redução de custos.

Estes dois eventos não foram os únicos golpes militares na Papua Nova Guiné: A Unidade das Forças Especiais assumiu ilegalmente o controle do centro de operações da PNGDF no quartel de Murray, em 28 de julho de 1997, durante o Sandline Affair (Caso Sandline).


Recentemente, a PNGDF suspendeu o recrutamento por causa de acusações gravíssimas de nepotismo, patronato e suborno na aceitação de voluntários.

Leitura recomendada:

GALERIA: O FAMAS em Vanuatu22 de abril de 2020.

O FAMAS no mercado de exportação4 de novembro de 2019.