Mostrando postagens com marcador Exército Chinês. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Exército Chinês. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 14 de outubro de 2021

GALERIA: Fuzileiras navais chinesas com camuflagem improvisada

Close-up de uma fuzileira mirando seu QBZ-95.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 14 de outubro de 2021.

Em um exercício de fotografia para propaganda, essas fuzileiras são capturadas em diferentes posições de combate com camuflagens improvisadas sobre o conspícuo camuflado azul da marinha chinesa comunista.

Um uniforme chamativo como esse permaneceria destacado, mesmo com as plantas no uniforme. A montagem é específica para fins de propaganda e recrutamento, com vários close-ups das belas fuzileiras. As fotos foram postadas no site governamental O Diário do Povo Online (People's Daily Online.cn) em 14 de outubro de 2015.

O fuzil utilizado pelas militares é o QBZ-95, de formato bullpup. Seu nome é tanto Fuzil Automático Tipo 95 (95 Shì Zìdòng Bùqiāng95式自动步枪) quanto QBZ-95, sua designação. A designação do fuzil "QBZ" significa "arma leve (Qīng Wŭqì) - fuzil (Bùqiāng) - automático (Zìdòng)", de acordo com os padrões de codificação da indústria de defesa chinesa.

As fuzileiras navais do PLA usam materiais disponíveis, como grama e folhas, para camuflagem no treinamento de campo.








Bibliografia recomendada:

A Military History of China.
David A. Graff e Robin Higham.

China's Incomplete Military Transformation:
Assessing the Weaknesses of the People's Liberation Army (PLA).

Leitura recomendada:



quinta-feira, 7 de outubro de 2021

GALERIA: Primeiro salto de um pelotão de paraquedistas femininas chinesas

Instrutores de paraquedismo designados verificam as mochilas das paraquedistas.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de outubro de 2021.

Salto inaugural de um pelotão de paraquedistas femininas da Força Aérea chinesa em 11 de dezembro de 2019. No sistema chinês, as forças paraquedistas são parte da aeronáutica, que por sua vez é parte do conjunto das forças armadas chamado Exército de Libertação do Povo Chinês.

O exercício foi fotografado por Min Yuxiang para o China Military.

Uma instrutora de paraquedismo designada para uma unidade de treinamento dá um "okay" através de um gesto com o polegar para inspirar uma nova paraquedista antes de seu primeiro salto em queda livre.

As mulheres paraquedistas embarcadas para o seu primeiro salto de paraquedas.

Chuva de velame.

Uma paraquedista desce ao solo na Zona de Lançamento (ZL).

As paraquedistas descem ao solo na ZL sucessivamente em meio aos instrutores.

Bibliografia recomendada:

A Military History of China.
David A. Graff e Robin Higham.

China's Incomplete Military Transformation:
Assessing the Weaknesses of the People's Liberation Army (PLA).

Leitura recomendada:


quarta-feira, 15 de setembro de 2021

FOTO: Forças especiais sul-africanas e paraquedistas chineses

Paraquedista chinês instruindo sobre a desmontagem do QBZ-95-1, Hubei, China, 2017.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 15 de setembro de 2021.

Instrução conjunta entre forças especiais sul-africanas e os novos paraquedistas chineses ocorrida em Hubei, na China, em 2017. O paraquedista chinês está aconselhando um sul-africano durante um treinamento de montagem e desmontagem do fuzil bullpup chinês QBZ-95-1. Este fuzil modular tem as versões padrão QBZ-95-1, fuzil-metralhador QBB-95 e a versão sniper QBU-88. O exercício de treinamento visava o evento de Pelotão Aerotransportado dos Jogos do Exército Internacional (IAG) de 2017. O exercício em seguida teve um salto de paraquedistas chineses e estrangeiros de helicópteros. A presença de sul-africanos é parte da atual expansão chinesa na África.

Apesar de puxarem linhagem para uma unidade da Guerra Civil Chinesa, a criação de forças paraquedistas na China vermelha é um evento recente. Na verdade, os chineses ainda estão aprendendo o savoir faire do emprego de paraquedistas, tanto no nível tático quanto na organização estratégica do lançamento e manutenção de forças aerotransportadas. A China Nacionalista, atual Taiwan, teve uma pequena força paraquedista na década de 1940, formada pelos americanos durante a guerra contra os japoneses. As forças paraquedistas da China comunista foram formadas na década de 1950 depois da Guerra da Coréia.

A insígnia do Corpo Aerotransportado do braço direito.

Em 16 de setembro de 1950, a Força Aérea (PLAAF) formou sua primeira unidade de campanha, a 1ª Brigada de Fuzileiros Navais da PLAAF, recrutando seis mil soldados experientes em todo o 40º Corpo do PLA. A brigada estava sediada em Kaifeng, província de Henan. Posteriormente, a designação da unidade mudou várias vezes, tornando-se a 1ª Divisão de Fuzileiros Navais da Força Aérea, a Divisão de Paraquedas da Força Aérea e, em seguida, a Divisão Aerotransportada. Em maio de 1961, a Comissão Militar fundiu duas das três divisões de infantaria do 15º Corpo, o 44º e o 45º, com a divisão aerotransportada existente da PLAAF, para criar o 15º Corpo Aerotransportado da PLAAF. Todas as unidades de paraquedistas das forças armadas chinesas estão sob o comando da PLAAF.

Na década de 1960, quando o comandante-em-chefe da PLAAF, General Liu Yalou, foi incumbido de criar um corpo aerotransportado, ele recebeu uma pequena lista das unidades de elite do PLA, incluindo o 38º e o 15º corpos. Ele escolheu o 15º Corpo de Exército por sua atuação destacada na Batalha de Triangle Hill (outubro-novembro de 1952), na Guerra da Coréia. Durante a reestruturação do PLA em 1985, o 15º Corpo Aerotransportado foi reduzido a três brigadas. Na década de 1990, o conceito de Guerra Popular do PLA foi substituído pelo conceito de Guerra Limitada de Alta Intensidade. Isso, por sua vez, resultou em um retorno a uma estrutura de tamanho de corpo de três divisões com um aumento geral de 25% na força do 15º Corpo.

Em 1985, a maioria dos soldados do 15º Corpo de Exército eram paraquedistas comuns treinados para tarefas de apoio geral em uma campanha do exército combinado. Apenas 17% deles eram paraquedistas especializados. No entanto, essa porcentagem agora aumentou para 43% e os paraquedistas comuns caíram de 53% para 23%. O objetivo desse aumento na porcentagem de paraquedistas especializados era transformar o 15º Corpo Aerotransportado em uma força de armas combinadas, em vez de apenas uma força de infantaria móvel. Tornando-se assim mais capaz de conduzir operações independentes em um conflito limitado, mas altamente tecnológico.

Em maio de 1989, a 43ª e a 44ª Brigadas de Paraquedistas do 15º Corpo Aerotransportado foram desdobradas em Pequim para fazer cumprir a lei marcial e suprimir os protestos da Praça de Tiananmen de 1989. O 15º Corpo Aerotransportado foi rebatizado de Corpo Aerotransportado da Força Aérea do Exército de Libertação do Povo em abril de 2017; consistindo em 9 brigadas atualmente, reorganizadas de suas antigas três divisões e outras unidades de apoio.

Atualmente, o Corpo Aerotransportado da PLAAF foi elevado ao status de força estratégica. É uma partida do conceito de força aerotransportada tradicional do PLA. A mudança doutrinária da modernização permite que o Corpo Aerotransportado da PLAAF atue como uma força principal empregada para missões de campanha independentes em guerras futuras. Agora é aceito que as tropas aerotransportadas devem ser usadas para ataques preventivos aos principais alvos militares do inimigo na área de retaguarda, a fim de paralisar ou interromper sua preparação para uma ofensiva.

Esse tipo de missão em grande escala não pode ser conduzido sem um controle total do ar. Além disso, uma capacidade de carga única de 50.000 homens é necessária para este tipo de missões. Atualmente, a PLAAF pode transportar apenas uma divisão de 11.000 homens com tanques leves e artilharia autopropulsada. O quartel-general do Corpo Aerotransportado da PLAAF fica em Xiaogan, ao norte de Wuhan, em Hubei. As divisões aerotransportadas estavam localizadas da seguinte forma: a 43ª Divisão estacionada em Kaifeng, Henan (127ª e 128ª Infantaria Aerotransportada e 129º Regimentos de Artilharia Aerotransportada) e as 44ª e 45ª Divisões também na área de Wuhan em Guangshui e Huangpi.

Os paraquedistas usam um camuflado azul semelhante àquele dos fuzileiros navais como símbolo de status.

Cada vez mais o foco será colocado em assaltos helitransportados, em oposição aos tradicionais lançamentos de paraquedas. Durante uma série de exercícios, o Corpo Aerotransportado da PLAAF demonstrou que pode mover um regimento reforçado de paraquedistas com veículos blindados leves para qualquer lugar dentro da China em menos de 24 horas. Esses exercícios também mostram que um grande número de parapentes está em uso.

Os paraquedistas chineses ainda não possuem honras de batalha, não tendo experiência real de combate. Portanto, os chineses tentam medir sua eficiência por meios das muitas competições militares na região, especialmente os Jogos Internacionais do Exército na Rússia - famoso pelo Biatlo de Tanques.
  • Em 2015, paraquedistas chineses conquistaram o primeiro lugar nos Jogos Internacionais do Exército, que aconteceram na Rússia.
  • Em 2016, os paraquedistas chineses ficaram em terceiro lugar nos Jogos Internacionais do Exército.
  • Em 2017, uma equipe chinesa de paraquedistas ficou em primeiro lugar na competição Pelotão Aerotransportado nos Jogos do Exército Internacional de 2017. As tropas aerotransportadas chinesas conquistaram o primeiro lugar em 11 dos 12 eventos.
  • A Rússia ficou em segundo lugar e o Cazaquistão em terceiro, a mídia foi informada no centro de imprensa do concurso.
  • A equipe chinesa marcou 62 pontos, enquanto a equipe russa marcou 50 pontos. A equipe do Cazaquistão marcou 42 pontos.
  • Em 2018, uma equipe de paraquedistas chineses ficou em segundo lugar na competição Pelotão Aerotransportado nos Jogos Internacionais do Exército de 2018.
Bibliografia recomendada:

A Military History of China.
David A. Graff e Robin Higham.

China's Incomplete Military Transformation:
Assessing the Weaknesses of the People's Liberation Army (PLA).

South African Special Forces.
Robert Pitta & J. Fannell, e 
Simon McCouaig.

Leitura recomendada:

As Forças Armadas chinesas têm uma fraqueza que não podem consertar: nenhuma experiência de combate, 26 de janeiro de 2020.

LIVRO: Forças Terrestres Chinesas, 29 de março de 2020.








sexta-feira, 16 de julho de 2021

GALERIA: Capacetes azuis chineses no Sudão do Sul


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 16 de julho de 2021.

Seção de fotos publicadas pelo jornal estatal People's Daily Online (Diário do Povo Online) em 7 de outubro de 2015. Nessa época, a equipe de patrulha armada de longa distância de um batalhão de infantaria das forças de manutenção da paz chinesas no Sudão do Sul encontrou recentemente vários conflitos armados intensos em torno de sua base operacional temporária, localizada nas profundezas das florestas do estado Equatorial Ocidental.

No início do quarto dia estacionado na base operacional temporária, tiros foram ouvidos a sudeste da base, com tiros traçantes voando sobre as copas das árvores. De acordo com os soldados nos postos avançados, dezenas de militantes locais armados lançaram um ataque feroz contra as tropas do governo do Sudão do Sul estacionadas nas proximidades. O acampamento das tropas do governo ficava a apenas 500 metros das forças de manutenção da paz chinesas. Diante dessa situação inesperada, os soldados pacificadores chineses correram para seus postos de batalha nas instalações de defesa e veículos blindados existentes.




Após cerca de 3 horas de combate intenso entre os militantes e as tropas do governo, os militantes não-identificados se deslocaram para a apenas 10 metros da base dos soldados pacificadores. Para evitar o envolvimento em combates diretos, os capacetes azuis alertaram os militantes por meio de alto-falantes, dizendo para cessarem o fogo. Chocados com a intervenção das forças de paz, a batalha gradualmente parou. No entanto, tiros esporádicos e helicópteros de ataque pairando no alto lembraram aos mantenedores da paz que a luta ainda não havia acabado.

"Esta foi a segunda vez que encontramos tais conflitos e não recebemos nenhuma notificação sobre a situação. Continuaremos enfrentando graves ameaças à segurança nos próximos dias", disse então Liu Yong, o vice-comandante do batalhão.






Os soldados são armados com equipamento padrão chinês, como o fuzil bullpup QBZ-95, e coberturas azuis da ONU nos capacetes.

A China tem constantemente se envolvido na África, participando cada vez mais em missões de paz para apoiar a constante "invasão" chinesa do continente, já avaliada como neo-colonialismo por parte de Pequim. A China vem fazendo empréstimos e investimentos generosos no continente africano, colocando governos locais na posição de vassalos chineses e expandindo ainda mais a Iniciativa do Cinturão e Rota. A China também contribuiu unidades policiais à MINUSTAH no Haiti.

Iniciativa do Cinturão e Rota.

Treinamento de fogo real dos pacificadores chineses no Mali


O cinema chinês já inclui o ambiente africano em seus filmes de ação, como Peacekeeping Force (Força Pacificadora, 2018). O filme chinês de maior bilheteria até hoje, Wolf Warrior II (Lobo Guerreiro 2, 2017), é a estória de um herói chinês na África enfrentando guerrilheiros africanos e mercenários europeus, com a mensagem de que o governo chinês protegerá seus cidadãos onde quer que seja; essa afirmação aparece escrita sobre um passaporte chinês no final do filme, antes dos créditos.

O herói Leng Feng (Jing Wu) agitando a bandeira chinesa na cena final do filme.
Jing Wu, o lobo guerreiro, e a co-estrela Celina Jade durante uma das muitas conferências de promoção do filme com um passaporte chinês decorativo.

Trailer de Wolf Warrior II


Bibliografia recomendada:

Psychology of the Peacekeeper:
Lessons from the field.

Leitura recomendada:







GALERIA: Pacificadores suecos no Congo, 28 de fevereiro de 2021.

terça-feira, 10 de novembro de 2020

A evolução dos exercícios Vermelho-Azul do PLA

Soldados do Exército de Libertação do Povo (PLA) hasteando a bandeira nacional da China comunista durante um desfile na base de treinamento militar de Zhurihe, na Mongólia Interior, em 30 de julho de 2017.

Por David C. LoganThe Jamestown Foundation, 14 de março de 2017.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de novembro de 2020.

No verão de 2016, o PLA completou a rodada mais recente de seus exercícios “Stride” (跨越), uma série de exercícios de treinamento militar em grande escala que destacam os confrontos simulados de forças opostas. Forças armadas e outros atores da segurança nacional têm utilizado “equipes vermelhas” por décadas para melhorar o treinamento e as operações. As equipes vermelhas fornecem um adversário dinâmico e apresentam à equipe azul ou “da casa” um exercício de treinamento mais desafiador e realista. Às vezes, as equipes vermelhas podem até mesmo ter a tarefa de imitar um país ou unidade militar específica. Nos EUA e em outros países ocidentais, a força “Vermelha” normalmente representa o adversário, mas na China, as designações são invertidas, com unidades “Vermelhas” representando o PLA e unidades “Azuis” representando a força oponente.

Um soldado do PLA participa de uma simulação de Vermelho vs Azul em Zhurihe.

Os exercícios Vermelho-Azul são oportunidades valiosas para avaliar as capacidades das forças armadas, aumentar a dificuldade e o realismo dos exercícios de treinamento e se preparar para conflitos futuros contra um adversário específico. De acordo com um relato, “Usando uma Força Azul feroz desta maneira em exercícios, em um aspecto imagina os requisitos funcionais das unidades inimigas e em outro aspecto também confirma que o nível de combate real do nosso exército aumenta continuamente ano a ano. Quer a Força Azul seja forte ou fraca, em um aspecto simula a situação real de oponentes em potencial e em outro aspecto também estabelece o nível atual de capacidades da Força Vermelha” (China Youth Daily, 24 de julho de 2015).

Os observadores chineses do PLA há muito lamentam as deficiências de pessoal em termos de educação, “pensamento à moda antiga” e treinamento (China Brief, 9 de maio de 2013). A incorporação de sistemas de armas mais complexos e o planejamento de operações conjuntas apenas aumentaram ainda mais a necessidade de pessoal de alta qualidade, mas o treinamento foi supostamente excessivamente planejado e irreal. O foco nos exercícios Vermelho-Azul é parte de um esforço maior para melhorar o treinamento geral da força.

Embora o PLA incorporasse exercícios Vermelho-Azul mais tarde do que seus congêneres militares ocidentais, esse treinamento não é inteiramente novo para o PLA. Os primeiros exercícios de confronto do PLA supostamente começaram em 1985. [1] Apesar do potencial dos exercícios Vermelho-Azul, o PLA falhou em explorá-los totalmente. Os exercícios anteriores foram excessivamente roteirizados e planejados mais para reforçar a reputação das tropas participantes do que para melhorar sua prontidão operacional. Nos últimos anos, porém, o PLA tem procurado expandir, sistematizar e profissionalizar o uso dos exercícios Vermelho-Azul. Esses exercícios fornecem indicadores das capacidades e percepções de ameaças do PLA.

[1] David Shambaugh, Modernizing China’s Military: Progress, Problems, and Prospects, (Berkeley, CA: University of California Press, 2004), pg. 95.

Exercícios Vermelho-Azul dentro do PLA


Dois dos exercícios Vermelho-Azul mais proeminentes dentro do PLA são realizados como parte dos exercícios anuais "Stride" conduzidos nas instalações militares de Zhurihe (朱 日 和), na Mongólia Interior, e os exercícios de "Poder de Fogo" (火力) conduzidos nas instalações de Qingtongxia (青铜峡) em Ningxia, embora exercícios específicos de serviço menores frequentemente incorporem elementos Vermelho-Azul (China Military Online, 12 de julho de 2016; Xinhua, 26 de julho de 2016). A instalação de Zhurihe ainda hospeda uma Força Azul dedicada estabelecida em 2014 com pessoal da 195ª Brigada de Infantaria Mecanizada do PLA.

Não está claro até que ponto os exercícios de confronto se destinam a preparar forças para conflitos reais antecipados contra adversários específicos ou destinam-se apenas a aumentar a dificuldade e o realismo dos exercícios. Os exercícios Vermelho-Azul são retratados como uma boa oportunidade para estudar e aprender com as táticas de combate dos exércitos estrangeiros (China Military Online, 5 de junho de 2015). Observadores ocidentais notaram o uso de doutrina militar americana ou edifícios semelhantes aos edifícios do governo de Taiwan como indícios de que o PLA estava ensaiando para conflitos específicos, como uma invasão de Taiwan (China Brief, 20 de fevereiro de 2015; The Diplomat, 11 de agosto de 2015). Relatórios indicaram que as Equipes Azuis não pretendem representar nenhum adversário específico, mas sim permitir que as tropas do PLA "confrontem um inimigo" padronizado "em um campo de batalha" padronizado "e testem se seus métodos de preparação, táticas e treinamento métodos são eficazes” (Guancha, 24 de julho de 2016). No entanto, algumas das tropas participantes são descritas como "a brigada principal da força principal preparando-se para as forças armadas taiwanesas" e outros relatórios destacaram o sucesso de uma brigada blindada do Primeiro Grupo de Exército - tropas que são "responsáveis pelo combate à independência de Taiwan - que conseguiu penetrar na base central das Forças Azuis oponentes”(Guancha, 24 de julho de 2016; Sina, 21 de julho de 2016). Os exercícios de confronto são uma chance de experimentar, e os exercícios Stride do ano passado viram uma série de inovações no campo de batalha. Uma unidade da Força Vermelha do Comando do Teatro Sul lutou sob intensa interferência eletromagnética em um esforço para simular um campo de batalha mais realista, especialmente em condições de guerra eletrônica desafiadora (Guancha, 24 de julho de 2016).


A unidade, no entanto, conseguiu manter as comunicações substituindo parte do firmware em seu equipamento de comunicação e instalando um novo código de software supostamente escrito por membros da unidade. A unidade foi a única capaz de manter com sucesso todas as capacidades de comunicação durante os exercícios. Uma unidade equipada com equipamento desatualizado não foi capaz de lançar bombas de fumaça contra a Força Azul, o que era necessário para fornecer cobertura para um ataque iminente da Força Vermelha. Em vez disso, eles usaram fogos de artifício tradicionais para criar uma cortina de fumaça rudimentar e cobrir com sucesso seu avanço (Guancha, 24 de julho de 2016).

Expandindo e melhorando os exercícios Vermelho-Azul do PLA


No passado, os exercícios Vermelho-Azul da China sofreram de inúmeras deficiências. Os exercícios anteriores foram criticados como excessivamente estereotipados, com participantes e comandantes enfatizando excessivamente o resultado do exercício, com pouca atenção às lições aprendidas ou maneiras de melhorar. Os comandantes estavam aparentemente muito focados no resultado geral do treinamento (ou seja, uma "vitória" ou uma "derrota") e muitas vezes não conseguiam incorporar as lições do exercício. (PLA Daily, 13 de março de 2016). Nos anos anteriores, durante as sessões de revisão pós-exercício, as tropas da Força Vermelha derrotada foram chamadas de "ressentidas" com o desempenho da Força Azul e alguns comandantes foram relatados como "mortificados e envergonhados" pela derrota (China Youth Daily, 24 de julho de 2015). Alguns relatórios explicaram como, na tentativa de reforçar a reputação das unidades participantes, a Força Vermelha freqüentemente recebia informações importantes sobre a Força Azul e que os cenários eram projetados para que a Força Vermelha sempre ganhasse (Rocket Force News, 29 de abril de 2016). Um oficial do PLA criticou a percepção de uma ênfase exagerada na busca pela glória e sucesso individual, dizendo “Esta ideia não é correta e o treinamento ficará cada vez mais distante do combate real” (PLA Daily, 13 de março de 2016).

Nos últimos anos, o PLA tem procurado aumentar a frequência dos exercícios Vermelho-Azul e a qualidade desses exercícios. Os exercícios de confronto atraíram até mesmo a atenção de alto nível nos últimos anos. O Livro Branco de Defesa da China de 2013 identificou especificamente o “treinamento força-contra-força” como uma meta para aprimorar o treinamento e os exercícios das tropas. De acordo com o Livro Branco, “Os vários serviços e armas estão intensificando os exercícios de confrontação e de verificação. Com base em diferentes cenários, eles organizam exercícios de força contra força ao vivo, exercícios de confronto online e exercícios de confronto de simulação por computador.” [2]

[2] O texto do livro branco de 2013, The Diversified Employment of China’s Armed Forces (O Emprego Diversificado das Forças Armadas da China), está disponível em http://www.china.org.cn/government/whitepaper/node_7181425.htm.


Os exercícios Stride de 2014 foram conduzidos sob um novo lema com o objetivo de convencer os participantes a se concentrarem nas lições aprendidas e não enfatizar demais o resultado dos exercícios. As unidades foram instadas a “enfatizar o teste, não a comparação; enfatizar o efeito substantivo, não a forma; e enfatizar a revisão, não ganhar ou perder ”(重 检验 不 重 评比 、 重 实效 不 重 形式 、 重 重 检讨 不 重 输赢) (China Youth Daily, 25 de julho de 2014). Um relatório observou que, após três anos de esforços, houve um progresso recente em rejeitar o "pensamento prejudicial de que 'o Vermelho deve sempre vencer, o Azul deve sempre perder'" (PLA Daily, 13 de março de 2016).

Além da dedicada Força Azul em Zhurihe, tanto os Comandos do Teatro (e as antigas Regiões Militares), bem como os serviços individuais, supostamente enfatizaram o estabelecimento de Forças Azuis, a expansão de seus números e a melhoria de sua qualidade (China Youth Daily, 24 de julho de 2015). Antes das reformas militares, as regiões militares de Pequim e Nanquim estabeleceram suas próprias Forças Azuis dedicadas. A Força Aérea do PLA divulgou sua primeira Força Azul dedicada nos exercícios de Poder de Fogo de 2015 realizados em Shandan, Gansu (China Military Online, 8 de setembro de 2015; China Youth Daily, 24 de julho de 2015). A recém-formada Força de Foguetes do PLA anunciou no início do ano passado a criação da sua Seção de Ensino e Pesquisa do Exército Azul, liderada pelo Coronel Diao Guangming (刁光明) (PLA Daily, 17 de abril de 2016). O Coronel Diao, que supostamente participou de mais de 20 exercícios de confronto, pressionou por situações de treinamento mais difíceis e complexas, dizendo "Aqueles cujo treinamento em tempo de paz é excessivamente bom sofrerão muito quando entrarem no campo de batalha" (PLA Daily, 17 de abril de 2016).


Para o exercício Stride de 2016, o departamento de treinamento do Exército do PLA emitiu "Padrões de avaliação para exercícios simulados de Força Azul" em um esforço para sistematizar e melhorar os exercícios Vermelho-Azul (PLA Daily, 9 de agosto). O documento tem como objetivo fornecer orientação às unidades que atuam como Força Azul em exercícios, bem como padrões para avaliar o desempenho dessas unidades. Os padrões de avaliação são divididos em três subcategorias que medem se o desempenho da Força Azul se assemelha ao adversário, é realista e desafiador. De acordo com as diretrizes, a Força Azul seria avaliada em categorias como desdobramento, tática, comando e controle e medidas de segurança.

Os exercícios Stride de 2016 apresentaram uma série de outras mudanças para melhorar o realismo dos exercícios. Enquanto os participantes dos exercícios Stride anteriores foram recomendados por unidades de comando superior, os participantes do ano passado foram escolhidos aleatoriamente entre as unidades do Exército de cada um dos Comandos de Teatro (Xinhua, 15 de julho de 2016). No passado, as Forças Vermelhas só recebiam funções ofensivas, mas no ano passado eram responsáveis tanto pelo ataque quanto pela defesa (Xinhua, 15 de julho de 2016). Mais exercícios foram realizados à noite e houve uma tentativa deliberada de incorporar o uso de forças de "novo tipo", como "forças especiais, reconhecimento tecnológico, reconhecimento aeroespacial e interferência eletromagnética" (Xinhua, 15 de julho de 2016). Na avaliação do desempenho dos participantes, o peso atribuído ao desempenho do comandante foi aumentado de 20% para 35% (Xinhua, 15 de julho de 2016).


As equipes da casa do PLA não se saíram bem, pois os exercícios Vermelho-Azul do PLA se tornaram menos roteirizados e mais realistas. Relatórios sobre o resultado dos exercícios Stride de 2014 observaram que as equipes Vermelhas sofreram seis derrotas em comparação com apenas uma única vitória contra a Força Azul da oposição (China Youth Daily, 13 de fevereiro de 2014). Essas perdas foram incorridas pelas Forças Vermelhas compostas por forças de seis das sete antigas regiões militares e a "taxa de mortalidade" das Forças Vermelhas foi relatada em 70% (People’s Daily Online, 24 de julho de 2015). Desde o estabelecimento da Força Azul dedicada em Zhurihe, a unidade participou de todos os três exercícios Stride anuais realizados nas instalações de Zhurihe e acumulou um recorde cumulativo de 31 vitórias em comparação com apenas duas derrotas (Guancha, 28 de abril de 2016).

Em um exemplo particularmente marcante de 2014, as tropas da Força Azul se passando por representantes de um governo local com sacos de batatas e repolho a reboque, conseguiram se infiltrar no campo da Força Vermelha (Global Times, 28 de agosto de 2014). Quando o comandante da Força Vermelha saiu para saudar os falsos representantes e receber seus presentes, uma barragem de artilharia distraiu os guardas da Força Vermelha. No caos que se seguiu, as incógnitas tropas da Força Azul conseguiram capturar o comandante da Força Vermelha.


Houve relatos de algum progresso limitado, no entanto. A "grande notícia" do exercício Stride de 2016 foi que a Equipe Vermelha conseguiu marcar uma "morte" simulada do comandante da Equipe Azul, Coronel Sênior Man Guangzhi (满 广 志) (Guancha, 24 de julho de 2016). No passado, o sucesso frustrantemente baixo das Forças Vermelhas nesses exercícios de confronto deu origem a um grito de guerra de "Capture Man Guanzhi, esmague a 195", uma referência tanto à 195ª Brigada de Infantaria Mecanizada, a unidade do PLA atribuída o papel da Força Azul, e o Coronel Sênior Man. Embora a morte do comandante da Força Azul não tenha sido suficiente para virar a maré do exercício a favor da Força Vermelha, foi reconhecida como uma evidência de progresso.

As Forças Vermelhas da recém-criada Força de Foguetes do PLA parecem ter conduzido vários exercícios de confronto Vermelho-Azul independentemente das outras forças. Eles tiveram um pouco mais de sucesso, mas ainda têm dificuldades. Desde o início do ano, o jornal oficial da Força de Foguetes do PLA tem publicado uma série de várias partes sobre as melhorias de treinamento feitas pela Força de Foguetes do PLA e a Segunda Artilharia desde o 18º Congresso do Partido. Um artigo recente da série observou que, durante uma sequência recente de exercícios Vermelho-Azul, a força Vermelha teve um recorde de cinco derrotas e duas vitórias (Rocket Force News, 22 de março).

Conclusão


Os pontos fracos dos sistemas de treinamento do PLA estão bem documentados e têm sido vistos como um obstáculo às capacidades operacionais do PLA (PLA Daily, 12 de outubro de 2014). [3] As recentes reformas dos exercícios militares Vermelho-Azul provavelmente ajudarão a melhorar o treinamento e as capacidades operacionais do PLA, bem como a própria compreensão dos militares chineses sobre as táticas de potenciais adversários estrangeiros. Ao mesmo tempo, o crescimento e a profissionalização dos exercícios Vermelho-Azul do PLA também fornecem uma fonte valiosa de informações sobre a percepção da ameaça e a trajetória futura do PLA. O equipamento, as táticas e os objetivos das tropas participantes revelarão os tipos de cenários que o PLA prevê que serão mais prováveis no futuro. Por exemplo, a incorporação de uma maior diversidade de forças mostra uma maior orientação para o realismo no treinamento.

[3] Ver, por exemplo, Michael S. Chase, et al., "China’s Incomplete Military Transformation: Assessing the Weaknesses of the People’s Liberation Army (PLA)", RAND Corporation, fevereiro de 2015, especialmente pg. 43-124.

O fato de que rodadas anteriores de exercícios proeminentes Vermelho-Azul apenas atribuíram às Forças Vermelhas amigas um papel ofensivo, junto com referências ocasionais a Taiwan, sugere que talvez os exercícios de confronto sejam conduzidos tendo em vista uma contingência futura envolvendo Taiwan. No entanto, a prática de selecionar participantes aleatoriamente pode ajudar a promover a melhoria de base ampla no treinamento de confronto em todo o PLA, mas vai complicar os esforços do PLA para focar o treinamento de confronto e para os observadores discernirem as percepções de ameaça com base nas unidades selecionadas. Esses exercícios também proporcionarão uma oportunidade para avaliar melhor as capacidades operacionais reais do PLA.

Ainda existem lacunas no realismo desses exercícios. Apesar de sua recente ênfase em operações conjuntas, parece que o PLA tem sido um pouco mais lento para desenvolver exercícios complexos de confronto multi-serviço. A maioria dos exercícios Vermelho-Azul realizados até agora parecem ter sido realizados entre unidades do mesmo serviço e relatórios recentes sobre os exercícios enfatizaram indicadores de progresso aparentemente pequenos. Por exemplo, em 2015, um relatório destacou o fato de que um oficial de seleção de alvos da Força Aérea do PLA havia sido incorporado a um grupo de combate do Exército do PLA (PLA Daily, 9 de junho de 2015).


A falta de exercícios multi-força Vermelho-Azul provavelmente impõe um limite no realismo de tais exercícios, já que as unidades confrontam as Equipes Azuis com apenas uma gama limitada de capacidades. Por exemplo, exercícios de confronto envolvendo a Força de Foguetes do PLA usaram “equipes azuis eletrônicas” confinadas a uma base, presumivelmente apenas capaz de simular certos tipos de assédio eletrônico inimigo (PLA Daily, 19 de abril de 2016). A falta de Equipes Azuis dedicadas também pode prejudicar a capacidade de simular operações inimigas bem coordenadas. A Força de Foguetes foi recentemente descrita como reunindo Equipes Azuis de uma forma ad hoc, "atraindo de diferentes unidades reconhecimento técnico, guerra eletrônica, operações especiais e outras forças de elite" (PLA Daily, 8 de setembro de 2016).

A China até começou a trazer seus exercícios Vermelho-Azul para o cenário internacional. Em setembro do ano passado, unidades da Marinha do PLA e da Marinha da Rússia participaram de exercícios conjuntos no Mar da China Meridional (Xinhua, 11 de setembro de 2016). Os exercícios, que marcaram a quinta rodada desde que os dois países começaram os exercícios em 2012, pela primeira vez incluíram exercícios de confronto Vermelho-Azul (PLA Daily, 14 de setembro de 2016). Este ano, o Corpo de Fuzileiros Navais realizou exercícios de fogo real, bem como operações de captura de ilhas (Xinhua, 11 de setembro de 2016).


David C. Logan é um estudante graduado da Escola Woodrow Wilson de Relações Públicas e Internacionais da Universidade de Princeton. Seus escritos foram publicados na Foreign Affairs, Joint Force Quarterly, The National Interest, The Bulletin of Atomic Scientists e The Diplomat. Ele gostaria de agradecer a Joel Chen pelos excelentes comentários sobre os rascunhos anteriores.

Bibliografia recomendada:




Leitura recomendada: