quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

Comandante dos Fuzileiros Navais americanos bane símbolos confederados de todas as instalações do Corpo de Fuzileiros

Um manifestante agita uma bandeira de batalha confederada em frente à sede da Carolina do Sul, quinta-feira, 9 de julho de 2015, em Columbia, S.C. (Associated Press/John Bazemore)

Por Jeff Schogol, Task&Purpose, 26 de fevereiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 27 de fevereiro de 2020.

O Comandante do Corpo de Fuzileiros Navais, General David Berger, ordenou que todos os equipamentos relacionados à Confederação fossem removidos das instalações do Corpo de Fuzileiros Navais, confirmou seu porta-voz na quarta-feira [26/02/2020].

O analista militar B. A. Friedman twittou um documento mostrando a decisão do comandante na quarta-feira. O documento não dizia quando todas as parafernálias relacionados à Confederação precisavam ser removidas.

O porta-voz de Berger confirmou à Task & Purpose que o comandante havia enviado uma diretiva ao seu estado-maior superior ordenando que todas as instalações se livrassem dos símbolos dos Estados Confederados da América.

"Na semana passada, o comandante do Corpo de Fuzileiros Navais direcionou tarefas específicas a serem revisadas ou tratadas pelo estado-maior do Quartel-General do Corpo de Fuzileiros Navais", disse o Major Eric Flanagan em um e-mail. “Muitas das tarefas foram publicadas no Twitter na sexta-feira. Outras tarefas não publicadas anteriormente são principalmente questões administrativas.” 

"Quaisquer decisões oficiais de políticas, mudanças ou planos de implementação serão publicados por meio de pedidos e mensagens apropriados", continuou ele.

A questão de saber se os símbolos confederados representam herança ou ódio tem sido irritante para as forças armadas americanas. Em janeiro de 2016, o Corpo de Fuzileiros Navais se recusou a permitir que um homem com uma grande tatuagem de uma bandeira confederada se alistasse, mas 10 bases do Exército ainda são nomeadas por generais confederados.



Enquanto isso, vários fuzileiros navais foram investigados nos últimos anos por supostamente terem vínculos com grupos supremacistas brancos, incluindo o ex-Soldado Vasillios Pistolis, que foi expulso do Corpo depois de bater em contra-manifestantes no comício “Unite the Right” de agosto de 2017 em Charlottesville, Virgínia.

Dois outros fuzileiros navais, Sargentos Michael Chesny e Joseph Manning, foram exonerados após serem presos em um comício pró-confederado de maio de 2017 em Graham, Carolina do Norte, onde eles exibiram uma faixa supremacista branca.

A questão dos supremacistas brancos nas forças armadas não se limita ao Corpo de Fuzileiros Navais. Alex Fields Jr., que foi expulso do Exército após apenas quatro meses, foi condenado à prisão perpétua em 2019 por usar seu carro para atacar contra-manifestantes no comício de Charlottesville, matando Heather Heyer.

Em novembro, a rede de vídeos Newsy e o site de investigação Bellingcat descobriram que oito membros do serviço postaram em um quadro de mensagens supremacista, agora desativado, enquanto estavam em serviço.

Mais recentemente, um conselho administrativo da Força Aérea recomendou recentemente a exoneração do Sargento Técnico Corey Reeves, que os investigadores descobriram que estava arrecadando dinheiro para o grupo supremacista branco Identity Evropa. Um processo de revisão está em andamento.

Original: https://taskandpurpose.com/news/marine-corps-bans-confederate-symbols?fbclid=IwAR1bBWzYGH1ZxrHmZriyH2ecjjYA4x_tlbgu1pwMaNzquwmeHAoK5k_M8ec

VÍDEO: Emboscada noturna das Spetsnaz na Síria.


Spetsnaz russos operando na síria publicaram um vídeo mostrando a eliminação de rebeldes anti-Assad por meio de uma emboscada, linear e noturna, com uso de snipers e mísseis anti-carro guiados.

O vídeo é particularmente cinematográfico pelo uso de óculos de visão noturna (OVN), um assunto já tratado no blog aqui. A seqüência demonstra um conceito explorado no Best-Seller Call of Duty 4: Modern Warfareque foi revelado ao grande público quando da missão 8 "Death From Above".



FOTO: Abraço no Dia dos Veteranos

O veterano de Pearl Harbour e da Segunda Guerra Mundial, Houston James, conforta o Marine Staff Sergeant Mark Graunke, gravemente feridos nos olhos e nas mãos por um IED no Iraque, na primavera de 2004. Foto da Parada do Dia dos Veteranos em Dallas, em novembro de 2004.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

GALERIA: A revolta anti-comunista na Alemanha Oriental de 1953


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 26 de fevereiro de 2020.

A revolta de 1953 na Alemanha Oriental (República Democrática Alemã, RDA) começou com uma greve dos trabalhadores da construção civil de Berlim Oriental em 16 de junho de 1953. Ela se transformou em uma revolta generalizada contra o governo da República Democrática Alemã no dia seguinte. Na Alemanha, a revolta é freqüentemente chamada de Revolta Popular na Alemanha Oriental (Volksaufstand in der DDR). Envolveu mais de um milhão de pessoas em cerca de 700 localidades e o 17 de junho foi feriado na Alemanha Ocidental até a reunificação, e ainda é um Gedenktag (aniversário) até hoje. Greves e redes operárias, particularmente relacionadas ao antigo Partido Social-Democrata da Alemanha, redes de resistência anti-comunistas e sindicatos desempenharam um papel fundamental no desdobramento da revolta.

A revolta em Berlim Oriental foi violentamente reprimida por tanques do Grupo das Forças Soviéticas na Alemanha e pela Volkspolizei. Apesar da intervenção das tropas soviéticas, a onda de greves e protestos não foi facilmente controlada. Depois de 17 de junho, houve manifestações em mais de 500 cidades alemãs.


A crise começou quando a proposta de 1952 de Stálin, de unificação e neutralização da Alemanha, foi recusada. Em Berlim, o secretário-geral do partido socialista alemão (Partido da Unidade Socialista da Alemanha/ Sozialistische Einheitspartei Deutschlands, SED), Walter Ulbricht, interpretou a tentativa fracassada de Stálin de reunificação alemã como um "sinal verde" para prosseguir com a “construção acelerada do socialismo na RDA”, anunciada pelo partido na Segunda Conferência do Partido Comunista em julho de 1952. Essa mudança para sovietizar a RDA consistiu em um aumento drástico no investimento alocado à indústria pesada, tributação discriminatória contra as últimas empresas industriais privadas, coletivização forçada da agricultura e uma campanha concertada contra a atividade religiosa na Alemanha Oriental.


No entanto, o resultado dessa mudança de direção econômica foi a rápida deterioração do padrão de vida dos trabalhadores, que durou até a primeira metade de 1953, e representou a primeira clara tendência de queda no padrão de vida da Alemanha Oriental desde a crise da fome de 1947. Os custos de viagem aumentaram quando os generosos subsídios estatais foram cortados e muitos bens de consumo começaram a desaparecer das prateleiras das lojas.


O aumento da norma entraria em vigor em 30 de junho, aniversário de 60 anos de Ulbricht. A sua resposta às conseqüências da sovietização forçada foi apertar ainda mais os cintos dos alemães orientais; já a resposta de muitos alemães orientais foi fazer as malas e atravessar a fronteira com o mundo capitalista. Em 1951, 160.000 pessoas se mudaram; em 1952, 182.000. No entanto, nos primeiros quatro meses de 1953, 122.000 alemães orientais já haviam partido para o Ocidente, apesar da fronteira agora praticamente fechada.

As fábricas foram forçadas a reprimirem as horas extras: a massa salarial agora era excessiva quando comparada a um orçamento restrito. O custo de vida dos trabalhadores, portanto, aumentou, enquanto o salário de um grande número de trabalhadores - muitos dos quais dependiam de horas extras para sobreviver - estava diminuindo. No inverno de 1952-53, também houve sérias interrupções no fornecimento de calor e eletricidade às cidades. Em novembro de 1952, rebeliões esporádicas por cause de alimentos e incidentes de agitação industrial ocorreram em alguns dos principais centros industriais da RDA: Leipzig, Dresden, Halle e Suhl. Os distúrbios industriais continuaram durante a primavera seguinte, que variava de rebeliões violentas a pichações anti-SED, a supostas sabotagens.

Enquanto isso, os preços dos alimentos aumentaram por causa da coletivização - 40% dos agricultores mais ricos da RDA fugiram para o Ocidente, deixando mais de 750.000 hectares de terras produtivas em ociosidade - e uma colheita ruim em 1952.


Para aliviar a tensão econômica causada pela "construção do socialismo", o Politburo alemão decidiu aumentar as normas dos trabalhadores em uma base obrigatória em 10% em todas as fábricas estatais. Em outras palavras, os trabalhadores agora tinham que produzir 10% a mais pelo mesmo salário. Além disso, houve aumentos nos preços de alimentos, serviços de saúde e transporte público. Em conjunto, a norma e os aumentos de preços representaram um corte mensal de 33% nos salários.

O Politiburo soviético, informado da situação pela Comissão de Controle Soviética na Alemanha, ficou assustado com o que foi relatado. Em 2 de junho, a liderança da União Soviética emitiu uma ordem "Sobre medidas para melhorar a saúde da situação política na RDA", na qual a política do SED de construção acelerada do socialismo foi fortemente criticada. A grande fuga de todas as profissões e origens da Alemanha Oriental para a Alemanha Ocidental criou "uma séria ameaça à estabilidade política da República Democrática Alemã". 

Para salvar a situação, agora era necessário acabar com a coletivização forçada e a guerra contra as empresas privadas. O Plano de Cinco Anos agora precisava ser alterado às custas da indústria pesada e a favor dos bens de consumo. Os controles político-judiciais e o regime tiveram que ser relaxados, e as medidas coercitivas contra a Igreja Protestante tiveram que cessar. O "exercício frio do poder" de Ulbricht foi denunciado. No entanto, não havia uma demanda explícita para reverter as impopulares normas de trabalho levantadas. Este decreto foi entregue aos líderes do SED, Walter Ulbricht e Otto Grotewohl, em 2 de junho, o dia em que desembarcaram na capital soviética. Georgy Malenkov advertiu-os de que as mudanças eram essenciais para evitar uma catástrofe.


O comunicado do "Novo Curso", e sua admissão direta a erros do passado, chocou e confundiu muitos alemães orientais - tanto membros do SED quanto a população em geral. Decepção, descrença e confusão invadiram as organizações locais do partido, cujos membros se sentiram traídos e em pânico. A população em geral viu o "Novo Curso" como um sinal de fraqueza por parte do regime da Alemanha Oriental. No dia seguinte, 12 de junho, 5.000 pessoas participaram de uma manifestação em frente à prisão de Brandemburgo. Mais confusão se seguiu: em 14 de junho, um editorial da Neues Deutschland condenou as novas normas de trabalho; no entanto, nessa edição exata, havia artigos de notícias elogiando os trabalhadores que haviam excedido essas mesmas normas.

Em 15 de junho, trabalhadores do Stalinallee "Block 40", em Berlim, agora com suas esperanças elevadas com relação à possibilidade de rescisão das normas de trabalho, enviaram uma delegação ao primeiro-ministro da Alemanha Oriental, Otto Grotewohl, para apresentar uma petição pedindo uma revogação das normas de trabalho mais altas. Grotewohl ignorou as demandas dos trabalhadores.


Um artigo do jornal sindical Tribune, em 16 de junho de 1953, reafirmou a necessidade do aumento da norma. Evidentemente, o governo não recuaria sobre a questão do aumento da norma de 10%. Assim, às 9h da manhã de 16 de junho, 300 trabalhadores dos canteiros de obras do “Hospital Friedrichshain” e do “Stalinallee Block 40” entraram em greve e marcharam até a sede da FDGB (Freier Deutsche Gewerkschaftsbund/ Federação dos Sindicatos Livres Alemães) na Wallstrasse, e daí para o centro da cidade, erguendo faixas e exigindo o restabelecimento das antigas normas de trabalho. As demandas foram ampliadas para abrangerem questões políticas.


O Politburo alemão foi pego completamente de surpresa e, após várias horas de deliberação, decidiu revogar a nova norma; decretando que os aumentos de produtividade agora seriam voluntários. O Politburo culpou as greves e manifestações em parte por como o aumento havia sido implementado, e em parte por provocadores estrangeiros. Mas quando um funcionário do SED chegou à Câmara dos Ministérios para dar notícias aos trabalhadores, a agenda dos manifestantes havia se expandido muito além da questão dos aumentos de normas. A situação escalou rapidamente, e o Alto Comissário Soviético para a Alemanha, Vladimir Semyonov, informou ao SED que tropas soviéticas seriam mobilizadas em Berlim. 

As autoridades soviéticas também ficaram completamente surpresas com os protestos generalizados que se seguiram às manifestações em Berlim Oriental. Sua resposta foi improvisada e descoordenada. Após a decisão de Semyonov, as tropas soviéticas entraram nos arredores de Berlim Oriental no início da manhã de 17 de junho. Enquanto isso, multidões de trabalhadores começaram a se reunir em Strausberger Platz e em outros locais públicos e começaram a se dirigir ao centro da cidade.


Todas as 24 cidades da Alemanha Oriental com uma população maior que 50.000 sofreram levantes; da mesma forma no caso de aproximadamente 80% de suas cidades com populações acima de 10.000, mas abaixo de 50.000. Aproximadamente 339.000 participaram de 129 manifestações fora de Berlim; mais de 225.000 pessoas paralisaram 332 fábricas. Os principais centros de atividade incluíam a região industrial em torno de Halle, Merseburg e Bitterfeld, além de cidades de tamanho médio como Jena, Gorlitz e Brandenburg. Até 25.000 pessoas participaram de greves e manifestações em Leipzig, mas havia 32.000 em Magdeburgo, 43.000 em Dresden, 53.000 em Potsdam - e em Halle, um número próximo a 100.000. 

No total, 1.500.000 manifestantes foram reprimidos por 20 mil soldados soviéticos e 8 mil policiais da Volkspolizei, com 5 policiais mortos e 55 a 125 alemães mortos e 17 desaparecidos. 

Protestos e manifestações continuaram por dias após 17 de junho e, de acordo com o serviço de segurança da RDA, a situação se acalmou apenas em 24 de junho de 1953.



Muitos trabalhadores perderam a fé no estado socialista da Alemanha Oriental após o desenlace da Revolta. Por Desgosto com a violenta repressão das greves - com o fato da Volkspolizei ter atirado nos trabalhadores: de trabalhadores terem matado sua própria espécie - o SED perdeu um grande número de membros. Durante o Bezirke de Leipzig e Karl-Marx-Stadt, centenas de membros do SED, muitos dos quais passaram décadas no movimento trabalhista, deixaram o partido. Na fábrica Textima em Altenberg, 450 membros do SED deixaram o partido em 7 de julho - a maioria trabalhadores, muitos dos quais com grande experiência no movimento trabalhista. Houve também uma recusa generalizada de trabalhadores em pagar suas assinaturas sindicais: eles agora deixaram de apoiá-lo e, portanto, também lhe conferiram legitimidade.

A primeira lição do SED com relavação à Revolta foi a maior preocupação com o descontentamento no chão de fábrica e agora procuravam com mais determinação impedir que ele se transformasse em um conflito mais amplo. Foi criado um sistema de vigilância das fábricas para monitorar melhor o humor da força de trabalho, o Kampfgruppen der Arbeiterklasse (Grupos de Combate da Força de Trabalho) foi estabelecido como uma força no local para impedir ou reprimir qualquer sinal de agitação, e a Stasi (serviço secreto) foi ampliada e aprimorada para lidar rapidamente com quaisquer sinais de protesto organizado no futuro.


Em 18 de junho de 1953, o Neues Deutschland, a publicação oficial do Partido da Unidade Socialista da Alemanha (Sozialistische Einheitspartei DeutschlandsSED) e do jornal diário nacional, publicou um artigo em sua primeira página intitulado "Was ist Berlin geschehen?" (O que ocorreu em Berlim?), explicava que a greve e a subsequente revolta foram um resultado direto das tentativas das "agências ocidentais" de perturbar a estabilidade e a legitimidade nacional do SED.

Outras edições arquivadas do Neues Deutschland documentam comentários similares feitos por autoridades do partido que condenaram a influência da cultura popular americana na juventude alemã. A proeminência dos filmes e da música norte-americanos em Berlim Oriental e Ocidental influenciou a ascensão de uma subcultura da juventude comumente conhecida como Halbstarke (literalmente "meias-forças"). Filmes americanos da época como The Wild One (O Selvagem, 1953) e Rebel Without a Cause (Juventude Transviada, 1955), com as estrelas de cinema Marlon Brando e James Dean, respectivamente, foram vistos pela RDA como a romanização da desobediência e rebelião pública, além de encorajar crimes violentos. As ocorrências contínuas de desobediência civil e levantes por parte de jovens alemães eventualmente levariam à decisão de oficiais do partido SED de iniciar a construção do Muro de Berlim em 1961.


Leitura recomendada:

VÍDEO: A Revolta Alemã de 195323 de abril de 2020.

Preocupações do Pacto de Varsóvia: A Polônia e Alemanha Oriental não eram exatamente os melhores dos "aliados"8 de abril de 2020.

O identidade da Stasi do Putin foi encontrada em arquivo alemão11 de março de 2020.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

IWI CARMEL. O novo fuzil automático de Israel.

IWI Carmel
FICHA TÉCNICA
Tipo: Fuzil de assalto.
Miras: Diversos modelos, entre aço dobrável,  miras reflex e ópticas, todas instaladas sobre o trilho picatinny
Peso: 3,3 kg (vazio).
Sistema de operação: A gás com trancamento rotativo do ferrolho.
Calibre: 5,56x45 mm, 223 Remington.
Capacidade: 30 munições.
Comprimento Total: 80,3 cm (coronha estendida)
Comprimento do Cano: 11,1 polegadas.
Velocidade na Boca do Cano: 900 m/seg
Cadência de tiro: 700 tiros/ min.

DESCRIÇÃO
Por John Ironhead . com apoio de Claudio Queiroz
Na primeira quinzena de abril de 2019 ocorreu o maior evento de defesa da America Latina, a famosa LAAD, que a cada dois anos, na cidade do Rio de Janeiro, é aberta para um público segmentado de defesa, seja da industria, seja de organizações de segurança publica e militares para que estes tenham um vislumbre das novidades no segmento de defesa e segurança.
Foi nesse evento que uma das mais importantes empresas de defesa do mundo, a IWI, de Israel, apresentou seu novo fuzil de assalto, o Carmel.
O Carmel foi uma surpresa pois não se sabia que a IWI estava desenvolvendo uma arma de assalto por conta própria, uma vez que não houve uma solicitação por parte do governo de Israel para que um novo fuzil fosse projetado. As forças de defesa de Israel empregam as carabinas M-4, e o fuzil Tavor, ambos já descritos aqui no WARFARE Blog (clique nos links no texto para ler) e estão satisfeitos com essa configuração de equipamento neste momento. Assim, fica claro que a IWI tem objetivo de fornecer este novo armamento no mercado internacional.
A LAAD Defense 2019, maior feira de defesa  e segurança da América Latina, que ocorre noa cidade do Rio de Janeiro, foi local escolhido pela IWI para apresentar seu mais novo produto, o fuzil Carmel.
O fuzil Carmel é fabricado em um tipo de polímero modificado com objetivo de ser mais resistente que o material sintético que encontramos em outros fuzis de projeto recente e a caixa da culatra é produzida em uma liga de alumínio aeronáutico, que ajuda a manter om peso reduzido e uma grande imunidade a oxidação.
Seu sistema de funcionamento é o já consagrado sistema de aproveitamento de gases com trancamento por ferrolho rotativo que garante boa confiabilidade e segurança no ciclo de funcionamento da arma. O cilindro de admissão de gases possui uma tecla de regulagem com 3 posições (Regular, Condições extremas (arma muito suja) e a posição de uso com supressor de ruído.
Mecanicamente, o Carmel, usa o consagrado sistema de trancamento rotativo do ferrolho e aproveitamento de gazes com o pistão com recuo curto. Este sistema se mostrou extremamente confiável nas armas que utilizam.
A munição empregada pelo Carmel é o 5,56x45 mm, amplamente usado na maioria das forças armadas e policiais do mundo atualmente e o carregador é o padrão stanag, compatível com os fuzis da plataforma AR. A cadência de tiro se situa em torno de 850 tiros por minuto, o que lhe confere uma condição similar do fuzil M-16 e carabina M-4A1 em situação de rajada. Ainda tratando do regime de fogo do Carmel, o seletor de disparo possui a posição safe, fogo e rajada, não tendo  a posição de rajada curta. Nesse ponto é interessante colocar que muitos dos mais recentes projetos de fuzis não tem mais esse recurso.
O cano do Carmel pode ser substituído facilmente sem uso de ferramentas através de uma alavanca posicionada no início do guardam[ao, abaixo do limite do curso do da alavanca do ferrolho e que solta ele para que se possa trocar por diferentes dimensões de canos para se adaptar a situação como por exemplo, um cano mais curto para CQB (combates em locais confinados), ou mais longo para DMR (atirador designado) ou em campo aberto.
O Carmel possui uma cadência de tiro similar ao encontrado nos fuzis da plataforma AR. São 850 tiros por minuto em regime automático.
Uma das qualidades que a IWI inseriu no Carmel foi a facilidade de operação do armamento através de todas as teclas e comandos ambidestros. A alavanca de manejo possui a capacidade de mudar de lado com o simples empurrar da alavanca para o outro lado da arma em um determinado ponto do curso do ferrolho. A janela de ejeção, embora não possa ser mudada de lado, possui um eficiente defletor de cartuchos que faz com que o cartuchos deflagrados sejam lançados para a posição de "2h" do operador não levando risco de acertar o rosto de um operador canhoto ou mesmo um parceiro que esteja ao seu lado direito.
Nesta foto o Carmel está equipado com um lançador de granadas IWI ACE GL-40 de 40 mm.
A coronha do Carmel é dobrável e telescópica com 6 posições, o que permite uma excelente adaptação para todos os gostos e necessidades dentro do campo de batalha. Outro interessante recurso da coronha é seu encosto para o rosto com 3 posições de altura. Esse recurso só é encontrado em poucos fuzis de série como o SCAR da FN, o ACR da Remington/ Bushmaster e as mais recentes versões do HK G-36. O guarda mão, possui telas removíveis que cobrem os trilhos padrão picatinny STANAG 2324 que estão nas laterais e na parte de baixo. Já na parte de cima, o trilho é integral, cobrindo toda a extensão da arma.
A remoção das telas de proteção dos trilhos de acessórios no guarda-mão é feito de forma fácil através de um botão de trava na lateral da tela.
Embora as forças de defesa de Israel não tenham solicitado o desenvolvimento desta arma e nem encomendado a arma para suas tropas, se o valor cobrado pelo Carmel for competitivo, certamente será uma pedra no sapato dos fabricantes europeus e americanos nesse concorrido mercado. Além disso, é bem provável que a IWI lance uma versão exclusivamente semi automática para ser comercializada no "faminto" mercado norte americano, que é dominado por carabinas da plataforma AR. O Carmel é uma novidade no mercado ainda, e só com o passar do tempo saberemos sobre seu sucesso, mas a julgar pelo histórico da IWI, podemos ter um bom prognóstico de seu futuro.






ÍNDICE ARMAS DE FOGO


6 fatos selvagens sobre o criador mortal da SEAL Team Six


Por Blake Stilwell, We Are The Mighty, 30 de agosto de 2018.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de fevereiro de 2020.

Atualmente, Richard Marcinko é instrutor de negócios, autor e palestrante motivacional. Nos seus primeiros anos, "Demo Dick" era o principal operador de contraterrorismo dos Estados Unidos. Marcinko se alistou na Marinha dos EUA em 1958 e, finalmente, subiu ao posto de comandante, formou-se em relações internacionais e ciência política e ganhou 34 medalhas e citações, incluindo uma Estrela de Prata, a Legião do Mérito e quatro Estrelas de Bronze. Mas esse é apenas o currículo militar dele.

Mesmo entre as fileiras de operadores especiais americanos, Marcinko, seu registro e sua reputação são todos excepcionais - e é fácil entender por que. Aos 77 anos, ele ainda está treinando executivos de negócios e equipes de resgate de reféns nos EUA e no exterior. Ele até trabalhou como consultor no programa de televisão 24 Horas da FOX. Seu livro de memórias, Rogue Warrior, é um best-seller do New York Times.



"Sou bom em guerra", disse Marcinko uma vez à revista People. "Mesmo no Vietnã, o sistema me impediu de caçar e matar tantos inimigos quanto eu gostaria."

1. O Vietnã do Norte tinha uma recompensa sobre a sua cabeça

Como comandante de pelotão no Vietnã, Marcinko e seus SEALs tiveram tanto sucesso, que o Exército do Vietnã do Norte (NVA) tomou conhecimento. Seu ataque à ilha Ilo Ilo foi considerado a operação SEAL de maior sucesso no Delta do Mekong. Durante sua segunda turnê, Marcinko e a SEAL Team Two (Equipe SEAL 2) se uniram às Forças Especiais do Exército durante a Ofensiva do Tet em Chau Doc. Os SEALs resgataram o pessoal do hospital apanhado no fogo cruzado enquanto uma verdadeira pancadaria urbana total acontecia com furor ao redor deles.

Por causa da ousadia e sucesso de Marcinko, o NVA colocou uma recompensa de 50.000 piastres sobre sua cabeça, pagável a qualquer pessoa que pudesse provar que matou o líder SEAL. Obviamente, eles nunca pagaram essa recompensa.

2. Ele foi rejeitado pelo Corpo de Fuzileiros Navais



Marcinko se juntou às forças armadas aos 18 anos, mas, surpreendentemente (para alguns), ele não optou primeiro por se juntar à Marinha. Sua primeira parada foi no Corpo de Fuzileiros Navais, que o rejeitou completamente porque não tinha se formado no colegial. Então Marcinko, que partiria como comandante, se alistou na Marinha. Mais tarde, ele se tornou um oficial depois de se formar na escola de pós-graduação da Marinha, recebendo sua comissão em 1965.

3. Ele projetou a operação de contraterrorismo da Marinha



Você sabe que teve sucesso quando eles criam um videogame sobre sua história de vida.



Após o trágico fracasso da Operação Garra de Águia (Operation Eagle Claw, 1980), a tentativa dos EUA de libertar reféns mantidos por estudantes no Irã, a Marinha dos EUA e sua estrutura de operações especiais decidiram que precisavam de uma revisão. Marcinko foi um dos que ajudaram a projetar o novo sistema. Sua resposta foi a criação da SEAL Team Six.

4. Ele numerou sua Equipe SEAL "Seis" para enganar os russos

Quando ele estava criando a mais nova Equipe SEAL, os Estados Unidos e a União Soviética estavam presos na Guerra Fria - e havia espiões por toda parte. Não confiando que alguém manteria em segredo a criação de sua nova unidade, ele a classificou como SEAL Team Six (Equipe SEAL Seis), a fim de enganar a KGB levando-a a acreditar que havia mais três equipes SEAL que eles desconheciam.

5. Seu trabalho era se infiltrar em bases - bases americanas



A Marinha precisava saber onde estavam suas sensibilidades operacionais - onde estavam mais fracas. Mesmo nas áreas em que a segurança era mais rigorosa, a Marinha estava desesperada para saber se poderiam se infiltrar. Então, o Vice-Almirante James Lyons encarregou Marcinko de criar outra unidade.

Marcinko criou a Equipe de Coordenação de Segurança Naval OP-06D (Naval Security Coordination Team OP-06D), também conhecida como Red Cell (Célula Vermelha), uma unidade de 13 homens. Doze vieram da SEAL Team Six e o outro da Marine Force Recon (Força de Reconhecimento dos Fuzileiros Navais, hoje Raiders). Eles deveriam invadir áreas seguras, submarinos nucleares, navios da Marinha e até o Air Force One (Força Aérea Um, o avião presidencial). A Red Cell era capaz de se infiltrar e sair sem ser notada. O motivo? O pessoal militar de serviço foi substituído por guardas civis de segurança.

6. Ele passou 15 meses na prisão

No final de sua carreira, ele se envolveu no que a Marinha chamou de "escândalo da comissão", alegando que Marcinko conspirou com um traficante de armas do Arizona para receber US$ 100.000 por garantir um contrato do governo para granadas de mão. Marcinko sustentava que essa acusação era o resultado de uma caça às bruxas, uma reação negativa por expor tantas vulnerabilidades e embaraçar os oficiais mais graduados da Marinha. Ele cumpriu 15 meses de uma sentença de 21 meses.

Original: https://www.wearethemighty.com/history/seal-team-six-richard-marcinko

Caráter x Competência: A Equação da Confiança

Soldados realizam um Exercício de Fogo Real de Armas Combinadas na Base Conjunta Lewis-McChord em 16 de janeiro de 2020.

Do site The Company Leader, 21 de janeiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de fevereiro de 2020.

Qual é o mais importante, caráter ou competência? É uma daquelas perguntas sobre o ovo e a galinha. Empilhe-o ao lado de: os líderes nascem ou são criados? A resposta óbvia e reducionista é que os líderes devem ter os dois. Quando escrito, o argumento geralmente é retratado como caráter versus competência. Mas e se estamos expressando o relacionamento incorretamente? E se estivermos lutando para encontrar a resposta porque estamos fazendo a pergunta errada? Esta não é uma opção binária ou alternativa de consumo em um mercado de escassez. Em vez disso, devemos vê-lo como uma equação matemática: caráter x competência.

No inverno de 2018, eu estava me preparando para sentar e conversar com o Major-General Bill Burleson. O Major-General Burleson era, na época, o general comandante da 7ª Divisão de Infantaria da Base Conjunta Base Lewis-McChord. Ele tem sido um seguidor muito solidário do site. Pedi para entrevistá-lo para um artigo e ele graciosamente concordou em se sentar comigo.

Antes de nossa entrevista, coordenei os detalhes com membros do estado-maior do General. Mal sabia eu que, embora minha entrevista com o Major-General Burleson fosse fantástica, eu obteria informações igualmente valiosas do Coronel Kyle Marsh, chefe do estado-maior da 7ª Divisão de Infantaria.

O Coronel Marsh e eu discutimos os detalhes da minha próxima entrevista e outros assuntos de coordenação. Mas então a conversa entrou em nossa paixão mútua por liderança e profissão. O Coronel Marsh relatou muitas lições valiosas de seu tempo em uniforme, comunicando-as como um parceiro igual, em vez do superior amadurecido que ele era em relação ao meu tempo de serviço. Sua humildade foi acolhedora.

Durante a discussão, o Coronel Marsh pegou seu caderno e escreveu duas palavras: Caráter x Competência. Ele girou o livro e me pediu que circulasse a parte mais importante. Eu travei.

"Bem, se começar do zero, eu teria que seguir com competência", eu disse com falta de confiança. 

"Mas, assumindo um nível básico de ambos, então o caráter é o mais importante." 

Foi quando o Coronel Marsh circulou a parte que eu havia completamente ignorado.

A Equação

Caí na armadilha de me concentrar nas duas palavras e na falsa dicotomia entre elas. O Coronel Marsh circulou o x. Ele continuou explicando que competência e caráter são partes de uma equação e são multiplicativos e não aditivos.



Para fins de matemática fácil, manteremos uma escala de zero a dez, onde dez é a pontuação máxima. Se a equação fosse aditiva, uma pontuação zero em qualquer categoria ainda renderia um produto igual à pontuação da categoria oposta. Mas em um problema de multiplicação, um zero em qualquer categoria reduz o produto a zero.

O Produto

Então, qual é o produto? O que o caráter x competência lhe dá? Confiança. Esta equação é sobre confiança. Isso reflete a confiança conquistada por quem você lidera, a confiança do povo americano, a confiança de seus líderes, e a confiança de seus colegas.



Todos nós conhecemos o líder que é um grande homem ou mulher de caráter, mas sem competência em seu trabalho. Eles têm uma ótima atitude, otimismo sem fim e humildade. Mas eles parecem andar de skate com seus pontos fortes sem realmente alcançarem resultados. Nós daremos a eles uma pontuação de dez, mas uma pontuação de competência de um.

10 x 1 = 10: carregador pelo caráter sem efeito multiplicativo de sua competência.

Como alternativa, vemos histórias de líderes bem-sucedidos que caem da graça devido a falhas de caráter. Vemos a Síndrome de Bate-Seba nas manchetes com muita frequência. Ao longo de suas carreiras, esses líderes não careciam completamente de caráter. Mas eles claramente tinham deficiências e tiveram sucesso com base em sua habilidade e capacidade de alcançar resultados.

1 x 10 = 10: Depende do desempenho

Mas e se alguma dessas pontuações cair para zero? Em um problema de adição, uma pontuação zero em qualquer categoria ainda resultaria em uma pontuação de confiança líquida positiva. Em um problema de multiplicação, uma pontuação zero em qualquer categoria reduz a pontuação geral de confiança para zero.

Você precisa de um positivo líquido em caráter e competência para criar qualquer nível de confiança em sua organização.

O Modelo de Requisitos para Líderes do Exército

O Modelo de Requisitos para Líderes do Exército é um construto doutrinário que divide as expectativas da liderança do Exército em três atributos e três competências. Ele operacionaliza a definição de liderança do Exército, além de fornecer uma estrutura para avaliar nossos líderes. Essas são as características pelas quais avaliamos nossos líderes em NCOERs e OERs.

No NCOER/OER, o primeiro atributo/competência avaliado é Caráter e o último é Conquistas. Eu amo o que isso diz sobre a discussão sobre caráter x competência. Tudo começa com o caráter. Se você não internalizou os valores do Exército, não conduz com inteligência emocional e não tem humildade - então o resto é nulo. Mas também somos uma profissão orientada para resultados de circunstâncias terríveis. Por esse motivo, o Conquistas é o resultado final.



Se você é moralmente corrupto ou falido, a avaliação pára por aí. Mas mesmo se você é um cara legal, ainda precisa obter resultados. Vencer é importante.

Original: http://companyleader.themilitaryleader.com/2020/01/21/character_x_competence/?fbclid=IwAR2SfFwglC-AVDskfj-I8xa7ox4cW2IlHyPBfG4vAn-mFmLOC7wgAHmoIco

Ex-intérprete do exército alemão acusado de espionagem para a inteligência iranianas

MAZAR-E-SHARIF, Afeganistão - Os soldados do exército alemão, baseados em Camp Marmal, realizam a vigilância de uma vila próxima, durante uma patrulha diária de segurança, onde se encontram com os anciãos. As patrulhas garantem segurança e promovem boas relações com os afegãos. (Foto oficial do sargento de primeira classe Ryan Tabios, Relações Públicas do QG da ISAF)

Do site Task&Purpose, 24 de janeiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de fevereiro de 2020.

Nota do editor: Este artigo foi originalmente publicado no site Radio Free Europe / Radio Free Liberty.

O julgamento de um cidadão alemão-afegão, suspeito de espionar para a inteligência iraniana, deve começar em 20 de janeiro na cidade de Koblenz, na Alemanha.

Identificado como Abdul Hamid S. de acordo com as leis de privacidade da Alemanha, o ex-intérprete e conselheiro de 51 anos de idade das forças armadas alemãs, ou Bundeswehr, foi preso há um ano na região da Renânia, no oeste da Alemanha e acusado de fornecer informações à inteligência iraniano por muitos anos.

Os promotores o acusam especificamente de repassar 19 documentos classificados à inteligência iraniana. O Irã negou ter tido contato com o ex-consultor militar. O cônjuge de 40 anos do suspeito foi acusado como acessório, mas não foi detido. Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã disse à emissora alemã Deutsche Welle que a prisão do suspeito foi uma tentativa de "inimigos" do Irã de sabotarem as relações da república islâmica com a UE.

A revista alemã Der Spiegel informou que ele teve acesso a informações confidenciais, incluindo possíveis detalhes sobre o desdobramento de tropas no Afeganistão, e que trabalhou para a agência de inteligência MOIS do Irã. Sabe-se que a Bundeswehr usa falantes nativos para acompanhar as tropas em patrulha no Afeganistão para facilitar a comunicação com os habitantes locais. A agência de notícias DPA informou que o julgamento será realizado a portas fechadas e está programado para durar até 31 de março.

Original: https://taskandpurpose.com/news/germany-spy-iran

FOTO: Policial iraquiano com AK47

Policial iraquiano da Brigada de Intervenção, Comando da Polícia Nacional, com o seu AK47.

O Iraque adquiriu fuzis AKM (AK47 modernizado) da União Soviética na metade dos anos 70, assim como variantes chinesas (Tipo 56), húngaras (AK-63), polonesas (KbK), alemãs-orientais (MPi-K) e romenas (AIM). 

Nos anos 80, o Iraque começou a produzir sua própria variante Tabuk (batalha mitológica dos árabes contra os bizantinos em 630 dC.). Essa variante era uma cópia aproximada do M70 iugoslavo, e contando com assistência técnica iugoslava. 

O Tabuk era de baixa qualidade porque os iraquianos cortaram custos: o interior do cano e a câmara não foram cromados. A produção do Tabuk cessou quando os americanos bombardearam e destruíram a fábrica. Quando forças militares e policiais iraquianas foram re-estabelecidas, os EUA compraram fuzis AK47 da Bósnia, China e Polônia; novos em folha, saídos da caixa, de coronha fixa, produzidos depois de 1989, e cada um com 4 carregadores. Contra a vontade dos iraquianos, os americanos começaram a rearmá-los com fuzis M16A2 e M4 em 2007 e 2008; fuzis AK dos exércitos iraquiano e jordaniano foram usados nesse ínterim.

FOTO: Antigo Arsenal de Marinha, 1910

Arsenal de Marinha, atual Comando do 4º Distrito Naval. Foto de 1910.

FOTO: Tiro de fuzil Ak-5

Conscrito seco disparando um fuzil Ak-5, anos 80.

Por que Hollywood se enrola nos seus retratos das forças armadas

Bradley Coopers interpreta o atirador Navy SEAL Chris Kyle no filme "American Sniper".

Por Matthew W. Morganjan, Task&Purpose, 14 de janeiro de 2015.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de fevereiro de 2020.

Com o lançamento de "American Sniper" (Sniper Americano, 2014) de Clint Eastwood em todo o país, em 16 de janeiro [de 2015, 19 de fevereiro no Brasil], muitos veteranos do Iraque estarão indo aos cinemas para dar uma olhada no primeiro longa-metragem para dar à guerra um tratamento prolongado de "botas no chão". A adaptação de grande sucesso de Hollywood da autobiografia de Chris Kyle recebeu críticas positivas, mas os veteranos vão julgar a versão de Eastwood da história por um padrão completamente diferente.

Quando se trata de filmes militares - particularmente aqueles que se passam no meio de uma guerra em que serviram - os veteranos querem que os cineastas acertem. Mas os erros e imprecisões que tanto odiamos não são, como muitos parecem supor, tão facilmente evitados. Certamente, algumas produções se saem melhor do que outras, mas depois de ter participado da filmagem de uma grande variedade de filmes militares nos últimos 15 anos, concluí que é impossível escapar às “gafes” dos filmes militares.

A lista a seguir não pretende ser uma ladainha de desculpas. Pelo contrário, é uma destilação do que aprendi depois de vários anos batendo minha cabeça contra a parede, em um esforço honesto para acertar. Isso não satisfará o tipo de purista que quer argumentar coisas como a pura implausibilidade dos pontos de conspiração militar em "Godzilla" de 2014, mas pode ajudar a aliviar o inevitável desconforto "rastejando no seu assento" que você sentirá na próxima vez que estiver no multiplex.

Antes de prosseguir, devo observar que, se você já travou e carregou um comentário sobre como existe uma lei que realmente exige que os filmes cometam erros, você pode guardá-lo. A equipe do Ranger Up já levou esse mito para o quintal, então eu não preciso.

1. Todos os filmes - até filmes grandes - têm um orçamento.

Todo filme tem um gerente de produção cujo trabalho é orçar todos os aspectos da programação de produção de um filme. Desde as horas de trabalho do consultor, até o aluguel de armas, até os dias de treinamento para os atores, tudo entra nesse orçamento e tudo afeta a precisão. Alguns filmes simplesmente não têm dinheiro para contratar um consultor profissional; portanto, eles se viram, esperando que os chefes de departamento façam sua própria pesquisa e esperando que a equipe do set garanta que as coisas pareçam certas. Obviamente, essa abordagem raramente passa despercebida, mas mesmo quando os filmes têm dinheiro para contratar um ou vários consultores técnicos (em "American Sniper", havia quatro), os gerentes de produção limitam o tempo disponível para economizar, não importa quão grande seja o orçamento. Em "Batman v. Superman: Amanhecer da Justiça" - um filme com um orçamento de produção massivo na faixa de US$ 250 milhões - os consultores técnicos não estavam envolvidos em todos os aspectos da representação militar, em vez de isso, indo e vindo ao longo do curso de produção com base nas necessidades do diretor e nas restrições fiscais do gerente de produção. Embora existissem os meios para manter os consultores militares à disposição, os produtores optaram por confiar ao departamento de figurino os uniformes militares e só chamaram os consultores quando o treinamento era necessário para extras e dublês.

2. Existem centenas de pessoas contribuindo para um filme, e todas elas têm opiniões.

Ter um consultor técnico - ou mesmo uma equipe inteira deles - ainda não significa que tudo na imagem está lá como resultado da sua opinião. A equipe de produção de um filme em estúdio é maior que um estado-maior de um general de quatro estrelas e caracterizada pela mesma diversidade de ego. Basta analisar os créditos posteriores do próximo filme de estúdio que você vir para ter uma idéia de quantas pessoas estão contribuindo para a versão final de um grande filme. Nada requer que essas pessoas sigam o conselho do consultor militar, e todas elas têm uma visão do que acham que deve aparecer na tela quando as luzes do cinema se apagarem. Em "American Sniper", por exemplo, a figurinista considerava um dos vilões do filme mais ameaçador se o vestisse inteiramente de preto - incluindo um keffiyeh preto e uma jaqueta de couro preta na altura dos joelhos (em Al Anbar, no verão.) Os consultores militares acharam isso absurdo, mas não conseguiram convencê-la de que a autenticidade prática de seu figurino deveria superar o pensamento criativo que ela trouxe para desenvolver o visual do personagem. Foi um dos momentos em que considerações criativas simplesmente passaram por cima da realidade.


O atirador Mustafá, interpretado por Sammy Sheik.

3. Às vezes, o script é fundamentalmente defeituoso e embaraçosamente derivativo.

Se há algo em que os roteiristas são bons, é reciclar tudo, desde clichês de filmes de guerra até diálogos ruins. Quando eu pego pela primeira vez um roteiro para um filme militar, posso estar razoavelmente confiante de que pelo menos metade do diálogo precisará ser revisado de modo a parecer remotamente autêntico. O problema é que o consultor técnico não pode simplesmente entrar e fazer alterações no script. Em vez disso, suas anotações precisam ser negociadas entre o diretor e um punhado de produtores, e, assim como aconteceu com o figurinista, os campeões da precisão nem sempre vencem. Então você, a platéia, fica presa com uma fala tal como: “Aponte o lado pontudo para os monstros. Certo, sargento?" com muita frequência.

4. Os atores nem sempre fazem o que lhes foi dito.

O ex-SEAL Brandon Webb é um dos poucos veteranos a avaliar publicamente a relativa precisão de filmes, escrevendo que, entre seus problemas com "American Sniper", são os fuzileiros navais às vezes exibindo pouca consciência de boca do cano. Agora vou renunciar a qualquer argumento sobre se isso realmente acontece em combate e aceitar o elogio de Webb de que "o USMC tem alguns dos fuzileiros mais disciplinados" que ele conhece. Mas, como você deve ter suspeitado, esses não eram de fato fuzileiros navais no filme. Os extras que retratavam os grunts do 3º Batalhão, do 1º Regimento de Fuzileiros Navais eram na verdade um grupo de cerca de 100 marroquinos e expatriados europeus, nenhum dos quais possuía experiência militar legítima. Poucos falavam inglês, e menos ainda já haviam segurado um fuzil antes de virem a nós para quatro dias de treinamento. Quanto aos atores que representavam os fuzileiros navais, com poucas exceções notáveis, nenhum tinha qualquer experiência militar. Eles chegaram ao set no dia em que filmaram e tivemos 30 minutos para ensiná-los a segurar um fuzil. Então, sim, eles miraram as armas uns nos outros durante a entradas nos prédios na versão do filme de Fallujah II, mas, dado o ponto de partida, os outros consultores fuzileiros navais e eu estamos orgulhosos do que obtivemos deles.

5. Às vezes, erros são realmente decisões conscientes.

Webb também notou em sua crítica sobre os brevês Ranger (e pergaminhos e nomes de batalhões Ranger) usados pelos snipers Ranger em combate. Ele está certo de que isso provavelmente nunca iria acontecer, mas às vezes é necessário remendar as coisas para o bem do público. Como observou o próprio Webb, no contexto do filme, pode ser "difícil seguir o ramo de serviço, a unidade e a estrutura de comando". Por isso, tomamos a decisão de manter seus patches para ajudar o público não-veterano a entender quem eram esses caras. Curiosamente, uma imprecisão no filme que nem Webb e nem qualquer outro comentarista abordou em público são os pêlos faciais de Bradley Cooper. Na verdade, Chris Kyle não tinha barba quando estava no Iraque, mas os produtores sentiram que o público associava Kyle àquele que ficou famoso depois de deixar a ativa, então seria melhor se Cooper a mantivesse durante a maior parte do filme. Mais uma vez, a recomendação dos consultores foi anulada, mas a decisão levantou outra questão em relação ao vestuário. Quando as considerações de continuidade não permitiram que Cooper se barbeasse para a cena retratando o funeral de seu amigo Marc Lee, os produtores concordaram com os conselheiros de que, se Cooper mantivesse a barba, ele não usaria seu uniforme para a cena.


Chris Kyle e os "Punishers" em Ramadi, no Iraque.

6. O processo de pós-produção é separado.

O tráfego de rádio sempre está no topo da lista quando os veteranos reclamam de um filme, e pode ser realmente horrível. Como observei acima, onde o diálogo militar é roteirizado ele é muitas vezes falho. Mas o que é invariavelmente pior são as falas gravadas quando o filme está em pós-produção. Gravações adicionais de diálogo preenchem as conversas e discussões em segundo plano que não fazem parte do processo de filmagem no set, onde apenas os personagens principais falam. Essa parte da mágica do filme geralmente ocorre meses após a finalização da produção e é tratada por um supervisor de sessão que não esteve envolvido nas filmagens. Os atores nessas sessões geralmente improvisam várias falas e, se o consultor técnico não estiver disponível (ou não for pago para estar lá), eles poderão produzir um diálogo impreciso que termina na cena final. Essas sessões de gravação também são onde o tráfego de rádio com e sem script é gravado, e a razão pela qual as frases de destaque geralmente soam derivativas, enlatadas, e completamente idiotas ao ouvido do veterano.

7. Os consultores atendem às necessidades do filme, e não o contrário.

Um dos maiores problemas de Webb com "American Sniper" é a série de cenas que tentam retratar o curso de sniper SEAL. Nas palavras dele, as cenas "não chegam nem perto de dar ao público qualquer ideia de como é o treinamento de atiradores de elite SEAL". E ele está absolutamente certo. O curso de três meses não foi escrito com precisão no roteiro, que incluiu apenas duas cenas curtas intercaladas com o namoro de Kyle e sua futura esposa. Então, quando o diretor assistente interrompeu o roteiro, essa parte do filme estava programada para ser filmada em um dia em um local limitado na área de Los Angeles. Nunca foi considerado importante retratar com precisão o curso de atirador de elite SEAL, o que alguns podem achar decepcionante. Mas o objetivo da sequência era mostrar os dois lados de Kyle e estabelecê-lo como um atirador talentoso, não para descrever a intensidade da semana de trabalho de seis dias de um aluno atiradorE mesmo que os conselheiros - um dos quais era um sniper Navy SEAL - soubessem que estavam prestando um desserviço ao curso administrado por Webb, os produtores não o consideraram importante o suficiente para justificar o aumento do custo do filme. A história era simplesmente mais importante.



8. Errar é humano

Não importa quantos consultores estejam trabalhando em um filme, eles sempre errarão alguma coisa. Não é porque eles não estão tentando acertar. Outros fatores estão sempre em jogo e, às vezes, é apenas um erro. Como um veterano intrépido apontou, os Rangers em "American Sniper" usavam brevês Airborne. Eles não deveriam estar, mas nos escapou. Foi um erro honesto no dia 65 de filmagem. Mas o que é ainda mais comum do que o estranho erro não-forçado é um fato que a maioria dos veteranos reconhecerá como uma verdade fundamental das operações conjuntas: nunca há dois militares sempre concordando com tudo. E nas ocasiões em que as recomendações de dois consultores estão em desacordo, o diretor toma uma decisão sobre quem seguir.

Um desacordo notável no set de "American Sniper" teve a ver com a maneira como os restos mortais de um militar falecido são movidos. Enquanto um consultor sabia que os casos de transferência cobertos por bandeiras viajam primeiro, outro consultor estava convencido de ser ao contrário. Ninguém notaria isso, é claro, mas pelo fato de determinar em qual direção a bandeira estava posicionada em cada caso de transferência para uma cena em que Kyle está acompanhando o corpo de Marc Lee de volta aos Estados Unidos. No filme final, está errado. Mas eu nunca apontaria isso em tom acusatório contra o consultor que tomou a decisão. Afinal, ele acertou várias centenas de coisas. Embora eu duvide que alguém jamais catalogará aqueles em um fórum de comentários.

Original: https://taskandpurpose.com/entertainment/inside-look-hollywood-screws-portrayals-military