Mostrando postagens com marcador Grécia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Grécia. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 7 de setembro de 2021

FOTO: Hotchkiss M1926 com reparo anti-aéreo

Soldados gregos praticando fogo anti-aéreo com um fuzil-metralhador Hotchkiss M1926.

Os soldados usam capacetes de cortiça Adrian franceses e a metralhadora Hotchkiss está no reparo anti-aéreo, o que dá grande ângulo ao tiro.

Bibliografia recomendada:

Hotchkiss Machine Guns:
From Verdun to Iwo Jima.
John Walter.

Leitura recomendada:

A submetralhadora MAS-38, 5 de julho de 2020.

O Chauchat na Iugoslávia26 de outubro de 2020.


FOTO: Soldado finlandês com uma DP-27
10 de maio de 2021.

sexta-feira, 28 de maio de 2021

Grécia, Egito, Croácia: a incrível tréplica do Rafale em 2021

O Rafale da Dassault.

Por Vincent Lamigeon, Le Parisien, 28 de maio de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 28 de maio de 2021.

A Croácia vai comprar 12 Rafale usados, anunciou o primeiro-ministro croata Andrej Plenkovic, um contrato no valor de 999 milhões de euros. Esta é a terceira encomenda do ano para o caça da Dassault, depois da Grécia e do Egito.

Fim do segredo aberto. A Croácia confirmou na sexta-feira (28 de maio) a encomenda, anunciada há vários dias pela imprensa croata, de uma dezena de caças Rafale usados ​​da França. O primeiro-ministro croata Andrej Plenkovic esclareceu que o valor do contrato era de 999 milhões de euros. O contrato foi imediatamente acolhido pela Ministra das Forças Armadas, Florence Parly: “A escolha da Croácia é uma escolha de soberania, decididamente europeia, assegura a ministra, citada no comunicado do hotel de Brienne. O fato de um país europeu optar pela oferta de outro país europeu é um sinal forte que vai além do símbolo. Estamos construindo, tijolo por tijolo, os fundamentos de uma cultura estratégica europeia."

O gabinete de Florence Parly espera assinar um contrato definitivo antes do final do ano. As entregas seriam feitas em duas etapas: os seis primeiros Rafale seriam entregues entre o terceiro trimestre de 2023 e o início de 2024; o segundo “lote” de seis aviões seria entregue entre o final de 2024 e abril de 2025. Os aviões, na versão F3R.

Com este novo contrato, o caçador Dassault triplicou em menos de seis meses. Houve primeiro um pedido de 18 aeronaves (incluindo 12 usadas) da Grécia em janeiro.


Esta encomenda é ainda mais impressionante porque o Rafale não era o favorito. Para substituir seus velhos MiG-21, Zagreb originalmente contava com uma dúzia de F-16 usados ​​que teria comprado de Israel por cerca de 500 milhões de euros. O projeto foi cancelado no início de 2019 devido à falta de aprovação americana, o que abriu caminho para a competição entre o caça francês, o F-16 em sua última versão chamada Viper (desta vez oferecido pelos Estados Unidos) e os suecos Gripen da Saab. A vitória é ainda mais bela agora que a França e a Dassault estavam sob pressão máxima de Washington, cujo mercado europeu de caças é uma reserva tradicional.

Se a Dassault e seus contratados puderem fatiar o champanhe, a Força Aérea Francesa pode ficar menos entusiasmada. Entre a Grécia e a Croácia, 24 aeronaves estão deixando a frota francesa para serem vendidas a parceiros europeus. Após a encomenda grega, a França reabasteceu 12 novos Rafale, a serem entregues após 2024. No entanto, devido à encomenda da Croácia, Paris não pretende fazer uma nova encomenda imediatamente. “O pedido de indenização ocorrerá em uma segunda fase, com entrega a partir de 2025”, informou Florence Parly." No entanto, a meta para 2030 será mantida." São 225 Rafale da frota (aérea e naval). “Conseguimos esta venda com a aprovação da Força Aérea”, disse alguém do Hotel Brienne.

O caçador Dassault ainda pode receber pedidos este ano? Muito possível. A competição suíça por 30 a 40 aeronaves está chegando ao fim: o Rafale enfrentará os americanos F-18 e F-35A, além do Eurofighter Typhoon. A decisão final poderá ser anunciada no final de junho. O avião francês também tem um contrato para 50 a 64 aviões na Finlândia. Lá ele encontra os mesmos concorrentes da Suíça e do Gripen da Saab sueca. A decisão está prevista para o final de 2021. De acordo com o Tribune, a Indonésia também deve estar muito perto de embarcar no Rafale, com um pedido de 24 a 40 aeronaves. No entanto, o tratado é o assunto de lutas de poder dentro do executivo indonésio que atrasam sua formalização.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

O impulso da França para o Rafale6 de fevereiro de 2021.

sábado, 1 de maio de 2021

Pátria: Discurso de Dexippos para os voluntários atenienses após a tomada de Atenas em 267 a.C


Do blog Theatrum-Belli, 19 de maio de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de julho de 2019.

É pela determinação mais que pelo número de homens que o resultado das guerras é decidido. Nós dispomos de uma força que não é desprezível, porque aqui estamos reunidos no número em dois mil e estamos bem cobertos neste lugar que deve ser nossa base para realizar golpes no inimigo, seja atacando grupos isolados, seja montando emboscadas em seu caminho. Assim, obteremos sucessos que aumentarão nossas forças e inspirarão o inimigo com um medo que não será medíocre. Se o exército inimigo avançar contra nós, resistiremos a ele, já que estaremos efetivamente protegidos pela solidez dessa posição e por essa floresta. Nas fileiras dos assaltantes que, faltando uma visão geral sobre nós, vindo de muitos lados, reinará a confusão: eles não poderão se engajar normalmente com os homens da testa, suas fileiras se desintegrarão e, como eles serão incapazes de direcionar seus arremessos assim como seus dardos, seu tiro será ineficaz, enquanto nós, nós os derrubaremos com mais golpes. Abrigados pela floresta, vamos lançar sobre eles, a partir de nossa posição dominante, projéteis que atingirão o objetivo; seremos capazes de agir com segurança, e não será fácil para eles nos infligirem perdas. Quanto ao combate corpo-a-corpo, se é necessário chegar a esse ponto, são os maiores perigos que inspiram o ardor guerreiro mais fervoroso, e enfrentaremos o inimigo excepcionalmente com mais vigor, tornando a eles mais difícil salvar sua vida, tanto é assim que o que não mais esperávamos acontece, enquanto lutamos para conseguir o impossível e isso, impulsionado pela esperança de castigar o inimigo, nós defendemos bens que valem a pena. Nunca antes alguém teve razões melhores para ficar indignado, enquanto nossas famílias e nossa cidade estão no poder do inimigo. Estes também se voltarão contra nossos adversários que, por coerção, fazem campanha a eles, assim que nos vejam atacar, porque encontrarão a esperança de recuperar sua liberdade.

Eu fui novamente informado que a frota do imperador, que não está longe, nos resgatará; com o seu apoio, a nossa ofensiva será irresistível. Além disso, acredito que vamos treinar os gregos para compartilhar nosso ardor. Da minha parte, sem me manter seguro de golpes e colocado em uma situação que não é melhor que a sua, enfrento as mesmas provações pelo amor da coragem e correrei todos os riscos para salvar os bens mais preciosos e não desapontar a estima que a cidade tem por mim. Todos os homens devem finalmente deixar a vida, morrer combatendo pela pátria é a mais bela das recompensas. Se, pelo que alguém lhe disse, alguns de vocês temem o infortúnio em que nossa cidade está mergulhada, que ele acha que a maioria das cidades foi tomada por um inimigo inesperado… Podemos prever que a Fortuna estará conosco. Nossa causa não pode estar mais certa, já que lutamos contra agressores iníquos e, como regra geral, é de acordo com este critério que a Divindade arbitra os assuntos humanos: ela trabalha para aliviar aqueles que estão em infortúnio e para lhes dar uma sorte melhor. É belo penetrar na imagem de nossa pátria como nossos antepassados fizeram, de oferecer pela nossa coragem e nosso amor pela liberdade um exemplo para os gregos e para desfrutar com nossos contemporâneos e da posteridade de uma glória imperecível, mostrando por atos que, mesmo no desastre, a resolução dos atenienses não pode ser prejudicada. Levaremos como lema nossos filhos e nossos bens mais caros, depois marcharemos para a batalha invocando os deuses que nos protegem.”

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

sábado, 6 de fevereiro de 2021

O impulso da França para o Rafale

A nova aeronave de caça substituirá o Mirage 2000. (Joe Ravi/ Shutterstock)

Pelo GlobalData, Airforce Technology, 3 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 6 de fevereiro de 2021.

Em 25 de janeiro, a França e a Grécia finalizaram a compra de 18 caças Rafale para a Força Aérea Helênica em um contrato de € 2,5 bilhões, marcando a primeira exportação europeia do Rafale da Dassault. O novo caça substituirá o Mirage 2000. Com início previsto para junho a agosto, o prazo de entrega de seis aeronaves Rafale novas e 12 usadas será de dois anos. A manutenção também será fornecida pela Dassault Aviation em um contrato de suporte logístico, com duração de quatro anos e meio.

Vera Lin, Analista Associada da GlobalData, comenta: “A aquisição da aeronave demonstra o compromisso da Grécia em aprimorar as capacidades de ataque aéreo na sequência de sua disputa com a Turquia sobre o espaço aéreo nacional e as fronteiras marítimas no Egeu. O relacionamento político da França com a Grécia, apoiando as reivindicações da Grécia e convocando os Estados da União Europeia a sancionar a Turquia, abriu uma janela de oportunidade para apoiar a indústria de defesa francesa. Aproveitando a oportunidade, a França também irá propor a fragata Belharra/ FDI, pavimentando as incursões para um importante empreiteiro de defesa doméstico, Grupo Naval, no programa de modernização de fragatas da Grécia.”

As exportações do Rafale têm sido visivelmente pequenas quando comparadas com seus concorrentes, o Eurofighter Typhoon, o F/A-18 Super Hornet e o F-16. O Rafale ficou aquém na licitação da Bélgica de 2018, onde a França ofereceu um pacote bilateral estratégico e econômico que trará um retorno econômico de 100% do preço de compra, juntamente com a criação de aproximadamente 5.000 empregos de alta tecnologia, compensando quase € 20 bilhões. Por fim, o Rafale e o Eurofighter Typhoon foram substituídos pelo F-35 Joint Strike Fighter. Nenhum outro vendedor havia proposto o mesmo nível de cooperação industrial, o que questiona a falta de competitividade do Rafale nos mercados de exportação, mesmo quando acompanhado de um pacote econômico adicional que supera outras ofertas.

Mirage grego passando pelo Canal de Corinto, novembro de 2020.

O Rafale da Dassault conquistou com sucesso contratos para o Egito, Qatar e Índia, com o governo de Modi atualmente ponderando a oferta do governo francês de aumentar as encomendas do Rafale para uma linha de manufatura indiana, alinhando-se com o programa "Make in India" de Modi. Os pedidos de pequenos lotes para o Rafale mantêm a escala de fabricação pequena, portanto, o Rafale não se beneficia das economias de escala. Um fator chave de diferenciação na competitividade do mercado é o preço. De acordo com o contrato indiano de 2016, o preço unitário estimado do Rafale é de € 92 milhões (US$ 104 milhões), enquanto o F-35 tem um preço melhor com uma unidade custando aproximadamente € 70 milhões (US$ 80 milhões) em 2016.

As perspectivas de contrato do Rafale incluem Indonésia, Suíça (programa de modernização do Air 2030) e Finlândia (HX Fighter). Um potencial negócio com a Indonésia de 48 aeronaves Rafale tornaria a Indonésia a maior operadora estrangeira do Rafale e um avanço para o maior volume de exportações do Rafale feitas pela Dassault até o momento. O processo de aquisição para os programas suíço e finlandês ainda está em andamento, já que a Dassault concorre com a Boeing (F/A-18 Super Hornet), Lockheed Martin (F-35) e Airbus (Eurofighter) com a adição da Saab (Gripen) para o programa HX Fighter.

Para a Suíça, preservar a soberania e a autonomia nas operações é um requisito fundamental. A oferta do Eurofighter levou isso em consideração no comunicado à mídia da Airbus publicado em 18 de novembro de 2020, afirmando: “A Suíça ganhará total autonomia no uso, manutenção e aplicação dos dados de suas aeronaves”.

A oferta do F-35 não oferece a mesma autonomia que a oferta do Eurofighter ou potencial cooperação industrial, o que é um bom presságio para a competitividade de mercado do Rafale, já que os franceses provavelmente não colocarão restrições à participação industrial suíça.

O programa finlandês HX Fighter destacou a importância das capacidades de ataque profundo e operações desimpedidas em clima adverso e baixa temperatura para operações de vigilância, reconhecimento, ataque aéreo e defesa. O segundo fator decisivo será o nível de cooperação industrial para o desenvolvimento da indústria local de manutenção e reparo. As licitações da Saab, Dassault Aviation e BAE Systems ofereceram programas de cooperação industrial com manutenção da indústria local, instalações de sustentação e controle sobre a segurança do abastecimento. O Eurofighter também oferece à Finlândia "controle soberano total" sobre as capacidades de defesa. O F-35 está léguas à frente em termos de tecnologia em furtividade, ataque profundo e vigilância. No entanto, é logisticamente mais difícil para a Lockheed Martin igualar o nível de autonomia dado em licitações concorrentes.

Lin continua: “A Boeing ainda não divulgou os detalhes do seu programa de treinamento e sustentação, embora a aquisição do F/A-18 Super Hornet e Growler seja econômica para o pessoal de operação e manutenção existente como uma atualização relevante do atual F/A-18 Hornets. Ambos os países devem anunciar o empreiteiro vencedor este ano. As perspectivas atuais do Rafale durante a pandemia da Covid-19 podem depender das próprias prioridades de um país, se os benefícios econômicos que acompanham as propostas francesas do Rafale, como transferência de tecnologia potencial e cooperação industrial, podem superar a vantagem tecnológica e capacidade operacional do F-35.”

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:



FOTO: Miragem sobre o Sahel, 6 de dezembro de 2020.

FOTO: Mirage 2000D na Jordânia, 23 de janeiro de 2020.



sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

GALERIA: Carros de combate Leopard 2 HEL gregos na neve

O Leopard 2 Hel é um derivado do 2A6, encomendado pelo exército grego em 2003. O "Hel" significa "helênico". Os 170 tanques foram entregues entre 2006 e 2009. O Exército Helênico ainda opera 183 carros Leopard 2A4.





Bibliografia recomendada: