quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

Mercenários dificilmente são máquinas de matar

Robert K. Brown, fundador da revista Soldier of Fortune, na Rodésia.

Por William Boudreau, Soldier of Fortune Magazine, 28 de janeiro de 2018.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 6 de fevereiro de 2020.

Durante meu serviço na África como diplomata de carreira americano, conheci vários mercenários que estavam envolvidos em uma missão ou outra. Nenhum deles se encaixa no estereótipo comum - matadores anti-sociais. Quando se ouve sobre atrocidades em uma ação mercenária, quase sempre são as forças opostas que as cometem. Um excelente exemplo é o Congo, após sua independência em 1960. O caos é a regra desde seu primeiro dia como nação. Moise Tshombe foi astuto o suficiente para reconhecer que precisava de mercenários para garantir a segurança de sua província de Katanga, com suas valiosas minas. Eles enfrentaram todos os que chegavam no país fragmentado, provando serem muito superiores aos esfarrapados exército nacional e grupos rebeldes. Inicialmente, eles estavam protegendo o governo provincial katanguês e depois foram contratados pelo presidente Mobutu para liderar os esforços do exército nacional para repelir os rebeldes, principalmente os Simbas, apoiados por regimes comunistas e radicais. Esses países de esquerda fizeram o possível para minar os mercenários, usando a mídia e os fóruns das Nações Unidas para denunciarem os mercenários como bárbaros. Eles descreviam o assassinato brutal de civis inocentes como atos selvagens dos mercenários estrangeiros, enquanto havia evidências sólidas de que a oposição era a autora. Ao contrário da propaganda da época, os mercenários que eu conhecia valorizavam a vida - deles e de outros. A maioria tinha serviço anterior em suas forças armadas nacionais e foi contratada por suas habilidades, disciplina e capacidade de cumprir a missão.


Major Bob MacKenzie (boina) quando era comandante de uma equipe de reconhecimento na Bósnia. Foto cedida por Sibyl MacKenzie.

Não havia americanos entre os mercenários que conheci. Eles eram europeus de vários países, sul-africanos e rodesianos. Outro grupo que conheci foram os exilados cubanos contratados pela CIA para diversas tarefas, incluindo pilotar suas aeronaves da Organização Internacional de Manutenção Terrestre Ocidental (WIGMO). A maioria dos mercenários tinha outras ocupações quando não estava em missões; de fato, eles levaram vidas duplas. Entre eles estavam os proprietários de plantações, mecânicos de garagem, importadores/exportadores, trabalhadores da construção civil, agricultores, vendedores de seguros e assim por diante. Eu conheci esses guerreiros tomando cerveja em bares e eventos sociais em Kinshasa e no campo. Viajei para a maior parte do país, para as províncias de Katanga, Orientale, Equateur, Nord Kivu e por todo o Baixo Congo. Eu conheci mercenários em várias situações e nenhum me pareceu irresponsável e insensível. Embora não sejam mais membros de unidades militares padrão, eles se comportavam como soldados. Claro, eles chutavam o balde quando estavam de folga, eles não eram santos, afinal, mas se mantiveram sob controle. Eles me pareciam uma irmandade, cuidando um do outro.


Robert C. MacKenzie (em pé, asas no chapéu) posando com homens das unidades comando da Serra Leoa que ele estava treinando com os guardas de segurança gurca. Andy Myers é o segundo da esquerda, ajoelhado.

Quando saía para “o mato” (the bush) - qualquer área não-urbana - para cumprir meus deveres de checar cidadãos americanos (a maioria eram missionários), visitei mercenários na área. O bem-estar dos americanos espalhados por todo o país era de minha responsabilidade como funcionário político/consular na embaixada. Eu aproveitei essas oportunidades para me encontrar com os mercenários que estavam na área. Discutimos o progresso deles na derrota dos rebeldes Simba, junto com seus feiticeiros-curandeiros, que estavam tentando estabelecer um regime comunista separado com base na província de Orientale.

Cito um incidente para ilustrar o caráter desses mercenários. Aprendi com meus contatos missionários que alguns estudantes universitários americanos estavam viajando pelo norte do Congo, viajando para o leste. Esses aventureiros estavam alheios ao perigo que havia no caminho deles. Eles pretendiam passar por uma área na província de Orientale com presença Simba conhecida; eles não sabiam que estavam entrando em uma zona de guerra. Eles não sabiam nada dos simbas e sua selvageria, que não poupava vidas. Entrei em contato com mercenários que conheci e expliquei a situação. Eles tomaram medidas imediatas, localizaram os caminhantes, insistiram na necessidade urgente de sair da área e os escoltaram pelo leste do Congo até Ruanda. Eles se preocupavam com vidas inocentes e os trouxeram para a segurança.



Como escrevi em minhas memórias, A Teetering Balance (Um Equilíbrio Instável), descrevendo nossos esforços para combater as tentativas soviéticas de conquistar uma posição na África durante a Guerra Fria, Ernesto "Che" Guevara se envolveu com grupos rebeldes no Congo. “Ansioso por se envolver em atividades revolucionárias mais uma vez, o Congo parecia um terreno fértil.” Com a benção de Fidel Castro, ele entrou no norte da província de Katanga pela Tanzânia, com cubanos negros, em abril de 1965. Seu objetivo era montar um campo de treinamento para "freedom fighters" ("combatentes da liberdade") para operar "não apenas no Congo, mas também em Angola, Moçambique e Rodésia, África do Sul e sudoeste da África.” O Coronel Michael Hoare liderou mercenários no ataque ao grupo de cubanos e simbas de Guevara. Os exilados cubanos da CIA pilotando aviões WIGMO ajudaram a atacar os rebeldes. Guevara fez o possível para inspirar zelo e disciplina entre os simbas, mas ficou frustrado com "o que ele considerava a deficiência de motivação dos rebeldes". Compelido por sucessos mercenários, ele abandonou seus esforços após sete meses para procurar circunstâncias mais promissoras para espalhar seu ardor revolucionário.


Coronel Michael Hoare, falecido em 2 de fevereiro de 2020, aos 100 anos.

Minhas observações sobre mercenários não se limitam à operação no Congo. Alguns estavam ajudando movimentos de libertação em Angola, em sua luta pela independência de Portugal. Encontrei-me com outras pessoas nas Comores quando fui designado para Madagascar, com responsabilidade adicional pelas Comores. Ahmed Abdallah fora nomeado presidente das Comores pelo Coronel Bob Denard, que eu conhecera no Congo, e um bando de mercenários. Vários permaneceram nas ilhas e eu os encontraria nas minhas visitas. Sendo as Comores uma república islâmica, nenhuma bebida era permitida no país, exceto em alguns hotéis. Assim, os bebedouros eram limitados e eles criaram um elenco interessante de personagens. Alguns mercenários visitaram um colega diplomata e eu em Washington, DC, depois que eu deixei o Congo. Levei um belga para um jogo de futebol americano universitário e passei a maior parte do jogo explicando seus meandros. Nossos visitantes foram todos treinados para se comportarem bem dentro de casa e sociáveis com os vizinhos.


O belga Jean Schramme e o francês Bob Denard no Congo. Schramme se mudou para o Brasil, morrendo em Rondonópolis/MT em 1988.

Escrevi When Olive Leaves Beckon (Quando Olive deixa Beckon) com o objetivo de retratar mercenários sob a luz apropriada. Eu afirmo que, em geral, os mercenários se misturam à sociedade quando não estão em missões. Eles não são máquinas de matar raivosas, como alguns acreditam. Eles voltam para casa e são aceitos pelos vizinhos como membros contribuintes de suas comunidades. Não defenderei um prêmio humanitário para nenhum mercenário que eu tenha conhecido. No entanto, eles abraçam a humanidade. Meu argumento é que eles eram racionais, compassivos, interessantes para conversar e desprovidos de tendências psicóticas.


A perda de meu amigo espanhol, Alfonso, foi uma tragédia pessoal. Eu o conheci no Congo quando ele estava passando de mercenário para trabalhar em importação/exportação. Ele ficou noivo de uma belga e estava ansioso por uma mudança de estilo de vida. Ele visitou nossa casa várias vezes e entreteve nossos dois filhos. Quando fiquei de folga com minha família, convidei-o para ficar em nossa casa enquanto estávamos fora. Ele ficou lá por algumas semanas até o nosso retorno. Logo depois disso, os congoleses, o massacraram, incluindo castração, e seus restos jogados no rio Congo. Dediquei When Olive Leaves Beckon à sua memória.

Original: https://www.sofmag.com/mercenaries-are-hardly-killing-machines/

SOF Mag de novembro de 2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário