domingo, 21 de junho de 2020

Sim, a China estaria disposta a travar outra Guerra da Coréia caso necessário


Por Robert Farley, The National Interest, 21 de junho de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de junho de 2020.

Mas e se armas nucleares fossem usadas?

Ponto-chave: Pequim não quer instabilidade nem armas nucleares norte-coreanas soltas. Até que ponto a China pode ir para impedir que isso aconteça?

Há três anos, descrevi como seriam os contornos de uma guerra entre a China e os Estados Unidos. Embora as divergências entre Washington e Pequim sobre Taiwan e o Mar da China Meridional tenham diminuído, parece cada vez mais que os assuntos na Península Coreana forneceriam a centelha do conflito. Se a situação tensa na Coréia levasse à guerra entre os Estados Unidos e a China, como o conflito começaria? Quem teria a vantagem? E como isso terminaria?

Este artigo apareceu pela primeira vez em 2017 e está sendo repostado devido ao interesse do leitor.

Exército vermelho chinês durante manobras conjuntas com a Mongólia e a Rússia.

Como começaria

A guerra entre a Coréia do Norte, ou a RPDC, e os Estados Unidos é mais provável que acenda uma guerra entre a China e os EUA do que vice-versa, embora não seja incompreensível que Pyongyang possa tirar proveito da distração dos EUA com a China para fazer uma jogada contra a Coréia do Sul (ROK). Mas se assumirmos o primeiro, isso mudaria a situação militar no início do conflito EUA-China. Enquanto na maioria dos cenários uma guerra acontece de acordo com o cronograma de Pequim e, conseqüentemente, com a vantagem de Pequim, se a Coréia do Norte desencadear um conflito, a China poderá ser forçada a uma luta que não deseja e não está totalmente preparada. No mínimo, permitiria que as forças americanas se mobilizassem totalmente na expectativa de lutar contra a China. Mesmo que os chineses pudessem dar o primeiro golpe, as forças americanas estariam em alerta máximo, rastreando os movimentos chineses e capazes de responder imediatamente. A experiência de novembro de 1950, na qual a China foi autorizada a lançar um ataque surpresa, certamente estaria no topo das mentes dos comandantes dos EUA.

Soldado chinês escoltando prisioneiros americanos na Coréia em dezembro de 1950.

A China pode decidir intervir em uma nova Guerra da Coréia sob duas circunstâncias; primeiro, se acreditasse que a coalizão EUA-ROK estaria prestes a destruir a RPDC (como foi o caso em 1950); e segundo, se acreditasse que a RPDC estaria vencendo e que a intervenção chinesa poderia impedir a escalada americana. No primeiro caso, os objetivos de guerra da China seriam impedir a destruição da RPDC e impedir que a RPDC desencadeasse seu arsenal nuclear. No segundo, o objetivo seria o oposto; para garantir ganhos norte-coreanos (independentemente de representarem toda a península coreana ou não) e eliminar qualquer tentação da parte dos EUA de escalar para armas nucleares. Em ambos os casos, os planejadores dos EUA e da ROK prestariam muita atenção às manobras chinesas, e ambos os países teriam se mobilizado totalmente para a guerra.

Os Aliados

Nem a China nem a Coréia do Norte têm muitos amigos ao redor do mundo. Ainda assim, ambos provavelmente gozariam de uma neutralidade benevolente da Rússia, o que ajudaria significativamente a manter as forças armadas de ambos supridos com combustível, peças de reposição e munição.

KATUSAs saúdam durante uma cerimônia de 60 anos do estabelecimento da KATUSA no USAG Yongsan em Seul, em outubro de 2010. O Korean Augmentation To the United States Army (KATUSA) é uma parte do exército sul-coreano anexado ao Oitavo Exército dos Estados Unidos (EUSA), tendo sido criado em julho de 1950 para fornecer ao Exército Americano expertise geográfica e linguística da Coréia, além de auxiliar na identificação amigo-inimigo entre forças sul e norte-coreanas.

O resto do mundo provavelmente apoiaria os Estados Unidos e a República da Coréia em vários graus, menos se os EUA iniciarem a guerra, mais se a RPDC a iniciar. A China, sem dúvida, se preocuparia com seu flanco sudoeste, mas é improvável que a Índia intervenha em qualquer conflito que não envolva diretamente seus interesses. Os aliados dos EUA, europeus e do Pacífico, ofereceriam retórica e potencialmente algum apoio militar menor.

A participação do Japão seria o maior ponto de interrogação. Tóquio considera a Coréia do Norte e o crescimento do poder militar chinês como principais ameaças à segurança nacional. O Japão pode muito bem ser atacado pela Coréia do Norte durante hostilidades intra-coreanas. No mínimo, o Japão ofereceria bases e apoio aos Estados Unidos e (mais silenciosamente) à ROK. Mas se Tóquio percebesse que um eixo chinês-norte-coreano poderia vencer (além de apenas preservar uma RPDC), então Tóquio poderia muito bem intervir do lado dos EUA de maneira significativa. A combinação do poder militar, financeiro e econômico de Tóquio pode afetar significativamente o curso do conflito.

O Rumo dos Combates

No balanço, a Coréia do Sul é consideravelmente mais poderosa que a Coréia do Norte. Embora as forças da Coréia do Norte possam causar enormes danos à Coréia do Sul em um conflito convencional, elas não podem esperar destruir a República da Coréia, ou a ROK, por conta própria. Ataques profundos contra comunicações e logística norte-coreanas dificultariam a manobra do exército norte-coreano, ou KPA. E nos primeiros dias do conflito, o poder aéreo sul-coreano e americano controlaria totalmente o céu.

Fuzileiros navais americanos e sul-coreanos.

A intervenção chinesa pode mudar essa equação. A guerra entre as Coréias criaria um problema para os EUA, introduzindo a necessidade de suprir e manter forças terrestres em larga escala na Península Coreana. Desencadeados contra a Coréia do Sul, os mísseis balísticos e de ataque terrestre da China podem causar estragos nas instalações militares dos EUA e da ROK. Mísseis destruiriam aeronaves da Coalizão no solo e reduziriam a prontidão dos aeródromos. Ataques nas áreas de preparação e logística dariam às forças dos EUA e da ROK um gostinho dos mesmos problemas que eles haviam servido aos norte-coreanos. As forças e instalações navais americanas também seriam atacadas.

Na primeira Guerra da Coréia, os Estados Unidos se contiveram de atacar a China diretamente. Em uma nova Guerra da Coréia, os americanos não exerceriam tal tolerância. As instalações militares chinesas associadas a ataques contra a Coréia seriam atacadas por recursos aéreos, de mísseis e navais dos EUA. A marinha chinesa (PLAN), caso ela se lançasse ao mar ou permanecesse no porto, seria um alvo interessante, embora a Marinha dos EUA pudesse limitar geograficamente seus ataques. As bases aéreas chinesas dentro da China e as aeronaves baseadas nelas também sofreriam ataques americanos.

Como Terminaria

Em quase todos os cenários concebíveis, Pequim trabalharia duro para impedir Pyongyang de usar seus arsenais nucleares, químicos e biológicos. De fato, os Estados Unidos poderiam muito bem declarar desde o início que considerariam qualquer uso de armas nucleares pelo eixo Pequim-Pyongyang como implicando ambos os parceiros e, portanto, exigindo retaliação contra ambos.


Se Pequim e Washington pudessem evitar o combate nuclear, o fim da guerra mudaria para a sobrevivência da RPDC. A Coréia do Norte não pode se opor indefinidamente contra o poder combinado dos EUA e da ROK, muito menos com a adição do Japão à Coalizão. Se a intervenção chinesa puder atrapalhar a máquina de guerra EUA-ROK através da força bruta (a destruição de ativos militares suficientes para impossibilitar a sua continuação) ou forçar os EUA a desistir através da imposição de altos custos, a RPDC poderia sobreviver e permanecer no controle de uma parte da península coreana (grande ou pequena dependeria do momento e da extensão da intervenção chinesa). Se os chineses forem incapazes disso, a RPDC deixará de existir e a ROK se estenderá até a fronteira chinesa.

No primeiro cenário, o mundo se parece muito com o de hoje, apenas com destruição substancial no nordeste da Ásia e profunda interrupção nos sistemas econômico e financeiro globais. O segundo cenário vê o mesmo tipo de perturbação e destruição, mas a China é claramente o perdedor, com implicações potencialmente terríveis para o poder e a legitimidade do Partido Comunista da China.

Pensamentos de Despedida

É improvável que os chineses possam ganhar a guerra pela Coréia do Norte, mas eles podem muito bem ser capazes de impedir que a RPDC perca. Mas há poucas dúvidas de que a China não quer atrelar sua crescente máquina militar aos caprichos de Pyongyang. Mesmo que a China pudesse vencer essa guerra, a devastação em suas relações comerciais e financeiras excederia amplamente o valor da preservação da RPDC. Esta é uma guerra que a China quer evitar, e só entraria em desespero.

O Dr. Robert Farley é um colaborador frequente do National Interest, é autor de The Battleship Book. Ele atua como professor sênior na Escola de Diplomacia e Comércio Internacional Patterson na Universidade de Kentucky. Seu trabalho inclui doutrina militar, segurança nacional e assuntos marítimos. Ele escreve nos blogs  Lawyers, Guns and Money, Information Dissemination e no Diplomat.

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:

VÍDEO: Documentário animado sobre a Guerra da Coréia (4 partes)4 de abril de 2020.

As Forças Armadas chinesas têm uma fraqueza que não podem consertar: nenhuma experiência de combate26 de janeiro de 2020.

FOTO: Armamentos capturados na Coréia17 de junho de 2020.

A Coréia do Norte interrompeu todas as comunicações com o Sul por causa de panfletos9 de junho de 2020.

A guerra no Estreito de Taiwan não é impensável2 de junho de 2020.

FOTO: Filipinos na Coréia14 de março de 2020.

As Forças Armadas Americanizadas da China9 de junho de 2020.

ENTREVISTA: 8 coisas a saber sobre a maior base de treinamento do exército da China9 de junho de 2020.

FOTO: 195ª Brigada Pesada de Armas Combinadas do Exército de Libertação Popular Chinês23 de janeiro de 2020.

Forças aéreas asiáticas recrutam mulheres pilotos de caça19 de fevereiro de 2020.

LIVRO: Forças Terrestres Chinesas29 de março de 2020.

GALERIA: Manobra blindada nas Montanhas Celestiais11 de abril de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário