quarta-feira, 16 de dezembro de 2020

As Forças de Defesa de Israel fazem uma abordagem ampla ao lidar com a ameaça iraniana

 

Por Yaakov Lappin, Israel Hayom, 13 de novembro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de dezembro de 2020.

A recém-formada Diretoria de Estratégia e Terceiro Círculo (Strategy and Third Circle Directorate) tem uma visão holística da ameaça iraniana, que se estende de seu território até as fronteiras de Israel, e descreve como a nova abordagem otimiza a prontidão de Israel para perigos futuros.

As Forças de Defesa de Israel (FDI) recentemente formadas pela Diretoria de Estratégia e Terceiro Círculo (uma referência aos países da periferia do terceiro círculo de Israel com o Irã sendo o ponto focal) representa uma nova abordagem para avaliar e preparar as ameaças emergentes de segurança mais significativas de Israel.

Em declarações ao JNS [Jewish News Syndicate], uma fonte militar israelense esclareceu as razões que levaram à fundação da nova diretoria. O principal raciocínio, disse ele, foi a necessidade de criar uma visão abrangente e holística dos desafios em desenvolvimento para Israel e de ver as ameaças que começam em solo iraniano e alcançam as fronteiras de Israel por meio de lentes unificadas, em vez de ver os desenvolvimentos de forma restrita um do outro.

"Contra isso, temos que desenvolver uma gama de capacidades - para estarmos prontos a qualquer minuto para qualquer desenvolvimento e também para o outro lado ser suficientemente dissuadido - e saber que Israel tem a capacidade de responder inequivocamente a qualquer ação ou desejo pelo inimigo", disse a fonte.

Em vez de identificar incidentes ou desafios em um único setor, a nova diretoria analisa ameaças (e oportunidades) de maneira ampla e fornece recomendações rápidas sobre as etapas operacionais.

A formação da diretoria é baseada na nova estratégia das FDI formulada pelo Chefe do Estado-Maior Geral, Tenente-General Aviv Kochavi. A estratégia prevê melhorias para a Diretoria de Operações das FDI (responsável por planejar o uso da força militar), a Diretoria de Inteligência e a Diretoria de Planejamento (responsável por construir as forças das FDI).

"Uma visão holística do mapa geoestratégico"

Fundada na década de 1970, a Diretoria de Planejamento tradicionalmente lidava com o aumento da força, mas também com estratégia e cooperação com militares estrangeiros. Sob o novo programa Momentum das FDI, o Estado-Maior das FDI decidiu dividir a Diretoria de Planejamento em duas organizações: uma que se concentraria no aumento da força de maneira dedicada e uma diretoria separada que se concentraria nos desafios estratégicos cada vez mais complexos que se desenvolvem em o Oriente Médio.

O resultado foi a criação da Diretoria de Estratégia e Terceiro Círculo, que “tem uma visão holística dos principais desenvolvimentos da região e do mapa geoestratégico”, afirmou a fonte.

“Em relação ao Irã, lidamos com a ameaça que começa no próprio país - seu programa nuclear, seus mísseis superfície-superfície. A ameaça regional iraniana e o desejo do Irã de aprofundar sua influência no Oriente Médio”, afirmou.

Além disso, disse ele, "o mundo das ameaças estratégicas não se trata apenas de lidar com bombas. Existem forças estratégicas brandas em ação também, e as agências de segurança têm que lidar com isso".

"Compreendemos que tínhamos que fortalecer nosso tratamento da ameaça iraniana, bem como fortalecer o processo de formação de força das FDI. Começamos a conduzir o trabalho da sede no Estado-Maior. Acreditamos que essa foi a decisão certa a ser tomada", acrescentou a fonte militar.

O pessoal da nova diretoria "acorda todas as manhãs para se concentrar em duas coisas principais: estabelecer uma estratégia abrangente para as FDI e ser um órgão que pode olhar para o Irã de forma ampla, em vez de lidar com o Irã de maneira compartimentada", disse ele.

A nova diretoria foi criada em junho. Inclui uma Sede do Irã, uma Divisão de Estratégia e a Divisão de Cooperação Internacional.

A diretoria está sob o comando do Major General Tal Kelman, o ex-Chefe do Estado-Maior da Força Aérea de Israel.

Dentro da Diretoria de Estratégia e Terceiro Círculo, a Sede do Irã agora forma uma única agência centralizada que integra todas as atividades relacionadas ao Irã - uma grande mudança em relação ao passado, quando vários órgãos das FDI faziam isso.

“O principal papel do 'oleoduto unificado' [a sede do Irã] é como lidar com a ameaça iraniana. Chamamos isso de 'fase de projeto'”, explicou a fonte.

Em operação desde junho, a Sede do Irã está em contato próximo com a Divisão de Estratégia, que naturalmente também está profundamente preocupada com o Irã.

"Juntos, eles lidam com a modelagem da ativação da força e do aumento da força", disse a fonte. "O quartel-general vê o quadro completo... isso nutre os planos de aumento de força. Isso influencia o que as FDI decidem fazer [em termos de desenvolvimento de força]."

O pessoal na sede do Irã inclui oficiais da força aérea, inteligência e estrategistas, a fim de criar um quadro o mais amplo possível. A sede do Irã deve ter uma boa conexão com outras partes das FDI e ser capaz de falar uma língua comum, enfatizou a fonte.

A Divisão de Estratégia, por sua vez, analisa a política, traça diretrizes e define as realizações desejadas das FDI. Também ajuda a definir a inteligência necessária para ativar a força militar e molda o processo de formação de força das FDI. O resultado final, disse a fonte, é uma entidade que fornece respostas não apenas às ameaças que se desenvolvem na fronteira com a Síria ou em Gaza, mas que pode conectar os pontos e colocar os desenvolvimentos no contexto do conceito estratégico e ideologia do Irã.

A fonte descreveu o objetivo abrangente do Irã como a criação de "um crescente profundo que cria uma ameaça ao Estado de Israel". Ao lidar com uma ameaça tão grande quanto o Irã, ele disse, "nunca vá até a fruta. Vá até o tronco da árvore". A fonte reconheceu que isso representa uma grande mudança conceitual nas FDI.

"Você pode apagar um incêndio aqui e outro ali, mas quando uma organização trabalhando contra você tem um conceito profundo, você não pode fazer uma abordagem pontual. Por isso, montamos a sede para evitar apenas olhar para o Band-Aid e para ver o todo", disse ele.

A nova diretoria também inclui a Divisão de Cooperação Internacional, que é responsável pela comunicação, coordenação e cooperação com outras forças armadas.

“A Divisão de Cooperação Internacional não lida com mísseis e bombas, mas sim como se conectar com outras forças armadas para promover nossas conquistas à luz da estratégia e implementação das FDI”, disse a fonte.

Ele depende de adidos de defesa para transmitir mensagens, explicando as decisões estratégicas israelenses. "Os Estados precisam saber por que fazemos o que fazemos. Também trabalhamos com os adidos para melhorar nossa formação de força e cooperação", disse ele.

A diretoria também desempenha um papel em quaisquer negociações políticas que tenham ramificações de defesa, como as negociações de Israel com o Líbano sobre as fronteiras marítimas no Mar Mediterrâneo. Um representante da Divisão Estratégica acompanha essas conversas.

“A Divisão de Cooperação Internacional tem uma conexão muito clara com a estratégia”, disse a fonte. Em última análise, disse ele, "temos que construir uma força que forneça respostas a um amplo espectro de possibilidades."

Bibliografia recomendada:

Introdução à Estratégia.
André Beaufre.

Leitura recomendada:

Israel provavelmente enfrentará guerra em 2020, alerta think tank1º de março de 2020.

Unidade multidimensional "Ghost" das IDF completa o primeiro exercício19 de agosto de 2020.

Com a série de espiões "Teerã", os israelenses alcançam um inimigo1º de outubro de 2020.

Comandos da Força Aérea Israelense ganham o primeiro comandante druso, 19 de setembro de 2020.

GALERIA: A Uzi iraniana3 de março de 2020.

FOTO: Macacos de Lotar em arranha-céu15 de dezembro de 2020.

Israel dá um passo "revolucionário" com drones táticos3 de setembro de 2020.

O desafio estratégico do Irã e da Venezuela com as sanções13 de setembro de 2020.

A influência iraniana na América Latina, 15 de setembro de 2020.

O papel da América Latina em armar o Irã16 de setembro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário