Mostrando postagens com marcador Submetralhadora. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Submetralhadora. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 27 de abril de 2022

Milicianas cubanas com submetralhadoras tchecas

Plaza de la Revolución em Havana, Cuba, maio de 1963.
(Alberto Korda)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 27 de abril de 2022.

Fotos de milicianas cubanas tiradas por Alberto Korda. Elas usam boinas e uniformes azuis claros e escuros, e portam as submetralhadoras tchecas Sa 23, que eram de dotação padrão da nova milícia cubana.

O modelo CZ 25 (corretamente, Sa 25 ou Sa vz. 48b/samopal vz. 48b - samopal vzor 48 výsadkový, "modelo de submetralhadora ano 1948 para") foi talvez o modelo mais conhecido de uma série de submetralhadoras projetadas pela Tchecoslováquia, introduzidas em 1948 Havia quatro submetralhadoras geralmente muito semelhantes nesta série: as Sa 23, Sa 24, Sa 25 e Sa 26. O projetista principal foi Jaroslav Holeček (15 de setembro de 1923 a 12 de outubro de 1997), engenheiro-chefe da fábrica de armas Česká zbrojovka Uherský Brod.

A Sa 23-26 tinha um ferrolho telescópico e foi a base para o projeto da submetralhadora Uzi israelense. Sua emissão foi ampla na milícia e as metralletas foram uma visão comum durante a Batalha da Praia Girón na Baía dos Porcos, em 1961.

"La Miliciana",
foto de Alberto Korda da cubana Idolka Sánchez, 1962
.

Samopal 25 de perfil.

Milicianas cuidando da aparência, 1962.

Capa do manual dos milicianos cubanos
após o recebimento dos fuzis Kalashnikov.

Alberto Korda

Alberto Díaz Gutiérrez, mais conhecido como Alberto Korda ou simplesmente Korda (14 de setembro de 1928 – 25 de maio de 2001), foi um fotógrafo cubano, lembrado por sua famosa imagem Guerrillero Heroico do revolucionário marxista argentino Che Guevara. A imagem tornou-se um símbolo da esquerda socialismo mundialmente e é famosa por estampar camisetas.

Guerrillero Heroico.
O famoso retrato de Che Guevara tirado por Alberto Korda em 1960.

Bibliografia recomendada:

The Bay of Pigs:
Cuba 1961.
Alejandro de Quesada e Stephen Walsh.

Leitura recomendada:


FOTO: Mulheres cubanas em Angola29 de março de 2022.

FOTO: Vespa cubana, 13 de janeiro de 2022.

FOTO: Guardando o Campo de Batalha8 de setembro de 2021.

domingo, 20 de março de 2022

Uzi começou como um menino que brincava com armas

Uzi Gal com a Uzi (esquerda) e a MP40.

Por Nati Gabbay, The Times of Israel, 4 de março de 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de março de 2022.

Enquanto estava preso em uma notória prisão britânica, esse jovem surgiu com o projeto de uma submetralhadora que ganharia popularidade em todo o mundo. Esta é a história inacreditável de Uzi Gal.

O inventor da submetralhadora homônima usada em todo o mundo teve uma paixão por armas de fogo ao longo da vida.

Quando jovem, ele pegou uma pistola para fazer experimentos e, quando preso em uma prisão britânica por contrabando de armas, inventou a submetralhadora que eventualmente armaria o mundo.

Uma menorá de Hanukkah feito de submetralhadoras Uzi antigas.
(
A Coleção Dan Hadani, 1979)

Esta é a história inacreditável de Uzi Gal.

Conheça Gotthard Glas, a criança com um hobby perigoso: armas.

Quando tinha dez anos, Gotthard Glas queimou a mão. Como? Ele decidiu ver uma uma espingarda velha de cano longo para reaproveitá-la como uma arma pessoal. É o que acontece quando a casa da família em que você cresceu em Munique está cheia de pistolas, espadas e outras armas antigas.

Soldado das FDI com sua Uzi.
(
A Coleção Dan Hadani, 1974)

De: “Submetralhadora Uzi: Planos de Aula”, que as FDI distribuiu aos comandantes em 1970.

Quando a criança se tornou adolescente morando no Kibutz Yagur, tendo se mudado em 1936 para a Palestina Obrigatória, sua grande paixão por armas voltou. Ouviu dizer que o professor de geografia da escola distrital possuía uma pequena pistola italiana de pólvora negra. Vendeu seu álbum de selos, comprou a arma e começou a trabalhar em seu sonho: transformá-la em uma máquina de guerra bem oleada.

Infelizmente, um professor da escola o pegou trabalhando na arma e seus planos foram frustrados mais uma vez. Glas não desistiu: aos 15 anos inventou um arco que dispara flechas automaticamente, uma “submetralhadora arco e flecha” se preferir.

Um soldado da IDF reza no Muro das Lamentações enquanto carrega uma Uzi.
(Yaacov Elbaz. A Coleção Dan Hadani na Biblioteca Nacional, 11 de junho de 1969)

Primeiro Ministro Yitzchak Shamir atirando com uma Uzi, 16 de dezembro de 1986.
(Nati Henrik, GPO)

Quando Glas se juntou à força de combate do Palmach do pré-Estado Yishuv, ele encontrou a ocupação perfeita: desenvolvimento de armas e gravação de armas. Assim como em seus dias de escola, ele foi pego mais uma vez – e condenado pelos britânicos a sete anos de prisão. Para sua alegria, foi perdoado depois de pouco mais de dois anos no Presídio de Acre. Adivinha o que ele fez para passar o tempo na cadeia: ele projetou uma submetralhadora.

Em 1949, ainda cadete no curso de formação de oficiais e depois de conhecer intimamente todas as armas que as FDI tinham para oferecer, o jovem, que entretanto se tornara Uziel Glas (e mais tarde seria conhecido pelo nome de Uzi Gal) escolheu escrever uma carta aos seus comandantes:

“Para: O Comandante da Escola de Oficiais, Tenente-Coronel Meir Zorea.

De: Cadete Uziel Glas 120946.

Data: 20 de outubro de 1949″

A longa carta contém uma descrição detalhada de seu sonho da submetralhadora perfeita.

Cinco anos e meio depois, em 27 de abril de 1955, na tradicional Parada do Dia da Independência das FDI, o exército apresentou a nova metralhadora, que tinha o nome Uzi. A propósito, Guthard/Uziel/Uzi Glas/Gal não queria que a submetralhadora levasse seu nome, mas a decisão estava fora de suas mãos.

Ministro da Defesa Itzhak Rabin com soldado das FDI.
(Danny lev, 
A Coleção Dan Hadani, 1989)

De: "Submetralhadora Uzi: Planos de aula", que as FDI distribuiu aos comandantes em 1970.

“Uma arma inovadora para as FDI”.
Artigo publicado no jornal “Zemanim”, 27 de abril de 1955.

Dentro de alguns anos, a Uzi não foi usada exclusivamente pelas FDI. Tornou-se um sucesso fenomenal em todo o mundo.

Todo o Estado de Israel encontrou esse jovem despretensioso quando ele recebeu a Menção do Chefe do Estado-Maior em 1955 e recebeu o “Prêmio de Segurança” de David Ben-Gurion.

Quando perguntado sobre sua invenção, ele simplesmente respondeu: “Cumpri meu dever no exército como um cozinheiro faz e simplesmente como todos os outros”.

A Uzi, a arma preferida de Chuck Norris!

Ao escrever o artigo, fiz uso do volume 17 de “IDF: Encyclopedia of Army and Security” (צה”ל בחילו – אנציקלופדיה לבא וביטחון), e do artigo de Eli Eshed “Sixty Years of the Uzi Submachine Gun”.

Sobre o autor:

Nati Gabbay é Diretora de Conteúdo Digital da Biblioteca Nacional de Israel.

Bibliografia recomendada:

The Uzi Submachine Gun.
Chris McNab.

Leitura recomendada:

GALERIA: A Uzi iraniana, 3 de março de 2020.

segunda-feira, 7 de março de 2022

A metralhadora UZI: uma das armas leves mais famosas do mundo

A submetralhadora UZI.

Do blog da IWI SK Group6 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 7 de março de 2022.

A Uzi nasceu da guerra de independência de Israel em 1948. O novo estado-nação precisava de uma nova arma de fogo para substituir a miscelânea de armamentos excedentes da Segunda Guerra Mundial disponíveis na época. O inventor foi o Major Uziel Gal. Seus amigos o chamavam de Uzi, mas ele nunca quis que seu nome fosse associado à arma de fogo que ele projetou.

Um historiador da cultura popular israelense, Eli Eshed, pesquisou a história da UZI. De acordo com uma publicação em osimhistoria com Eshed, Gal imigrou da Alemanha para Israel e se estabeleceu no Kibutz Yagur com seu pai. Em 1943, enquanto ele estava prestes a se mudar para o Kibutz Ein Harod, os britânicos, então no controle de Israel, descobriram que ele era o responsável pelas armas em seu kibutz, as chamadas “manchas”, onde escondiam suas armas.

“Eles o colocaram, os britânicos, na prisão por alguns anos. Então ele estava na prisão durante a década de 1940 e aproveitou bem o tempo na prisão: lia tudo o que podia sobre armas e ficava pensando – como podemos melhorar [as armas]?”, escrito em um dos jornais da época.

IWI Uzi PRO submetralhadora / Uzi PRO pistola 9mm


Em busca de armas melhores


De acordo com Eshed, muitas das armas usadas pelos combatentes subterrâneos judeus, como a Sten britânica, eram baratas e fáceis de fabricar, mas eram deficientes na maioria dos outros aspectos. Elas sofriam de inúmeras restrições ao serem imprecisas. Houve problemas também com armas diferentes, como a Schmeisser – elas eram lentas. Uzi estava procurando algo rápido, fácil, leve, muito confortável e eficiente.

“Quando o Estado de Israel foi estabelecido, Gal se alistou nas FDI e fez um curso de oficiais, juntamente com o desenvolvimento contínuo da submetralhadora. Gal e a IMI desenvolveram a nova submetralhadora e, na época, o primeiro-ministro de Israel, David Ben Gurion, escolheu a Uzi como a arma padrão para as FDI”, disse Eshed.

O FDI começou a usar o UZI em 1954-1955 por paraquedistas e as forças especiais (Unidade 101) contra infiltrados em ações de retaliação. “Como a maioria das submetralhadoras, o mecanismo de ação da Uzi é bastante simples. O atirador segura uma pequena alavanca na parte superior da arma e a puxa para trás até que o mecanismo interno da arma esteja travado na posição traseira. A arma permanece nessa posição até que o atirador puxe o gatilho”, explicou Eshed.


“Do ponto de vista técnico, Gal tirou muitas ideias de outras submetralhadoras que encontrou ao longo dos anos, especialmente a submetralhadora tcheca M23. A singularidade da Uzi reside no fato de que ela continha muitos recursos positivos e ideias positivas – e ainda assim permaneceu extremamente barato e fácil de fabricar.”

O boato da submetralhadora milagrosa se espalhou no exterior. Os holandeses encomendaram e até os alemães. Dezenas de países em todo o mundo compraram a UZI, incluindo Grécia, Portugal, Austrália, Angola, Etiópia e Indonésia. Várias versões foram desenvolvidas, incluindo a Mini Uzi e a Micro Uzi. A Uzi tornou-se mundialmente famosa e consolidou a imagem de Israel como uma potência regional com um exército pequeno, mas poderoso.

“Ao longo de seus 27 anos de serviço nas FDI, Gal trabalhou em vários projetos e ganhou muitos prêmios, incluindo o Prêmio de Segurança de Israel, que foi apresentado em 1958 pelo primeiro-ministro David Ben-Gurion”, de acordo com o fórum Uzi Talk. "Gal faleceu em 7 de setembro de 2002. Ele está enterrado no Kibutz Yagur perto de Tamar e Ahuva."

O legado continua


Com mais de 2 milhões de unidades vendidas em todo o mundo, as submetralhadoras Uzi continuam a impactar até hoje. Com a privatização da fábrica “Magen” da IMI em fevereiro de 2005, o desenvolvimento e a produção da Uzi passaram para nossa responsabilidade na IWI.

A nova submetralhadora UZI PRO é baseada no lendário projeto UZI de 65 anos atrás, mas aprimorada com materiais modernos e avanços tecnológicos. Uma versão curta e compacta baseada em um desenho ergonômico moderno permite melhor controle, maior segurança e máxima precisão.

A UZI PRO é a mais recente evolução da tecnologia de armas de fogo, que transforma a arma UZI através de polímeros modernos, trilhos Picatinny, uma empunhadura dobrável e coronha ergonômica para fornecer a próxima geração de submetralhadoras.

Todas as novas atualizações mantiveram a funcionalidade e confiabilidade da lendária UZI, a sub baseada em décadas de experiência testada em batalha pelas Forças Especiais Israelenses, foi projetada para ser leve, mas ainda assim ocultável.


Um exemplo recente do uso desta arma lendária foi publicado no site The Drive. De acordo com o relatório, a Polícia Federal belga usou a UZI, encarregada de vigiar a principal sede operacional da OTAN em Bruxelas. Essas armas em particular são licenciadas e construídas na Bélgica pela igualmente famosa empresa de armas portáteis Fabrique Nationale, mais comumente chamada de FN.

Não há dúvida de que Uzi Gal desenvolveu uma das armas leves mais famosas do mundo, que é usada hoje em dezenas de países ao redor do mundo. A arma usada ao longo da história para a proteção de nações, indivíduos e instalações.

Como IWI, estamos orgulhosos de continuar a tradição da Uzi.

Bibliografia recomendada:

The Uzi Submachine Gun.
Chris McNab.

Leitura recomendado:

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2022

A Sargento Gal Gadot com uma submetralhadora Uzi

Sargento Gal Gadot posando com uma submetralhadora Uzi, a icônica arma israelense.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 25 de fevereiro de 2022.

A estrela israelense Gal Gadot serviu dois anos nas Forças de Defesa de Israel, como instrutora de combate do exército, saindo com o posto de Samal (sargento). Em Israel, o serviço é compulsório para ambos os sexos, com os homens servindo 3 anos e as mulheres dois.

Geralmente, as mulheres servem em funções de secretaria e recursos humanos, chamadas pejorativamente de Jobnicks. Mas Gal, que já era famosa por ter vencido o concurso de Miss Israel em 2004, tornou-se instrutora de combate e atuou assim na preparação física dos soldados.

Disparo automático da Uzi


Gal descreveu seu tempo no exército como parte de ser israelense:

"Você dá dois ou três anos de sua vida a eles e não é sobre você. Você aprende disciplina e respeito."

Aos 18 anos, ela conquistou o título de Miss Israel e representou o país no concurso de beleza Miss Universo no mesmo ano de 2004. Em 2007, Gal  participou de uma sessão de fotos para a revista Maxim intitulada "Mulheres do Exército Israelense", que apresentou modelos de Israel que eram militares das FDI. A foto de Gal apareceu no convite para a festa de lançamento do ensaio, e na capa do jornal New York Post.

Foto do ensaio da Maxim.

A chamada da Maxim dizia "Elas são lindas de morrer e podem desmontar uma Uzi em segundos. As mulheres das Forças de Defesa de Israel são os soldados mais sexy do mundo?" e contou com a entrevista de quatro modelos militares.

Gal
Expertise: Condicionamento físico
"Ensinei ginástica e calistenia", diz esta impecável ex-Miss Israel. "Os soldados me amavam porque eu os fazia ficarem em forma."

Yarden
Expertise: Inteligência Militar
Estacionada no norte de Israel para seu período de dois anos nas FDI, Yarden diz que a prática de tiro ao alvo era sua atividade favorita. “Adorei disparar o M-16”, diz ela. “E eu era boa em acertar os alvos. Mas não atirei com nada desde que deixei o exército.” Ou em alguém, esperamos.

Nivit
Expertise: Inteligência Militar
“Meu trabalho era ultrassecreto”, diz essa nativa de Tel Aviv, que ainda mora com os pais. “Não posso falar sobre isso além de dizer que estudei um pouco de árabe!”

Natalie
Expertise: Telecomunicações navais
Essa loira sedutora se lembra claramente de sua parte favorita de servir seu país: “Conheci meu marido. Seu comandante continuou tentando nos arrumar." Para sua sorte, Natalie seguiu as ordens.

Gal Gadot deixou o exército e começou a trabalhar como atriz, interpretando o papel principal no drama israelense Bubot ("Bonecas") em 2008, como Miriam "Merry" Elkayam; além de ser escolhida para ser a modelo principal da Castro, a maior marca de roupa israelense. Seu caminho para o estrelato começou quando ela foi notada pelo diretor taiwanês Justin Lin para a franquia Velozes e FuriososSegundo Gal, uma das benesses do seu serviço militar foi desbancar a modelo brasileira Gisele Bündchen para o papel da agente Gisele Yashar no filme Velozes e Furiosos 4 (Fast & Furious, 2009):

"Eu acho que a principal razão do diretor Justin Lin realmente ter gostado foi de eu ter servido no exército e ele queria usar meu conhecimento sobre armas."


A carreira de Gal Gadot continuou subindo e ela alcançou fama internacional ao ser escolhida como a Mulher Maravilha em 4 de dezembro de 2013, estrelando no filme de Zack Snyder Batman vs Superman: A Origem da Justiça (Batman v Superman: Dawn of Justice, 2016). Em seguida, ela protagonizou dois filmes próprios como a Mulher Maravilha em 2017 e 2020; com um terceiro filme previsto, ainda sem data, que encerrará sua atuação com o personagem.

Seu último grande sucesso foi como uma contrabandista no filme Alerta Vermelho (Red Notice, 2021), contracenando ao lado de Dwayne "The Rock" Johnson e Ryan Reynolds. Alerta Vermelho tornou-se o filme mais assistido em seu fim de semana de estreia na Netflix, bem como o filme mais assistido em 28 dias após o lançamento na plataforma. Ele também se tornou o 5º título de filme mais assistido em streaming de 2021. Com tamanho sucesso, não é surpresa que já foram fechadas duas sequências.

Sua atuação mais recente foi estrelando como Linnet Ridgeway-Doyle na adaptação de suspense de mistério Morte no Nilo (Death on the Nile, 2022), de Agatha Christie; lançado no Brasil em 10 de fevereiro de 2022.

Trailer de Morte no Nilo

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2022

Uma breve história da submetralhadora Uzi


Do site Surplus Store UK, 22 de julho de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de fevereiro de 2022.

Seja você um amante da história militar, um jogador de vídeo game dedicado ou um skirmisher de airsoft, é provável que você tenha encontrado a Uzi em mais de uma ocasião. É uma arma icônica que desempenhou seu papel na história militar e, ao mesmo tempo, faz parte da cultura popular. Neste artigo, vamos dar uma olhada na história desta famosa arma de fogo.

Projeto e desenvolvimento

A Uzi surgiu no ano de 1950, depois que os projetos foram elaborados no final da década de 1940, como parte de uma competição interna realizada pelas forças armadas israelenses. Os projetos foram produzidos pelo Major Uziel Gal, um projetista de armas israelense nascido na Alemanha, também conhecido por sua assistência no projeto do famoso Ruger MP9.

Disparo automático com a Uzi


A Uzi usa um projeto de ferrolho aberto que expõe a extremidade da culatra do cano e pode ajudar a resfriar a arma durante longos períodos de fogo contínuo. Este projeto, no entanto, significa que o receptor pode ser muito mais suscetível à contaminação por areia e sujeira. A arma também usa um projeto de ferrolho telescópico que permite o tamanho pequeno da arma, resultando em uma arma de disparo mais lento com melhor equilíbrio.

Os primeiros modelos dessa metralhadora apresentavam uma coronha de madeira destacável, mas isso foi posteriormente substituído por uma coronha de metal dobrável para facilitar e muito o transporte.

Confiabilidade

Bala na câmara, ferrolho aberto.

A confiabilidade da arma é uma de suas vantagens, pois, com um pequeno número de peças móveis, apenas algumas poucas coisas podem dar errado. Isso também ajudou com reparos e manutenção, pois poderia ser desmontada e reconstruída de maneira rápida e fácil. Tal como acontece com muitas armas, a limpeza e a manutenção são importantes devido à maior suscetibilidade de sujeira e areia no receptor. Condições adversas também podem aumentar a probabilidade de obstrução da arma.

A arma também vem com dois recursos de segurança. O primeiro é a alavanca seletora de três posições localizada na parte superior do punho, com "S" significando seguro, "R" significando repetição (semi-automático) e "A" significando automático. O segundo mecanismo de segurança é a trava de segurança, que está posicionada na parte traseira da empunho. O objetivo desse mecanismo é evitar a descarga acidental se a arma cair ou se o usuário perder o controle ao disparar a arma.

Registro de segurança.

Disparo

Como mencionado acima, a Uzi possui opções de disparo semi-automático e totalmente automático. O projeto da Uzi não incentiva a precisão à distância, pois o tamanho e a construção da arma promovem o disparo em distâncias curtas. Isso piora especialmente ao atirar em fogo automático, pois o recuo agrava o problema.

Variante Mini-Uzi

Mergulhadores de Combate brasileiros (GRUMEC) portando Mini-Uzis.

A Uzi original foi objeto de muitas reproduções e modificações ao longo dos anos. Uma das variantes mais comuns é a Mini-Uzi, que foi desenvolvida em 1982. Ela apresentou um cano mais curto e uma coronha dobrável lateral que reduziu ainda mais o tamanho geral da arma de fogo.

Não só isso, mas a variante mais compacta também fez uso de carregadores de 20 tiros com um alcance de tiro efetivo de 100 metros. A principal diferença entre a Uzi e a Mini Uzi era que a versão menor só era capaz de disparar em semiautomático, limitando consideravelmente a cadência de tiro.

Uso militar

A Uzi foi popularizada pelas forças militares israelenses e desde então foi exportada para mais de 90 países em todo o mundo. Países tão variados como Japão, Brasil, Argentina, Bélgica e Estônia usaram a Uzi de uma forma ou de outra para uso militar desde sua concepção.

Embora a Uzi esteja praticamente fora de serviço agora, a imagem icônica da arma continua viva no mundo do cinema, da TV e dos vídeo games.

Arnold Schwarzenegger com uma Uzi no filme O Exterminador do Futuro (1984).

terça-feira, 9 de novembro de 2021

FOTO: Soldado americano com a Grease Gun na Alemanha Ocidental

Soldado americano com uma submetralhadora M3 Grease Gun durante o Exercício REFORGER '85, na Alemanha Ocidental, 1985.

Soldado de Primeira Classe Jose Ledoux-Garcia da Companhia C, 5º Batalhão, 77º Regimento Blindado, guarda seu tanque de batalha principal M60A3 durante a Central Guardian (Guardião Central), uma fase do Exercício REFORGER '85, na cidade alemã de Giessen, na Alemanha Ocidental.

Ele está armado com uma submetralhadora M3A1 calibre 45, apelidada Grease Gun (Engraxadeira).

Forgotten Weapon: Disparando a M3A1 Grease Gun

domingo, 24 de outubro de 2021

A Carabina San Cristóbal da República Dominicana


Por Chris Eger, Guns.com, 14 de janeiro de 2014.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de outubro de 2021.

Made in D.R.

Então você é um ditador caribenho com bocas para alimentar e um enorme exército para equipar, o que você faz? Bem, para um generalíssimo de ilha, a solução foi fácil: construa seus próprios fuzis.

O problema

"El Jefe Trujillo era um fã de minúsculos bigodes, uniformes e armeiros húngaros.

A patente oficial de Rafael Leonidas Trujillo Molina era comandante do exército e presidente, mas era conhecido simplesmente na República Dominicana como El Jefe, ou "o chefe". Isso porque Trujillo foi o homem forte à frente do governo do país por mais de três décadas, dos anos 1930 a 1961, quando comeu uma bala nas mãos de um grupo de assassinos.

Além da ameaça sempre presente de golpes e levantes locais, o país fazia fronteira com o instável Haiti de François “Papa Doc” Duvalier, e os dois enfrentavam tensões de vez em quando. Isso levou Trujillo a expandir o exército para mais de 50.000 soldados. O problema era que, no final da década de 1940, o país tinha poucos bens e, embora Trujillo fosse próximo de outros ditadores latinos, incluindo Franco da Espanha, Perón da Argentina e Somoza da Nicarágua, tinha ainda menos amigos. Para manter suas legiões em armas, ele precisava de armas de fogo.

Felizmente, ele conhecia um cara.

Entra o húngaro

As submetralhadoras Danuvia de Kiraly foram usadas pelo Exército Húngaro na Segunda Guerra Mundial e foram a base do seu projeto Cristobal.

Aos 70, Pal Kiraly era um sobrevivente. Capitão de artilharia do Exército Austro-Húngaro na Primeira Guerra Mundial, ele teve que deixar seu país após o fim dessa guerra. Morando na Suíça, ele produziu vários designs para a SIG (a metralhadora Kf.7 e as metralhadoras MKMO/MKPO), bem como uma pistola cujo design da Walther P-38 posterior foi considerado "emprestado".

Voltando para a Hungria na década de 1930, ele projetou os modelos Danuvia 39M e 43M de submetralhadoras com retardo por alavanca para o Exército Húngaro. Quando os soviéticos chegaram após a próxima guerra mundial, ele partiu para climas mais quentes com menos russos, chegando à República Dominicana em 1947.

Lá, ele encontrou trabalho no arsenal apoiado pelo Estado dominicano, onde o compatriota húngaro Sandor “Sandy” Kovacs estava no comando. O novo arsenal manteve estoques antigos de carabinas M1 doadas dos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial e algumas submetralhadoras Beretta M1938, que foram licenciadas no país. Sem nenhuma dessas duas armas em quantidade suficiente para substituir o suprimento de fuzis Mauser do Exército, Kovacs pediu a Kiraly que inventasse algo.

O projeto da Cristóbal

A configuração distinta do gatilho duplo das carabinas Cristóbal é fácil de detectar.

Reciclando sua popular ação de blowback (recuo por gases) com retardo por alavanca, a nova arma de Kiraly parecia muito com as antigas, mas com algumas vantagens. Como o SIG MK e seus fuzis Danuvia, ele usou a mesma ação funcional disparando de um ferrolho aberto. Ao contrário das munições Mauser Export de 9×25mm que seus projetos anteriores disparavam, ele usou munição de Carabina .30, pois estava prontamente disponível.

Exteriormente, o desenho do seu novo fuzil era muito semelhante ao do M1938 Beretta, para o qual as ferramentas já estavam configuradas. Usando um receptor tubular muito parecido com a lendária submetralhadora Sten da Segunda Guerra Mundial, o fuzil era fácil de produzir em massa com mão de obra semi-qualificada. A coronha e a armação eram de madeira lisa. Era simples de desmontar e manter em campanha, com poucas peças (a desmontagem de primeiro escalão até seus nove componentes básicos poderia ser ensinada a um soldado em minutos).

Carabina Cristóbal Modelo 2.

Marcas de fábrica.
"Armeria F.A. San Cristobal R.D."

Compacta e eficaz, a arma tinha um cano de 15,9 polegadas (40,5cm) e um comprimento total de apenas 37,2 polegadas (94,5cm). Pesando 9,4 libras (4,25kg) com um carregador de 30 tiros inserido, a carabina é semelhante em tamanho à Ruger Mini-14, mas é uma arma de tiro seletivo com uma cadência de tiro de quase 600 tiros por minuto. Era robusta e pronta para produção total em semanas. Em vez de uma chave seletora, a arma tinha dois gatilhos diferentes, um para semi-automático e o segundo na parte traseira para rock and roll - totalmente automático. Se necessário, um acessório para uma baioneta de padrão Mauser poderia ser instalado, da qual alguns milhares estavam à disposição. Quando oferecido para o Exército Dominicano, foi um sucesso instantâneo.

Kovacs sabia de que lado seu pão tinha manteiga e, em homenagem a El Jefe, chamou a nova série de fuzis de Cristóbal e da fábrica Armeria San Cristóbal, em homenagem à cidade natal de Trujillo, San Cristóbal, onde coincidentemente estava localizada.

Uma desmontagem revela um sistema de ferrolho muito simples.

O uso da Cristóbal


Colocada em produção em 1950, cerca de um quarto de milhão de carabinas Cristóbal foram produzidas. No auge da produção, mais de 400 novas carabinas por mês saíam da linha de montagem, que empregava até 2.000 habitantes locais, supervisionada por uma pequena equipe de engenheiros europeus expatriados. Kiraly (como P De Kiraly) até patenteou o mecanismo de ferrolho nos Estados Unidos só pra garantir.

A variante padrão do Modelo 2, destacada neste artigo, era a mais comum, mas também havia uma versão modernizada com um guarda-mão ventilado e coronha dobrável conhecida como Modelo 62. A maioria foi direto para a máquina militar de Trujillo, mas vários milhares foram fornecidos para seus amigos na Cuba de Batista e na Colômbia de Pinilla. Lá, as armas chegaram às mãos das forças rebeldes de Castro e são frequentemente vistas em fotos dos bons e velhos tempos de Fidel. O próprio Che Guevara preferiu o Cristóbal a outras armas e sua carabina Kiraly pessoal está em exibição em um museu cubano da revolução.

Tropas cubanas revolucionárias de Fidel Castro.

A carabina M1 modificada de Camilo Cienfuegos (à esquerda) e a carabina Cristóbal de Che Guevara (à direita) no Museu da Revolução, Havana.

Por falar em Kiraly, ele viveu tranquilamente na República Dominicana, mesmo depois que El Jefe foi para aquele grande palácio presidencial no céu. Antes que o mestre-armeiro húngaro falecesse pacificamente em 1965, aos 85 anos, ele até havia projetado uma versão experimental 7,62x51mm OTAN da Cristóbal. Em 1966, com o fechamento da conexão com a Hungria e a saída de Trujillo, a Armeria San Cristóbal interrompeu a produção de armas. Na década de 1970, o arsenal foi fechado.

Revolucionários cubanos com carabinas Cristóbal.

O mercenário italiano Ilio Capozzi em camuflado com um AR10 na República Dominicana conversando com um oficial de segurança com um Cristóbal.

A carabina de Kiraly, no entanto, permanece em arsenais militares e policiais em toda a ilha. Embora o Exército agora esteja equipado principalmente com fuzis M16 fornecidos como ajuda militar nos últimos anos, nunca se sabe quando uma boa arma de calibre .30 de design húngaro pode ser útil.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:

A serviço do Generalíssimo:
Os pilotos brasileiros na República Dominicana.
Hélio Higuchi.