Mostrando postagens com marcador União Soviética. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador União Soviética. Mostrar todas as postagens

sábado, 10 de julho de 2021

Soldado da Fortuna: Com os Mujahideen no Afeganistão


Por Galen Geer, Soldier of Fortune, 28 de junho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 5 de julho de 2021.

"De e aproximadamente um dos meus melhores e favoritos amigos de longa data, Galen Geer, também um veterano do Vietnã e um homem que eu admiro muito. Ele perdeu seu filho este mês [junho de 2021]. Leia primeiro um dos muitos recursos que ele escreveu para a SOF, que é um dos capítulos de minhas memórias, I am Soldier of Fortune: Mujahideen zero in on Ivan. Abaixo do artigo está um homenagem a seu filho."
- Tenente-Coronel Robert K Brown, USAR (reformado).

Robert K. Brown e um mujahideen fotografados por Phill Foley no Afeganistão.

Missão: Afeganistão

Mujahideen no Afeganistão mira no Ivan, por Galen Geer.

Começando logo após a invasão soviética em dezembro de 1979, correspondentes da Soldier of Fortune (SOF) foram despachados regularmente para cobrir o movimento de resistência mujahideen e trazer espécimes de equipamentos militares soviéticos - muitos dos quais agências de inteligência ocidentais, incluindo a CIA, foram incapazes de obter.

Os leitores ajudaram os mujahideen por meio de suas generosas doações ao Fundo dos Combatentes pela Liberdade Afegã da SOF. A missão de Galen Geer em abril de 1980 foi a primeira excursão sub-reptícia da SOF no Afeganistão. Ele partiu em uma jornada cross-country de 11 dias para rastrear e revelar a misteriosa nova munição do fuzil AK-74 dos soviéticos.

5,45x39mm.
Apelidada de "bala venenosa" pelos mujahideen.

Caminhamos em silêncio. Não havia sombra, nem mesmo uma pedra sob a qual rastejar como um lagarto em busca de abrigo do sol escaldante do meio-dia. No dia anterior, meus olhos estavam tão queimados de sol que secaram e a película com crosta teve que ser removida como uma camada de pele descascada.

Por 10 dias, eu havia seguido a trilha da bala misteriosa do Afeganistão - a munição ComBloc [Bloco Comunista] de 5,45x39mm para o fuzil de assalto AK-74. Eu havia tropeçado através de dois desertos e escalado duas cadeias de montanhas. Eu tinha passado pelo corredor polonês de MiGs soviéticos e helicópteros de combate. De uma fortaleza mujahideen a outra, vaguei pela província de Paktia tentando encontrar aquela maldita bala. Agora eu tinha. Tudo que eu precisava fazer era levá-la para os Estados Unidos - a meio mundo de distância.

Meu maior medo neste momento era a segurança. Eu sabia que a KGB havia se infiltrado nos mujahideen.

John K. Brown (esquerda) e Mike Williams, ambos da SOF, no Afeganistão.

Caso se espalhasse que eu tinha a nova munição, Ivan não pararia por nada para me pegar. Por esse motivo, decidi viajar a noite toda até o dia seguinte e noite sem descanso. Seriam 36 horas de caminhada e cavalgadas sem parar, mas valeria a pena.

Ao dobrar a curva do desfiladeiro, o cheiro de camelos mortos, mortos por aeronaves soviéticas naquele dia e já fedendo ao sol do deserto, invadiu meus sentidos. Puxando nossas camisas sobre o nariz, meus companheiros mujahideen e eu passamos, lembrando mais uma vez do rastro de morte e decadência da guerra.

Enquanto caminhávamos os últimos quilômetros até a fronteira e ao território tribal que ficava além dela, deixei minha mente vagar de volta pelos dias e quilômetros até os primeiros momentos de minha jornada no Afeganistão, antes de começar a entender seus rebeldes enigmáticos e determinados - as únicas pessoas no mundo moderno com coragem para enfrentar o poderoso exército soviético.

Guardas de Fronteira soviéticos prendendo afegãos para interrogatório.

Guerra Santa Islâmica

De minha posição precária no camelo, olhei para baixo, para o mujahideen caminhando ao meu lado. Na última hora, os russos haviam bombardeado o vale do outro lado da montanha, e a cada nova onda de explosões ele estremecia. Finalmente, quando fizemos uma pausa, puxei o intérprete, Abdul Massai, para um lado e perguntei por que um homem parecia tão afetado pelo bombardeio e os outros indiferentes.

“Porque as bombas estão caindo em sua casa”, disse Massai, depois foi embora. Recuei com dificuldade em meu camelo, acendi um cigarro e pensei sobre as visões que devem ter passado pela mente do afegão ao ouvir as bombas caindo na única casa que ele conhecia desde o nascimento.

Regimento de Tanques soviético no Afeganistão.

A jihad, ou guerra santa, foi uma mistura confusa de história e problemas atuais do Afeganistão. O objetivo geral da guerra, tanto as facções tribais quanto políticas em Peshwar, Paquistão, concordaram, era livrar o Afeganistão dos russos. Cada grupo parece estar indo em uma direção diferente, no entanto, e os observadores ocidentais foram deixados confusos e frustrados. Para entender a complexa guerra travada contra a União Soviética, os mujahideen que a lutaram, e por que toda ajuda dos soldados da fortuna, mesmo se oferecida gratuitamente, foi recusada firmemente, é preciso recuar mais de 2.300 anos na história afegã.

A guerra atual não é, como muitos relataram, uma demonstração repentina de orgulho nacional. No Afeganistão, a base para a luta tem séculos. A maioria das relações afegãs com outras culturas, especialmente desde a aceitação do Islã no século 10, tem se centrado na guerra. Essas guerras incluíram tudo, desde rixas familiares até repelir vários invasores. Quando não havia uma “guerra real” a ser encontrada, essas pessoas ferozes tinham o mesmo prazer em lutar entre si. Mesmo sem uma guerra santa contra os russos, os afegãos ficariam felizes em combatê-los porque é um bom esporte.

Como os afegãos passaram gerações lutando em guerras sagradas, guerras locais e guerras nacionais, cada família, cada geração, tem sua própria história de glória. A jihad, para muitos dos afegãos, foi uma chance de expandir essa glória. Ao apelar para sua devoção religiosa, seu senso de injustiça sobre a destruição de Alcorões, mesquitas, o assassinato de mulheres e crianças e o bombardeio de aldeias, os grupos em Peshawar têm um poço sem fundo de mão-de-obra. Sua única escassez real são armas.

Ahmad Shah Massoud, o Leão de Panjshir, inspecionando um AK-74 com o lança-granadas GP-15, década de 1980.

Um ponto importante para entender sobre a guerra do Afeganistão é que não houve morte para os mujahideen em batalha. Por terem se tornado mujahideen, ou guerreiros sagrados, eles já tinham seus últimos ritos islâmicos e acreditavam estarem mortos. Quando morrem em batalha, são aceitos no céu por Maomé, vivem para sempre e seus túmulos se tornam santuários.

Mului lalai Up Din, comandante militar da maior facção do Hezbi-Islami do Afeganistão (um dos meia dúzia de grupos que operam com cargos políticos em Peshawar, no Paquistão), apontou que para cada mujahideen morto pelos russos, “mais dez se levantarão em seu lugar.” Isso pode soar como uma fanfarronice espiritual para os ocidentais até que se testemunhe o pico febril de mujahideen deixando as áreas tribais do Paquistão para o Afeganistão e ouça as histórias de glória em torno dos mujahideen que caíram em batalha. Novos recrutas, quando ouvem essas histórias, deixam os campos de refugiados ao redor de Peshawar para se juntar à luta.

As sementes dessa jihad foram plantadas duas décadas antes da guerra, quando muitos dos líderes políticos mujahideen começaram a denunciar os comunistas então ativos no Afeganistão.

Logo após o golpe que levou ao primeiro regime comunista, esses líderes políticos e espirituais foram capazes de estimular uma febre anticomunista entre o povo, levando à primeira fase da guerra atual. Embora compostos de tribos díspares, os mujahideen tinham um elo comum em seu desejo de estabelecer um estado islâmico. No caminho para Data Kher, onde a bala AK-74 foi encontrada. Minhas pernas pareciam pedaços de chumbo. Olhei em volta para a exuberante floresta de pinheiros que havíamos escalado. A meia dúzia de mujahideen sorridentes não parecia afetada pela subida de quatro horas.

"Como diabos esses caras fazem isso?" Eu disse, quando minha respiração finalmente diminuiu o suficiente para que eu pudesse falar. “Eles não podem ser humanos.”

Comparativo do AK-47 e o AK-74, munições e as cavidades do ferimento da bala 5,45x39mm. 

Estou convencido de que os mujahideen são os melhores do mundo, embora os guerreiros mais estranhos. Um dos aspectos mais interessantes era sua capacidade de resistir à exigente vida nômade exigida pelo combate nesta terra implacável. Eles não carregam rações ou cantis. Eles não dão a mínima para a distância até o próximo poço de água ou se terão uma refeição decente. Eles pegam sua água onde a encontram. Nos desertos, eles estabeleceram, depois de séculos de viajar pelas mesmas rotas, buracos de água que são cuidadosamente escondidos. Um que encontramos fluía acima do solo por não mais do que trinta centímetros, mas todos os homens de nosso grupo sabiam exatamente onde encontrá-lo.

Meu primeiro dia de viagem com eles revelou um padrão que se repetiu ao longo de minha viagem. Depois de cerca de quatro horas de caminhada contínua morro acima, chegamos a uma pequena casa de chá na montanha, onde fizemos uma pausa. Os mujahideen beberam um chá super adoçado para mantê-los durante a tarde e mastigaram naan pão de trigo seco, um alimento básico no Oriente Médio. Encontramos essas casas de chá em todo o Afeganistão.

Propaganda para um fundo aos mujahideen afegãos lutando contra os soviéticos.

As casas de chá têm servido inúmeras caravanas que se arrastam pelos desertos e montanhas há séculos. Em uma aldeia rica, frango será adicionado ao menu ou possivelmente alguns pedaços de carneiro nadando em óleo espesso que é embebido com o pão. Caso contrário, pão, chá e talvez um pouco de arroz ou cebola crua é tudo o que se pode esperar.

A marcha de um dia inteiro começa antes do amanhecer. Assim que as orações da manhã terminam, eles bebem algumas xícaras de chá, arrancam alguns pedaços de pão e, em seguida, juntam suas armas e o pouco equipamento que pode ser carregado em camelos ou burros. Então eles seguem em frente.

Os mujahideen dão passos pequenos e lentos em um ritmo imutável. Enquanto a maioria de nós tende a acelerar o passo ao descer uma trilha, os afegãos mantêm o mesmo ritmo, a mesma distância a cada passo para conservar energia e umidade sob o sol escaldante. Até aprender a combinar meus passos com os deles, eu sempre estava muito atrás ou muito à frente do grupo. Depois que descobri o que eles estavam fazendo, consegui ficar com eles e viver com as parcas rações como eles viviam. Independentemente do clima ou do terreno, eles usam sandálias de couro, calças largas amarradas com uma corda, uma camisa larga e turbante, e carregam um cobertor sobre o ombro que serve como saco de dormir à noite e camuflagem durante o dia quando os helicópteros soviéticos sobrevoam. Cada homem carrega sua própria arma - qualquer coisa, desde uma pistola russa da Segunda Guerra Mundial até um AK-74 capturado. A maior quantidade de munição que encontrei carregada por um único homem foi de 50 cartuchos. A maioria tem de 20 a 30 munições em média. Sua gama de armas inclui fuzis, antiqüíssimas metralhadoras chinesas e fuzis ferrolhados Enfield britânicos. Uma arma padrão é a adaga afegã, uma lâmina de aparência perversa com cabo de osso de camelo que é enrolado na extremidade.

Adagas karud afegãs.
A da esquerda é do tipo "choora".

Todos os mujahideen têm um amor infantil por cores vivas e flores. Suas armas são decoradas com miçangas coloridas e couro. Ao passar por um campo de flores, eles não resistem a parar para pegar algumas para colocar em suas armas, chapéus ou roupas.

Sua ferocidade e gentileza são um paradoxo. Esses mesmos homens apaixonados por flores executam impiedosamente todos os russos que capturam e depois retalham seus corpos com machadinhas e facas. Com seu jeito simples e despretensioso, os mujahideen estão mantendo o urso russo à distância. Sua determinação de expulsar os invasores chamou a atenção do mundo. Pode não ser uma má ideia enviar alguns de nossos sargentos e oficiais para aprenderem com eles.

Outra caça ao tesouro afegã de sucesso

Mujahideen com um lançador e foguetes RPG.

O funcionário Jim Coyne veio com um furo da SOF em 1981 com a descoberta das "minas borboleta" soviéticas. “Essas minas anti-pessoal pequenas e discretas, que parecem brinquedos, mutilaram inúmeras crianças afegãs e também rebeldes. Lançadas indiscriminadamente por helicópteros russos, essas minas continuam a espalhar-se pelo campo, impedindo o movimento noturno e bloqueando as rotas de abastecimento. Quatrocentos metros à frente, vi um dos dois homens-ponto parar. Os flanqueadores pararam. Todo mundo parou. O único homem que falava inglês disse: "Parece estranho e verde, e vai estourar seu pé." Ele definitivamente tinha minha atenção.

Eu estava com uma patrulha de 14 guerrilheiros da Frente de Libertação Nacional do Afeganistão. Estávamos caminhando em direção a uma área de emboscada, em plena luz do dia, através de um vale amplo e árido - observado, eu tinha certeza, por todas as equipes russas de FAC (forward air control / controle aéreo avançado) e LRRP (long range reconnaissance patrol / patrulha de reconhecimento de longa distância) em um raio de 40 milhas (64km).

Depois de subir continuamente as rochas por cinco milhas (8km), minhas pernas se transformaram em gelatina. Estávamos passando por uma crista imensa. No topo havia uma estrada que uma unidade de infantaria mecanizada russa vinha usando há três dias.

“Cuidado com os pés”, disse meu guia, enquanto continuávamos a subir. Parávamos ao mais leve sussurro de um som estranho. Em minha mente, ouvi aquele sempre presente golpe de rotor de helicópteros que havia permeado o ar no Vietnã. Parecia estranho que não houvesse nenhum aqui agora. Isso me deixou inquieto.

PFM-1 (ПФМ-1, abreviação de противопехотная фугасная мина, protivopekhotnaya fugasnaya mina-1, "mina altamente explosiva anti-infantaria 1"); apelidada papagaio verde, também conhecido como mina borboleta. Uma mina de treinamento PFM-1, distinguível da versão real pela presença da letra cirílica "У" (abreviação de учебный, uchebnyy, "treinamento").

Havíamos chegado ao topo da crista, e uma espécie de estrada, quando paramos novamente. O homem ao meu lado disse. “Você está com sorte”, e apontou para fora da estrada. Lá estava outro objeto que era certamente estranho e verde. Parecia uma grande semente de bordo de plástico verde.

Para onde quer que olhássemos, havia fragmentos de plástico verde. Helicópteros russos lançaram milhares dessas pequenas minas anti-pessoal ao longo da crista. À luz do dia, eles não são muito difíceis de detectar. À noite, eles são mortais.

Preenchidos com um explosivo líquido ainda não especificado e armados com um gatilho de impacto de mola de galo, eles cobraram seu tributo ao longo da fronteira do Paquistão e do Afeganistão. A lógica russa é tão perfeita quanto mortal. Em um lugar como o Afeganistão, onde o tratamento médico é virtualmente inexistente, estourar o pé de alguém é melhor do que matá-lo - são necessárias pelo menos duas ou três pessoas para carregar uma vítima e, em uma semana, os feridos provavelmente morrerão de gangrena. Trouxe uma dessas minas comigo para os Estados Unidos e atualmente está em análise.


Poema: Uma Ode ao Filho de um Velho Guerreiro

19 de março de 2019
Caros amigos, família, leitores (todos):

Eu sou um escritor e escrevo sobre os acontecimentos da minha vida e, frequentemente, os acontecimentos da vida de outras pessoas (nem sempre os outros “humanos”). No dia 1º de março deste ano, quando soube que meu filho (Chris) havia falecido repentinamente e inesperadamente, soube desde então que, para recuperar minha vida, precisaria escrever sobre meu filho. Ao longo de minha viagem à Califórnia, para passar um tempo com minha nora Elisabeth), netos (Cameron e Madeline) e filha (Jamia), e eu esperava, consertar algumas cercas e comparecer ao Serviço Memorial de Chris, eu tentei entender sua morte para que a partir desse entendimento eu pudesse escrever sobre ele. As horas que passei em reflexão silenciosa depois de ouvir outras pessoas falarem sobre Chris, não produziram nada em quase quatro dias.

Então, a caminho de casa, enquanto comia um cachorro-quente estilo Chicago no aeroporto de Denver, peguei um caderno, no qual venho escrevendo ensaios para um novo livro (sempre carrego vários cadernos e meu tablet iPad), destampei uma caneta-tinteiro (também carrego seis canetas-tinteiro em um estojo de couro) e comecei a escrever. Eu sabia o que queria dizer, mas não como dizer. Quem me conhece bem sabe que escrever não é apenas o trabalho da minha vida, mas também terapêutico. Com a escrita, posso limpar a desordem de minha mente, colocando-a nas páginas de um caderno, geralmente confuso, muitas vezes incoerente exceto para mim, mas sempre a base para “algo” que me sinto compelido a escrever. Sentado ali, tomando café quente e dando pequenas mordidas no cachorro-quente, olhei desamparadamente para a página em branco e só conseguia me lembrar. Sem pensar no que estava fazendo, larguei o cachorro-quente, coloquei a ponta da caneta no papel e comecei a escrever. Não planejei o que estava escrevendo, nem sabia como terminaria cada frase ou como começaria a seguinte. Anotei as coisas de que me lembrei sobre aquele dia de adeus, quando dissemos: “Adeus, Chris”. Então, marquei “Chris” e substituí por “Indy”. Eu soube então como escreveria o que queria dizer. Eu não sabia as palavras que usaria, mas naquele momento sabia que as encontraria. O mais importante, percebi, era escrever algo sobre Indy que ressoasse com os outros, mas não tanto com aqueles que o conheciam bem, ou mesmo aqueles que o conheciam apenas superficialmente. Queria que as minhas palavras, sobre o meu filho, se tornassem um epistolar para serem partilhadas entre os outros porque falam das perdas e oportunidades perdidas nas nossas vidas e como é quando não perdemos uma oportunidade com os outros antes de uma perda. Não sei se o que escrevi alcançará isso, mas pelo menos tentei e, ao fazê-lo, a morte de Indy Christopher Geer conta mais do que perda, acredito que é para começos.

GLG

A Lição da Velha Perversa


Mais uma vez, em minha vida, as mãos frias, incolores, como garras da Velha Perversa da Morte, fecharam-se em torno do coração de alguém que amo. Desta vez foi meu filho, Chris. A dor da perda, eu sei, lentamente se misturará com as outras dores que carrego em minha alma, mas nunca passará de lá. Quando meu próprio coração sucumbir ao aperto gelado da perversa e meu corpo se transformar em cinzas, só então minha alma estará livre da dor da perda. Isso é verdade para cada um de nós. Não até que nossos corações sejam acalmados pelo aperto da perversa é que estaremos livres das dores da perda que a vida nos inflige.

Muitas vezes dizemos a nós mesmos que a morte de alguém que conhecíamos apenas superficialmente, ou talvez de alguém que amamos e que nos injustiçou (de forma real ou imaginária), não importa para nós. Esperamos que possa haver um toque de culpa em nossas mentes por não tentar consertar uma ponte quebrada admitindo nossos erros e perdoando os deles, mas acreditamos que somos mais fortes do que as profundezas da própria alma. Acreditamos que podemos empurrar as dores, grandes ou pequenas, para as trevas mais profundas da nossa alma, mantê-las lá e estar livres delas. Quando acreditamos nisso de nós mesmos, estamos errados.

A Velha Perversa da Morte, cujo hálito é um gelo ardente que nos sufocará na nossa vez, não se preocupa com nosso passado e varre nossa arrogância de lado em sua fúria, enquanto arranca nossas fachadas de força e orgulho que nos sustentavam, todos enquanto ela exerce seu único ofício - roubando de nós - os vivos e ignorando nossas lágrimas de desespero. Às vezes, quando acreditamos que estamos a salvo de seu desprezo fulminante e de repente sentimos a frieza de sua presença, secretamente sabemos que ela está nos observando. Seja em uma noite quente de verão, quando sentimos frio por ela passar por perto, deixando redemoinhos no ar para criar uma brisa fresca que nos gela, ou em uma noite escura de inverno quando trememos contra o ar noturno quando inesperadamente parece quente contra nossa pele. Desesperados para recuperar o controle de nós mesmos, vamos rir e dizer que alguém cruzou nosso túmulo. Às vezes, quando um estremecimento inesperado ou tremor descontrolado passa por nossos corpos, pegamos e desdobramos as colchas que aquecem a mente que armazenamos lá e, em seguida, cobrimos nossos corações, almas e mentes para aquecer e nos proteger da Velha Perversa. Percebemos que nossa fraca proteção está apenas em nossas mentes? Ela sabe que quando seus dedos nodosos e retorcidos, movendo-se como os galhos sem folhas do inverno sendo empurrados por ventos amargos, agarram e acalmam nossos corações, e o gelo terrível e fogo de sua respiração nos sufoca: tudo está escrito, tudo está dito, tudo está feito. Daquele momento até o fim dos tempos, nada pode ser desfeito, nada do que dissemos pode ser perdoado e nada do que já escrevemos pode ser apagado, exceto pelo Todo-Poderoso e apenas no tempo do Todo-Poderoso.

Então, meus amigos, meus leitores, minha família, vocês percebem que é apenas durante nossas vidas frágeis que somos livres para corrigir, mudar ou perdoar? Com a Velha Perversa da Morte, não há uma segunda chance.

Quando disse meu último “adeus” a meu filho, o fiz com um orgulho restaurado que inchou meu coração e minha alma. Várias centenas de pessoas compareceram ao velório para dizer "adeus" a um homem que muitos amavam e todos chamavam de "amigo". Eles me falaram de seu calor, sua compaixão e sua vontade de ajudar os outros. Sua paixão pela Disneylândia, pelos filmes Star Wars e Indiana Jones e pelos personagens foi além de um hobby. Para todos eles ele era “Indy”, não de brincadeira, mas porque conhecia e entendia o personagem tão bem, ou melhor, do que Harrison Ford que (na tela), se tornou Indiana Jones. Do Jones fictício, Chris construiu lições sobre a vida que passou para seus filhos, seus amigos e suas famílias, e ele se tornou sua própria versão do personagem que admirava, então usando esse personagem e a dedicação de Chris aos escoteiros (com seu filho, Cam), e escoteiras (com sua filha, Maddie), ele deu mais lições de vida.

Ele praticou a humildade, a tolerância, a igualdade de todos, a coragem da perseverança e o valor do humor e das artes. No final do dia percebi que embora meu filho, Christopher Lee Geer, tenha vivido apenas 46 anos, durante esses anos ele fez a diferença na vida de centenas de pessoas. É uma meta que todos nós devemos considerar, não pelo acúmulo de honras e elogios, como aqueles acumulados em Chris, mas pelo que ele deixou para trás - um legado de boas obras. Ele era um bom pai, marido, amigo e filho - uma boa pessoa. Eu tenho orgulho do meu filho.

As últimas palavras que falei com Chris foram na conclusão de uma conversa por telefone durante a qual ele expressou preocupação com o fato de que a reforma de minha casa foi muito, muito cedo, após a minha cirurgia. Fizemos planos para que ele e meu neto viessem a Dakota do Norte no final de março para me ajudar a reformar minha casa. Então eu disse: “Eu amo todos vocês, abrace a Elisabeth e as crianças por mim, e diga a eles que os amo”.

"Eu vou. Também te amo, pai.”
“Boa noite e se cuide.”

Minha fé cristã é a minha garantia de que estaremos juntos novamente. Com orgulho é como vou me lembrar dele.

Galen L. Geer, 19 de março de 2017.

Bibliografia recomendada:

Bandeira Vermelha no Afeganistão.
Thomas T. Hammond.

The Hidden War:
A Russian journalist's account of the Soviet war in Afghanistan.
Artyom Borovik.

The Soviet-Afghan War 1979-89.
Gregory Femont-Barnes.

Leitura recomendada:




FOTO: T-62M no Passo de Salang, 28 de janeiro de 2020.


FOTO: Grupo Alfa no Afeganistão20 de março de 2020.

FOTO: Flâmula no Afeganistão30 de abril de 2020.

FOTO: Hinds afegãos26 de abril de 2020.





segunda-feira, 5 de julho de 2021

ENTREVISTA: A Batalha de Quifangondo segundo Pedro Marangoni

"Batalha do Kifangondo."

A Batalha do Quifangondo (ou Kifangondo) foi travada em 10 de novembro de 1975 entre o ELNA e as FAPLA na província de Luanda, em Angola. A batalha também é popularmente conhecido em Angola como Nshila wa Lufu, ou Batalha da Estrada da Morte.

Pedro Morongoni é entrevistado pelo Secretário de Imprensa da União Russa dos Veteranos de Angola, Serguei Kolomnin, em 10 de novembro de 2015.

Pedro Marangoni, mercenário de nacionalidade brasileira, participou na Batalha de Quifangondo ao lado da FNLA, integrando a unidade comandada pelo Coronel Santos e Castro.

Pedro Marangoni nasceu em São Paulo, Brasil, em 1949.
  • Formado no Centro de Formação de Pilotos Militares da Força Aérea Brasileira (1968-1971).
  • Ocupação: Piloto de Helicópteros, 9.000 horas de vôo.
  • Serviu na Legião Estrangeira  Francesa (1972-1973).
  • Depois viveu em Moçambique (1973-1974).
  • Chegou em Angola em Junho 1975, combateu com o grupo do Coronel Gilberto Santos e Castro ao lado da FNLA.
  • Participou na Batalha de Quifangondo (23 de Outubro - 10 de Novembro de 1975). Abandonou a luta em Fevereiro de 1976.
  • Viveu na  Rodésia (1976 – 1977).
  • Depois esteve com a Resistência Nacional Moçambicana, na região de fronteira com a Rodésia, Inyanga, Umtali.
  • Em 1979-1980 serviu na Legião Espanhola.
  • Depois da África voltou para o Brasil e trabalhou na Amazônia (Brasil), Bolívia e Peru, como piloto de helicópteros por cerca de 20 anos.
Agora vive no Brasil.

Livros publicados:
  • Angola - Comandos especiais contra os cubanos;
  • A Opção pela Espada;
  • A Era do Não: Poesia de crítica social, ateísmo, ceticismo;
  • O infinito não tem pressa;
  • Maria da Silva - apenas um retrato do cotidiano;
  • A grande manada.

Morro dos Asfaltos, Angola.
Da esquerda pra direita: Paiva, Lopes, Daniel, Pedro Marangoni (boina vermelha), Nelson, Morteirete (gorro sul-africano), Simões Comprido e o Capitão Valdemar (loiro, camisa preta). No centro, Coronel Santos e Castro (camisa preta e suíças).

Extratos do artigo escrito por Pedro Marangoni com o título "Quatro MLRS BM-21 Grad deteram os inimigos que avançavam sobre Luanda e mudaram o rumo da guerra?":
 
Quatro MLRS BM-21 Grad deteram os inimigos que avançavam sobre Luanda e mudaram o rumo da guerra?
Sim, mas como arma de efeito moral e não destrutivo.
 
Observando o comportamento dos africanos em combate, de um modo não-científico mas baseados em guerras recentes, verificaremos que a sua combatividade decresce do norte para o sul do continente negro. Minha experiência na África Austral mostrava que quem atacava vencia, quem era atacado recuava sempre e a maior parte das vítimas eram civis, não militares. Frentes elásticas e combatentes sem qualquer motivação mais profunda. Era a proporção de não-africanos – advisers, internacionalistas, mercenários, voluntários, etc., que decidia os confrontos. Estes eram tropas de conquista, os outros, de simples ocupação de terreno conquistado. E assim aconteceu também em Angola, de forma significativa.

Um BM-21-1 Grad russo em exibição em São Petersburgo em maio de 2009.

Os combatentes não-africanos com ideais ou vontade de vencer eram afetados por armas que realmente eram perigosas e produziam baixas; a esmagadora maioria africana temia qualquer coisa que explodia e fizesse barulho. Desculpem-me por não ser politicamente correto, mas esta é a verdade.

Fui, nos anos setenta, advertido de que estaria fornecendo informações importantes ao inimigo, ao menosprezar em artigos escritos, o 122 soviético, que considerava uma arma de efeito moral, não efetiva para causar baixas. Mas assim o via, como os demais colegas de combate. Temíamos mais um morteiro 81. Um morteiro 120, então, nos pregava ao solo, irremediavelmente...

Observei incontáveis vezes, a marca deixada no asfalto ou no solo, por explosões do 122 e dos morteiros 120, 81 e 60. Os estilhaços dos morteiros rasgavam o solo no ponto de impacto, desenhando uma estrela, mostrando que varreram o solo em trajetória rasante, atingindo mesmo quem estivesse deitado. Já o 122 deixava poucas marcas, com estilhaços sendo lançados em ângulo mais fechado, mais alto e menos perigosos. Vários caíram a poucos metros de mim na Batalha de Quifangondo, sem maiores danos. Tenho certeza que qualquer morteiro caindo na mesma curta distancia teria me posto fora de combate.

Esquemática do BM-21 Grad.

Mas a capacidade de lançamento múltiplo, rápido, seqüêncial dos MLRS BM-21 é devastador para tropas mal-treinadas, inexperientes ou pouco motivadas. Sem nenhuma dúvida eles foram decisivos para o pânico e a debandada geral das tropas da FNLA e zairenses em Quifangondo.

E o que deteve a pequena tropa não-africana? Em primeiro lugar, os canhões anti-carro 76mm, que aproveitaram o absurdo avanço das frágeis Panhard totalmente descobertas; em segundo lugar, para segurar os poucos infantes que seguiriam atrás delas, as metralhadoras anti-aéreas (ZPU-4?) cujo tiro podíamos sentir sobre nossas cabeças e que não nos deixavam levantar do solo.

Mas, mesmo se as Panhards não fossem detidas e nosso pequeno grupo pudesse avançar, não teríamos ninguém nos seguindo, pois o grosso da tropa africana debandara apavorada pelo efeito psicologicamente devastador dos MLRS BM-21 Grad...

Resumindo, sim, concordo que esta arma foi decisiva não só no rumo da batalha, mas de toda a guerra. Acredito que se o indisciplinado exercito zairense entrasse em Luanda, tudo seria arrasado e saqueado e uma avalanche de tropas de Mobutu Sesse Seko se despejariam pela fronteira norte, numa ocupação criminosa. E nós, o pequeno grupo de comandos especiais que por um ideal, serviu de ponta de lança, seríamos dizimados ou presos ou expulsos, pois representávamos um obstáculo às barbáries zairenses em solo angolano.

Pedro Marangoni: "A bem da história militar será um mapa incomum, feito em conjunto pelos dois lados opostos envolvidos".

Mensagem de Sergei a Pedro:

"Estimado Pedro Marangoni!

Fico-lhe muito grato por suas mensagens relativas à Batalha de Quifangondo, em particular pelo artigo "Quatro MLRS BM-21 Grad deteram os inimigos que avançavam sobre Luanda e mudaram o rumo da guerra?", que já foi publicado no nosso website em russo e português.
Encontrei nas suas mensagens alguns elementos muito interessantes para mim, como histórico, em particular, em relação ao efeito provocado pelas metralhadoras anti-aéreas ZPU-4 de calibre 14,5 mm (os angolanos e cubanos os chamavam "cuatro bocas"), ao efeito moral, produzido por salvas de BM-21 e também acerca do número exacto de comandos especiais portugueses ao lado da FNLA e ELP (Exército de Libertação Português). E mais algumas perguntas, se permitir." 

Entrevista

Pedro Marangoni com a boina vermelha dos comandos especiais, posição no rio Onzo.
Na torre do seu Panhard-90 está o lema "A morte tem medo de nós!".

Serguei Kolomnin: O ELP – foi simplesmente o slogan, ou força real com a estructura, programa e o comando formados?

Pedro Marangoni: Como recebi sua mensagem em português correto, vejo que não é através de tradutor eletrônico e sim de quem tem ótimos conhecimentos da língua portuguesa, portanto ficarei mais a vontade para responder em meu idioma.

O ELP só seria mencionado de forma politica, tentando comprometer a FNLA e também porque dizia-se que o Coronel Santos e Castro era ligado a este "exército" que considero apenas teórico, nunca chegou a existir como força real, coesa, organizada e pronta para combate. Apenas uma organização política. Nunca ajudou nossas tropas, que foram recrutadas entre portugueses refugiados na Rodésia, pelo comandante dos Flechas, Alves Cardoso, do DGS/PIDE. Mas os membros do grupo do Coronel Santos e Castro não eram mercenários, eram combatentes que viviam na África e quiseram ficar lá para passar ali a sua vida. Era composto por 153 portugueses, mais eu. O único militar do grupo que poderia se chamar de “estrangeiro" era eu, brasileiro, mas com dupla nacionalidade portuguesa. O Coronel Santos e Castro apareceria em Ambriz, como conselheiro militar de Holden Roberto e ligação com o nosso grupo. Depois passara a participar dos combates, fardado mas sem armas. Depois de Quifangondo volta à Europa.

Serguei Kolomnin: O que pode dizer da ajuda dos EUA à FNLA e ao ELP?

Pedro Marangoni: Quanto  à ajuda dos EUA, tínhamos pouco apoio e se os EUA ajudavam mais, provavelmente a ajuda era desviada por Mobutu. Muitos artigos também exageram a atuação dos norte-americanos, que pouco interviram e pouco nos ajudaram. Muitos livros históricos agora apenas mais uma obra politica, repleta de mentiras e exageros; estes livros prestam-se para falsear a história da descolonização e dificultar para que as gerações pós-guerra conheçam o que se passou realmente e aprendam a não repetir erros do passado.

FAPLA: Baluarte da paz em Angola.

Serguei Kolomnin: Na edição "FAPLA: baluarte da paz" (Berger-Levrault International, Paris. pg. 110) lê-se, que a ponte sobre o rio Bengo tinha sido  destruída pelos sapadores das FAPLA para impedir o avanço da tropa da FNLA. Alguns angolanos participantes na Batalha de Quifangondo (FAPLA) mencionam a [ponte] do Panguila também como destruída. O General Xavier, actual responsável da Academia Militar das Forcas Armadas Angolanas também insiste no facto que a ponte sobre o rio Bengo tinha sido destruída.

Outro ex-combatente (FAPLA) Álvaro António, que era capitão, actualmente colocado na Unidade da Guarda Presidencial (UGP) na entrevista à TV angolana afirma: "Nesta altura em que se destruiu a ponte estavam a atravessar três viaturas, entre as quais um tanque que ainda não tinha passado, tendo os outros dois caído com a ponte, morrendo os seus ocupantes". Ele acrescentou ainda, "que desta acção resultou a captura de quatro mercenários norte-mericanos que permaneceram encarcerados na ex-sala do director da Escola Primária da Fazenda experimental da Funda".

Se a ponte do Bengo estava destruída, de que maneira a tropa da FNLA tencionara e conseguiria atravessar o rio? À nado?

Ou a ponte sobre o rio Bengo continuava a funcionar, tendo só alguns danos não significativos? Conforme a minha experiência militar, explodir e destruir a ponte sólida, construída em betão [concreto] é uma coisa nada fácil…

Detalhe da pintura "Batalha do Kifangondo" mostrando os Panhard avançando pela ponte do Panguila; esta representada - incorretamente - como destruída.

Pedro Marangoni: Encontrei as recordações do general angolano Xavier honestas, parece-me ele realmente esteve em Quifangondo. Mas nenhuma das duas pontes estavam destruídas e não entendo porque os angolanos insistem em mentir sobre um facto que daria até mais valor à luta deles... Claro com a ponte destruida, seria uma defesa mais segura, praticamente admitindo que não conseguiriam deter o inimigo. A ponte destruída seria uma proteção a mais.

Talvez a  ponte do Bengo estivesse sabotada, não destruída, ou seja, colocaram as cargas explosivas e não detonaram, tal seria feito apenas se não conseguissem nos deter! Será que isso aconteceu também na ponte do Panguila, onde encontramos os cordéis detonantes? E a explosão teria falhado?

Um grupo de comandos com o Capitão Valdemar precedeu o grande ataque, infiltrando-se pela madrugada e tomando a primeira ponte, a do Panguila. Apenas cordéis detonantes foram encontrados, sem explosivos. Eu próprio passei por ela, intacta. A segunda ponte também, no primeiro ataque foi avistada inteira pelos blindados e também pelos aviões de reconhecimento.

Se a ponte do Bengo estava destruída, como posteriormente as FAPLA/cubanos avançaram contra o Morro da Cal e Caxito? Pelas pontes... A preocupação da FNLA era que as duas pontes fossem destruídas quando avançássemos e a engenharia zairense só tinha uma ponte disponível para construir.

Ainda sobre pontes: a única ponte importante que foi destruída pelo MPLA, quando do grande avanço da FNLA rumo à Luanda foi a de Porto Quipiri, na saída de Caxito. Aí a engenharia zairense construiu uma [ponte] flutuante, de madeira e depois uma grande ponte metálica, que permanece até hoje.

O depoimento do Capitão Álvaro António... lembremos sempre: a primeira vítima da guerra é a verdade... Atualmente existem mais heróis que combatentes na ocasião da batalha... estaria ele lá? Lembremos que os cubanos, de arma na mão, tiveram que obrigar os angolanos a voltarem para os postos de combate, pois fugiam em pânico. Não existiram, por exemplo, quatro mercenários norte-americanos capturados! No combate, foram capturados apenas o municiador da Panhard-90 Remédios, o condutor da Panhard-60 Serra e seu atirador Oliveira, todos portugueses. Americano só havia um, observador do CIA, sempre desarmado, que não saiu do Morro da Cal. Os autênticos mercenários apareceram no Norte de Angola um mês depois de Quifangondo, e eram na verdade ingleses e americanos, mas não conseguiram nada, pois a luta já tinha terminado.

O comando Remédios.

O meu grande amigo Remédios foi capturado porque foi ferido com gravidade (está vivo e hoje mora em [local omitido]), mas Serra e Oliveira suspeita-se que forçaram a queda da Panhard-60 no pântano para se entregarem, desertando. Talvez você tenha conhecido Oliveira, fiquei surpreso ao vê-lo na televisão, anos mais tarde como comandante militar das FAPLA num setor no Sul de Angola!

Um fato interessante é que nem mesmo o MPLA nos considerava realmente mercenários, apenas usavam como propaganda, pois meus colegas capturados não foram julgados com os ingleses e americanos e tiveram tratamento mais humano. Além de Remédios, Serra e Oliveira, capturados em Quifangondo, anteriormente haviam sido capturados na Batalha de Caxito, em 7 de Setembro de 1975, os comandos especiais brancos Quintino, Fernandes e Pereira. Eles estão na foto do seu  arquivo:

Comandos especiais Quintino, Fernandes e Pereira, junto aos companheiros angolanos negros, após serem capturados no Caxito.

Resumindo, no Quifangondo ficaram no terreno uma Panhard-90, uma Panhard-60 e um caminhão Mercedes zairense; brancos capturados – 3, todos portugueses. O tal capitão mente.

Serguei Kolomnin: Qual foi o destino da maioria dos comandos portugueses após o desastre do Quifangondo?  Portugal ? África do Sul?

Pedro Marangoni: Como já disse, o Coronel Santos e Castro voltou à Europa. Outros foram-se embora depois que abandonamos a luta em Fevereiro de 1976; alguns continuaram a luta. Por exemplo, o meu  colega a quem chamávamos "Passarão". Tomei conhecimento que ele retornou do Zaire e continuou combatendo sozinho (ele havia nascido lá, era um africano branco a quem negavam a pátria), fazendo emboscadas contra os cubanos, formou e comandou um pequeno grupo, atuando na região de Ambriz, até que em Outubro de 1977, sofreu queimaduras graves com o mosquiteiro que pegou fogo e agonizou por duas semanas até morrer. Foi enterrado pelos africanos na mata perto da Fazenda Loge, região de Ambriz.

Passarão de pé, na extrema direita.

Após Angola, os comandos portugueses voltaram para a Rodésia, alguns foram para o Brasil, buscando uma pátria nova e outros para Portugal, país que alguns nunca haviam estado, africanos brancos de várias gerações e que foram muito discriminados pelos portugueses na Europa.

Serguei Kolomnin: É de conhecimento geral que, atacando contra Quifangondo, a FNLA e os zairenses foram apoiados pela artilharia de longo alcance sul-africana. O que poderia dizer a este respeito?

Pedro Marangoni: As peças 140mm G-2 sul-africanas chegaram ao Morro da Cal na tarde do dia 9 e começaram o fogo de barragem no dia 10 por volta das 05:00h;  foram diminuindo a intensidade do fogo até cessarem de vez, não sei precisar o momento. Segundo o сoronel Santos e Castro, que me informou pessoalmente, às 16:30h (04:30pm) os sul-africanos se retiraram do local com todo o material, sem autorização ou comunicar a ninguém. Os sul-africanos fugiram durante o combate. Após Caxito, abandonaram os obuseiros sem as culatras e foram resgatados em Ambriz, já de noite, por um helicóptero. Fugiram de helicóptero para um barco na costa de Ambriz, levando as culatras dos obuseiros 140mm G-2. Tudo à revelia da FNLA. Os obuseiros posteriormente foram rebocados pela FNLA, mas sem poder usá-los, acabaram em Ambrizete como ferro velho.

Serguei Kolomnin: Poderia pormenorizar o dispositivo de combate e a composição da força da FNLA e zairenses? Quantos carros Panhard, soldados (FNLA e zairenses), peças de artilharia haviam no palco de combate no dia 10 de Novembro perante o último ataque contra Quifangondo?

Pedro Marangoni: Números aproximados.

Artilharia: 
  • 1 canhão 130mm,
  • África do Sul 3 obuseiros 140mm,
  • FNLA alguns morteiros 120mm.
Cavalaria:

Comandos Especiais: 
  • 1 Panhard-90 (destruída),
  • 2 Panhards-60 (uma destruída e uma avariada),
  • 1 VTT Panhard com um grupo de combate, retornou ileso sem lançar a tropa,
  • um jeep com canhão 106mm sem recuo (não participou).
Zaire:
  • Cerca de 10 jeeps com canhão 106mm sem recuo (não participaram),
  • Umas 15 Panhards diversas, nenhuma participou do combate, assim que transpuseram a ponte do Panguila descarregaram toda a munição e recuaram.
  • Vários canhões anti-aéreos 20mm montados em jeeps (não participaram).
Infantaria:
  • Comandos: dos 154, cerca de 80 participaram do combate, apenas uns 10 cruzaram a ponte do Panguila avançando, o restante não avançou, permaneceu diante da ponte.   
  • FNLA: cerca de 800 homens (não tenho certeza, número aproximado), nenhum cruzou a ponte do Panguila.
  • Zaire: um batalhão de infantaria (dizem dois, não sei), uma equipe de engenharia; dois caminhões Mercedes carregados de soldados zairenses cruzaram a ponte do Panguila e começaram a morrer sem chance de defesa na primeira curva depois da ponte. Poucos voltaram, quase todos feridos. Um dos caminhões retornou à noite, após o combate, com alguns homens.
Quando recuei para o Morro da Cal, debaixo de cerrado bombardeio, por volta das 18:00h (06:00pm) do dia 10, tudo estava completamente deserto e as únicas viaturas eram o jeep do estado-maior e a nossa VTT Panhard.

Na noite de 11 de Novembro 1975, após a derrota, juntamente com o Coronel Santos e Castro,  apenas 26 homens ficaram na frente de combate no Morro da Cal, todos comandos especiais, portugueses, entre eles todos os oficiais. Nenhum dos quadros da FNLA.  A FNLA simplesmente fugiu  mato adentro sem comando e os zairenses recuaram para o Caxito.

Serguei Kolomnin: A maioria das fontes (livros, recordações) mencionam os três aviões da FA sul-africana  "Buccanir" a bombardear as posições FAPLA/cubanas na manhã do dia 10 de Novembro.

De outro lado,  o General Xavier (Jornal de Angola, 13 de Janeiro 2010. General Xavier: História vivida em Kifangondo) diz o seguinte: "as FAPLA estavam à espera de uma investida maior no dia 10 de Novembro de 1975. O relógio indicava 05H00, quando dois aviões se fizeram aos céus flagelando as posições das FAPLA, no Morro de Kifangondo. A primeira impressão é que fomos bombardeados pela aviação, mas não. Eram vôos de reconhecimento que iam verificar os acessos, principalmente o estado das pontes…" E acrescenta: "eram avionetas de reconhecimento, que partiam da pista do Ambriz ou de pequenas pistas em fazendas como a Martins de Almeida".

Como poderia comentar estas palavras do veterano? Eram bombardeiros da África do Sul ou avionetas de reconhecimento FNLA? Se havia realmente aviação sul-africana envolvida nessa batalha?

Pedro Marangoni: Aviões? Isto é muito interessante, confirmo as palavras do General Xavier, eram apenas dois aviões nossos, convencionais, civis, de observação, decolados de Ambriz, mas já era dia claro. Os primeiros tiros dos 140 sul-africanos foram em Luanda e depois foram recuando o alcance para atingir Quifangondo, coincidindo com a passagem dos aviões, o que para leigos poderia ser tomado por um bombardeio aéreo.

Mistério: realmente por volta das 05:00h ouvi um ruído semelhante a jatos de combate em grande altitude e depois três explosões surdas, não mais, abafadas entre o morro de Quifangondo e Luanda . Aviões ou uma experiência de tiro com canhões de uma fragata sul- africana que estava ao largo, com alcance suficiente para atingir o local? Isto é apenas uma conjectura minha, sem informações. Nem o Coronel Santos e Castro ou o Major Alves Cardoso foram comunicados de ajuda de aviões ou marinha sul-africanas. Se houve uma tentativa, não foi além, talvez devido à dificuldade de execução (proximidade das forças oponentes no terreno).

Serguei Kolomnin: No seu livro "А Opção pela Espada" há um mapa bastante pormenorizado e bem claro das posições FNLA/zairenses - FAPLA/cubanas no Quifangondo. Mesmo com o número exato das peças e obuseiros (1 canhão 130mm zairense, 3 obuseiros 140mm sul-africanos, FNLA etc). Você indicou os quatro BM-21 nas posições FAPLA/cubanas por acaso ou tinha informação mais ou menos exata? Muitas fontes dizem que eram seis.

Conforme minha opinião, baseada em certas recordações, eram quatro BM-21, que chegaram ao Quifangondo nas vésperas do dia 10 de Novembro. Como poderia comentar isso?

O que poderia dizer à respeito do mapa da batalha feita do ponto de vista dos angolanos, que  está exposta no nosso?

Mapa angolano da Batalha de Quifangondo.

Pedro Marangoni: O mapa de Quifangondo exposto ali é um documento valioso. E aparentemente as posições das FAPLA/cubanas estão próximas daquilo que imaginei. Existe, no índice, um símbolo para ponte destruída para impedir o avanço inimigo! Novamente a insistência das pontes destruídas, e note-se que estranhamente não se acha no terreno tal símbolo, apenas no índice. As menções de mercenários referem-se ao nosso grupo, pois os mercenários de Callan só chegariam [em Angola] mais tarde. Nossas posições e rota de ataque, e posterior retirada estão corretas, apenas não existem datas.  Nota-se que, colocam corretamente o nosso grupo na vanguarda e a FNLA na nossa retaguarda. Com exceção do símbolo ponte destruída e do suposto bombardeamento da aviação, me parece um mapa honesto.

Esquema da Batalha do Quifangondo por Pedro Marangoni.

O meu mapa foi feito de memória, sem escala e sem consulta a um mapa real do terreno; e apenas o que visualizei no decorrer do combate. O lado da FNLA/Zaire/Comandos é exato; do lado inimigo são minhas conjecturas. O número e localização de canhões anti-carro por informação do Tenente Paes na primeira investida.

O número de BM-21 calculei pela sequência de lançamentos, quando caíram em maior intensidade, pela concentração das explosões; apenas uma hipótese que agora me parece acertada.

Observação: em meu livro, "Órgãos de Stálin", juntamente com monocaxito, era a terminologia genérica que dávamos a qualquer míssil 122, de lançador simples ou não, sem significar BM-21.

Se você tiver dados confiáveis, autorizo que atualize com mais precisão a metade das FAPLA-cubanos no mapa.

Serguei Kolomnin: Poderia fazer uns comentários acerca das fotos expostas na  nossa página, dedicada a este tema?

As fotos nº 9 e nº 11 com Panhards destruídas são originais do período em Angola. Talvez saiba quem está junto com Holden Roberto na foto nº 3? Foto nº 4  - são soldados da FNLA ou zairenses?

Foto 3: Holden Roberto.

Pedro Marangoni: Foto nº 3: Em primeiro plano não sei identificar; atrás, ao lado de Holden, é o jornalista brasileiro e assessor do Presidente, Fernando Luás da Camara Cascudo.

Foto 4: Tropas FNLA no Zaire.

Foto nº 4: Esta foto me parece ser dos tempos mais fortes da FNLA, antes da guerra civil e mesmo do 25 de Аbril de 1974, e foi feita no Zaire, provavelmente na base de Quinkuzo. Nunca mais se viu tal concentração de tropas.

Fotos 9 e 11: viaturas destruídas Panhard 60 e Panhard 90, respectivamente.

Não dá para identificar; mas em toda a guerra civil os comandos perderam apenas uma Panhard-90, a do Tenente Paes em Quifangondo.

Comandos Quintino, Fernandes e Pereira, capturados no Caxito.

Foto nº 12: Como já disse são os primeiros comandos especiais capturados na batalha de Caxito em 7 de Setembro de 1975, onde participaram de improviso e com armamento obsoleto, sendo envolvidos devido à enorme inferioridade numérica; bateram-se bem. Da esquerda para a direita, (brancos) Quintino, pelotão G3; Fernandes, paraquedista, pelotão MAG; Pereira , motorista do caminhão Mercedes.

Encontrei mais fotos que tem mais relação com Quifangondo, fotos nunca publicadas, em mal estado, mas importantes e autorizo a publicação no site. Foram me dadas pelo autor, Azevedo, tripulante, que escapou da Panhard-60 cujos dois tripulantes foram capturados em Quifangondo.

Obuseiro 140mm sul-africano.

Três Panhards do ELNA/FNLA.

Mostram a chegada da artilharia sul-africana no Morro da Cal. Ao lado, uma torre de madeira, marco geodésico que marcava nossa posição ao inimigo e que ninguém se preocupou em derrubar e também as nossas três Panhards, estacionadas no abrigo onde passamos a noite antes do combate.

Outra foto mostra a Panhard-90 do Tenente Paes, pronta para descer ao Panguila, com a flâmula onde se lia «Ouso»! As fotos coloridas mostram no jeep, após a conquista de Quicabo, o comando Remédios, que foi capturado em Quifangondo, com sua M79, que o General Xavier relata estar no museu em Luanda.

A Panhard 90 do Tenente Paes, pronta para descer ao Panguila.
O tenente morreu quando o seu blindado foi destruído, o único Panhard 90 perdido pelo ELNA.

O comando Remédios com seu lança-granadas M79, hoje exposto no museu de Luanda.

A outra e da “Força Aérea da FNLA”, logo após meu bombardeio, junto com Rabelo, um piloto civil, contra a emissora oficial em Luanda. Os homens com tarja preta são os técnicos em explosivos, uma equipe de muito valor, que prepararam as cargas que lancei.

O avião civil usado no bombardeio à rádio em Luanda e a equipe FNLA.

Como conclusão queria dizer o seguinte: publicando estas fotos e meus depoimentos o Veteranangola.ru assim amplia a contribuição não só para a reconstrução da verdadeira história militar de Angola, bem como para alertar sobre injustiças de cunho social, discriminatório, por parte de europeus e africanos e que devem ser conhecidas pelo menos como uma homenagem e retratação às vítimas.

A bem da história militar será um mapa incomum, feito em conjunto pelos dois lados opostos envolvidos. Creio que é uma oportunidade de mostrar ao mundo que militares em confronto são profissionais em trabalho, não inimigos pessoais.


FIM

Bibliografia recomendada:

A Opção pela Espada.
Pedro Marangoni.


Panhard Armoured Car: 1961 onwards (AML 60, AML 90 and Eland).

Leitura recomendada:


Operação Quartzo - Rodésia 198028 de janeiro de 2020.

Tiro em Cobertura Rodesiano15 de abril de 2020.

FOTO: Batedores cubanos em Angola, 8 de junho de 2021.