quinta-feira, 23 de abril de 2020

FOTO: Os amotinados e o mistério do FAMAS na Papua Nova Guiné

Os soldados amotinados da PNG no quartel de Taurama entregam as armas para simbolizar o fim da tentativa de golpe.

O motim da Força de Defesa da Papua Nova Guiné (Papua New Guinea Defence Force, PNGDF) em 2012 ocorreu em 26 de janeiro de 2012, quando um grupo de militares chefiados pelo coronel aposentado Yaura Sasa ocupou o quartel de Murray (Murray Barracks), o quartel-general da PNGDF por conta da disputa pelo posto de primeiro ministro da Papua Nova Guiné entre o ex-ministro Sir Michael Somare, iniciada dezembro de 2011, quando o Supremo Tribunal da Papua-Nova Guiné ordenou que Somare fosse restabelecido como primeiro-ministro, enquanto o parlamento do país apoiava O'Neill.

Às 3:00 da manhã de 26 de janeiro, cerca de 20 soldados do 1º Batalhão do Real Regimento das Ilhas do Pacífico (Royal Pacific Islands Regiment,1 RPIR) prenderam Agwi e dois outros oficiais considerados leais ao ministro O'Neill, depois de surpreenderem guardas em Taurama Barracks, o quartel do 1º Batalhão do RPIR, nos subúrbios da capital da PNG, Port Moresby. Vários tiros foram disparados durante esta operação. O grupo então transportou Agwi para o quartel de Murray, perto do centro da cidade, onde ele foi colocado em prisão domiciliar. 


Então comandante da PNGDF, General-de-Brigada Francis Agwi, em junho de 2011.

O Coronel Sasa anunciou que a ação não era um motim ou um golpe, pois Samore era o primeiro-ministro legítimo do país. Através de sua filha, o ex-premier Samore confirmou ter ordenado o motim chamando o governo de ilegal. A rebelião não tinha o apoio da maior da PNGDF, com apenas 30 homens leais ao golpe no quartel de Murray. Em 27 de janeiro os amotinados continuavam armados, com o impasse institucional imobilizando a todos - o comandante da polícia se recusou a intervir, alegando que as atitudes do coronel eram uma questão interna das forças armadas.

Sasa foi preso por policiais na noite de 28 de janeiro e acusado de motim. Em 30 de janeiro, os soldados que participaram do motim entregaram suas armas em troca da anistia após um desfile no quartel de Taurama diante do Ministro da Defesa Belden Namah, que fez um discurso para cerca de 200 membros do 1 RPIR, incluindo os 30 amotinados, durante o qual afirmou que os soldados que haviam participado do motim receberiam uma anistia no final da tarde; mas no entanto ameaçando que novos rebeldes "enfrentariam o peso total da lei". Apesar das duras palavras, o Coronel Sasa foi solto pelo Supremo Tribunal em 1º de agosto de 2012.



Mas de onde vieram os FAMAS? Alguns grupos de entusiastas na internet começaram a debater como os amotinados conseguiram os fuzis FAMAS vistos nas filmagens e na foto da rendição no dia 30; apresentando as teorias conspiratórias mais mirabolantes de conexões clandestinas com países vizinhos operando o FAMAS.


Os misteriosos FAMAS dos amotinados.

O primeiro candidato mencionado foi Vanuatu, que adquiriu o FAMAS em 1994 e adotando como padrão em 2009. Outro candidato foi a Indonésia, que possui dotação de fuzis FAMAS no exército, marinha e polícia; levando à teoria do golpe ter sido orquestrado por Jacarta. Apesar da Indonésia ser conhecida por sua política violenta de interferência nos países vizinhos, entrando em conflito com os holandeses, com a Commonwealth na Emergência Malásia, e inclusive mantendo uma ocupação violenta no Timor Leste de 1975 a 1999.

A realidade, no entanto, é mais mundana. O PNGDF comprou os fuzis FAMAS legalmente na década de 90. A Força possui 7 quartéis pelo país: Murray, Taurama, Goldie, Lombrum, Igam, Vanimo e Moem. O FAMAS foi colocado no quartel-general de Murray, para funções de segurança e cerimonial; o mesmo quartel onde os amotinados mantiveram o General Agwi.

"Nunca atribua à malícia/maldade o que pode ser adequadamente explicado pela estupidez."

- Navalha de Hanlon.


Operador do KOPASSUS, forças especiais do Exército Nacional Indonésio (TNI-AD), com um FAMAS G2.

Os "entusiastas conspiratórios" alegavam que a PNGDF era armada apenas com fuzis M16 e FAL, mas a PNGDF é conhecida justamente por um número excessivo de armamentos, de várias procedências, e que não são propriamente guardados nos arsenais. Além do fuzil padrão M16A2 (o Constabulário usa o AR15 semi-automático) e do antigo SLR australiano (FAL imperial), há o SIG 540, o SR-88 (Singapore Rifle 88, Fuzil de Cingapura 88), SAR-80 (Singapore Assault Rifle 80, Fuzil de Assalto de Cingapura 80), Galil, HK 33, os modelos bullpup FAMAS, SA-80 Enfield e Steyr AUG.

Um diplomata de defesa comentou que a PNGDF tinha "armas demais para o tamanho de sua força". Os soldados e policiais da Papua Nova Guiné são majoritariamente primitivos e entregam armas dos arsenais governamentais aos parentes de forma a manterem a competitividade das suas famílias nas milhares de mini-guerras tribais que ocorrem simultaneamente na ilha. Os arsenais estão sempre desfalcados, geralmente em cerca 45% (menos da metade). A revisão da Commonwealth observou a "indisciplina, embriaguez e roubo de armas... [e] perdas não investigadas e inexplicáveis [de armas portáteis]" e lamentou a baixa penalidade pela perda de uma arma - PGK 40, meros 13 dólares. É mais fácil para os locais roubarem armas do governo do que contrabandearem do exterior.

Um delegado das Ilhas do Pacífico, falando em um seminário de armas portáteis em Tóquio disse "Eu sou o homem mais poderoso do país. Eu seguro a chave do arsenal". As suas palavras não são exageradas e demonstram as dificuldade institucionais nesses pequenos países.

Em um relatório especial da Small Arms Survey, de Genebra, publicado em 1º de janeiro de 2005, cita uma auditoria feita em agosto de 2004, on cerca de 1.500 armas haviam sumido. O relatório apontou 11 fuzis FAMAS desaparecidos, 3 do modelo F1 e 8 do modelo G2.

A PNGDF é uma instituição com excesso de pessoal, corrupta e ineficaz. Em março de 2001, uma revisão do Grupo de Pessoas Eminentes da Commonwealth (Commonwealth Eminent Persons GroupEPG) recomendou reduzir o número de tropas de mais de 4.000 homens para apenas 1.900 militares, o que foi apreciado pelo primeiro-ministro Sir Mekere MorautaEntre 30 e 50 soldados assumiram o controle do quartel de Moem na cidade de Wewak, forçando o primeiro-ministro a recuar. O porta-voz PNGDF  disse que soldados no quartel de Igam, na cidade de Lae, 155 quilômetros ao norte de Port Moresby, não se juntaram ao motim, mas expressaram simpatia pela questão da redução de custos.

Estes dois eventos não foram os únicos golpes militares na Papua Nova Guiné: A Unidade das Forças Especiais assumiu ilegalmente o controle do centro de operações da PNGDF no quartel de Murray, em 28 de julho de 1997, durante o Sandline Affair (Caso Sandline).



Recentemente, a PNGDF suspendeu o recrutamento por causa de acusações gravíssimas de nepotismo, patronato e suborno na aceitação de voluntários.

Leitura recomendada:

GALERIA: O FAMAS em Vanuatu22 de abril de 2020.

O FAMAS no mercado de exportação4 de novembro de 2019.

Eleições Não Importam, Instituições Sim8 de janeiro de 2020.

Os Processos Políticos nos Partidos Militares do Brasil21 de janeiro de 2020.

As forças armadas da Indonésia reforçam seu controle anti-terror17 de abril de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário