Mostrando postagens com marcador África do Sul. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador África do Sul. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 15 de setembro de 2021

FOTO: Forças especiais sul-africanas e paraquedistas chineses

Paraquedista chinês instruindo sobre a desmontagem do QBZ-95-1, Hubei, China, 2017.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 15 de setembro de 2021.

Instrução conjunta entre forças especiais sul-africanas e os novos paraquedistas chineses ocorrida em Hubei, na China, em 2017. O paraquedista chinês está aconselhando um sul-africano durante um treinamento de montagem e desmontagem do fuzil bullpup chinês QBZ-95-1. Este fuzil modular tem as versões padrão QBZ-95-1, fuzil-metralhador QBB-95 e a versão sniper QBU-88. O exercício de treinamento visava o evento de Pelotão Aerotransportado dos Jogos do Exército Internacional (IAG) de 2017. O exercício em seguida teve um salto de paraquedistas chineses e estrangeiros de helicópteros. A presença de sul-africanos é parte da atual expansão chinesa na África.

Apesar de puxarem linhagem para uma unidade da Guerra Civil Chinesa, a criação de forças paraquedistas na China vermelha é um evento recente. Na verdade, os chineses ainda estão aprendendo o savoir faire do emprego de paraquedistas, tanto no nível tático quanto na organização estratégica do lançamento e manutenção de forças aerotransportadas. A China Nacionalista, atual Taiwan, teve uma pequena força paraquedista na década de 1940, formada pelos americanos durante a guerra contra os japoneses. As forças paraquedistas da China comunista foram formadas na década de 1950 depois da Guerra da Coréia.

A insígnia do Corpo Aerotransportado do braço direito.

Em 16 de setembro de 1950, a Força Aérea (PLAAF) formou sua primeira unidade de campanha, a 1ª Brigada de Fuzileiros Navais da PLAAF, recrutando seis mil soldados experientes em todo o 40º Corpo do PLA. A brigada estava sediada em Kaifeng, província de Henan. Posteriormente, a designação da unidade mudou várias vezes, tornando-se a 1ª Divisão de Fuzileiros Navais da Força Aérea, a Divisão de Paraquedas da Força Aérea e, em seguida, a Divisão Aerotransportada. Em maio de 1961, a Comissão Militar fundiu duas das três divisões de infantaria do 15º Corpo, o 44º e o 45º, com a divisão aerotransportada existente da PLAAF, para criar o 15º Corpo Aerotransportado da PLAAF. Todas as unidades de paraquedistas das forças armadas chinesas estão sob o comando da PLAAF.

Na década de 1960, quando o comandante-em-chefe da PLAAF, General Liu Yalou, foi incumbido de criar um corpo aerotransportado, ele recebeu uma pequena lista das unidades de elite do PLA, incluindo o 38º e o 15º corpos. Ele escolheu o 15º Corpo de Exército por sua atuação destacada na Batalha de Triangle Hill (outubro-novembro de 1952), na Guerra da Coréia. Durante a reestruturação do PLA em 1985, o 15º Corpo Aerotransportado foi reduzido a três brigadas. Na década de 1990, o conceito de Guerra Popular do PLA foi substituído pelo conceito de Guerra Limitada de Alta Intensidade. Isso, por sua vez, resultou em um retorno a uma estrutura de tamanho de corpo de três divisões com um aumento geral de 25% na força do 15º Corpo.

Em 1985, a maioria dos soldados do 15º Corpo de Exército eram paraquedistas comuns treinados para tarefas de apoio geral em uma campanha do exército combinado. Apenas 17% deles eram paraquedistas especializados. No entanto, essa porcentagem agora aumentou para 43% e os paraquedistas comuns caíram de 53% para 23%. O objetivo desse aumento na porcentagem de paraquedistas especializados era transformar o 15º Corpo Aerotransportado em uma força de armas combinadas, em vez de apenas uma força de infantaria móvel. Tornando-se assim mais capaz de conduzir operações independentes em um conflito limitado, mas altamente tecnológico.

Em maio de 1989, a 43ª e a 44ª Brigadas de Paraquedistas do 15º Corpo Aerotransportado foram desdobradas em Pequim para fazer cumprir a lei marcial e suprimir os protestos da Praça de Tiananmen de 1989. O 15º Corpo Aerotransportado foi rebatizado de Corpo Aerotransportado da Força Aérea do Exército de Libertação do Povo em abril de 2017; consistindo em 9 brigadas atualmente, reorganizadas de suas antigas três divisões e outras unidades de apoio.

Atualmente, o Corpo Aerotransportado da PLAAF foi elevado ao status de força estratégica. É uma partida do conceito de força aerotransportada tradicional do PLA. A mudança doutrinária da modernização permite que o Corpo Aerotransportado da PLAAF atue como uma força principal empregada para missões de campanha independentes em guerras futuras. Agora é aceito que as tropas aerotransportadas devem ser usadas para ataques preventivos aos principais alvos militares do inimigo na área de retaguarda, a fim de paralisar ou interromper sua preparação para uma ofensiva.

Esse tipo de missão em grande escala não pode ser conduzido sem um controle total do ar. Além disso, uma capacidade de carga única de 50.000 homens é necessária para este tipo de missões. Atualmente, a PLAAF pode transportar apenas uma divisão de 11.000 homens com tanques leves e artilharia autopropulsada. O quartel-general do Corpo Aerotransportado da PLAAF fica em Xiaogan, ao norte de Wuhan, em Hubei. As divisões aerotransportadas estavam localizadas da seguinte forma: a 43ª Divisão estacionada em Kaifeng, Henan (127ª e 128ª Infantaria Aerotransportada e 129º Regimentos de Artilharia Aerotransportada) e as 44ª e 45ª Divisões também na área de Wuhan em Guangshui e Huangpi.

Os paraquedistas usam um camuflado azul semelhante àquele dos fuzileiros navais como símbolo de status.

Cada vez mais o foco será colocado em assaltos helitransportados, em oposição aos tradicionais lançamentos de paraquedas. Durante uma série de exercícios, o Corpo Aerotransportado da PLAAF demonstrou que pode mover um regimento reforçado de paraquedistas com veículos blindados leves para qualquer lugar dentro da China em menos de 24 horas. Esses exercícios também mostram que um grande número de parapentes está em uso.

Os paraquedistas chineses ainda não possuem honras de batalha, não tendo experiência real de combate. Portanto, os chineses tentam medir sua eficiência por meios das muitas competições militares na região, especialmente os Jogos Internacionais do Exército na Rússia - famoso pelo Biatlo de Tanques.
  • Em 2015, paraquedistas chineses conquistaram o primeiro lugar nos Jogos Internacionais do Exército, que aconteceram na Rússia.
  • Em 2016, os paraquedistas chineses ficaram em terceiro lugar nos Jogos Internacionais do Exército.
  • Em 2017, uma equipe chinesa de paraquedistas ficou em primeiro lugar na competição Pelotão Aerotransportado nos Jogos do Exército Internacional de 2017. As tropas aerotransportadas chinesas conquistaram o primeiro lugar em 11 dos 12 eventos.
  • A Rússia ficou em segundo lugar e o Cazaquistão em terceiro, a mídia foi informada no centro de imprensa do concurso.
  • A equipe chinesa marcou 62 pontos, enquanto a equipe russa marcou 50 pontos. A equipe do Cazaquistão marcou 42 pontos.
  • Em 2018, uma equipe de paraquedistas chineses ficou em segundo lugar na competição Pelotão Aerotransportado nos Jogos Internacionais do Exército de 2018.
Bibliografia recomendada:

A Military History of China.
David A. Graff e Robin Higham.

China's Incomplete Military Transformation:
Assessing the Weaknesses of the People's Liberation Army (PLA).

South African Special Forces.
Robert Pitta & J. Fannell, e 
Simon McCouaig.

Leitura recomendada:

As Forças Armadas chinesas têm uma fraqueza que não podem consertar: nenhuma experiência de combate, 26 de janeiro de 2020.

LIVRO: Forças Terrestres Chinesas, 29 de março de 2020.








segunda-feira, 5 de julho de 2021

ENTREVISTA: A Batalha de Quifangondo segundo Pedro Marangoni

"Batalha do Kifangondo."

A Batalha do Quifangondo (ou Kifangondo) foi travada em 10 de novembro de 1975 entre o ELNA e as FAPLA na província de Luanda, em Angola. A batalha também é popularmente conhecido em Angola como Nshila wa Lufu, ou Batalha da Estrada da Morte.

Pedro Morongoni é entrevistado pelo Secretário de Imprensa da União Russa dos Veteranos de Angola, Serguei Kolomnin, em 10 de novembro de 2015.

Pedro Marangoni, mercenário de nacionalidade brasileira, participou na Batalha de Quifangondo ao lado da FNLA, integrando a unidade comandada pelo Coronel Santos e Castro.

Pedro Marangoni nasceu em São Paulo, Brasil, em 1949.
  • Formado no Centro de Formação de Pilotos Militares da Força Aérea Brasileira (1968-1971).
  • Ocupação: Piloto de Helicópteros, 9.000 horas de vôo.
  • Serviu na Legião Estrangeira  Francesa (1972-1973).
  • Depois viveu em Moçambique (1973-1974).
  • Chegou em Angola em Junho 1975, combateu com o grupo do Coronel Gilberto Santos e Castro ao lado da FNLA.
  • Participou na Batalha de Quifangondo (23 de Outubro - 10 de Novembro de 1975). Abandonou a luta em Fevereiro de 1976.
  • Viveu na  Rodésia (1976 – 1977).
  • Depois esteve com a Resistência Nacional Moçambicana, na região de fronteira com a Rodésia, Inyanga, Umtali.
  • Em 1979-1980 serviu na Legião Espanhola.
  • Depois da África voltou para o Brasil e trabalhou na Amazônia (Brasil), Bolívia e Peru, como piloto de helicópteros por cerca de 20 anos.
Agora vive no Brasil.

Livros publicados:
  • Angola - Comandos especiais contra os cubanos;
  • A Opção pela Espada;
  • A Era do Não: Poesia de crítica social, ateísmo, ceticismo;
  • O infinito não tem pressa;
  • Maria da Silva - apenas um retrato do cotidiano;
  • A grande manada.

Morro dos Asfaltos, Angola.
Da esquerda pra direita: Paiva, Lopes, Daniel, Pedro Marangoni (boina vermelha), Nelson, Morteirete (gorro sul-africano), Simões Comprido e o Capitão Valdemar (loiro, camisa preta). No centro, Coronel Santos e Castro (camisa preta e suíças).

Extratos do artigo escrito por Pedro Marangoni com o título "Quatro MLRS BM-21 Grad deteram os inimigos que avançavam sobre Luanda e mudaram o rumo da guerra?":
 
Quatro MLRS BM-21 Grad deteram os inimigos que avançavam sobre Luanda e mudaram o rumo da guerra?
Sim, mas como arma de efeito moral e não destrutivo.
 
Observando o comportamento dos africanos em combate, de um modo não-científico mas baseados em guerras recentes, verificaremos que a sua combatividade decresce do norte para o sul do continente negro. Minha experiência na África Austral mostrava que quem atacava vencia, quem era atacado recuava sempre e a maior parte das vítimas eram civis, não militares. Frentes elásticas e combatentes sem qualquer motivação mais profunda. Era a proporção de não-africanos – advisers, internacionalistas, mercenários, voluntários, etc., que decidia os confrontos. Estes eram tropas de conquista, os outros, de simples ocupação de terreno conquistado. E assim aconteceu também em Angola, de forma significativa.

Um BM-21-1 Grad russo em exibição em São Petersburgo em maio de 2009.

Os combatentes não-africanos com ideais ou vontade de vencer eram afetados por armas que realmente eram perigosas e produziam baixas; a esmagadora maioria africana temia qualquer coisa que explodia e fizesse barulho. Desculpem-me por não ser politicamente correto, mas esta é a verdade.

Fui, nos anos setenta, advertido de que estaria fornecendo informações importantes ao inimigo, ao menosprezar em artigos escritos, o 122 soviético, que considerava uma arma de efeito moral, não efetiva para causar baixas. Mas assim o via, como os demais colegas de combate. Temíamos mais um morteiro 81. Um morteiro 120, então, nos pregava ao solo, irremediavelmente...

Observei incontáveis vezes, a marca deixada no asfalto ou no solo, por explosões do 122 e dos morteiros 120, 81 e 60. Os estilhaços dos morteiros rasgavam o solo no ponto de impacto, desenhando uma estrela, mostrando que varreram o solo em trajetória rasante, atingindo mesmo quem estivesse deitado. Já o 122 deixava poucas marcas, com estilhaços sendo lançados em ângulo mais fechado, mais alto e menos perigosos. Vários caíram a poucos metros de mim na Batalha de Quifangondo, sem maiores danos. Tenho certeza que qualquer morteiro caindo na mesma curta distancia teria me posto fora de combate.

Esquemática do BM-21 Grad.

Mas a capacidade de lançamento múltiplo, rápido, seqüêncial dos MLRS BM-21 é devastador para tropas mal-treinadas, inexperientes ou pouco motivadas. Sem nenhuma dúvida eles foram decisivos para o pânico e a debandada geral das tropas da FNLA e zairenses em Quifangondo.

E o que deteve a pequena tropa não-africana? Em primeiro lugar, os canhões anti-carro 76mm, que aproveitaram o absurdo avanço das frágeis Panhard totalmente descobertas; em segundo lugar, para segurar os poucos infantes que seguiriam atrás delas, as metralhadoras anti-aéreas (ZPU-4?) cujo tiro podíamos sentir sobre nossas cabeças e que não nos deixavam levantar do solo.

Mas, mesmo se as Panhards não fossem detidas e nosso pequeno grupo pudesse avançar, não teríamos ninguém nos seguindo, pois o grosso da tropa africana debandara apavorada pelo efeito psicologicamente devastador dos MLRS BM-21 Grad...

Resumindo, sim, concordo que esta arma foi decisiva não só no rumo da batalha, mas de toda a guerra. Acredito que se o indisciplinado exercito zairense entrasse em Luanda, tudo seria arrasado e saqueado e uma avalanche de tropas de Mobutu Sesse Seko se despejariam pela fronteira norte, numa ocupação criminosa. E nós, o pequeno grupo de comandos especiais que por um ideal, serviu de ponta de lança, seríamos dizimados ou presos ou expulsos, pois representávamos um obstáculo às barbáries zairenses em solo angolano.

Pedro Marangoni: "A bem da história militar será um mapa incomum, feito em conjunto pelos dois lados opostos envolvidos".

Mensagem de Sergei a Pedro:

"Estimado Pedro Marangoni!

Fico-lhe muito grato por suas mensagens relativas à Batalha de Quifangondo, em particular pelo artigo "Quatro MLRS BM-21 Grad deteram os inimigos que avançavam sobre Luanda e mudaram o rumo da guerra?", que já foi publicado no nosso website em russo e português.
Encontrei nas suas mensagens alguns elementos muito interessantes para mim, como histórico, em particular, em relação ao efeito provocado pelas metralhadoras anti-aéreas ZPU-4 de calibre 14,5 mm (os angolanos e cubanos os chamavam "cuatro bocas"), ao efeito moral, produzido por salvas de BM-21 e também acerca do número exacto de comandos especiais portugueses ao lado da FNLA e ELP (Exército de Libertação Português). E mais algumas perguntas, se permitir." 

Entrevista

Pedro Marangoni com a boina vermelha dos comandos especiais, posição no rio Onzo.
Na torre do seu Panhard-90 está o lema "A morte tem medo de nós!".

Serguei Kolomnin: O ELP – foi simplesmente o slogan, ou força real com a estructura, programa e o comando formados?

Pedro Marangoni: Como recebi sua mensagem em português correto, vejo que não é através de tradutor eletrônico e sim de quem tem ótimos conhecimentos da língua portuguesa, portanto ficarei mais a vontade para responder em meu idioma.

O ELP só seria mencionado de forma politica, tentando comprometer a FNLA e também porque dizia-se que o Coronel Santos e Castro era ligado a este "exército" que considero apenas teórico, nunca chegou a existir como força real, coesa, organizada e pronta para combate. Apenas uma organização política. Nunca ajudou nossas tropas, que foram recrutadas entre portugueses refugiados na Rodésia, pelo comandante dos Flechas, Alves Cardoso, do DGS/PIDE. Mas os membros do grupo do Coronel Santos e Castro não eram mercenários, eram combatentes que viviam na África e quiseram ficar lá para passar ali a sua vida. Era composto por 153 portugueses, mais eu. O único militar do grupo que poderia se chamar de “estrangeiro" era eu, brasileiro, mas com dupla nacionalidade portuguesa. O Coronel Santos e Castro apareceria em Ambriz, como conselheiro militar de Holden Roberto e ligação com o nosso grupo. Depois passara a participar dos combates, fardado mas sem armas. Depois de Quifangondo volta à Europa.

Serguei Kolomnin: O que pode dizer da ajuda dos EUA à FNLA e ao ELP?

Pedro Marangoni: Quanto  à ajuda dos EUA, tínhamos pouco apoio e se os EUA ajudavam mais, provavelmente a ajuda era desviada por Mobutu. Muitos artigos também exageram a atuação dos norte-americanos, que pouco interviram e pouco nos ajudaram. Muitos livros históricos agora apenas mais uma obra politica, repleta de mentiras e exageros; estes livros prestam-se para falsear a história da descolonização e dificultar para que as gerações pós-guerra conheçam o que se passou realmente e aprendam a não repetir erros do passado.

FAPLA: Baluarte da paz em Angola.

Serguei Kolomnin: Na edição "FAPLA: baluarte da paz" (Berger-Levrault International, Paris. pg. 110) lê-se, que a ponte sobre o rio Bengo tinha sido  destruída pelos sapadores das FAPLA para impedir o avanço da tropa da FNLA. Alguns angolanos participantes na Batalha de Quifangondo (FAPLA) mencionam a [ponte] do Panguila também como destruída. O General Xavier, actual responsável da Academia Militar das Forcas Armadas Angolanas também insiste no facto que a ponte sobre o rio Bengo tinha sido destruída.

Outro ex-combatente (FAPLA) Álvaro António, que era capitão, actualmente colocado na Unidade da Guarda Presidencial (UGP) na entrevista à TV angolana afirma: "Nesta altura em que se destruiu a ponte estavam a atravessar três viaturas, entre as quais um tanque que ainda não tinha passado, tendo os outros dois caído com a ponte, morrendo os seus ocupantes". Ele acrescentou ainda, "que desta acção resultou a captura de quatro mercenários norte-mericanos que permaneceram encarcerados na ex-sala do director da Escola Primária da Fazenda experimental da Funda".

Se a ponte do Bengo estava destruída, de que maneira a tropa da FNLA tencionara e conseguiria atravessar o rio? À nado?

Ou a ponte sobre o rio Bengo continuava a funcionar, tendo só alguns danos não significativos? Conforme a minha experiência militar, explodir e destruir a ponte sólida, construída em betão [concreto] é uma coisa nada fácil…

Detalhe da pintura "Batalha do Kifangondo" mostrando os Panhard avançando pela ponte do Panguila; esta representada - incorretamente - como destruída.

Pedro Marangoni: Encontrei as recordações do general angolano Xavier honestas, parece-me ele realmente esteve em Quifangondo. Mas nenhuma das duas pontes estavam destruídas e não entendo porque os angolanos insistem em mentir sobre um facto que daria até mais valor à luta deles... Claro com a ponte destruida, seria uma defesa mais segura, praticamente admitindo que não conseguiriam deter o inimigo. A ponte destruída seria uma proteção a mais.

Talvez a  ponte do Bengo estivesse sabotada, não destruída, ou seja, colocaram as cargas explosivas e não detonaram, tal seria feito apenas se não conseguissem nos deter! Será que isso aconteceu também na ponte do Panguila, onde encontramos os cordéis detonantes? E a explosão teria falhado?

Um grupo de comandos com o Capitão Valdemar precedeu o grande ataque, infiltrando-se pela madrugada e tomando a primeira ponte, a do Panguila. Apenas cordéis detonantes foram encontrados, sem explosivos. Eu próprio passei por ela, intacta. A segunda ponte também, no primeiro ataque foi avistada inteira pelos blindados e também pelos aviões de reconhecimento.

Se a ponte do Bengo estava destruída, como posteriormente as FAPLA/cubanos avançaram contra o Morro da Cal e Caxito? Pelas pontes... A preocupação da FNLA era que as duas pontes fossem destruídas quando avançássemos e a engenharia zairense só tinha uma ponte disponível para construir.

Ainda sobre pontes: a única ponte importante que foi destruída pelo MPLA, quando do grande avanço da FNLA rumo à Luanda foi a de Porto Quipiri, na saída de Caxito. Aí a engenharia zairense construiu uma [ponte] flutuante, de madeira e depois uma grande ponte metálica, que permanece até hoje.

O depoimento do Capitão Álvaro António... lembremos sempre: a primeira vítima da guerra é a verdade... Atualmente existem mais heróis que combatentes na ocasião da batalha... estaria ele lá? Lembremos que os cubanos, de arma na mão, tiveram que obrigar os angolanos a voltarem para os postos de combate, pois fugiam em pânico. Não existiram, por exemplo, quatro mercenários norte-americanos capturados! No combate, foram capturados apenas o municiador da Panhard-90 Remédios, o condutor da Panhard-60 Serra e seu atirador Oliveira, todos portugueses. Americano só havia um, observador do CIA, sempre desarmado, que não saiu do Morro da Cal. Os autênticos mercenários apareceram no Norte de Angola um mês depois de Quifangondo, e eram na verdade ingleses e americanos, mas não conseguiram nada, pois a luta já tinha terminado.

O comando Remédios.

O meu grande amigo Remédios foi capturado porque foi ferido com gravidade (está vivo e hoje mora em [local omitido]), mas Serra e Oliveira suspeita-se que forçaram a queda da Panhard-60 no pântano para se entregarem, desertando. Talvez você tenha conhecido Oliveira, fiquei surpreso ao vê-lo na televisão, anos mais tarde como comandante militar das FAPLA num setor no Sul de Angola!

Um fato interessante é que nem mesmo o MPLA nos considerava realmente mercenários, apenas usavam como propaganda, pois meus colegas capturados não foram julgados com os ingleses e americanos e tiveram tratamento mais humano. Além de Remédios, Serra e Oliveira, capturados em Quifangondo, anteriormente haviam sido capturados na Batalha de Caxito, em 7 de Setembro de 1975, os comandos especiais brancos Quintino, Fernandes e Pereira. Eles estão na foto do seu  arquivo:

Comandos especiais Quintino, Fernandes e Pereira, junto aos companheiros angolanos negros, após serem capturados no Caxito.

Resumindo, no Quifangondo ficaram no terreno uma Panhard-90, uma Panhard-60 e um caminhão Mercedes zairense; brancos capturados – 3, todos portugueses. O tal capitão mente.

Serguei Kolomnin: Qual foi o destino da maioria dos comandos portugueses após o desastre do Quifangondo?  Portugal ? África do Sul?

Pedro Marangoni: Como já disse, o Coronel Santos e Castro voltou à Europa. Outros foram-se embora depois que abandonamos a luta em Fevereiro de 1976; alguns continuaram a luta. Por exemplo, o meu  colega a quem chamávamos "Passarão". Tomei conhecimento que ele retornou do Zaire e continuou combatendo sozinho (ele havia nascido lá, era um africano branco a quem negavam a pátria), fazendo emboscadas contra os cubanos, formou e comandou um pequeno grupo, atuando na região de Ambriz, até que em Outubro de 1977, sofreu queimaduras graves com o mosquiteiro que pegou fogo e agonizou por duas semanas até morrer. Foi enterrado pelos africanos na mata perto da Fazenda Loge, região de Ambriz.

Passarão de pé, na extrema direita.

Após Angola, os comandos portugueses voltaram para a Rodésia, alguns foram para o Brasil, buscando uma pátria nova e outros para Portugal, país que alguns nunca haviam estado, africanos brancos de várias gerações e que foram muito discriminados pelos portugueses na Europa.

Serguei Kolomnin: É de conhecimento geral que, atacando contra Quifangondo, a FNLA e os zairenses foram apoiados pela artilharia de longo alcance sul-africana. O que poderia dizer a este respeito?

Pedro Marangoni: As peças 140mm G-2 sul-africanas chegaram ao Morro da Cal na tarde do dia 9 e começaram o fogo de barragem no dia 10 por volta das 05:00h;  foram diminuindo a intensidade do fogo até cessarem de vez, não sei precisar o momento. Segundo o сoronel Santos e Castro, que me informou pessoalmente, às 16:30h (04:30pm) os sul-africanos se retiraram do local com todo o material, sem autorização ou comunicar a ninguém. Os sul-africanos fugiram durante o combate. Após Caxito, abandonaram os obuseiros sem as culatras e foram resgatados em Ambriz, já de noite, por um helicóptero. Fugiram de helicóptero para um barco na costa de Ambriz, levando as culatras dos obuseiros 140mm G-2. Tudo à revelia da FNLA. Os obuseiros posteriormente foram rebocados pela FNLA, mas sem poder usá-los, acabaram em Ambrizete como ferro velho.

Serguei Kolomnin: Poderia pormenorizar o dispositivo de combate e a composição da força da FNLA e zairenses? Quantos carros Panhard, soldados (FNLA e zairenses), peças de artilharia haviam no palco de combate no dia 10 de Novembro perante o último ataque contra Quifangondo?

Pedro Marangoni: Números aproximados.

Artilharia: 
  • 1 canhão 130mm,
  • África do Sul 3 obuseiros 140mm,
  • FNLA alguns morteiros 120mm.
Cavalaria:

Comandos Especiais: 
  • 1 Panhard-90 (destruída),
  • 2 Panhards-60 (uma destruída e uma avariada),
  • 1 VTT Panhard com um grupo de combate, retornou ileso sem lançar a tropa,
  • um jeep com canhão 106mm sem recuo (não participou).
Zaire:
  • Cerca de 10 jeeps com canhão 106mm sem recuo (não participaram),
  • Umas 15 Panhards diversas, nenhuma participou do combate, assim que transpuseram a ponte do Panguila descarregaram toda a munição e recuaram.
  • Vários canhões anti-aéreos 20mm montados em jeeps (não participaram).
Infantaria:
  • Comandos: dos 154, cerca de 80 participaram do combate, apenas uns 10 cruzaram a ponte do Panguila avançando, o restante não avançou, permaneceu diante da ponte.   
  • FNLA: cerca de 800 homens (não tenho certeza, número aproximado), nenhum cruzou a ponte do Panguila.
  • Zaire: um batalhão de infantaria (dizem dois, não sei), uma equipe de engenharia; dois caminhões Mercedes carregados de soldados zairenses cruzaram a ponte do Panguila e começaram a morrer sem chance de defesa na primeira curva depois da ponte. Poucos voltaram, quase todos feridos. Um dos caminhões retornou à noite, após o combate, com alguns homens.
Quando recuei para o Morro da Cal, debaixo de cerrado bombardeio, por volta das 18:00h (06:00pm) do dia 10, tudo estava completamente deserto e as únicas viaturas eram o jeep do estado-maior e a nossa VTT Panhard.

Na noite de 11 de Novembro 1975, após a derrota, juntamente com o Coronel Santos e Castro,  apenas 26 homens ficaram na frente de combate no Morro da Cal, todos comandos especiais, portugueses, entre eles todos os oficiais. Nenhum dos quadros da FNLA.  A FNLA simplesmente fugiu  mato adentro sem comando e os zairenses recuaram para o Caxito.

Serguei Kolomnin: A maioria das fontes (livros, recordações) mencionam os três aviões da FA sul-africana  "Buccanir" a bombardear as posições FAPLA/cubanas na manhã do dia 10 de Novembro.

De outro lado,  o General Xavier (Jornal de Angola, 13 de Janeiro 2010. General Xavier: História vivida em Kifangondo) diz o seguinte: "as FAPLA estavam à espera de uma investida maior no dia 10 de Novembro de 1975. O relógio indicava 05H00, quando dois aviões se fizeram aos céus flagelando as posições das FAPLA, no Morro de Kifangondo. A primeira impressão é que fomos bombardeados pela aviação, mas não. Eram vôos de reconhecimento que iam verificar os acessos, principalmente o estado das pontes…" E acrescenta: "eram avionetas de reconhecimento, que partiam da pista do Ambriz ou de pequenas pistas em fazendas como a Martins de Almeida".

Como poderia comentar estas palavras do veterano? Eram bombardeiros da África do Sul ou avionetas de reconhecimento FNLA? Se havia realmente aviação sul-africana envolvida nessa batalha?

Pedro Marangoni: Aviões? Isto é muito interessante, confirmo as palavras do General Xavier, eram apenas dois aviões nossos, convencionais, civis, de observação, decolados de Ambriz, mas já era dia claro. Os primeiros tiros dos 140 sul-africanos foram em Luanda e depois foram recuando o alcance para atingir Quifangondo, coincidindo com a passagem dos aviões, o que para leigos poderia ser tomado por um bombardeio aéreo.

Mistério: realmente por volta das 05:00h ouvi um ruído semelhante a jatos de combate em grande altitude e depois três explosões surdas, não mais, abafadas entre o morro de Quifangondo e Luanda . Aviões ou uma experiência de tiro com canhões de uma fragata sul- africana que estava ao largo, com alcance suficiente para atingir o local? Isto é apenas uma conjectura minha, sem informações. Nem o Coronel Santos e Castro ou o Major Alves Cardoso foram comunicados de ajuda de aviões ou marinha sul-africanas. Se houve uma tentativa, não foi além, talvez devido à dificuldade de execução (proximidade das forças oponentes no terreno).

Serguei Kolomnin: No seu livro "А Opção pela Espada" há um mapa bastante pormenorizado e bem claro das posições FNLA/zairenses - FAPLA/cubanas no Quifangondo. Mesmo com o número exato das peças e obuseiros (1 canhão 130mm zairense, 3 obuseiros 140mm sul-africanos, FNLA etc). Você indicou os quatro BM-21 nas posições FAPLA/cubanas por acaso ou tinha informação mais ou menos exata? Muitas fontes dizem que eram seis.

Conforme minha opinião, baseada em certas recordações, eram quatro BM-21, que chegaram ao Quifangondo nas vésperas do dia 10 de Novembro. Como poderia comentar isso?

O que poderia dizer à respeito do mapa da batalha feita do ponto de vista dos angolanos, que  está exposta no nosso?

Mapa angolano da Batalha de Quifangondo.

Pedro Marangoni: O mapa de Quifangondo exposto ali é um documento valioso. E aparentemente as posições das FAPLA/cubanas estão próximas daquilo que imaginei. Existe, no índice, um símbolo para ponte destruída para impedir o avanço inimigo! Novamente a insistência das pontes destruídas, e note-se que estranhamente não se acha no terreno tal símbolo, apenas no índice. As menções de mercenários referem-se ao nosso grupo, pois os mercenários de Callan só chegariam [em Angola] mais tarde. Nossas posições e rota de ataque, e posterior retirada estão corretas, apenas não existem datas.  Nota-se que, colocam corretamente o nosso grupo na vanguarda e a FNLA na nossa retaguarda. Com exceção do símbolo ponte destruída e do suposto bombardeamento da aviação, me parece um mapa honesto.

Esquema da Batalha do Quifangondo por Pedro Marangoni.

O meu mapa foi feito de memória, sem escala e sem consulta a um mapa real do terreno; e apenas o que visualizei no decorrer do combate. O lado da FNLA/Zaire/Comandos é exato; do lado inimigo são minhas conjecturas. O número e localização de canhões anti-carro por informação do Tenente Paes na primeira investida.

O número de BM-21 calculei pela sequência de lançamentos, quando caíram em maior intensidade, pela concentração das explosões; apenas uma hipótese que agora me parece acertada.

Observação: em meu livro, "Órgãos de Stálin", juntamente com monocaxito, era a terminologia genérica que dávamos a qualquer míssil 122, de lançador simples ou não, sem significar BM-21.

Se você tiver dados confiáveis, autorizo que atualize com mais precisão a metade das FAPLA-cubanos no mapa.

Serguei Kolomnin: Poderia fazer uns comentários acerca das fotos expostas na  nossa página, dedicada a este tema?

As fotos nº 9 e nº 11 com Panhards destruídas são originais do período em Angola. Talvez saiba quem está junto com Holden Roberto na foto nº 3? Foto nº 4  - são soldados da FNLA ou zairenses?

Foto 3: Holden Roberto.

Pedro Marangoni: Foto nº 3: Em primeiro plano não sei identificar; atrás, ao lado de Holden, é o jornalista brasileiro e assessor do Presidente, Fernando Luás da Camara Cascudo.

Foto 4: Tropas FNLA no Zaire.

Foto nº 4: Esta foto me parece ser dos tempos mais fortes da FNLA, antes da guerra civil e mesmo do 25 de Аbril de 1974, e foi feita no Zaire, provavelmente na base de Quinkuzo. Nunca mais se viu tal concentração de tropas.

Fotos 9 e 11: viaturas destruídas Panhard 60 e Panhard 90, respectivamente.

Não dá para identificar; mas em toda a guerra civil os comandos perderam apenas uma Panhard-90, a do Tenente Paes em Quifangondo.

Comandos Quintino, Fernandes e Pereira, capturados no Caxito.

Foto nº 12: Como já disse são os primeiros comandos especiais capturados na batalha de Caxito em 7 de Setembro de 1975, onde participaram de improviso e com armamento obsoleto, sendo envolvidos devido à enorme inferioridade numérica; bateram-se bem. Da esquerda para a direita, (brancos) Quintino, pelotão G3; Fernandes, paraquedista, pelotão MAG; Pereira , motorista do caminhão Mercedes.

Encontrei mais fotos que tem mais relação com Quifangondo, fotos nunca publicadas, em mal estado, mas importantes e autorizo a publicação no site. Foram me dadas pelo autor, Azevedo, tripulante, que escapou da Panhard-60 cujos dois tripulantes foram capturados em Quifangondo.

Obuseiro 140mm sul-africano.

Três Panhards do ELNA/FNLA.

Mostram a chegada da artilharia sul-africana no Morro da Cal. Ao lado, uma torre de madeira, marco geodésico que marcava nossa posição ao inimigo e que ninguém se preocupou em derrubar e também as nossas três Panhards, estacionadas no abrigo onde passamos a noite antes do combate.

Outra foto mostra a Panhard-90 do Tenente Paes, pronta para descer ao Panguila, com a flâmula onde se lia «Ouso»! As fotos coloridas mostram no jeep, após a conquista de Quicabo, o comando Remédios, que foi capturado em Quifangondo, com sua M79, que o General Xavier relata estar no museu em Luanda.

A Panhard 90 do Tenente Paes, pronta para descer ao Panguila.
O tenente morreu quando o seu blindado foi destruído, o único Panhard 90 perdido pelo ELNA.

O comando Remédios com seu lança-granadas M79, hoje exposto no museu de Luanda.

A outra e da “Força Aérea da FNLA”, logo após meu bombardeio, junto com Rabelo, um piloto civil, contra a emissora oficial em Luanda. Os homens com tarja preta são os técnicos em explosivos, uma equipe de muito valor, que prepararam as cargas que lancei.

O avião civil usado no bombardeio à rádio em Luanda e a equipe FNLA.

Como conclusão queria dizer o seguinte: publicando estas fotos e meus depoimentos o Veteranangola.ru assim amplia a contribuição não só para a reconstrução da verdadeira história militar de Angola, bem como para alertar sobre injustiças de cunho social, discriminatório, por parte de europeus e africanos e que devem ser conhecidas pelo menos como uma homenagem e retratação às vítimas.

A bem da história militar será um mapa incomum, feito em conjunto pelos dois lados opostos envolvidos. Creio que é uma oportunidade de mostrar ao mundo que militares em confronto são profissionais em trabalho, não inimigos pessoais.


FIM

Bibliografia recomendada:

A Opção pela Espada.
Pedro Marangoni.


Panhard Armoured Car: 1961 onwards (AML 60, AML 90 and Eland).

Leitura recomendada:


Operação Quartzo - Rodésia 198028 de janeiro de 2020.

Tiro em Cobertura Rodesiano15 de abril de 2020.

FOTO: Batedores cubanos em Angola, 8 de junho de 2021.

quinta-feira, 26 de março de 2020

FOTO: Bandeira nazista capturada em Monte Cassino

Soldados britânicos e sul-africanos exibindo uma bandeira nazista capturada no Monte Cassino, maio de 1944.
(Carl Mydans/ LIFE Magazine)

Estes soldados da Commonwealth, a Comunidade Britânica, posam com uma bandeira nazista capturada enquanto escavadeiras dos Royal Engineers (reais engenheiros) abrem caminho nos escombros da cidade bombardeada de Cassino, na segunda metade de maio de 1944.

Em maio de 1944, a histórica abadia beneditina de Monte Cassino havia sido reduzida a escombros. Como parte da Operação Diadema, a tarefa de capturá-la foi dada ao 2º Corpo Polonês, mas seu ataque na noite de 11/12 de maio falhou. As posições alemãs dentro e ao redor das ruínas no alto da montanha (em cima das quais os soldados estão de pé) eram simplesmente fortes demais. Mais ao sul, no entanto, as tropas francesas conseguiram encontrar um caminho através das montanhas Aurunci em 16 de maio, as quais os alemães acreditavam serem intransitáveis, e agora podiam ver de cima o vale do Liri, por onde a Estrada 6 corria para Roma.

Um segundo ataque dos poloneses ao Monte Cassino, em 17 de maio, fez alguns progressos, dado que o avanço francês levou as tropas alemãs a iniciarem a retirada da Linha Gustav. Na manhã seguinte, a bandeira polonesa foi hasteada sobre as ruínas da abadia. 

A captura do Monte Cassino teve um preço alto. Os Aliados sofreram cerca de 55.000 baixas na campanha de Monte Cassino. Os números de baixas alemãs e italianas são estimados em cerca de 20.000 mortos e feridos. O total de baixas aliadas, abrangendo o período das quatro batalhas de Cassino e a campanha de Anzio, com a subseqüente captura de Roma em 5 de junho de 1944, ultrapassou 105.000. 

Esta imagem foi tirada em Kodachrome colorido original pelo fotógrafo Carl Mydans da revista LIFE.