sexta-feira, 25 de junho de 2021

Sem a presença de Maduro, a FAN comemorou 200 anos da Batalha de Carabobo

Carros AMX-30V2 (AMX-30B modernizado) durante o desfile militar, 24 de junho de 2021.

Do site TalCual, 24 de junho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de junho de 2021.

O ministro da Defesa, Vladimir Padrino López, garantiu que houve uma batalha militar e uma batalha política no Campo de Carabobo, razão pela qual 200 anos depois a FAN ratifica seu apoio à nação.

"A Batalha de Carabobo", óleo sobre tela de Martín Tovar y Tovar em 1887.

Sem Nicolás Maduro em pessoa; a Força Armada Nacional (Fuerza Armada Nacional, FAN) homenageou os homens e mulheres que fizeram parte da luta independentista da Batalha de Carabobo, no âmbito do seu Bicentenário. O governante venezuelano preferiu ficar no Palácio Miraflores, a assistir ao desfile militar organizado para esta quinta-feira (24/06), ao qual deu permissão para começar através de passe direto.

Em seu discurso, Maduro declarou que a Venezuela está de pé, livre, soberana e independente. “Este é o nosso caminho, o caminho da emancipação. A união e emancipação estão unidas de maneira intimamente ligada (...) Ano 2021 e estamos de pé, mais revolucionários, independentes e livres do que nunca”.

Por sua vez, o ministro da Defesa, Vladimir Padrino López, garantiu que a Força Armada Nacional (FAN) têm um caminho claro a seguir. “Presente na savana imortal de Carabobo, respiramos o espírito de Simón Bolívar”, disse ele.

General brasileiro José Inácio de Abreu e Lima,
que lutou pelos republicanos na Batalha de Carabobo, 1821.
Afirmou que no Campo de Carabobo ocorreu uma batalha militar e uma batalha política, razão pela qual 200 anos depois a FAN ratifica o seu apoio à nação. “Aquela batalha militar e política deu-nos a liberdade (...) é o verdadeiro caminho da integração para que nunca mais baixemos a cabeça e neste mesmo campo de batalha a ratificamos”, declarou.

Na mesma linha, o Comandante Geral do Exército, M/G Domingo Antonio Hernández Lárez, destacou que “neste dia 24 de junho, 200 anos depois deste histórico ato de armas, chegamos orgulhosamente com os peitos cheios de emoção a este encontro espiritual com todos esses heróis e heroínas libertadores”.

“Prestamos uma homenagem sincera a esses homens e mulheres, que se despojaram de toda diferença para lutar com ardor no campo para expulsar o invasor estrangeiro”, disse o Comandante Geral do Exército Bolivariano.

No seu discurso desde o Campo de Carabobo, sublinhou que “vemos reunidos juntos novamente povo, Força Armada Nacional e governo, como ordenou o Libertador na ordem geral daquele dia memorável”.

Retrato póstumo de Simón Bolívar de Ricardo Acevedo Bernal.

Agradeceu também aos instrutores que “fizeram o invencível para gerar em nossas gerações paixões pela história e pela tática militar, enaltecendo com seus ensinamentos nossas batalhas como parte do patrimônio histórico e moral que nos daria a identidade nacional”.

“Somos herdeiros do exército do Libertador Simón Bolívar, para garantir a independência e soberania da nação, garantir a integridade do espaço geográfico por meio da defesa militar, da cooperação com a ordem interna e da participação ativa no desenvolvimento nacional”, disse Hernández Lárez.

A festa contou com a participação de cerca de 200 artistas que protagonizaram uma peça teatral da Batalha de Carabobo na Avenida Bolívar.

Desfile completo no Campo Monumental de Carabobo

Bibliografia recomendada:

Latin America's Wars:
The Age of the Caudillo, 1791-1899,
Robert L. Scheina.

Leitura recomendada:

Selva de Aço: A História do AK-103 Venezuelano13 de fevereiro de 2021.

GALERIA: Ativação do Comando de Operações Especiais venezuelano30 de agosto de 2020.

GALERIA: Armas do golpe militar na Venezuela em 195811 de fevereiro de 2021.

O regime da Venezuela enche seus bolsos com dinheiro do narcotráfico24 de fevereiro de 2021.

Poderia haver uma reinicialização da Guerra Fria na América Latina?, 4 de janeiro de 2020.

FOTO: O jovem cadete Hugo Chavez, 27 de março de 2020.

FOTO: Paraquedistas venezuelanos marchando com a sub Hotchkiss14 de fevereiro de 2021.

FOTO: Rara submetralhadora tcheca na Venezuela, 28 de março de 2021.

FOTO: Sniper com baioneta calada9 de dezembro de 2020.

A China acabou de soar a sentença de morte para a indústria petrolífera da Venezuela?, 19 de junho de 2021.

Os Mercenários e o Ditador: Ex-Boinas Verdes americanos são condenados por golpe fracassado quixotesco na Venezuela, 9 de agosto de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário