Mostrando postagens com marcador Missão de Paz. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Missão de Paz. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 11 de janeiro de 2022

FOTO: Pacificadores russos no Cazaquistão

Soldados russos patrulhando a cidade cazaque de Alma-Ata, 11 de janeiro de 2022..

Soldados russos, parte da missão de paz da CTSO, patrulham uma rua no Cazaquistão. O soldado de frente tem uma Saiga-12 com carregadores de AK-74.

Leitura recomendada:

domingo, 9 de janeiro de 2022

A operação de manutenção da paz do CSTO no Cazaquistão: uma visão geral

Tropas russas enviadas para Almaty.
(Fonte: Ministério da Defesa russo)

Por Oleg Shakirov, European security, digital diplomacy, 8 de janeiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 8 de janeiro de 2022.

Em 6 de janeiro de 2022, a Organização do Tratado de Segurança Coletiva lançou sua primeira operação de manutenção da paz a pedido do Presidente do Cazaquistão Kassym-Jomart Tokayev. Devido à natureza sem precedentes desse desdobramento, às incertezas sobre a situação de rápido desenvolvimento no Cazaquistão e ao contexto geopolítico mais amplo, há muitas especulações sobre o que está acontecendo. Nesta visão geral, quero apresentar evidências conhecidas sobre a operação da CSTO na esperança de que ajude a entendê-la melhor.

Organização do Tratado de Segurança Coletiva

O Tratado de Segurança Coletiva foi assinado em Tashkent em 15 de maio de 1992, poucos meses após a dissolução da União Soviética. Seus participantes originalmente incluíam Armênia, Cazaquistão, Quirguistão, Rússia, Tadjiquistão e Uzbequistão; no ano seguinte, juntaram-se o Azerbaijão, Geórgia e Bielo-Rússia.

Em 1999, quando o Tratado precisou ser prolongado, surgiram os membros básicos de seis países: Armênia, Bielo-Rússia, Cazaquistão, Quirguistão, Rússia, Tajiquistão e Bielo-Rússia (o Uzbequistão voltou a aderir de 2006 a 2012). Em 2002, eles criaram a Organização do Tratado de Segurança Coletiva.

Os membros da CSTO cooperam nas dimensões política, militar e parlamentar. Uma de suas prioridades tem sido o combate às ameaças transnacionais, como a migração ilegal, o tráfico de drogas e o terrorismo, com exercícios regulares nessas áreas.

Sua estrutura militar conjunta é dividida em três regiões: Europa Oriental, Cáucaso, Ásia Central. A CSTO mantém as Forças Coletivas de Desdobramento Rápido da Região da Ásia Central (desde 2001), Força de Paz Coletiva (desde 2007), Forças de Reação Rápida Coletiva (desde 2009), Força Aérea Coletiva (desde 2014).

O Acordo sobre as atividades de manutenção da paz da CSTO foi assinado em 2007 e estabeleceu a estrutura legal para as operações de manutenção da paz dentro da CSTO ou em outro lugar (desde que haja um mandato do Conselho de Segurança da ONU). Recentemente, a CSTO estava planejando integrar sua capacidade de manutenção da paz na estrutura da ONU e se envolver em missões da ONU.

Além dos exercícios, a CSTO nunca usou suas forças de manutenção da paz ou outras forças num cenário da vida real. Em 2010, o Quirguistão solicitou a assistência da CSTO durante confrontos étnicos, mas outros participantes decidiram não se envolver. Mais recentemente, a CSTO foi testada por várias crises em sua área de responsabilidade, desde a guerra do Nagorno-Karabakh e confrontos subsequentes entre a Armênia e o Azerbaijão (em 2021, a Armênia solicitou oficialmente consultas conjuntas nos termos do Artigo 2 do Tratado de Segurança Coletiva devido às incursões das tropas do Azerbaijão); confrontos entre o Quirguistão e Tadjiquistão sobre disputas de fronteira; situação na Bielo-Rússia. Embora as autoridades da CSTO não tenham ficado em silêncio nesses e em outros casos, a organização e a Rússia em particular, seu membro mais poderoso, preferiram não interferir militarmente.

A operação de manutenção da paz no Cazaquistão é, portanto, o primeiro exemplo em que a CSTO desdobra sua força coletiva para ajudar a resolver uma crise real.

Solicitação de assistência e tomada de decisão da CSTO

Na noite de 5 de janeiro, em meio aos protestos que se tornaram violentos em Almaty, Tokayev disse publicamente que solicitou a assistência dos líderes da CSTO “para superar essa ameaça terrorista”. Ele se referiu aos eventos da seguinte forma: “isso está minando a integridade do Estado e o mais importante - este é um ataque aos nossos cidadãos, que me pedem como chefe de Estado para ajudá-los imediatamente”. (No início do mesmo dia, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que o Cazaquistão não havia solicitado ajuda da Rússia.)

Logo depois disso, Nikol Pashinyan, primeiro-ministro da Armênia e presidente do Conselho de Segurança Coletiva de 2022 (órgão supremo da CSTO composto por chefes de Estado ou de governo), postou no Facebook que acabara de falar com Tokayev por telefone e em resposta a seu pedido para obter assistência estava começando uma consulta imediata dentro do Conselho de Segurança Coletiva.

Duas horas depois, por volta da meia-noite (horário de Moscou), Pashinyan anunciou no Facebook que o Conselho de Segurança Coletiva decidiu enviar a Força Coletiva de Paz ao Cazaquistão por um período de tempo limitado. A mesma declaração foi publicada posteriormente pelo Kremlin e pela CSTO. Aqui está a tradução oficial para o português da declaração da CSTO:

Em conexão com o apelo do Presidente da República do Cazaquistão Kassym-Jomart Tokayev e em vista da ameaça à segurança nacional e à soberania da República do Cazaquistão causada, entre outras coisas, por agressão externa, o Conselho de Segurança Coletiva da CSTO de acordo com o Artigo 4 do Tratado de Segurança Coletiva, decidiu enviar as Forças Coletivas de Paz da CSTO à República do Cazaquistão por um período limitado de tempo a fim de estabilizar e normalizar a situação naquele país.

Nikol Pashinyan
Presidente do Conselho de Segurança Coletiva da CSTO,
Primeiro Ministro da República da Armênia

Alguns pontos devem ser destacados:
  • A CSTO não interpretou a situação como contraterrorismo. Embora Tokayev tenha enquadrado a situação em termos de combate ao terrorismo, a declaração da CSTO claramente evita qualquer menção ao terrorismo. Além disso, os líderes da CSTO decidiram desdobrar uma força de manutenção da paz em vez de outros tipos de força coletiva que a organização afirma que mencionam especificamente o terrorismo (ver as Forças de Reação Rápida Coletiva e as Forças Coletivas de Desdobramento Rápido da Região da Ásia Central).
  • A declaração de Pashinyan enfatizou a "agressão externa" entre as coisas que ameaçaram a segurança nacional e a soberania do Cazaquistão. Embora não esteja claro o que isso implica, as autoridades do Cazaquistão e da Rússia fizeram alegações não especificadas sobre o envolvimento estrangeiro na crise atual. Esta ênfase também pode ter sido feita para justificar a invocação do Artigo 4 (disposição de defesa coletiva da CSTO). No entanto, uma leitura atenta do artigo 4 mostra que ele é realmente ambíguo quanto à fonte da agressão, ou seja, não importa se é de fora ou de dentro.
  • O desdobramento da manutenção da paz seria “por um período limitado de tempo”, aparentemente até que a situação no Cazaquistão fosse normalizada.
O secretário-geral da CSTO notificou a OSCE, a organização de cooperação de Xangai e a ONU sobre o envio de forças de manutenção da paz.

Tomada de Decisão Nacional

Todos os membros da CSTO (exceto o Cazaquistão) decidiram contribuir para a força de manutenção da paz. Por se tratar da primeira operação da CSTO desse tipo, vale a pena observar como cada membro procedeu com sua participação.
  • Na Rússia, a decisão de participar da operação de manutenção da paz da CSTO foi aparentemente tomada pela alta liderança sem a participação do parlamento. De acordo com a Constituição, o Conselho da Federação (câmara superior) deve dar consentimento ao pedido do presidente para usar as forças armadas fora da Rússia - por exemplo, este procedimento foi seguido em 2015 no que diz respeito à Síria e em 2014 à Ucrânia. Mas o envolvimento do Conselho da Federação nem sempre é necessário e o Presidente tem ampla autoridade para decidir sobre o uso da força por si mesmo. De acordo com a resolução de 2009 da câmara superior, o presidente pode tomar tais decisões em quatro tipos de situações, incluindo "para repelir ou prevenir um ataque armado a outro Estado, que fez um pedido relevante à Federação Russa." Esta condição aparentemente se aplica ao caso do Cazaquistão. O Ministério das Relações Exteriores divulgou uma declaração sobre a decisão da CSTO explicando que a Rússia “apoiou a adoção de medidas urgentes em meio à rápida deterioração da situação política interna e ao aumento da violência no Cazaquistão. Vemos os desenvolvimentos recentes neste país amigo como tentativas provocadas externamente de perturbar a segurança e integridade do Estado por meios violentos, incluindo grupos armados treinados e organizados.”
  • Na Bielo-Rússia, a decisão de participar na operação de manutenção da paz também não envolveu o parlamento. O Ministro da Defesa divulgou um comunicado oficial dizendo: “Decidi, e foi aprovado pelo Presidente da República da Bielo-Rússia, enviar uma companhia de manutenção da paz especializada da 103ª Brigada Aerotransportada das Forças de Operações Especiais de Vitebsk para esses fins [participar da operação da CSTO].”
  • Na Armênia, a contribuição exigiu uma decisão do governo adotada em 6 de janeiro.
  • A operação da CSTO foi mais polêmica no Quirguistão, onde alguns manifestantes em frente ao prédio do Parlamento exigiram que o país evitasse o envio de tropas ao vizinho Cazaquistão. O Governo até fez uma declaração especial explicando a necessidade de participar na operação: “O Gabinete de Ministros apela ao povo do Quirguistão e a todas as forças sociopolíticas do país para tomarem esta decisão com total compreensão e responsabilidade. Como vizinho próximo e aliado estratégico da República do Cazaquistão, a República do Quirguistão não tem o direito de rejeitar o pedido de assistência de suas autoridades legítimas e cumprirá suas obrigações na medida necessária dentro da CSTO.” Em 6 de janeiro, não havia quorum no Parlamento para considerar a questão. Mas, em última análise, em 7 de janeiro, o Parlamento deu permissão para participar da operação da CSTO, com 69 dos 120 membros votando a favor. O vice-chefe do Gabinete argumentou em sua declaração perante os parlamentares que as tropas quirguizes não iriam dispersar os comícios, mas protegeriam instalações governamentais estratégicas.
  • Também na sexta-feira, foi relatado que o Parlamento do Tadjiquistão realizou uma reunião conjunta das câmaras inferior e superior e aprovou o envio de tropas para o Cazaquistão.

Mandato

De acordo com o Secretário-Geral da CSTO, as forças de paz têm duas tarefas principais: “A primeira é a proteção das instalações estratégicas e estatais mais importantes. E a segunda tarefa é ajudar a manter a lei e a ordem, para que as pessoas se sintam seguras”.

Da mesma forma, o Ministério da Defesa russo em seus comunicados à imprensa afirma que as principais missões da Força Coletiva de Manutenção da Paz são "proteger importantes instalações estatais e militares, ajudar as forças de aplicação da lei da República do Cazaquistão a estabilizar a situação e trazê-la de volta para o campo jurídico.”

As primeiras tarefas foram enfatizadas como as principais por vários altos funcionários, ver, por exemplo, a declaração já mencionada do Vice-Chefe do Gabinete do Quirguistão. Em um relatório do Canal Um da Rússia, a proteção de instalações estratégicas é considerada a principal tarefa das forças de paz. Foi noticiado em 7 de janeiro que as tropas da CSTO assumiram o controle do aeroporto de Almaty.

É a última tarefa, a assistência na manutenção da lei e da ordem, que levanta mais questões. A possibilidade de tropas estrangeiras participarem de protestos reprimidos ou se engajarem em combates gerou controvérsias no Cazaquistão e em outros estados da CSTO. Tanto o Cazaquistão quanto outras autoridades trataram explicitamente dessas preocupações. O secretário-geral da CSTO, Stanislav Zas, disse que as tropas da CSTO não se envolverão na dispersão de comícios. Em 7 de janeiro, o Ministério da Defesa russo disse à mídia:

“Conforme acordado com o lado do Cazaquistão, os militares da Força Coletiva de Manutenção da Paz da CSTO não estão envolvidos em atividades operacionais e de combate das agências locais de aplicação da lei e unidades do exército para estabelecer a lei e a ordem no país.”

Um representante da administração Tokayev afirmou de forma semelhante:

“Os soldados da CSTO não participam de operações de combate e não se envolvem na eliminação de militantes.”

No que diz respeito à duração da operação da CSTO, aparentemente não há limite definido no momento. De acordo com Stanislav Zas, a duração do "período limitado" (por decisão do Conselho de Segurança Coletiva) "dependerá da situação que se desenvolverá no Cazaquistão e, é claro, da posição da liderança do Cazaquistão" e pode demorar alguns dias ou algumas semanas.

Contribuições de tropas


O número total da Força Coletiva de Manutenção da Paz da CSTO é de 3.600 soldados. De acordo com o Secretário-Geral da CSTO, Stanislav Zas, o desdobramento esperado seria de cerca de 2.500 soldados. A partir de 8 de janeiro, as contribuições de tropa são as seguintes:
  • De acordo com o Ministério da Defesa russo, as forças de paz russas incluem "unidades da 45ª Brigada Separada de Forças Especiais das Forças Aerotransportadas, 98ª Divisão Aerotransportada das Forças Aerotransportadas e 31ª Brigada Separada das Forças Aerotransportadas". O número exato de tropas não foi especificado até agora. O Ministério da Defesa criou o grupo de 70 aeronaves Il-76 e 5 An-124 para transportar tropas e equipamentos russos e auxiliar no transporte de outras tropas da CSTO para Almaty. O comandante das Forças Aerotransportadas, o Coronel-General Andrey Serdyukov foi nomeado chefe da operação de manutenção da paz (sua biografia oficial está disponível no site do Ministério da Defesa e seu perfil foi criado pelo Kommersant).
  • A Bielo-Rússia desdobrou uma companhia de manutenção da paz especializada da 103ª Brigada Aerotransportada das Forças de Operações Especiais de Vitebsk (100 militares com 200 na reserva), que foram transportados em 8 de janeiro por aviões russos.
  • A Armênia desdobrou mais de 100 soldados, transportados pela Rússia em 8 de janeiro.
  • O Quirguistão contribuiu com 150 soldados.
  • O Tadjiquistão enviará cerca de 200 soldados.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2022

ANÁLISE: Operação russa do CSTO no Cazaquistão


Por Maxim A. Suchkov, especialista de segurança internacional, 6 de janeiro de 2022.

Tradução  Filipe do A. Monteiro, 6 de janeiro de 2022.

A política da Eurásia pode ser interessante:

Nos últimos 3 dias, o país que parecia o mais forte da Ásia Central quase se transformou em um estado falido. Putin enviou tropas para apoiar o governante que endossou a política externa "multivetorial" e a decisão teve de ser pronunciada pelo primeiro-ministro armênio, que chegou ao poder por meio de protestos e se recusou a recorrer ao CSTO no momento em que seu exército estava perdendo para o Azerbaijão.

CSTO: Organização do Tratado de Segurança Coletiva / Collective Security Treaty Organization / Организация Договора о коллективной безопасности / Organizatsiya Dogovora o kollektivnoy bezopasnosti.


A Força de Paz Coletiva consiste em tropas da Rússia, Bielo-Rússia, Armênia, Tadjiquistão e Quirguistão.

A fronteira entre a Rússia e o Cazaquistão tem 7599km de comprimento. A crise se desenrolou rapidamente. Não importa quem está por trás dos protestos, a Rússia não permitiria que o Cazaquistão se transformasse em uma zona cinzenta de instabilidade. Mesmo que não tenha sido uma “revolução colorida”, como alguns especulam, há motivos para a Rússia se preocupar.

Os protestos pareciam coordenados, bem organizados. Para mim, como não-especialista em Cazaquistão, isso parece uma combinação de fatores - confronto intra-elites + algum envolvimento estrangeiro. Se você acredita que é puramente local, dê uma olhada de onde os protestos foram coordenados, quem são os “líderes da oposição”, etc.

Comentário lateral - interessante a entrevista de hoje de Mikheil Saakashvili, onde ele fala sobre como ele se encontrou com a oposição cazaque na Ucrânia e deu as boas-vindas à "luta deles". Isso, é claro, de forma alguma deve degenerar as queixas genuínas das pessoas que tomaram as ruas no Cazaquistão em protesto genuíno. Estou apenas dizendo que, como em qualquer protesto impaciente do tamanho, as queixas genuínas foram vítimas de manipulações e provocações políticas.


A Rússia foi confrontada com uma crise repentina que agora busca transformar em uma oportunidade. Que o CSTO foi invocado é interessante e, na minha opinião, é uma boa jogada.

A) É considerado um esforço coletivo da Eurásia, não um capricho russo.
 
B) Dá mais legitimidade às ações para estabilizar o Cazaquistão.

C) reforça a posição da Rússia no Cazaquistão e na Eurásia, demonstra mais uma vez que não há outro estado na Eurásia além da Rússia para cuidar da segurança de seus vizinhos em caso de extrema necessidade.

MAS também existem algumas armadilhas potenciais no caminho:

A) O esforço da Rússia pode ser visto (já é por alguns) como “intervenção”;

B) A população russa no Cazaquistão tornando-se alvo de uma multidão enfurecida que lançaria sua raiva contra a Rússia sobre essas pessoas;

C) A Rússia se envolvendo na política do Cazaquistão ao lado de Tokayev (“salvando outro ditador” etc).

As lições da Síria devem ajudar aqui:
  • Moscou precisa ter cuidado com o nível de suporte para que Tokayev não comece a abanar o rabo como Assad costuma fazer;
  • Seu envolvimento deve ser limitado em tempo e tamanho e restrito à manutenção da paz, não ao combate de bandidos armados.
No geral, esta é uma missão difícil que, se realizada com sucesso, elevaria a Rússia na política eurasiana. Mas veremos o que acontece a seguir.

Toda a propaganda sobre os russos indo “reprimir protestos pacíficos e matar cazaques”, comparações tolas com a Hungria e a Tchecoslováquia é o que realmente é - propaganda. “Cui Prodest?”, Como dizem mais um bando de idiotas úteis inclusive na Rússia. Já vi esse filme antes sobre a Síria.

A reação ocidental ao CSTO é previsivelmente negativa em parte porque algumas pessoas não conseguem colocar suas próprias prioridades de segurança em uma ordem adequada em meio à mudança da realidade internacional. Para eles, a Rússia é uma ameaça maior do que as zonas cinzentas sem governo.

Tropas são vistas na praça principal, onde centenas de pessoas protestavam contra o governo, após a decisão das autoridades de elevar os limites de preço do gás liquefeito de petróleo, em Almaty, Cazaquistão, em 6 de janeiro de 2022.

Isso é uma imagem espelhada de alguns estados de espírito na Rússia que, por exemplo, veem os EUA como uma ameaça maior do que o Afeganistão controlado pelo Talibã, ficam felizes em ver os EUA deixarem o Afeganistão apenas porque são os EUA, mas o que acontece no dia 2 é outro assunto. Não compartilho dessa abordagem - nem em relação à Rússia, nem aos EUA.

“A Eurásia não é uma prioridade para os EUA” - todo especialista em DC diria: “A China é”. Assim, não querendo desperdiçar recursos para controlar vastas terras que poderiam ser facilmente desestabilizadas, o chefe da CIA viaja a Moscou para falar sobre o uso conjunto de bases militares para manter o Talibã sob controle.

TODAVIA, quando a Rússia opta por agir como um glutão para punir e ajudar a colocar as coisas em ordem, se encarregar da segurança de seus principais vizinhos, o pessoal faz barulho sobre as ambições imperiais russas, ocupação, etc. Como exatamente o desdobramento do CSTO no Cazaquistão ameaça os interesses ocidentais?

A multidão decapita policiais no Cazaquistão, mas alguns falantes, a mídia convencional e os políticos ocidentais continuam falando de "manifestantes pacíficos" e pedem que a Rússia fique longe e, quando isso não acontecer, eles voltarão ao velho jogo da "ameaça russa". Está bem então.


É difícil se livrar dos estereótipos geopolíticos/históricos, mas precisava ter o foco certo nas prioridades. Há crises em que a Rússia pode ser instrumental e útil - o Cazaquistão é uma delas. Fracassos potenciais irão assombrar a Rússia, mas isso não é uma preocupação do Ocidente.

Se isso não for convincente o suficiente, converse com os CEOs das principais empresas ocidentais que operam no Cazaquistão - eles diriam o quanto gostariam do Cazaquistão ser um estado estável e em desenvolvimento, em vez de um Boratistão.

P.S.: Espero que a crise no Cazaquistão seja administrado sabiamente por todos os lados.

Maxim Suchkov
Ph.D. em Ciência Política
Instituto de Estudos Internacionais - Diretor
Centro de Estudos Americanos Avançados - Diretor
Escola de Governo e Assuntos Internacionais - Membro do Corpo Docente
Departamento de Análise Aplicada Internacional - Professor Associado

O Dr. Suchkov possui várias afiliações de especialistas não residentes na Rússia e no exterior: ele é um especialista do Conselho de Assuntos Internacionais da Rússia (RIAC) e do Valdai Discussion Club, um pesquisador associado do Instituto Italiano de Estudos Políticos Internacionais (ISPI) e um acadêmico não residente no Middle East Institute (MEI), com sede em Washington.

Graduado pela Universidade Pública de Pyatigorsk, no passado foi Fulbright Visiting Fellow na Georgetown University (2010-2011), Visiting Fellow na New York University (2015) e professor adjunto na IE University na Espanha (2020). Ele também foi o editor da cobertura da Al-Monitor na Rússia-Oriente Médio (2016-2020). O Dr. Suchkov é membro de dois grupos de trabalho nas relações EUA-Rússia.

Seus interesses de pesquisa incluem segurança e política externa, conflitos futuros, relações EUA-Rússia, desenvolvimentos no Oriente Médio, bem como o impacto da tecnologia nas relações internacionais. O Dr. Suchkov é um colaborador e colunista frequente da mídia russa e internacional. Seus comentários e análises apareceram, entre outros, no Washington Post, no Wall Street Journal, no Guardian, na Associated Press e no American Interest.

terça-feira, 30 de novembro de 2021

FOTO: Princesa Diana visita oficial fuzileiro naval brasileiro

A Princesa Diana visitando o Capitão-de-Corveta (FN) Rui Xavier da Silva em um hospital nos Estados Unidos.

O oficial da Marinha do Brasil Rui Xavier da Silva foi ferido durante as operações de desminagem da MARMINCA, na fronteira Costa Rica/Nicarágua.

A Missão de Assistência para a Remoção de Minas na América Central (MARMINCA) foi completada em 18 de junho de 2010, tornando a América Central livre de minas terrestres.

Leitura relacionada:

FOTO: Desminagem da ONU no Camboja, 5 de outubro de 2021.

segunda-feira, 11 de outubro de 2021

O Renascimento do "Soldado de Fronteira"?


Por Ric Cole, Wavell Room, 15 de agosto de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de outubro de 2021.

Em junho de 2019, o Reino Unido abriu oficialmente o novo centro de treinamento do Exército Nacional Somali (Somali National ArmySNA). Localizado em Baidoa. Uma cidade a 150 milhas a oeste da capital Mogadíscio e bem no interior do país, ela carece de muitos dos confortos da capital. Baidoa não desfruta da constante brisa terrestre de Mogadíscio e é mais alta (aproximadamente 3.000 pés acima do nível do mar). Seu rico solo vermelho floresce na rara estação das chuvas entre as secas. Baidoa é tradicionalmente a segunda cidade da Somália. Historicamente, foi o refúgio mais frio das antigas potências coloniais italianas. Mais recentemente, foi a sede do governo exilado na época em que al-Shabab controlava a capital.

Este artigo examina a recente contribuição do Reino Unido para a Somália e explora o impacto positivo que teve na eficiência operacional do SNA. É também minhas reflexões pessoais sobre a missão internacional de apoio à Somália, tendo-se deslocado várias vezes ao país. É minha opinião que a Somália oferece ao Reino Unido um retorno ao "soldado de fronteira" e que o Reino Unido poderia, e deveria, ser mais ousado.

O Reino Unido tem apoiado a Divisão 60 do SNA na região da Baía, centrada em Baidoa, desde 2016. Parte disso foi financeiro e o Reino Unido, por algum tempo, pagou um "estipêndio" de US$ 100 por mês para cada soldado. Para garantir a prestação de contas, esse estipêndio só foi pago para aqueles que são registrados biometricamente, possuem um cartão de identificação oficial e concluíram o pacote obrigatório de treinamento em direitos humanos da ONU.

Começando em 2016, o primeiro projeto financiado pelo Reino Unido foi uma tenda gigante muito simples; um centro de logística. Dessa tenda, comida e outros suprimentos podiam ser recebidos, armazenados, contabilizados e distribuídos. Também incluiu uma oficina em contêineres para reparos de veículos. Isso foi seguido por uma sala de operações, completa com mapeamento fornecido pela ONU e rádios seguros financiados pelo Reino Unido.

Isso permitiu que o quartel-general da Divisão 60 enviasse um SITREP diário para o QG do SNA em Villa Gashendhiga, nos arredores de Mogadíscio. Essas ações simples melhoraram imediatamente a eficiência operacional e permitiram que uma mentoria mais ampla no Reino Unido fosse bem-sucedida. No SNA HQ, oficiais do Reino Unido, designados para a Missão de Treinamento da UE, foram empregados como Conselheiros Chief J3 e Chief J4. É um sinal de aversão ao risco do Reino Unido que isso representasse os ÚNICOS dois militares do Reino Unido que costumavam ir à cidade. Os dias dos soldados britânicos operando na "fronteira" pareciam muito distantes.

A próxima etapa significativa foi construir um novo QG da Divisão 60. Isso incluiu acomodação dos oficiais e instalações médicas reformadas. Este complexo fica fora da principal "área segura" da AMISOM (a Missão da União Africana na Somália), dando-lhe uma sensação de independência. As forças da AMISOM neste setor são o “antigo inimigo” da Somália, os etíopes. Os dois países travaram uma guerra amarga pela região do Ogaden, onde as tribos locais são etnicamente somalis. Esta é uma marca de cura regional.

Este foi pago através do Fundo de Conflito, Segurança e Estabilização do Reino Unido (CSSF), através do Adido de Defesa na Embaixada Britânica em Mogadíscio (British Embassy MogadishuBEM) e coordenado pela Equipe de Apoio SNA (SST - mas geralmente referido como UK SST). Inicialmente apenas uma equipe de dois homens, logo cresceu para 5 com a adição de três SO3; Treinamento, Logística e Inteligência.

Esta equipe foi posteriormente reforçada por 6 SCOTS, como parte do Grupo de Infantaria Especializada. Esses instrutores estão baseados em Baidoa, não nos arredores confortáveis do Aeroporto de Mogadíscio, e inicialmente operavam a partir de uma instalação de treinamento improvisada. É talvez a definição de acompanhar seu SNA e 6 SCOTS vivendo ao lado de seus homólogos do SNA. Esta equipe de treinamento forneceu à Divisão 60 habilidades básicas de infantaria: patrulhamento, navegação, primeiros socorros, treinamento de estado-maior para planejar operações e administrar uma sala de operações eficaz.

Tendo medido o ritmo e ligado diretamente com o General Yarrow, o Comandante da Divisão 60, e com seu homólogo etíope da AMISOM, é com orgulho que observei o desdobramento nas redes sociais. Também assisti ao desenvolvimento do projeto a partir do QG SNA, como Conselheiro Chefe J3 da EUTM.
Voltei para Mogadíscio no final de 2017, como um "consultor" e muitas vezes me encontrei com os oficiais do SNA que treinei e orientei durante meus desdobramentos operacionais. Eles são entusiastas, confiantes e brilhantes, mas impedidos por dogmas e corrupção. Há uma ausência distinta de "oficiais de nível intermediário". Isso cria um abismo muitas vezes intransponível entre os generais treinados pelos soviéticos, muitos dos quais já estão bem adiantados no crepúsculo, e os jovens tenentes e capitães, treinados pela UE, Reino Unido, Turquia e outros. Não é incomum ver oficiais vestindo uniformes chineses do PLA.

Durante todo o meu tempo na África Oriental, e desde então, fiquei impressionado com a ideia de que se o Reino Unido estivesse disposto a assumir mais riscos, livre do modelo de Helmand, Baidoa poderia (e deveria) ter sido o renascimento do "soldado de fronteira".

O Reino Unido deve enviar oficiais e sargentos selecionados, com talento para construir relacionamentos e exercer níveis excruciantes de Comando de Missão, e integrar-se firmemente às forças da nação anfitriã. Isso não deve ser apenas um treinamento "por trás do arame". Mas desdobrando ativamente em operações, particularmente patrulhas de segurança, tarefas CIMIC e engajamento de liderança-chave com políticos locais e líderes tribais. O Reino Unido poderia ter alcançado muito mais na Somália se esse modelo tivesse sido seguido.

Afinal de contas, os Batalhões de Infantaria Especializados do Reino Unido têm a tarefa de "conduzir o engajamento de defesa e capacitação, fornecendo treinamento, assistência, aconselhamento e mentoria". A Somália oferece o modelo perfeito para provar o conceito. Pois é lá que os somalis verão o verdadeiro profissionalismo e espírito de luta do soldado britânico.

Estou animado com o atual apetite de usar as forças do Reino Unido na África em ações contra a caça ilegal. Embora não seja isento de perigo, como infelizmente testemunhamos, ele fornece uma estrutura para como pode ser o futuro "soldado de fronteira". Pequenas equipes bem treinadas, autossustentáveis e auto-protetivas, integradas e acompanhando as unidades das nações anfitriãs por uma causa que muitos de nós no Reino Unido vemos como uma causa extremamente valiosa.

Veremos...

Até então, posso recomendar os seguintes livros:

Warriors: Life and Death Among the Somalis.
(Guerreiros: Vida e morte entre os somalis)

Dangerous Frontiers: Campaigning in Somaliland & Oman.
(Fronteiras Perigosas: Em campanha na Somalilândia & Omã)

In the Service of the Sultan: A First Hand Account of the Dhofar Insurgency.
(A serviço do sultão: um relato em primeira mão da insurgência Dhofar)

Sobre o autor:

Ric Cole.
Ric é um oficial militar com 24 anos de experiência nos Royal Marines, no Royal Irish Regiment e, mais recentemente, no Royal Logistic Corps. Ele se especializou nos últimos 12 anos em Operações de Informação e Engajamento de Defesa. Ele é o Diretor Militar da i3 Gen.
www.i3Gen.co.uk  @Ric_Cole

terça-feira, 5 de outubro de 2021

FOTO: Desminagem da ONU no Camboja

Crianças cambojanas observam soldados franceses da ONU procurando minas por um arrozal, 28 de setembro de 1992.

Processo de remoção de minas ao redor de um arrozal por soldados do 17º Regimento de Engenharia Paraquedista (17e Régiment du Génie Parachutiste, 17e RGP) equipados com chinelos Matramines, 28 de setembro de 1992.

O processo de desminagem foi uma das funções principais da APRONUC (Autoridade Provisória das Nações Unidas no Camboja).

Uma seção MINEX do 17ºe RGP prossegue com a desminagem do templo Bathai-Srei, dezembro de 1992.

sexta-feira, 16 de julho de 2021

GALERIA: Capacetes azuis chineses no Sudão do Sul


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 16 de julho de 2021.

Seção de fotos publicadas pelo jornal estatal People's Daily Online (Diário do Povo Online) em 7 de outubro de 2015. Nessa época, a equipe de patrulha armada de longa distância de um batalhão de infantaria das forças de manutenção da paz chinesas no Sudão do Sul encontrou recentemente vários conflitos armados intensos em torno de sua base operacional temporária, localizada nas profundezas das florestas do estado Equatorial Ocidental.

No início do quarto dia estacionado na base operacional temporária, tiros foram ouvidos a sudeste da base, com tiros traçantes voando sobre as copas das árvores. De acordo com os soldados nos postos avançados, dezenas de militantes locais armados lançaram um ataque feroz contra as tropas do governo do Sudão do Sul estacionadas nas proximidades. O acampamento das tropas do governo ficava a apenas 500 metros das forças de manutenção da paz chinesas. Diante dessa situação inesperada, os soldados pacificadores chineses correram para seus postos de batalha nas instalações de defesa e veículos blindados existentes.




Após cerca de 3 horas de combate intenso entre os militantes e as tropas do governo, os militantes não-identificados se deslocaram para a apenas 10 metros da base dos soldados pacificadores. Para evitar o envolvimento em combates diretos, os capacetes azuis alertaram os militantes por meio de alto-falantes, dizendo para cessarem o fogo. Chocados com a intervenção das forças de paz, a batalha gradualmente parou. No entanto, tiros esporádicos e helicópteros de ataque pairando no alto lembraram aos mantenedores da paz que a luta ainda não havia acabado.

"Esta foi a segunda vez que encontramos tais conflitos e não recebemos nenhuma notificação sobre a situação. Continuaremos enfrentando graves ameaças à segurança nos próximos dias", disse então Liu Yong, o vice-comandante do batalhão.






Os soldados são armados com equipamento padrão chinês, como o fuzil bullpup QBZ-95, e coberturas azuis da ONU nos capacetes.

A China tem constantemente se envolvido na África, participando cada vez mais em missões de paz para apoiar a constante "invasão" chinesa do continente, já avaliada como neo-colonialismo por parte de Pequim. A China vem fazendo empréstimos e investimentos generosos no continente africano, colocando governos locais na posição de vassalos chineses e expandindo ainda mais a Iniciativa do Cinturão e Rota. A China também contribuiu unidades policiais à MINUSTAH no Haiti.

Iniciativa do Cinturão e Rota.

Treinamento de fogo real dos pacificadores chineses no Mali


O cinema chinês já inclui o ambiente africano em seus filmes de ação, como Peacekeeping Force (Força Pacificadora, 2018). O filme chinês de maior bilheteria até hoje, Wolf Warrior II (Lobo Guerreiro 2, 2017), é a estória de um herói chinês na África enfrentando guerrilheiros africanos e mercenários europeus, com a mensagem de que o governo chinês protegerá seus cidadãos onde quer que seja; essa afirmação aparece escrita sobre um passaporte chinês no final do filme, antes dos créditos.

O herói Leng Feng (Jing Wu) agitando a bandeira chinesa na cena final do filme.
Jing Wu, o lobo guerreiro, e a co-estrela Celina Jade durante uma das muitas conferências de promoção do filme com um passaporte chinês decorativo.

Trailer de Wolf Warrior II


Bibliografia recomendada:

Psychology of the Peacekeeper:
Lessons from the field.

Leitura recomendada:







GALERIA: Pacificadores suecos no Congo, 28 de fevereiro de 2021.

domingo, 28 de fevereiro de 2021

GALERIA: Pacificadores suecos no Congo

Médicos suecos tratando um gendarme katanguês ferido, cercanias de Kamina, 30 de dezembro de 1962.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de fevereiro de 2021.

Os suecos contribuíram 9 batalhões para a ONUC durante a sua existência, de 1960 a 1964. Os batalhões suecos da ONUC foram:
  • VIII G
  • X K
  • XI G
  • XII K
  • XIV K
  • XVI K
  • XVIII K
  • XX K
  • XXII K
O primeiro batalhão sueco da ONU no Sinai em 1956 foi denominado Batalhão 1. Essa numeração continuou do Batalhão 1 ao Batalhão 9, que foi inicialmente implantado no Sinai e depois em Gaza. Após o Batalhão 9, a numeração foi alterada para incluir apenas números ímpares começando com 11 e com a letra G adicional para Gaza. O Batalhão 8 foi transferido de Gaza para o Congo e depois recebeu o nome de Batalhão VIII K (Kongo (Congo)). Assim, sete dos batalhões do Congo, 10 a 22, foram recrutados para servir na ONUC, enquanto os outros dois eram batalhões de Gaza transferidos para o Congo como reforços.

A ONUC teve um pico de 20 mil soldados durante a sua curta existência, passando de uma missão de "manutenção da paz" para uma missão de "imposição da paz". Por meio da Operação Grandslam, envolvendo 13 mil soldados da ONU, a ONUC lançou uma ofensiva de 28 de dezembro de 1962 a 15 de janeiro de 1963 contra a gendarmaria do Estado de Katanga, um estado separatista que se rebelou contra a República do Congo na África Central. As forças katangesas foram derrotadas de forma decisiva e Katanga foi reintegrada à força ao Congo.

O Major Sture Fagerström, informa seus líderes de pelotão antes do ataque a Kaminaville em Katanga, no Congo.

Posição de metralhadora sueca Ksp m/42.

Posição de metralhadora sueca Ksp m/42 coberta por um soldado com a submetralhadora Kulsprutepistol m/45 (Kpist m/45), também conhecida como Carl Gustaf M/45.

Soldados suecos interrogando um mercenário belga. O sueco à esquerda tem uma submetralhadora Kpist m/45. A legenda original da foto diz: "Tropas suecas detêm um franco-atirador katanguês branco que estava escondido em uma árvore".

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:

UN Forces 1948-94.
Robert Pitta e Simon McCouaig.

Leitura recomendada:


FOTO: Soldado norueguesa em Bamako26 de fevereiro de 2021.



sábado, 21 de novembro de 2020

FOTO: Pacificadores russos no Nagorno-Karabakh

Soldados russos próximos a uma igreja apostólica armênia na região de Dadivank, novembro de 2020.

A Rússia desdobrou 2 mil soldados no Nagorno-Karabakh em 2020, após a guerra entre a Armênia e o Azerbaijão. Fotografados estão soldados armados com fuzis AK-74M e transportes blindados BTR.



Bibliografia recomendada:

The Modern Russian Army 1992-2016.
Mark Galeotti e Johnny Shumate.

Leitura recomendada:


sábado, 14 de março de 2020

Manutenção da paz da ONU feita pela China no Mali: estratégias e riscos


Por Marc Lanteigne, Oxford Research Group, 15 de maio de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de março de 2020.

A manutenção da paz da China no Mali representa outro exemplo da crescente disposição do país de enviar pessoal para uma zona de conflito ativa e uma mudança no pensamento estratégico chinês.

Uma das mudanças menos proeminentes no pensamento de segurança da China nas duas últimas décadas foi a maior disposição do país para se envolver e participar das Operações de Manutenção da Paz das Nações Unidas (United Nations Peacekeeping OperationsUNPKO) em partes do mundo muito além da região Ásia-Pacífico. Em março deste ano, a China havia enviado 2.513 soldados pacificadores para missões da ONU no exterior, incluindo a República Democrática do Congo (RDC), Líbano, Sudão do Sul e Sudão. Nas duas décadas, Pequim esteve mais disposta a enviar pessoal de manutenção da paz para regiões onde o combate continua em andamento, com um exemplo importante sendo a Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul (UNMISS). A contribuição de manutenção da paz da China para as operações da ONU no Mali representa não apenas outro exemplo da crescente disposição da China de enviar pessoal para uma zona de conflito ativa, mas também um afastamento do pensamento chinês anterior sobre a escolha de missões para se envolver. Também reflete o crescente reconhecimento da China de que os conflitos civis podem ter efeitos regionais e internacionais, especialmente quando a África se torna uma parte crítica dos interesses comerciais inter-regionais expandidos de Pequim.

UNIMISS.

A China começou a expandir seus interesses no envolvimento em UNPKO no final dos anos 90. Mas a participação do país na Missão Multidimensional Integrada de Estabilização das Nações Unidas no Mali (MINUSMA) desde 2013 marcou a primeira vez que forças de combate chinesas foram destacadas como parte integrante de uma missão da ONU. Em 2012, um pequeno pelotão de tropas chinesas foi enviado ao Sudão do Sul, mas seu papel era especificamente proteger outros funcionários chineses no país. Por outro lado, o destacamento militar enviado ao Mali, originalmente com 170 soldados, representou as primeiras verdadeiras forças de combate a serem integradas em uma missão da ONU, dado seu papel consideravelmente mais amplo na proteção de funcionários chineses e não-chineses.

Até a missão no Mali, a China havia demonstrado preferência pelo fornecimento de pessoal não-militar - incluindo policiais civis, engenheiros e equipes médicas - para missões das Nações Unidas. Além disso, ao contrário de outras partes da África onde a China tem interesses significativos em diplomacia de recursos, incluindo RDC e Sudão/ Sudão do Sul, os vínculos econômicos bilaterais entre China e Mali permanecem relativamente modestos na melhor das hipóteses, relatados como totalizando US$ 405 milhões em 2017. No entanto, o compromisso contínuo de Pequim com a MINUSMA procurou demonstrar que o envolvimento da China com a África foi além do campo econômico.

Antecedentes: os desafios contínuos de segurança do Mali

O Mali, juntamente com muitos outros estados vizinhos na região do Sahel, no norte da África, ficou enredado nos tremores secundários da guerra civil da Líbia em 2011. Isso resultou na derrubada do antigo líder Muammar Kadafi, no fraturamento do país e na rápida re-ignição das hostilidades que continuam até hoje. As frágeis estruturas de segurança do Mali afundaram sob o influxo de armas e extremismo político emanado do conflito na Líbia, resultando primeiramente em uma tentativa abortada por separatistas do norte de criar um estado separado de Azawad em 2012, e depois em ataques regulares de organizações fundamentalistas armadas, incluindo facções apoiadas pela Al-Qaeda e mais tarde pelo Estado Islâmico (EI/ISIS).

Combate de rua na Líbia.

Em março de 2012, um golpe militar resultou na remoção do presidente do Mali, Amadou Toumani, e governos subseqüentes, incluindo o atual governo de Ibrahim Boubacar Keïta, continuam lutando para impedir que o país se torne um estado em colapso. A França, antiga potência colonial no Mali entre o século XIX e a independência em 1960, assumiu a liderança no lançamento da Opération Serval em janeiro de 2013 para expulsar as forças extremistas islâmicas do norte do Mali, seguida pela Opération Barkhane em agosto de 2014 que incorporou campanhas de contra-insurgência francesas em toda a região do Sahel, ligando a missão do Mali às do Burkina Faso, Chade, Mauritânia e Níger, ao quinteto de estados também conhecidos como 'G5 Sahel'.

Soldados malinense e francês na Operação Serval, 2013.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas concordou em criar a MINUSMA em abril de 2013, de acordo com as disposições do capítulo VI da Carta da ONU e com a bênção do governo do Mali. Desde então, a operação foi referida como a "missão da ONU mais perigosa do mundo". O mandato da ONU no país tem sido ajudar a proteger e estabilizar o país à luz da situação de segurança erodida, bem como promover um sistema democrático durável no país e defender as bases de um acordo de paz instável de 2015. Em março de 2019, havia pouco mais de 16.400 funcionários da ONU no total ligados à missão MINUSMA.


A China decidiu, em meados de 2013, fornecer pessoal de manutenção da paz para a missão. O primeiro destacamento, que chegou em dezembro daquele ano, era uma força avançada de 135 pessoas, incluindo forças de combate do então Comando Militar Regional de Shenyang do Exército de Libertação do Povo Chinês (PLA). A sexta força de manutenção da paz chinesa foi criada no Mali em maio de 2018, com todos os seus 395 membros sendo premiados com as Medalhas de Honra da Paz da ONU em março deste ano. Um sétimo destacamento está previsto para chegar ao Mali em meados deste ano. Além da própria MINUSMA, Pequim também tem sido um forte defensor do apoio financeiro internacional à iniciativa pós-2017 das forças conjuntas do G5 Sahel, criada pelas cinco nações do Sahel para compartilhar informações e apoio ao combate ao terrorismo e promover a estabilidade regional.

Por que as forças de paz chinesas foram ao Mali?


Havia várias razões por trás da decisão de Pequim de concordar em enviar forças de paz ao Mali, apesar dos muitos perigos envolvidos. A primeira razão diz respeito ao desejo da China de mostrar aos governos africanos que o envolvimento de Pequim no continente é, agora, verdadeiramente sobre preocupações mais amplas do que os interesses econômicos da China nas matérias-primas da África. Por exemplo, a abertura de uma base logística chinesa em Djibouti, em 2017, foi um forte sinal de que a África estava considerando mais proeminentemente as políticas de segurança inter-regionais chinesas. Como um livro recente sobre estudos sino-africanos explicou, a expansão do envolvimento da segurança chinesa na África agora está sendo afetada pelas ambições de Pequim de ser visto globalmente como uma 'grande potência responsável', bem como pela constatação pelo governo chinês de que seus tradicionais pontos de vista sobre a não-interferência em conflitos civis estavam se tornando incompatíveis com os conflitos civis modernos, tal como o caso do Mali.

Iniciativa do Cinturão e Rota.

Em segundo lugar, e de forma relacionada, os interesses comerciais expandidos da China na África, incluindo a Iniciativa do Cinturão e Rota (Belt and Road InitiativeBRI), resultaram em apelos a uma maior proteção dos ativos e cidadãos chineses no exterior. Na última década, a China intensificou suas atividades de mediação de disputas, incluindo trabalhos em muitos países que agora fazem parte do BRI. Também buscou garantir aos chineses no estrangeiro, incluindo aqueles que trabalham em partes da África propensas a conflitos, que Pequim está procurando protegê-los melhor. O perigo para os cidadãos chineses baseados em zonas de combate foi bem ilustrado no Mali nos últimos anos. Três empresários chineses foram vítimas de um ataque em um hotel por insurgentes na capital do Mali, Bamako, em novembro de 2015, com outro cidadão chinês morto em um resort próximo em junho de 2017. Como os conflitos no Mali são sintomáticos de um conjunto maior de ameaças à segurança emanando de toda a região do Sahel, o envolvimento da China na MINUSMA, bem como em outras missões africanas de manutenção da paz, ajuda a destacar os compromissos de segurança regional do país na região.

Nota do Tradutor: O cinema chinês já inclui o ambiente africano em seus filmes de ação, como Peacekeeping Force (Força Pacificadora, 2018). O filme chinês de maior bilheteria até hoje, Wolf Warrior II (Lobo Guerreiro 2, 2017), é a estória de um herói chinês na África enfrentando guerrilheiros africanos e mercenários europeus, com a mensagem de que o governo chinês protegerá seus cidadãos onde quer que seja (essa afirmação aparece escrita sobre um passaporte chinês no final do filme, antes dos créditos).


As operações no Mali também proporcionaram uma oportunidade para mais educação e treinamento em operações fora-de-área, tanto para setores civis quanto militares do aparato de segurança da China, especialmente dentro da rubrica de 'operações militares além da guerra' (Military Operations Other Than War, MOOTW) e cooperação expandida com outras forças de manutenção da paz. No entanto, os perigos de operar em um país onde frequentemente há pouca paz para manter, foram levados para casa pela morte, em junho de 2016, de um sargento do PLA causado por um explosivo plantado perto da base da MINUSMA em Gao, no centro do Mali. Quatro outros soldados pacificadores chineses ficaram feridos nesse incidente.

Os lados econômicos do engajamento no Mali

Finalmente, embora seja improvável que o comércio bilateral entre a China e o Mali seja igual ao dos principais parceiros comerciais de Pequim, como Angola, Nigéria e África do Sul; o Mali, no entanto, entrou na consideração de Pequim sobre a expansão geral do comércio no continente. Em 2017, o governo do Mali manifestou sua disposição de se alinhar com o BRI, com planos anunciados em 2015 para a renovação de uma ligação ferroviária entre o Mali e o vizinho Senegal, bem como planos para a construção de uma ferrovia entre Bamako e a capital guineense de Conakry apresentada no ano anterior.


A diplomacia econômica continua sendo a pedra angular da diplomacia chinesa na África, com o comércio sino-africano atingindo mais de US$ 204 bilhões em 2018. No mais recente Fórum de Cooperação China-África (Forum on China–Africa Cooperation, FOCAC), em setembro do ano passado, o presidente chinês Xi Jinping anunciou novas iniciativas econômicas para o continente, incluindo cooperação mais estreita nas áreas de conectividade, projetos “verdes”, saúde, indústria, infraestrutura e paz e segurança. A África também foi sujeita a um renascimento da competição diplomática entre China e Taiwan nos últimos três anos. Com o Burkina Faso reconhecendo oficialmente a República Popular em maio de 2018, todos os governos africanos agora reconhecem Pequim. A exceção solitária é Eswatini (Suazilândia). Assim, a participação contínua na manutenção da paz no Mali continua sendo um componente importante da diplomacia africana da China em nível regional, demonstrando que a China deseja ser um "parceiro geral" para o continente, à medida que os compromissos econômicos de Pequim continuam a se aprofundar.


No início deste ano, a MINUSMA estava sob uma pressão muito maior, já que o Canadá e a Holanda estavam se preparando para retirar seu pessoal do Mali, enquanto o apoio dos EUA à operação se tornou cada vez mais hesitante devido à escalada da violência e ameaças à região do Sahel em geral. Existe, portanto, a forte possibilidade da China desempenhar um papel ainda mais ampliado nas operações de manutenção da paz da ONU, e talvez até na construção da paz no Mali, pois a situação de segurança continua sendo tênue, na melhor das hipóteses.

Marc Lanteigne é professor associado de ciência política na UiT: Universidade do Ártico da Noruega, Tromsø.

Bibliografia recomendada:





Leitura recomendada:



Capacetes Azuis Marroquinos: valores e compromissos1º de julho de 2020.