segunda-feira, 31 de maio de 2021

ALEMANHA: Soldados do Infortúnio

O título parafraseia o famoso termo "Soldado da Fortuna".
Ilustração de Brett Affrunti para POLITICO.

Por Matthew KarnitschnigPOLITICO, 15 de fevereiro de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 31 de maio de 2021.

BERLIM - Caças e helicópteros que não voam. Navios e submarinos que não podem navegar. Grave escassez de tudo, desde munições até roupas íntimas.

Se parece um exagero comparar a Bundeswehr da Alemanha com "A Gangue que Não Conseguia Atirar Direito" (The Gang That Couldn't Shoot Straight, 1971), basta olhar para o fuzil de assalto padrão do exército, o G36 da Heckler & Koch. O governo decidiu descartar a arma depois de descobrir que ela erra o alvo se estiver muito quente.


Fuzil HK G36.

“Não há pessoal nem material suficientes, e muitas vezes se confronta a escassez acima da escassez”, concluiu Hans-Peter Bartels, um membro do parlamento social-democrata encarregado de monitorar a Bundeswehr para o parlamento, em um relatório publicado no final de janeiro. “As tropas estão longe de estarem totalmente equipadas.”

Outrora uma das forças de combate mais ferozes (e mais brutais) do planeta, o exército alemão de hoje se parece cada vez mais com um corpo de bombeiros voluntário - no mês passado, tropas de montanha foram enviadas para retirar a neve dos telhados da Baviera - do que uma máquina militar moderna.

Tropas de montanha limpando telhados na Baviera, fronteira com a Áustria, 2019.

Em uma recente viagem à Lituânia, onde cerca de 450 soldados alemães estão estacionados como parte de uma missão da OTAN para deter a agressão russa, as autoridades americanas ficaram consternadas ao descobrir o pessoal da Bundeswehr se comunicando em telefones móveis inseguros devido à falta de equipamento de rádio seguro.

“Não importa para onde você olhe, há disfunção”
- Oficial alemão de alto escalão no quartel-general da Bundeswehr.

Menos de 20% dos 68 helicópteros de combate Tigre da Alemanha e menos de 30% de seus 136 jatos Eurofighter poderiam voar no final de 2018. Os pilotos, frustrados por não poderem voar, estão indo embora.

“Não importa para onde você olhe, há disfunção”, disse um oficial alemão de alto escalão na sede do Bundeswehr em Berlim.

Embora o aparelho militar alemão esteja em estado de abandono há algum tempo, o relatório Bartels e uma série de revelações recentes sobre a má gestão no topo do Ministério da Defesa sugerem que a condição da força é pior do que até mesmo os pessimistas acreditavam.

Com o governo do [então] presidente dos Estados Unidos Donald Trump pressionando intensamente Berlim para gastar mais em defesa e cumprir suas obrigações com a OTAN, o lamentável estado das forças militares alemãs deve estar em alta neste fim de semana, quando os líderes políticos e militares dos Estados Unidos e da Europa se reunirem para seu congresso de segurança anual em Munique.

A ministra da Defesa alemã, Ursula von der Leyen, faz uma excursão ao Gorch Fock por seu comandante, Nils Brandt, em janeiro. O custo da revisão do navio icônico aumentou de € 10 milhões para € 135 milhões, de acordo com a última estimativa. (Mohssen Assanimoghaddam / DPA)

Se o governo de Angela Merkel está preparado, ou mesmo capaz, de enfrentar os problemas é outra questão. O bloco de centro-direita de Merkel supervisionou o ministério da defesa por quase 15 anos, e os críticos colocam a responsabilidade pelos problemas da Bundeswehr diretamente aos pés do partido no poder.

“Esta é uma batalha em várias frentes”, disse a ministra da Defesa, Ursula von der Leyen, no mês passado, enquanto tentava se defender das críticas. “Eu também gostaria que as coisas acontecessem mais rapidamente, mas 25 anos de retração e cortes não podem ser revertidos em apenas alguns anos.”

Nas últimas semanas, von der Leyen foi pego em um furor por consultores externos, incluindo McKinsey e Accenture, que receberam centenas de milhões de euros para limpar a bagunça do exército. Até agora, os consultores têm pouco a mostrar por seus esforços.

Preocupações com o papel dos estranhos levaram o parlamento a formar um comitê investigativo especial no mês passado para investigar irregularidades envolvendo aquisições e acusações de que os consultores foram oferecidos negócios superfaturados e muita influência.

A pressão está crescendo de todos os lados sobre von der Leyen, que é ministra da Defesa desde 2013. Marie-Agnes Strack-Zimmermann, vice-líder dos democratas livres de oposição, alertou que se a ministra não pode limpar o ar rapidamente, seria hora de perguntar “se o ministério está sendo liderado pelas pessoas certas”.

Longe de estar em ordem

Retorno do Gorch Fock ao porto de origem de Kiel após um cruzeiro de treinamento, 2009.

Os olhos da maioria dos alemães ficam vidrados e sem interesse com a menção dos problemas perpétuos da Bundeswehr, mas um caso envolvendo o Gorch Fock, o navio de treinamento naval de três mastros da marinha, chamou sua atenção.

Lançado em 1958 para ensinar uma nova geração de recrutas navais da Alemanha Ocidental, o imponente navio de 81 metros, que leva o nome do pseudônimo de um popular autor marítimo alemão, é mais do que apenas um navio de treinamento; para muitos, o Gorch Fock - cuja semelhança foi gravada em algumas notas do marco alemão - é um símbolo do renascimento da Alemanha no pós-guerra.

Verso da nota de 10 marcos alemã, 3ª série.

O status icônico do navio é um dos motivos pelos quais poucos se opuseram quando a Bundeswehr anunciou em 2015 que ele precisava de uma grande reforma. Até, é claro, o preço explodir de uma projeção inicial de € 10 milhões para € 135 milhões, de acordo com a estimativa mais recente.

Autoridades da Bundeswehr alegaram que a profundidade dos problemas do navio só ficou clara quando ele estava em doca seca, mas poucos estão acreditando em tais explicações. “Quando os reparos custam mais do que um navio novo, algo está obviamente errado”, disse Bartels, o superintendente parlamentar da Bundeswehr, em uma entrevista.

"Dado o tamanho e o poder econômico da Alemanha, a atenção de Berlim à segurança é surpreendentemente superficial."

O Gorch Fock "é um sintoma dos problemas mais amplos da Bundeswehr", disse Bartels. “Tudo demora muito e custa muito dinheiro. É como se tempo e dinheiro fossem recursos infinitos e, no final, ninguém assume a responsabilidade.”

Quase da noite para o dia, o navio passou de orgulho e alegria para a piada da vez. Na semana passada, o semanário alemão Der Spiegel retratou o Gorch Fock em sua capa com o título “Navio dos tolos” (Das Narrenschiff).

"O Navio dos Tolos" é uma sátira alegórica germânica publicada em 1494 na Suíça.

É uma metáfora apropriada para o corpo político da Alemanha também. Dado o tamanho e o poder econômico da Alemanha, a atenção de Berlim à segurança é surpreendentemente superficial; cidadãos e políticos freqüentemente parecem alheios aos desafios que o país enfrenta. Embora a Alemanha enfrente ameaças crescentes à segurança tanto da Rússia quanto da China, ninguém saberia disso rondando a capital alemã.

Grande parte da mídia agora retrata os EUA como uma ameaça à segurança no mesmo nível da Rússia. As atitudes públicas mudaram em uma direção semelhante. As discussões sobre segurança são conduzidas por um punhado de analistas de think tank com opiniões parecidas que parecem passar a maior parte do tempo no Twitter, preocupados com a possibilidade de Trump puxar o plugue da OTAN.

Mais alemães acreditam que a China é um parceiro melhor para seu país do que os EUA, de acordo com uma pesquisa publicada na semana passada pelo Atlantik Brücke, um grupo de lobby transatlântico com sede em Berlim. Cerca de 80 por cento dos entrevistados consideram as relações EUA-Alemanha como "negativas" ou "muito negativas".

Em tal ambiente, é fácil esquecer que os EUA têm 33.000 soldados estacionados na Alemanha e que Washington garantiu a segurança alemã desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

Soldados poloneses e americanos durante um exercício da OTAN na Alemanha.

No entanto, essa história pode ser o problema central quando se trata das atitudes alemãs em relação à defesa. Muitos alemães parecem felizmente inconscientes de que sua segurança, e por extensão sua prosperidade, depende em grande parte da presença do escudo nuclear americano.

Em breve, eles terão um rude despertar. Os envelhecidos caças Tornado da Alemanha, os únicos aviões que o país possui capazes de transportar ogivas nucleares, serão desativados nos próximos anos. Berlim precisa encontrar um substituto para cumprir suas obrigações de acordo com sua estratégia de defesa nuclear de décadas com os Estados Unidos.

Fazer isso pode não ser tão fácil, pelo menos politicamente. Na esteira do colapso de um tratado de armas nucleares da era da Guerra Fria entre os EUA e a Rússia [em fevereiro de 2019], alguns funcionários do Partido Social Democrata, o parceiro menor da coalizão de Merkel, começaram a questionar se Berlim deveria manter seus compromissos nucleares com relação aos EUA.

O SPD, que tem lutado para reverter um colapso nas pesquisas, provavelmente está apenas testando as águas. Os democratas-cristãos de Merkel permanecem solidamente a favor da aliança nuclear com os EUA, e qualquer movimento para acabar com isso provavelmente aceleraria o colapso do governo.

No entanto, a retórica do SPD reflete um ceticismo mais amplo de todas as coisas militares na Alemanha, que sugere que rejuvenescer a Bundeswehr é tanto mudar a mentalidade do público quanto gastar mais dinheiro.

A rejeição automática do engajamento armado pelos alemães pode estar enraizada em sua história do século XX, mas também é evidente que décadas sob a proteção americana embalaram o país em uma falsa sensação de segurança.

O serviço militar traz consigo pouco orgulho na Alemanha. (Sean Gallup / Getty Images)

Diante disso, há pouca vantagem para os políticos abraçarem abertamente o exército como uma instituição democrática essencial. O fato da Bundeswehr ser ativa em missões estrangeiras perigosas, como no Mali ou no Afeganistão, recebe pouca atenção, por exemplo.

Relatos de tropas mal equipadas em perigo são mais prováveis de desencadear humor negro do que indignação. Em um país onde o serviço militar traz pouco orgulho, o destino dos soldados é pouco preocupante.

Em Berlim e em outras cidades alemãs, alguns militares da Bundeswehr dizem que preferem não usar uniforme ao viajar para o trabalho, a fim de evitar olhares agressivos e comentários rudes. E em Potsdam, uma capital regional perto de Berlim, os políticos locais têm debatido se é apropriado que os bondes da cidade exibam anúncios de recrutamento para a Bundeswehr.

Até Merkel tem dado pouco amor à Bundeswehr ultimamente. A chanceler não visita tropas na Alemanha desde 2016. “A chanceler se preocupa com a Bundeswehr?” O diário de circulação em massa Bild perguntou em uma manchete na semana passada.

Se ela o faz ou não, pode ser irrelevante neste estágio. Com Merkel em seu caminho de saída, consertar a Bundeswehr provavelmente dependerá de seu sucessor. Até então, os planos de um “Exército Europeu” que inclua a Alemanha têm quase tantas chances de decolar quanto a Força Aérea Alemã.

Brigada Franco-Alemã com fuzis FAMAS franceses.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:

Death of the Wehrmacht: The German Campaigns of 1942,
Robert M. Citino.

Leitura recomendada:




Secretário-Geral da OTAN duvida da autonomia europeia31 de maio de 2021.

Nenhum comentário:

Postar um comentário