quarta-feira, 15 de julho de 2020

O Batalhão Francês da ONU na Coréia - Lições Aprendidas

Monumento ao Batalhão Francês em Suwon, na Coréia do Sul.

Pelo Major Alain Pétit Jean, Revista Doctrine, abril de 2007.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de julho de 2020.

O comentário pós-conflito do Major-General Young sobre o Batalhão Francês diz "Muito poucas unidades de combate no curso da História podem se orgulhar de tantos feitos de armas".

Na "memória coletiva" francesa, a Guerra da Coréia foi consignada na sombra ou no esquecimento por causa de um exigente compromisso militar com a Indochina. No entanto, deve-se enfatizar que esta expedição mandatada pela ONU registra como um episódio de clímax na "Era da Guerra Fria".


Posições do Batalhão Francês em T-Bone face ao exército chinês, agosto de 1952. (Appay/ ECPAD)

Consistente com o armistício de Panmunjon, todos os combates pararam em 27 de julho de 1953. Isso concluiu três anos de conflito durante o qual uma força de coalizão de dezesseis nações, sob o comando dos EUA, estava se esforçando para restaurar a soberania da República da Coréia. Tropas de uma grande variedade de horizontes tiveram que aprender como deveriam trabalhar juntas e enfrentar todos os problemas relacionados à mistura de idiomas, equipamentos, procedimentos, políticas e conceitos; também métodos de avaliação de prontidão operacional.

A avalanche comunista


Embarque de voluntários no "L'Athos II" no porto de Marselha, outubro de 1950.
(François de Castries/ ECPAD)


Estamos no dia 25 de junho de 1950. Sete divisões norte-coreanas irrompem pelo paralelo 38. A onda de assalto compreende 90.000 homens apoiados por mais de 150 tanques de batalha; 1.700 peças de artilharia e 200 aeronaves. Face aos agressores, a República da Coréia (ROK) só pode opor a 4 divisões mal-equipadas e mal-treinadas. As forças comunistas tomam Seul após dois dias de combate e rapidamente estendem a pressão em direção ao sul. Este é o primeiríssimo ataque deliberado que ocorre no cenário internacional desde que a Organização das Nações Unidas foi criada. Portanto, sua credibilidade agora depende da resposta e determinação apropriadas dos Estados-membros.

Imediatamente chamado, mas na ausência do delegado soviético, o Conselho de Segurança "está convidando todos os Estados-membros a ajudarem e oferecerem seu apoio à República da Coréia agredida". Em 27 de junho, o Presidente Truman declara publicamente "Minha ordem para a Força Aérea e a Marinha dos EUA é que eles prestem apoio e assistência ao governo coreano. Esse ataque contra a Coréia mostra claramente que os comunistas estão mudando de atividades subversivas para a conquista militar de nações independentes. Eles vão entrar em guerra e invasões armadas".


Monclar e McArthur na Coréia.

O General MacArthur assume as responsabilidades de comandante em chefe do QG da Força estabelecido em Tóquio. A partir de meados de julho, o presidente da ROK coloca todas as Forças Armadas da Coréia sob comando americano, enquanto os vários contingentes nacionais se desdobram no teatro. Um a um, eles serão integrados a uma disposição internacional organizada, operada e supervisionada pelos EUA e no estilo americano. É a primeira vez que uma força de coalizão mundial é deliberadamente organizada para uma expedição, e sua eficácia deve ser validada em condições de combate ainda desconhecidas.

A França não pode ficar de fora da cena, mas os recursos são limitados

Ofensiva dos voluntários franceses no Inje, maio de 1951.
(Jean Caldairou/ ECPAD)

A França responde positivamente, embora mal esteja se recuperando da Segunda Guerra Mundial e queimando a maior parte do seu orçamento militar na Guerra da Indochina. "A situação política e social do mundo ficou tão sombria que sentimos que é nosso dever participar ativamente da operação de bloqueio, em oposição às forças que atualmente escravizam o povo coreano... Essa postura se aplica a todas as tentativas de sujeição contra seres humanos". Uma postura bastante nobre das autoridades francesas, de fato! Porém, conquanto as operações na Indochina vinham primeiro, foi solicitado aos EUA subsídios e o suprimento sucedem deste visível alinhamento. Os ativos franceses oferecidos à coalizão podem parecer mais simbólicos do que proporcionais ao conflito, mas, dadas as circunstâncias, tal símbolo significa muito em termos de conexão política entre Paris e Washington.

Em 22 de julho de 1950, a França destacou o "aviso colonial" La Grandière da sua Frota do Extremo-Oriente para a força expedicionária da ONU e este navio participa das operações de desembarque de Inchon no dia 15 de setembro. Mais tarde, em 25 de agosto, o governo francês decide enviar uma Força-Tarefa Terrestre para a Coréia. No que diz respeito à sua dedicação em juntar tudo, o General Blanc e o General Magrin-Vernerey (conhecido como Monclar) são realmente merecedores da paternidade deste projeto. Em suma, este batalhão de infantaria assume a forma de uma unidade auto-sustentável, padrão americano, composta por 39 oficiais, 172 graduados e 806 soldados. O pessoal é recrutado de forma voluntária. Eles vêm de todos os lugares; armas e serviços, seja da metrópole ou baseados no estrangeiro; tanto tropas regulares quanto da reserva. Tropas de reposição são colocadas em uma turnê de rotação a cada 2 meses para equilibrar as baixas.


Apresentação ao Secretário de Estado das Forças Armadas, Max Lejeune, do equipamento destinado aos voluntários do Batalhão Francês da ONU no campo de Augours (Sarthe) antes da partida para a Coréia, setembro de 1950. (Maurice Barthélémy/ ECPAD)

O batalhão é ativado em 1º de setembro, no campo militar de Auvours (perto de Le Mans) e apresentado ao seu comandante, o General-de-Divisão Monclar, um verdadeiro general de 3 estrelas mas comissionado como tenente-coronel para a missão. O segundo em comando é o Major Le Mire. O batalhão integra um estado-maior extra composto por observadores. Sua missão principal é coletar lições aprendidas em situações de combate e com base em dados que especialistas funcionais de várias armas e serviços estão coletando para eles. Eles também ajudam o batalhão (UN French Battalion, UNFB) em seu relacionamento com as unidades/autoridades americanas. O Tenente Bouttin disse: "Foi ótimo observar operações militares e equipamentos mais recentes em ação, ao vivo e no local. Outra coisa boa foi re-explorar a implementação de alguns princípios militares básicos e deduzir disso, não um corpo de doutrina simples, mas pelo menos um conjunto de lições preciosas para o futuro. Portanto, esse aspecto de nossa participação coloca o escopo de pesquisas técnicas sobre as várias fases de uma guerra moderna".


Patrulha francesa em zona inimiga na região de Kumhwa, no setor do "Triângulo de Ferro", 1952.
(Borreill François/ ECPAD)

Na opinião de Monclar, esse estado-maior de classificação dual advoga implicitamente a elevação do UNFB para o tamanho regimental ou mesmo para o tamanho de uma brigada, tal como fizeram os britânicos e os turcos. É isso que ele novamente tenta obter do Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas em seu retorno à França na primavera de 1951. A resposta severa do Chefe de Estado-Maior foi: "Com o que já estou pagando pelo seu batalhão, eu poderia sustentar três batalhões na Indochina". Ele está certo nesse ponto: a França está financiando todas as despesas militares na Coréia, exceto munição.

Notavelmente, os estados-maiores de observadores acima mencionados desempenharam um papel especial ao analisar todas as facetas do conflito coreano do início ao fim da missão. Eles produziram um trabalho fundamental sobre as estruturas e métodos de combate das forças americanas.

Problemas de prontidão de combate

O Batalhão Francês sendo rendido pelo Batalhão Kagnew etíope no vale de Sataeri, 1951-52.
(Collard Pierre/ ECPAD)

O primeiro UNFB empregado desembarca em Pusan em 29 de novembro de 1950, quando os chamados "Voluntários Chineses" começam a atacar passando pelo rio Yalu, na direção do paralelo 38. O "French Bat" é orientado para o Centro de Recebimento das Nações Unidas (United Nations Receipt Center*) instalado em Taegu, neste imenso complexo de tendas e armazéns como um labirinto. "Soldados franceses engenhosos gerenciam rapidamente a melhoria das condições de vida atualmente austeras com as peças de conforto necessárias que eles podem beliscar aleatoriamente". Camp Walker é o local em que todas as unidades devem ser equipadas e familiarizadas com uniformes, armas e outros itens militares padrão "US Army". Somente o lançador de foguetes anti-carro francês (LRAC 50), que é muito bom em perfurar couraças de T-34, escapa desse "clima de americanização".

*Nota: Onde todos os contingentes nacionais estavam sendo equipados e então treinados de acordo com os padrões americanos antes do seu comprometimento.

Composto de voluntários de todos os lugares, o UNFB começa a se familiarizar com o terreno, enquanto as companhias buscam sua coesão em exercícios concretos de campanha: exercícios de manuseio de armamento, prática de tiro, marchas, construção de fortificações de campanha, etc. Seu "chefe" nunca alivia a espora em cima deles. Ele sabe muito sobre os méritos de um treinamento básico sólido e exercícios intensos.


Equipe francesa de canhão 57 sem recuo no setor de Kumhwa, início de 1952.
(Appay/ECPAD)

Para ser franco, administrar Camp Walker como um "centro de integração" provou-se tudo, menos uma tarefa fácil para as equipes americanas. "Atualmente, os níveis de qualificação variavam drasticamente de um contingente para outro. Algumas tropas precisavam apenas de um pouco mais de treinamento, enquanto outras dificilmente atendiam ao padrão mínimo exigido". No entanto, os franceses conseguiram demonstrar capacidades excepcionais de adaptação naquele campo. Normalmente, era onde eles aprendiam a operar os canhões sem recuo calibre 57 e 75, com os quais deveriam fazer "hell of good use", mais tarde. Quando o UNFB pôde finalmente chegar a Suwon, tornou-se uma "unidade adjunta" ao 23º Regimento de Infantaria da 2ª Divisão de Infantaria "Indianhead"*. Esse regimento mal se recuperava de um sério choque com os "Voluntários Chineses" no rio Chongchon: um terço dos seus efetivos foi perdido. Tendo incorporado uma companhia sul-coreana com o objetivo de atender aos padrões americanos, o batalhão francês se integra a este regimento, durante toda a campanha, como seu 4º batalhão.


Acampamento francês a nordeste de Hoengsong, Cota 1037, 5 de março de 1951.
(Paul Callet e Raymond Benard/ ECPAD)

*Nota: Comandada pelo Major General Robert Nicholas Young, a 2ª Divisão de Infantaria "Indianhead" (lema "Second to none") era composta de:
  • 9º Regimento de Infantaria (compreendendo um batalhão tailandês);
  • 23º Regimento de Infantaria (incluindo o batalhão francês);
  • 38º Regimento de Infantaria (incluindo o batalhão holandês);
  • 612º Batalhão de Destruidores de Tanques (Tank Destroyer);
  • 741º Batalhão Blindado (Carros de Combate);
  • 12º Batalhão de Artilharia de Campanha;
  • 15º Batalhão de Artilharia de Campanha;
  • 37º Batalhão de Artilharia de Campanha;
  • 38º Batalhão de Artilharia de Campanha;
  • 462º Batalhão de Artilharia de Defesa Anti-Aérea (ADA);
  • 2º Batalhão de Engenharia de Combate;
  • 2º Batalhão de Apoio Médico.

Enfermeiros franceses com um médico tailandês na Coréia.
(Foto de Rémond Schappacher, marcado na mesma)

Estes "Frenchies" indesejáveis

Embora pouco aclimatizado ao inverno, o UNFB suporta uma temperatura de -40ºC e se engaja, em 25 de dezembro, em uma guerra de movimento que vai continuar até o verão de 1951. O batismo de fogo ocorre o mais tardar em 10 de janeiro em Wonju. Lá, os franceses retomam a Colina 247 na ponta das suas baionetas e ganham o respeito de todos os outros aliados no seu primeiríssimo engajamento. Uma façanha que explode a desagradável imagem, datada de 1940, de "tropas francesas sendo desbaratadas" que anteriormente assombrava os coronéis americanos, sempre que o French Bat deveria ser engajado.


Primeira página do Stars and Stripes de 14 de janeiro de 1951.

Monclar se posiciona de forma direta sobre o assunto em questão ao Comandante do 8º Exército, General Ridgway: "Desde que recebam os meios apropriados, os soldados franceses são tão bons em combate quanto quaisquer outros no mundo". Mais adiante, ele suaviza "declarações exageradas" sobre o episódio de Wonju: "Algumas pessoas pensam que o mundo gira em torno deles e costumam se gabar muito do que fizeram, assim distorcendo fatos por interesse pessoal... Na Coréia, as cargas de baioneta ofuscaram todo o resto. Mesmo olhando para o fraseado de 1914, histórias contadas sobre essas cargas podem ter envergonhado os comandantes que as ordenaram... Estas soavam como se fogo deveria ser ateado em todos os livros... e todas as teorias deveriam ser questionadas".


Explosão de um obus de fósforo em Chipyong-ni, fevereiro de 1951.
(François de Castries/ ECPAD)

O UNFB realmente entra no "recorde mundial de fama" durante a Batalha de Chipyong-ni, de 3 a 13 de fevereiro de 1951. O batalhão é desdobrado no perímetro de defesa do 23º Regimento de Infantaria, organizado no setor principal do 10º Corpo. A intenção é ajudar a estabilizar a linha de frente. Durante 3 noites e 2 dias, o batalhão francês obtém sucesso em arruinar todos os esforços de rompimento de quatro divisões chinesas, privando assim o inimigo de forças de reforço aguardadas para atacar Seul.



Nesta ocasião, o coronel Paul Freeman pode demonstrar o que realmente significa liderança: dinamismo, controle e uso perfeitos de todos os ativos disponíveis, habilidade organizacional consumada e presença energizante exibida aos subordinados em ação diante dos agressores. Como a reserva de assalto do 23º Regimento de Infantaria americano, o batalhão também lança muitos contra-ataques. A interoperabilidade do UNFB com a força expedicionária americana é agora uma questão de fato em termos de capacidade de combate.


Francês e chinês feridos aguardam evacuação em Arrowhead, outubro de 1952.
(François Borreill/ ECPAD)

De agora em diante, os franceses se tornam "prisioneiros de sua glória". Sobre esse assunto, as realizações do UNFB obviamente contribuem para forjar confiança mútua entre os parceiros franceses e americanos. Em troca, os soldados de Monclar apreciam muito seus companheiros de combate americanos, "Esses caras são maravilhosos. Tudo é feito para instilar e energizar o sentimento corporativo. Os métodos utilizados são aqueles que formaram o patriotismo americano dentro de uma geração. A 2ª Divisão está afirmando que não há melhor divisão nos Estados Unidos. O 23º Regimento está afirmando que não há melhor regimento na divisão e, para ser franco, chegamos ao ponto de acreditar nisso também".

A boa reputação e a confiança foram persistentes durante a guerra, seja durante fases dinâmicas (Putchaetul, Imje, Crèvecoeur/Heartbreak Ridge) ou estáticas (Arrowhead, Punchbowl).


Duas bandeiras e armamentos chineses capturados pelos franceses em Arrowhead (Colina 281) em outubro de 1952. (François Borreill/ ECPAD)

Qualificações acumuladas


Visão de T-Bone na Coréia, verão de 1952. (Appay/ ECPAD)

Os franceses tiveram que assimilar muitos Manuais de Campanha do Exército dos EUA sobre procedimentos técnicos e táticos para fins de integração. E em combate, eles mantêm seu lugar e missão designados. O comandante insiste permanentemente nisso:

"Senhores, nunca esqueçam que estão servindo em um batalhão. Vocês elaborarão palestras da Escola Superior de Guerra, quando forem postados em um QG de estado-maior no nível de Corpo de Exército."


Prisioneiro chinês capturado pelos franceses em Putchaetul, 17 de maio de 1951. (ECPAD)

Por outro lado, a sobre-qualificação para o trabalho pode ser útil às vezes e o Crèvecoeur é um bom exemplo disso. As baixas são tão importantes* que o Coronel Adams pede conselhos a Monclar como último recurso. O último argumenta por uma ampla manobra através das colinas, em vez de persistir em ataques frontais que continuam sendo infrutíferos após semanas de esforços. O General Young aceita o plano e ele de fato funciona.

*Nota: O total de baixas foi de 600 homens. O Batalhão Francês teve 60 mortos e 207 feridos.


Carro de combate americano da 2ª Divisão de Infantaria apoiando os franceses em Putchaetul, maio de 1951.
(Paul Callet e Raymond Benard/ ECPAD)

A afiliação de unidades também ajuda a atender à unidade de ação necessária: "As unidades blindadas, de artilharia, reconhecimento, médicas e de manutenção mantêm-se centralizadas no nível divisional. Em seguida, são distribuídos onde exigido a uma variedade de regimentos de infantaria. É assim que as Forças-Tarefas Regimentais são criadas. As mesmas unidades são sempre afiliadas à mesma FT. Em todos os momentos tínhamos a mesma bateria ou grupo de artilharia, a mesma companhia de tanques e pelotão blindado". Em tais condições, a camaradagem de armas e o entendimento ideal entre cada um podem se desenvolver, forjando assim o sucesso da ação, apesar da dissimilaridade das línguas.A principal alavanca de integração para operações em uma força multinacional, porém, reside em capacidades de entendimento mútuo. Para ser franco sobre esse assunto, o UNFB frequentemente registra diálogos bastante estranhos, sobre o conteúdo e a forma*, com os comandantes americanos ou fornecedores de apoio ao combate. Um "pecado" sobre o qual o Tenente Bouttin costumava brincar foi colocado nos seguintes termos: "Às vezes, o comandante do regimento nos enviava ordens que não entendíamos muito bem, mas sabíamos que o trabalho deveria ser feito de qualquer maneira".

*Nota: Felizmente, a situação melhorou quando o Major Michelet, graduado na Escola de Comando e Estado-Maior (Command and General Staff College, CGSC) no Fort Leavenworth em 1949, foi transferido para o batalhão.


Cerimônia em torno dos caixões que serão embarcados para a França no "Skaugum", 5 de dezembro de 1952. (François Borreill/ ECPAD)

As tumbas francesas de um cemitério das Nações Unidas na Coréia do Sul, verão de 1952.
(Appay/ ECPAD)

Embaixador das Forças Armadas da França para quinze outras nações, o UNFB cumprira todas as missões que lhe foram designadas na Coréia entre 1950 e 1953. Como tal, este batalhão desempenhara perfeitamente seu papel político ao longo deste compromisso precursor em prol da Comunidade Internacional. Essa foi uma exibição clara de um contingente francês que elaborou procedimentos e planos de operação não-nacionais. A interoperabilidade entre ativos e métodos parece, para todos, um pré-requisito em vez de pura praticidade, mas esse preceito não se aplica a corações e culturas. Todo mundo deve manter sua personalidade e traços inatos de caráter; também sobre as principais capacidades específicas à pátria natal. "Interoperabilidade? Sim! Alinhamento filosófico? Não!" Esta observação recente está de fato coincidindo com as opiniões de Harold Martin publicadas pelo Saturday Evening Post em 1952. O longo trecho abaixo é realmente digno de nota.

"Esses franceses estão trazendo para a Guerra da Coréia um toque especial que ninguém mais poderia exibir, uma inspiração e um vigor que somente os franceses podem inventar... Eles não parecem se entediar nem se queixam do seu destino afinal de contas é a guerra. Eles vão à guerra de bom grado, tirando o melhor partido de uma situação ruim. Eles se divertem em desafiar nossos métodos às vezes. Eles vão dirigindo como o inferno por estradas geladas, digamos, do lado certo ou do lado errado da estrada. Mas eles também sabem escalar ladeiras íngremes com suas metralhadoras nas costas. Eles não apenas enviam uma patrulha no topo da colina; eles arrastam todo o batalhão até lá em cima... Eles são melhores do que nós em cavar tocas (foxholes) confortáveis onde ficariam, esperando à vontade, armas limpas, granadas dispostas ordenadamente em uma prancha, prontos para o combate. Como diz o comandante da 23ª Equipe de Combate Regimental (23rd Regimental Combat Team, 23rd RCT) diz: "Quando você os ordena na defesa, tem certeza de que eles manterão a posição. Quando você mostra a eles uma colina a ser tomada, você tem certeza de que eles conseguirão chegar ao topo. Você pode sair por dois dias, tempestades de granadas de artilharia e ondas de inimigos podem enxamear sobre eles, os franceses ainda estão lá!" Eles têm uma aparência estranha, com suas barbas flutuando ao vento. Eles saem correndo de rocha em rocha como se estivessem em uma competição. Eles realmente vieram para cá para combater esta guerra completamente e, embora gostem de cutucar um pouco as nossas regras e hábitos, rapidamente chegamos a apreciá-los como os melhores companheiros de combate que poderíamos desejar do nosso lado".



Epílogo


O retorno triunfal de Monclar na Gare de Lyon, na noite de 23-24 fevereiro de 1952. (André Branlard/ ECPAD)

O segredo para integrar mil soldados franceses a um regimento americano provavelmente reside em sua perícia funcional bem construída e na percepção correta dos procedimentos de combate, juntamente com esse apêndice de estilo próprio que faz grandes tropas.

Em 9 de outubro de 1953, a UNFB despediu-se da 2ª Divisão de Infantaria dos EUA e acabou se tornando uma lenda com seu comandante. O mesmo acontece com os 12 oficiais, 43 sargentos e 208 soldados mortos na Coréia; juntamente com 7 combatentes "desaparecidos em ação" e 1.800 outros feridos.



Referências

- Tenente Jacques Bouttin, Bataillon Monclar, Paris, éditions du Scorpion, 1961, 191 páginas.
- Édme de Vollerons, Le général Monclar, un condottière du XXe siècle, Paris, Economica, 2000, 178 páginas.
- A.L. Hinshaw, Heartbreak Ridge: Korea 1951, New York, Praeger, 1989, 146 páginas.
- General de Giuli, La place et le rôle des forces terrestres dans la résolution des crises, CDES, Fórum de 8 de junho de 2000.
- Relatório do Tenente-Coronel Monclar sobre a Guerra da Coréia, Service Historique de la Défense (SHD), 7U297.

Bibliografia recomendada:







Leitura recomendada:

Sim, a China estaria disposta a travar outra Guerra da Coréia caso necessário21 de junho de 2020.

VÍDEO: Documentário animado sobre a Guerra da Coréia (4 partes)4 de abril de 2020.

FOTO: Condecoração na Coréia4 de junho de 2020.

FOTO: Armamentos capturados na Coréia17 de junho de 2020.

FOTO: Filipinos na Coréia14 de março de 2020.

A Arte da Guerra em Tropas Estelares - 1 Os americanos e a Primeira Guerra Interestelar17 de fevereiro de 2020.

O Exército Francês está contratando escritores de ficção científica para imaginar ameaças futuras3 de junho de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário