Mostrando postagens com marcador Análise. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Análise. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 11 de janeiro de 2022

COMENTÁRIO: Sobre o sentimento anti-francês no Sahel


Por Rahmane Idrissa, La Gazette Perpendiculaire, 22 de novembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de janeiro de 2022.

Chego a Niamey em uma atmosfera de fúria anti-francesa pan-saheliana que inundou as redes sociais graças aos bloqueios impostos ao avanço de um comboio militar francês pelas massas burquinenses animadas por encontrar um alvo odiado, mas inofensivo à sua indignação contra a situação de opressão violenta (por parte de grupos armados jihadistas) a que está sujeita grande parte do seu país. Há uma opinião generalizada entre a população de que os militares franceses só chegam às zonas de guerra para distribuir armas aos jihadistas.

Essa ideia é convincente porque não se baseia em fatos, mas em sentimentos, e os sentimentos, infelizmente, não são contrariados por evidências factuais. Trata-se, neste caso, de uma mitificação da maldade diabólica da França que trabalha a imaginação saheliana em todos os níveis, desde os intelectuais e outros personagens cultos até o camponês sentado em sua cabana, mas que, graças ao seu smartphone, recebe diariamente discursos alucinados sobre esse tema, propagado em um loop por indivíduos que encontraram uma vocação fácil no French bashing.

Como o jornalista Antoine Glaser me disse em uma entrevista recente em Paris, os jihadistas já venceram. Referia-se ao fato de que a insegurança, ainda maior para o Ocidente do que para os locais, levou à sua saída da região, nomeadamente ao nível dos laços humanos tecidos, à margem do grande Estado e das máquinas multilaterais, por pequenas ONGs, por pessoas generosas ou pessoas apaixonadas pela África, destinos aparentemente excêntricos dedicados a trabalhar obscuramente em uma campanha esquecido.


Mas a outra vitória dos jihadistas é certamente o fortalecimento e a histerização do sentimento anti-francês, um fenômeno antigo que não é sem justificativa, é claro, mas que, ao lado de aspectos de reação saudável, também revela patologias morais e intelectuais que, a longo prazo, são perigosos para o próprio Sahel.

Há alguns pontos importantes para entender aqui.

Sempre houve um forte sentimento anti-francês no Sahel e na África francófona em geral, decorrente naturalmente da dominação colonial. Nas últimas décadas, esse sentimento elevou-se para o ódio entre alguns, mas foi, na maioria, contrabalançado por uma espécie de francofilia morna advinda da influência cultural francesa impregnada pela escolarização ou simplesmente pelos "elos históricos" forjados pela colonização. Todos os nascidos antes de 1990 nos países do Sahel já ouviram falar, ou puderam evocar, a França com esta frase que sempre me surpreendeu um pouco: A pátria mãe.

O sentimento anti-francês da época não se explica apenas pelo passado colonial, mas pelo fato da França, ao contrário da Grã-Bretanha, ter estabelecido em 1958, sob a égide do General de Gaulle, uma política neocolonial na África subsaariana, uma política que é um subproduto da política de grandeza preconizada pelo general e praticamente inscrita no DNA da 5ª República.


Essa política neocolonial tinha muitas facetas, nem todas tão terríveis quanto imaginavam seus críticos - especialmente os africanos. No entanto, ela estava sufocando, seja pelo bem que queria fazer (por exemplo, financiar a vida cultural, apoiar a educação por meio de assistência técnica e bolsas de cooperação e outras obrigações benevolentes) ou pela defesa egoísta de certos interesses estratégicos ou táticos.

Acima de tudo, pressionou a França a rotinizar as intervenções militares em seu “quintal” africano. Desde 1964, quando a França restabeleceu à força Léon Mba em Libreville até a Operação Barkhane, calcula-se que a França interveio na África uma vez a cada quinze meses, sem contar as intervenções clandestinas e outros golpes de trabalho implementados com a ajuda de mercenários ou em conluio com regimes deploráveis ​​(o famoso eixo Rabat-Abidjan-Pretória).

Essas operações faziam parte do quadro neocolonial conhecido como Françafrique, pois visavam proteger os interesses estratégicos (incluindo o prestígio) da França, muitas vezes contra projetos políticos que mereciam apoio e não oposição. Isso, de qualquer forma, construiu uma imagem de uma hiperpotência diabólica da França que alimenta dois instintos entre os africanos: ou uma espécie de submissão sem energia a que se pensa não poder resistir (que, consequentemente, alimenta o desprezo divertido e a condescendência colonial do lado francês), ou uma hostilidade odiosa que vai para o outro extremo.

Mas a política de grandeza da França, bem como o neocolonialismo ligado a ela, há muito deixaram de ser viáveis ​​- e a Operação Barkhane é o primeiro ato de sua morte, embora os africanos e, em todo caso, a opinião pública saheliana, absolutamente não percebam isso.

A política de grandeza da França na África obedeceu a dois imperativos aparentemente contraditórios: participar do esforço americano da Guerra Fria e da contenção do comunismo (o que ficou especialmente evidente durante os anos 1960-70), e garantir a autonomia da França vis-à-vis os Estados Unidos, por exemplo, controlando o voto africano francófono nas Nações Unidas e, de forma mais geral, preservando uma capacidade de ação independente da supervisão americana sobre "o mundo livre". Estes são os princípios do Gaullismo, que estão na origem da 5ª República.

Mas tudo isso entrou em crise nas décadas de 1980 e 1990. Durante a década de 1980, os problemas econômicos da França levaram-na gradualmente a reduzir o alcance da sua política externa e, em particular, sua política africana. Por exemplo, a cooperação bilateral, aliás conduzida sem entusiasmo precisamente onde a necessidade era maior - os países do Sahel, para os quais os franceses nutriram um profundo pessimismo econômico desde os tempos coloniais - deu lugar ao "multilateral", isto é, a supervisão das instituições financeiras internacionais quando a crise da dívida atingiu os países francófonos na década de 1980, a França se viu incapaz de fornecer a assistência esperada nos termos implícitos do pacto neocolonial.


No início dos anos 1990, o fim da Guerra Fria também pôs fim a uma das funções do poder francês na África, a de policial do mundo livre. Os Estados Unidos foram capazes de pressionar pela democratização e pela promoção dos direitos humanos, e a França teve que seguir o exemplo, como mostra o famoso discurso de La Baule. Mas na África francófona, como em outros lugares, a conjunção entre a democratização no nível político e o ajuste estrutural político no nível econômico foi explosiva para dizer o mínimo. Com efeito, isso significava que as demandas e pressões populares sobre o Estado se multiplicavam com o surgimento de uma sociedade civil multifacetada ao mesmo tempo em que o campo de ação do Estado se estreitava drasticamente. Economicamente, nem a França nem outros países ocidentais apoiaram a democratização, por exemplo, por meio de planos de investimento em desenvolvimento ou cancelamento da dívida.

Pelo contrário: a recessão devido à crise fiscal que levou a uma sobrevalorização do franco CFA, a França cedeu em 1993 à pressão do FMI para uma desvalorização draconiana da moeda CFA, apesar do impacto social e psicopolítico duma tal decisão. A desvalorização ocorreu em 1994, ano que acabou sendo o annus horribilis do poder francês na África. De fato, foi também durante este ano que Ruanda explodiu nas mãos de uma França que se fazia de aprendiz de feiticeiro com sentimentos de ódio sócio-étnico de extrema revolta. O relatório sobre a política de François Mitterrand encomendado por Macron fala sobre este tema de uma "derrota do pensamento" e de um "colapso intelectual", sublinhando até que ponto um Estado - ou em todo o caso o seu componente central, o Palácio do Eliseu - que acreditava ele sabia tão bem que o continente negro havia se desviado para o erro fatal e a falta trágica.

Essa derrota foi a da política neocolonial e, subjacente a ela, da política de grandeza. François Mitterrand foi um político que serviu como ministro numa época em que a França ainda tinha colônias na África, e sua intervenção em Ruanda, que começou como uma promoção da democracia - seguindo o slogan americano - adotou uma linha mais sombria depois que ele se convenceu de que as potências anglo-saxônicas estavam tentando infligir um golpe de Fashoda na França em Ruanda. Enquanto o fim da Guerra Fria havia tornado impertinente para o lado anticomunista da política neocolonial, Ruanda pôs fim ao outro lado, a defesa da autonomia face os americanos.


Depois de 1994, a política neocolonial na África não se justificava, exceto pelo fato de que o que foi posto em prática perdurará pelo simples fato do conatus (da vontade de perseverar no próprio ser) até que tenha sido deliberadamente desmontado.

Tal medida é possível, embora as estruturas da 5ª República, em particular a autonomia do Palácio do Eliseu no campo da política externa, pareçam opor-se a ela. Afinal, olhando mais de perto, essa autonomia eliseana é um costume e não uma regra constitucional. As intervenções francesas na África pós-1994 já não faziam parte de uma estratégia neocolonial coerente e estruturada. Elas vieram do conatus. Este foi particularmente o caso no Chade e especialmente na Costa do Marfim, em todas as ocasiões em que o peso dos atores africanos (Déby, Ouattara) prevaleceu, através de relações pessoais com os principais chefes decisores do aparelho governamental francês, dentro duma visão política ou meios de ação que a França não mais dispunha.

A Serval e Barkhane são diferentes. Estas duas operações escapam ao conatus neocolonial porque fazem parte das novas prioridades do Estado francês, a construção europeia (em particular o conceito de defesa europeia) e a luta contra o jihadismo que tem perpetrado numerosos assassinatos em massa em solo francês e europeu.

Ao contrário das intervenções neocoloniais, a Serval e Barkhane não foram projetados para derrotar um oponente da França, ou apoiar um amigo da França, ou mesmo preservar interesses estratégicos ameaçados por potências hostis (como China e Rússia). Trata-se de pôr fim a uma violenta militância salafista enquistada no Sahel-Sahara desde o fim da guerra civil argelina e que foi mobilizada a favor do colapso do regime de Kadafi no norte do Mali, ameaçando desestabilizar todo o território da África Ocidental a longo prazo.

Essas operações sublinham tanto os novos limites da atuação francesa na África - que agora precisa do apoio das potências anglo-saxônicas, outrora consideradas meio-rivais -, quanto as novidades características da época. Por exemplo, ao contrário do que aconteceu mais uma vez no caso das intervenções de estilo neocolonial, a França hoje precisa de Estados africanos fortes e exércitos africanos que não são assim, foi o que aconteceu principalmente no Sahel, com exércitos de opereta. Isso decorre de uma convergência de interesses sem precedentes, na frente de segurança, entre a Europa e o Sahel, e especialmente entre a França e suas ex-colônias.

Como resultado, a ascensão do sentimento anti-francês que se transforma em obsessão odiosa na região é uma daquelas tragédias de erros que resultam de uma história terrível e um passado ruim. Como, até 2013, a França nunca interveio militarmente em África, exceto numa perspectiva neocolonial, é lógico considerar que esta enésima intervenção está na mesma linha. Tanto mais que, ao evoluir para uma nova fase de suas relações com a África, a França ainda preserva alguns dos instintos desenvolvidos pelo gaulismo e sua política de grandeza.


Macron, que certa vez disse à revista Le Point que estava assumindo "a grandeza", mantém o estilo frágil e peremptório que deriva daquela era antiga - e que, além disso, os então chefes de Estado em exercício se abstiveram cuidadosamente de adotar. Seus apelos aos Estados do Sahel para fortalecer seus exércitos e controle territorial, embora estejam na direção certa do bom senso, são feitos em tom de dor de acusação e impaciência e criam um processo de empilhamento sobre todo o tempo desperdiçado pela cooperação multilateral em estados debilitantes (em nome dos princípios neoliberais) e reduzir suas capacidades de governo (substituídas por ONGs), um empreendimento que a França teve o cuidado de não denunciar quando atingiu o poder total na década de 1990. No entanto: enquanto os africanos sofreram com uma espécie de resignação impotente às intervenções neocoloniais francesas do passado, eles finalmente se levantam com a petulância de uma matilha no primeiro momento em que, finalmente, uma intervenção francesa é realmente do seu interesse.

Este ponto em particular refere-se, a meu ver, a um constante e crescente distanciamento cultural entre a França e a África francófona que me parece bastante positivo, bem como a uma espécie de fome nacionalista do lado africano que me parece ser o menos preocupante.

Da independência até o final da década de 1980, havia uma forte proximidade cultural entre a França e os francófonos da África, em parte graças à ação cultural do Estado francês, em parte pela simplicidade dos tempos, onde a França era de certa forma o canal obrigatório dos francófonos para uma cultura cosmopolita. Eu conheci bem esse período, cujo período final coincidiu com minha infância e adolescência. Como indicado anteriormente, o sentimento anti-francês já era muito forte naquela época entre aqueles que se definiam como intelectuais engajados, e lembro-me de ter ficado muitas vezes impressionado com seu caráter ideológico, o fato de parecer esgotado na declamação e lamento, sem preocupação realista - isto é, sem considerar a política neocolonial da França como um problema a ser resolvido em nível prático, não como uma espécie de batalha épica e interminável entre o bem e o mal.

Como resultado, fiquei tão desanimado com o neocolonialismo francês quanto com a galofobia de muitos de meus camaradas e seus tutores intelectuais, embora não soubesse exatamente na época por que isso me incomodava.

Não entendi então que ela era apenas um sintoma de outra coisa, e que essa outra coisa era, de fato, pouco simpática.

O mundo começou a mudar na década de 1990. Não só a ação cultural da França, como d'outros países ocidentais, começou a declinar no contexto de entrincheiramentos neoliberais, mas esse novo regime econômico empurrou para a globalização, que começou a oferecer alternativas francófonas à França para acessar uma cultura cosmopolita - e primeiro os Estados Unidos e o Canadá, antes de buscar por outros horizontes. A filha de um amigo meu sonha apenas com Dubai; uma jovem de sua idade em 1995 sonhava com Nova York; em 1980, com Paris.


Os francófonos de 1980, mesmo anti-franceses, entendiam subjetivamente o que estava acontecendo na França; este não é o caso dos de 2021. Por si só, uma certa distância cultural entre a França e os francófonos, ou melhor, uma ausência de intimidade cultural entre os dois é bastante saudável do meu ponto de vista. Tendo em vista as relações de poder de estilo neocolonial que existiam entre a França e seu antigo império africano, havia algo de incestuoso nessa intimidade cultural - embora, de minha parte, eu apreciasse um certo aspecto da influência cultural francesa, seu conteúdo liberal, a substância racionalista, cética e humanista de sua mensagem geral que tinha, pelo menos para mim, cores muito atraentes contrastando com o tufo conservador e retrógrado das culturas africanas circundantes.

Mas precisamente, finalmente me ocorreu que o sentimento anti-francês não se limitava ao anti-neocolonialismo. Também tem a ver com nacionalismo ou, como dizem ultimamente, identidade nacional, algo que costumo ver tão facilmente capaz de cair em formas tóxicas de estupidez, como vemos em outros lugares da extrema-direita francesa. Isso é difícil de ver à primeira vista. O anti-colonialismo é, em princípio, uma coisa boa, e há uma tendência a aprovar qualquer coisa que o alimente - e, além disso, o nacionalismo dos fracos não parece muito perigoso, pelo menos do lado de fora.

Além de alguns franceses afro-amantes (afrófilos), não acho que os franceses estejam tão chocados com as manifestações de ódio e ressentimento que os atingem no Sahel. A maioria a vê de longe ou a aceita como um efeito normal do ressentimento do colonizado. Mas você não pode aceitar o mesmo se for um africano não-nacionalista, como eu. O nacionalismo é um moralismo humanamente perverso que tem, como disse certa vez André Gide, "ódio amplo e amor estreito". Ele surge como um bem absoluto e, portanto, precisa de um mal absoluto para se definir adequadamente. Para Zemmour, o Islã é esse mal absoluto que permite que a França se defina; para os anti-franceses - que parecem ser a maioria no Sahel de hoje - é a França. Uma das primeiras consequências de tal moralismo unificador é a total e definitiva impossibilidade de deliberar e discutir racionalmente, com base factual e pesando os prós e os contras.

Recentemente dei uma aula em Niamey, para a qual criei um exercício de debate. Dividi a turma em vários grupos e fiz uma lista das causas que são comumente atribuídas aos conflitos no Sahel, incluindo a ideia hoje tão difundida na opinião pública saheliana de que agiria fora de um esquema francês. Cada grupo teve que se reunir por cerca de vinte minutos, desenvolver um argumento e apresentá-lo à classe respondendo às críticas e perguntas de seus colegas. Expliquei enfaticamente aos alunos que eles deveriam evitar respostas consensuais e que o grupo que mais me surpreendesse com um argumento bem elaborado ganharia um bônus. Foi para incentivá-los a "pensar fora da caixa", como se diz em inglês. Este foi geralmente um esforço desperdiçado, mas acima de tudo para o grupo que teve que lidar com a "causa" da maquinação francesa. Seguindo a retórica anti-francesa mais aceita, esse grupo argumentou que a guerra do Sahel havia sido conscientemente provocada pela França para explorar "nossos imensos recursos naturais". Isso não me surpreendeu, é claro, mas o que realmente me surpreendeu foi que os outros alunos criticaram esse grupo não por ter dito todas as coisas ruins que pensavam sobre a França, mas por não terem acusado o suficiente!

Vi que estava na presença de um dogma, isto é, do não-pensamento que se apresenta sob a forma de um pensamento, uma espécie de castração do reflexo. Fiquei triste com isso pela França, mas especialmente por nós - porque essas pessoas, e todos aqueles que nutrem sua inclinação dogmática, deveriam ser as elites do Sahel, e essas são elites que, obviamente, em uma questão de urgência vital para o seu povo, não pensam. De alguma forma, a culpa é da França: ela é o diabo que corresponde a todos os nossos problemas e, portanto, dispensa pensar e deliberar.

Outro exemplo: há pouco mais de um ano, eu estava em Ouagadougou com uma professora de direito que eu estava pensando em convidar para uma conferência. Ela me perguntou o que estava acontecendo no Níger. Na época, havia uma espécie de pequeno movimento insurrecional na região de Diffa que denunciou a ditadura do PNDS e atacou especificamente Bazoum Mohamed, então um dos analistas do PNDS, mas sobretudo originário da área. Tentei explicar do que se tratava, mas ela me cortou: “Isso é organizado pela França!" Um pouco pasmo, eu disse a ela, que não, que a França era muito alinhada do regime do PNDS e não tinha motivos para desestabilizá-lo, que na minha opinião tinha a ver com o fato de Bazoum, que era particularmente visado... Ela não me deixou desenrolar minha explicação chata, muito menos excitante para ela do que o diabolismo francês. Eu não podia acreditar: esta senhora não era nigerina, não tinha ouvido falar deste evento antes de eu a informar, mas ela estava convencida, cinco minutos depois de ouvi-lo, que ela o entendia melhor do que eu. A crença é mais forte que o conhecimento.

Lembro-me que o que me frustrou, nos anos da minha primeira justa com os anti-franceses, há muito tempo, era que eu queria discutir com eles soluções práticas para se opor ao neocolonialismo, e eles queriam partir numa cruzada. Insisti prosaicamente nas realidades, e na importância de conhecer as realidades, incluindo as causas endógenas das nossas fraquezas e incapacidades, por exemplo a corrupção, a falta de sentido e preocupação com o Estado, a ausência de visão estratégica, obsessões étnicas onde obsessões são necessárias. Mas a resposta, sempre, era que enquanto a França não fosse derrotada, não se poderia lidar com essas questões - o que eu perguntei, questão de realidade, como se pretendia derrotar a França com todo o seu poder e todas as nossas fraquezas que, ao que parece, não eram prioridade. Nunca houve uma resposta para isso.

(Claro que essas questões são abordadas de forma preocupada e responsável por muitos intelectuais do Sahel, mas nunca realmente de forma a ter o impacto no público que a linha de opinião aqui discutida tem. Não há, na região, intelectuais públicos ou de uma arena pública específica onde esses pontos de vista podem ter um significado quase compensatório).

Ainda hoje, a mesma história. Dada a onda de sentimento anti-francês que agora atinge um vigor popular que não teve, ou que teve antes, todos aqueles que querem existir na praça pública e não querem se envolver com os rigores do pensamento, prova e contraditório, junte-se ao movimento e una-se com unanimidade. Eles uivam com os lobos. O populista não é aquele que lidera o povo, mas aquele que o segue para melhor explorá-lo - e as consequências!


Os Estados do Sahel, que já são instáveis como​​ padrão, estão em processo de desestabilização diante do desafio de massacres e destruição (principalmente de escolas) pelos jihadistas. Em tal situação, aqueles que rejeitam o caminho seguido pelo poder, por exemplo a aliança com a França, não devem se contentar em denunciar esse caminho e exigir a renúncia dos que estão no poder: Eles têm que explicar o que fariam uma vez no comando, que caminho pretendem seguir e como pretendem resolver o problema quando a França for expulsa de campo. Mas a partir disso, nada é ouvido.

As bombásticas conferências urbi et orbi proferidas urbi et orbi por políticos da oposição, "ulemás", acadêmicos até então escondidos em suas torres de marfim, e zelosamente transmitidas pelo WhatsApp, todas e sempre se relacionam com a eterna maldade da França, nunca em soluções práticas ou apresentações estratégicas. E por um bom motivo. Nenhum desses declamadores estudou a situação, perguntou a quem o fez ou quis saber mais. É verdade que certas realidades acabam por prevalecer. Em Burkina, onde a população está delirando com sua galofobia galopante, vozes devem ter se levantado contra a verdadeira razão das decepções do país que não é a França, mas o abandono do exército pelo poder do Estado - já no tempo de Blaise Compaoré, centrado nos generais leais e no Regimento de Segurança Presidencial (Régiment de la Sécurité Présidentielle)e agora no tempo de Roch Marc Christian Kaboré, muito assustado com os riscos dum putsch para reformar vigorosamente a máquina militar, como Macron havia dito em uma conversa "on record" com Antoine Glaser e Pascal Airault.

Falei de nacionalismo - mas trata-se dum nacionalismo negativo, nacionalismo puramente de oposição e simbólico. A oposição à França, símbolo da opressão colonial, presta-se perfeitamente ao que é; em última análise não mais que uma petição de princípios, sem consequências práticas – embora a arma do ódio assim empregada possa sempre levar a consequências violentas. É esta arma que, no Níger, levou aos ataques de igrejas, com mortes, na sequência dos motins anti-Charlie (que foram também motins anti-franceses) de Niamey e Zinder. E ouvimos os declamadores burquinenses alegando ataques de dacarianos contra "interesses franceses", neste caso algumas lojas Auchan e Carrefour, como meio de sua "libertação". Dada a demonização dos cristãos e dos franceses que levaram a esses atos de violência, não posso deixar de pensar no anti-semitismo, na visão dos judeus que os anti-semitas têm como fonte de todas as misérias do mundo, na crença de que eles controlariam tudo e seu oposto em nome de interesses enormes e ocultos, e aos ataques às lojas judaicas e aos pogroms que resultaram.

É claro que os franceses, ao contrário dos judeus, podem se defender - mas isso não impede que, nesta questão específica (mas que não é a única), os sahelianos estejam flertando com uma catástrofe moral.

Como a França em Ruanda no passado, os sahelianos estão experimentando uma derrota do pensamento e um colapso intelectual.

domingo, 9 de janeiro de 2022

A operação de manutenção da paz do CSTO no Cazaquistão: uma visão geral

Tropas russas enviadas para Almaty.
(Fonte: Ministério da Defesa russo)

Por Oleg Shakirov, European security, digital diplomacy, 8 de janeiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 8 de janeiro de 2022.

Em 6 de janeiro de 2022, a Organização do Tratado de Segurança Coletiva lançou sua primeira operação de manutenção da paz a pedido do Presidente do Cazaquistão Kassym-Jomart Tokayev. Devido à natureza sem precedentes desse desdobramento, às incertezas sobre a situação de rápido desenvolvimento no Cazaquistão e ao contexto geopolítico mais amplo, há muitas especulações sobre o que está acontecendo. Nesta visão geral, quero apresentar evidências conhecidas sobre a operação da CSTO na esperança de que ajude a entendê-la melhor.

Organização do Tratado de Segurança Coletiva

O Tratado de Segurança Coletiva foi assinado em Tashkent em 15 de maio de 1992, poucos meses após a dissolução da União Soviética. Seus participantes originalmente incluíam Armênia, Cazaquistão, Quirguistão, Rússia, Tadjiquistão e Uzbequistão; no ano seguinte, juntaram-se o Azerbaijão, Geórgia e Bielo-Rússia.

Em 1999, quando o Tratado precisou ser prolongado, surgiram os membros básicos de seis países: Armênia, Bielo-Rússia, Cazaquistão, Quirguistão, Rússia, Tajiquistão e Bielo-Rússia (o Uzbequistão voltou a aderir de 2006 a 2012). Em 2002, eles criaram a Organização do Tratado de Segurança Coletiva.

Os membros da CSTO cooperam nas dimensões política, militar e parlamentar. Uma de suas prioridades tem sido o combate às ameaças transnacionais, como a migração ilegal, o tráfico de drogas e o terrorismo, com exercícios regulares nessas áreas.

Sua estrutura militar conjunta é dividida em três regiões: Europa Oriental, Cáucaso, Ásia Central. A CSTO mantém as Forças Coletivas de Desdobramento Rápido da Região da Ásia Central (desde 2001), Força de Paz Coletiva (desde 2007), Forças de Reação Rápida Coletiva (desde 2009), Força Aérea Coletiva (desde 2014).

O Acordo sobre as atividades de manutenção da paz da CSTO foi assinado em 2007 e estabeleceu a estrutura legal para as operações de manutenção da paz dentro da CSTO ou em outro lugar (desde que haja um mandato do Conselho de Segurança da ONU). Recentemente, a CSTO estava planejando integrar sua capacidade de manutenção da paz na estrutura da ONU e se envolver em missões da ONU.

Além dos exercícios, a CSTO nunca usou suas forças de manutenção da paz ou outras forças num cenário da vida real. Em 2010, o Quirguistão solicitou a assistência da CSTO durante confrontos étnicos, mas outros participantes decidiram não se envolver. Mais recentemente, a CSTO foi testada por várias crises em sua área de responsabilidade, desde a guerra do Nagorno-Karabakh e confrontos subsequentes entre a Armênia e o Azerbaijão (em 2021, a Armênia solicitou oficialmente consultas conjuntas nos termos do Artigo 2 do Tratado de Segurança Coletiva devido às incursões das tropas do Azerbaijão); confrontos entre o Quirguistão e Tadjiquistão sobre disputas de fronteira; situação na Bielo-Rússia. Embora as autoridades da CSTO não tenham ficado em silêncio nesses e em outros casos, a organização e a Rússia em particular, seu membro mais poderoso, preferiram não interferir militarmente.

A operação de manutenção da paz no Cazaquistão é, portanto, o primeiro exemplo em que a CSTO desdobra sua força coletiva para ajudar a resolver uma crise real.

Solicitação de assistência e tomada de decisão da CSTO

Na noite de 5 de janeiro, em meio aos protestos que se tornaram violentos em Almaty, Tokayev disse publicamente que solicitou a assistência dos líderes da CSTO “para superar essa ameaça terrorista”. Ele se referiu aos eventos da seguinte forma: “isso está minando a integridade do Estado e o mais importante - este é um ataque aos nossos cidadãos, que me pedem como chefe de Estado para ajudá-los imediatamente”. (No início do mesmo dia, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que o Cazaquistão não havia solicitado ajuda da Rússia.)

Logo depois disso, Nikol Pashinyan, primeiro-ministro da Armênia e presidente do Conselho de Segurança Coletiva de 2022 (órgão supremo da CSTO composto por chefes de Estado ou de governo), postou no Facebook que acabara de falar com Tokayev por telefone e em resposta a seu pedido para obter assistência estava começando uma consulta imediata dentro do Conselho de Segurança Coletiva.

Duas horas depois, por volta da meia-noite (horário de Moscou), Pashinyan anunciou no Facebook que o Conselho de Segurança Coletiva decidiu enviar a Força Coletiva de Paz ao Cazaquistão por um período de tempo limitado. A mesma declaração foi publicada posteriormente pelo Kremlin e pela CSTO. Aqui está a tradução oficial para o português da declaração da CSTO:

Em conexão com o apelo do Presidente da República do Cazaquistão Kassym-Jomart Tokayev e em vista da ameaça à segurança nacional e à soberania da República do Cazaquistão causada, entre outras coisas, por agressão externa, o Conselho de Segurança Coletiva da CSTO de acordo com o Artigo 4 do Tratado de Segurança Coletiva, decidiu enviar as Forças Coletivas de Paz da CSTO à República do Cazaquistão por um período limitado de tempo a fim de estabilizar e normalizar a situação naquele país.

Nikol Pashinyan
Presidente do Conselho de Segurança Coletiva da CSTO,
Primeiro Ministro da República da Armênia

Alguns pontos devem ser destacados:
  • A CSTO não interpretou a situação como contraterrorismo. Embora Tokayev tenha enquadrado a situação em termos de combate ao terrorismo, a declaração da CSTO claramente evita qualquer menção ao terrorismo. Além disso, os líderes da CSTO decidiram desdobrar uma força de manutenção da paz em vez de outros tipos de força coletiva que a organização afirma que mencionam especificamente o terrorismo (ver as Forças de Reação Rápida Coletiva e as Forças Coletivas de Desdobramento Rápido da Região da Ásia Central).
  • A declaração de Pashinyan enfatizou a "agressão externa" entre as coisas que ameaçaram a segurança nacional e a soberania do Cazaquistão. Embora não esteja claro o que isso implica, as autoridades do Cazaquistão e da Rússia fizeram alegações não especificadas sobre o envolvimento estrangeiro na crise atual. Esta ênfase também pode ter sido feita para justificar a invocação do Artigo 4 (disposição de defesa coletiva da CSTO). No entanto, uma leitura atenta do artigo 4 mostra que ele é realmente ambíguo quanto à fonte da agressão, ou seja, não importa se é de fora ou de dentro.
  • O desdobramento da manutenção da paz seria “por um período limitado de tempo”, aparentemente até que a situação no Cazaquistão fosse normalizada.
O secretário-geral da CSTO notificou a OSCE, a organização de cooperação de Xangai e a ONU sobre o envio de forças de manutenção da paz.

Tomada de Decisão Nacional

Todos os membros da CSTO (exceto o Cazaquistão) decidiram contribuir para a força de manutenção da paz. Por se tratar da primeira operação da CSTO desse tipo, vale a pena observar como cada membro procedeu com sua participação.
  • Na Rússia, a decisão de participar da operação de manutenção da paz da CSTO foi aparentemente tomada pela alta liderança sem a participação do parlamento. De acordo com a Constituição, o Conselho da Federação (câmara superior) deve dar consentimento ao pedido do presidente para usar as forças armadas fora da Rússia - por exemplo, este procedimento foi seguido em 2015 no que diz respeito à Síria e em 2014 à Ucrânia. Mas o envolvimento do Conselho da Federação nem sempre é necessário e o Presidente tem ampla autoridade para decidir sobre o uso da força por si mesmo. De acordo com a resolução de 2009 da câmara superior, o presidente pode tomar tais decisões em quatro tipos de situações, incluindo "para repelir ou prevenir um ataque armado a outro Estado, que fez um pedido relevante à Federação Russa." Esta condição aparentemente se aplica ao caso do Cazaquistão. O Ministério das Relações Exteriores divulgou uma declaração sobre a decisão da CSTO explicando que a Rússia “apoiou a adoção de medidas urgentes em meio à rápida deterioração da situação política interna e ao aumento da violência no Cazaquistão. Vemos os desenvolvimentos recentes neste país amigo como tentativas provocadas externamente de perturbar a segurança e integridade do Estado por meios violentos, incluindo grupos armados treinados e organizados.”
  • Na Bielo-Rússia, a decisão de participar na operação de manutenção da paz também não envolveu o parlamento. O Ministro da Defesa divulgou um comunicado oficial dizendo: “Decidi, e foi aprovado pelo Presidente da República da Bielo-Rússia, enviar uma companhia de manutenção da paz especializada da 103ª Brigada Aerotransportada das Forças de Operações Especiais de Vitebsk para esses fins [participar da operação da CSTO].”
  • Na Armênia, a contribuição exigiu uma decisão do governo adotada em 6 de janeiro.
  • A operação da CSTO foi mais polêmica no Quirguistão, onde alguns manifestantes em frente ao prédio do Parlamento exigiram que o país evitasse o envio de tropas ao vizinho Cazaquistão. O Governo até fez uma declaração especial explicando a necessidade de participar na operação: “O Gabinete de Ministros apela ao povo do Quirguistão e a todas as forças sociopolíticas do país para tomarem esta decisão com total compreensão e responsabilidade. Como vizinho próximo e aliado estratégico da República do Cazaquistão, a República do Quirguistão não tem o direito de rejeitar o pedido de assistência de suas autoridades legítimas e cumprirá suas obrigações na medida necessária dentro da CSTO.” Em 6 de janeiro, não havia quorum no Parlamento para considerar a questão. Mas, em última análise, em 7 de janeiro, o Parlamento deu permissão para participar da operação da CSTO, com 69 dos 120 membros votando a favor. O vice-chefe do Gabinete argumentou em sua declaração perante os parlamentares que as tropas quirguizes não iriam dispersar os comícios, mas protegeriam instalações governamentais estratégicas.
  • Também na sexta-feira, foi relatado que o Parlamento do Tadjiquistão realizou uma reunião conjunta das câmaras inferior e superior e aprovou o envio de tropas para o Cazaquistão.

Mandato

De acordo com o Secretário-Geral da CSTO, as forças de paz têm duas tarefas principais: “A primeira é a proteção das instalações estratégicas e estatais mais importantes. E a segunda tarefa é ajudar a manter a lei e a ordem, para que as pessoas se sintam seguras”.

Da mesma forma, o Ministério da Defesa russo em seus comunicados à imprensa afirma que as principais missões da Força Coletiva de Manutenção da Paz são "proteger importantes instalações estatais e militares, ajudar as forças de aplicação da lei da República do Cazaquistão a estabilizar a situação e trazê-la de volta para o campo jurídico.”

As primeiras tarefas foram enfatizadas como as principais por vários altos funcionários, ver, por exemplo, a declaração já mencionada do Vice-Chefe do Gabinete do Quirguistão. Em um relatório do Canal Um da Rússia, a proteção de instalações estratégicas é considerada a principal tarefa das forças de paz. Foi noticiado em 7 de janeiro que as tropas da CSTO assumiram o controle do aeroporto de Almaty.

É a última tarefa, a assistência na manutenção da lei e da ordem, que levanta mais questões. A possibilidade de tropas estrangeiras participarem de protestos reprimidos ou se engajarem em combates gerou controvérsias no Cazaquistão e em outros estados da CSTO. Tanto o Cazaquistão quanto outras autoridades trataram explicitamente dessas preocupações. O secretário-geral da CSTO, Stanislav Zas, disse que as tropas da CSTO não se envolverão na dispersão de comícios. Em 7 de janeiro, o Ministério da Defesa russo disse à mídia:

“Conforme acordado com o lado do Cazaquistão, os militares da Força Coletiva de Manutenção da Paz da CSTO não estão envolvidos em atividades operacionais e de combate das agências locais de aplicação da lei e unidades do exército para estabelecer a lei e a ordem no país.”

Um representante da administração Tokayev afirmou de forma semelhante:

“Os soldados da CSTO não participam de operações de combate e não se envolvem na eliminação de militantes.”

No que diz respeito à duração da operação da CSTO, aparentemente não há limite definido no momento. De acordo com Stanislav Zas, a duração do "período limitado" (por decisão do Conselho de Segurança Coletiva) "dependerá da situação que se desenvolverá no Cazaquistão e, é claro, da posição da liderança do Cazaquistão" e pode demorar alguns dias ou algumas semanas.

Contribuições de tropas


O número total da Força Coletiva de Manutenção da Paz da CSTO é de 3.600 soldados. De acordo com o Secretário-Geral da CSTO, Stanislav Zas, o desdobramento esperado seria de cerca de 2.500 soldados. A partir de 8 de janeiro, as contribuições de tropa são as seguintes:
  • De acordo com o Ministério da Defesa russo, as forças de paz russas incluem "unidades da 45ª Brigada Separada de Forças Especiais das Forças Aerotransportadas, 98ª Divisão Aerotransportada das Forças Aerotransportadas e 31ª Brigada Separada das Forças Aerotransportadas". O número exato de tropas não foi especificado até agora. O Ministério da Defesa criou o grupo de 70 aeronaves Il-76 e 5 An-124 para transportar tropas e equipamentos russos e auxiliar no transporte de outras tropas da CSTO para Almaty. O comandante das Forças Aerotransportadas, o Coronel-General Andrey Serdyukov foi nomeado chefe da operação de manutenção da paz (sua biografia oficial está disponível no site do Ministério da Defesa e seu perfil foi criado pelo Kommersant).
  • A Bielo-Rússia desdobrou uma companhia de manutenção da paz especializada da 103ª Brigada Aerotransportada das Forças de Operações Especiais de Vitebsk (100 militares com 200 na reserva), que foram transportados em 8 de janeiro por aviões russos.
  • A Armênia desdobrou mais de 100 soldados, transportados pela Rússia em 8 de janeiro.
  • O Quirguistão contribuiu com 150 soldados.
  • O Tadjiquistão enviará cerca de 200 soldados.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2022

ANÁLISE: Operação russa do CSTO no Cazaquistão


Por Maxim A. Suchkov, especialista de segurança internacional, 6 de janeiro de 2022.

Tradução  Filipe do A. Monteiro, 6 de janeiro de 2022.

A política da Eurásia pode ser interessante:

Nos últimos 3 dias, o país que parecia o mais forte da Ásia Central quase se transformou em um estado falido. Putin enviou tropas para apoiar o governante que endossou a política externa "multivetorial" e a decisão teve de ser pronunciada pelo primeiro-ministro armênio, que chegou ao poder por meio de protestos e se recusou a recorrer ao CSTO no momento em que seu exército estava perdendo para o Azerbaijão.

CSTO: Organização do Tratado de Segurança Coletiva / Collective Security Treaty Organization / Организация Договора о коллективной безопасности / Organizatsiya Dogovora o kollektivnoy bezopasnosti.


A Força de Paz Coletiva consiste em tropas da Rússia, Bielo-Rússia, Armênia, Tadjiquistão e Quirguistão.

A fronteira entre a Rússia e o Cazaquistão tem 7599km de comprimento. A crise se desenrolou rapidamente. Não importa quem está por trás dos protestos, a Rússia não permitiria que o Cazaquistão se transformasse em uma zona cinzenta de instabilidade. Mesmo que não tenha sido uma “revolução colorida”, como alguns especulam, há motivos para a Rússia se preocupar.

Os protestos pareciam coordenados, bem organizados. Para mim, como não-especialista em Cazaquistão, isso parece uma combinação de fatores - confronto intra-elites + algum envolvimento estrangeiro. Se você acredita que é puramente local, dê uma olhada de onde os protestos foram coordenados, quem são os “líderes da oposição”, etc.

Comentário lateral - interessante a entrevista de hoje de Mikheil Saakashvili, onde ele fala sobre como ele se encontrou com a oposição cazaque na Ucrânia e deu as boas-vindas à "luta deles". Isso, é claro, de forma alguma deve degenerar as queixas genuínas das pessoas que tomaram as ruas no Cazaquistão em protesto genuíno. Estou apenas dizendo que, como em qualquer protesto impaciente do tamanho, as queixas genuínas foram vítimas de manipulações e provocações políticas.


A Rússia foi confrontada com uma crise repentina que agora busca transformar em uma oportunidade. Que o CSTO foi invocado é interessante e, na minha opinião, é uma boa jogada.

A) É considerado um esforço coletivo da Eurásia, não um capricho russo.
 
B) Dá mais legitimidade às ações para estabilizar o Cazaquistão.

C) reforça a posição da Rússia no Cazaquistão e na Eurásia, demonstra mais uma vez que não há outro estado na Eurásia além da Rússia para cuidar da segurança de seus vizinhos em caso de extrema necessidade.

MAS também existem algumas armadilhas potenciais no caminho:

A) O esforço da Rússia pode ser visto (já é por alguns) como “intervenção”;

B) A população russa no Cazaquistão tornando-se alvo de uma multidão enfurecida que lançaria sua raiva contra a Rússia sobre essas pessoas;

C) A Rússia se envolvendo na política do Cazaquistão ao lado de Tokayev (“salvando outro ditador” etc).

As lições da Síria devem ajudar aqui:
  • Moscou precisa ter cuidado com o nível de suporte para que Tokayev não comece a abanar o rabo como Assad costuma fazer;
  • Seu envolvimento deve ser limitado em tempo e tamanho e restrito à manutenção da paz, não ao combate de bandidos armados.
No geral, esta é uma missão difícil que, se realizada com sucesso, elevaria a Rússia na política eurasiana. Mas veremos o que acontece a seguir.

Toda a propaganda sobre os russos indo “reprimir protestos pacíficos e matar cazaques”, comparações tolas com a Hungria e a Tchecoslováquia é o que realmente é - propaganda. “Cui Prodest?”, Como dizem mais um bando de idiotas úteis inclusive na Rússia. Já vi esse filme antes sobre a Síria.

A reação ocidental ao CSTO é previsivelmente negativa em parte porque algumas pessoas não conseguem colocar suas próprias prioridades de segurança em uma ordem adequada em meio à mudança da realidade internacional. Para eles, a Rússia é uma ameaça maior do que as zonas cinzentas sem governo.

Tropas são vistas na praça principal, onde centenas de pessoas protestavam contra o governo, após a decisão das autoridades de elevar os limites de preço do gás liquefeito de petróleo, em Almaty, Cazaquistão, em 6 de janeiro de 2022.

Isso é uma imagem espelhada de alguns estados de espírito na Rússia que, por exemplo, veem os EUA como uma ameaça maior do que o Afeganistão controlado pelo Talibã, ficam felizes em ver os EUA deixarem o Afeganistão apenas porque são os EUA, mas o que acontece no dia 2 é outro assunto. Não compartilho dessa abordagem - nem em relação à Rússia, nem aos EUA.

“A Eurásia não é uma prioridade para os EUA” - todo especialista em DC diria: “A China é”. Assim, não querendo desperdiçar recursos para controlar vastas terras que poderiam ser facilmente desestabilizadas, o chefe da CIA viaja a Moscou para falar sobre o uso conjunto de bases militares para manter o Talibã sob controle.

TODAVIA, quando a Rússia opta por agir como um glutão para punir e ajudar a colocar as coisas em ordem, se encarregar da segurança de seus principais vizinhos, o pessoal faz barulho sobre as ambições imperiais russas, ocupação, etc. Como exatamente o desdobramento do CSTO no Cazaquistão ameaça os interesses ocidentais?

A multidão decapita policiais no Cazaquistão, mas alguns falantes, a mídia convencional e os políticos ocidentais continuam falando de "manifestantes pacíficos" e pedem que a Rússia fique longe e, quando isso não acontecer, eles voltarão ao velho jogo da "ameaça russa". Está bem então.


É difícil se livrar dos estereótipos geopolíticos/históricos, mas precisava ter o foco certo nas prioridades. Há crises em que a Rússia pode ser instrumental e útil - o Cazaquistão é uma delas. Fracassos potenciais irão assombrar a Rússia, mas isso não é uma preocupação do Ocidente.

Se isso não for convincente o suficiente, converse com os CEOs das principais empresas ocidentais que operam no Cazaquistão - eles diriam o quanto gostariam do Cazaquistão ser um estado estável e em desenvolvimento, em vez de um Boratistão.

P.S.: Espero que a crise no Cazaquistão seja administrado sabiamente por todos os lados.

Maxim Suchkov
Ph.D. em Ciência Política
Instituto de Estudos Internacionais - Diretor
Centro de Estudos Americanos Avançados - Diretor
Escola de Governo e Assuntos Internacionais - Membro do Corpo Docente
Departamento de Análise Aplicada Internacional - Professor Associado

O Dr. Suchkov possui várias afiliações de especialistas não residentes na Rússia e no exterior: ele é um especialista do Conselho de Assuntos Internacionais da Rússia (RIAC) e do Valdai Discussion Club, um pesquisador associado do Instituto Italiano de Estudos Políticos Internacionais (ISPI) e um acadêmico não residente no Middle East Institute (MEI), com sede em Washington.

Graduado pela Universidade Pública de Pyatigorsk, no passado foi Fulbright Visiting Fellow na Georgetown University (2010-2011), Visiting Fellow na New York University (2015) e professor adjunto na IE University na Espanha (2020). Ele também foi o editor da cobertura da Al-Monitor na Rússia-Oriente Médio (2016-2020). O Dr. Suchkov é membro de dois grupos de trabalho nas relações EUA-Rússia.

Seus interesses de pesquisa incluem segurança e política externa, conflitos futuros, relações EUA-Rússia, desenvolvimentos no Oriente Médio, bem como o impacto da tecnologia nas relações internacionais. O Dr. Suchkov é um colaborador e colunista frequente da mídia russa e internacional. Seus comentários e análises apareceram, entre outros, no Washington Post, no Wall Street Journal, no Guardian, na Associated Press e no American Interest.

quinta-feira, 11 de novembro de 2021

COMENTÁRIO: A maldição do indicador verde

Último soldado americano a deixar o Afeganistão.

Pelo Coronel Michel GoyaLa Voie de l'Épée,, 23 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 7 de novembro de 2021.

Como quase todo mundo, fiquei surpreso com o súbito colapso do castelo de cartas montado pacientemente e caro durante anos pela coalizão liderada pelos americanos no Afeganistão. Não deveria, pois a distância entre a pintura que é feita de uma situação estratégica e a realidade é muitas vezes muito grande. Isso não é necessariamente uma mentira deliberada, mas sim um processo coletivo mais ou menos consciente de produzir uma visão tão simplificada e otimista das coisas que acaba se encaixando na realidade apenas por acaso. Porém, o acaso, aqui sinônimo daquilo que realmente não entendemos, sempre acaba se revertendo.

Muitas crises estratégicas modernas realmente se parecem com a crise das hipotecas subprime de 2007. As pessoas vendem produtos financeiros que ninguém entende, incluindo vendedores, mas que são rotulados como confiáveis ​​por instituições que têm interesse em minimizar o risco. Outras pessoas os compram não entendendo nada, mas confiando nas métricas de confiabilidade mais do que ganham dinheiro. A compra em massa dá aos vendedores a confiança de que devem continuar. Todos estão felizes, pois todos são aparentemente vencedores até que o rei se descobre nu. Isso também é chamado de “momento de Minsky”. O otimismo então dá lugar à depressão brutal. Algumas ilustrações nos últimos vinte anos.

Green Lantern

Estamos em março de 2004 no Iraque, o General Swannack comandando a 82ª Divisão Aerotransportada americana torna público seu relatório de fim de missão na província iraquiana de Anbar. Lendo o resumo para o leitor com pressa, entendemos que ele está muito feliz consigo mesmo. Lendo o resto, percebemos que se trata principalmente de um balanço contábil, com inputs (entradas) de um lado: número de patrulhas, soldados e policiais iraquianos treinados, dinheiro gasto em ações com a população, etc., e os outputs (saídas) do outro que atuam como resultados: número de inimigos neutralizados, número de ataques contra tropas americanas e perdas americanas. Para torná-lo mais sexy, há algumas fotos de ataques de helicópteros e cartas de baralho retratando dignitários do regime de Saddam Hussein que foram eliminados.

O que emerge de tudo isso é a ideia de que podemos esperar com confiança o que acontecerá a seguir. Os sucessores deste primeiro contingente americano terão apenas que administrar a transição política da autoridade provisória da Coalizão com um novo governo iraquiano e militares com as novas forças de segurança locais. Isso não vai acontecer de jeito nenhum.

Pequeno passo para trás. Primeiro, por que apresentar relatórios militares com indicadores quantificados? Tudo depende de como se combate.

Na conquista ou nas operações sequenciais, basta olhar para o movimento das bandeiras em um mapa para entender quem está no sentido da história. Este é mais freqüentemente o caso em combates terrestres entre exércitos estatais espalhados ao longo de uma linha de frente. O movimento da linha então dá a tendência. Mas pode ser o caso contra uma organização armada, como durante a operação militar Serval no Mali no início de 2013. Os objetivos são então pontos geográficos, cidades a serem libertadas e bases a serem destruídas, e quando todas forem alcançadas a campanha está acabada.

Em operações de pressão, ou cumulativas, desta vez trata-se de multiplicar pequenas ações para que surja repentinamente um efeito estratégico, geralmente uma submissão. Pode ser o caso em conflitos entre Estados, como o bombardeio da Sérvia em 1999, mas é especialmente o caso em conflitos contra adversários irregulares escondidos no ambiente local e lutando de forma fragmentada, que também chamamos de “guerrilha" e “contra-guerrilha”. Essa é toda a diferença entre Serval e Operação Barkhane. É muito mais difícil, neste contexto, ver quem está no sentido de história. Você pode multiplicar os acertos, ataques, incursões, eliminações, distribuições de dinheiro, sessões de treinamento, etc., e não ver nada de retorno. Colocamos os inputs em uma caixa, geralmente preta porque as coisas são complicadas por dentro, e esperamos.


O problema é que não são apenas os militares que estão esperando. Existem também políticos nacionais que são responsáveis, especialmente quando as eleições se aproximam, mas também Aliados locais ou apenas muitas pessoas assistindo à TV, à Internet ou lendo jornais. Uma das dificuldades das operações militares modernas é, portanto, que é necessário obter efeitos em diversos públicos diferentes e às vezes contraditórios. Diante do público "inimigo", é preciso correr riscos para ter efeitos significativos sobre ele, mas ao mesmo tempo o público "político" não gosta muito de riscos, porque está convencido de que o público "de opinião" é muito sensível a perdas.

Em suma, depois de um tempo, quando nada de decisivo sai da caixa preta, acabamos procurando pistas de que estamos indo na direção certa e pistas que também possamos mostrar para públicos prioritários. Sem uma bandeira para se mover em um mapa, há uma forte tentação de confiar em indicadores numéricos para determinar se você está progredindo para a vitória. Você ainda precisa escolher os corretos. Os indicadores escolhidos em 2003 pelos americanos no Iraque foram as 55 cartas dos dignitários do regime baathista ainda em liberdade e algumas figuras-chave muito centradas nos americanos, como a quantidade de dinheiro americano gasto ou o número de ataques contra americanos e as perdas americanas. Formamos assim um discurso sobre a evolução da guerra dirigido sobretudo aos americanos: a própria instituição militar, a opinião pública e os parlamentares que votam as verbas, ou seja, todos os que julgam, concedem promoções e recursos.

Ponto especial: quando aqueles que apresentam os resultados também são julgados pelos mesmos resultados, é muito raro que este último seja ruim, mesmo que às vezes signifique fazer as estimativas do lado certo e principalmente se forem difíceis de contestar. As intervenções externas ocorrem, na maioria das vezes, na periferia ou na superfície de realidades locais complexas. Para tentar ver com clareza, você tem que trabalhar, documentar-se extensamente, fazer perguntas, se possível ir até lá. Poucas pessoas realmente fazem esse esforço, apenas porque geralmente há algo mais para fazer ao mesmo tempo. Então, lemos alguns arquivos, ouvimos algumas apresentações e isso é o suficiente. A realidade apresentada pelos militares aos políticos, políticos à mídia, a mídia ao público, e pessoas entrando em redes sociais é muitas vezes uma realidade absurdamente simplificada e, portanto, tão falsa quanto o Iraque no filme Sniper Americano (American Sniper, 2014) de Clint Eastwood. Quem na França se esforça para especular sobre as políticas particulares dos 30 e de alguns grupos armados presentes no Mali? Preferimos agrupá-los por rótulos, inclusive os famosos “grupos armados terroristas” onde tudo é dito em três palavras, ou mesmo três letras “GAT”. Palavras são abstrações da realidade, acrônimos são abstrações de abstrações. T = vilão sem dúvida psicopata que deve ser destruído, fim da análise. Voltamos ao assunto: quando as ideias são simples acima de coisas complicadas, sua precisão é mais frequentemente uma questão de acaso.


Claro, se os indicadores em verde são o alfa e o ômega daqueles que estão no terreno, eles às vezes serão privilegiados em detrimento de todo o resto. As perdas tornam-se sensíveis, não importa que não corramos mais riscos, não façamos mais patrulhamento e fiquemos nas bases. Spoiler: Isso é o que em grande parte explica o bom desempenho do General Swannack na primavera de 2004, que se esquece de apontar que os rebeldes rapidamente reocuparam o vazio.

Outro efeito perverso: uma vez estabelecido um padrão que atenda aos indicadores escolhidos, é difícil para quem está no terreno se desviar dele. No início dos anos 2000, o economista David Romer mostrou que as estratégias da maioria dos treinadores de times da Liga Nacional de Futebol eram sub-ótimas. Não que esses treinadores fossem ruins, mas eles tendiam a seguir o padrão de estilo de jogo. Por quê? Porque eles têm carreiras e rapidamente perceberam que serão mais facilmente desculpados se falharem dentro da norma do que por tentarem algo novo. Os generais americanos destacados no Iraque não precisam vencer a guerra contra os rebeldes, a maioria não chegará ao fim, mas ficará apenas por um período. Eles serão julgados durante este período e, portanto, a maioria será tentada a fazer como todos antes e depois, mesmo que sintam que não é necessariamente a melhor coisa a fazer. Para ser justo, no caso iraquiano, o General Petraeus, comandante da 101ª Divisão de Assalto Aéreo designada ao norte do Iraque em 2003-2004, tentou coisas diferentes de seus três colegas, mas é verdade que o período ainda era fluido e que a norma dominante padrão não fora totalmente estabelecida.

Mesmo assim, com todas essas boas notícias voltando do terreno na primavera de 2004, uma decisão político-estratégica foi tomada para reduzir o tamanho da pegada. Em vez de quatro divisões, três serão suficientes, e essas divisões são mais voltadas para a estabilização e a passagem do bastão para as novas forças de segurança locais do que para o combate. Ninguém se lembra visivelmente de que um ano antes, em 1º de maio de 2003, o presidente Bush anunciou o fim dos combates no Iraque tendo como pano de fundo uma faixa "Mission Accomplished" (Missão Cumprida) pendurada na torre do porta-aviões Abraham Lincoln. Nesse ponto, 97% das baixas americanas no Iraque ainda estão por vir e a luta aumenta em forma de guerrilha poucos dias após este discurso.

Operações de Sísifo


O mesmo padrão se repete em abril de 2004. O que sai da caixa preta após a chegada da próxima rendição não é o que se esperava. Mal chegados para substituir a 82ª Aerotransportada, os fuzileiros navais da 1ª Divisão são engajados em Fallujah para vingar as mortes filmadas de quatro contratados da Blackwater em Fallujah. Os fuzileiros navais ficam surpresos ao ver que a cidade abandonada pelas forças americanas está firmemente controlada por gangues armadas e que um cerco terá de ser realizado. Eles também observam ocasionalmente a extrema fraqueza das novas forças de segurança iraquianas criadas sob a égide da coalizão, que quase desapareceram completamente durante o mês. Por fim, surpreendem-se ao ver que seu próprio governo acaba impondo novamente o levantamento do cerco sob a pressão da emoção despertada pelas imagens da batalha na CNN, claramente em descompasso com a realidade dos combates. Nesse ínterim, eles tiveram tempo de ver também em todas as telas de televisão as revelações sobre o que havia acontecido algum tempo antes na prisão de Abu Ghraib. Esses foram os dias em que seus antecessores queriam resultados rápidos para tornar seus indicadores de desempenho verdes e a tortura lhes pareceu uma ideia interessante para isso.

Durante esse tempo, as províncias xiitas do sul do Iraque foram ocupadas por várias dezenas de contingentes militares nacionais com objetivos, percepções, meios e métodos muito diferentes. Essa coleção não pegou realmente no terreno e um movimento como o Exército Mahdi foi capaz de criar raízes sem muita dificuldade nos círculos populares. Quando a Coalizão planeja prender seu líder Moqtada al-Sadr antes da rendição, este último precisa apenas iniciar uma insurgência que surpreenda a todos, paralisa parte de Bagdá e quase todas as cidades do sul. Os outros setores não são melhores. Várias organizações rebeldes, incluindo aquela que logo se tornaria a Al-Qaeda no Iraque e depois o Estado Islâmico no Iraque em 2006 (com a benevolência da Síria de Bashar al-Assad, não esqueçamos) aproveitaram a retirada parcial americana para, como em Fallujah, se deslocar discretamente nas cidades do Tigre e do Eufrates. Se fevereiro foi o mês menos mortal para os americanos desde que entraram no Iraque, com 19 soldados mortos, abril foi de longe o mais violento com 136 mortos.

Tudo tem que ser feito de novo. Ao custo de um ano de esforço e 1000 soldados mortos, a rebelião mahdista é sufocada temporariamente, no lugar da maioria dos contingentes aliados que não querem lutar, e as forças americanas recuperaram o controle aparente das cidades sunitas. Na virada de 2005 para 2006, os indicadores estão verdes novamente ou pelo menos tudo é feito para torná-los verdes antes das eleições de meio de mandato nos Estados Unidos. Não apenas as divisões americanas recuperaram uma posição em cada cidade, mas eleições foram realizadas, um governo democraticamente eleito está sendo estabelecido e um "novo" novo exército de mais de 150.000 homens foi formado.

Então agora é a hora, acredita-se novamente, de cortar um pouco os custos, retirando-se novamente das cidades para se reagrupar em grandes bases externas enquanto se espera a rendição pelas forças locais. E aí, novo desastre. Em fevereiro de 2006, o país entrou em guerra civil. As províncias sunitas e a capital são um grande campo de batalha entre o Estado Islâmico no Iraque, as organizações nacionalistas sunitas e as várias milícias xiitas, algumas delas lideradas pelo governo e especialmente o Exército Mahdi.

Passamos de um choque em choque, seguindo pontos de situação brilhantes, até que os americanos finalmente conseguiram se recuperar em 2007-2008. Note-se de passagem que a mudança de estratégia só ocorreu após uma constatação geral que no final de 2006 só poderia ser negativa. Para o General Petraeus, então comandante-em-chefe, era tudo por causa dele. Isso não está completamente errado, mas, em uma inspeção mais próxima, ignora o papel essencial do retorno da maioria das organizações nacionalistas e tribos sunitas contra o Estado Islâmico no Iraque. Nomeado a partir daí também comandante-em-chefe no Afeganistão, os mesmos inputs não produzirão os mesmos resultados, pois desta vez não há reversão de grande parte do inimigo. Portanto, voltamos a uma política de números batizada "contraterrorismo" para fazer crer no novo e onde os drones e as Forças Especiais são os principais fornecedores de indicadores. Depois de 2014 e da partida da maior parte das forças da coalizão, é o Comando de Operações Especiais dos Estados Unidos que tem a "liderança" nas operações e aproveita a oportunidade para se sair bem e, principalmente, para torná-la conhecida. Ele fornece bons números de eliminação, algumas cabeças de líderes, belas imagens de "operadores" em ação que irão inspirar muita gente, inclusive a polícia. Tudo isso contribui para a reputação e recompensas, lugares e orçamentos, mas no final do dia mantém uma ilusão de solidez para um conjunto cada vez mais vazio.


Tenho falado muito sobre os americanos, porque eles ocupam o espaço e são tanto mais visíveis porque há uma necessidade em casa e mais do que em qualquer outro lugar de mostrar absolutamente muita coisa no curto prazo, como esses relatórios trimestrais de empresas que deve agradar absolutamente aos acionistas. Mas o fenômeno é geral em todas as nações modernas que praticam a contra-insurgência (ou para fazer parecer que algo diferente está sendo feito). Podemos nos perguntar, por exemplo, se ficamos surpresos com o ataque jihadista de janeiro de 2013, o retorno da guerrilha à partir de 2015, seu estabelecimento no centro do Mali, o surgimento de novos grupos jihadistas, o desenvolvimento de milícias de autodefesa, os golpes de Estado em Bamako, o assassinato de Idris Déby, etc. ao mesmo tempo que nunca deixamos de alinhar bons números, desde o número de soldados locais treinados aos rebeldes eliminados até o dinheiro investido na ajuda à população. O envolvimento francês e europeu no Sahel ainda é muito empolgante por causa de uma grande caixa preta da qual às vezes surgem resultados felizes, mas também muitas vezes surpresas desagradáveis.

A solução? Primeiro, a aceitação da análise crítica. Está tudo nos termos: “aceitação” significa que toleramos, como em qualquer boa democracia, que o que é feito seja “criticado” no interesse do país e com base em verdadeiras “análises”, ou seja, o trabalho em profundidade dos militares, representantes da nação, pesquisadores, cidadãos comuns e trabalho que tem uma chance de ser ouvido. Tantas luzes para estratégias forçosamente míopes. E aí se você quer dominar a caixa preta, você tem que realmente ir lá, viver lá e lutar no terreno. Devemos também deixar que um líder comande com um efeito político a ser obtido a longo prazo e não com números.

Os exemplos do subprime e do SOCOM no Afeganistão foram retirados de Cole Livieratos, The Subprime Strategy Crisis: Failed Strategic Assessment in Afghanistan, no site War on the Rocks.