domingo, 9 de agosto de 2020

Os Mercenários e o Ditador: Ex-Boinas Verdes americanos são condenados por golpe fracassado quixotesco na Venezuela

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 9 de agosto de 2020.

Segundo a BBC, um tribunal venezuelano condenou dois ex-soldados americanos a 20 anos de prisão por tentarem derrubar o presidente Nicolás Maduro.

Luke Denman e Airan Berry foram considerados culpados de conspiração, tráfico ilícito de armas e terrorismo. Os dois estavam entre as 13 pessoas presas em maio quando tentavam entrar na Venezuela por mar vindos da Colômbia.

O procurador-geral Tarek William Saab disse que o processo continuará contra outros acusados de ajudar na operação. Em um tweet, Saab compartilhou imagens de veículos, armas e documentos de identidade, e disse que os "mercenários" americanos "admitiram sua responsabilidade pelos fatos".

O presidente dos EUA, Donald Trump, há muito um oponente do presidente socialista Maduro, negou as acusações da Venezuela de que ele estava por trás do incidente. Os EUA apóiam o líder da oposição Juan Guaidó e o reconhecem como o líder legítimo do país.

Pano de fundo

Mercenários Luke Denman, acima, e Airan Berry, baixo, presos com os mercenários venezuelanos.

Denman, 34, e Berry, 41, são ex-militares das forças especiais do exército americano, os famosos Boinas Verdes, que apareceram em um vídeo mostrado na TV estatal venezuelana no início deste ano. No vídeo, Denman parece confessar seu envolvimento na "Operação Gideon" (Gideão) - uma conspiração para matar o presidente Maduro ou sequestrá-lo e levá-lo para os Estados Unidos.

Ele explicou que foi contratado para treinar venezuelanos na Colômbia antes de retornar a Caracas e assumir o controle de um aeroporto para permitir que Maduro fosse retirado do país. Denman disse que ele e Berry foram contratados por uma empresa de segurança com sede na Flórida, a Silvercorp USA, para realizar a operação. A empresa é chefiada por Jordan Goudreau, um veterano militar americano que admitiu abertamente seu envolvimento na operação.

O Washington Post publicou um documento que diz ser um contrato entre a Silvercorp e a oposição venezuelana no valor de US$ 213 milhões para invadir a Venezuela e derrubar o presidente Maduro. O líder da oposição, Juan Guaidó, negou ter qualquer relação com Goudreau.

A débâcle

Tropas venezuelanas com os mercenários capturados, 4 de maio de 2020.

“Às 17 horas, um ousado ataque anfíbio foi lançado da fronteira da Colômbia até o coração de Caracas. Nossos homens continuam lutando agora mesmo.”

Com essas palavras, o ex-boina verde e idealizador do desastre venezuelano, Jordan Goudreau, deixaria o mundo saber que seus homens estavam prontos para capturar o ditador venezuelano Nicholas Maduro.

Mas os eventos acabaram ditando o contrário e em 4 de maio, as autoridades venezuelanas prenderam os dois ex-operadores e demais mercenários quando eles tentavam se infiltrar no país.

Militares venezuelanos com os dois mercenários capturados no dia 3.

Os dois mercenários americanos, Airan Berry e Luke Denman, foram presos ao lado de seis outros homens enquanto tentavam uma infiltração à luz do dia por um barco de pesca. Eles faziam parte de uma segunda onda de mercenários. A primeira onda havia sido comprometida poucas horas antes, no domingo, 3 de maio, resultando na morte de seis e na prisão de dois homens.

A bagunça é resultado do recente estrelismo das forças de operações especiais americanas, completamente refasteladas com louvores do público, mídia e vídeo games, que os leva a terem uma visão fantasiosa da suas próprias capacidades, o que tem levado a tantos problemas de indisciplina. A operação prosseguiu mesmo contando com apenas 20% dos recursos inicialmente previstos, nenhuma segurança de informação e foi classificada por Stavros Atlamazoglou, um editor da revista SOFREP, um portal internacional sobre operações especiais, como "imprudente e arrogante, para dizer o mínimo":

"Batizada de Operação Gideon, a missão foi organizada e coordenada por Goudreau, CEO da Silvercorp USA, uma empresa de segurança privada com sede na Flórida. O plano era imprudente e arrogante, para dizer o mínimo. Em 1º de maio, um artigo da Associated Press havia dado com a língua nos dentes. Apesar dessa brecha de segurança, a operação continuou. Se isso não bastasse, Goudreau até mesmo twittou sobre a infiltração enquanto ela estava ocorrendo, certificando-se de listar o número de pessoas envolvidas e também etiquetar o presidente Trump. Segurança operacional levada para o máximo nível..."

"Incursão de uma força de ataque na Venezuela. 60 venezuelanos e 2 ex-boinas verdes."

De acordo com Goudreau e Denman, os mercenários deveriam se infiltrar na Venezuela, prender Maduro e levá-lo para os Estados Unidos. O Departamento de Justiça americano colocou uma recompensa de US$ 15 milhões pela cabeça do ditador Maduro, que foi rotulado como narcoterrorista pela Casa Branca.

Alguns dias depois, o exército americano divulgou algumas informações adicionais sobre os três americanos que se sabe estarem envolvidos em todo o caso. Goudreau, Berry e Denman pareciam se conhecer desde o tempo que passaram juntos no 10º Grupo de Forças Especiais (10th Special Forces Group, 10th SFG), no qual todos haviam servido na companhia da Força de Resposta à Crises (Crisis Response Force, CRF). Os Boinas Verdes são especialistas em guerra não-convencional (unconventional warfare, UW), um tipo de guerra baseado em ações não-lineares e trabalho íntimo com forças locais. 

As CRF, entretanto, se concentram em Ação Direta (Ação de Comandos), Resgate de Reféns e Contraterrorismo (CT). Cada Grupo de Forças Especiais possui uma companhia da CRF (que, inclusive, foram reduzidas em tamanho recentemente). Os operadores que servem nas CRF, portanto, não têm um conhecimento tão aprofundado dos princípios e da aplicação da UW em comparação com seus irmãos nas outras companhias; embora ainda sejam operadores das Forças Especiais.

O maior problema que os dois infelizes boinas verdes capturados no ato parecem não ter percebido em seu tempo em uniforme, é a enorme cauda logística necessária para manter um grupo de combate ou pelotão de forças especiais operando em território hostil com seus aliados nativos. Nenhum dos três operadores implicados na triste comédia - que serve ao discurso governamental de Caracas - têm qualquer experiência de organização além das pequenas unidades, e nenhuma experiência em planejamento de operações desse tipo em nível superior conforme as informações do exército americano.

Os Operadores

Goudreau, centro, ao lado de dois outros operadores. (Instagram da Silver Corp)

Jordan Goudreau serviu no Exército de 2001 a 2016 como operador de morteiro da infantaria (Indirect Fire Infantryman, 11C) e mais tarde como Sargento Médico das Forças Especiais (Special Forces Medical Sergeant, 18D), eventualmente alcançando o posto de Sargento de Primeira Classe (Sergeant First Class, E-7). Ele teve dois desdobramentos de combate no Iraque e outros dois no Afeganistão. Durante seu serviço, ele foi premiado com três estrelas de bronze e o brevê Ranger; um currículo invejável. Goudreau também foi aprovado na Avaliação e Seleção da Força Delta (Assessment and Selection, A&S). Ele foi, no entanto, dispensado durante o Curso de Treinamento de Operadores (Operator Training Course, OTC) subsequente. Ele foi o idealizador da cruzada trapalhona.

Airan Berry, de blusa azul na foto superior à direita.

Berry serviu no Exército de 1996 a 2013 como Sargento Engenheiro das Forças Especiais (Special Forces Engineer Sergeant, 18C), saindo com o posto de Sargento (Sergeant, E-5) - com 17 anos em uniforme, seu posto indica que ele foi rebaixado alguns postos por um ou mais delitos. Ele participou da Operação Viking Hammer, na qual o 10º SFG e os combatentes curdos atacaram do norte e conseguiram imobilizar forças iraquianas muito maiores durante a Invasão do Iraque em 2003. Ele completou três missões de combate no Iraque. Berry tem o brevê Ranger e também foi mergulhador de combate. Ele foi capturado no dia 4 de maio por tropas venezuelanas.

Denman serviu no Exército de 2006 a 2014 (os últimos três anos nas Reservas do Exército) como Sargento de Comunicações das Forças Especiais (Special Forces Communications Sergeant, 18E). Ele fez um tour de combate no Iraque e também recebeu a Medalha de Comenda do Exército (Army Commendation Medal).

Resultados

Em termos de ameaça ao governo ditatorial socialista do presidente Maduro, a Operação Gidean foi completamente nula. Os mercenários da primeira infiltração foram logo neutralizados e aqueles da segunda infiltração entraram em um tiroteio de 45 minutos com helicópteros militares venezuelanos, snipers e mesmo pescadores "irritados" leais ao regime. Os que sobreviveram tentaram fugir para uma ilha holandesa próxima, mas em vez disso o barco acabou deixando membros em diferentes áreas ao longo da costa, onde as autoridades venezuelanas acabaram os prendendo eventualmente. O assalto anfíbio improvisado deixou 8 mortos na praia e 13 prisioneiros.

Tropas venezuelanas guardam a área da costa e um barco no qual o grupo mercenário desembarcou, em plena luz do dia, na cidade portuária de La Guaíra, Venezuela, em 3 de maio de 2020.

A Silvercorp USA também fez o favor de tuitar sobre a missão em 3 de maio, o dia em que os barcos foram interceptados pelas autoridades venezuelanas. Desnecessário dizer que anunciar uma tentativa de golpe antes que ela realmente tivesse começado não era a melhor maneira de manter o elemento surpresa. “É tão surpreendentemente estúpido que achei que fosse um equívoco”, disse Ephraim Mattos, um ex-operador SEAL que hoje trabalha com consultoria.

Segundo Mattos, Jordan Goudreau "prometeu demais e entregou de menos", com a operação não contando com qualquer ligação com o governo americano, mas Goudreau fez parecer aos envolvidos como se ele fosse tal ligação.

O ditador Maduro ridicularizou os boinas verdes capturados, dizendo que eles estavam "brincando de Rambo na Venezuela", e a internet reagiu com vários memes comparando o fracasso com a auto-imagem americana cultivada em Hollywood.


Robert Colina Ybarra (codinome Pantera), o ex-capitão que supostamente dirigia um dos campos de treinamento dos mercenários em Riohacha, foi morto em combate. Adolfo Baduel, filho do ex-ministro da Defesa de Chávez, Raúl Baduel, estava entre os detidos. Outros três mercenários foram capturados no dia 6. Chamar de operação amadora seria muito, muito generoso”, disse Fernando Cutz, ex-diretor para a América do Sul no Conselho de Segurança Nacional de Trump.

O material capturado incluíam fardas venezuelanas, rádios, óculos de visão noturna, documentos e, para adicionar à hilaridade da situação, uma arma de airsoft e sete camisinhas.

O governo venezuelano fez máximo proveito da publicidade gratuita. O procurador-geral venezuelano Tarek William Saab anunciou posteriormente que 25.000 soldados foram mobilizados em uma missão militar venezuelana chamada "Escudo Bolivariano" para proteger o país de tentativas semelhantes; dando credibilidade à linha retórica do governo bolivariano.

O ex-capitão Javier Nieto Quintero, um dos organizadores da operação, disse no dia 7 de maio que os eventos eram apenas um "reconhecimento tático avançado" e que o grupo Carive contava com 3.000 soldados. A mídia venezuelana e a Reuters também informaram que as Forças de Operações Especiais (SSO) da Rússia estavam auxiliando soldados venezuelanos na vigilância de veículos aéreos não-tripulados; dando ainda mais credibilidade às diatribes do ditador socialista.

Parabéns aos envolvidos!

Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:

Certos “aspectos culturais” das forças especiais dos EUA explicariam problemas de disciplina7 de abril de 2020.

O plano da Marinha de criar mais pelotões SEAL parou em meio a problemas disciplinares29 de maio de 2020.

Navy SEAL aposentado Eddie Gallagher ataca novamente os SEALs que testemunharam contra ele24 de fevereiro de 2020.

Poderia haver uma reinicialização da Guerra Fria na América Latina?4 de janeiro de 2020.

Um olhar mais profundo sobre a interferência militar dos EUA na Venezuela4 de abril de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário