Mostrando postagens com marcador HAMAS. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador HAMAS. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 3 de junho de 2021

O Hamas como senhor de Gaza: A geopolítica dos palestinos

Militantes do Hamas desfilando em Gaza comemorando a alegada vitória contra Israel, 22 de março de 2021. Enquanto isso, o Egito intermediava um cessar-fogo com Israel.

Por George Friedman, Stratfor, 19 de junho de 2007.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de junho de 2021.

[Nota do Tradutor: Análise feita quando o Hamas venceu a guerra contra o Fatah e tomou o controle da Faixa de Gaza em 15 junho de 2007. Isso permitiu o fortalecimento do grupo terrorista, desafiando a Autoridade Nacional Palestina e criando um território próprio. Esse artigo deve ser lido em conjunto com este e este artigos.]

Na semana passada, aconteceu uma coisa importante no Oriente Médio. O Hamas, um grupo político islâmico radical, tomou à força o controle de Gaza do rival Fatah, um grupo palestino essencialmente secular. A Cisjordânia, entretanto, permanece mais ou menos sob o controle do Fatah, que domina a Autoridade Nacional Palestina naquela região. Portanto, pela primeira vez, os dois territórios palestinos distintos - a Faixa de Gaza e a Cisjordânia - não estão mais sob uma única autoridade palestina. O Hamas vem aumentando sua influência entre os palestinos há anos e ganhou um grande impulso ao vencer a eleição mais recente. Agora, reivindicou controle exclusivo sobre Gaza, sua fortaleza histórica e base de poder. Não está claro se o Hamas tentará assumir o controle da Cisjordânia também, ou se teria sucesso se fizesse tal jogada. A Cisjordânia é uma região diferente com uma dinâmica muito diferente.


O que é certo, pelo menos por enquanto, é que essas regiões estão divididas em duas facções e, portanto, têm o potencial de se tornarem dois Estados palestinos diferentes. De certa forma, isso faz mais sentido do que o arranjo anterior. A Cisjordânia e a Faixa de Gaza estão fisicamente separadas uma da outra por Israel. Viajar de uma parte dos territórios palestinos para a outra depende da disposição de Israel em permiti-lo - o que nem sempre acontece. Como resultado, os territórios palestinos são divididos em duas áreas com contato limitado.

A guerra entre os filisteus e os hebreus é descrita nos livros de Samuel. Os filisteus controlavam as planícies costeiras do Levante, a costa leste do Mediterrâneo. Eles tinham tecnologias avançadas, como a habilidade de fundir bronze, e conduziam o comércio internacional para cima e para baixo do Levante e dentro do Mediterrâneo oriental. Os hebreus, incapazes de enfrentarem os filisteus em combate direto, recuaram para as colinas a leste da costa, na Judéia, área hoje chamada Cisjordânia. Os filisteus faziam parte de uma entidade geográfica que ia de Gaza ao norte até a Turquia. Os hebreus faziam parte do interior que ligava o norte à Síria, o sul nos desertos da Arábia e a leste pelo Jordão. Os filisteus não conseguiram perseguir os hebreus no interior, e os hebreus - até Davi - não conseguiram desalojar os filisteus da costa. Duas entidades distintas existiram.

Hoje, Gaza está ligada ao sistema costeiro, que Israel e Líbano agora ocupam. Gaza é a ligação entre a costa do Levante e o Egito. A Cisjordânia não é uma entidade costeira, mas uma região cujos laços são com a Península Arábica, Jordânia e Síria. A questão é que Gaza e Cisjordânia são entidades geográficas muito distintas que vêem o mundo de maneiras muito diferentes. Gaza, com suas ligações ao norte cortadas pelos israelenses, historicamente foi orientada para os egípcios, que ocuparam a região até 1967. Os egípcios influenciaram a região criando a Organização para a Libertação da Palestina (Palestine Liberation Organization, PLO), enquanto sua dissidente Irmandade Muçulmana ajudou a influenciar a criação do Hamas em 1987.

A Cisjordânia, parte da Jordânia até 1967, é maior e mais complexa em sua organização social e realmente representou o centro de gravidade do nacionalismo palestino sob o Fatah. Gaza e a Cisjordânia sempre foram entidades separadas, e a recente ação do Hamas provou essa realidade. A vitória do Hamas em Gaza significa muito mais para os palestinos e egípcios do que para os israelenses - pelo menos a curto prazo. O medo em Israel agora é que Gaza, sob o governo do Hamas, se torne mais agressiva na realização de ataques terroristas em Israel. O Hamas certamente tem uma ideologia que defende isso, e é totalmente possível que o grupo se torne mais antagônico. No entanto, parece-nos que o Hamas já era capaz de realizar tantos ataques quantos desejasse antes de assumir o controle total. Além disso, ao aumentar os ataques agora, o Hamas - que sempre foi capaz de negar a responsabilidade por esses incidentes - perderia o elemento de negação. Tendo assumido o controle de Gaza, independentemente de realizar ataques, não teria conseguido evitá-los. A liderança do Hamas está agora mais vulnerável do que nunca.

Vamos considerar a posição estratégica dos palestinos. Sua principal arma contra Israel continua sendo o que sempre foi: ataques aleatórios contra alvos civis destinados a desestabilizar Israel. O problema com essa estratégia é óbvio. Usar o terrorismo contra americanos no Iraque é potencialmente eficaz como estratégia. Se os americanos não suportarem o nível de baixas que está sendo imposto, eles têm a opção de deixar o Iraque. Embora a partida possa representar sérios problemas para os interesses regionais e globais dos EUA, isso não afetaria a continuidade da existência dos Estados Unidos. Portanto, os insurgentes poderiam encontrar um limite que forçaria os Estados Unidos a se dobrarem. Os israelenses não podem deixar Israel. Suponha por enquanto que os palestinos poderiam causar 1.000 vítimas civis por ano. Existem cerca de 5 milhões de judeus em Israel. Isso seria cerca de 0,02 por cento de baixas. Os israelenses não vão deixar Israel nessa taxa de baixas, ou em uma taxa mil vezes maior. Ao contrário dos americanos, para quem o Iraque é um interesse subsidiário, Israel é o interesse central de Israel. Israel não vai capitular aos palestinos por causa dos ataques terroristas.

Uma unidade de artilharia israelense dispara contra alvos na Faixa de Gaza, na fronteira israelense com Gaza, quarta-feira, 12 de maio de 2021.

Os israelenses podem ser convencidos a fazerem concessões políticas na formação de um Estado palestino. Por exemplo, eles podem conceder mais terras ou mais autonomia para impedir os ataques. Isso pode ter sido atraente para o Fatah, mas o Hamas rejeita explicitamente a existência de Israel e, portanto, não dá aos israelenses nenhum motivo para fazerem concessões. Isso significa que, embora os ataques possam ser psicologicamente satisfatórios para o Hamas, eles seriam substancialmente menos eficazes do que os ataques realizados enquanto o Fatah conduzia as negociações. Negociar com o Hamas não traz nada para Israel. Um dos usos do terrorismo é desencadear uma resposta israelense, que por sua vez pode ser usada para abrir uma barreira entre Israel e o Ocidente. O Fatah tem sido historicamente habilidoso em usar o ciclo de violência em seu benefício político.

O Hamas, entretanto, é prejudicado de duas maneiras: primeiro, sua posição sobre Israel é considerada muito menos razoável do que a do Fatah. Em segundo lugar, o Hamas é cada vez mais visto como um movimento jihadista e, como tal, sua força ameaça os interesses europeus e americanos. Embora Israel não queira ataques terroristas, esses ataques não representam uma ameaça à sobrevivência do Estado judeu. Para serem de sangue frio, eles são irritantes, não uma ameaça estratégica. A única coisa que poderia ameaçar a sobrevivência de Israel, além de uma barragem nuclear, seria uma mudança na posição dos Estados vizinhos. No momento, Israel tem tratados de paz com o Egito e a Jordânia, e uma relação funcional adequada com a Síria. Com Egito e Jordânia fora do jogo, a Síria não representa uma ameaça. Israel está estrategicamente seguro.

O vizinho mais importante de Israel é o Egito. Quando energizado, é o centro de gravidade do mundo árabe. Sob o ex-presidente Gamal Abdul Nasser, o Egito dirigiu a hostilidade árabe a Israel. Depois que Anwar Sadat reverteu a estratégia de Nasser em relação a Israel, o Estado judeu estava basicamente seguro. Outras nações árabes não poderiam ameaçá-lo, a menos que o Egito fizesse parte da equação. E por quase 30 anos, o Egito não fez parte da equação. Mas se o Egito invertesse sua posição, Israel se sentiria, com o tempo, muito menos confortável. Embora a Arábia Saudita tenha ofuscado recentemente o papel do Egito no mundo árabe, os egípcios sempre podem optar por uma posição de liderança forte e usar sua força para ameaçar Israel. Isso se torna especialmente importante quando a saúde do presidente egípcio Hosni Mubarak piora e levantam-se questionamentos se seus sucessores conseguirão manter o controle do país enquanto a Irmandade Muçulmana lidera uma campanha para exigir reformas políticas [NT: essa problemática explodiu na Primavera Árabe de 2011].

Manifestantes durante os protestos em massa no Cairo, capital do Egito, em 2011.

Como já dissemos, Gaza faz parte do sistema costeiro mediterrâneo. O Egito controlou Gaza até 1967 e reteve influência lá depois, mas não na Cisjordânia. O Hamas também foi influenciado pelo Egito, mas não pelo governo de Mubarak. O Hamas foi uma conseqüência da Irmandade Muçulmana egípcia, que o regime de Mubarak fez um trabalho razoavelmente bom em conter, principalmente por meio da força. Mas também existe um paradoxo significativo nas relações do Hamas com o Egito. O regime de Mubarak, particularmente por meio de seu chefe de inteligência (e possível sucessor de Mubarak) Omar Suleiman, tem boas relações de trabalho com o Hamas, apesar de ser duro com a Irmandade Muçulmana. Esta é a ameaça a Israel. O Hamas tem laços com o Egito e ressoa com os egípcios, bem como com os sauditas. Seus membros são sunitas religiosos. Se a criação de um estado islâmico palestino em Gaza for bem-sucedida, o efeito negativo mais importante pode ser no Egito, onde a Irmandade Muçulmana - que atualmente está muito baixa - poderia ser reativada. Mubarak está envelhecendo e espera ser sucedido por seu filho.

A credibilidade do regime é limitada, para dizer o mínimo. É improvável que o Hamas tome o controle da Cisjordânia - e, mesmo que o fizesse, ainda não faria diferença estratégica. O aumento dos ataques terroristas contra a população de Israel alcançaria menos do que os ataques que ocorreram enquanto o Fatah negociava. Eles poderiam acontecer, mas não levariam a lugar nenhum. A estratégia de longo prazo do Hamas - na verdade, a única esperança dos palestinos que não se prepararam para aceitar um acordo com Israel - é que o Egito mude seu tom em relação a Israel, o que poderia muito bem envolver energizar as forças islâmicas no Egito e provocar a queda do regime de Mubarak. Essa é a chave para qualquer solução para o Hamas. Embora muitos estejam se concentrando no aumento da influência do Irã em Gaza, deixando de lado a retórica, o Irã é um jogador secundário na equação israelense-palestina. Mesmo a Síria, apesar de hospedar a liderança exilada do Hamas, tem pouco peso quando se trata de representar uma ameaça estratégica para Israel.

Militantes do Hamas brandindo armas e bandeiras.

Mas o Egito tem um peso enorme. Se um levante islâmico ocorresse no Egito e fosse instalado um regime que pudesse energizar o público egípcio contra Israel, isso refletiria uma ameaça estratégica à sobrevivência do Estado israelense. Não seria uma ameaça imediata - levaria uma geração para transformar o Egito em uma potência militar - mas, em última análise, representaria uma ameaça. Apenas um Egito disciplinado e hostil poderia servir como a pedra angular de uma coalizão anti-Israel. O Hamas, ao se afirmar em Gaza - especialmente se puder resistir ao exército israelense - pode acertar a nota no Egito que o Fatah não consegue fazer por quase 30 anos. Essa é a importância da criação de uma entidade separada em Gaza; isso complica as negociações entre israelenses e palestinos e provavelmente as torna impossíveis. E isso por si só funciona a favor de Israel, já que ele não precisa nem mesmo entreter negociações com os palestinos enquanto os palestinos continuarem se dividindo.

Se o Hamas fizesse incursões significativas na Cisjordânia, as coisas seriam mais difíceis para Israel, assim como para a Jordânia. Mas com ou sem a Cisjordânia, o Hamas tem o potencial - não a certeza, apenas o potencial - de alcançar o oeste ao longo da costa mediterrânea e influenciar os eventos no Egito. E essa é a chave para o Hamas. Provavelmente há uma dúzia de razões pelas quais o Hamas fez a mudança que fez, a maioria delas triviais e limitadas a problemas locais. Mas a consequência estratégica de uma Gaza islâmica independente é que ela pode atuar tanto como um símbolo quanto como um catalisador para a mudança no Egito, algo que era difícil enquanto o Hamas estava emaranhado com a Cisjordânia. Isso provavelmente não foi planejado, mas é certamente a consequência mais importante - pretendida ou não - do caso de Gaza. Duas coisas devem ser monitoradas: primeiro, se há reconciliação entre Gaza e a Cisjordânia e, em caso afirmativo, em que termos; segundo, o que os islâmicos egípcios liderados pela Irmandade Muçulmana fazem agora que o Hamas, sua própria criação, assumiu o controle de Gaza, uma região que já foi controlada pelos egípcios. O Egito é o lugar para assistir.

George Friedman é um analista geopolítico reconhecido internacionalmente e estrategista em assuntos internacionais, fundador do Stratfor e o fundador e presidente da Geopolitical Futures, uma publicação online que analisa e prevê o sistema internacional. É o autor dos best-sellers Flashpoints: The Emerging Crisis in Europe, The Next Decade, America's Secret War, The Future of War e The Intelligence Edge. Seus livros foram traduzidos para mais de 20 idiomas.

Post-script: O Egito bloqueia Gaza

Um soldado egípcio em cima de um tanque na Praça Tahrir, durante a Revolução Egípcia de 2011, parte da Primavera Árabe.

Os militares egípcios realizaram uma repressão sangrenta ao governo da Irmandade Muçulmana durante o golpe de 2013, liderado pelo General Abdel Fattah al-Sisi. O presidente da Irmandade Muçulmano, Mohamed Morsi, que havia subido à presidência depois da Primavera Árabe (2011), foi deposto e os meios de comunicação da Irmandade foram silenciados. O Egito retornou ao nasserismo. Iniciou-se uma insurgência islâmica no Sinai.

Em 23 de janeiro de 2008, depois que militantes do Hamas na Faixa de Gaza detonaram uma explosão perto da passagem de fronteira de Rafah, destruindo parte do muro de 2003, iniciou-se um êxodo palestino para o Egito. As Nações Unidas estimam que cerca de metade do 1,5 milhão de habitantes da Faixa de Gaza cruzou a fronteira com o Egito em busca de alimentos e suprimentos. Por temer que militantes adquirissem armas no Egito, a polícia israelense ficou em alerta crescente.

O Egito havia fechado a passagem de fronteira de Rafah em junho de 2007, dias antes do Hamas assumir o controle de Gaza no final do conflito Fatah-Hamas; A violação da fronteira seguiu-se a um bloqueio da Faixa de Gaza por Israel começando em parte naquele mesmo junho, com reduções no fornecimento de combustível em outubro de 2007. Um bloqueio total começou em 17 de janeiro de 2008 após um aumento nos ataques com foguetes contra Israel vindos de Gaza.

Policiais egípcios dirigindo em uma estrada que leva à capital da província do Sinai do Norte, El-Arish, em 26 de julho de 2018.

Embora Israel exigisse que o Egito fechasse a fronteira devido a questões de segurança, o presidente egípcio Hosni Mubarak ordenou que suas tropas permitissem travessias para aliviar a crise humanitária, enquanto verificava que os habitantes de Gaza não tentavam trazer armas de volta para Gaza. Em cinco dias, os habitantes de Gaza gastaram cerca de US$ 250 milhões apenas na capital do governo do Sinai do Norte, Arish. A súbita e enorme demanda por produtos básicos levou a grandes aumentos de preços locais e escassez.

A Irmandade Muçulmana no parlamento egípcio desejava abrir o comércio através da fronteira com Gaza em 2012, uma medida que teria sido resistida pelo governo egípcio de Tantawi. Após o golpe de Estado egípcio de 2013, os militares egípcios destruíram a maioria dos 1.200 túneis usados para o contrabando de alimentos, armas e outros bens para Gaza. Estes túneis custam bilhões e são pagos com ajuda humanitária desviada. Após o massacre de Rabaa em agosto de 2013 no Egito, a passagem de fronteira foi fechada "indefinidamente".

O argumento do Egito é que não pode abrir a passagem de Rafah a menos que a Autoridade Palestina chefiada por Mahmoud Abbas controle a passagem e monitores internacionais estejam presentes. O ministro das Relações Exteriores do Egito, Ahmed Aboul Gheit, disse que o Hamas deseja que a fronteira seja aberta porque isso representaria o reconhecimento egípcio do controle do grupo sobre Gaza. "É claro que isso é algo que não podemos fazer", disse ele, "porque isso minaria a legitimidade da Autoridade Palestina e consagraria a divisão entre Gaza e a Cisjordânia."

Posto militar egípcio no Sinai.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:




terça-feira, 18 de maio de 2021

Conflito de Gaza: as armas norte-coreanas do Hamas


Por Joost Oliemans e Stijn Mitzer, Oryx, 18 de maio de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de maio de 2021.

Em 6 de maio de 2021, protestos eclodiram em Jerusalém sobre a decisão de despejar residentes palestinos em favor dos colonos israelenses em Sheikh Jarrah, um bairro de Jerusalém Oriental que, segundo o direito internacional, faz parte da Palestina. As autoridades israelenses reprimiram os protestos com violência, ferindo muitos palestinos e levando os dois campos à beira de um confronto armado. Enquanto os protestos continuavam com muitos mais feridos, o Hamas emitiu um ultimato segundo o qual Israel foi obrigado a retirar suas forças da religiosamente sensível mesquita Al-Aqsa de Jerusalém até 10 de maio. Após o fracasso de Israel em cumprir o ultimato, o Hamas então começou a disparar foguetes contra assentamentos israelenses na Faixa de Gaza, que tem sido palco de muitos confrontos semelhantes nas últimas décadas.

Em resposta aos ataques com foguetes, Israel começou a atingir um grande número de alvos do Hamas dentro da Faixa de Gaza usando artilharia e munições guiadas de precisão lançadas de caças e veículos aéreos não-tripulados (VANT), começando no mesmo dia. Até agora, acredita-se que esses ataques resultaram na morte de cerca de 200 palestinos, incluindo vários membros de alto escalão do Hamas, mas também muitos civis, supostamente incluindo pelo menos 58 crianças.[1] Do lado de Israel, dez vítimas foram relatadas até agora, a maioria das quais morreram após terem sido atingidas por foguetes do Hamas.[1]

As armas de escolha do Hamas - manejadas por meio de sua ala militar, as Brigadas Izz ad-Din al-Qassam - até agora assumiram a forma de foguetes não-guiados produzidos localmente, disparados em grandes salvas simultâneas em um esforço para saturar e subjugar o sistema de defesa aérea israelense Domo de Ferro encarregado de interceptá-los. À medida que a violência aumentava ainda mais, o Hamas também lançou vários outros sistemas de armas, incluindo mísseis guiados antitanque (ATGM) e munições perambulantes, ambos amplamente divulgados à medida que seu uso se intensificou.


Especialmente o uso de ATGMs pelo Hamas representa uma ameaça que não deve ser subestimada. Capaz de penetrar a blindagem da maioria dos veículos em serviço com as Forças de Defesa de Israel (IDF) com alta precisão, o uso bem-sucedido de um ATGM tem o potencial de causar mais baixas do que dias de barragens de foguetes. Durante a última rodada de combates, o Hamas usou ATGMs em pelo menos duas ocasiões para atacar veículos ao longo da fronteira de Gaza, resultando na morte de um soldado israelense e no ferimento de três outros.[2] Por sua vez, as IDF estão decididas a eliminar as equipes ATGM antes que elas possam disparar seus mísseis, supostamente resultando em sete dessas células terem sido destruídas.[3]


Embora o Hamas tenha dominado a produção nativa de foguetes não-guiados, RPGs e até drones (embora com alguns componentes contrabandeados do exterior), ele depende exclusivamente de sua vasta rede de contrabando e da ajuda militar do Irã para a aquisição de ATGMs. Seu estoque atual de ATGMs consiste em sistemas como o 9M14 Malyutka, 9M111 Fagot, 9M113 Konkurs e o temido 9M133 Kornet que o Hamas conseguiu contrabandear da Líbia devastada pela guerra e do Irã, mas também inclui um número limitado de ATGMs Bulsae-2 norte-coreanos . Esses ATGMs servem ao lado da igualmente evasiva granada de propulsão por foguete F-7 norte-coreana, pequena quantidade das quais também chegaram à Faixa de Gaza.

É provável que as Brigadas al-Qassam tenham recebido seu armamento norte-coreano do Irã por meio de uma elaborada rede de contrabandistas e canais secretos que vão do Sudão à Faixa de Gaza. Isso presumivelmente aconteceu de forma semelhante a como é feito com outros transportes: após a entrega ao Sudão, o armamento é transportado por terra para o Egito, de onde é contrabandeado para a Faixa de Gaza por meio de túneis. Esta teoria é ainda apoiada por um incidente em dezembro de 2009, em que um carregamento de armas norte-coreano a bordo de um avião de carga Ilyushin Il-76 foi descoberto e apreendido pelas autoridades tailandesas imediatamente após o desembarque em Bangkok. [4] A carga, marcada como consistindo de equipamento de perfuração de petróleo, continha trinta e cinco toneladas de foguetes, mísseis terra-ar portáteis (Man-portable air-defense systems, MANPADS), explosivos, granadas propelidas por foguete e outros armamentos. Outra remessa semelhante foi apreendida nos Emirados Árabes Unidos alguns meses antes (julho de 2009). [4] Acredita-se que uma grande quantidade de remessas para o Hamas e o Hezbollah (no Líbano) tenha sido transferida sem ser notada.


O papel da Coreia do Norte (República Democrática da Coréia, RPDC) neste esquema parece, portanto, ser limitado a ser o fabricante do armamento. Ainda assim, pode-se presumir que a Coréia do Norte tem pleno conhecimento de seu destino final. No entanto, como o único interesse do regime em tais negócios é a moeda forte que eles geram, e o desespero crescente levando-os a clientes cada vez mais improváveis, isso dificilmente representaria um problema. É claro que, do lado do cliente, essa escolha um tanto esotérica de fornecedor de armas pode ser surpreendente também, com o Hamas não tendo nenhuma afiliação anterior com Pyongyang (embora este último tenha consistentemente condenado as ações israelenses na região).

Na verdade, é possível que o Irã tenha procurado obscurecer seu envolvimento contratando os norte-coreanos para fornecer material, permitindo-lhes manter uma negação plausível quando o armamento em questão seria plotado em serviço com as forças militares do Hamas. Os próprios norte-coreanos também não estão muito interessados em ter a origem de seu armamento descoberta, e muitas vezes eles comercializam armas em inglês usando nomes de equipamentos estrangeiros comparáveis. Na Líbia, lançadores e mísseis foram identificados com as inscrições PLA-017 e PLA-197, respectivamente, talvez para dar a falsa impressão de que se originaram na China.

Mais lançadores e mísseis Bulsae-2 surgiram no inventário das Brigadas al-Nasser Salah al-Deen, que se separaram do Hamas após lutas políticas internas.

Outro tipo de munição norte-coreana em serviço com as Brigadas al-Qassam é a granada propelida por foguete F-7, uma cópia doméstica da munição PG-7 soviética para uso com o RPG-7 (e possivelmente compatível com as variantes do Hamas produzidas localmente também). O F-7 é facilmente discernível de outras cópias do PG-7 pela faixa vermelha ao redor da ogiva. Essas munições apareceram em todo o mundo, inclusive na Síria e no Egito, sendo que este último apreendeu 30.000 munições em 2017, após uma denúncia dos Estados Unidos de que um cargueiro norte-coreano próximo ao Canal de Suez poderia estar transportando carga ilícita. Em uma embaraçosa virada de acontecimentos, o destino da carga ilícita foi revelado como o país que a apreendeu originalmente: o Egito.[5]


Em seu projeto original, o míssil filo-guiado 9M111 usa comando semiautomático para linha de visão (semi-automatic command to line of sight, SACLOS) para fazer seu caminho até o alvo e pode penetrar cerca de 460 mm de blindagem homogênea enrolada (RHA), embora mísseis atualizados possam geralmente ser disparados pelo mesmo lançador. Sabe-se que a RPDC recebeu o sistema 9K111 da União Soviética em meados da década de 1980.

O sistema norte-coreano difere em algumas áreas principais. Mais notavelmente, enquanto o míssil original era filo-guiado e, portanto, corria o risco de seu fio ser cortado ou sofrer curto-circuito ao voar sobre a água, o Bulsae-2 é guiado por laser. A orientação do laser também resulta potencialmente em uma maior precisão, já que o operador precisa apenas manter um retículo no alvo para corrigir o vôo do míssil. Além disso, o Bulsae-2 padrão não oferece maior alcance, penetração de ogivas ou um modo de operação diferente, embora no serviço norte-coreano haja conhecimento da existência de mísseis mais atualizados. A Coreia do Norte também parece fabricar suas próprias baterias térmicas de formato distinto, o que provavelmente não afeta a qualidade do sistema.

Para o Hamas, especialmente o desenho compacto e altamente portátil deste sistema ATGM será apreciado, o que permite que um único soldado carregue o lançador inteiro enquanto seus companheiros militares carregam dois tubos de lançamento cada.


No passado, a Coreia do Norte dependia de suas relações externas para fornecer moeda por meio da venda de armas que ajudavam o regime a manter o controle sobre o país. Como resultado, as exportações de mísseis balísticos e até mesmo de tecnologia nuclear para países como Egito, Síria, Irã e Mianmar têm sido relatadas com frequência, atraindo muita atenção de observadores internacionais. No entanto, à medida que sua base de clientes diminui, seus escrúpulos em lidar com atores não-estatais diminuíram de acordo, e se a RPDC pudesse garantir um novo acordo com o Hamas (presumivelmente por meio do Irã), quase certamente o faria.

Para o Hamas, o benefício dos ATGMs e granadas propelidas por foguetes norte-coreanos durará apenas enquanto durarem seus estoques, o que, dados os números relativamente pequenos envolvidos e a continuidade do conflito na Faixa de Gaza, pode não demorar muito. Com as rotas de contrabando em constante evolução e o Irã agora produzindo ATGMs em várias categorias que foi preparado para exportar para forças de procuração no Iêmen e no Iraque, parece mais provável que os próximos lotes de ATGMs e RPGs para chegar a Gaza consistirão em exemplares iranianos. Isso poderia incluir o Dehlavieh ATGM (uma cópia do 9M133 Kornet), mas também as cópias simplificadas do RPG-29 iraniano especificamente projetadas para uso com forças de procuração. Diante desses sistemas muito mais capazes, que podem até representar uma ameaça até mesmo à mais nova blindagem de Israel, as armas norte-coreanas do Hamas podem parecer uma mera relíquia histórica. No entanto, eles servem como um lembrete mortal das formas como as armas ilícitas atravessam o globo e, às vezes, surgem onde menos são esperadas.


Notas
  1. O número de mortos em Gaza se aproxima de 200 em meio a um surto de ataques israelenses. (link)
  2. Jipe atingido por míssil anti-tanque em ataque mortal estava estacionado à vista de Gaza. (link)
  3. IDF aumenta o ritmo de ataques, elimina 7 células ATGM, bancos e infraestrutura terrorista. (link)
  4. Avião norte-coreano com armas contrabandeadas apreendido na Tailândia. (link)
  5. Um navio norte-coreano foi apreendido ao largo do Egito com um enorme carga escondida de armas destinadas a um comprador surpreendente. (link)

Bibliografia recomendada:

The Rocket Propelled Grenade.
Gordon L. Rottman.

Leitura recomendada:


quinta-feira, 13 de maio de 2021

COMENTÁRIO: A guerra que não deveria ter ocorrido


Por Neri Zilber, New Lines Magazine, 13 de maio de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de maio de 2021.

Israel e o Hamas chegaram a um acordo pragmático durante anos. Como isso foi derrubado?

Israel e Gaza estão em guerra novamente. Isso pode não ser nada novo, mas realmente não era para acontecer desta vez.

Após semanas de tensões, dias de confrontos e uma manhã particularmente violenta, a situação no terreno na Cidade Velha de Jerusalém na tarde de segunda-feira estava relativamente calma.

A fumaça sobe de uma torre destruída por ataques aéreos israelenses em meio a uma explosão de violência israelense-palestina na cidade de Gaza, 12 de maio de 2021. (Ahmed Zakot)

As forças de segurança israelenses foram desdobradas em massa após os confrontos anteriores com fiéis palestinos perto da Mesquita de Al-Aqsa, o terceiro local mais sagrado do Islã, e antes de uma marcha planejada de ultranacionalistas judeus pelos bairros muçulmanos para marcar o aniversário da captura da cidade na guerra de 1967.

A polícia de choque israelense que comandava as estreitas cercas de paralelepípedos da Cidade Velha parecia entediada, assim como os jovens palestinos que andavam por perto. Quando as autoridades israelenses decidiram mudar a rota da marcha provocativa, no pressuposto correto de que isso apenas inflamaria a situação, os comerciantes locais se alegraram: eles poderiam permanecer abertos, vendendo doces e bebidas aos devotos que observavam o jejum do Ramadã.

Isso ocorreu depois que grupos judeus foram proibidos de subirem ao complexo da Mesquita de Al-Aqsa, local do Segundo Templo Judeu, e depois que a Suprema Corte adiou a decisão sobre o despejo de várias famílias palestinas de suas casas em um bairro próximo em favor de colonos judeus.

Ao todo, parecia que após semanas de negligência maligna, se não intromissão ativa, o governo israelense havia recuado do limite.

Foguetes disparados pelo Hamas, Cidade de Gaza, 12 de maio de 2021.

O que poucos no estabelecimento de segurança nacional de Israel previram foi que o Hamas entraria ativamente na briga. O grupo militante, que controla Gaza, disparou uma enxurrada de foguetes contra Jerusalém pela primeira vez em sete anos.

No momento em que este artigo foi escrito, mais de 80 palestinos em Gaza foram supostamente mortos e quase 500 feridos, com os militares israelenses dizendo que pelo menos metade dos mortos eram terroristas; seis civis israelenses e um soldado foram mortos, com dezenas de outros civis feridos.

Recentemente, no último fim de semana, os militares israelenses avaliaram que o Hamas não estava procurando por uma grande escalada em Gaza.

Recentemente, no último fim de semana, os militares israelenses avaliaram que o Hamas não estava procurando por uma grande escalada em Gaza. O movimento islâmico em 2007 assumiu o controle do território costeiro em um violento golpe contra seus rivais seculares na Autoridade Palestina. Israel respondeu bloqueando o território (junto com o Egito) no pressuposto de que o governo do grupo entraria em colapso se fosse isolado.

Patrulha da polícia israelense na mesquita de Al-Aqsa.

Isso decididamente não aconteceu. O povo de Gaza sofreu muito sob o jugo do bloqueio, mas o Hamas manteve seu governo por meio de um regime de “aço e fogo”, como disse um oficial palestino: o uso da força e da intimidação. Mas uma solução para sua crise macroeconômica precisava ser encontrada. “O soberano perde”, o xeique Hassan Youssef, líder do Hamas na Cisjordânia, certa vez admitiu para mim, referindo-se ao fardo da governança.

Em uma tentativa de resistir ao bloqueio e garantir algum alívio humanitário e financeiro, o Hamas lançou várias rodadas escalatórias. “Negociações por meio de tiros de foguetes”, foi denominado, o uso calibrado da força para garantir concessões de Israel - e funcionou.

Em troca da suspensão do lançamento de foguetes ou, no jargão israelense, "silêncio", os dois inimigos jurados começaram a negociar indiretamente por meio dos auspícios egípcios, qataris e das Nações Unidas. Autoridades israelenses acabaram deixando tudo claro: o domínio continuado do Hamas sobre Gaza era muito mais preferível do que uma campanha terrestre sangrenta e prolongada através dos cercados estreitos e bunkers do território para deter os foguetes.

Benjamin Netanyahu.

Sob o governo do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, o regime do Hamas em Gaza recebeu pagamentos mensais em dinheiro do Qatar (enviado através do território israelense), melhorias na infraestrutura (planos para novas linhas de eletricidade e gasodutos de gás natural), milhares de autorizações para os habitantes de Gaza trabalharem novamente em Israel, e até mesmo uma travessia comercial independente com o Egito.

Sempre que Israel se desviou dos entendimentos alcançados ou demorou a implementá-los, o Hamas enviou um lembrete, geralmente na forma de foguetes. E depois de cada escalada, por mais severa que fosse, as negociações de cessar-fogo afirmaram tanto o “silêncio” quanto as medidas de flexibilização para Gaza.

O que levou os militares israelenses a avaliarem que, mesmo em meio às semanas de agitação, o Hamas não colocaria em risco esses ganhos e que as "regras do jogo" estabelecidas, como as autoridades de defesa chamam oficiosamente, seriam observadas.

Esta suposição explodiu sobre Jerusalém com o lançamento de foguetes na segunda-feira, o que previsivelmente atraiu uma resposta israelense severa: ataques aéreos imediatos em Gaza visando o Hamas e outras facções militantes, que continuaram em paralelo com os disparos de foguetes palestinos.

O Iron Dome em ação.

Portanto, a pergunta precisa ser feita: se não estava buscando alívio econômico ou outras formas de alívio como de costume, o que o Hamas está procurando alcançar politicamente ao romper com hábitos anteriores?

A estratégia de extrair concessões de Israel por meio do uso calibrado da força realmente começou pra valer depois de 2017, quando a autoridade do Hamas, Yahya Sinwar, se tornou o líder político do grupo em Gaza. Autoridades de segurança israelenses falam dele em termos reverentes, como um adversário implacável e astuto devido ao seu pragmatismo gelado e conhecimento da política israelense.

“Ele ficou na prisão israelense [por mais de duas décadas] e aprendeu sobre nós e nossa língua”, disse-me um alto oficial da defesa israelense no ano passado, reconhecendo que Sinwar tinha uma estratégia coerente que ainda estava sendo testada. Foi sob a supervisão de Sinwar que o Hamas teve sucesso em mudar drasticamente a política israelense em relação ao grupo - jogando com os temores israelenses de ocupação indefinida e estratégia de saída incerta após uma ofensiva terrestre em Gaza. Mas talvez simplesmente não fosse o suficiente.

Yahya Sinwar.

Sinwar quase perdeu seu posto nas eleições internas do Hamas em março passado, um claro sinal de descontentamento com ele dentro do movimento. O considerado homem forte de Gaza precisava de um segundo turno com um rival da velha guarda - visto como mais tradicional e linha-dura - para prevalecer. A título indicativo, na semana passada foi o sombrio comandante militar do Hamas, Mohammed Deif - não Sinwar - que lançou os ultimatos a Israel sobre Jerusalém.

“Este é nosso aviso final: se a agressão contra nosso povo em [Jerusalém] não parar imediatamente, não ficaremos de braços cruzados e a ocupação pagará um alto preço”, declarou Deif em um raro comunicado público.

Nos últimos dias, foi Ismail Haniyeh, líder político geral do Hamas que já foi visto como ofuscado por Sinwar, que fez pronunciamentos públicos sobre Jerusalém.

“Quando Jerusalém ligou, Gaza atendeu”, disse Haniyeh na terça-feira ao reafirmar que a nova política do Hamas agora ligaria inextricavelmente os dois.

Jerusalém, com certeza, sempre esteve no centro da identidade palestina. Mas, nas últimas semanas, o status da cidade contestada assumiu uma urgência ainda maior.

A bandeira do al-Fatah.

As eleições legislativas palestinas (realizadas pela última vez há 15 anos) foram canceladas abruptamente pelo presidente palestino Mahmoud Abbas no final de abril. O pretexto era Israel não permitir a votação em Jerusalém Oriental, com Abbas chamando a cidade de “linha vermelha” - embora seu verdadeiro motivo fosse provavelmente o medo de uma péssima exibição da sua facção Fatah.

O Hamas, por sua vez, seguiu o exemplo, responsabilizando Israel também e competindo com o Fatah por quem melhor poderia defender os interesses palestinos na cidade sagrada. Não é por acaso que, ao lutar contra Israel, o Hamas chamou sua recente escalada de "Operação Espada de Jerusalém".

“Tudo o que vimos em Jerusalém desde então [as eleições foram canceladas] apenas confirma a decisão [de cancelar as eleições]”, uma autoridade palestina me disse recentemente. "Estávamos certos."

Autoridades da inteligência israelense alegam que o Hamas ajudou a escalar ainda mais a agitação de Jerusalém em uma tentativa de desestabilizar não apenas o controle de Israel sobre a cidade, mas também a Autoridade Palestina de Abbas na Cisjordânia adjacente - um objetivo de longo prazo do grupo. Com a rota política bloqueada para eles através das urnas, o Hamas pode ter tomado uma decisão estratégica de tentar um golpe, constrangendo a Autoridade Palestina a entrar na briga e arruinando seu relacionamento com Israel (até agora se absteve de fazê-lo).

Mais preocupante do ponto de vista de Israel é o impacto que a escalada teve na política interna israelense e na sociedade.


Nas últimas noites, tumultos violentos ocorreram em cidades mistas de árabes e judeus dentro de Israel. Segundo relatos, gangues itinerantes de jovens árabes-israelenses queimaram sinagogas, atacaram transeuntes judeus e ergueram bandeiras palestinas em alguns locais em meio a confrontos intercomunais que o comissário da polícia de Israel considerou os piores em décadas. Vigilantes judeus ultranacionalistas responderam atacando empresas e motoristas árabes, com autoridades israelenses considerando o envio de militares para ajudar a polícia a reprimir a crescente anarquia.

A política israelense já estava no fio da navalha após quatro eleições inconclusivas em dois anos.

A política israelense já estava no fio da navalha após quatro eleições inconclusivas em dois anos. Na esteira da pesquisa de março mais recente, Netanyahu não conseguiu formar uma coalizão governamental; essa tarefa agora foi para um grupo heterogêneo de partidos - de esquerda, centro e direita - cujo único objetivo comum é derrubar o primeiro-ministro.


Os últimos combates Hamas-Israel combinados com a violência comunal árabe-israelense podem ter enterrado essas esperanças. A facção islâmica árabe-israelense suspendeu temporariamente as negociações da coalizão na segunda-feira em meio à crise de segurança, e os líderes da oposição se manifestaram em apoio ao governo. É uma questão em aberto se as partes díspares desta coalizão incipiente podem ficar juntas em meio à emergência de segurança e tensões crescentes.

Quando esta última rodada de violência terminar - e certamente terminará, seja em dois dias, duas semanas ou dois meses - nada terá mudado, exceto o número de mortos em ambos os lados. A necessidade de todos na Terra Santa viverem juntos em paz só terá se tornado mais aguda.


Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:


FOTO: Mísseis palestinos contra Israel


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 13 de maio de 2021.

Equipe de mísseis palestina posando durante o novo round de confrontações entre palestinos e israelenses. A foto foi postada hoje nas redes sociais, nova modalidade de guerra psicológica.

O texto diz:

As Brigadas do Mártir Ezz Al-Din Al-Qassam agora demonstram a entrada em serviço dos mísseis (Ayyash-250) na força de mísseis, e eles atingiram o aeroporto de Ramon na cidade de Umm Al-Rashrash, ao sul da Palestina ocupada.
Convidamos os filhos do grande Jordão, especialmente nosso povo em Aqaba e Wadi Araba, para fotografarem e cobrirem a queda dos foguetes no aeroporto!
A resistência impõe uma zona de exclusão aérea.

As Brigadas do Mártir Ezz Al-Din Al-Qassam são a ala militar do Hamas, e contam entre 15 e 20 mil homens. Apoiados pelo Irã, são inimigos declarados do Estado de Israel e dos grupos muçulmanos salafistas da Faixa de Gaza. Seus objetivos declarados são:

"Contribuir no esforço de libertar a Palestina e restaurar os direitos do povo palestino sob os sagrados ensinamentos islâmicos do Alcorão Sagrado, a Sura (tradições) do Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) e as tradições dos governantes muçulmanos e estudiosos notáveis por sua piedade e dedicação."

A insígnia das Brigadas e o seu patrono, o mártir Ezz Al-Din Al-Qassam.

As brigadas são apoiadas pelo irã, dentro da realidade geopolítica atual do Oriente Médio, sendo apoiadas pela Guarda Revolucionária Islâmica (o Pasdaran), a Força Quds e o Hezbollah. As brigadas também recebem apoio de simpatizantes no Reino do Qatar e na Turquia, além de países de esquerda como a Coréia do Norte e a Venezuela do presidente-ditador Nicolás Maduro.

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada: