quinta-feira, 17 de março de 2022

A Importância do Nível Estratégico: a Alemanha na Segunda Guerra Mundial


Por Lorris Beverelli, The Strategy Bridge, 7 de abril de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de março de 2022.

Introdução

É amplamente aceito que existem três níveis de guerra. Do geral ao local, são os níveis estratégico, operacional e tático. Estratégia, definida de forma simples, é o alinhamento de meios e formas para atingir um fim político. Estratégia é obter sucesso na guerra por meio de uma teoria de vitória claramente definida. Cada nível de guerra é essencial para obter esse sucesso e todos são igualmente importantes.

A Alemanha na Segunda Guerra Mundial ilustra por que o nível estratégico é essencial. Este artigo detalhará alguns dos erros estratégicos que a Alemanha cometeu durante o conflito para ilustrar como a falta de uma boa estratégia contribuiu decisivamente para a ruína do Terceiro Reich.

Ideologia e estratégia, ou ideologia acima da estratégia

A ideologia pode impactar fortemente a estratégia. Embora a ideologia não seja necessariamente prejudicial à estratégia em si mesma, ela pode levar a decisões e situações perigosas. De fato, a ideologia deve ser equilibrada com avaliações objetivas e racionais sobre a própria situação e forças, juntamente com as do adversário – estratégica, operacional e taticamente – para não prejudicar a arte estratégica. O Terceiro Reich não conseguiu alcançar esse equilíbrio.

Indiscutivelmente, a principal falha da estratégia alemã na Segunda Guerra Mundial foi que ela se baseou fortemente na ideologia e negligenciou elementos objetivos que poderiam ter ajudado a avaliar melhor a situação geral. De fato, a ideologia atormentava a estratégia na medida em que os alemães buscavam atingir objetivos extremamente difíceis e que o processo decisório era fortemente afetado por ela.

Abert Speer e Adolph Hitler.
(Ullstein Bild/Getty)

O pensamento estratégico alemão nesse conflito, encarnado principalmente por Adolf Hitler, levou a uma estratégia de apocalipse na qual a Alemanha era guiada pelo nazismo e travada em uma luta mortal com seus inimigos – em particular a União Soviética. A guerra não era mais uma ferramenta política tradicional; como retransmite Michael Geyer: “A guerra nacional-socialista estabeleceu e manteve a ordem em uma expansão ilimitada da violência... A estratégia não era mais instrumental, mas era ideológica em sua direção e oportunista em seus métodos.”[1]

Por causa de sua ideologia, a Alemanha travou o que Geyer chamou de guerra apocalíptica. Seus objetivos eram extremos e não o produto de qualquer tipo de análise objetiva.[2] Em vez disso, a estratégia da Alemanha resultou parcialmente de uma ideologia que favorece uma visão do mundo influenciada pela competição racial.[3] A estratégia para atingir tais objetivos tendia a basear-se mais na inspiração do que no cálculo geopolítico.[4] De fato, as conquistas do Terceiro Reich foram em parte baseadas em uma construção, chamada “necessidade histórica de luta por território e recursos entre diferentes raças e culturas”.

As políticas de Hitler, consequentemente, não foram guiadas por nenhum tipo de método sólido ou princípio de estratégia.[6] Em vez disso, eles foram afligidos pelo “racialismo auto-iludido”. A Barbarossa – a invasão da União Soviética em 22 de junho de 1941 – foi parcialmente o produto de considerações estratégicas clássicas, mas de acordo com Richard Overy “sua lógica [estava] em última análise, na luta eterna entre civilização e barbárie, cultura e primitivismo, [então] expressas respectivamente pelo nacional-socialismo e pelo bolchevismo.”[9]

General Heinz Guderian, um dos mais proeminentes praticantes da “Blitzkrieg”, em Bouillon, Bélgica, durante as ofensivas alemãs na Europa Ocidental em 12 de maio de 1940.
(Das Bundesarchiv/Wikimedia)

O período que melhor ilustra como a ideologia nazista perverteu sua estratégia pode ser 1944-1945. Embora a derrota alemã fosse provavelmente previsível em 1944 e quase certa em 1945, o Terceiro Reich “se apegou ao seu conceito original de guerra apocalíptica”.[10] Em vez de se render para preservar o povo alemão, Hitler preferiu continuar lutando. Essa decisão fez ainda menos sentido estratégico, pois já em janeiro de 1942 ele havia declarado que se o povo alemão não pudesse vencer a guerra, então ela deveria desaparecer.[11] Em 19 de março de 1945, ainda obstinadamente recusando-se a admitir a derrota, ele emitiu sua “Ordem Nero” para destruir qualquer coisa que pudesse ser usada pelo inimigo.[12] De acordo com Albert Speer, Hitler então não se importava mais com o futuro do povo alemão; eles perderam e mostraram sua inferioridade ao inimigo.[13]

Isso mostra que o Reich não pensava como um governo tradicional preocupado principalmente com a preservação ou sobrevivência de seu país ou regime. Muito pelo contrário, Hitler considerou que a derrota alemã seria redentora e purificadora.[14]

Deixar de escolher o caminho certo para atender aos fins procurados

Destruir as forças armadas inimigas não garante a vitória

Outro problema de dogmatismo é como as forças armadas alemãs buscaram predominantemente destruir seus inimigos no campo de batalha, mas a liderança alemã foi incapaz de transformar vitórias táticas e destreza operacional em sucesso estratégico. Já em 1937-1938, o Chefe do Estado-Maior General Ludwig Beck repetidamente criticou os oficiais mais jovens por simplesmente maximizarem o uso de armas, e reclamou de sua aparente falta de integração das operações dentro de uma estratégia maior.[15]

General Ludwig Beck.
(German Federal Archives/Wikimedia)

De fato, o modo de guerra alemão na Segunda Guerra Mundial era semelhante ao usado no conflito anterior, que incluía o conceito de Gesamtschlacht (batalha total ou completa). Herdado de Alfred von Schlieffen antes de 1914, o Gesamtschlacht procurou combinar vários campos de batalha e engajamentos em uma operação integral para criar uma batalha final e decisiva.[16] Os alemães consideravam a guerra como uma sequência estratégica única de aniquilação (Vernichtungsstrategie, estratégia de aniquilação) compreendendo três fases: mobilização, desdobramento e Gesamtschlacht.[17] Este processo visava criar um envelopamento do inimigo antes de destruí-lo ou fazê-lo render-se, e fazê-lo para cada inimigo da Alemanha até que a vitória fosse alcançada.[18]

Consequentemente, a manobra estratégica dependia de resultados táticos. Portanto, se a Alemanha não obtivesse a vitória pela mera destruição do poder militar do inimigo, a única opção estratégica seria então ficar na defensiva, porque os alemães não podiam ou não conceberiam nada diferente.[19]

Naturalmente, a Alemanha ainda poderia obter sucessos estratégicos, na Europa em 1939, 1940 e 1941, antes da invasão da União Soviética, por exemplo. Mas esses sucessos foram possíveis em parte porque os alemães não só foram capazes de usar seu método preferido - destruir grandes partes das forças armadas inimigas - mas também porque tinham a capacidade de ocupar países inteiros. No entanto, quando esses dois elementos eram difíceis de realizar, o modo de guerra alemão tinha dificuldades em transformar sucessos táticos em efeito estratégico.

As lutas contra o Reino Unido e os Estados Unidos, mas principalmente contra a União Soviética, demonstram isso. De fato, Blitzkrieg e Gesamtschlacht não eram boas maneiras de derrotar inimigos que gozavam de vantagens geográficas impedindo a ocupação total – nestes casos, uma ilha, o Oceano Atlântico e imensa profundidade estratégica – e que tinham a vontade de continuar lutando apesar das derrotas iniciais e até esmagadoras.[20]

A falha em reconhecer que essa estrutura não era necessariamente apropriada contra o Reino Unido, os Estados Unidos e a União Soviética foi um erro estratégico. Os estrategistas alemães não conseguiram conceber uma maneira de derrotar seus inimigos a não ser derrotando grandes partes de suas forças armadas e ocupando todo o país se eles se recusassem a se render. Os alemães falharam em reconhecer que o mero acúmulo de sucessos táticos e destreza operacional não necessariamente se traduziria em efeito estratégico.[21]

A doutrina deve ser adaptada ao ambiente

O segundo elemento desse erro estratégico é que o Reich usou suas forças armadas da mesma maneira, independentemente do ambiente em que lutou. Em certo sentido, a Alemanha cometeu o mesmo erro de Napoleão: confiou em uma doutrina e meios que funcionavam melhor em teatros muito menores, com bons recursos logísticos, boas redes rodoviárias e clima temperado. A mera mudança de escala entre os teatros europeus ocidentais e orientais teve um impacto significativo na condução das operações e deveria ter afetado o planejamento estratégico alemão antes do início da Barbarossa.[22]

Tropas alemãs lutando na “rasputitsa” russa, março de 1942.
(Das Bundesarchiv/Wikimedia)

De fato, a vastidão da União Soviética por si só significava que as formas operacionais alemãs não podiam necessariamente ser adaptadas. Em 1939 e 1940, havia aproximadamente 400 quilômetros da fronteira alemã até Varsóvia e 300 quilômetros da fronteira alemã até Paris. Em 1941, havia cerca de 1.000 quilômetros da fronteira polonesa controlada pelos alemães até Moscou; a distância mais que dobrou ou triplicou, em comparação com as campanhas polonesas e francesas.

Inadequações operacionais, erros estratégicos

Embora esses elementos denotem erros que se manifestaram no nível operacional da guerra, eles revelam um grave erro estratégico subjacente. A Alemanha não conseguiu perceber que sua doutrina operacional não estava necessariamente adaptada para atingir seus objetivos estratégicos e não conseguiu adaptá-la ao contexto. Nesse sentido, o caminho não foi adaptado ao fim, e a estratégia consiste em encontrar os meios e formas adequados para cumprir os fins.

Não aprender com a história

Uma falha estratégica de longa data é a incapacidade de aprender com os erros do passado. No final, a Alemanha cometeu erros semelhantes aos que cometeu na França em 1918, acreditando que o mero acúmulo de vitórias táticas garantiria o sucesso estratégico.[23] Tal pensamento realmente funcionou no início da guerra, quando os inimigos da Alemanha não tinham a iniciativa, seu território era pequeno o suficiente para ser totalmente ocupado, eles ainda não haviam mobilizado totalmente sua indústria e quando as táticas alemãs eram esmagadoramente melhores que as deles.

A Segunda Guerra Mundial na Europa.
(Wikimedia)

O segundo grande fracasso diz respeito às coalizões. A Alemanha perdeu a Primeira Guerra Mundial, em parte, porque enfrentou uma aliança forte, bem coordenada e eficaz, apoiada por maiores recursos agregados e uma base industrial mais eficiente com maior mão-de-obra.[24] O Terceiro Reich perdeu a Segunda Guerra Mundial, em grande parte, porque se recusou a reconhecer exatamente o mesmo. De fato, em vez de ficar em guerra apenas com o Reino Unido e tentar manter o status quo ou acabar com ele antes de prosseguir com sua expansão, a Alemanha, em apenas seis meses, declarou guerra a dois Estados, ambos com indústrias poderosas, populações maiores e uma razão plausível para alinhar em causa comum. Apesar dessas considerações estratégicas, a União Soviética tinha uma imensa profundidade estratégica enquanto os Estados Unidos tinham o Oceano Atlântico, colocando ambos efetivamente fora do alcance alemão sob o princípio do Gesamtschlacht.

A falta de boas estratégias industriais e econômicas

Os principais líderes da aliança contra as potências do Eixo na Conferência de Teerã, 28 de novembro de 1943. Da esquerda para a direita: Joseph Stalin, Franklin D. Roosevelt, Winston Churchill.
(U.S. Signal Corps/Wikimedia)

Finalmente, outro erro estratégico diz respeito à indústria e economia alemãs. A Alemanha não conseguiu criar estratégias industriais e econômicas eficazes para apoiar suas ambições militares. Esse erro encontra parcialmente sua origem na estrutura política construída por Hitler. Seu poder repousava em equilíbrios complexos e alianças políticas frágeis entre dignitários nazistas, líderes militares e círculos empresariais.[25] Dessa forma, Hitler conseguiu consolidar seu poder, mas ao preço de um atrito considerável.[26] Consequentemente, os dignitários alemães estavam trabalhando independentemente uns dos outros sem ter uma visão geral da situação geral, que só Hitler tinha.[27] Portanto, o setor civil estava fragmentado, o que dificultou a mobilização e coordenação da indústria.[28]

Tal fragmentação foi ilustrada pelo fato de que vários líderes nazistas estavam administrando impérios industriais.[29] Por exemplo, Heinrich Himmler, o chefe da Schutzstaffel (SS), criou sua própria economia SS e se opôs a um processo centralizado de tomada de decisão econômica e industrial.[30] Por causa de tais tensões e do fato de que o Estado nazista impedia a existência de qualquer tipo de contra-poder, os esforços daqueles que tentaram organizar melhor o esforço de guerra alemão, como Albert Speer, foram impedidos.[31] Essa fragmentação piorou o distúrbio e as ineficiências pré-existentes.[32]

O Ministro de Armamentos e Produção de Guerra Albert Speer (à direita, usando uma braçadeira nazista) e o Marechal de Campo e Inspetor Geral do Ar Erhard Milch (no meio) observam a demonstração de um novo tipo de munição, outubro de 1943.
(Das Bundesarchiv/Wikimedia)

Outros problemas também existiam. Por exemplo, os esforços de pesquisa e desenvolvimento tecnológico foram desorganizados e não foram priorizados com base na necessidade ou natureza do projeto.[33] Isso se deveu em parte à doutrina militar alemã, que buscava batalhas decisivas e planejava alcançar a vitória combinando habilidade tática e desempenho de armas. Consequentemente, os alemães tendiam a procurar desempenho absoluto em armas, em vez de um desempenho que fosse bom o suficiente para a tarefa que deveriam realizar.[34] Tal método, combinado com a falta de mão-de-obra qualificada, longos períodos de produção e, em particular, falta de matérias-primas, revelou-se ineficaz e contraproducente.[35]

Consequentemente, a Alemanha não foi capaz de conceber estratégias industriais e econômicas adequadas. Isso teve um impacto necessário e negativo na condução da guerra, especialmente porque os inimigos do Reich possuíam economias relativamente mais eficientes e indústrias mobilizadas.[36]

Na guerra, uma boa estratégia é uma necessidade constante

A Alemanha na Segunda Guerra Mundial ensina que uma boa estratégia é essencial para vencer guerras. O Reich ignorou vários princípios de estratégia que levaram à sua ruína. Tais princípios são simples e talvez até óbvios, mas esquecê-los ou ignorá-los como a Alemanha fez pode ter consequências desastrosas.

A Alemanha ignorou o fato de que a política e a estratégia quase sempre devem ser “um pouco flexíveis e adaptáveis às mudanças nas circunstâncias do contexto”. Como Colin S. Gray afirma, “políticas e estratégias suficientemente boas devem sempre ser ‘trabalho em andamento’, pelo menos em algum grau modesto.”[37] De fato, a Alemanha não conseguiu se adaptar, principalmente quando enfrentou a União Soviética. Ignorou o princípio Clausewitziano de que a guerra é, por essência, dialética; o inimigo tem uma palavra a dizer sobre o assunto, e enquanto eles se recusam a admitir a derrota, mesmo que pareça inevitável, é improvável que as vitórias táticas se traduzam por si só em sucesso estratégico.[38] Por causa de sua estratégia ideológica e apocalíptica, o Terceiro Reich recusou-se a reconsiderar seus objetivos estratégicos e os meios utilizados para atingir os fins almejados. Isso ficou evidente em relação à União Soviética, quando a Alemanha deveria ter percebido que sua arte operacional não seria capaz de atingir seus fins estratégicos. Nesse sentido, a estratégia alemã era inflexível.

Às vezes, a Alemanha também escolheu o caminho errado para alcançar os fins desejados. De fato, a estratégia requer prestar “a máxima atenção... à viabilidade material das operações escolhidas”.[39] O Terceiro Reich frequentemente falhou em fazê-lo. Além disso, a Alemanha não sabia como se adaptar para alcançar vitórias estratégicas se sua principal forma de fazê-lo – destruir o poder militar inimigo via aniquilação – se mostrasse inadequada ou impossível. Além disso, a excelência tática e a destreza operacional devem ser direcionadas por meio de uma estratégia realista. O que importa em última análise são as consequências políticas das batalhas forjadas pela arte operacional, em vez de seu resultado material e tático imediato.[40]

Soldados da FEB posando com prisioneiros alemães.
(Fundo Agência Nacional/Wikimedia)

Este estudo de caso mostra que a estratégia também deve observar a história e aprender com ela. Como mostrado, o Terceiro Reich falhou em fazê-lo. Além disso, este caso ilustra que a estratégia não é apenas estratégia militar. Deve incluir várias outras ferramentas – economia e diplomacia no mínimo – para maximizar as chances de alcançar o(s) objetivo(s) político(s) desejado(s). Além disso, essas ferramentas se reforçam mutuamente. A Alemanha sobre-privilegiou a estratégia militar e negligenciou as estratégias industrial e econômica.

A Alemanha na Segunda Guerra Mundial mostra que uma estratégia orientadora com uma teoria clara de vitória emoldurada por objetivos políticos realistas é uma necessidade constante e inegociável na guerra. Independentemente do caráter da guerra, a estratégia sempre será essencial para alcançar o resultado desejado. Hoje em dia, a falta de uma boa estratégia pode refletir a imagem das democracias ocidentais que falham em alcançar objetivos significativos em conflitos não-convencionais no exterior. No entanto, não se deve esquecer que isso também se aplica a conflitos convencionais entre Estados que operam exércitos inteiros, incluindo guerras totais. A estratégia de contagem de corpos falhou no Vietnã, mas também falhou na frente oriental alemã na Segunda Guerra Mundial.

Conclusão

O Terceiro Reich era excelente em táticas e provavelmente, do ponto de vista operacional, era pelo menos adequado em geral. Afinal, a Alemanha obteve vitórias impressionantes na Polônia, Dinamarca, Noruega, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, França, Iugoslávia e Grécia. Nesses casos, a arte operacional alemã conseguiu alcançar efeitos estratégicos. Os ambientes e contextos locais foram bons para sua preferência pela aniquilação.

No entanto, quando a principal via operacional não era adequada para atender aos seus fins estratégicos – ou seja, quando os contextos geográficos e industriais não permitiam a destruição ou ocupação total e seus inimigos resolvidos e capazes de continuar lutando apesar das derrotas iniciais – a Alemanha atolou e foi incapaz de inovar. Reconhecendo os pontos fortes e fracos de sua própria preferência estratégica, a escolha por variantes de certas formas de arte operacional pertence ao domínio estratégico. A estratégia alemã deveria ter levado isso em consideração e perceber que, quando o contexto local estivesse certo, a Blitzkrieg poderia valer a pena; mas se não fosse, alcançar objetivos estratégicos poderia ser muito mais difícil com a adesão obstinada aos mesmos.

Ao olhar para os diferentes níveis de guerra alemães, o que mais condenou a Alemanha foi sua estratégia inspirada na ideologia, apocalíptica e irrealista. A estratégia falha do Terceiro Reich o levou a declarar guerra tanto à União Soviética quanto aos Estados Unidos; deixar de reconhecer que suas formas operacionais não foram necessariamente adequadas para atingir seus fins estratégicos; teimosamente se recusa a capitular quando a derrota era mais provável; e prefere a destruição total à derrota limitada.

Lorris Beverelli é um cidadão francês que possui um Master of Arts em Estudos de Segurança com concentração em Operações Militares pela Universidade de Georgetown.

Notas

[1] Michael Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” in Makers of Modern Strategy: from Machiavelli to the Nuclear Age, ed. Peter Paret (Princeton: Princeton University Press, 1986), 583-84.

[2] Ibid., 573.

[3] Ibid., 582.

[4] Ibid., 583.

[5] Richard Overy, The Origins of the Second World War, Fourth edition, Abingdon, New York: Routledge, 2017, 40.

[6] Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 583.

[7] Overy, The Origins, 94.

[8]  Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 575.

[9] Overy, The Origins, 41, 88; Peter Longerich, Hitler, trans. Tilman Chazal, Caroline Lee, Caroline Lelong e Valentine Morizot, trans. ed. Raymond Clarinard, Éditions Héloïse d’Ormesson, 2017, 701, 721 (traduzido em inglês sob o título Hitler: A Biography e publicado pela Oxford University Press em 2019).

[10] Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 574.

[11] Andrew Roberts, Leadership in War: Essential Lessons from Those Who Made History, New York: Viking, 2019, 89.

[12] Longerich, Hitler, 750; Claude Quétel, La Seconde Guerre mondiale, Paris: Perrin, 2015, 237.

[13] Longerich, Hitler, 750.

[14] Richard Overy, Why the Allies Won, New York: W.W. Norton & Company, 1996, 315; Longerich, Hitler, 945-46.

[15] Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 571, 572.

[16] Benoist Bihan, “L’Allemagne a perdu la guerre à cause d’Hitler,” in Les mythes de la Seconde Guerre mondiale, ed. Jean Lopez e Olivier Wieviorka (Paris: Perrin, 2015), 385; Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 532.

[17] Bihan, “L’Allemagne,” 385. Para saber mais sobre tais conceitos, veja, por exemplo, Michael Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” in Makers of Modern Strategy: from Machiavelli to the Nuclear Age, ed. Peter Paret (Princeton: Princeton University Press, 1986); Terence Zuber, Inventing the Schlieffen Plan: German War Planning 1871-1914, Oxford: Oxford University Press, 2002. 

[18] Ibid.

[19] Ibid., 386.

[20]  Observe que o termo “blitzkrieg” é usado aqui para fins de simplicidade e clareza. Esta palavra é mais um termo construído para designar a maneira geral como os alemães estavam atacando na Segunda Guerra Mundial, em vez de uma doutrina oficial bem definida. Por exemplo, ver Karl-Heinz Frieser, trans. ed. John T. Greenwood, The Blitzkrieg Legend: The 1940 Campaign in the West, Annapolis: Naval Institute Press, 2005.

[21] Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 591.

[22] Martin Motte, Georges-Henri Soutou, Jérôme de Lespinois e Olivier Zajec, La mesure de la force : Traité de stratégie de l’École de guerre, Paris: Éditions Tallandier, 2018, 256-57.

[23] Geyer, “German Strategy,” 591.

24] Ver por exemplo, William Philpott, War of Attrition: Fighting the First World War, New York: The Overlook Press, 2014; Michel Goya, Les vainqueurs : Comment la France a gagné la Grande Guerre, Paris: Éditions Tallandier, 2018.

[25] Bihan, “L’Allemagne,” 381. Para uma ilustração de tais relacionamentos, veja Jean Lopez (editor), Nicolas Aubin, Vincent Bernard, Nicolas Guillerat, Infographie de la Seconde Guerre mondiale, Paris: Perrin, 2018, 44 (traduzido em inglês sob o título World War II Infographics e publicado pela Thames & Hudson em 2019).

[26] Jean Lopez (editor), Nicolas Aubin, Vincent Bernard, Nicolas Guillerat, Infographie de la Seconde Guerre mondiale, Paris: Perrin, 2018, 44.

[27] Ibid.

[28] Bihan, “L’Allemagne,” 381.

[29] Benoist Bihan compara esta estrutura a fidelidades medievais, daí a palavra “lords” aqui.

[30] Quétel, La Seconde Guerre mondiale, 237.

[31] Ibid.; Bihan, “L’Allemagne,” 384.

[32] Bihan, “L’Allemagne,” 382.

[33] Ibid.

[34] Ibid., 383.

[35] Ibid., 384.

[36] Ibid., 382.

[37] Colin S. Gray, Strategy and Politics, New York: Routledge, 2016, 64.

[38] Motte, Soutou, de Lespinois e Zajec, La mesure, 74.

[39] Gray, Strategy and Politics, 65.

[40] Ibid., 70.

Nenhum comentário:

Postar um comentário