Mostrando postagens com marcador Uzi. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Uzi. Mostrar todas as postagens

domingo, 20 de março de 2022

Uzi começou como um menino que brincava com armas

Uzi Gal com a Uzi (esquerda) e a MP40.

Por Nati Gabbay, The Times of Israel, 4 de março de 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de março de 2022.

Enquanto estava preso em uma notória prisão britânica, esse jovem surgiu com o projeto de uma submetralhadora que ganharia popularidade em todo o mundo. Esta é a história inacreditável de Uzi Gal.

O inventor da submetralhadora homônima usada em todo o mundo teve uma paixão por armas de fogo ao longo da vida.

Quando jovem, ele pegou uma pistola para fazer experimentos e, quando preso em uma prisão britânica por contrabando de armas, inventou a submetralhadora que eventualmente armaria o mundo.

Uma menorá de Hanukkah feito de submetralhadoras Uzi antigas.
(
A Coleção Dan Hadani, 1979)

Esta é a história inacreditável de Uzi Gal.

Conheça Gotthard Glas, a criança com um hobby perigoso: armas.

Quando tinha dez anos, Gotthard Glas queimou a mão. Como? Ele decidiu ver uma uma espingarda velha de cano longo para reaproveitá-la como uma arma pessoal. É o que acontece quando a casa da família em que você cresceu em Munique está cheia de pistolas, espadas e outras armas antigas.

Soldado das FDI com sua Uzi.
(
A Coleção Dan Hadani, 1974)

De: “Submetralhadora Uzi: Planos de Aula”, que as FDI distribuiu aos comandantes em 1970.

Quando a criança se tornou adolescente morando no Kibutz Yagur, tendo se mudado em 1936 para a Palestina Obrigatória, sua grande paixão por armas voltou. Ouviu dizer que o professor de geografia da escola distrital possuía uma pequena pistola italiana de pólvora negra. Vendeu seu álbum de selos, comprou a arma e começou a trabalhar em seu sonho: transformá-la em uma máquina de guerra bem oleada.

Infelizmente, um professor da escola o pegou trabalhando na arma e seus planos foram frustrados mais uma vez. Glas não desistiu: aos 15 anos inventou um arco que dispara flechas automaticamente, uma “submetralhadora arco e flecha” se preferir.

Um soldado da IDF reza no Muro das Lamentações enquanto carrega uma Uzi.
(Yaacov Elbaz. A Coleção Dan Hadani na Biblioteca Nacional, 11 de junho de 1969)

Primeiro Ministro Yitzchak Shamir atirando com uma Uzi, 16 de dezembro de 1986.
(Nati Henrik, GPO)

Quando Glas se juntou à força de combate do Palmach do pré-Estado Yishuv, ele encontrou a ocupação perfeita: desenvolvimento de armas e gravação de armas. Assim como em seus dias de escola, ele foi pego mais uma vez – e condenado pelos britânicos a sete anos de prisão. Para sua alegria, foi perdoado depois de pouco mais de dois anos no Presídio de Acre. Adivinha o que ele fez para passar o tempo na cadeia: ele projetou uma submetralhadora.

Em 1949, ainda cadete no curso de formação de oficiais e depois de conhecer intimamente todas as armas que as FDI tinham para oferecer, o jovem, que entretanto se tornara Uziel Glas (e mais tarde seria conhecido pelo nome de Uzi Gal) escolheu escrever uma carta aos seus comandantes:

“Para: O Comandante da Escola de Oficiais, Tenente-Coronel Meir Zorea.

De: Cadete Uziel Glas 120946.

Data: 20 de outubro de 1949″

A longa carta contém uma descrição detalhada de seu sonho da submetralhadora perfeita.

Cinco anos e meio depois, em 27 de abril de 1955, na tradicional Parada do Dia da Independência das FDI, o exército apresentou a nova metralhadora, que tinha o nome Uzi. A propósito, Guthard/Uziel/Uzi Glas/Gal não queria que a submetralhadora levasse seu nome, mas a decisão estava fora de suas mãos.

Ministro da Defesa Itzhak Rabin com soldado das FDI.
(Danny lev, 
A Coleção Dan Hadani, 1989)

De: "Submetralhadora Uzi: Planos de aula", que as FDI distribuiu aos comandantes em 1970.

“Uma arma inovadora para as FDI”.
Artigo publicado no jornal “Zemanim”, 27 de abril de 1955.

Dentro de alguns anos, a Uzi não foi usada exclusivamente pelas FDI. Tornou-se um sucesso fenomenal em todo o mundo.

Todo o Estado de Israel encontrou esse jovem despretensioso quando ele recebeu a Menção do Chefe do Estado-Maior em 1955 e recebeu o “Prêmio de Segurança” de David Ben-Gurion.

Quando perguntado sobre sua invenção, ele simplesmente respondeu: “Cumpri meu dever no exército como um cozinheiro faz e simplesmente como todos os outros”.

A Uzi, a arma preferida de Chuck Norris!

Ao escrever o artigo, fiz uso do volume 17 de “IDF: Encyclopedia of Army and Security” (צה”ל בחילו – אנציקלופדיה לבא וביטחון), e do artigo de Eli Eshed “Sixty Years of the Uzi Submachine Gun”.

Sobre o autor:

Nati Gabbay é Diretora de Conteúdo Digital da Biblioteca Nacional de Israel.

Bibliografia recomendada:

The Uzi Submachine Gun.
Chris McNab.

Leitura recomendada:

GALERIA: A Uzi iraniana, 3 de março de 2020.

segunda-feira, 7 de março de 2022

A metralhadora UZI: uma das armas leves mais famosas do mundo

A submetralhadora UZI.

Do blog da IWI SK Group6 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 7 de março de 2022.

A Uzi nasceu da guerra de independência de Israel em 1948. O novo estado-nação precisava de uma nova arma de fogo para substituir a miscelânea de armamentos excedentes da Segunda Guerra Mundial disponíveis na época. O inventor foi o Major Uziel Gal. Seus amigos o chamavam de Uzi, mas ele nunca quis que seu nome fosse associado à arma de fogo que ele projetou.

Um historiador da cultura popular israelense, Eli Eshed, pesquisou a história da UZI. De acordo com uma publicação em osimhistoria com Eshed, Gal imigrou da Alemanha para Israel e se estabeleceu no Kibutz Yagur com seu pai. Em 1943, enquanto ele estava prestes a se mudar para o Kibutz Ein Harod, os britânicos, então no controle de Israel, descobriram que ele era o responsável pelas armas em seu kibutz, as chamadas “manchas”, onde escondiam suas armas.

“Eles o colocaram, os britânicos, na prisão por alguns anos. Então ele estava na prisão durante a década de 1940 e aproveitou bem o tempo na prisão: lia tudo o que podia sobre armas e ficava pensando – como podemos melhorar [as armas]?”, escrito em um dos jornais da época.

IWI Uzi PRO submetralhadora / Uzi PRO pistola 9mm


Em busca de armas melhores


De acordo com Eshed, muitas das armas usadas pelos combatentes subterrâneos judeus, como a Sten britânica, eram baratas e fáceis de fabricar, mas eram deficientes na maioria dos outros aspectos. Elas sofriam de inúmeras restrições ao serem imprecisas. Houve problemas também com armas diferentes, como a Schmeisser – elas eram lentas. Uzi estava procurando algo rápido, fácil, leve, muito confortável e eficiente.

“Quando o Estado de Israel foi estabelecido, Gal se alistou nas FDI e fez um curso de oficiais, juntamente com o desenvolvimento contínuo da submetralhadora. Gal e a IMI desenvolveram a nova submetralhadora e, na época, o primeiro-ministro de Israel, David Ben Gurion, escolheu a Uzi como a arma padrão para as FDI”, disse Eshed.

O FDI começou a usar o UZI em 1954-1955 por paraquedistas e as forças especiais (Unidade 101) contra infiltrados em ações de retaliação. “Como a maioria das submetralhadoras, o mecanismo de ação da Uzi é bastante simples. O atirador segura uma pequena alavanca na parte superior da arma e a puxa para trás até que o mecanismo interno da arma esteja travado na posição traseira. A arma permanece nessa posição até que o atirador puxe o gatilho”, explicou Eshed.


“Do ponto de vista técnico, Gal tirou muitas ideias de outras submetralhadoras que encontrou ao longo dos anos, especialmente a submetralhadora tcheca M23. A singularidade da Uzi reside no fato de que ela continha muitos recursos positivos e ideias positivas – e ainda assim permaneceu extremamente barato e fácil de fabricar.”

O boato da submetralhadora milagrosa se espalhou no exterior. Os holandeses encomendaram e até os alemães. Dezenas de países em todo o mundo compraram a UZI, incluindo Grécia, Portugal, Austrália, Angola, Etiópia e Indonésia. Várias versões foram desenvolvidas, incluindo a Mini Uzi e a Micro Uzi. A Uzi tornou-se mundialmente famosa e consolidou a imagem de Israel como uma potência regional com um exército pequeno, mas poderoso.

“Ao longo de seus 27 anos de serviço nas FDI, Gal trabalhou em vários projetos e ganhou muitos prêmios, incluindo o Prêmio de Segurança de Israel, que foi apresentado em 1958 pelo primeiro-ministro David Ben-Gurion”, de acordo com o fórum Uzi Talk. "Gal faleceu em 7 de setembro de 2002. Ele está enterrado no Kibutz Yagur perto de Tamar e Ahuva."

O legado continua


Com mais de 2 milhões de unidades vendidas em todo o mundo, as submetralhadoras Uzi continuam a impactar até hoje. Com a privatização da fábrica “Magen” da IMI em fevereiro de 2005, o desenvolvimento e a produção da Uzi passaram para nossa responsabilidade na IWI.

A nova submetralhadora UZI PRO é baseada no lendário projeto UZI de 65 anos atrás, mas aprimorada com materiais modernos e avanços tecnológicos. Uma versão curta e compacta baseada em um desenho ergonômico moderno permite melhor controle, maior segurança e máxima precisão.

A UZI PRO é a mais recente evolução da tecnologia de armas de fogo, que transforma a arma UZI através de polímeros modernos, trilhos Picatinny, uma empunhadura dobrável e coronha ergonômica para fornecer a próxima geração de submetralhadoras.

Todas as novas atualizações mantiveram a funcionalidade e confiabilidade da lendária UZI, a sub baseada em décadas de experiência testada em batalha pelas Forças Especiais Israelenses, foi projetada para ser leve, mas ainda assim ocultável.


Um exemplo recente do uso desta arma lendária foi publicado no site The Drive. De acordo com o relatório, a Polícia Federal belga usou a UZI, encarregada de vigiar a principal sede operacional da OTAN em Bruxelas. Essas armas em particular são licenciadas e construídas na Bélgica pela igualmente famosa empresa de armas portáteis Fabrique Nationale, mais comumente chamada de FN.

Não há dúvida de que Uzi Gal desenvolveu uma das armas leves mais famosas do mundo, que é usada hoje em dezenas de países ao redor do mundo. A arma usada ao longo da história para a proteção de nações, indivíduos e instalações.

Como IWI, estamos orgulhosos de continuar a tradição da Uzi.

Bibliografia recomendada:

The Uzi Submachine Gun.
Chris McNab.

Leitura recomendado:

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2022

A Sargento Gal Gadot com uma submetralhadora Uzi

Sargento Gal Gadot posando com uma submetralhadora Uzi, a icônica arma israelense.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 25 de fevereiro de 2022.

A estrela israelense Gal Gadot serviu dois anos nas Forças de Defesa de Israel, como instrutora de combate do exército, saindo com o posto de Samal (sargento). Em Israel, o serviço é compulsório para ambos os sexos, com os homens servindo 3 anos e as mulheres dois.

Geralmente, as mulheres servem em funções de secretaria e recursos humanos, chamadas pejorativamente de Jobnicks. Mas Gal, que já era famosa por ter vencido o concurso de Miss Israel em 2004, tornou-se instrutora de combate e atuou assim na preparação física dos soldados.

Disparo automático da Uzi


Gal descreveu seu tempo no exército como parte de ser israelense:

"Você dá dois ou três anos de sua vida a eles e não é sobre você. Você aprende disciplina e respeito."

Aos 18 anos, ela conquistou o título de Miss Israel e representou o país no concurso de beleza Miss Universo no mesmo ano de 2004. Em 2007, Gal  participou de uma sessão de fotos para a revista Maxim intitulada "Mulheres do Exército Israelense", que apresentou modelos de Israel que eram militares das FDI. A foto de Gal apareceu no convite para a festa de lançamento do ensaio, e na capa do jornal New York Post.

Foto do ensaio da Maxim.

A chamada da Maxim dizia "Elas são lindas de morrer e podem desmontar uma Uzi em segundos. As mulheres das Forças de Defesa de Israel são os soldados mais sexy do mundo?" e contou com a entrevista de quatro modelos militares.

Gal
Expertise: Condicionamento físico
"Ensinei ginástica e calistenia", diz esta impecável ex-Miss Israel. "Os soldados me amavam porque eu os fazia ficarem em forma."

Yarden
Expertise: Inteligência Militar
Estacionada no norte de Israel para seu período de dois anos nas FDI, Yarden diz que a prática de tiro ao alvo era sua atividade favorita. “Adorei disparar o M-16”, diz ela. “E eu era boa em acertar os alvos. Mas não atirei com nada desde que deixei o exército.” Ou em alguém, esperamos.

Nivit
Expertise: Inteligência Militar
“Meu trabalho era ultrassecreto”, diz essa nativa de Tel Aviv, que ainda mora com os pais. “Não posso falar sobre isso além de dizer que estudei um pouco de árabe!”

Natalie
Expertise: Telecomunicações navais
Essa loira sedutora se lembra claramente de sua parte favorita de servir seu país: “Conheci meu marido. Seu comandante continuou tentando nos arrumar." Para sua sorte, Natalie seguiu as ordens.

Gal Gadot deixou o exército e começou a trabalhar como atriz, interpretando o papel principal no drama israelense Bubot ("Bonecas") em 2008, como Miriam "Merry" Elkayam; além de ser escolhida para ser a modelo principal da Castro, a maior marca de roupa israelense. Seu caminho para o estrelato começou quando ela foi notada pelo diretor taiwanês Justin Lin para a franquia Velozes e FuriososSegundo Gal, uma das benesses do seu serviço militar foi desbancar a modelo brasileira Gisele Bündchen para o papel da agente Gisele Yashar no filme Velozes e Furiosos 4 (Fast & Furious, 2009):

"Eu acho que a principal razão do diretor Justin Lin realmente ter gostado foi de eu ter servido no exército e ele queria usar meu conhecimento sobre armas."


A carreira de Gal Gadot continuou subindo e ela alcançou fama internacional ao ser escolhida como a Mulher Maravilha em 4 de dezembro de 2013, estrelando no filme de Zack Snyder Batman vs Superman: A Origem da Justiça (Batman v Superman: Dawn of Justice, 2016). Em seguida, ela protagonizou dois filmes próprios como a Mulher Maravilha em 2017 e 2020; com um terceiro filme previsto, ainda sem data, que encerrará sua atuação com o personagem.

Seu último grande sucesso foi como uma contrabandista no filme Alerta Vermelho (Red Notice, 2021), contracenando ao lado de Dwayne "The Rock" Johnson e Ryan Reynolds. Alerta Vermelho tornou-se o filme mais assistido em seu fim de semana de estreia na Netflix, bem como o filme mais assistido em 28 dias após o lançamento na plataforma. Ele também se tornou o 5º título de filme mais assistido em streaming de 2021. Com tamanho sucesso, não é surpresa que já foram fechadas duas sequências.

Sua atuação mais recente foi estrelando como Linnet Ridgeway-Doyle na adaptação de suspense de mistério Morte no Nilo (Death on the Nile, 2022), de Agatha Christie; lançado no Brasil em 10 de fevereiro de 2022.

Trailer de Morte no Nilo

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2022

Uma breve história da submetralhadora Uzi


Do site Surplus Store UK, 22 de julho de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de fevereiro de 2022.

Seja você um amante da história militar, um jogador de vídeo game dedicado ou um skirmisher de airsoft, é provável que você tenha encontrado a Uzi em mais de uma ocasião. É uma arma icônica que desempenhou seu papel na história militar e, ao mesmo tempo, faz parte da cultura popular. Neste artigo, vamos dar uma olhada na história desta famosa arma de fogo.

Projeto e desenvolvimento

A Uzi surgiu no ano de 1950, depois que os projetos foram elaborados no final da década de 1940, como parte de uma competição interna realizada pelas forças armadas israelenses. Os projetos foram produzidos pelo Major Uziel Gal, um projetista de armas israelense nascido na Alemanha, também conhecido por sua assistência no projeto do famoso Ruger MP9.

Disparo automático com a Uzi


A Uzi usa um projeto de ferrolho aberto que expõe a extremidade da culatra do cano e pode ajudar a resfriar a arma durante longos períodos de fogo contínuo. Este projeto, no entanto, significa que o receptor pode ser muito mais suscetível à contaminação por areia e sujeira. A arma também usa um projeto de ferrolho telescópico que permite o tamanho pequeno da arma, resultando em uma arma de disparo mais lento com melhor equilíbrio.

Os primeiros modelos dessa metralhadora apresentavam uma coronha de madeira destacável, mas isso foi posteriormente substituído por uma coronha de metal dobrável para facilitar e muito o transporte.

Confiabilidade

Bala na câmara, ferrolho aberto.

A confiabilidade da arma é uma de suas vantagens, pois, com um pequeno número de peças móveis, apenas algumas poucas coisas podem dar errado. Isso também ajudou com reparos e manutenção, pois poderia ser desmontada e reconstruída de maneira rápida e fácil. Tal como acontece com muitas armas, a limpeza e a manutenção são importantes devido à maior suscetibilidade de sujeira e areia no receptor. Condições adversas também podem aumentar a probabilidade de obstrução da arma.

A arma também vem com dois recursos de segurança. O primeiro é a alavanca seletora de três posições localizada na parte superior do punho, com "S" significando seguro, "R" significando repetição (semi-automático) e "A" significando automático. O segundo mecanismo de segurança é a trava de segurança, que está posicionada na parte traseira da empunho. O objetivo desse mecanismo é evitar a descarga acidental se a arma cair ou se o usuário perder o controle ao disparar a arma.

Registro de segurança.

Disparo

Como mencionado acima, a Uzi possui opções de disparo semi-automático e totalmente automático. O projeto da Uzi não incentiva a precisão à distância, pois o tamanho e a construção da arma promovem o disparo em distâncias curtas. Isso piora especialmente ao atirar em fogo automático, pois o recuo agrava o problema.

Variante Mini-Uzi

Mergulhadores de Combate brasileiros (GRUMEC) portando Mini-Uzis.

A Uzi original foi objeto de muitas reproduções e modificações ao longo dos anos. Uma das variantes mais comuns é a Mini-Uzi, que foi desenvolvida em 1982. Ela apresentou um cano mais curto e uma coronha dobrável lateral que reduziu ainda mais o tamanho geral da arma de fogo.

Não só isso, mas a variante mais compacta também fez uso de carregadores de 20 tiros com um alcance de tiro efetivo de 100 metros. A principal diferença entre a Uzi e a Mini Uzi era que a versão menor só era capaz de disparar em semiautomático, limitando consideravelmente a cadência de tiro.

Uso militar

A Uzi foi popularizada pelas forças militares israelenses e desde então foi exportada para mais de 90 países em todo o mundo. Países tão variados como Japão, Brasil, Argentina, Bélgica e Estônia usaram a Uzi de uma forma ou de outra para uso militar desde sua concepção.

Embora a Uzi esteja praticamente fora de serviço agora, a imagem icônica da arma continua viva no mundo do cinema, da TV e dos vídeo games.

Arnold Schwarzenegger com uma Uzi no filme O Exterminador do Futuro (1984).

terça-feira, 13 de abril de 2021

Policiais belgas encarregados de vigiar a sede da OTAN ainda empunham a icônica submetralhadora Uzi


Por Joseph Trevithick, The Warzone, 20 de março de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de abril de 2021.

Depois de mais de sete décadas, a lendária submetralhadora Uzi continua a ser usada em todo o mundo.

Embora inquestionavelmente icônica, a submetralhadora Uzi israelense original é uma visão cada vez mais incomum entre as forças de segurança ocidentais. No entanto, imagens divulgadas recentemente mostram que a Polícia Federal belga encarregada de guardar o principal quartel-general operacional da OTAN em Bruxelas ainda tem acesso a essas armas.

As forças armadas americanas divulgaram as imagens do pessoal da Polícia Federal belga treinando com suas Uzis em um estande coberto no Centro de Suporte de Treinamento na Base Aérea de Chièvres. Chièvres está situado a cerca de 19km do Quartel-General Supremo das Potências Aliadas da OTAN na Europa (Supreme Headquarters Allied Powers EuropeSHAPE), sede das Operações de Comando Aliado (Allied Command OperationsACO) da Aliança, na cidade de Mons.


As fotos também mostram policiais treinando com suas pistolas Smith&Wesson M&P9. O fabricante de armas americano ganhou um contrato para fornecer essas armas de 9 mm para a Polícia Federal belga em 2011.

As Uzis em tamanho real são definitivamente as armas mais atraentes. Essas exemplares específicos são armas fabricadas sob licença na Bélgica pela igualmente famosa empresa de armas leves Fabrique National, mais comumente chamada de FN.

Uziel "Uzi" Gal, nascido na Alemanha, começou a trabalhar nesta arma de 9x19mm logo após o estabelecimento do Estado de Israel em 1948 e o primeiro protótipo foi concluído em 1950. Gal pessoalmente não queria a arma, que entrou em serviço nas Forças de Defesa de Israel (IDF) quatro anos depois, batizada em sua homenagem.

Um policial da Polícia Federal belga engatilha sua submetralhadora Uzi enquanto treina em uma área coberta na Base Aérea de Chièvres. (Exército dos EUA)

Uma policial da Polícia Federal belga aponta sua pistola Smith&Wesson M&P9. (Exército dos EUA)

A Uzi padrão, que pesa pouco menos de quatro quilos, foi uma das primeiras submetralhadoras a apresentar o chamado ferrolho telescópico. O que isso significa é que uma parte substancial do conjunto do ferrolho, um componente-chave do mecanismo interno da arma, está situada na frente da arma e desliza para frente e para trás em torno do cano. Em muitos projetos anteriores, bem como nos subsequentes, esse componente é posicionado inteiramente atrás do cano.

Isso permite uma arma mais compacta que ainda tem um cano relativamente longo. A Uzi padrão original, que tinha uma coronha fixa de madeira, tinha um cano de pouco mais de 25 centímetros de comprimento e um comprimento total de pouco mais de 64 centímetros. Em comparação, a submetralhadora M1 Thompson, outra arma icônica, tem um cano de 26,7cm e meia de comprimento, mas tem quase 86cm de comprimento.

Uma submetralhadora Uzi padrão com coronha fixa de madeira. (Museu do Exército Sueco)

Uma versão da Uzi padrão com coronha dobrável, como visto nos exemplos belgas em Chièvres, foi posteriormente introduzida. Com esta coronha estendida, o comprimento total da arma é apenas ligeiramente menor do que seria com a coronha fixa de madeira instalada.

Apesar das complexidades políticas que muitos países enfrentaram, e que muitos ainda enfrentam, ao lidar com Israel, a Uzi rapidamente se tornou um padrão-ouro para submetralhadoras em todo o mundo. O Irã sob o xá estava entre os importadores dessas armas e elas permanecem em uso na atual República Islâmica, embora seja contrário à própria existência de Israel por uma questão de política. Grandes quantidades de cópias licenciadas e clones não-licenciados foram produzidas em vários países.

Militares das forças especiais iranianas armados de Uzis com silenciadores. (Agência de Notícias Borna)

Por meio de sua onipresença, inclusive junto às principais forças militares e outras forças de segurança, a arma alcançou status de ícone, tanto na vida real quanto na mídia popular. Robert Wanko, assim como outros agentes do Serviço Secreto dos EUA, sacou sua Uzi durante a tentativa de assassinato do presidente Ronald Reagan em 1981.

O agente do Serviço Secreto dos Estados Unidos, Robert Wanko, à esquerda, desdobra a coronha de sua submetralhadora Uzi logo após a tentativa de assassinato do presidente Ronald Reagan em 1981. Uma pasta na qual uma Uzi, seja aquela mantida por Wanko, ou uma empunhado por outro agente em outro lugar na cena, tinha sido escondida, é vista na rua à direita. (NARA)

As Uzis também foram usados com as forças de operações especiais militares dos EUA, incluindo as equipes SEAL da Marinha dos EUA e as Forças Especiais do Exército dos EUA, e permanecem em armários dentro da comunidade das forças de operações especiais americanas para treinamento de familiarização com armas estrangeiras. Outras agências do governo federal, como o Serviço de Segurança Diplomática do Departamento de Estado e organizações predecessoras, também emitiram Uzis para seus funcionários.

Os alunos designados para o Centro de Guerra Especial JFK do Exército e a Escola disparam Uzis, bem como outras submetralhadoras, durante um curso de treinamento de familiarização com armas estrangeiras. (Exército dos EUA)

Um agente especial do então Escritório de Segurança do Departamento de Estado dos EUA, armado com uma Uzi, é visto à esquerda nesta foto do então Embaixador dos EUA em El Salvador Thomas Pickering, em primeiro plano, e então Embaixador dos EUA nas Nações Unidas Jeane Kirkpatrick, à direita, em El Salvador em 1984.

Ao mesmo tempo, Uzis também se tornaram populares entre grupos terroristas e criminosos. O desenho robusto e compacto combinado com o grande número dessas armas em circulação em todo o mundo - somente Israel fabricou mais de 1,5 milhão delas - aumenta as chances de que continuem a encontrar seu caminho até as mãos de atores maléficos não-estatais.

Tudo isso foi rapidamente traduzido para a tela grande em filmes como Comando Delta (The Delta Force, 1986), estrelado por Chuck Norris e Lee Marvin. A lista de filmes, bem como programas de televisão, em que a Uzi é um recurso de destaque, incluindo outros grandes sucessos de bilheteria, como O Exterminador do Futuro (The Terminator, 1984), com Arnold Schwarzenegger como o Exterminador titular, é longa demais para ser postada aqui por completo. Jogos de vídeo e outras mídias populares também apresentam Uzis rotineiramente.



Depois de mais de sete décadas, a Uzi continua a ver um uso significativo por unidades militares e forças de segurança estatais até hoje - incluindo a Polícia Federal belga. No entanto, agora é certamente um desenho datado que é relativamente pesado para seu tamanho e tem uma cadência de tiro - 600 tiros por minuto - que é decididamente lenta para uma arma deste tipo, mesmo que a torne mais controlável e, como resultado, preciso.

Um derivado compacto pesando 2,7kg e com uma cadência de tiro de 950 tiros por minuto, chamado de Mini Uzi, foi introduzido em 1980. Isto foi seguido seis anos depois pela Micro Uzi ainda menor e de disparo mais rápido, que, embora visualmente semelhante, é um desenho substancialmente diferente. Uma "pistola" Micro Uzi sem coronha, com um cano um pouco mais curto, veio logo em seguida. Versões semiautomáticas também foram produzidas, incluindo tipos com canos mais longos, necessários para atender às diversas legislações referentes à propriedade civil, principalmente nos Estados Unidos.


Um anúncio da década de 1980 mostrando todos os modelos da família Uzi naquela época.

"A tecnologia antiga deve ser eliminada em algum momento", disse Iddo Gal, filho de Uzi Gal, ao The Baltimore Sun em 2004, dois anos depois que seu pai morreu aos 79 anos. "Existem pouquíssimas armas que resistiram por tanto tempo."

Ainda assim, assim como seu uso operacional, a produção da Uzi persiste. Em 2010, o fabricante de armas israelense IWI até mesmo revelou um novo tipo, a Uzi Pro, um derivado da Mirco Uzi apresentando um receptor inferior de polímero leve totalmente novo, entre outras mudanças, e vários acessórios modernos, como trilhos de acessórios para montagem de itens como miras ópticas, miras laser e luzes táticas. Uma versão semiautomática de "pistola", inicialmente sem coronha, mas agora disponível com uma braçadeira, também foi introduzida, novamente voltada principalmente para os mercados civis, particularmente os entusiastas de armas nos Estados Unidos.


No entanto, mesmo quando apareceu pela primeira vez, há mais de uma década, a Uzi Pro estava entrando em um mercado inundado com submetralhadoras mais novas e modernas, que cada vez mais ultrapassaram outros tipos icônicos, mas datados, tais como as séries Heckler & Koch MP5, também. As forças militares, em geral, há muito tempo se afastam das armas desse tipo geral, também, em favor de fuzis de assalto compactos que disparam cartuchos com melhor desempenho e alcance balístico. Essa mesma tendência também foi aparente em muitas forças policiais e de segurança em todo o mundo, em grande parte devido às preocupações com a proliferação de armas e armaduras corporais mais capazes entre grupos criminosos.

Uma nova classe de armas, conhecida como Armas de Defesa Pessoal (Personal Defense Weapons, PDW), tenta fazer o melhor dos dois mundos, oferecendo um pacote compacto e altamente controlável com uma profundidade de carregador que dispara o que pode ser descrito como munição de fuzil em miniatura que são capazes de penetrar armadura corporal. Essas ofertas também degradaram a atratividade das subs em alguns casos.

O HK MP7 é uma PDW altamente popular usada por forças militares e policiais em todo o mundo. (SRI Tactical)

Dito isso, as submetralhadoras, em geral, continuam a servir nas principais forças militares e outras forças de segurança, embora frequentemente em funções de nicho. Por exemplo, em 2019, o Exército dos EUA selecionou oficialmente uma versão da série B&T USA AC9 PRO como uma nova arma especificamente para detalhes de segurança VIP, algo que você pode ler com mais detalhes neste artigo anterior da War Zone.

Ainda não se sabe por quanto tempo a Polícia Federal belga manterá suas Uzis, mas, pelo menos por enquanto, elas permanecem como parte do arsenal disponível para os policiais que protegem um dos principais quartéis-generais do que é indiscutivelmente a aliança militar mais significativa no planeta.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendado:

GALERIA: A Uzi iraniana, 3 de março de 2020.


A submetralhadora MAS-38, 5 de julho de 2020.

Micro Tavor VS M4/M16, 5 de março de 2020.

terça-feira, 3 de março de 2020

GALERIA: A Uzi iraniana

Antigo comando iraniano do tempo do Xá com uma Uzi israelense com baioneta, quando as armas eram novas em folha.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 3 de março de 2020.

Projetado pelo judeu-alemão Uziel Gal, que se mudou para Israel e teve uma carreira distinta nas Forças de Defesa de Israel, a submetralhadora Uzi é um ícone de Israel e do Ocidente há décadas. O Irã do Xá comprou Uzis com seu emblema nacional estampado e um seletor de tiro escrito em farsi. Após a Revolução Iraniana de 1979, a nova República Islâmica herdou todas as armas da era do Xá, dos Tomcats F-14 dos EUA às submetralhadoras Uzi de Israel.

Curiosamente, o Irã revolucionário não alterou nenhuma marcação nas armas israelenses, mantendo o antigo emblema do Xá e as iniciais da IMI intactos. No Irã, a Uzi foi usada principalmente em segurança naval e nas forças especiais. Outras Uzis israelenses-iranianas chegaram ao Iraque, sendo capturadas por soldados da Coalização americana, assim como nos mercados de armas da Síria. Em 2018, uma dessas Uzis estava à venda em Idlib, na Síria, por US$ 400. Hoje, as IMI Uzi originais de 30 anos ainda estão em serviço, mas o Irã também começou a fazer cópias (sem licença) da Uzi em 2019. Essas submetralhadoras  fabricadas no Irã provavelmente estarão em serviço mais amplo que a IMI Uzi. O recipiente principal é o Exército (Forças Terrestres do Corpo da Guarda Revolucionária da Revolução Islâmica, NEZSA) com planos para um fornecimento mais geral do que antes.

O antigo emblema nacional, que estava na bandeira do Irã antes da Revolução Islâmica de 1979. O selo foi deixado intacto, coroa e tudo.

Marcações em Farsi, número de série e estampa IMI (Israeli Military Industries).

Marcações do seletor de tiro no idioma farsi.

Sargento comando iraniano com uma Uzi.



Menina do Pasdaran, o ramo infanto-juvenil da Guarda Revolucionária.


A Unidade de Resgate de Reféns (Unidade-110) da NOHED durante um exercício de missão de resgate de reféns, o homem da frente armado de submetralhadora Uzi.


BÔNUS: Chuck Norris e a Uzi

Chuck Norris atirando com uma Uzi em frente a um quadro do Aiatolá Khomeini.

Bibliografia recomendada:

The Uzi Submachine Gun.
Chris McNab.

Leitura recomendada: