domingo, 2 de fevereiro de 2020

A Esparta no Golfo: a crescente influência regional dos Emirados Árabes Unidos


Por Yoel Guzansky, Institute for National Security Studies (INSS), 8 de janeiro de 2017.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 2 de fevereiro de 2020.

Nos últimos anos, os Emirados Árabes Unidos se posicionaram como um ator-chave nos processos que moldam a região. Depois de lidar com ameaças em potencial em casa, a federação assumiu um papel de liderança ao enfrentar alguns dos desafios políticos, econômicos e militares colocados pela Primavera Árabe. Os Emirados Árabes Unidos provavelmente continuarão usando seus vastos recursos econômicos e suas forças armadas para tentar influenciar a direção que o mundo árabe está tomando. No passado, os Emirados Árabes Unidos exibiam moderação e restrição em suas relações externas e ficavam nas sombras de outros. Hoje, porém, são a força motriz por trás de muitas das mudanças regionais e um participante chave em muitas arenas - não menos, e às vezes mais, que a Arábia Saudita. Muitos no mundo árabe e em outros lugares agora entendem que os Emirados Árabes Unidos têm o poder de influenciar a direção dos desenvolvimentos regionais e procuram atrair os Emirados Árabes Unidos para o seu lado. Israel também reconhece que os Emirados Árabes Unidos são um elemento essencial nos esforços de Israel para fortalecer as relações com o mundo árabe sunita.


O enfraquecimento dos centros políticos e militares árabes tradicionais, como resultado das revoltas no Oriente Médio, provocou uma mudança na conduta de alguns dos países do Golfo Árabe e aumentou sua influência. Um exemplo proeminente disso são os Emirados Árabes Unidos (EAU), que se posicionaram como um ator-chave nos processos que moldam a região. Depois de lidar com possíveis ameaças em casa, a federação (que inclui os emirados de Abu Dhabi, Dubai, Ajman, Fujairah, Ras al-Khaimah, Sharjah e Umm al-Quwain) assumiu um papel de liderança na luta contra alguns dos desafios políticos, econômicos e militares apresentados pela Primavera Árabe.


A retirada das forças britânicas das áreas "à leste de Suez" em 1971 acelerou a formação dos Emirados Árabes Unidos na base da costa Trucial*. Quarenta e cinco anos depois, a segunda maior economia do Oriente Médio - com as forças armadas mais bem treinadas e equipadas entre as forças armadas árabes - está se concentrando em neutralizar ameaças regionais e em projetar poder muito além de suas fronteiras. Embora suas relações estratégicas com os Estados Unidos e a participação no Conselho de Cooperação do Golfo (Gulf Cooperation Council, CCG) ainda constituam componentes-chave de sua política de defesa, os Emirados Árabes Unidos têm feito uso mais frequente de suas forças armadas desde o início da turbulência regional. A assertividade que tipifica sua política externa está intimamente relacionada às suas dúvidas sobre o futuro compromisso dos Estados Unidos com sua segurança e às suas preocupações sobre o fortalecimento do Irã e do Islã radical e seu impacto na estabilidade interna. "Não podemos ser uma casa estável se houver um incêndio ao nosso redor", disse o Ministro de Estado dos Negócios Estrangeiros dos Emirados Árabes Unidos em 2014.


*Nota do Tradutor: Os Estados Truciais, ou Estados da Trégua, Costa Trucial, Xarife Trucial, entre outros nomes são os atuais Emirados Árabes Unidos, Catar e Bahrein. A região também foi chamada de Costa dos Piratas, por razões auto-explicativas.

Pequena Esparta


Desfile do 43º aniversário da unificação dos Emirados Árabes Unidos, 5 de maio de 2019.

Como parte dessa tendência, os Emirados Árabes Unidos inauguraram uma base naval e aérea na Eritreia, na costa do Mar Vermelho, e assim se tornaram o único país árabe com uma base militar fora de suas fronteiras. Também foi relatado recentemente que os Emirados Árabes Unidos construíram uma base militar adicional no leste da Líbia. Apesar de suas pequenas forças armadas (cerca de 50.000 militares*), os Emirados Árabes Unidos estão bem equipados com os sistemas de armas mais avançados que podem obter e obtiveram ampla experiência operacional no Afeganistão, Somália e Bósnia. Suas forças foram cruciais para suprimir a insurreição xiita no Bahrein em 2011, e sua força aérea participou da campanha para derrubar o regime de Muammar Qaddafi na Líbia. As forças armadas dos Emirados Árabes Unidos (que incluem mercenários) desempenham um papel fundamental nas operações aéreas, terrestres e navais contínuas contra os houthis no Iêmen, e são o parceiro árabe mais ativo na coalizão contra o Estado Islâmico (junto com seu apoio aos grupos rebeldes que procuram derrubar o regime de Assad). Além disso, sua força aérea atacou alvos na Líbia várias vezes, usando bases egípcias. Além de fornecer assistência financeira ao regime de el-Sisi**, os Emirados Árabes Unidos permitem que o Egito use drones de vigilância, fabricados pela Adcom, com sede em Abu Dhabi, na Península do Sinai.

*NT: 63 mil em 2020.
**NT: Abdel Fattah el-Sisi, atual presidente autocrático do Egito.

Carro de Combate Leclerc dos EAU usado em combate no Iêmen.

Ao contrário dos vizinhos árabes que compram sistemas avançados de armas, mas geralmente os deixam sem uso, os Emirados fazem ótimo uso de suas compras e, assim, conquistaram o apelido de "Pequena Esparta" entre as forças armadas dos EUA. "Há um respeito mútuo, uma admiração pelo que eles fizeram - e pelo que podem fazer", disse o General James Mattis, que foi nomeado para servir como secretário de Defesa dos Estados Unidos no governo Trump. Além disso, a federação está tentando deter o Irã e, não menos importante, estabelecer laços mais estreitos com Washington, permitindo que a força aérea e a marinha americanas operem em seu território (cerca de 5.000 militares americanos estão estacionados nos Emirados Árabes Unidos) e realizando massivas compra de armas. A federação foi a primeira a encomendar o sistema de defesa de área em alta altitude do terminal (THAAD), e agora pretende comprar o avião de caça F-35.



A proporção entre sua pequena população (dos nove milhões de habitantes, apenas um milhão são cidadãos) e as enormes reservas comprovadas de petróleo dentro de suas fronteiras (cerca de 100 bilhões de barris de petróleo) fazem dos Emirados Árabes Unidos um dos países mais ricos do mundo. Essa riqueza permite que o príncipe herdeiro Mohammed bin Zayed (o governante de fato) compre tranqüilidade doméstica. A onda de protestos regionais levou alguns intelectuais e jovens nos Emirados a pedirem mais liberdade política. Este pequeno protesto, expresso principalmente nas mídias sociais, foi silenciado desde então, e a Federação começou a suprimir qualquer possível revolta, principalmente qualquer uma associada à Irmandade Muçulmana. Além disso, e devido a preocupações com os protestos devido à tendência de baixa nos preços do petróleo nos últimos dois anos, os Emirados Árabes Unidos concederam generosas quantias aos cidadãos, e um papel maior foi dado às mulheres e jovens nas instituições estatais.




Relações com o Irã

As tensões entre os Emirados Árabes Unidos e o Irã, que antecederam a Revolução Islâmica no Irã, foram exacerbadas nos últimos anos pelo apoio de Teerã aos houthis no Iêmen e ao regime de Assad na Síria. Para os Emirados Árabes Unidos, o Irã representa a principal ameaça à estabilidade regional, e os líderes dos Emirados Árabes Unidos não hesitam em criticar a República Islâmica por seu envolvimento persistente nos assuntos árabes. Ao mesmo tempo, os Emirados Árabes Unidos protegem diligentemente suas relações comerciais normativas com o Irã e buscam capitalizar na remoção das sanções contra o Irã e aumentar o volume do comércio bilateral.

O príncipe herdeiro Mohammed bin Zayed em Pequim, 2019.

O fato de ser o segundo parceiro comercial mais importante do Irã (depois da China) levou alguns membros da federação a adotar uma postura mais pragmática em relação ao Irã. No entanto, apesar do alto volume de comércio com o Irã (muitas empresas iranianas operam nos Emirados Árabes Unidos, aproveitando a posição de Dubai como centro financeiro), a questão das três ilhas disputadas do Golfo Pérsico prejudicou as relações entre os países. Com a retirada das forças britânicas do Golfo, o Irã apreendeu o Grande Tunb e o Menor Tunb. Em 1992, o Irã afirmou o controle total de Abu Musa, derrotou o corpo de guarda ali estacionado e violou o acordo de soberania conjunto entre os países. Nos últimos anos, o Irã aumentou seu controle sobre as ilhas, não reconhece a afinidade histórica dos Emirados Árabes Unidos com elas e reivindica seus direitos inalienáveis às ilhas.


Mapa do Golfo Árabe mostrando as ilhas Grande Tunb, Menor Tunb e Abu Musa.

Relações com a Arábia Saudita


Soldados dos EAU no Iêmen em apoio à Arábia Saudita.

Os Emirados Árabes Unidos e a Arábia Saudita desfrutam de relações mais quentes desde o início da turbulência no Oriente Médio, e os dois estados estão cooperando em várias arenas. O relacionamento pessoal entre Mohammed bin Zayed e Mohammed bin Salman, vice-príncipe herdeiro e ministro da Defesa da Arábia Saudita, contribuiu para o aquecimento dessas relações e, em particular, para o desenvolvimento de percepções semelhantes de ameaças. Isso contrasta com as relações tensas que existiam antes da formação da federação entre as duas famílias reais, al-Nahyan e al-Saud, que foram acompanhadas por frequentes disputas de fronteira, além de disputas de poder sobre desempenhar papéis de liderança no mundo árabe e dentro do GCC. Apesar dos desafios atuais compartilhados, a desconfiança mútua não se dissipou totalmente e se reflete, entre outras coisas, nas diferentes posições de Abu Dhabi e Riad em relação à Irmandade Muçulmana e ao regime el-Sisi no Egito. Abu Dhabi é o mais forte defensor econômico do Egito, e é possível que isso tenha contribuído para a ascensão de el-Sisi ao poder.


Forças especiais egípcias e dos EAU em manobras nos Emirados, 2014.

Desenvolvimento Nuclear

Salvo qualquer atraso, o primeiro reator nuclear* (dos quatro atualmente em construção) será conectado à rede elétrica no final de 2017, e os Emirados Árabes Unidos se tornarão o primeiro país árabe com um programa nuclear sustentável. Embora os Emirados Árabes Unidos possuam uma das maiores reservas comprovadas de petróleo do mundo, eles planejam diversificar sua mescla de energia, que se baseia quase completamente em combustíveis fósseis. Juntamente com os investimentos no desenvolvimento de energia solar, a federação lançou um programa ambicioso para gerar eletricidade através de usinas nucleares, e a avaliação é que, uma vez concluídos, eles adicionarão 5,6 gigawatts à rede elétrica. A conclusão do projeto de energia nuclear ganhará muito prestígio nos Emirados Árabes Unidos e uma posição regional aprimorada em relação ao Irã e seus vizinhos árabes.

*NT: Trata-se da usina de Barakah. A taxa geral de conclusão da construção de toda a usina era de 91% em março de 2019.



Os Emirados Árabes Unidos apresentaram argumentos convincentes sobre sua necessidade de um programa de energia nuclear: o aumento da demanda por energia, seu desejo de reduzir sua dependência de combustíveis fósseis poluentes e a necessidade de liberar mais petróleo para exportação. No futuro próximo, a federação de fato não constitui uma ameaça à proliferação de armas nucleares. No entanto, em um futuro distante, seu programa nuclear poderá ter uma contribuição dissuasora, talvez porque seus rivais estejam preocupados com a possibilidade de que seu programa nuclear possa conter uma dimensão militar. Dúvidas sobre o contínuo compromisso dos Emirados de proibir o enriquecimento de urânio dentro de suas fronteiras surgiram após a assinatura do acordo nuclear com o Irã e à luz de certas observações dos líderes dos Emirados Árabes Unidos.



Os Emirados Árabes Unidos continuarão a usar seus vastos recursos econômicos e forças militares para tentar influenciar a direção que o mundo árabe está tomando. No passado, os Emirados Árabes Unidos exibiam moderação e restrição em suas relações externas e ficavam nas sombras de outros; hoje, porém, são a força motriz por trás de muitas das mudanças regionais e um participante chave em muitas arenas - não menos, e às vezes mais, que a Arábia Saudita. Muitos no mundo árabe e em outros lugares agora entendem que os Emirados Árabes Unidos têm o poder de influenciar a direção dos desenvolvimentos regionais e procuram atrair os Emirados Árabes Unidos para o seu lado. Por sua vez, Israel também reconhece que os Emirados Árabes Unidos são um elemento essencial nos esforços de Israel para fortalecer as relações com o mundo árabe sunita.

Original: https://www.inss.org.il/publication/sparta-gulf-growing-regional-clout-united-arab-emirates/


O Dr. Yoel Guzansky é Pesquisador Sênior do Instituto de Estudos de Segurança Nacional da Universidade de Tel Aviv. Ele também é pesquisador visitante da Hoover Institution University, da Universidade de Stanford, membro pós-doutorado do Israel Institute e Acadêmico do Programa Fulbright. Antes de ingressar no INSS, serviu no Conselho de Segurança Nacional no Gabinete do Primeiro Ministro, coordenando o trabalho sobre o Irã, sob quatro Conselheiros de Segurança Nacional e três Primeiros Ministros. Ele é autor dos livros The Arab Gulf States and Reform in the Middle East (Estados do Golfo Árabe e Reforma no Oriente Médio, 2015); Between Resilience and Revolution: The Stability of the Gulf Monarchies (Entre Resiliência e Revolução: A estabilidade das monarquias do Golfo, INSS: hebraico, 2016) e co-autor (com Kobi Michael) de The Arab World on the Road to State Failure (O Mundo Árabe no Caminho do Fracasso do Estado, INSS: hebraico, 2016).

Nenhum comentário:

Postar um comentário