quarta-feira, 22 de abril de 2020

GALERIA: O FAMAS em Vanuatu

Membros da Força Móvel de Vanuatu desfilando diante do palanque nas comemorações do 35º aniversário da independência de Vanuatu, 30 de julho de 2015.

Por FdL, Warfare Blog, 22 de abril de 2020.

Organização Paramilitar

Existem duas forças de segurança em Vanuatu, a Força Policial de Vanuatu (Vanuatu Police ForceVPF; também  chamada Ni-Vanuatu Police) e a ala paramilitar, a Força Móvel de Vanuatu (Vanuatu Mobile ForceVMF), que também conta com a Ala Marítima da Força Policial de Vanuatu.


Recrutas da VMF durante acampamento básico em Siviri, norte de Efate, em 22 de julho de 2019.

A Força Móvel de Vanuatu (VMF) é um pequeno corpo móvel de 300 voluntários que compõe as forças armadas de fato de Vanuatu, tendo sido criada no ato de independência em 30 de julho de 1980. Sua principal tarefa é apoiar a Força Policial de Vanuatu, mas em caso de ataque, a VMF atuará como a primeira linha de defesa do pequeno país; seu comandante desde 2015 é o Coronel Robson Iavro.

A VMF foi treinada, no ato da sua criação, pela Força de Defesa da Papua Nova Guiné (Papua New Guinea Defence Force, PNGDF), treinamento este pago pelas forças armadas australianas. Inicialmente armada com o fuzil SLR 1A1 australiano, a versão imperial do veneral FAL, a VMF o substituiu pelo FAMAS F1 em 2009.




Uniforme azul da VPF, adotada em 30 de julho de 1983.

Uniformes verdes da VMF.

Ao todo, contando com 547 policiais organizados em dois comandos principais: um em Port Vila e outro em Luganville. Além desses dois postos de comando, há quatro delegacias secundárias e oito postos policiais. Isso significa que existem muitas ilhas sem presença policial e muitas partes das ilhas onde chegar a um posto policial pode levar vários dias.

Força Naval 

Marinheiros da Ala Marítima com uniforme branco.


A Ala Marítima da Força Policial de Vanuatu (Vanuatu Police Force Maritime Wing) foi fundada em 15 de agosto de 1985, operando um navio patrulha classe Pacífico RVS Tukoro, providenciado pela Austrália. Em fevereiro e março de 2017, o Tukoro participou de uma operação conjunta de proteção da pesca com seu navio irmão das Ilhas Salomão, RSIPV Lata. RVS Turoroa foi entregue pela Austrália. Em setembro de 2017, Tukoro ajudou a prestar socorro aos evacuados após a erupção do vulcão Ambae. A Austrália pretende fornecer um navio classe Guardian para Vanuatu em 2021.


Visão das três unidades.


O Desfile da Independência de Vanuatu



O FAMAS é uma visão comum nos desfiles da independência de Vanuatu, que ocorrem no dia 30 de julho. Habitada por autóctones melanésios e governado por franceses e britânicos, as línguas oficiais da República de Vanuatu são bislamá, francês e inglês; mas ainda há chinês hakka, chinês mandarim e mais 113 línguas indígenas do sul da Oceania, fazendo com que Vanuatu tenha a maior densidade lingüística do mundo. Essa mistura denota o longo caminho da formação autóctone, da colonização européia até a independência de 30 de julho de 1980, que é celebrada com o desfile atualmente ostentando o distinto FAMAS F1.  

O arquipélago de Vanuatu foi descoberto pelo navegador português à serviço da coroa espanhola, Pedro Fernandes de Queirós, em 1606. Acreditando ter atingido a Austrália (Terra Australis), ele batizou o novo conjunto de ilhas como La Austrialia del Espíritu Santo (A Terra Sul do Espírito Santo), batizando a ilha maior como Espírito Santo. O pequeno enclave espanhol não prosperou e os europeus não voltaram a Vanuatu até 1768, quando Louis Antoine de Bougainville redescobriu as ilhas em 22 de maio. 


Desfile da Independência de Vanuatu em 30 de julho de 2013.

Na década de 1880, a França e o Reino Unido reivindicaram partes do arquipélago e, em 1906, concordaram em uma estrutura para o gerenciamento conjunto do arquipélago como as Novas Hébridas, por meio de um condomínio anglo-francês. Os melanésios foram impedidos de adquirir a cidadania de qualquer das duas potências e eram oficialmente apátridas.

Inicialmente, os súditos britânicos da Austrália constituíam a maioria da população do arquipélago, mas o estabelecimento da Companhia Caledoniana das Novas Hébridas (Compagnie Calédonienne des Nouvelles-Hébrides) em 1882 logo inclinou a balança a favor dos súditos franceses. Por volta do início do século XX, os franceses superavam os britânicos em dois pra um. Na década de 1920, trabalhadores contratados anamitas da Indochina Francesa começaram a trabalhar nas plantações nas Novas Hébridas.


Os desafios para o governo do condomínio começaram no início dos anos 40. A chegada dos americanos durante a Segunda Guerra Mundial, com seus hábitos informais e riqueza relativa, contribuiu para a ascensão do nacionalismo nas ilhas. A crença em uma figura messiânica mítica chamada John Frum foi a base para um culto à carga indígena prometendo a libertação melanésia. 

Culto à carga é um movimento religioso descrito pela primeira vez na Melanésia, que engloba uma série de práticas que ocorrem após o contato de sociedades simples com civilizações tecnologicamente mais avançadas. O nome deriva da crença que começou entre os melanésios no final do século XIX e início do século XX de que vários atos ritualísticos, como a construção de uma pista de pouso, resultariam no aparecimento de riqueza material, particularmente nas tão desejadas mercadorias ocidentais (ou seja, a "carga"), que eram enviadas através de aviões. Hoje, John Frum é uma religião e um partido político com um membro no Parlamento de Vanuatu.


Em 1980, a França e o Reino Unido concordaram que as Novas Hébridas teriam independência em 30 de julho de 1980. A partir de junho de 1980, Jimmy Stevens, chefe do movimento Nagriamel, liderou uma revolta contra as autoridades coloniais e os planos de independência, iniciando a curta Guerra do Côco (Junho-Agosto de 1980). A revolta durou cerca de 12 semanas. Os rebeldes bloquearam o Aeroporto Internacional de Santo-Pekoa, destruíram duas pontes e declararam a independência da ilha de Espírito Santo como o "Estado de Vemerana". Stevens foi apoiado por proprietários de terras de língua francesa e pela Phoenix Foundation, uma fundação comercial americana que apoiou o estabelecimento de um paraíso fiscal libertário nas Novas Hébridas.

Em 8 de junho de 1980, o governo das Novas Hébridas pediu à Grã-Bretanha e à França que enviassem tropas para reprimir a rebelião na ilha de Espírito Santo. A França se recusou a permitir que o Reino Unido empregasse tropas para neutralizar a crise, e os soldados franceses estacionados no Espírito Santo não tomaram nenhuma atitude. Como o dia da independência se aproximava, o primeiro-ministro eleito, Walter Lini, pediu à Papua-Nova Guiné que enviasse tropas para intervir. Quando os soldados de Papua Nova Guiné começaram a chegar ao Espírito Santo, a imprensa estrangeira começou a se referir aos eventos em andamento como a "Guerra do Côco".


A "guerra" foi breve: Os moradores do Espírito Santo geralmente acolheram os papua-nova guineenses como companheiros melanésios, e os rebeldes Nagriamel de Stevens dispunham apenas de armas da Idade da Pedra: arcos e flechas, pedras e fundas. 

Houve poucas baixas e a guerra terminou repentinamente quando um veículo que transportava o filho de Stevens atravessou um bloqueio das tropas da Papua Nova Guiné no final de agosto de 1980, e os soldados abriram fogo contra o veículo, matando o filho de Stevens. Pouco tempo depois, Jimmy Stevens se rendeu, afirmando que nunca pretendera que alguém fosse ferido.

No julgamento de Stevens, foi revelado o apoio da Fundação Phoenix ao movimento Nagriamel. Também foi revelado que o governo francês havia apoiado secretamente Stevens em seus esforços; a nova República de Vanuatu foi impedida de entrar na Nova Caledônia e o embaixador francês foi "convidado" a se retirar de Vanuatu. O pobre Stevens foi condenado a 14 anos de prisão e permaneceu preso até 1991.




Visita da Alta Comissária Britânica em Vanuatu

Pela primeira vez uma guarda-de-honra da Força Móvel de Vanuatu, composta e comandada inteiramente por mulheres, foi inspecionada pela então recém nomeada Alta Comissária Britânica em Vanuatu, HE Karen Bell, em 23 de julho de 2019.


Karen Bell foi o primeiro Alto Comissário Britânico em Vanuatu em 15 anos.






Treinamento e operações


Exercício de tiro da VMF em 30 de novembro de 2019.

Não há despesas puramente militares em Vanuatu, com a VMF atuando em ações de policiamento. Em 1994, a VMF enviou 50 homens para Bougainville, na Papua Nova Guiné, como sua primeira missão de manutenção da paz. 

Durante os anos 90, Vanuatu experimentou um período de instabilidade política que levou a um governo mais descentralizado. A Força Móvel de Vanuatu tentou um golpe militar em 1996 por causa de uma disputa salarial.

A VMF também participou da Missão de Assistência Regional às Ilhas Salomão (Regional Assistance Mission to Solomon Islands, RAMSI) de 2003 a 2017, como parte da Força Policial Participante (Participating Police Force, PPF).

FAMAS disparado "na canhota".

Representantes de Vanuatu estiveram presentes no Champs Elysées, em Paris, para o desfile anual do Dia da Bastilha em 14 de julho de 2014. Este ano comemorou os 100 anos do início da Primeira Guerra Mundial. Três soldados da VMF desfilaram seguindo a bandeira de Vanuatu entre representantes dos 80 países que participaram da guerra de alguma forma.


O FAMAS é adaptável para atiradores destros e canhotos.

A VMF enviou 15 soldados para a Costa do Marfim em 2015, em apoio à missão francesa. As forças de segurança de Vanuatu também participam do exercício bi-anual Croix du Sud.

Duas soldados da VMF durante exercícios de campo.

Exercício Croix du Sud


Soldados da Força Móvel de Vanuatu durante o exercício Croix du Sud, em 2018.

Croix du Sud é o termo francês para Cruzeiro do Sul, e ele é o maior exercício de assistência humanitária e treinamento em socorro a desastres do Pacífico Sul. A França hospeda e organiza os exercícios através de suas Forças Armadas da Nova Caledônia (Forces armées de Nouvelle-Calédonie), baseadas em Nouméa.



O exercício reúne países de todo o Pacífico, incluindo as forças armadas dos EUA, Grã-Bretanha e Austrália. Seu objetivo visa melhorar as habilidades de planejamento, gerenciamento e preparação das forças militares.São duas semanas de treinamento, com a primeira semana contendo exercícios de preparação, com treinamentos de familiarização ao uso de recursos e equipamentos, com o exercício real ocorrendo na segunda semana.

Em anos alternados, o conceito para o próximo Croix du Sud é desenvolvido por meio de um exercício teórico chamado Equateur (Equador). Um cenário típico seria um desastre de ciclone de categoria quatro, resultando em falta de saneamento, fome, doença e um surto de saques e estupros que visam estrangeiros. Outros cenários incluem extremistas que interrompem o controle do governo e incitam tumultos.



Pelotão da VMF do 2º Ten. Johnny Kakor com militares franceses no exercício Croix du Sud 2016.

A VMF foi particularmente bem no Croix du Sud 2016, com o 2º Tenente Johnny Kakor, comandando um pelotão de 30 homens da Força Móvel e da Ala Marítima, comentando que na segunda semana, o pelotão passou por uma série de exercícios de rebelião e obstáculo que ocorreram em terra e no mar, e estabeleceram um tempo recorde de 1 hora e 24 minutos, atrás do tempo de 1 hora e 15 minutos do Reino Unido.

"Tivemos 12km de marcha, que os rapazes concluíram quando se adaptaram bem ao clima e depois tivemos o tiro ao alvo e o ataque", disse ele. “No tiro ao alvo de 100-450 metros (alvo dos atiradores de elite), nosso primeiro grupo derrubou todos os alvos; portanto, tivemos que esperar que os próximos alvos fossem colocados pela segunda vez e nosso último grupo atirou em todos eles, o comandante da companhia que cuidava nos avaliava disse que dos 12 países, Vanuatu foi o melhor [no tiro].”




O Tenente-Coronel Terry Tulang, então comandante da VMF, congratulou as tropas: “Estou muito satisfeito com o desempenho geral do pelotão, eles tiveram um desempenho excelente e lideraram o tiro de fuzil, e sei que os rapazes aprenderam novas habilidades para melhorar e fornecer melhor segurança ao nosso país. Estamos ansiosos por outro Croix du Sud em 2018 ”.

O Coronel Tulang também confirmou que o treinamento foi financiado pelo governo da França, com os custos de viagem e acomodação cobertos pelo país anfitrião, com material de comunicações sendo pego emprestado dos países amigos.


Guardas-bandeiras na abertura do exercício Croix du Sud, em 25 de maio de 2018. A bandeira da República de Vanuatu pode ser vista ao fundo.

Dependência da Austrália

Visita do Secretário do Departamento de Defesa australiano Greg Moriarty ao quartel de Cook (Cook Barracks), 8 de maio de 2019.

A Força Policial de Vanuatu (VPF) e a Força Móvel de Vanuatu (VMF) continuam a operar uma única entidade unificada, que o governo australiano continua a apoiar. Um dos principais objetivos do Programa de Cooperação em Defesa da Austrália (Australia's Defence Cooperation Program, DCP). A principal atividade de envolvimento da Austrália com a VMF é o Exercício Aliança com Vanuato (Exercise Vanuatu Alliance), que fornece treinamento na condução de patrulhas policiais conjuntas e no aprimoramento da capacidade da VMF de responder a contingências humanitárias e de desastre.


Desmontagem e limpeza do FAMAS durante a visita.


Uma equipe de treinamento australiana do 51º Batalhão, o Regimento de Far North Queensland (51st Battalion, Far North Queensland Regiment51 FNQR) viaja anualmente para Vanuatu para treinar pessoal selecionado da VMF no planejamento e execução de operações da área remota como parte do Exercício Aliança com Vanuato. Como parte do DCP, o 51 FNQR viaja para Vanuatu para treinar a VMF todos os anos desde 1998.

Recrutas da VMF em tiro de assimilação com o FM australiano SLR L2A1, com o carregador de 30 tiros.

Atualmente, Vanuatu recebe o auxílio de outras potências regionais, especialmente de um novo entrante: a China.

Shen Hao, comandante do navio hospital chinês "Arca da Paz", passa em revista à guarda de honra da Força Móvel de Vanuatu, armada de FAMAS, depois que o navio chegou a Port Vila, Vanuatu, em 31 de agosto de 2014.

Leitura recomendada:

O FAMAS no mercado de exportação, 4 de novembro de 2019.

FOTO: Os amotinados e o mistério do FAMAS na Papua Nova Guiné23 de abril de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário