sexta-feira, 9 de outubro de 2020

GALERIA: Uma missão da Marinha Francesa na Indochina

No setor de Can Tho, as vedetes (ou Cutter) da Dinassaut 8 durante uma patrulha no rio Bassac. Cada barco está armado com um canhão Oerlikon de 20mm.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 9 de outubro de 2020.

Missão de controle fluvial no setor de Can Tho, Cochinchina, em agosto de 1952. Fotos de Defives Guy para o ECPAD.

Dinassau 8 (Division Navale d’Assaut/ Divisão Naval de Assalto) patrulha o rio Bassac com embarcações pesadas LCMs ​​(Landing-Craft-Material) e embarcações de assalto armadas com canhões de tiro rápido Oerlikon de 20mm. Esses navios fortemente armados realizam missões de escolta a comboios de juncos trazendo suprimentos, contato com postos de ligação e vigilância costeira, interceptando embarcações de contrabando inimigas.

Distintivo do Dinassaut 2.

Os Dinassaut (às vezes grafados Dinassau) foram criados pelo General Leclerc em 1947 para substituir as flottilles fluviales criados por Jaubert em 1945-1946. Dez grupos foram criados, com os Dinassaut 2, 4, 6, 8 e 10 na Cochinchina (sul), e os Dinassaut 1, 3, 5, 12 e Haiphong no Tonquim (norte).

Cada Dinassaut consistia em aproximadamente 12 embarcações, frequentemente embarcações de desembarque americanas modificadas com blindagem e usando torres de tanque como armas. Outras embarcações carregavam morteiros de 81mm para serem usadas como artilharia fluvial (ribeirinha). Cada um tinha uma companhia de Commandos Marine, dos Fusiliers-Marins.

Distintivo do Dinassaut 4.

Segundo Bernard Fall:

"[O Dinassaut] pode muito bem ter sido uma das poucas contribuições valiosas da Guerra da Indochina para o conhecimento militar".

Esse tipo de interdição, em uma país coberto por selvas quase intransponíveis e altamente dependente dos rios e áreas costeiras mostrou-se essencial para o esforço de guerra da União Francesa; mesmo que o comando naval em Paris ainda insistisse em uma marinha de água azul, os esforços de água marrom permaneceram os mais eficazes.

Os Dinassaut 6 e 8 foram transferidos para a Marinha da República do Vietnã (VNN) em 1953. Os conselheiros americanos dissolveram os dois quando os franceses deixaram a região, mas a força da necessidade levou-os a recriarem unidades fluviais. Isso levou à criação da Força Móvel Flutuante do Delta do Mekong (Mekong Delta Mobile Afloat Force), mais tarde denominada Força Móvel (Riverine Mobile Riverine Force, MRF), após maio de 1967.

Um LCM (Landing Craft Material/ Embarcação de Desembarque de Material) do Dinassaut 8 durante a operação.

O mesmo LCM durante a missão de escolta e patrulha.

Dois veículos de assalto (engins d'assaut, EA) do Dinassaut 8 durante a missão de patrulha e escolta. Esses veículos de assalto de fabricação francesa equiparam os Dinassaut em adição ou em substituição aos LCVP (Landing Craft Vehicle and Personnal). Tal como acontece com o último, os EA operavam em pares.

Um marinheiro do Dinassaut 8 está postado no telhado de um LCM enquanto acompanha um comboio de juncos no rio Bassac. O marinheiro está equipado com um fuzil-metralhador Bren de origem britânica.

A bordo de um LCM do Dinassaut 8, um marinheiro está postado atrás de uma metralhadora pesada de 12,7mm (.50) durante a escolta de juncos no rio Bassac, no setor de Can Tho.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

GALERIA: Comandos Navais na Baía de Ha Long8 de outubro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário