segunda-feira, 26 de outubro de 2020

O Chauchat na Iugoslávia

Combatentes chetnik armados com uma Lewis M.20 holandesa de 6,5mm e um FM Chauchat CSRG M1915/26 de 7,92x57mm, uma modificação iugoslava. (Mihajlo/ Fórum Odkrywca)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 9 de outubro de 2020.

Prelúdio

Homens do Exército Real Sérvio posando em Salônica, 1916-18.
Eles têm coberturas tradicionais sérvias com o FM Chauchat na típica posição de honra (o centro da imagem) com o carregador em meia-lua, calibre 8mm Lebel.

A epopéia do Chauchat na Iugoslávia começa quando o Exército Real Sérvio foi reequipado por seus aliados franceses de 1916 a 1918, após a Grande Retirada de 25 de novembro de 1915 a 18 de janeiro de 1916. Isso mudou a sua aparência tornando-os semelhantes aos aliados "poilu", geralmente com o única característica sendo a cobertura tipicamente sérvia (šajkača). Eles agora eram armados com fuzis Lebel e Berthier, granadas de fuzil Viven-Bessières (VB), e fuzis-metralhador Chauchat.

Até 18 de dezembro de 1916, o exército sérvio recebeu 1.962 FMs franceses de 8x50 mmR "Šoša" M1915 na forma de ajuda aliada. Na Frente de Salônica, o Exército Sérvio tinha 989 unidades no 1º Exército e 957 Šoša no 2º Exército, um total de 1946 fuzis-metralhadores. Alguns exemplares foram recalibrados em 8mm Mauser, um deles preservados no Museu da Fortaleza de Kalamegdan, em Belgrado.

Soldados sérvios com o capacete M15 Adrian usando a águia real sérvia demonstrando as novas granadas de fuzil VB francesas e o seu bocal (tromblon).

Os sérvios, montenegrinos, gregos, franceses e britânicos vão combater os austro-húngaros e seus aliados búlgaros e alemães na Frente de Salônica até o rompimento atingido na ofensiva final aliada em outubro e setembro de 1918, derrubando a Bulgária e o Império Turco Otomano.

As baixas da Sérvia foram 8% do total de mortes militares aliadas, e 58% do exército regular sérvio (420.000 homens) morreram durante o conflito. De acordo com as fontes sérvias, o número total de vítimas gira em torno de 1.000.000: 25% do tamanho da Sérvia antes da guerra e uma maioria absoluta (57%) de sua população masculina em geral. A maior média da guerra.


Derrotado na Macedônia e no Vittorio Veneto, o Exército Austro-Húngaro saiu da Primeira Guerra Mundial após o Armistício de Villa Giusti assinado com o Reino da Itália em 3 de novembro de 1918, uma semana depois o Império Alemão pediria o armistício. No final de desse ano, uma missão do Exército sérvio liderada por Milan Pribićević, Dušan Simović e Milisav Antonijević chegou a Zagreb para liderar a reorganização do Exército Sérvio e do Exército Nacional de Eslovenos, Croatas e Sérvios em um único novo Exército do Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos (em sérvio croata: Kraljevina Srba, Hrvata i Slovenaca/ Краљевина Срба, Хрвата и Словенаца; esloveno: Kraljevina Srbov, Hrvatov in Slovencev, KSCS). Isto iniciaria o processo da criação do Reino da Iugoslávia.

Soldados búlgaros posando com fuzis-metralhadores Chauchat capturados na Frente de Salônica, 1918.

Modelo do Museu da Fortaleza de Kalamegdan

Chauchat M1915/26 iugoslavo em 8mm.




A criação do Exército Real Iugoslavo

Exército Real Iugoslavo com modelos belgas em 7,92x57mm.

Em 1º de janeiro de 1919, um total de 134 ex-oficiais austro-húngaros de alta patente haviam sido aposentados ou dispensados de suas funções. Do final de 1918 até 10 de setembro de 1919, o novo exército esteve envolvido em um confronto militar violento com formações irregulares pró-austríacas na região da Caríntia, na fronteira norte do novo Exército Nacional de Eslovenos, Croatas e Sérvios em um único novo Exército do Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos (KSCS). A certa altura, as tropas do KSCS ocuparam brevemente Klagenfurt. Após um plebiscito em outubro de 1920, a fronteira com a Áustria foi fixada e as tensões diminuíram.

O nome oficial do Estado foi alterado para "Reino da Iugoslávia" pelo Rei Alexandre I em 3 de outubro de 1929, com o exército se tornando o Exército Real da Iugoslávia. O termo Iugoslávia significa "Terra dos Eslavos do Sul", mas a proeminência dos sérvios ainda era uma realidade.

Além dos combates ao longo da fronteira austríaca em 1919–20, este novo exército lutou algumas escaramuças nas fronteiras ao sul na década de 1920. As primeiras manobras de qualquer tamanho significativo desde a formação do exército em 1919 foram conduzidas entre as tropas de duas divisões durante 29 de setembro a 2 de outubro de 1927, embora o número de tropas engajadas não excedeu 10.000 e algumas reservas tiveram que ser convocadas para atingir esse número. Antes disso, apenas exercícios locais entre guarnições haviam sido realizados.

Em 1928, quatro novos regimentos de infantaria foram estabelecidos em resposta a um aumento italiano ao longo da fronteira. Eles eram vistos como o núcleo de uma nova divisão de infantaria em potencial. Nesse período, o rei-ditador também adquiriu grandes quantidades de armamento tchecoslovaco que supriram de forma marginal a necessidade de armamentos.

Um chetnik sérvio armado com um FM M37, a versão iugoslava do ZB vz. 26 tcheco, dos quais 1.500 foram entregues.

Em um relatório de janeiro de 1920 e 1921, o adido militar francês Ramon Eugène Delta, que defendia táticas ofensivas com o uso de armas automáticas, observou que as recém-formadas Forças Armadas do Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos tinham 1.900 FM Chauchat à disposição, que sobraram do Exército Sérvio.

Em um esforço para usar os recursos existentes e economizar dinheiro no orçamento, o KSCS tomou uma decisão na época de atingir um compromisso. Durante as negociações em Liège sobre a compra de uma licença de fuzil, a delegação iugoslava-eslovena notou os fuzis-metralhadores deixados para trás após a retirada da Força Expedicionária Americana (American Expeditionary Force, AEF), mas também os fuzis-metralhadores belgas adaptados, que acabaram de ser aperfeiçoados em como o FM CSRG Mle 915/27 pela FN.

Chauchat com o carregador em meia-lua.


A versão americana era calibrada na munição .30-06 (7,62x63mm M1906) no padrão C.S.R.G.A. 1918 Chauchat 30-06 Model. Ao mesmo tempo, em 1917, os belgas adaptaram todos os FM M1915, recebidos em forma de ajuda da França, a uma bala doméstica 7.65x54mm M89, que trocou o modelo ogival pelo modelo spitzer (pontiagudo). Como naquela época havia grandes quantidades disponíveis de munição alemã 7,9x57mm M88 capturadas, decidiu-se que seria mais rápido e rentável adaptar os "Šoša" belgas para esse calibre. Seriam adquiridos da FN 4.000 FM Chauchat M1915 em 7,65mm, e as adaptações serão confiadas ao Instituto Técnico Militar de Kragujevac.

Em fevereiro de 1927, o Instituto entregou 1.700 exemplares adaptados às unidades sob o novo rótulo "7,9mm M.15/26". No final do mesmo ano, a adaptação dos próximos 2.000 estaria concluída e, no início de 1928, todos os 4.000 FM Šoša M1915/1926 estariam finalizados.

Assim, no arsenal do exército havia 4.000 FM 7,9mm Šoša M1915/1926, bem como 1.900 CSRG Chauchat M1915 originais de 8mm.

Chauchat iugoslavo M1915/26.

Chauchat iugoslavo M15/26.



Nota: Para os próprios alemães, o calibre militar foi designado como 7,9mm (e menos frequentemente os comerciais como 8mm). Por alguma razão, tchecoslovacos, poloneses e romenos adicionaram 0,02mm na década de 1920 e acabou ficando 7,92mm. Os franceses e os gregos referiram-se como 7,90mm e 7,92mm; turcos e sérvios como 7,9mm. Depois da Segunda Guerra Mundial, quase todos começaram a chamar de 7,92mm.

Prelúdio da invasão alemã de 1941

Soldados do Regimento de Ferro de Belgrado desfilando, 1940-41. (Colorização De Memorabilia)

No início de 1933, houve uma ameaça de guerra com a Itália e a Hungria que preocupou muito o Estado-Maior. O adido militar britânico observou que o exército tinha grande autoconfiança, sua infantaria era forte e sua artilharia bem equipada, mas carecia de áreas significativas exigidas por uma força de combate moderna. As principais deficiências permaneceram nas metralhadoras e nas armas de infantaria, e não havia treinamento com armas combinadas.

O adido observou ainda que, junto com a dominação quase completa dos sérvios nas fileiras gerais, o Estado-Maior também era 90 por cento sérvio, e a "servianização" do exército havia continuado, com jovens croatas e eslovenos instruídos agora relutantes em entrar no exército. O adido viu o domínio sérvio do exército como uma possível fraqueza política da nação, mas também como uma fraqueza militar em tempo de guerra. A defesa do reino também contava com milícias étnicas armadas como forças de auto-defesa. Foi anunciado que manobras em nível de exército seriam realizadas em 1935, pela primeira vez desde a formação do exército em 1918.

Exército Real Iugoslavo.

Apesar dos esforços, o Exército Real Iugoslavo foi invadido por três adversários poderosos, a Alemanha Nazista, o Reino da Itália e o Reino da Hungria, sendo derrotado em uma campanha relâmpago de 6 a 18 de abril de 1941, quando o exército real ainda não havia sequer mobilizado propriamente.

Colaboração e resistência

Homens da Divisão Dinarska (Dinara), uma unidade permanente da milícia chetnik, anti-comunista e monarquista.

Close mostrando o Chauchat.

A ocupação do país pelos alemães, italianos e húngaros gerou resistência inicial, com a formação de unidades colaboracionistas primeiro pelos italianos e depois pelos alemães; como o Corpo de Voluntários Sérvios (SDK) e a Guarda do Estado Sérvio (SDS).

Essas unidades não eram muito confiáveis e muitas vezes contrabandeavam armas para grupos de resistência (especialmente o Exército da Pátria Iugoslava), portanto, os alemães responderam dando a essas forças fantoches armas em calibres que eram muito raros na Sérvia na época: fuzis MAS 36 franceses, submetralhadoras MAS 38, FM Châtellerault 24/29, submetralhadoras Thompsons M1921 e M1928, metralhadoras Lewis holandesas.

Soldado do Exército Alemão (Heer) com um modelo belga capturado le.Maschinengewehr 126(b) em 7,65mm.

A Alemanha nazista apreendeu Chauchats da Polônia, Bélgica, França, Grécia e Iugoslávia; redesignando as armas por país de origem seguindo o sistema comum às beutewaffen capturadas por toda a Europa: os Chauchats franceses foram designados LeMG 156(f), iugoslavos e poloneses LeMG 147(j), gregos LeMG 156(g) e belgas LeMG 126(b). Estas novas armas foram distribuídas para unidades alemãs e aliadas - como Estados e grupos vassalos.


FM Chauchat, segundo à esquerda sentado.

Chetniks sérvios posando com a foto de um comandante (Dragutin Keserović?), um fuzileiro-metralhador está ajoelhado com um Chauchat à esquerda.

Chetniks do Corpo Timok.

Partisan iugoslavo com um modelo de 8mm.

Chetniks em Valjevo, 1942.

Chetniks da unidade Costa Pecanac perto da cidade de Seinice, 1942.

Bibliografia recomendada:


Vídeo recomendado:


Leitura recomendada:



Mausers FN e a luta por Israel, 23 de abril de 2020.

Fuzis de treinamento FAL do Brasil5 de janeiro de 2020.

A submetralhadora MAS-38, 5 de julho de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário