terça-feira, 8 de dezembro de 2020

Morreu Chuck Yeager, primeiro piloto supersônico da Força Aérea dos Estados Unidos

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de dezembro de 2020.

Morreu ontem aos 97 anos o piloto de teste Chuck Yeager, da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF), conhecido como "o homem mais rápido vivo". Yeager quebrou a barreira do som quando testou o avião X-1 em outubro de 1947. O feito seria anunciado ao público apenas em 1948.

Sua segunda esposa, Victoria, confirmou que Yeager havia falecido ao tuitar da conta verificada de Yeager que o ás da aviação havia morrido. “Uma vida incrível e bem vivida, o maior piloto da América”, ela tuitou 12 horas atrás. Seu legado também capturou as gerações posteriores, sendo apresentado no livro e no filme de 1983, "The Right Stuff" (Os Eleitos: Onde o Futuro Começa, título do filme no Brasil).

"Este é um dia triste para a América", disse John Nicoletti, amigo de Yeager e chefe da equipe. "Depois que ele quebrou a barreira do som, todos nós agora temos permissão para quebrar barreiras." Yeager passou por alguns desafios físicos nos últimos anos e teve uma queda que levou a complicações e outros problemas devido à sua idade. Yeager residia no norte da Califórnia, mas morreu em um hospital de Los Angeles. "Yeager nunca desistiu", comentou seu amigo Nicoletti. "Ele era um homem incrivelmente corajoso."

Nascido em 1923 e criado na Virgínia Ocidental, Yeager se alistou no Army Air Corps aos 18 anos em 1941 (a força aérea americana seria criada em 1947). Em 1943, Yeager foi comissionado oficial de vôo da reserva antes de se tornar um piloto no comando de caça da 8ª Força Aérea, estacionado na Inglaterra. Ao longo da Segunda Guerra Mundial, ele voou 64 missões e abateu 13 aviões alemães. “Muitos não sobreviveram à Segunda Guerra Mundial. Muitos não sobreviveram aos primeiros dias de testes de pilotagem”, explicou Nicoletti.

Yeager foi abatido sobre a França em março de 1944 em sua oitava missão de combate, mas conseguiu escapar da captura com a ajuda da resistência francesa, disse seu site. Ele voltou aos Estados Unidos em 1945 e se casou com sua esposa Glennis, para quem ele havia nomeado vários de seus aviões de combate.

Barricada da resistência francesa durante a Batalha de Paris, agosto de 1944.

Após a guerra, Yeager tornou-se instrutor de vôo e piloto de teste, trabalhando como oficial assistente de manutenção na Seção de Caça da Divisão de Teste de Vôo em Wright Field, em Ohio. As habilidades excepcionais de Yeager foram rapidamente reconhecidas e ele foi convidado a atuar em shows aéreos, bem como testes de serviço para novos aviões.

Em 1946, o Coronel Albert Boyd era o chefe da Divisão de Teste de Vôo e escolheu Yeager a dedo para ser um aluno na nova escola de pilotos de teste em Wright Field. Embora tivesse apenas o ensino médio, Yeager creditou seu sucesso no programa às suas habilidades de vôo. O Coronel Boyd escolheu Yeager para ser o primeiro a pilotar o Bell X-1 movido a foguete porque o considerava o melhor piloto 'instintivo' que já tinha visto e demonstrou uma capacidade extraordinária de permanecer calmo e focado em situações estressantes.

Após meses de vôos com o X-1, Yeager quebrou a barreira do som com sua aeronave, que chamou de Glamorous Glennis em 14 de outubro de 1947, sobre o Lago Rogers Dry, no sul da Califórnia. O X-1 alcançou Mach 1,06 ou 700 mph, tornando Yeager o primeiro homem a viajar mais rápido do que a velocidade do som e ganhando o título de "Fastest Man Alive" (O homem mais rápido do mundo).

Yeager alcançou considerável notoriedade na mídia depois que quebrou a barreira do som em Glamorous Glennis. Aqui ele posa com a atriz de televisão Barbara Eden, que desempenhou o papel principal na popularíssima série “I Dream of Jeannie" (Jeannie é um Gênio, no Brasil).

Yeager passou os anos seguintes continuando a testar aeronaves e ultrapassando os limites, estabelecendo o recorde de velocidade para uma aeronave de asa reta de Mach 2,44, em dezembro de 1953; sendo premiado com o Troféu Harmon Internacional de 1953 pelo presidente Dwight D. Eisenhower. Ele então voltou ao vôo operacional em 1954, assumindo o comando do 417º Esquadrão de Bombardeiros de Caça e sendo estacionado na Base Aérea Hahn na Alemanha, e depois na Base Aérea de Toul-Rosières na França. Em 1957, Yeager retornou à Califórnia e assumiu o comando do 1st Fighter Day Squadron em George AFB.

Ele se tornou comandante da Escola de Pilotos de Pesquisa Aeroespacial com o posto de coronel em 1962. Lá, ele presidiu o desenvolvimento de uma instituição inédita, projetada para preparar pilotos de teste militares americanos para vôos espaciais. Trinta e sete formandos desse programa foram selecionados para o programa espacial dos EUA, com 26 ganhando asas de astronauta voando nos programas Gemini, Apollo e Ônibus Espacial, disse o site. Ao longo da década de 1960, sua posição na Força Aérea o levou às Filipinas, Vietnã, Tailândia e Coréia.

Yeager se aposentou da Força Aérea com o posto de Brigadeiro-General (Brigadier General) em 1975, tendo voado 10.131,6 horas em cerca de 361 tipos e modelos diferentes de aeronaves militares ao longo de sua carreira.

Enquanto seu serviço oficial terminava, Yeager continuou a ser um consultor valioso para o governo e a indústria aeroespacial. Yeager foi uma das várias pessoas que apareceram no filme de 1983, "The Right Stuff", adaptado do romance de não ficção de Tom Wolfe sobre os primeiros 15 anos do programa espacial americano. Em 1997, aos 74 anos, Yeager comemorou o 50º aniversário do seu vôo histórico no X-1, voando em um F-15 Eagle.

Brigadeiro-General Chuck Yeager, colorização da artista Marina Amaral em 14 de outubro de 2017. (@marinamaral2)

"O General Yeager representa o melhor de nós. Para mim, Chuck Yeager sempre será o som da liberdade", disse seu amigo Nicoletti.

Vídeo recomendado:

Bibliografia recomendada:

Voando nas alturas.
(Leo Janos, Chuck Yeager, 1986, Ed. Best Seller).

Leitura recomendada:

ENTREVISTA: O 1° Grupo de Aviação de Caça nos céus da Itália13 de setembro de 2020.



Nenhum comentário:

Postar um comentário