Mostrando postagens com marcador Coreia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Coreia. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 20 de maio de 2022

China homenageia heróis das "ondas humanas" da Guerra da Coréia


Por Andrew Salmon, Asia Times, 24 de outubro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de maio de 2022.

Pequim lembra os EUA das vitórias chinesas adiante de uma esperada renovação do tratado de defesa mútua da Coreia do Norte.

Sub-armados, mal equipados e carregando uma herança sombria de humilhação militar, eles avançaram, às centenas de milhares, em um espaço de batalha desolado e proibido para desafiar a força militar mais poderosa da Terra.

O que aconteceu em seguida abalou o mundo.

Em outubro de 1950, o Exército Voluntário do Povo Chinês, ou CPVA, e o Comando das Nações Unidas, liderado pelos EUA, ou UNC, entraram em confronto no país gelado da Coreia do Norte. No final do ano, os soldados camponeses chineses haviam derrotado seus inimigos, salvado seu aliado da extinção nacional e derrubado um século de derrotas militares nas mãos de potências estrangeiras.

Soldados americanos capturados pelo Exército Voluntário do Povo Chinês perto do reservatório de Chosin, novembro de 1950.

Uma esquina histórica havia virado. A China, o dragão adormecido, não apenas acordou – ela cravou suas garras profundamente no caminho para o status de superpotência. Esta semana, a China está comemorando, com grande alarde, o 70º aniversário de sua intervenção no que chama de “A Guerra para Resistir à Agressão dos EUA e Ajudar a Coreia”.

O momento para reabilitar uma guerra que estava tão esquecida na China quanto no Ocidente é perfeito. Xi Jinping, o líder chinês mais assertivo globalmente desde Mao Zedong, tem múltiplas motivações para estimular o patriotismo e lembrar seus cidadãos de que a China pode enfrentar com sucesso os EUA.

Um soldado chinês em ação durante a Guerra da Coréia.
Foto: Memorial Nacional de Guerra da Coreia.

Setenta anos depois que a China comunista lançou sua primeira intervenção militar no exterior, a rivalidade de grandes jogos com seu principal inimigo da Guerra da Coréia, os Estados Unidos, está esquentando regional e globalmente.

Na Coreia do Sul, as forças dos EUA em 2017 instalaram um sistema de defesa antimísseis armado com radares poderosos e, em 2018, concluíram um realinhamento da DMZ para a costa do Mar Amarelo da península. Esses desenvolvimentos oferecem às tropas dos EUA na Coréia os olhos no nordeste da China.

Regionalmente, as tensões militares com os EUA estão borbulhando tanto no Mar da China Meridional quanto no Estreito de Taiwan, enquanto Washington busca atualizar seu agrupamento militar “Quad”.

As tensões diplomáticas estão aumentando em Chindia e Hong Kong, enquanto no tabuleiro de xadrez econômico global, Washington está escalando uma guerra comercial e tecnológica contra Pequim e suas principais empresas. O último conflito ameaça dividir a economia global à medida que os EUA reúnem seus aliados para sua causa.

Contra esse pano de fundo, as reafirmações da “aliança forjada pelo sangue” sino-coreana são apropriadas.

Especialistas antecipam uma cúpula entre Xi e o líder norte-coreano Kim Jong Un logo após os EUA elegerem seu próximo presidente [Donald Trump]. Espera-se que Kim solicite um pacote econômico para resgatar sua nação, atingida pelo fechamento de fronteiras Covid-19, e Xi deve renovar seu tratado de defesa bilateral que deve expirar em 2021.

"Balas humanas" nos "Portões do Inferno"

As tropas avançam quando um corneteiro soa o ataque. As tropas chinesas não tinham rádios, então se contentaram com tecnologia de comunicações antiga, mas eficaz.
Foto: Memorial Nacional de Guerra da Coreia.

A saga da China na Guerra da Coreia é épica.

Em outubro, tendo defendido com sucesso a Coreia do Sul após a invasão norte-coreana de junho de 1950, as tropas da UNC lideradas pelos EUA avançaram para a Coreia do Norte.

A primeira e única invasão do mundo livre a um Estado comunista seria um avanço para a catástrofe. Mao, tendo derrotado recentemente as forças nacionalistas apoiadas pelos EUA no ano anterior, temia que a China fosse o verdadeiro alvo. Afirmando que a Coreia do Norte e a China estavam “tão próximas quanto lábios e dentes... se os lábios se forem, os dentes passam frio", ele ordenou que suas forças se desdobrassem - contra o conselho de seus generais.

Foi uma grande aposta, pois a experiência militar da China nos 100 anos anteriores havia sido terrível. Nas Guerras do Ópio, na Primeira Guerra Sino-Japonesa e na Rebelião dos Boxers, a China foi humilhada por forças estrangeiras. E na Segunda Guerra Mundial, Pequim era uma distante quarta potência atrás das “Três Grandes” do Reino Unido, EUA e URSS.

O CPVA – na verdade, tropas regulares do Exército Popular de Libertação; a nomenclatura era uma camuflagem negável – conhecia os perigos que enfrentavam. Eles chamaram os pontos de passagem do rio Yalu para a Coreia do Norte de “Portões do Inferno” e cinicamente se apelidaram de “balas humanas”.

Mas eles usariam uma tática brilhante que usaria suas vantagens, incluindo camuflagem, movimento através do país e mão de obra, contra as vantagens da UNC – poder de fogo e mobilidade veicular. Era chamada de “onda humana”.

Sob o manto da escuridão, que invalidava os blindados e o poder aéreo da UNC, as tropas chinesas se aglomeravam diante de uma posição inimiga. Sinalizadas por cornetas e gongos – sons estranhos e aterrorizantes – as tropas do CPVA avançavam em fileiras apertadas, lançando granadas de mão e tentando tomar de assalto armas automáticas.

Enquanto o ataque frontal acontecia, outras unidades chinesas se infiltravam na retaguarda da posição, impedindo a unidade UNC em apuros de evacuar feridos ou trazer suprimentos. Se a unidade da UNC se retirasse, geralmente em veículos, ela se depararia com bloqueios de estradas do CPVA e seria ceifada em emboscadas em terreno alto. Se não se retirasse, seria cercada e aniquilada.

A tática da “onda humana” foi emprestada do antigo estrategista Sun Tzu, que aconselhou os comandantes a “atacar como água”, fluindo sobre ou ao redor das posições inimigas.

Usando-a, o CPVA infligiu as piores derrotas sofridas pelos exércitos norte-americano e britânico desde a Segunda Guerra Mundial: a destruição de dois regimentos norte-americanos em Kunu-ri em 1950 e a aniquilação de um batalhão britânico no rio Imjin em 1951.

Tropas do CPVA tomam de assalto após a emboscada da 2ª Divisão de Infantaria dos EUA em "The Gauntlet" (Corredor Polonês) no Passo de Kunu-ri - a pior derrota no campo de batalha sofrida pelo Exército dos EUA desde 1945.
Foto: Cortesia Paik Sun-yeop/National War Memorial of Korea.

Tendo limpado a Coreia do Norte em dezembro de 1950, o CPVA invadiu o Sul, tomando Seul em 4 de janeiro de 1951. Mas eles estavam estendido demais. As forças da UNC se reagruparam e contra-atacaram, empurrando o CPVA de volta ao norte.

No final do ano, a guerra se estabeleceria em uma guerra posicional sobre as colinas chamuscadas e cheias de crateras ao longo do que é, aproximadamente, a DMZ de hoje. Um cessar-fogo foi assinado em julho de 1953. Mais de 197.000 chineses foram mortos, mas a guerra foi, no entanto, uma conquista marcante para a China de Mao.

O CPVA não conseguiu expulsar os EUA da península ou conquistar a Coreia do Sul, mas humilhou as forças americanas nos primeiros meses da guerra. Além disso, eles socorreram a Coreia do Norte – que permanece, até hoje, um amortecedor estratégico no flanco nordeste da China e um aliado do tratado.

Por outro lado, os EUA, pela primeira vez, não conseguiram prevalecer em uma guerra. A Coreia estabeleceria um modelo terrível para a próxima “guerra limitada” da América: o Vietnã.

Reabilitando uma guerra esquecida

A ofensiva do CPVA no inverno de 1950 empurrou as tropas da ONU em uma terrível retirada da Coreia do Norte. Aqui, as tropas australianas na retaguarda da ONU recuam por uma paisagem de devastação.
Foto: Biblioteca Estadual de Vitória.

Desde que o então presidente dos EUA Richard Nixon e Mao restabeleceram as relações bilaterais em 1972, não havia capital a ser ganho em refazer uma guerra contra os EUA. Mais recentemente, as provocações nucleares da Coreia do Norte irritaram Pequim.

Como resultado, a Guerra da Coreia, embora não ativamente suprimida, perdeu visibilidade na China.

“O papel da China na guerra está certamente no comentário estratégico, mas não está na vanguarda das mentes ou memórias da geração mais jovem”, disse Alex Neill, consultor estratégico independente em Cingapura especializado em questões de segurança chinesas.

Mas agora que o confronto China-EUA aumentou sob o governo Xi, a guerra foi arrastada para fora do armário em seu 70º aniversário.

Na sexta-feira, XI fez um discurso de 42 minutos sobre a guerra no Grande Salão do Povo em Pequim. Seus comentários visavam um alvo claro. A Guerra da Coreia “estraga a lenda de que o Exército dos EUA é invencível”, disse Xi.

“A Guerra da Coréia mostra que o povo chinês não deve ser provocado. Se você causar problemas, esteja preparado para arcar com as consequências.”

O presidente chinês Xi Jinping fala durante uma cerimônia que marca o 70º aniversário da entrada da China na Guerra da Coreia no Grande Salão do Povo de Pequim, em 23 de outubro de 2020.
Foto: AFP.

Isso ecoou os comentários que Xi fez na quarta-feira durante uma visita de alto nível a uma nova exposição da Guerra da Coreia no Museu Militar da Revolução Popular Chinesa de Pequim, onde ele reivindicou a vitória em uma guerra que a maioria dos historiadores considera um impasse. “A vitória na guerra para resistir à agressão dos EUA e ajudar a Coreia foi uma vitória da justiça, uma vitória da paz e uma vitória do povo”, disse Xi.

Outras cerimônias e discursos são esperados no domingo, dia de comemoração oficial da China.

A reabilitação do conflito também é visível na mídia e na cultura popular.

“Por razões históricas, os filmes e séries de TV da Guerra da Coreia estiveram ausentes das telas chinesas por um período de tempo”, é como o jornal Global Times delicadamente colocou em um artigo sobre uma série de novos filmes da Guerra da Coreia feitos na China que agora aparecem.

Trailer de Jingang Chuan


Jingang Chuan (“Sacrifício”) é um deles: feito por três dos principais diretores da China, cobre uma unidade antiaérea que luta para manter uma ponte aberta sob ataque aéreo americano. Isso pode refletir a ponte quebrada sobre o rio Yalu na cidade chinesa de Dandong, que permanece até hoje como um famoso e pungente memorial de guerra.

De acordo com o Global Times, os próximos filmes cobrem os combates assassinos em torno do reservatório de Chosin, na Coreia do Norte, em 1950, quando as tropas chinesas forçaram os fuzileiros navais de elite dos EUA a recuar, mas com um tremendo custo em baixas, e em “Triangle Hill”, uma luta de um mês que terminou com as tropas chinesas mantendo suas posições em 1952.

No que pode ter sido uma reversão consciente de uma frase comum usada para descrever o conflito nos EUA, um programa de sexta-feira na emissora estatal CGTN apelidou o conflito de “A Guerra Inesquecível”.

E uma versão em inglês de 2.000 páginas da história oficial chinesa da guerra foi publicada este mês em Pequim.

A Guerra da Coréia foi “praticamente esquecida” na China, disse Lee Seong-hyon, especialista em China no think tank de Seul, o Instituto Sejong. Mas agora, Xi está “usando o tema muito tradicional de amizade com a Coreia do Norte e rivalidade da liga socialista com os EUA para estimular o patriotismo”.

Ele também pode estar se preparando para um confronto atualizado com os EUA após as eleições americanas de 3 de novembro, especulou Lee.

“Ele está enviando um sinal para os EUA, mas o público maior é doméstico”, disse Lee ao Asia Times. “Quando eles têm um grande evento ou crise, eles primeiro mobilizam as pessoas para preparar uma mentalidade em preparação para uma turbulência interna ou um desafio externo maior.”

Aliados forjados por sangue?

Foto de propaganda do Exército Popular norte-coreano.

Não é apenas na China que a luz está sendo lançada sobre os feitos do CPVA de 1950-1953. Na quinta-feira, Kim Jong Un colocou coroas de flores no Cemitério dos Mártires Chineses no condado de Hoechang, na Coreia do Norte. Seu avô, o falecido Kim Il Sung, desencadeou a guerra ao tentar reunificar uma península dividida por um acordo de grandes potências por meio de uma invasão da Coreia do Sul em junho de 1950. A derrota de seu exército e a contra-invasão do UNC da Coreia do Norte levaram à intervenção de Pequim.

Em um ato amplamente coberto pela mídia chinesa, o jovem Kim se ajoelhou no túmulo de Mao Anying – filho de Mao Zedong, um oficial do estado-maior que foi morto nos primeiros dias da guerra por um ataque aéreo americano.

Lee, do Instituto Sejong de Seul, acredita que uma cúpula Kim-Xi está prestes a acontecer. “Ao homenagear os caídos, Kim está pedindo algo”, disse ele. “Ele precisa de um grande pacote econômico, então para onde ele deve se voltar? Obviamente, à China.”

Se, como Lee antecipa, essa cúpula ocorrer no início de 2021, fornecerá aos dois líderes a oportunidade de renovar seu tratado de defesa mútua. Assinado em 1961, o Tratado de Amizade de Cooperação e Ajuda Mútua Sino-Norte-Coreana precisa ser renovado a cada 20 anos, com a última renovação marcada para o próximo ano. Dadas as tensões com os EUA, Xi e Kim podem muito bem assiná-lo com um floreio.

“Renovar o tratado é quase automático, mas para enviar um sinal de solidariedade, Xi e Kim podem exagerar para enviar um sinal a Washington”, disse Lee. “Xi está usando a Coreia do Norte como um peão geopolítico e o momento é muito útil quando a China e os EUA estão em uma competição feroz.”

Talvez surpreendentemente, os profissionais militares do principal rival estratégico da China tenham um respeito considerável pelos feitos do CPVA no campo de batalha de muito tempo atrás.

“Eles foram instruídos a lutar por seu país”, disse Steve Tharp, um tenente-coronel militar aposentado dos EUA residente na Coreia do Sul. “Não estou dizendo que os chineses estavam certos, mas um soldado é um soldado, e o soldado faz o que seu país diz e está disposto a pagar o preço final para defender seu país.”

A Coreia do Norte, armada com armas nucleares, demonstra fartura e está perfeitamente disposta a levantar um dedo para o Japão, a Coreia do Sul e os EUA, tornando-se um útil aliado chinês. No entanto, pode ocasionalmente ser um amigo irritante para a China – como Tharp testemunhou em 1994.

Tharp, então um oficial da ativa envolvido em negociações multinacionais na aldeia de trégua intercoreana de Panmunjom, na Zona Desmilitarizada Coreana, lembra a retirada unilateral da Coreia do Norte da Comissão de Armistício Militar, ou MAC, um mecanismo pós-guerra projetado para supervisionar os termos do armistício da Guerra da Coréia.

A ação da Coreia do Norte forçou as tropas tchecas, polacas e chinesas, que ocupavam o MAC no lado norte-coreano de Panmunjom, a partir. Os oficiais chineses – que usavam insígnias do CPVA, não do Exército de Libertação Popular – ficaram “surpresos” e “realmente furiosos” com o seu despejo, lembrou Tharp.

Posteriormente, dois oficiais chineses que serviram no MAC em Panmunjom foram designados para Seul como adidos militares no que Tharp acredita ser um sinal para Pyongyang do descontentamento de Pequim.

Monumento chinês em frente ao Museu da Guerra para Resistir à Agressão Americana e Ajudar a Coreia em Dandong. Um soldado arremessa uma pedra, outros lutam com fuzis com baionetas e um camarada cai, morto, sobre sua metralhadora.
Foto: Asia Times/Andrew Salmon.

Bibliografia recomendada:

Guerra da Coreia:
Nem vencedores, nem vencidos.
Stanley Sadler.

Leitura recomendada:

segunda-feira, 7 de março de 2022

FOTO: Sniper australiano na Coréia

Soldado B. Coffman com o seu fuzil Lithgow No. 1 Mk. III* na Coréia, 1951.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de março de 2022.

O soldado B. Coffman, nativo de Nova Gales do Sul, está portando o fuzil Lithgow No. 1 Mk. III*, o Lee Enfield (SMLE) australiano. Seu uniforme e equipamento de lona são americanos, pois os australianos tiveram dificuldades de suprimento na Coréia.

A Coréia passou a ser uma guerra estática de 1953 em diante, o que proliferou os snipers em ambos os lados. Ian Robertson, fotógrafo e franco-atirador, foi o maior sniper australiano na Coréia. Em uma ocasião, ele matou 31 inimigos em um único dia. Posteriormente, ele ensinou dança aos franco-atiradores com o objetivo de treinar coordenação corporal. Ele se casou com sua namorada japonesa, Miki; falecida em 2014.

Robertson usou uma variante especial do Lee-Enfield, com uma luneta padrão 1918 feito pela Australian Optical Co., com melhor impermeabilidade. Esses Lee-Enfields ostentavam canos pesados e vinham com um protetor de bochecha pronto para instalar, mas os atiradores não gostavam dele e na maioria das vezes não o colocavam em seus fuzis. Essa proteção de bochecha era a mesma dos fuzis N°4 Enfield, que não eram muito apreciadas, pois não permitiam o alinhamento ocular adequado com a luneta.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2022

FOTO: Chegada de sul-coreanos no Vietnã

Chegada da Divisão Cavalo Branco no Vietnã, 5 de setembro de 1966.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfarw Blog, 8 de fevereiro de 2022.

Cerimônia de recepção do primeiro contingente da 9ª Divisão "Cavalo Branco" da Coréia do Sul no Vietnã do Sul em 5 de setembro de 1966. Os soldados estão armados com equipamento da Segunda Guerra Mundial herdados da época da Guerra da Coréia. A legenda da foto diz:

"A SEGUNDA UNIDADE COREANA CHEGA AO VIETNÃ -- Tropa da Divisão 'Cavalo Branco' marcham sob um grande sinal dando-lhes as boas vindas ao Vietnã do Sul. A unidade de infantaria de 5.500 homens chegou em setembro e assumiu posições ao longo da costa central do Vietnã nas áreas de Nha Trang, Tuy Hoa e Cam Ranh. É a segunda divisão enviada pela República da Coréia para ajudar na defesa do Vietnã contra a agressão comunista. Outros países com tropas servindo no Vietnã do Sul são Austrália, Nova Zelândia, Filipinas e Estados Unidos."

Conforme mencionado, a 9ª Divisão foi a segunda divisão coreana desdobrada no Vietnã. Esta foi a Divisão Capital (Divisão Tigre Feroz), assim chamado por ser de Seul, que chegou ao Vietnã do Sul em 22 de setembro de 1965. Os 5.500 soldados sendo recepcionados foram complementados pelo resto da divisão em 8 de outubro de 1966. O nome da 9ª Divisão vem da sua participação na Batalha de White Horse (Cavalo Branco) ocorrida em outubro de 1952 na Guerra da Coréia.

General Chae Myung-shin, comandante das forças sul-coreanas no Vietnã.

A República da Coréia (Coréia do Sul) manteve um efetivo médio de 48 mil homens no Vietnã, atingindo esse pico em 1969. As primeiras unidades coreanas chegaram em fevereiro de 1965, em um grupo de brigada conhecido como Dove Force (Força Pomba). O comandante geral dessa força expedicionária sul-coreana era o Tenente-General Chae Myung-shin do Exército da República da Coréia (ROK).

De setembro de 1964 a março de 1973, a Coréia do Sul enviou cerca de 350.000 soldados para o Vietnã do Sul. O Exército, o Corpo de Fuzileiros Navais, a Marinha e a Força Aérea participaram da guerra, e o número de tropas da Coréia do Sul era muito maior do que o da Austrália e da Nova Zelândia, sendo o segundo maior contingente estrangeiro no Vietnã - atrás apenas dos americanos.

Os sul-coreanos sofreram 5.099 mortos e 10.962 feridos até o final do seu engajamento, em 23 de março de 1973.

Leitura relacionada:

segunda-feira, 13 de setembro de 2021

Coréia do Sul lança sistema de artilharia avançado para o Exército Britânico


Por Dylan Malyasov, The Defence Blog, 11 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de setembro de 2021.

A Hanwha Defense, uma das maiores empresas de defesa da Coréia do Sul, está lançando seu pacote de obuseiro autopropulsado de 155mm para o Exército Britânico.

Na sexta-feira, o comunicado de imprensa da empresa disse que a Hanwha Defense está pronta para exibir sua artilharia avançada e sistemas terrestres não-tripulados, incluindo o moderno obuseiro autopropulsado K9 Thunder, na exposição Defense and Security Equipment International (DSEI) a ser realizada na ExCel London, em Londres, de 14 a 17 de setembro.

Conforme observado pela empresa, o K9 Thunder 155mm/calibre 52 é o obuseiro AP mais vendido do mundo, já que cerca de 1.700 variantes do K9 estão em serviço em sete países, incluindo Coréia do Sul, Turquia, Polônia, Finlândia, Noruega, Índia e Estônia. A Austrália seria o oitavo cliente da solução K9 com negociações em andamento.

A Hanwha Defense planeja oferecer a última variante do K9, batizada de K9A2, para o programa Plataforma de Fogos Móveis (Mobile Fires Platform, MFP) do Exército Britânico.

A versão do K9 no Reino Unido deve apresentar letalidade, proteção e mobilidade aprimoradas. Equipado com um sistema de carregamento de munição totalmente automatizado, o K9A2 deve ter uma cadência de tiro aumentada para nove tiros por minuto. A nova variante K9 também será equipada com kits de proteção contra minas e lagartas de borracha compostas.

“O Reino Unido é o primeiro mercado internacional para o qual a mais nova variante do K9 SPH está sendo oferecida e esperamos que a indústria de defesa do Reino Unido sirva como base da cadeia de suprimentos para a família global de veículos K9”, disse Sun Wi, Diretor do Programa MFP, Hanwha Defense.

Dylan Malyasov é um jornalista e comentarista de defesa dos Estados Unidos. Fotógrafo de aviação, Dylan lidera a cobertura do Defence Blog de notícias militares globais, com foco em engenharia e tecnologia em toda a indústria de defesa dos EUA.

terça-feira, 22 de dezembro de 2020

FOTO: Fuzileiro naval no Reservatório de Chosin

Um fuzileiro naval americano carrega sua metralhadora Browning 1919 durante o inverno congelante coreano durante a Batalha do Reservatório de Chosin, em dezembro de 1950.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

Mitos e equívocos: o "ping" do M1 Garand18 de dezembro de 2020.

FOTO: Prisioneiros americanos no rio Yalu, 9 de novembro de 2020.




FOTO: Filipinos na Coréia14 de março de 2020.

sábado, 4 de abril de 2020

FOTO: Fuzileiros navais sul-coreanos no Vietnã do Sul

Fuzileiros navais sul-coreanos no Vietnã do Sul.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 4 de abril de 2020.

A República da Coréia (chamada ROK pelos aliados) enviou a 2ª Brigada de Fuzileiros Navais "Dragão Azul"(elevada a divisão em 1981), para o Vietnã do Sul como parte da sua contribuição à contenção comunista na Ásia. Os dragões azuis foram desdobrados na Baía de Cam Ranh, e mais tarde em Tuy Hoa, e estavam inicialmente armados com armas da época da Segunda Guerra Mundial: M1918A2 BAR, M1 Garand e M1919A4. Até muito mais tarde em sua missão, esses homens começaram a receber ajuda americana; geralmente usando o Colt XM16E1 e o Colt M16A1 (Modelo 603). Este seria o caso até que o Arsenal de Pusan, na Coréia, pudesse produzir o M16A1 licenciado.

Os fuzileiros navais coreanos usavam um uniforme no padrão de camuflagem baseado no padrão americano M1942 Spot (pintado), também conhecido como "Duck Hunter" (Caçador de Patos). Os fuzileiros navais coreanos eram conhecidos por serem cruéis em combate, a ponto de serem temidos pelos comunistas.

A 2ª Brigada de Fuzileiros Navais foi uma das três unidades enviadas pela ROK a fim de auxiliar nas operações no Vietnã. As outras duas foram a Divisão Tigre (Divisão de Infantaria Mecanizada da Capital) e a 9ª Divisão de Infantaria "Cavalo Branco". A ROK enviou 320 mil homens ao Vietnã de 1964 a 1973, mantendo uma força de 48-50 mil homens no Vietnã, a segunda maior força expedicionária aliada de Saigon.