terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

Uma oportunidade pós-Soleimani: remover o Irã da Síria

General Qassem Soleimani.

Por Udi DekelInstitute for National Security Studies, 24 de janeiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de fevereiro de 2020.

 Foi Qassem Soleimani, comandante da Força Iraniana Quds, que identificou e aproveitou a oportunidade do Irã para intensificar seu domínio na Síria. Ele planejou o entrincheiramento militar e civil do Irã lá e se esforçou para criar uma ponte terrestre xiita do Irã através do Iraque e da Síria para o Líbano. Partindo desse aspecto, sua morte deixa um vácuo, pelo menos temporário. Na visão israelense, o assassinato direcionado de Soleimani criou uma rara oportunidade de explorar a perda de um aliado estratégico e patrono de Bashar al-Assad, a fim de desmantelar fortalezas militares iranianas na Síria. Para esse fim, Israel deve realizar uma campanha integrada, coordenada com os Estados Unidos e com outros atores regionais, para sincronizar uma série de esforços paralelos: reconhecer o domínio russo na Síria; criar uma cunha entre Damasco e Teerã por meio de incentivos econômicos e políticos para o regime Assad; marcar a Síria como o elo mais fraco da cadeia xiita e, portanto, se concentrar nela; romper a cadeia e impedir o Irã de controlar a área de fronteira Iraque-Síria; estabelecer coordenação russo-americana para impulsionar o processo de reconstrução política e econômica da Síria; despertar a conscientização pública na Síria e no Irã sobre o alto preço a pagar pelo envolvimento iraniano na Síria.

 O assassinato direcionado pelos Estados Unidos no início de 2020 de Qassem Soleimani, comandante da Guarda Revolucionária da Força Quds, foi um duro golpe para a capacidade do Irã de obter mais conquistas em sua campanha para exportar a Revolução Islâmica e expandir sua influência em todo o Oriente Médio. Soleimani se considerava o defensor dos valores da Revolução e do domínio dos aiatolás, trabalhou em seu nome sem hesitar em tomar decisões independentes e formou laços pessoais estreitos com líderes, comandantes e outras figuras influentes da região. Soleimani conseguiu entender as fraquezas do sistema regional e desenvolveu sua própria abordagem criativa para utilizar os pontos fortes do Irã e expandir sua influência regional, principalmente por meio de forças substitutas. Por duas décadas, ele foi o arquiteto estratégico da expansão do Irã no Oriente Médio e sua perda deixa o líder supremo Ali Khamenei, que havia preparado Soleimani, sem uma substituição de estatura semelhante.

 Soleimani identificou e implementou a oportunidade do Irã de aprofundar seu domínio sobre a Síria. Foi ele quem planejou o entrincheiramento militar e civil do Irã lá e serviu como "contratado" para construir uma ponte terrestre xiita do Irã, passando pelo Iraque, Síria e Líbano. Ele também conduziu a campanha para salvar o regime Assad e derrotar os rebeldes, com métodos que incluíam atacar populações civis e expulsá-las de suas casas para outras áreas dentro e fora da Síria, com base em considerações demográficas e geopolíticas consideradas essenciais para a sobrevivência e estabilidade do regime Assad e para o estabelecimento da influência iraniana no país. Soleimani comandou pessoalmente a batalha por Alepo em dezembro de 2015 e, no verão anterior, viajou para Moscou para recrutar a Rússia para intervir militarmente na guerra contra os rebeldes. Mais tarde, Soleimani coordenou o apoio aéreo russo e a guerra terrestre sob o comando iraniano. Este foi o ponto de virada na guerra civil síria, que de fato restaurou as rédeas do controle da "espinha" síria para o regime Assad. Ele continuou a planejar como o Irã poderia se entrelaçar ainda mais na Síria e, nesse sentido, também, sua morte deixa um vácuo.

 Sob a liderança de Soleimani, a entrada iraniana na Síria incluía a penetração dos sistemas militar e de segurança; estabelecimento e operação de milícias locais e nacionais; estabelecimento de bases de desdobramento para as milícias xiitas que operam sob o comando iraniano; construção de uma “máquina de guerra” iraniana baseada em sistemas de mísseis superfície-superfície e aeronaves não-tripuladas, destinadas a atacar Israel; estabelecimento de uma infraestrutura para produzir e montar mísseis e melhorar a precisão de suas ogivas; construção de sistemas de transporte e infraestrutura para armazenar armas e transferi-las para a Síria e o Hezbollah no Líbano; e penetração dos sistemas nacionais sírios - educação, cultura, religião, habitação, mídia e projetos econômicos.



Spetsnaz russos na cidade histórica de Palmira.

 O regime Assad depende inteiramente de uma série de elementos externos que o ajudam a manter o controle sobre as rédeas do poder, principalmente a Rússia e o Irã. Essa necessidade une sua dependência a elementos internos - aparelhos de segurança, milícias (sob influência iraniana) e elementos criminais. O regime é obrigado a navegar entre abordagens pró-iranianas e pró-russas; o braço pró-iraniano foi liderado por Soleimani, ajudado por sua considerável influência pessoal sobre o próprio Assad e na espinha dorsal de comando do exército sírio. É muito cedo para prever as ações de seu sucessor - o novo comandante da Força Quds, o general Esmail Ghaani - ou a extensão de sua influência sobre Assad, e se ele será capaz de manter as realizações de seu antecessor na Síria.

 Também é muito cedo para avaliar o impacto total do assassinato de Soleimani, que poderia rapidamente ser seguido por vários desenvolvimentos. O governo e o parlamento iraquianos podem decidir remover as forças americanas do país, levando a uma retirada correspondente das forças americanas do leste da Síria. Atualmente, o lado sírio da fronteira é controlado pelas forças curdas (SDF) com a ajuda dos EUA, enquanto o lado iraquiano é controlado pelas forças de mobilização popular comandadas pelo Irã. Se os Estados Unidos retirarem suas forças do Iraque e da Síria nos próximos meses, quem preencherá o vácuo na fronteira entre esses países? A Rússia estará preparada para enviar forças?

O Ângulo Israelense

 Israel, que escolheu uma política de não-intervenção na guerra civil na Síria, permitiu ao Irã, liderado por Soleimani, avançar com seu plano de entrincheiramento e integração multidimensional na Síria. Uma vez que Israel entendeu as implicações da não-intervenção, tentou atrasar e interromper o processo de consolidação iraniana e obstruir a construção de sua “máquina de guerra” e infraestrutura militar na Síria. Os esforços de Israel se concentraram em três canais. Primeiro - ataques às fortalezas iranianas e interceptações de transferências de armas, particularmente armas avançadas, para o Hezbollah. Segundo - pressão sobre a Rússia para restringir o Irã e limitar sua influência na Síria, e provocar a retirada das forças iranianas sob controle russo da fronteira com Israel. Terceiro - pressão sobre os Estados Unidos para adiar a retirada total de suas forças do leste da Síria e da região de al-Tanf, a fim de romper o vínculo xiita-iraniano entre Iraque e Síria e impedir que o Irã domine a área da fronteira Iraque-Síria.


Aglomeração de tropas americanas, russas e sírias pró-Assad.

 É possível que a saída de Soleimani de cena tenha criado uma rara oportunidade para Israel formular uma política eficaz, mediante acordo e até cooperação com o governo dos EUA, a fim de desmantelar as fortalezas militares iranianas na Síria. Israel, com apoio norte-americano, pode explorar o momento em que o regime Assad perdeu seu aliado e patrono estratégico, mas a janela de oportunidade criada pelo assassinato de Soleimani pode ser limitada no tempo. Portanto, deve haver uma campanha coordenada imediata de Israel, Estados Unidos e Rússia, envolvendo outros atores regionais. Esta campanha deve sincronizar vários esforços:

1. Reconhecer o domínio russo na Síria: Israel escolheu manter uma estreita coordenação com a Rússia na luta contra a entrada iraniana na Síria. Sua esperança era que a Rússia retirasse as capacidades militares iranianas da Síria e limitaria a capacidade de Teerã de moldar o futuro do país. Rússia e Irã competem pela influência na ordem política na Síria e pelo controle do processo de reconstrução com seus possíveis dividendos econômicos. Até agora, a Rússia decidiu evitar um confronto aberto com o Irã. No entanto, movimentos imediatos de Moscou, incluindo uma visita do presidente Vladimir Putin a Damasco na semana seguinte à morte de Soleimani, sinalizaram que a Rússia está tentando explorar a oportunidade, assumir a liderança e limitar a influência iraniana na Síria - de fato, para forçar o Regime Assad para decidir a favor do braço pró-russo sobre a ponta pró-iraniana. Israel deve tentar recrutar os Estados Unidos, que podem acenar cenouras na frente da Rússia, como a redução das sanções ocidentais contra ela, em troca de garantir os interesses israelenses e tirar o Irã da Síria.

2. Impulsione uma barreira entre Damasco e Teerã: Israel chegou de fato a um acordo com o governo continuado de Assad na Síria, embora não tenha declarado isso publicamente. Os Estados Unidos também aceitam o regime existente por enquanto, embora ainda exija a remoção de Assad por crimes contra seu povo, o que levou à morte de cerca de meio milhão de sírios, bem como a reformas políticas no país. Para explorar esta oportunidade de remover o Irã da Síria, é necessário descobrir se e a que preço Assad está preparado para se libertar dos títulos iranianos: em troca da aceitação ocidental e árabe de seu contínuo governo e do levantamento do boicote a ele, ele provocará a retirada da Síria das forças iranianas e outros procuradores operados pela Força Quds? Se Assad se recusar a cooperar, o governo Trump poderá aplicar sanções novas e ainda mais rigorosas a Assad, Rússia e Irã. Israel, por sua vez, pode recorrer à ameaça de ataque físico direto ao regime de Assad, se continuar a dar ao Irã uma mão livre para operar na Síria.

3. Cortar a via de acesso xiita: A coordenação estratégica com os Estados Unidos é necessária não apenas para incentivar Moscou a assumir a responsabilidade, mas também para interromper o acesso xiita do Irã ao Líbano. Para esse efeito, é essencial mobilizar forças dos EUA no nordeste da Síria. É importante convencer o presidente Trump a transmitir uma mensagem clara sobre o compromisso americano nesse assunto. (Atualmente, cerca de 600 soldados dos EUA estão estacionados perto dos campos de petróleo em Deir ez-Zor, com aproximadamente outros cem na base de Tanf, perto da fronteira com o Iraque - regiões onde Soleimani administrava rotas de fornecimento de armas e introduzia combatentes iranianos na Síria e no Líbano, e procurava assumir o controle.) No entanto, Israel deve se preparar para a possibilidade do presidente Trump decidir ou ser obrigado a retirar as forças americanas do Iraque e, consequentemente, também do leste da Síria. Nesse cenário, Israel e os EUA devem desenvolver capacidades e investir em esforços para impedir que o Irã se imponha a toda a região por meio de seus terceirizados.

4. Mover o centro de gravidade para neutralizar a influência regional iraniana na Síria: Deveria haver um entendimento entre Washington e Jerusalém com base em uma avaliação de que a Síria é o elo mais fraco da cadeia xiita e, portanto, o mais vulnerável. Por esse motivo, todos os esforços para romper a cadeia xiita devem se concentrar na Síria. A pressão para remover as fortalezas iranianas do país se encaixa bem na política de "pressão máxima" dos Estados Unidos contra o Irã.

5. Esforços cognitivos direcionados à população síria (por exemplo, no sul da Síria, onde há um crescente descontentamento público com o regime e o Irã, e, portanto, a área poderia servir como um caso de teste para a pressão cognitiva), incentivando-os a se opor à continuação do controle iraniano que os está arrastando para um conflito com Israel. A mensagem de destaque deve ser que o Irã está bloqueando todas as iniciativas de reforma política na Síria, com medo de perder o controle sobre o regime de seu aliado Assad. Ao mesmo tempo, deve haver um esforço para aumentar a conscientização do público no Irã, mostrando detalhes dos investimentos iranianos em entrincheiramentos na Síria e na construção da rota xiita, necessariamente à custa de investimentos na economia iraniana e em seus cidadãos.

6. Iniciando o processo político na Síria, sob liderança árabe-ocidental: É imperativo formular um plano para reconstruir a Síria, envolvendo países árabes ocidentais e sunitas, incluindo a disposição de alocar recursos para esse fim, mas condicionando qualquer ajuda à retirada do Irã da Síria.

 Em conclusão, usar a oportunidade criada pelo assassinato de Soleimani para tomar medidas para remover o Irã da Síria, combinado com a pressão econômica sobre o Irã, pode prejudicar a capacidade do Irã de continuar seu projeto de entrincheiramento na Síria. É possível que o período imediatamente após a partida de Solemani ofereça uma chance de estabelecer uma coordenação russo-americana, a fim de promover uma solução política na Síria, interromper a matança em curso, remover a influência iraniana, impor reformas governamentais e estabelecer uma estrutura para ajuda internacional para reconstrução síria. A promoção desses objetivos servirá muito bem aos interesses de segurança do Estado de Israel.

Original: https://www.inss.org.il/publication/a-post-soleimani-opportunity-removing-iran-from-syria/


Udi Dekel é Diretor Gerente do INSS, Pesquisador Sênior.

Nenhum comentário:

Postar um comentário