quarta-feira, 3 de março de 2021

Coréia em Guerra: Lições tático-operativas do Batalhão Francês entre 1950 e 1953

Pelo Ten-Cel Frédéric Jordan, Theatrum-Belli, 11 de outubro de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de março de 2021.

Tendo a sorte de poder consultar determinados arquivos desta unidade francesa atípica, mas também ciente de que as notícias internacionais exigem o estudo, pelo prisma da história, deste teatro de operações asiático, quis voltar às lições conhecidas do Batalhão Francês na Coréia. Este último lutou ao lado das tropas da ONU e especialmente daquelas dos Estados Unidos contra combatentes norte-coreanos apoiados por muitos voluntários chineses, em um ambiente geográfico e tático extremo e muito distante do ambiente europeu.

Veremos, portanto, que se o contexto e o armamento foram particulares e específicos de seu tempo, os princípios da guerra como o uso combinado das várias funções operacionais foram implementados para obter sucessos inegáveis ​​tanto sobre o inimigo quanto no terreno e clima inóspitos.

O General Monclar.
O principal idealizador do batalhão.

Em 25 de agosto de 1950, o governo francês, ansioso por apoiar o aliado americano mas também os esforços da ONU na península coreana desde julho, decidiu, apesar de um esforço sustentado realizado na Indochina contra o Viet-Minh, pela formação de um batalhão de voluntários para a Coréia. Auxiliado pelo Major Le Mire, o General Monclar (herói de Narvik), que não hesitou em desistir do seu posto para assumir o comando desta unidade como tenente-coronel, desembarca com seus 1.017 homens em Pusan ​​em 29 de novembro de 1950, quando ingressou no 23º Regimento de Infantaria da 2ª Divisão de Infantaria americana. A estrutura de armas combinadas deste batalhão é herdeira do "combat command" (comando de combate) da Segunda Guerra Mundial e das "regimental teams" (equipes regimentais) empregadas pelo aliado americano. É composta por uma companhia de comando e serviço (que também conta com observadores de artilharia e uma seção de engenheiros), uma companhia chamada de acompanhamento (seções de metralhadoras, canhões sem recuo 75mm e morteiros 81mm) e três companhias de infantaria com 3 seções de infantaria e uma seção de acompanhamento (morteiros de 60mm e canhões sem recuo 57mm) cada. A maioria dos combatentes são veteranos do último conflito mundial ou das colônias. Eles são experientes, às vezes indisciplinados, mas mostrarão coragem e uma força moral extraordinária em face das provações do combate e de um país exigente com relevo de ambiente de montanha (picos escarpados e picos rochosos ou arborizados) com um clima adverso (neve, chuvas torrenciais, temperaturas atingindo -40ºC).

Durante a campanha, ele também será reforçado por uma companhia sul-coreana (ROK) supervisionada por franceses que terão uma nova experiência do que hoje poderíamos chamar de “mentoring” (mentoria). O batalhão terá 269 soldados franceses mortos em combate, 1.350 feridos, 12 prisioneiros e 7 desaparecidos dos 3.421 homens engajados durante os três anos de desdobramento (até 23 de outubro de 1953).

Os soldados franceses, como seus aliados, tiveram que se adaptar aos modos de ação das tropas comunistas usando força de manobra, camuflagem, combate noturno, infiltrações profundas e ataques massivos aproximados de infantaria. As unidades de Pyongyang, como as chinesas, são capazes de rápidos movimentos táticos ou operacionais para surpreender o adversário, atacá-lo e depois recuar e desaparecer do campo de batalha. O batalhão teve então que reaprender a batalha noturna, tanto defensiva quanto ofensiva, beneficiando-se de uma grande rede de comunicações entre unidades elementares (principalmente baseadas em cabos na época), apoio de artilharia (iluminação), holofotes poderosos (para cegar o inimigo), dispositivos de escuta ou de alerta avançado (armadilhas, minas). Nesse contexto, observamos que o morro 951 foi atacado sem sucesso em 16 de setembro de 1951, durante o dia, pelos franceses (14 mortos e 40 feridos), mas tomado à noite, 2 semanas depois (sem perdas). A baioneta reaparece para combate corpo-a-corpo, mas também como um impacto psicológico sobre o outro beligerante.

A massa blindada, inicialmente usada pelos americanos para desbaratar o ataque norte-coreano, rapidamente perdeu sua eficácia no difícil ambiente do país. Na verdade, os tanques são então usados ​​em conjunto com os soldados de infantaria como apoios móveis para criar “tampas” (no fundo dos vales ou nas passagens), mas também como complemento (fogos e proteção) para os contra-ataques.

Soldados franceses experimentam um lança-chamas em um jipe ​​blindado. O "Mapaly" pode ser projetado a 120m. (ECPAD)

Os engenheiros devem fornecer seu know-how para garantir a mobilidade operacional ou tática das forças da ONU, restabelecendo a malha rodoviária, mantendo-a diante do mau tempo e combates, mas também criando-a (caminhos cavados na rocha). A travessia, em um país compartimentado por cursos d'água importantes, é um requisito para garantir a liberdade de ação de unidades como o batalhão francês (ponte Bailey de quase um km construída no rio Soyang em 10 dias em 1952). A artilharia e o apoio aéreo são, por sua vez, essenciais neste conflito porque permitiram o apoio das tropas em contato mas também o tratamento, em profundidade, dos reagrupamentos sino-coreanos antes dos ataques aos pontos de apoio detidos pelos franco-americanos (Batalha de Chipyong-Ni, por exemplo). Como tal, os destacamentos de observação leve integrados às unidades corpo-a-corpo permitiam um curto circuito entre os lançadores e as linhas de frente, muitas vezes surpreendidos por ataques comunistas. Os disparos indiretos complementavam, assim, os tiros de mira dos canhões sem recuo posicionados em pontos altos ou na encosta, mesmo que a eficácia dos tiros pudesse às vezes ser questionada quanto à relação consumo/eficiência (até 300.000 tiros disparados em 24 horas para uma divisão).

No que diz respeito à logística, o helicóptero estreou-se com a evacuação de feridos, proporcionando ligações de comando mas também, ocasionalmente, permitindo o destacamento de unidades de reconhecimento em picos de altitude. Os pára-quedas permitem que as tropas sejam supridas rapidamente, apesar do terreno acidentado, como as 5.000 toneladas de equipamento lançadas para a 1ª Divisão de Fuzileiros Navais dos EUA em Kotori em 7 de dezembro de 1951.

Mesmo que o próprio General Monclar considere a escala da luta que: "fizemos nossas observações no mais difícil, no mais montanhoso, no mais acidentado teatro de operação. A aviação e a artilharia perdem sua eficácia. O tanque está em uso restrito. A organização do campo facilita a resistência de poucos. Neste teatro adequado, o sonho de basear uma tática em escalas universais está desmoronando", a ação do batalhão francês na Coréia demonstra a relevância de respeitar os princípios da guerra para assegurar a vitória.

A liberdade de ação surge primeiro com a necessidade de se ter reservas para se proteger contra a surpresa de um inimigo móvel e "furtivo". Mas também é necessário enfatizar a tomada dos cumes para dominar o terreno e o meio, superar obstáculos, disparar na medida do possível e constituir pontos de apoio. Isso sem falar nos dispositivos de segurança que são instalados para alertar durante a noite (infiltração inimiga) e garantir o acesso aos vales e passos através do emprego de meios blindados. Por fim, observe a garantia de ter linhas de comunicação e suprimentos adaptadas a um exército moderno.

Equipe francesa de canhão 57 sem recuo no setor de Kumhwa, início de 1952. 
(Appay/ECPAD)

A concentração de esforços é caracterizada pela utilização de recursos substanciais de apoio de fogo o mais próximo possível das tropas, mas também pela mobilidade operacional e logística que permite deslocar o centro de gravidade de um exército ou aproveitar oportunidades. Diante do adversário, trata-se de mostrar onipresença para surpreendê-lo e, assim, ganhar ascendência moral e física sobre ele.

Finalmente, a economia de recursos é ilustrada por uma estrutura de armas combinadas flexível e adaptável composta por unidades modulares, forças regulares ou locais (ROK) equipadas com recursos de apoio adaptados às condições táticas (canhões sem recuo, morteiros, engenheiros). A presença de observadores de artilharia ao lado da infantaria, o uso do tanque em certas circunstâncias, bem como o início do helicóptero, demonstram a força da cooperação entre as funções operacionais.

Para concluir, a pouco conhecida mas notável atuação do Batalhão Francês da Coréia, em um conflito violento e em um ambiente desfavorável ao engajamento de um exército convencional, prova que os princípios táticos, adaptados ao contexto, à ameaça e ao terreno, permitem alcançar o sucesso. Portanto, é necessário antecipar o engajamento e o desdobramento de uma força em um teatro de operações como este, em particular, valendo-se das lições da história militar.

Saint-cyrien e brevetado da Escola de Guerra, o Tenente-Coronel Frédéric Jordan serviu em escolas de treinamento, em estado-maior, bem como em vários teatros de operações e territórios ultramarinos, na ex-Iugoslávia, no Gabão, em Djibouti, Guiana, Afeganistão e na Faixa Sahelo-Saariana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário