Mostrando postagens com marcador FINGIM. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador FINGIM. Mostrar todas as postagens

domingo, 12 de setembro de 2021

FOTO: O Comando Lassere na Indochina

Demonstração do Comando Lasserre em Ha Dong, em Hanói, fevereiro de 1954.
Em primeiro plano, o Adjudant Laserre, o comandante da unidade.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 12 de setembro de 2021.

O Comando Lasserre, com cerca de uma centena de homens, era especialista na procura de informação (a qual explorava diretamente), na detecção e procura de caches e túneis. Recrutados entre os soldados ou apoiadores do Viet-Minh capturados, os membros do comando eram agrupados em células especializadas de 4 ou 5 homens: choque, sapador-desminador, propagandista, equipe canina etc.

A demonstração ocorreu no distrito de Ha Dong, na capital Hanói, em fevereiro de 1954. A reportagem foi fotografada por Camus Daniel, com o exercício de demonstração ocorrendo na presença de autoridades civis e militares - o Presidente Pleven, Monsieur de Chevigne, General Cogny e Coronel de Clerk - durante uma viagem de inspeção.

Como parte da demonstração, um membro da unidade desce para inspecionar um cache (esconderijos de armamento e víveres) que acaba de ser detectado. Soldados Viet-Minh (comandos atuando como FINGIM) são extraídos do subsolo e se rendem. A reportagem termina com um retrato do Adjudant Lasserre, o comandante do comando que leva seu nome.

O soldado de costas na primeira foto está armado com uma submetralhadora MAT 49, e muniu-se do cinto com uma baioneta Karabiner 98K alemã (Kurtz), granadas ofensivas OF 37 e granadas defensivas DF 37 (presas em porta-granadas de couro, de fabricação local) e dois porta-carregadores britânicas.

Armas do cache "Viet-Minh" (um morteiro japonês e um fuzil-metralhador 24/29) que um soldado desce até o fundo para inspecionar. Armado com uma submetralhadora M3 "Grease Gun" (de uso raro na Indochina), um comando tomou posição para cobrir seus companheiros.

Modo de Operação:

Quando o comando obtém inteligência sobre uma aldeia, explora-a em uma operação, entrando no assentamento seguindo as unidades do setor que a apreenderam. Metodicamente, a aldeia é revistada por equipes de cães e o solo cuidadosamente sondado com agulhas de aço. Uma vez localizados, os esconderijos são cuidadosamente inspecionados e esvaziados de armas, munições, drogas ou material de propaganda que contêm. Da mesma forma, os túneis são explorados e toda a resistência inimiga neutralizada pelo uso de fumaça, gás lacrimogêneo ou cargas explosivas.

Os comandos vasculham cuidadosamente o terreno e então, tendo detectado a entrada camuflada de um cache, um dispositivo é montado: uma equipe se posiciona em cobertura, outra inspeciona cuidadosamente a abertura que leva ao cache para detectar toda peça de armadilha, depois um comando entra furtivamente e entrega aos seus camaradas na superfície as armas apreendidas no subsolo.

Ajudante Lasserre, comandante do comando que leva seu nome, durante demonstração realizada por sua unidade. Ele usa o boné específico para seu comando e usa no cinto uma adaga britânica "Fairbairn Sykes", colocada em uma bainha americana M8 (originalmente destinada para a adaga M3), bem como uma pistola alemã Luger P08 (Pistole 08) calibre 9mm, no quadril esquerdo.

Bibliografia recomendada:

Street Without Joy:
The French Debacle in Indochina.
Bernard B. Fall.

Leitura recomendada:

O que um romance de 1963 nos diz sobre o Exército Francês, Comando da Missão, e o romance da Guerra da Indochina12 de janeiro de 2020.

PERFIL: O filho do general, 27 de julho de 2021.

VÍDEO: Lugers da ocupação francesa em 1945, 7 de abril de 2021.

GALERIA: Operação Brochet no Tonquim3 de outubro de 2020.

GALERIA: Atividades cotidianas do 6e BPC nos postos de Pak-Hou e de Muong-Sai, 4 de fevereiro de 2021.

GALERIA: Construção de um posto no Camboja16 de outubro de 2020.

GALERIA: Atividades militares dos Cuirassiers na Planície dos Jarros, 20 de agosto de 2021.

GALERIA: Com os Tirailleurs Marroquinos na Operação Aspic na região de Phu My14 de outubro de 2020.

terça-feira, 10 de novembro de 2020

A evolução dos exercícios Vermelho-Azul do PLA

Soldados do Exército de Libertação do Povo (PLA) hasteando a bandeira nacional da China comunista durante um desfile na base de treinamento militar de Zhurihe, na Mongólia Interior, em 30 de julho de 2017.

Por David C. LoganThe Jamestown Foundation, 14 de março de 2017.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de novembro de 2020.

No verão de 2016, o PLA completou a rodada mais recente de seus exercícios “Stride” (跨越), uma série de exercícios de treinamento militar em grande escala que destacam os confrontos simulados de forças opostas. Forças armadas e outros atores da segurança nacional têm utilizado “equipes vermelhas” por décadas para melhorar o treinamento e as operações. As equipes vermelhas fornecem um adversário dinâmico e apresentam à equipe azul ou “da casa” um exercício de treinamento mais desafiador e realista. Às vezes, as equipes vermelhas podem até mesmo ter a tarefa de imitar um país ou unidade militar específica. Nos EUA e em outros países ocidentais, a força “Vermelha” normalmente representa o adversário, mas na China, as designações são invertidas, com unidades “Vermelhas” representando o PLA e unidades “Azuis” representando a força oponente.

Um soldado do PLA participa de uma simulação de Vermelho vs Azul em Zhurihe.

Os exercícios Vermelho-Azul são oportunidades valiosas para avaliar as capacidades das forças armadas, aumentar a dificuldade e o realismo dos exercícios de treinamento e se preparar para conflitos futuros contra um adversário específico. De acordo com um relato, “Usando uma Força Azul feroz desta maneira em exercícios, em um aspecto imagina os requisitos funcionais das unidades inimigas e em outro aspecto também confirma que o nível de combate real do nosso exército aumenta continuamente ano a ano. Quer a Força Azul seja forte ou fraca, em um aspecto simula a situação real de oponentes em potencial e em outro aspecto também estabelece o nível atual de capacidades da Força Vermelha” (China Youth Daily, 24 de julho de 2015).

Os observadores chineses do PLA há muito lamentam as deficiências de pessoal em termos de educação, “pensamento à moda antiga” e treinamento (China Brief, 9 de maio de 2013). A incorporação de sistemas de armas mais complexos e o planejamento de operações conjuntas apenas aumentaram ainda mais a necessidade de pessoal de alta qualidade, mas o treinamento foi supostamente excessivamente planejado e irreal. O foco nos exercícios Vermelho-Azul é parte de um esforço maior para melhorar o treinamento geral da força.

Embora o PLA incorporasse exercícios Vermelho-Azul mais tarde do que seus congêneres militares ocidentais, esse treinamento não é inteiramente novo para o PLA. Os primeiros exercícios de confronto do PLA supostamente começaram em 1985. [1] Apesar do potencial dos exercícios Vermelho-Azul, o PLA falhou em explorá-los totalmente. Os exercícios anteriores foram excessivamente roteirizados e planejados mais para reforçar a reputação das tropas participantes do que para melhorar sua prontidão operacional. Nos últimos anos, porém, o PLA tem procurado expandir, sistematizar e profissionalizar o uso dos exercícios Vermelho-Azul. Esses exercícios fornecem indicadores das capacidades e percepções de ameaças do PLA.

[1] David Shambaugh, Modernizing China’s Military: Progress, Problems, and Prospects, (Berkeley, CA: University of California Press, 2004), pg. 95.

Exercícios Vermelho-Azul dentro do PLA


Dois dos exercícios Vermelho-Azul mais proeminentes dentro do PLA são realizados como parte dos exercícios anuais "Stride" conduzidos nas instalações militares de Zhurihe (朱 日 和), na Mongólia Interior, e os exercícios de "Poder de Fogo" (火力) conduzidos nas instalações de Qingtongxia (青铜峡) em Ningxia, embora exercícios específicos de serviço menores frequentemente incorporem elementos Vermelho-Azul (China Military Online, 12 de julho de 2016; Xinhua, 26 de julho de 2016). A instalação de Zhurihe ainda hospeda uma Força Azul dedicada estabelecida em 2014 com pessoal da 195ª Brigada de Infantaria Mecanizada do PLA.

Não está claro até que ponto os exercícios de confronto se destinam a preparar forças para conflitos reais antecipados contra adversários específicos ou destinam-se apenas a aumentar a dificuldade e o realismo dos exercícios. Os exercícios Vermelho-Azul são retratados como uma boa oportunidade para estudar e aprender com as táticas de combate dos exércitos estrangeiros (China Military Online, 5 de junho de 2015). Observadores ocidentais notaram o uso de doutrina militar americana ou edifícios semelhantes aos edifícios do governo de Taiwan como indícios de que o PLA estava ensaiando para conflitos específicos, como uma invasão de Taiwan (China Brief, 20 de fevereiro de 2015; The Diplomat, 11 de agosto de 2015). Relatórios indicaram que as Equipes Azuis não pretendem representar nenhum adversário específico, mas sim permitir que as tropas do PLA "confrontem um inimigo" padronizado "em um campo de batalha" padronizado "e testem se seus métodos de preparação, táticas e treinamento métodos são eficazes” (Guancha, 24 de julho de 2016). No entanto, algumas das tropas participantes são descritas como "a brigada principal da força principal preparando-se para as forças armadas taiwanesas" e outros relatórios destacaram o sucesso de uma brigada blindada do Primeiro Grupo de Exército - tropas que são "responsáveis pelo combate à independência de Taiwan - que conseguiu penetrar na base central das Forças Azuis oponentes”(Guancha, 24 de julho de 2016; Sina, 21 de julho de 2016). Os exercícios de confronto são uma chance de experimentar, e os exercícios Stride do ano passado viram uma série de inovações no campo de batalha. Uma unidade da Força Vermelha do Comando do Teatro Sul lutou sob intensa interferência eletromagnética em um esforço para simular um campo de batalha mais realista, especialmente em condições de guerra eletrônica desafiadora (Guancha, 24 de julho de 2016).


A unidade, no entanto, conseguiu manter as comunicações substituindo parte do firmware em seu equipamento de comunicação e instalando um novo código de software supostamente escrito por membros da unidade. A unidade foi a única capaz de manter com sucesso todas as capacidades de comunicação durante os exercícios. Uma unidade equipada com equipamento desatualizado não foi capaz de lançar bombas de fumaça contra a Força Azul, o que era necessário para fornecer cobertura para um ataque iminente da Força Vermelha. Em vez disso, eles usaram fogos de artifício tradicionais para criar uma cortina de fumaça rudimentar e cobrir com sucesso seu avanço (Guancha, 24 de julho de 2016).

Expandindo e melhorando os exercícios Vermelho-Azul do PLA


No passado, os exercícios Vermelho-Azul da China sofreram de inúmeras deficiências. Os exercícios anteriores foram criticados como excessivamente estereotipados, com participantes e comandantes enfatizando excessivamente o resultado do exercício, com pouca atenção às lições aprendidas ou maneiras de melhorar. Os comandantes estavam aparentemente muito focados no resultado geral do treinamento (ou seja, uma "vitória" ou uma "derrota") e muitas vezes não conseguiam incorporar as lições do exercício. (PLA Daily, 13 de março de 2016). Nos anos anteriores, durante as sessões de revisão pós-exercício, as tropas da Força Vermelha derrotada foram chamadas de "ressentidas" com o desempenho da Força Azul e alguns comandantes foram relatados como "mortificados e envergonhados" pela derrota (China Youth Daily, 24 de julho de 2015). Alguns relatórios explicaram como, na tentativa de reforçar a reputação das unidades participantes, a Força Vermelha freqüentemente recebia informações importantes sobre a Força Azul e que os cenários eram projetados para que a Força Vermelha sempre ganhasse (Rocket Force News, 29 de abril de 2016). Um oficial do PLA criticou a percepção de uma ênfase exagerada na busca pela glória e sucesso individual, dizendo “Esta ideia não é correta e o treinamento ficará cada vez mais distante do combate real” (PLA Daily, 13 de março de 2016).

Nos últimos anos, o PLA tem procurado aumentar a frequência dos exercícios Vermelho-Azul e a qualidade desses exercícios. Os exercícios de confronto atraíram até mesmo a atenção de alto nível nos últimos anos. O Livro Branco de Defesa da China de 2013 identificou especificamente o “treinamento força-contra-força” como uma meta para aprimorar o treinamento e os exercícios das tropas. De acordo com o Livro Branco, “Os vários serviços e armas estão intensificando os exercícios de confrontação e de verificação. Com base em diferentes cenários, eles organizam exercícios de força contra força ao vivo, exercícios de confronto online e exercícios de confronto de simulação por computador.” [2]

[2] O texto do livro branco de 2013, The Diversified Employment of China’s Armed Forces (O Emprego Diversificado das Forças Armadas da China), está disponível em http://www.china.org.cn/government/whitepaper/node_7181425.htm.


Os exercícios Stride de 2014 foram conduzidos sob um novo lema com o objetivo de convencer os participantes a se concentrarem nas lições aprendidas e não enfatizar demais o resultado dos exercícios. As unidades foram instadas a “enfatizar o teste, não a comparação; enfatizar o efeito substantivo, não a forma; e enfatizar a revisão, não ganhar ou perder ”(重 检验 不 重 评比 、 重 实效 不 重 形式 、 重 重 检讨 不 重 输赢) (China Youth Daily, 25 de julho de 2014). Um relatório observou que, após três anos de esforços, houve um progresso recente em rejeitar o "pensamento prejudicial de que 'o Vermelho deve sempre vencer, o Azul deve sempre perder'" (PLA Daily, 13 de março de 2016).

Além da dedicada Força Azul em Zhurihe, tanto os Comandos do Teatro (e as antigas Regiões Militares), bem como os serviços individuais, supostamente enfatizaram o estabelecimento de Forças Azuis, a expansão de seus números e a melhoria de sua qualidade (China Youth Daily, 24 de julho de 2015). Antes das reformas militares, as regiões militares de Pequim e Nanquim estabeleceram suas próprias Forças Azuis dedicadas. A Força Aérea do PLA divulgou sua primeira Força Azul dedicada nos exercícios de Poder de Fogo de 2015 realizados em Shandan, Gansu (China Military Online, 8 de setembro de 2015; China Youth Daily, 24 de julho de 2015). A recém-formada Força de Foguetes do PLA anunciou no início do ano passado a criação da sua Seção de Ensino e Pesquisa do Exército Azul, liderada pelo Coronel Diao Guangming (刁光明) (PLA Daily, 17 de abril de 2016). O Coronel Diao, que supostamente participou de mais de 20 exercícios de confronto, pressionou por situações de treinamento mais difíceis e complexas, dizendo "Aqueles cujo treinamento em tempo de paz é excessivamente bom sofrerão muito quando entrarem no campo de batalha" (PLA Daily, 17 de abril de 2016).


Para o exercício Stride de 2016, o departamento de treinamento do Exército do PLA emitiu "Padrões de avaliação para exercícios simulados de Força Azul" em um esforço para sistematizar e melhorar os exercícios Vermelho-Azul (PLA Daily, 9 de agosto). O documento tem como objetivo fornecer orientação às unidades que atuam como Força Azul em exercícios, bem como padrões para avaliar o desempenho dessas unidades. Os padrões de avaliação são divididos em três subcategorias que medem se o desempenho da Força Azul se assemelha ao adversário, é realista e desafiador. De acordo com as diretrizes, a Força Azul seria avaliada em categorias como desdobramento, tática, comando e controle e medidas de segurança.

Os exercícios Stride de 2016 apresentaram uma série de outras mudanças para melhorar o realismo dos exercícios. Enquanto os participantes dos exercícios Stride anteriores foram recomendados por unidades de comando superior, os participantes do ano passado foram escolhidos aleatoriamente entre as unidades do Exército de cada um dos Comandos de Teatro (Xinhua, 15 de julho de 2016). No passado, as Forças Vermelhas só recebiam funções ofensivas, mas no ano passado eram responsáveis tanto pelo ataque quanto pela defesa (Xinhua, 15 de julho de 2016). Mais exercícios foram realizados à noite e houve uma tentativa deliberada de incorporar o uso de forças de "novo tipo", como "forças especiais, reconhecimento tecnológico, reconhecimento aeroespacial e interferência eletromagnética" (Xinhua, 15 de julho de 2016). Na avaliação do desempenho dos participantes, o peso atribuído ao desempenho do comandante foi aumentado de 20% para 35% (Xinhua, 15 de julho de 2016).


As equipes da casa do PLA não se saíram bem, pois os exercícios Vermelho-Azul do PLA se tornaram menos roteirizados e mais realistas. Relatórios sobre o resultado dos exercícios Stride de 2014 observaram que as equipes Vermelhas sofreram seis derrotas em comparação com apenas uma única vitória contra a Força Azul da oposição (China Youth Daily, 13 de fevereiro de 2014). Essas perdas foram incorridas pelas Forças Vermelhas compostas por forças de seis das sete antigas regiões militares e a "taxa de mortalidade" das Forças Vermelhas foi relatada em 70% (People’s Daily Online, 24 de julho de 2015). Desde o estabelecimento da Força Azul dedicada em Zhurihe, a unidade participou de todos os três exercícios Stride anuais realizados nas instalações de Zhurihe e acumulou um recorde cumulativo de 31 vitórias em comparação com apenas duas derrotas (Guancha, 28 de abril de 2016).

Em um exemplo particularmente marcante de 2014, as tropas da Força Azul se passando por representantes de um governo local com sacos de batatas e repolho a reboque, conseguiram se infiltrar no campo da Força Vermelha (Global Times, 28 de agosto de 2014). Quando o comandante da Força Vermelha saiu para saudar os falsos representantes e receber seus presentes, uma barragem de artilharia distraiu os guardas da Força Vermelha. No caos que se seguiu, as incógnitas tropas da Força Azul conseguiram capturar o comandante da Força Vermelha.


Houve relatos de algum progresso limitado, no entanto. A "grande notícia" do exercício Stride de 2016 foi que a Equipe Vermelha conseguiu marcar uma "morte" simulada do comandante da Equipe Azul, Coronel Sênior Man Guangzhi (满 广 志) (Guancha, 24 de julho de 2016). No passado, o sucesso frustrantemente baixo das Forças Vermelhas nesses exercícios de confronto deu origem a um grito de guerra de "Capture Man Guanzhi, esmague a 195", uma referência tanto à 195ª Brigada de Infantaria Mecanizada, a unidade do PLA atribuída o papel da Força Azul, e o Coronel Sênior Man. Embora a morte do comandante da Força Azul não tenha sido suficiente para virar a maré do exercício a favor da Força Vermelha, foi reconhecida como uma evidência de progresso.

As Forças Vermelhas da recém-criada Força de Foguetes do PLA parecem ter conduzido vários exercícios de confronto Vermelho-Azul independentemente das outras forças. Eles tiveram um pouco mais de sucesso, mas ainda têm dificuldades. Desde o início do ano, o jornal oficial da Força de Foguetes do PLA tem publicado uma série de várias partes sobre as melhorias de treinamento feitas pela Força de Foguetes do PLA e a Segunda Artilharia desde o 18º Congresso do Partido. Um artigo recente da série observou que, durante uma sequência recente de exercícios Vermelho-Azul, a força Vermelha teve um recorde de cinco derrotas e duas vitórias (Rocket Force News, 22 de março).

Conclusão


Os pontos fracos dos sistemas de treinamento do PLA estão bem documentados e têm sido vistos como um obstáculo às capacidades operacionais do PLA (PLA Daily, 12 de outubro de 2014). [3] As recentes reformas dos exercícios militares Vermelho-Azul provavelmente ajudarão a melhorar o treinamento e as capacidades operacionais do PLA, bem como a própria compreensão dos militares chineses sobre as táticas de potenciais adversários estrangeiros. Ao mesmo tempo, o crescimento e a profissionalização dos exercícios Vermelho-Azul do PLA também fornecem uma fonte valiosa de informações sobre a percepção da ameaça e a trajetória futura do PLA. O equipamento, as táticas e os objetivos das tropas participantes revelarão os tipos de cenários que o PLA prevê que serão mais prováveis no futuro. Por exemplo, a incorporação de uma maior diversidade de forças mostra uma maior orientação para o realismo no treinamento.

[3] Ver, por exemplo, Michael S. Chase, et al., "China’s Incomplete Military Transformation: Assessing the Weaknesses of the People’s Liberation Army (PLA)", RAND Corporation, fevereiro de 2015, especialmente pg. 43-124.

O fato de que rodadas anteriores de exercícios proeminentes Vermelho-Azul apenas atribuíram às Forças Vermelhas amigas um papel ofensivo, junto com referências ocasionais a Taiwan, sugere que talvez os exercícios de confronto sejam conduzidos tendo em vista uma contingência futura envolvendo Taiwan. No entanto, a prática de selecionar participantes aleatoriamente pode ajudar a promover a melhoria de base ampla no treinamento de confronto em todo o PLA, mas vai complicar os esforços do PLA para focar o treinamento de confronto e para os observadores discernirem as percepções de ameaça com base nas unidades selecionadas. Esses exercícios também proporcionarão uma oportunidade para avaliar melhor as capacidades operacionais reais do PLA.

Ainda existem lacunas no realismo desses exercícios. Apesar de sua recente ênfase em operações conjuntas, parece que o PLA tem sido um pouco mais lento para desenvolver exercícios complexos de confronto multi-serviço. A maioria dos exercícios Vermelho-Azul realizados até agora parecem ter sido realizados entre unidades do mesmo serviço e relatórios recentes sobre os exercícios enfatizaram indicadores de progresso aparentemente pequenos. Por exemplo, em 2015, um relatório destacou o fato de que um oficial de seleção de alvos da Força Aérea do PLA havia sido incorporado a um grupo de combate do Exército do PLA (PLA Daily, 9 de junho de 2015).


A falta de exercícios multi-força Vermelho-Azul provavelmente impõe um limite no realismo de tais exercícios, já que as unidades confrontam as Equipes Azuis com apenas uma gama limitada de capacidades. Por exemplo, exercícios de confronto envolvendo a Força de Foguetes do PLA usaram “equipes azuis eletrônicas” confinadas a uma base, presumivelmente apenas capaz de simular certos tipos de assédio eletrônico inimigo (PLA Daily, 19 de abril de 2016). A falta de Equipes Azuis dedicadas também pode prejudicar a capacidade de simular operações inimigas bem coordenadas. A Força de Foguetes foi recentemente descrita como reunindo Equipes Azuis de uma forma ad hoc, "atraindo de diferentes unidades reconhecimento técnico, guerra eletrônica, operações especiais e outras forças de elite" (PLA Daily, 8 de setembro de 2016).

A China até começou a trazer seus exercícios Vermelho-Azul para o cenário internacional. Em setembro do ano passado, unidades da Marinha do PLA e da Marinha da Rússia participaram de exercícios conjuntos no Mar da China Meridional (Xinhua, 11 de setembro de 2016). Os exercícios, que marcaram a quinta rodada desde que os dois países começaram os exercícios em 2012, pela primeira vez incluíram exercícios de confronto Vermelho-Azul (PLA Daily, 14 de setembro de 2016). Este ano, o Corpo de Fuzileiros Navais realizou exercícios de fogo real, bem como operações de captura de ilhas (Xinhua, 11 de setembro de 2016).


David C. Logan é um estudante graduado da Escola Woodrow Wilson de Relações Públicas e Internacionais da Universidade de Princeton. Seus escritos foram publicados na Foreign Affairs, Joint Force Quarterly, The National Interest, The Bulletin of Atomic Scientists e The Diplomat. Ele gostaria de agradecer a Joel Chen pelos excelentes comentários sobre os rascunhos anteriores.

Bibliografia recomendada:




Leitura recomendada:


segunda-feira, 9 de novembro de 2020

Os Lobos de Zhurihe: a OPFOR da China amadurece

Por Gary Li, The Jamestown Foundation, 20 de fevereiro de 2015.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 9 de novembro de 2020.

Entre 31 de maio e 28 de julho de 2014, o Exército de Libertação do Povo Chinês (PLA) iniciou o exercício anual em grande escala com o codinome "Stride 2014". Os exercícios Stride (Passo Largo) têm ocorrido regularmente, concentrando-se principalmente no rápido desdobramento de grandes formações de campanha em território desconhecido e na realização de exercícios de confronto. A versão de 2014, no entanto, era diferente em sua escala, composição das unidades, intensidade e natureza do oponente que as unidades enfrentavam. Nada menos que sete das principais brigadas, de sete diferentes grupos de exércitos (GA) do PLA, foram enviados para a Base de Treinamento de Zhurihe, na Mongólia Interior, sob a Região Militar de Pequim. Durante os seis exercícios de confrontação que se seguiram, apenas um resultou na vitória das “Forças Vermelhas” (REDFOR) visitantes, e a um custo elevado. A surra recebida pela REDFOR na verdade reflete uma nova era no treinamento do PLA que está intimamente ligada à unidade que os ensinou a lição, a primeira brigada de forças oponentes dedicada da China (Opposing ForcesOPFOR*).[1] [2]

Distintivo da "1ª Brigada OPFOR da China", Lobos de Zhurihe.

[1] Os exercícios OPFOR são uma prática militar comum em todo o mundo, incluindo os Estados Unidos. As REDFOR são as unidades normais do PLA e a “Blue Force" OPFOR são unidades especiais destinadas a atuar como unidades inimigas para fins de treinamento. Para referência, os Estados Unidos usam “Red Teams” como inimigo. O Centro Nacional de Treinamento em Irwin, Califórnia, é a casa do OPFOR dos EUA desde 1980, onde unidades que simulam um regimento soviético foram responsáveis por colocar unidades mecanizadas dos EUA à prova durante a Guerra Fria. Hoje, também se especializou em unidades de treinamento para operações de contra-insurgência.

[2] As unidades específicas dos GA foram identificadas por meio de pesquisas de código aberto.

Sniper francês da FORAD (Force Adverse/ Figurativo Inimigo) no Centro de Treinamento de Combate em Zona Urbana (Centre d'entraînement au combat en zone urbaine, CENZUB), em Sissonne, na França.

*Nota do Tradutor: Na Marinha do Brasil, a OPFOR é chamada de "Figurativo Inimigo" (FINGIM). O acrônimo lembra "fingimento". No Exército Brasileiro usam o termo ForOp, "Força Oponente".

Participantes e resultados do exercício “Stride 2014”

Segmento do Exercício

Região Militar (MR)

Unidade do Exército

Resultado

vs

OPFOR

A

Nanquim

12º Grupo de Exército (GA), 2ª Brigada Blindada

Perdeu

B

Guangzhou

41º GA, 122ª Brigada Mecanizada

Perdeu

C

Jinan

20º GA, 58ª Brigada Leve Mecanizada

Perdeu

D

Shenyang

16º GA, 68ª Brigada Mecanizada

Venceu/

Empatou

E

Chengdu

14º GA, 18ª Brigada Blindada

Perdeu

F

Lanzhou

47º GA, 55ª Brigada Motorizada

Perdeu

N/A*

Pequim

27º Grupo do Exército (GA), 7ª Brigada Blindada

N/A


* Não participou do “Stride 2014”, mas possivelmente foi usado como unidade de teste antes dos exercícios principais.

As forças visitantes estavam sob ataques simulados desde o momento em que chegaram às áreas de concentração e, em seguida, foram colocadas sob ataque químico, biológico e nuclear (QBN) contínuo, bem como ataque aéreo durante os exercícios (Xinhua Net, 24 de junho de 2014). A OPFOR possuía domínio total nas arenas aéreas e de artilharia, bem como vantagem tática devido ao reconhecimento avançado ser negado às unidades visitantes. A maioria das unidades perdeu 30–50 por cento de suas forças no momento em que entrou em contato com a OPFOR, e algumas perderam até 70% quando o seu segmento de exercício terminou. Nunca antes o PLA havia feito tal teste por um oponente assim, e o experimento de Zhurihe enviou ondas de choque por todo o corpo de oficiais.

O nascimento da “Força Azul”

Tropas do PLA lançam um assalto a uma réplica do Edifício Presidencial de Taiwan na base de treinamento de Zhurihe, na Mongólia Interior. (SCMP Pictures)

A Base de Treinamento de Zhurihe, no deserto da Mongólia Interior, tem sido um importante campo de treinamento para as tropas blindadas da China desde 1957. No entanto, foi somente a partir de 2007 que ela evoluiu de um simples campo de tiro para um centro de treinamento de armas combinadas. Este foi um tempo surpreendentemente longo, pois o PLA está perfeitamente ciente do seu atraso desde a Guerra do Golfo de 1991, após a qual a velocidade da modernização militar aumentou drasticamente. As unidades anteriores da OPFOR estavam em grande parte em rotações muito curtas e imitavam as formações soviéticas, que foram os principais adversários terrestres durante a Guerra Fria. Apesar da desintegração da União Soviética em 1991, isto permaneceu praticamente inalterado até os anos 2000. Essa transformação recebeu um impulso extra desde que o presidente e comandante-em-chefe chinês Xi Jinping chegou ao poder em 2012, quando ele decidiu implementar reformas dentro do PLA a fim de obter uma força de combate que "pode lutar e vencer batalhas" (PLA Daily, 21 de fevereiro de 2013).

A misteriosa "Força Azul" - como o PLA chama sua OPFOR - é na verdade a 195ª brigada de infantaria mecanizada, comandada por Xia Minglong, sob a RM de Pequim (anteriormente a 1ª Divisão Blindada, 65º GA, uma das primeiras unidades pioneiras em "guerra informatizada"). Esta unidade parece ter sido retreinada durante 2013 e ativada em janeiro de 2014. Em março de 2014, a Comissão Militar Central (CMC) sob o presidente Xi emitiu a diretiva "Recomendações sobre a Melhoria do Realismo dos Exercícios Militares" (Xinhua, 20 de março de 2014), e a 195ª brigada seria o "amolador". O “Stride 2014”, portanto, foi pessoalmente aprovado por Xi de acordo com os novos “Regulamentos de Treinamento de Base Transregional de 2014-2017” (Liao Wang Dong Fang, 6 de agosto de 2014).

Transporte Tipo 63 dos Lobos de Zhurihe, OPFOR.

Embora a unidade seja amplamente equipada com equipamentos obsoletos, como tanques de batalha principais Tipo 59 (MBT) e veículos blindados de transporte de pessoal (VBTP) Tipo 63, seus pontos fortes estão, na verdade, em sua integração profunda de armas combinadas. Também por meio do emprego em larga escala de sistemas de engajamento de laser semelhantes ao Sistema de Engajamento de Laser Integrado Múltiplo (Multiple Integrated Laser Engagement System, MILES) usado pelas forças armadas dos EUA, a unidade provavelmente simulou carros M1 e veículos de combate de infantaria Bradley. Isso nunca é implicitamente reconhecido pela mídia oficial, mas as evidências de código aberto parecem sugerir que a unidade às vezes utiliza doutrina semelhante àquelas das Equipes de Combate de Brigada dos EUA (Brigade Combat Teams, CBT), o que significa que a 195ª provou ser um oponente letal (China Military Net, 16 de junho de 2014).

A 195ª é comandada pelo Coronel Sênior Xia Minglong*, que foi vice-chefe de treinamento da RM de Pequim até assumir o comando da brigada OPFOR em janeiro de 2014 (Ministério da Defesa Nacional, 4 de fevereiro). De acordo com entrevistas à mídia, Xia já estava ciente de que sua nova brigada enfrentaria o melhor do PLA no final do ano. A brigada só concluiu sua reorganização em abril de 2014, apenas 20 dias antes da primeira “Força Vermelha” chegar a Zhurihe. Claramente, ele descreveu os tipos de treinamento anteriores como "excessivamente formais, com pouco resultado... embora muitos comandantes queiram colocar o treinamento em uma base mais realista, havia pouco em suas mentes sobre como isso deveria ser alcançado - em grande parte devido à falta de experiência em combate ao longo de muitos anos” (Liao Wang Dong Fang, 6 de agosto de 2014).

*NT: O atual comandante é o Coronel Sênior Man Guangzhi.


Antes do estabelecimento da brigada OPFOR, as forças opostas eram sempre compostas por unidades rotativas com pouca experiência na função. Isso se deve a questões políticas e também doutrinárias. Se uma unidade OPFOR derrotar uma unidade visitante de alto nível, então há uma chance de que os altos generais desta se ofendam, algo que dentro de um exército como o PLA - com sua intrincada rede de patrocínio e lealdades pessoais - pode provar desastroso para a carreira de alguém. Portanto, institucionalmente, houve pouco incentivo para os oficiais da OPFOR tentarem derrotar as forças visitantes (Sina Military, 8 de agosto de 2014).

A composição das “Forças Vermelhas” visitantes foi também diferente em 2014, com destaque para as “brigadas combinadas”, nomeadamente brigadas com vários outros armas de serviço adstritas. Em essência, o PLA estava testando a eficácia das reformas de "brigadização" conduzidas no início de 2000, quando as divisões foram transformadas em brigadas mecanizadas altamente móveis. Os resultados do “Stride 2014” parecem sugerir que ainda há muitas melhorias a serem feitas.

A natureza dos exercícios era muito diferente das manobras anteriores do tamanho de uma brigada. Isso variava do doutrinário - sem mais confrontos planejados, ao mundano - sem grandes faixas vermelhas e bandeiras nos veículos. Tudo foi feito para criar “condições de guerra mais realistas” (PLA Daily, 31 de dezembro de 2014). A mudança mais significativa, porém, foi “permitir” que a OPFOR vencesse. O papel das OPFOR anteriores e temporárias era atrasar e obstruir as “Forças Vermelhas”, mas não derrotá-las. Assim, um comandante de brigada vermelha poderia anteriormente emitir comandos que resultavam em grandes perdas sem temer a derrota. No entanto, as dolorosas derrotas infligidas às "Forças Vermelhas" no "Stride 2014" não foram apenas destacadas como uma grande lição dos exercícios, mas também alegremente citadas repetidamente pela cobertura da mídia oficial do PLA (Xinhua, 22 de junho de 2014).

O resultado

O objetivo dos exercícios “Stride 2014” foi significativo. Estrategicamente, eles foram projetados para sacudir o PLA do seu senso de complacência em tempos de paz e para enfrentar sua responsabilidade primária de lutar e vencer guerras. Operacionalmente, eles removeram o cobertor de segurança de operar em ambientes familiares e forçaram as unidades a lutar em locais que não eram de sua escolha contra um inimigo que lutava de forma diferente. Taticamente, as unidades descobriram as dificuldades de operar seus equipamentos sob ataque constante e interferência eletrônica, obrigando os oficiais de todos os níveis a improvisarem seus ataques. Politicamente, e possivelmente o objetivo mais importante, tem sido a remoção do fator de aversão ao risco nos exercícios. Não foram permitidas recriminações contra a brigada OPFOR e foram encorajados relatórios de derrotas (PLA Daily, 11 de novembro de 2014).

Um dos outros problemas-chave identificados durante os exercícios foi o uso adequado de novos equipamentos. Várias das formações que foram derrotadas pela OPFOR possuíam o hardware mais avançado dentro do PLA, incluindo os MBT Tipo 99 e Tipo 96, bem como os IFV Tipo 04. Quase todas as formações possuíam artilharia altamente móvel, orgânica, mecanizada ou montada em caminhão. Em essência, eles representaram os frutos de duas décadas de atualizações de hardware para as forças terrestres destinadas a lutar em uma guerra totalmente mecanizada. No entanto, isso não os salvou da derrota. A única unidade que obteve vitória/empate foi equipada com os MBT Tipo 99 mais avançados, mas foi um batalhão improvisado liderado por um capitão (todos os comandantes de alto escalão tendo sido "mortos") que "venceu" a luta (Guancha, 8 de julho de 2014).


O principal organizador do "Stride 2014", o Coronel Sênior Yang Baoyou, professor da Escola de Comando de Shijiazhuang (o equivalente do PLA a West Point), disse à Xinhua posteriormente que o experimento de Zhurihe pretendia expor as deficiências das unidades de combate em um nível fundamental , algumas das quais incluem “habilidades de comando fracas, colaboração ineficiente entre unidades, incapacidade de utilizar novos equipamentos em seu benefício”, entre outros problemas. Yang aponta que tudo isso se deve em grande parte a um regime anterior de “programas de treinamento incompreensíveis, de baixo padrão e de baixo objetivo” (Modern Express, 8 de agosto de 2014). É claro que o motivo da escolha das unidades - uma brigada de cada região militar - foi para que as lições aprendidas pudessem ser levadas de volta às suas respectivas regiões e ninguém pode dizer que eles poderiam ter feito melhor.

O Futuro da OPFOR de Zhurihe

Não eram apenas as unidades do exército regular que seriam lançadas contra a 195ª em 2014. Ao longo do ano, nada menos que 20 exercícios foram realizados em Zhurihe, incluindo a anual Organização de Cooperação de Xangai (Shanghai Cooperation OrganizationSCO) “Missão de Paz 2014” em Agosto, e até a visita de uma das duas Brigadas de Fuzileiros Navais do PLA (China Youth Daily, 13 de fevereiro de 2014). Tradicionalmente com base no sul, a brigada foi lançada contra a recém-ativada 195ª em fevereiro de 2014 e voltou para uma revanche em 2015 (Guangcha, 5 de fevereiro). É evidente que o PLA faz questão de testar todas as suas formações fora das suas zonas de conforto. De acordo com a conta do Weibo do PLA Daily em 5 de fevereiro de 2015, dez brigadas de todas as sete RM descerão sobre Zhurihe para enfrentar a OPFOR para o exercício "Stride" de 2015. A diferença neste ano será que cada batalha será dividida em três rodadas, talvez para permitir que as “Forças Vermelhas” avaliem suas deficiências e tentem superá-las.

Coluna de carros de combate Tipo 96 da Equipe Azul usando o distintivo de unidade dos "Lobos de Zhurihe".

O comandante da OPFOR também não é complacente com as realizações da sua brigada em 2014 e destacou suas preocupações com os dois principais gargalos para o desenvolvimento contínuo da brigada, ou seja, retenção de pessoal e equipamentos avançados. Em relação ao primeiro, o Coronel Xia afirmou que é difícil encontrar os oficiais certos, versados na “doutrina de combate estrangeira”, e mantê-los. Em termos deste último, apesar de simular o mais avançado em termos de MBT ocidentais, os envelhecidos Tipo 59 da brigada OPFOR* exigirão substituições no futuro (Liao Wang Dong Fang, 6 de agosto de 2014).

*NT: Em abril de 2017, a brigada foi redesignada como 195ª Brigada Pesada de Armas Combinadas (em chinês: 重型 合成 第 195 旅).

É altamente improvável que o PLA permita que as qualidades de combate da OPFOR sejam corroídas pelos problemas habituais do PLA de retenção de pessoal e reações políticas. Está claro por conta do “Stride 2014” que essa formação incorporou tudo o que o presidente Xi pediu durante seu mandato. No entanto, esse modelo provavelmente será permeado até o nível de RM, e OPFOR regionais também serão criadas para treinar outras forças locais. Considerando o tamanho e distribuição do PLA, esta localização do “modelo Zhurihe” ajudaria muito a moderar as qualidades de combate das formações terrestres.

No entanto, ainda restam dúvidas sobre se o novo regime de treinamento, com toda a ênfase no realismo, reflete um espectro amplo o suficiente para os tipos de ameaças que o PLA pode ter que enfrentar no futuro. É incerto se todos os engajamentos futuros envolverão ataques QBN em grande escala, por exemplo; e a falta de treinamento de contra-insurgência também é gritante. A OPFOR demonstrou em Zhurihe que a era da guerra mecanizada em grande escala pode estar chegando ao fim, mas o que vai substituí-la ainda não foi respondido entre os planejadores do PLA.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada: